Espiritismo e a inveja | Espírito Imortal

Espiritismo e a inveja

Espiritismo e a inveja

Play
Ouça este artigo na voz do autor

O Espiritismo atribui à inveja muitos dos grandes tormentos morais. O Livro dos Espíritos trata do tem nas questões 926 e 933.

Você se acha vítima de inveja? Você tem a impressão de que as pessoas cuidam da sua vida, que elas estão de olho em você, cheias de ciúme, torcendo contra? Não há como negar que há pessoas invejosas em todos os lugares, e não dá pra negar a força maléfica do pensamento de inveja.

Mas na maior parte das vezes, na esmagadora maioria das vezes, as pessoas não estão assim tão interessadas na sua vida. Poucas pessoas têm tempo disponível pra ficar cuidando da vida dos outros, acompanhando seus passos e desejando o mal.

Se você não tem esse receio de ser invejado, se você não se sente perseguido de alguma forma por maus pensamentos, provavelmente conhece alguém que seja assim. Isso é mania de perseguição. Em casos mais graves, denota sintomas esquizofrênicos.

Não somos assim tão importantes (eu, pelo menos, não sou) a ponto de chamar a atenção dos invejosos para a nossa vida. Será que quem se sente vitimado pela inveja não está imaginando coisas? Será que não é sua própria cabeça cheia de maus pensamentos que está perdendo o controle?

Nós só somos capazes de perceber com clareza aquilo que conhecemos. Será que não é a própria pessoa que teme a inveja alheia a que mais sente inveja? Eu apostaria que sim. De qualquer modo, a inveja existe. O pensamento de inveja é dos mais fortes, graças ao seu continuísmo. Diferente de outros pensamentos, que precisam ser constantemente alimentados, como a raiva ou a cobiça sexual, a inveja, por nascer do mais íntimo do ser, forma pensamentos contínuos, lineares.

Você já ouvir falar do olhar de secar pimenteira? Pois é. Mas devemos lembrar que bons pensamentos e boa conduta nos tornam praticamente imunes a qualquer má intenção direcionada a nós. É o mesmo caso da obsessão. Com raras exceções, só é obsediado quem não policia suficientemente seus pensamentos, quem não dirige adequadamente sua conduta, quem não controla eficientemente seu comportamento.

A maioria dos espíritos desencarnados a que chamamos “obsessores” é atraída por nós graças às nossas próprias falhas de caráter, é atraída por nossos vícios e pensamentos baixos. Semelhante atrai semelhante, lembra?

Jesus nos deu um conselho simples e sucinto: “Orai e vigiai”. Manter o pensamento elevado e cuidar a conduta. Pra isso temos a consciência; pra exercer o controle sobre nossos pensamentos, palavras e ações. Não é coisa muito fácil de se fazer, mas é possível. E se é possível, só depende de nós…

Em relação à inveja vale a mesma regra. Aliás, uma pessoas que sente inveja pertinaz de alguém também é uma obsessora. O melhor a fazer é não se deixar contaminar pelo receio. Não importa se alguém sente inveja de você ou não. Você deve cuidar é de você mesmo, de seus sentimentos e atitudes; o que os outros pensam ou sentem é problema deles.

Mas quando desconfiar que está sendo vítima de inveja, pergunte a si mesmo se não é você que está descontente consigo mesmo e está procurando subterfúgios para seus fracassos. Isso é mais comum do que se pensa…

Os artigos escritos por mim expressam a minha opinião. Baseiam-se nos conhecimentos do Espiritismo, no Evangelho de Jesus e em meus próprios conhecimentos e experiências. Não aceite minha opinião sem se questionar. Reflita. Comente. Compartilhe.

19 comentários para Espiritismo e a inveja

  1. CicBenSil disse:

    Foi observando a inveja em mim que aprendi:

    SOBRE A INVEJA

    Tenho notado diversas publicações vitimistas a cerca da inveja nas redes sociais…

    Porém sou do pensamento contrário, pois com o mínimo de inteligência que disponho não posso ter a pretensão de pensar que alguém sinta inveja de mim, se o impulso do invejoso tiver conotação de cobiça, de desejo de possuir o que tenho ou ser o que sou, de direcionar a mim sua insatisfação (intenção destrutiva) com o que é e tem (olho gordo) de si, tais sentimentos não é problema meu (o problema só é meu quando eu dou causa), seria se eu me permitisse me incomodar com o incomodo dos outros, daí eu seria mesmo estúpido, furtar minha atenção às coisas belas, verdadeiras, positivas e encantadoras da vida para pensar nos egocentristas neuróticos, miseráveis de espírito portadores de baixa autoestima e de não aceitação, parasitas emocionais que empregam todo seu potencial de ser, fazer e ter em nada. Tem muita gente que gosta de sentir que o outro sente inveja de si, funciona como uma caricia ao ego, pois na cabeça do invejado ele tem a atenção de alguém.

