Vegetarianismo

Espiritismo e vegetarianismo

Espiritismo e vegetarianismo
Espiritismo e vegetarianismo

Antes de mais nada, esclareço que o Espiritismo não inibe ou encoraja determinantemente o vegetarianismo. Tudo o que se tem são opiniões. Eu não como carne. Não sou melhor do que ninguém por isso. Não parei de comer carne com a intenção de me tornar uma pessoa melhor. Não deixei de comer carne pensando em evoluir espiritualmente com isso. Não abandonei a alimentação carnívora por ser espírita. O Espiritismo não proíbe o uso da carne na alimentação. O Espiritismo não proíbe nada.

Por que voltar a este assunto se já falei sobre ele no artigo Espiritismo: comer carne ou ser vegetariano? Porque os argumentos contrários ao vegetarianismo ainda são os mesmos. Se os argumentos não mudam, talvez seja o caso de revê-los.

Repito: Não sou melhor por não comer carne e quem come carne não é pior por comer carne.

Os argumentos a favor da alimentação à base de carne são dois: A questão 723 do Livro dos Espíritos e o capítulo 15, versículos 10 a 20, do Evangelho segundo Mateus. Baseados nisso, os defensores do uso da carne na alimentação têm sempre na ponta da língua duas sentenças: “A carne alimenta a carne”; e “Não é o que entra pela boca que contamina o homem, mas o que sai pela boca”.

Na questão 723 do Livro dos Espíritos, Allan Kardec pergunta aos espíritos se a alimentação animal pelo homem é contrária à Lei da Natureza. Os espíritos respondem que, pela nossa constituição física, “a carne alimenta a carne, do contrário o homem perece”. O Livro dos Espíritos foi publicado em 1857, quando os recursos alimentares não eram tão abundantes quanto hoje, e quando nossos conhecimentos sobre nutricionismo eram escassos. Nunca ouvi falar de alguém ter “perecido” por não comer carne. Acho que há pessoas que precisam, sim, da carne na alimentação. Seja por condições fisiológicas, seja por suas crenças. Mas a resposta não se aplica a todos.

Na questão seguinte, 724, Allan Kardec pergunta se é meritório abster-se da alimentação animal e a resposta é que sim, que é meritório se essa privação de carne na alimentação for praticada em benefício dos outros. Eu, particularmente, não como carne em respeito aos animais. Minha abstenção de carne, portanto, é em benefício dos animais.

Na passagem do Evangelho, em Mateus 15:10-20, os fariseus reclamam a Jesus que os seus discípulos haviam quebrado a tradição ao não lavarem as mãos antes de comer. Jesus, então, disse: “Não é o que entra pela boca o que contamina o homem, mas o que sai da boca, é isso o que o contamina. Não sabeis que tudo o que entra pela boca desce ao ventre e é lançado em lugar escuso? Mas tudo o que sai da boca vem do coração, e isto contamina o homem. Pois do coração procedem maus pensamentos, homicídios, adultérios, fornicações, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias. Estas coisas são as que contaminam o homem; porém o comer sem lavar as mãos não o contamina.”

Jesus claramente não se referia à alimentação, mas aos costumes e tradições voltados às exterioridades, aos usos e crenças que visavam exclusivamente a materialidade, sem se ater ao íntimo, às coisas do Espírito. Todos sabem que Jesus se servia de acontecimentos ordinários para ensinar por parábolas. Se estivesse se referindo à alimentação, estaria incentivando a falta de higiene. Além disso, há muitas coisas que entram pela boca que contaminam, sim. Álcool, cigarro, maconha, veneno, tudo isso usa-se pela boca e contamina.

Ninguém se torna impuro por comer carne. Ninguém se torna puro por não comer carne.

Mas há posicionamentos claros na literatura espírita. Emmanuel, no livro O Consolador, quando foi perguntado se é um erro o homem alimentar-se com a carne dos irracionais, deu a seguinte resposta:

 “A ingestão das vísceras dos animais é um erro de enormes consequências, do qual derivaram numerosos vícios da nutrição humana. É de lastimar semelhante situação, mesmo porque, se o estado de materialidade da criatura exige a cooperação  de determinadas vitaminas, esses valores nutritivos podem ser encontrados nos produtos de origem vegetal, sem a necessidade absoluta dos matadouros e frigoríficos”.