    Conhecendo a etimologia da palavra inveja sua conotação acima descrita, perde o sentido que já não tem; inveja do latim: “invidere” que significa “não ver”, embora os portadores de cobiça mórbida não enxergam os atributos de Deus em si mesmos e rebaixam a sua condição de príncipes e princesas da Criação a mendigos do mundo querem o que o outro tem, mas na verdade ele já é potencialmente tudo que tem para ser.

    Vamos resignificar positivando essa conotação de inveja negativa e criar um neologismo, assim a inveja passa a ser in (dentro) veja (ver). Ver-se por dentro de uma maneira mais amorosa, construtiva, positiva, ao invés de desejar o que o outro tem ou é tornar-se melhor, ampliar suas perspectivas e se trabalhar para realizar e realizar-se se não plena satisfatoriamente. Assim certamente passará a ver os outros com admiração, respeito ou reverencia, simpatia deixando de ser infeliz… pois afinal, somente vemos nos outros o que está em nós mesmos…

  2. Nostoy, nunca ouvi falar de nada parecido. Pessoas que lidam com espíritos ainda muito atrasados costumam oferecer bebida alcoólica a eles em troca de favores. Poderia ser algo neste sentido. De qualquer modo, nenhum mal espiritual nos acontece se não tivermos, mesmo que no passado, alguma coisa, dentro de nós, que sintonize com isso.
    Procure não se preocupar, esqueça o assunto. A preocupação é porta de entrada para interferências espirituais negativas.
    Tranquilize-se e ore.

  3. Nostoy disse:

    Morel, por favor, preciso te fazer uma pergunta relacionada com esse tema dos seca pimenteira.
    Vou contar uma coisa que me aconteceu bem recentemente e gostaria de saber a sua opinião, pois constitui todo um mistério para mim.
    Eu sou uma pessoa humilde e sem posses materiais que possa ser invejada por ninguém que tenha um pouco de uso de razão.
    Mas, faz pouco tempo, eu comprei uns móveis desses baratos porque os meus móveis da sala já estavam caindo de velhos.
    Então, um dia convidamos dois familiares para almoçar em casa. Aqui em Portugal é costume tomar vinho na comida, então abrimos uma garrafa de vinho e servimos um pouco a cada um. Num momento dado, eu fui para a cozinha tratar da comida e o meu marido foi fazer outra coisa no quarto. Foi coisa de 10 minutos ou menos.
    Quando voltamos, observamos que havia sido derramado vinho embaixo da mesa e eu pensei que havia sido um acidente. Limpei e deixei pra lá.
    Mas, quando eles se foram, notamos que eles haviam, no curto tempo em que havíamos saído da sala, salpicado vinho em todos os móveis da sala. Em todos os sofás, no móvel da televisão, na mesinha de centro, em tudo mesmo.
    Estava tudo salpicado de vinho, como se molhasse os dedos no vinho e fosse indo salpicando todos os móveis novos de vinho.
    Apenas uns dias depois disso meu gato ficou gravemente enfermo e quase morreu. Logo em seguida minha filha enfermou de repente também e precisou ser operada e muitas outras coisas desagradáveis me aconteceram depois disso.
    Estou de acordo com você em que muita coisa vem da nossa cabeça, mas nesse caso a coincidência entre uma coisa e outra é evidente demais pra ser ignorada.
    Você que tem conhecimentos sobre várias religiões e cultos, o que acha que pode ter sido isso de salpicar vinho nos meus moveis novos? Crês que pode ter sido uma espécie de ritual ou outra coisa? O certo é que depois disso aconteceram coisas estranhas. Obrigada e um abraço fraterno.

  4. simone disse:

    A inveja existe sim, e muita, na minha própria família tem pessoas que me invejam, não sei qual o motivo, mas sinto isso.

  5. Bia disse:

    Infelizmente eu discordo em parte, pois acredito que a maioria das pessoas desperdiça o tempo precioso que Deus concedeu nessa vida, falando e opinando sobre a vida dos outros. Aquele pensamento medíocre, se o outro está pior que eu, estou melhor que ele, então, vou “colaborar” para que ele piore. Mas graças que a energia de Deus e da bondade é muito maior que a energia ruim das pessoas. E sim, ainda existem pessoas boas no mundo.