Não vou citar Fisiologia da Alma, de Ramatis, porque muitos espíritas têm calafrios só de ouvir o seu nome. Também não vou transcrever Missionários da Luz, de André Luiz; Cartas e Crônicas, de Humberto de Campos; entre outros livros de autores consagrados, porque ocuparia muito espaço.

Cada um no seu tempo. Uns andam mais rápido em algumas coisas, outros andam mais rápido noutras coisas. Mas uma visita a um matadouro faz muitos mudarem de opinião rapidinho. Uma coisa é comprar uma bandeja com um pedaço de carne embalada. Outra coisa é ouvir ou ver um animal morrendo pra virar bife ou salsicha. Não estamos no século XIX, em que Allan Kardec perguntou aos espíritos a respeito do duelo. Muitos nem sabem mais o que é duelo, de tanto que os costumes mudaram. Nós evoluímos. Estamos nos regenerando. Há quem não se condoa com o sofrimento dos animais. Eu os entendo. Já achei normal. Mas há também que pensar no caso das pessoas no mundo que passam fome e sede enquanto são necessários duzentos litros de água e dezesseis quilos de soja pra produzir um quilo de carne de boi. Pesquise sobre o destino da safra de grãos do Brasil, pesquise sobre o impacto ambiental da criação de gado na Amazônia ou da criação de suínos em Santa Catarina. São dados que você não vê na televisão, pois há muitos interesses envolvidos.

Só pra encerrar: Hitler não era vegetariano. Seu médico prescreveu uma dieta vegetariana por questões de saúde. Este fato foi usado pelo Ministro da Propaganda de Hitler, Goebbles, para fazer de conta de Hitler era um homem puro e santo como Mahatma Gandhi, contemporâneo famoso do ditador alemão.

Para quem quiser maiores informações, deixo os links de três documentários: A CARNE É FRACA;  TERRÁQUEOSUMA VERDADE MAIS QUE INCONVENIENTE

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

45 Comentários

  1. Querido irmão de caminhada Juan Marcello, acredito que a discussão sobre comer ou não comer carne é um importante instrumento de conscientização. A maior parte das pessoas, embora saiba que carne é carne, não refletem sobre a gigantesca indústria em que se transformou a criação de animais para consumo humano. Constatar isso, e assuntos correlacionados, leva a outras reflexões para as quais já estamos suficientemente maduros. Neste sentido eu divulgo dois documentários como estes a que você se refere. Mas só por isso. Não tenho paixão pelos animais e não faço disso uma causa. Com honrosas (e raras) exceções, os militantes da causa animal radicalizam em defesa dos mesmos, colocando sua importância acima dos humanos. Concordo plenamente com você no que concerne aos peixes, não vejo mal algum em incluir peixes na alimentação. O radicalismo na defesa de uma causa demonstra a falta de argumentos convincentes. Um abraço!

  2. Saudações, querido irmão Morel!
    Recentemente troquei longas mensagens com um amigo vegetariano, sempre num tom de amizade e partilha de ideias, uma vez que não sou vegetariano.
    Um argumento que levantei, e que seria interessante conhecer sua visão pessoal, é sobre o seguinte:
    Vegetarianos expõe atrocidades horríveis em documentários, e condenam com veemência a alimentação carnívora… mas não excluem os peixes dessa história toda. Jesus fez peixes lotarem a rede de um dos apóstolos, e os peixes são devorados diariamente por outros seres do mar, até os próprios peixes. Por que tanto radicalismo? O peixe tem um valor nutricional excepcional, mas são incluídos na mesma ideia de porcos e outros animais morrendo de forma horrível. Por que isso? Sempre combato a crueldade, mas incluir os peixes dentro dessa reflexão toda não parece coerente. Jesus teria multiplicado a lavoura, se quisesse, e Ele podia.
    Meu forte abraço fraterno.

  3. O SER HUMANO PELO SEU LIVRE ARBÍTRIO PODE COMER CARNE DE ANIMAIS, PORÉM ELE PRECISA SABER QUE O VEGETARIANO QUE SE ALIMENTA DELICIOSAMENTE DE COMESTÍVEIS COLORIDOS E SUAVEMENTE CHEIROSOS, POSSUI MAIS SAÚDE, MAIS JUVENTUDE, HÁLITO MAIS AGRADÁVEL, MAIS VIDA E, CONSEQUENTEMENTE, PODE ATÉ SER MAIS FELIZ.

  4. Continuam cortando comentários.
    Todo ser humano continua evoluindo em suas vidas sucessivas.
    Para caminhar mais depressa, basta ser bom, pois o bem anula
    o mal, assim como as trevas são anuladas pela luz.

  5. Qual é problema??? Existe preconceito em comentários ???
    Porque anulou o meu comentário ???
    O Espiritismo e o espírita deve ser liberto em teus pensamentos, pois na dúvida de ser ou não ser, de existir e viver, refletir o porque do nascer, do viver e morrer, trilogia da existência do ser de que deve haver um Núcleo de força e saber(Deus), cuja métrica não podemos alcançar.

  6. Adelina, alguns produtos como o leite de soja Ades são enriquecidos com vitamina B12. Para quem come laticínios e ovos acredito que não haja preocupação. Para quem não consome nada de origem animal é bom fazer reposição.

  7. Bom dia, Morel. Achei muito esclarecedores seu comentários. Estou fazendo uma experiência de alimentação vegetariana há seis meses. Tenho frequentado reuniões e grupos de estudos espíritas, mas não foi o Espiritismo que me influenciou. Tenho uma filha de 23 anos que decidiu parar de comer e, como sabemos, fica difícil um membro da família sozinho mudar a dieta alimentar. Conversei com meu marido e resolvemos aderir ao vegetarianismo também para cuidar melhor da nutrição dela. Confesso que dá muito trabalho manter uma alimentação variada e equilibrada, sem contar que comer fora de casa ficou quase impossível. Estamos nos sentindo muito bem, ela e eu, por que meu marido não evita as carnes se precisa fazer alguma refeição fora de casa. O que está me preocupando é a questão da vitamina B12 que é proveniente da carne. Você que tem uma experiência mais longa, poderia me dizer se é necessário fazer uma reposição dessa vitamina?

  8. Este livro afeta a maneira como olhamos para o “alimento” que chamamos carne. Outra coisa que afeta profundamente a quem se dispuser a refletir sobre o tema é o filme “Terráqueos”.
    Obrigado pelo depoimento, Ricardo.

  9. Comecei a ler o Livro “Fisiologia da Alma” do Ramatis. Sei que é muito cedo ainda para comemorar. O livro tem 384 páginas, estou na pagina 57 e faz uma semana que estou praticamente sem comer carnes de qualquer de animal. Confesso que não estava com esse propósito, comecei a ler esse livro indicado aqui no blog, por curiosidade, e acabei removendo esse alimento de meu cardápio.
    Assim como o Morel disse que não se sente melhor que ninguém por esse feito, minha opinião é a mesma, mas pra dizer a verdade, estou me sentindo mais leve, com melhorias no bem-estar em apenas uma semana.

    Obrigado Morel.

  10. Paula, também sou gaúcho e fui tradicionalista na juventude. O churrasco era uma espécie de ritual sagrado. Mas isso é bobagem. Não dou a menor importância ao que os outros pensam sobre o que eu como. Sou forte e saudável; é o que me basta.
    Acho que devemos passar os nossos valores aos nossos filhos. Minha filha mais nova é a Sofia, que vai fazer cinco anos no próximo dia 23. Quando ela era pequena expliquei a ela o que é carne. É lógico que ela não quis comer. Se fosse explicado às crianças que o bife que elas veem no prato ou a salsicha do cachorro-quente é feito dos mesmos bichinhos de que elas tanto gostam nos desenhos, elas não pensariam duas vezes antes de parar. Não prego, de modo algum, que todos façam isso. Cada um sabe de si, cada pai e mãe passa aos seus filhos os valores em que acreditam e que consideram serem os mais corretos. Se mais tarde não pensarem como nós, tudo bem.
    Tome cuidado para não achar “impuros” os que comem carne. É um erro cometido por muitas pessoas que param de comer carne, isso as torna chatas e mal-vistas.