  6. Morel Felipe Wilkon disse:

    l3, é normal que em qualquer grupo um ou mais de seus membros se destaquem. Quanto à insistência, geralmente ela só existe porque é permitida.

  7. l 3 disse:

    Quando você tem alguns amigos que vivem te criticando, e mesmo assim não deixam você tomar um pouco de distância, te copiam em tudo, querem te ver o tempo inteiro, mesmo às vezes você querendo fazer outras coisas, isso não é inveja? Modéstia à parte,todos dizem que sou muito carismático, não acho isso nada demais, cada um nasceu para uma função, mas o que você acha dessa fixação de algumas pessoas, chegando ao ponto dessas pessoas (2 ou 3 no máximo, em meio à muitos amigos), ligarem e pedirem presença insistentemente?

  8. Morel Felipe Wilkon disse:

    Só você pode ter controle sobre você mesma. ninguém jamais terá controle sobre você, a não ser que você permita. E, se permitir, será você quem estará controlando. Não fuja da sua responsabilidade. Cada um de nós é responsável por si mesmo. Quando eu disse que a consciência é um primeiro passo, e um passo importante, é porque a maioria nem sequer percebe que sente inveja. Você não apenas percebe como sente-se mal com isso. Você não conseguirá controlar isso de um momento para o outro. Não se pode mudar bruscamente um hábito entranhado há séculos ou milênios. Mas será você mesma quem terá que alterar, pouco a pouco, a sua maneira de sentir. Se cada vez que você sentir inveja você perceber este sentimento e procurar alterá-lo, substituindo-o por uma imagem agradável, aos poucos você irá vencê-lo. Quando sentir inveja agradeça intimamente pelo que você é e pelo grau de maturidade espiritual que você está prestes a atingir. Ore pela pessoa que for alvo da sua inveja. Mesmo sentindo inveja, ore por ela, deseje que ela conquiste mais e mais daquilo que você inveja. Deseje a felicidade, a paz, o bem-estar dessa pessoa. Se você fizer isso sempre, aos poucos irá mudando o seu modo de perceber as coisas.
    Não diga que é inevitável. Não pode ser inevitável algo que você pode evitar. E você pode, sim, evitar. Isso pode lhe exigir esforço, pode não ser fácil no começo, pode parecer forçado, mas funciona.

  9. MC disse:

    Mas mesmo tendo a consciência é algo que não consigo controlar, que foge do meu controle, realmente não gostaria de sentir isso, pois só me faz mal, mas é inevitável. Não vejo como poderia superar isso.

  10. Morel Felipe Wilkon disse:

    MC, a consciência de que você sente isso e de que isso é errado já é um passo importante para a superação desta falha de caráter.

  11. MC disse:

    Também sinto muita inveja de pessoas próximas a mim, meus amigos, isso me faz muito mal, porque além de me por pra baixo, de me sentir uma pessoa inferior, sei o quanto é errado ter esse sentimento, de quanto é falso você sentir isso de pessoas que querem o seu bem… Me veem como uma pessoa muito boazinha, que se puder põe as vontades do outro antes da minha. Mas mal sabem que não sou uma pessoa tão boa e que sinto inveja. Eu queria muito me livrar disso, mesmo sabendo que é errado vira e mexe esse sentimento aparece dentro de mim.

  12. Carlos disse:

    Descobri que sou invejoso, mas tudo porque acho que não serei capaz de ser/ter coisas tão boas como os outros.

  13. Morel Felipe Wilkon disse:

    Raquel, talvez a principal característica do invejoso seja exatamente esta que você abordou, de achar que as pessoas têm inveja dele. Aliás, é assim com todas as falhas de caráter que ainda nos esforçamos para nos livrar. Uns já superaram umas, outros superaram outras. Apenas temos que perdoar sempre. Pessoas assim sofrem muito. Seu próprio veneno as corrói. Se o seu convívio é pesado demais, podemos evitá-lo, mas temos que nos esforçar para compreender que isso são apenas desajustes de caráter que um dia serão sanados. Quase ninguém percebe os próprios defeitos.
    Obrigado, Raquel; fique com Deus.