  11. Boa noite! Há dois meses decidi colocar meu plano de parar com a carne, plano este que tenho em mim há anos, sou gaúcha e aqui não comer carne parece uma coisa absurda, mais que em qualquer outro lugar, acredito eu… estou sentindo o preconceito na pele. Tenho uma dúvida cruel… pode parecer imatura e sei que todos nós temos o livre arbítrio e devemos respeitar as vontades, mas fico me perguntando, o dia que eu tiver filho, como deveria proceder num caso desses, me sinto suja só de pensar em comprar carne. Adorei o site, encontrei procurando por outro assunto e me deparei com o que estou vivendo neste momento. Agradeço desde já.

  12. Risélia, muitas crianças dessa geração estão agindo assim… é uma tendência, é algo que vai aumentar gradativamente. Comi carne por muito tempo, e não condeno, de modo algum, quem come. Mas que é insano, é. O exemplo citado por você demonstra isso.
    Obrigado pelo depoimento; fique com Deus.

  13. Na minha infância nossa alimentação era à base de legumes e vegetais, isso por falta de recursos para compra de carne, depois disso, continuei comendo pouca carne por costume, até que um dia minha 3° filha, aos 3 anos, enquanto eu preparava um frango para assar, coisa que ela gostava de comer, ouviu a outra perguntar se eu ia assar a galinha, então minha pequena de 3 anos saiu correndo e me perguntou porque eu matei a galinha, e que ela não iria comer um bicho morto, porque antes ela não sabia que frango era um animal abatido. Desse dia em diante rejeitou carne, e me corrigia sempre, me perguntava: essa carne é de que bicho? olhando nos meus olhos dizia: não vou comer isso, então isso durou por todas as vezes que eu preparava carne, até que eu comecei a me sentir mal ao comer carne, fui diminuindo, até que parei, mas como tenho 3 filhos compro um pouco de carne para quem quiser comer, afinal cada um no seu momento… esses dias estava almoçando com eles e preparei frango, e eu não comi, então minha filha me disse: Mãe, por que você não come carne e colocou carne no meu prato, eu disse por que você gosta de carne! ela me respondeu… eu gosto mas eu também não quero comer carne dos animais, hoje ela tem 9 anos e continua pegando no meu pé, para eu não comer carne, então ela me ensinou isso, e os outros de casa também concordam em uma alimentação sem carne, estou tentando aprender a preparar alimentos nutritivos com proteínas vegetais, ainda estou a caminho mas já me sinto melhor por vencer a (necessidade) que eu achava que tinha de comer carne, apesar de ter que caprichar mais na alimentação… me sinto mais feliz agora!

  14. Morel, gostei de suas palavras, mas não acho que devemos ser tímidos em defender o veganismo, pois milhares de animais passam por um verdadeiro holocausto todos os dias em que nem os nazistas mais cruéis teriam coragem de fazer com os judeus e tudo patrocinado por pessoas que muitas vezes ficam na tribuna falando de Deus, amor, caridade e compaixão. Compreendo quando uma pessoas ainda não tenha recebido informação suficiente para compreender todo o horror que existe por trás de seus hábitos de consumo, mas após o esclarecimento e recebidas todas as informações se ela persiste neste hábito cruel e egoísta, não me venha por favor, falar de Deus, amor e compaixão. Não acho que as pessoas tenham que ser anjos para começarem o trabalho na seara do Cristo, mas patrocinar tanto horror e prosseguir com um sorriso caridoso no rosto é mais hipocrisia que posso suportar.

  15. Olá !!! Li os comentários todos e gostei! Na adolescência, só comia um pouco de carne, por causa do “chinelo” … aos poucos, senti que o meu paladar não aceitava a carne. São quase 07 (sete) anos sem nenhum tipo de carne. Meu metabolismo melhorou, meu humor também e descobri novos pratos. Minha sensibilidade também está mais aguçada. Sou espírita há 10 anos e trabalho em um centro espírita na minha cidade. Já li “Fisiologia da Alma” por Ramatis, e agora estou lendo ” Mediunismo”, também dele. Hoje entendo que para ler Ramatis é necessário conhecer as obras básicas da Doutrina Espírita e já estar em processo de despertar a consciência, senão, dá uma “confusão”… (risos). Abraços fraternos a todos!

  16. Eu consegui parar de comer carne, foi aos poucos, demorei anos, a ultima que deixei foi o peixe, mas é possível sim, antes eu ainda tinha vontade de uma coisinha ou outra de carne, então só comia um pedacinho e de vez em quando mesmo, tipo demora meses, hoje em dia está bem mais fácil, quase não tenho vontade de nada com carne, é questão de acostumar, eu decidi para de consumir carne pela minha saúde, para manter uma vibração, uma energia melhor em meu corpo, eu sinto a diferença quando como carne, a carne está cheia de energia de dor e morte, penso que não sou um túmulo, não quero cadáveres dentro de mim 🙂
    Gosto muito dos livros do Ramatis, conheci depois que já estava me tornando vegetariana.
    Percebi que sendo vegetariana como menos e não engordo.
    Foi assim para mim, mas eu também respeito as escolhas de cada pessoa e acredito que com o tempo e com a evolução da consciência as pessoas vão entender e mudar conforme podem.

  17. Ainda como carne. Digo “ainda” porque vou providenciar uma maneira de parar de contribuir com a matança… assim que estiver morando sozinho.

  18. Obrigado pela atenção e a indicação do vídeo, Morel – por mais que ele seja sensacionalista.

  19. Hiago, Ramatis não se refere ao leite e seus derivados. Como seu enfoque é predominantemente espiritual e energético, é na carne que ele vê grandes malefícios para o espírito e particularmente para o duplo-etérico, nossa matriz energética. Eu, eventualmente, como derivados de leite, inclusive pela dificuldade de encontrar alimentos que não contenham esse ingrediente na casa de outas pessoas ou na rua. Mas acredito que, abstraindo qualquer questão espiritual ou filosófica, o consumo do leite seja mais prejudicial à saúde do que a própria carne. Há vídeos que tratam sobre o assunto, a maior parte legendados. Deixo este link do Lair Ribeiro: http://www.youtube.com/watch?v=NYOeGQY0p98

  20. Sou ignorante a tudo isso, Morel. Mas, pela leitura dos comentários, uma dúvida que acredito que você possa me esclarecer: Ramatis argumenta contra o fato de tomarmos leite, assim como a ingestão de carne? Ou os próprios vegetarianos, como você? Me preocupei com este fator, tendo em vista a importância nutricional do leite não relativa – como é a da carne.

  21. Gosto do seu site, tenho mediunidade não evoluída.
    Aliás, todos temos, porém tenho sonhos premonitórios que não vem quando eu quero, porém são claros e sei quando é porque levo muito tempo pra entender se foram sonhos ou realidade.
    Falo isso porque pessoas não espíritas pensam que todo médium é evoluído espiritualmente e sabemos que nem sempre é isso que acontece. Acho interessante para algumas pessoas entenderem e não idolatrarem alguns que se dizem médiuns ou mesmo idolatram alguns.
    Então Morel o que você poderia falar sobre isso, não para mim, mas para quem não entende o fenômeno.
    Obrigado por suas matérias.

  22. Você tem razão quanto aos cuidados com a alimentação, Silvia. Mas quanto ao domingo: Não é mãe que deve decidir?

  23. Eu acho, Felipe, que tudo é questão de conscientização e cultura. Conscientização dos malefícios da carne e cultura para saber se alimentar de forma correta, pois se tornar um vegetariano requer algumas noções básicas de nutrição, conheço algumas pessoas que deixaram de comer carne mas não se instruíram o suficiente para substituir os nutrientes, consequentemente desenvolveram anemias. Eu estou engatinhando no vegetarianismo, mas ainda tenho muitas dificuldade. Por ironia, domingo, dia das mães, meus filhos querem que eu faça uma feijoada, é difícil, requer muito esforço quando nos conscientizamos de algumas mudanças mas o ambiente que vivemos ainda não. Muita paz a todos.

  24. Boa decisão, Erivelton. Muitos que leem Ramatis deixam de comer carne. Seus argumentos são fortes…

  25. Olá Morel! Graças a DEUS estou limpo da alimentação carnívora desde 05/01/2013… Ainda não consegui deixar laticínios, ainda como queijo, ovos e leite, porém a carne é um bom começo… Essa minha decisão tomei ao ler RAMATIS – Fisiologia da alma – e também por amor aos nossos irmãos animais, lindos, amorosos e indefesos… \º/

  26. Tentarei menos cobrar-me … porque de fato, tem dias em que penso irei enlouquecer.
    Grata Morel por sua valiosa atenção.
    Deus lhe abençoe.