  14. Raquel disse:

    Eu nunca acreditei muito que pudesse ser invejada. Na minha concepção, eu não tinha nada melhor que ninguém para ser invejada. Então quando me diziam que eu era feia, burra entre outros “elogios” eu simplesmente acreditava. Os anos passaram e continuei acreditando piamente nas críticas destrutivas. Mas de uns tempos pra cá, percebi que a inveja existe sim. E o invejoso não podendo ter o que você tem tenta te destruir, te diminuindo, te criticando e pasmem, afirmam o tempo todo que todos sentem inveja dele. Como se estivessem falando deles mesmos sem saber. Tive uma decepção com duas amigas que eu achava que gostavam de mim mas que no momento oportuno disseram coisas que é impossível sair da boca de alguém que gosta de você. Sentimentos que estavam guardados ali há tempos, mesmo quando elas estavam do meu lado me dando confiança. E eu confiei. Infelizmente não segui minha “intuição” que me dizia que eu não deveria confiar tanto assim. Mas eu penso que a espiritualidade grita dentro de nós e se não ouvimos eles mostram de um jeito ou de outro a verdade. Por isso o ideal é que tenhamos fé. Fé mesmo quando for decepcionado, quando alguém te ferir, tentar te magoar. Em outra época eu estaria arrasada por ter perdido duas “amigas” (ambas não se conhecem), mas hoje só o que tenho a fazer é agradecer por ter descoberto logo. Eu devia ter desconfiado quando uma delas disse que não seria mais minha amiga quando eu tivesse um filho. Ou quando a outra desejou com os olhos ardentes que seu ex morresse sofrendo. Mas nunca é tarde para ouvir o coração e seguir em frente.

  15. Morel Felipe Wilkon disse:

    Ana, nada justifica a calúnia, a mentira. Mas você se envolveu, se “intrometeu” em situações de poder. O preço disso sempre é alto. Não me parece inveja propriamente dita, mas represália por você ter se envolvido em questões delicadas.

  16. Ana disse:

    No meu caso, sinto que sentem inveja de mim. Isso, não porque me ache melhor que outras pessoas ou tenha mania de perseguição.
    No meio do ano passado tive que voltar à cidade natal dos meus pais. Sempre amei aquela terra. Já havia morado lá por alguns anos em minha infância.
    Meu retorno foi muito difícil, estava muito acostumada com a vida na capital e sem contar que tinha que viajar todos os dias para cidade vizinha, onde eu trabalhava.
    Passados alguns meses acabei me envolvendo na política local, eram muitas irregularidades e eu me opunha àquilo. Não esperava uma contraprestação, era somente uma questão de ideologia…
    Os meses se passaram e as eleições também. A situação virou oposição e fui chamada para prestar serviço à prefeitura… desde então minha vida virou, mudou completamente… falatórios e mentiras surgiram… me atacam por todos os lados… tanto profissionalmente, quanto minha vida pessoal… me acusam de atender cheirando a bebida alcoólica, a ter relacionamento com homem casado, ligam para meus familiares relatando tais situações, me acusam…
    Não sai da minha cabeça que isso possa ser inveja e que tudo isso esteja acontecendo por razões políticas… por isso me sinto triste, fraca… e me pergunto sempre por que tenho que passar por todas essas provações…

  17. Morel Felipe Wilkon disse:

    Natasha, realmente é raro alguém assumir esse sentimento. Acho que reconhecer já é um grande passo para a superação. Já que você vem se esforçando para isso, procure entender o que esse sentimento fala sobre você. Há alguma fraqueza sua que se sente ameaçada por ser exposta diante dessa pessoa. Se você descobrir o que é, poderá trabalhar em cima disso…

  18. Natasha disse:

    Quando você diz que a inveja é um pensamento contínuo, encontrei realmente a definição! É realmente dessa forma. Me sinto vítima desse horrível sentimento. Sentimento que me consome. Não porque eu acredite que sintam inveja de mim, mas porque sinto inveja de alguém. Mas acredite, não é do meu caráter. Tenho 33 anos e não me lembro de ter sentido algo assim em relação a ninguém durante toda a minha vida. Mas de uns 4 anos para cá venho sentindo isto por uma pessoa, uma única pessoa. E nem sei exatamente por quê, já que quando reflito a respeito, percebo que ela não é melhor que eu em absolutamente nada, mas o sentimento vem de não sei onde e não cessa. É um martírio… me mata aos poucos. Peço a Deus todos os dias que me livre deste sentimento e acredito que vem melhorando. Nunca vi ninguém assumir sentir inveja, mas quem precisa de ajuda não é aquele que acredita que os outros o invejam, mas aquele que sente inveja. Quando dizem que sentir inveja é o mesmo que tomar veneno e esperar que o outro morra, é a mais pura verdade. É realmente um pensamento fixo que persegue até em sonho… você pensa naquilo o tempo todo. Que Jesus me livre desse sentimento para sempre…

  19. jacastuart disse:

    Lições que nos ensinam a viver. Muito bom ler isso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>