  27. Não, Debora. Não se cobre assim. Cada coisa no seu devido tempo. Há coisas muito mais difíceis e urgentes que você já fez nesta reencarnação. O que era realmente importante pra você você fez e vem fazendo. Não damos conta de fazer tudo. Não se cobre assim. Parar de comer carne, pra mim, foi relativamente fácil. Há coisas que outros fazem ou deixam de fazer com facilidade e eu não. Assim somos nós, aprendendo uns com os outros, nos complementando e evoluindo. Menos, Debora. Diminua a marcha. Fique com Deus!

  28. Eu como carne.
    Eu adoro carne.
    Eu amo carne de peixe.
    Enfim, eu sou carnívora.
    Minha amiga vegetariana vive pedindo para a gente deixar de comer o “presépio” (galinhas, porcos, carneiros e vacas) mas vou dizer… para mim é difícil.
    Vejo que é hora de eu parar de ficar meditando. Estou me cobrando muito, cada vez mais. Vou enlouquecer.

  29. Priscila, obrigado por contribuir com a sua experiência pessoal e parabéns pela postura.

  30. Sobre os comentários acima, concordo que há mais cobrança de perfeição, se assim posso dizer, aos espíritas. Creio que é pela forma CLARA que a doutrina propõe a reforma íntima. Dentro da minha própria casa sou/fui cobrada, o que também me levou a certo receio de me dizer espírita. Porém, hoje não não tenho mais esse receio, pois na medida que aprofundo os estudos fico mais segura de que, apesar das imperfeições, estou no caminho certo. E sobre o vegetarianismo, só sei que cada vez como menos carne, é um processo demorado, mas um dia eu vou conseguir. Outra coisa, até onde eu sei, nos mundos mais evoluídos que o nosso, a alimentação não inclui carne, creio que esse seja um bom argumento para sabermos se é “certo” ou não. Grande abraço!

  31. Muito obrigado pela contribuição, Tiago. Você se expressou tão bem que a transcendência, clara como você a expôs, percebe-se que está longe…

  32. Esse tema foi muito bem abordado por você, Morel. Mesmo aquele que come carne pôde entender perfeitamente as razões do não comer carne. Além do mais, você explica e interpreta a passagem do Evangelho mostrando como Jesus está preocupado com nossa mudança interior e não com hábitos e tradições exteriores. Isso revela o fundamentalismo que é seguir um preceito moral apenas na letra e não pelo espírito. Sempre entendi que a valorização e o engajamento dos seres humanos pelos animais não significa um desprezo do póprio ‘humano’, mas um alargamento e ampliação da nossa compaixão e solidariedade para com toda a natureza.
    Na minha opinião você acerta também em não elevar a norma universal o preceito “não coma carne”, pois a questão não é dicotômica: comer ou não comer carne. Ela é sim estrutural. O fato é que o nosso modo de vida, indutrial e tecnológico, ultrapassou os seus limites e está à beira do colapso. O sistema de produção de carnes em larga escala é desumano, ruim para nós e para os animais. Enquanto milhões morrem de fome, quase toda a produção de cereal é destinada a ração animal. Além do mais se promoveu, nos útlimos anos, uma verdadeira revolução genética nos cereais (soja trangênica) que interfere em toda a cadeia alimentar. Não bastasse tudo isso, até o nosso leite está contaminado, tomamos leite com formol, como foi denuciado pelo Ministério Público essa semana. Aliás, dizem que o leite materno é uma das substâncias mais contaminadas…
    Enfim, nosso modo de vida moderno (ou pós-moderno), baseado no capitalismo e na produção industrial, não deixa margem para sua própria superação, isso se tomarmos como recursos a via histórica econômica ou social. Na minha opinião a via de superação desse modelo é a transcendência, somente através de uma compreensão do ser humano que vá além do material e do histórico e que admita sermos além de um corpo, sermos um espírito, somente assim poderemos justificar nossa mudança de comportamento, individual e coletivamente, a fim de superarmos as determinações impostas pelo nosso tempo. Se admitirmos que somos espíritos imortais, então estamos acima das condições históricas e materiais a nós impostas, somos portadores de uma ação livre que DEVE superar essa tragédia histórica.

  33. Bom dia!
    Estou engatinhando no Espiritismo. Leio muitos livros, já estive em centro espírita (e gostei muito) mas ainda não me considero um. O importante pra mim nesse momento é a mudança progressiva de pensamentos e atitudes. Acho que agora é só questão de tempo. Quanto ao vegetarianismo, estou lendo Fisiologia da Alma de Ramatis mas confesso que tive que saltar partes do primeiro capítulo que fala sobre o vegetarianismo, por não estar preparado para assimilar as informações. De qualquer forma, hoje já diminuí muito a ingestão de carne.
    Um abraço e paz para todos.

  34. É, talvez eu tenha exagerado. Peço desculpas, não quero magoar ninguém, foi só um desabafo pelo que está acontecendo lá no meu convívio. Essa história de comemorar os dias que passaram sem comer carne matando um animalzinho me deixou perplexo, imagine que contrassenso. Quanto a ser compreensívo eu sei que devemos ser e entendo perfeitamente, obrigado, vou ser mais.

  35. Rodrigo, durante anos eu não me atrevia a declarar-me espírita exatamente por pensar, como você, que o espírita é ou deve ser superior. Não somos. O espírita tem mais esclarecimento espiritual e, consequentemente, mais responsabilidade. Só isso. A pessoa não é mais iluminada por ser espírita. Você, como evangélico, sabe que há pessoas evangélicas que são moralmente superiores a muitos espíritas. Quanto ao Espiritismo adotar o vegetarianismo, se fizesse isso, voltaria o tempo do farisaísmo, pois muitos deixariam de comer carne pensando que isso é mais importante do que a reforma moral. Tudo o que o Espiritismo propõe é a reforma íntima. Se nessa reforma a pessoa perceber, em seu foro íntimo, que deve parar de comer carne, ela deve parar. Mas muitas pessoas não se incomodam com isso e são mais caridosas, mais ativas, mais pacientes, mais compreensivas e amorosas do que outras que deixaram de comer carne. Muita paz pra nós todos.

  36. Bom dia! Eu gostei muito do livro de Ramatis e não sou espírita, acho que o espiritismo devia adotar sim o vegetarianismo, já que aos espíritas foi transmitida uma luz muito grande. Nada mais conveniente do que dar bom exemplo para os não espíritas. Não julgo ninguém, mas um dos fatos de não ter me tornado espírita até agora é por achar que um genuíno espírita deve estar em um patamar moral mais elevado em relação a outras pessoas, por isso me admiro em ver muitas pessoas se dizerem espíritas e se mostrarem mais incapazes que as demais pessoas. Eu parei de comer carne, só ovo que ainda como e acho sim que me trouxe um pequeno avanço à espiritualidade maior. Fico triste porque lá na igreja o pessoal vai voltar a comer carne, já que eles tinham feito uma abstinência de quarenta dias, fiquei muito triste ao saber que vão matar um porco para comemorar com um churrasco esses dias de vitória, como dizem eles, miséraveis glutões. Eu nunca poderia participar disso. Não sou melhor do que ninguém, mas eu já fiz um propósito em prece ao meu Mestre Jesus de nunca mais pôr carne em minha boca. Recebi muita luz pelo livro de Ramatis que você Morel me indicou. Obrigado, agora estou lendo Ernesto Bozzano. Engraçado que parece que eu já conheci o autor em outra vida, são muitas coisas que estou vivendo e isso tudo há pouco tempo, certamente que teus artigos têm uma participação muito grande nisso, mais uma vez obrigado Morel e a paz do Cristo.

  37. Silvoni, a dificuldade que tive em parar de comer carne não foi alimentar, mas justamente a questão da tradição, do hábito. O churrasco é uma espécie de ritual sagrado pro gaúcho. Paz pra nós todos.

  38. Bom dia Morel, Você que é do Sul sabe o que representa a carne em nossos hábitos alimentares. O cheiro de churrasco dos vizinhos aos domingos me era tentador, hoje já não me incomoda, como você falou no comentário anterior, a minha consciência há tempos já me cobra pra parar, muita paz.

  39. Vivian, temos que obedecer à nossa consciência. Se a sua consciência lhe diz que você deve parar, pare. Se não, não se sinta culpada. Fique com Deus.

  40. Eu já tinha vontade de parar de comer carne, agora eu vou me esforçar mais, porque é muito difícil abandonar um hábito de tantos anos mas não é impossível, isso faz parte da minha reforma íntima também, muito obrigada Morel por mais esse esclarecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.