A caridade só é válida se for feita espontaneamente?

A caridade só é válida se for feita espontaneamente ou podemos ajudar o próximo com algum interesse pessoal por trás? A caridade deve ser feita em segredo ou não há nada proibitivo em divulgarmos o bem que fazemos? Procuro sanar essas dúvidas, neste vídeo, através dos ensinamentos de Jesus. Ninguém melhor que ele para nos orientar sobre como agirmos nas mais diversas circunstâncias da vida.

Pessoas que roubam as nossas energias

 

flor murcha

Não deixe que lhe roubem as energias!

Artigo publicado originalmente em 23/07/2012

Play
Ouça este artigo na voz do autor

Há pessoas que nos roubam as energias. São as pessoas que se alimentam das desgraças alheias, que consomem tragédias na televisão, que adoram doenças a ponto de atraí-las.

Você tem dado a atenção devida às suas energias? Você reconhece que é responsável pelo seu nível de energia? A sua energia é a sua marca registrada. O que uma pessoa sente ao se aproximar de você é o tipo de energia que o caracteriza.

Há muitos motivos para que você sofra perda de energia: Má alimentação, sexo desregrado, vícios. Mas nada se compara ao pensamento; até porque a sua relação com os itens citados depende essencialmente do seu pensamento. É o seu pensamento que determina o seu nível energético.

Muitas coisas ocorrem num dia. Não temos tanto controle sobre nossos pensamentos a ponto de mantê-los elevados o tempo inteiro. No decorrer do dia, somos influenciados por notícias, por lembranças, por conversas, por contatos humanos. Aliás, o contato com outras pessoas provoca a inevitável troca de energias.

Você já sabe disso, mas as coisas importantes merecem ser lembradas. Quantas vezes você sente-se exausto após uma conversa com determinada pessoa? Quantas vezes você fica repentinamente deprimido, triste ou irritado após o contato com alguém? Muitas pessoas roubam energia. Claro que esse processo não é consciente, pelo menos não da forma como nós entendemos.

São as pessoas que se alimentam das desgraças alheias, que consomem tragédias na televisão, que adoram doenças a ponto de atraí-las.  Essas pessoas não conseguem conviver com nada positivo, nada bom. Para elas, todo mundo é ladrão, mal-intencionado, malicioso. Não percebem coisas agradáveis, não notam nada de salutar.

Você pode conviver com pessoas assim, às vezes muito próximas de você. Colegas, vizinhos, parentes. Numa conversa, numa aproximação, ela rouba sua energia e você fica exaurido, sem forças, sem ânimo. Que fazer? É preciso que se diga que, a não ser que seja alguém que realmente precise de você, não há obrigação nenhuma de sua parte de se aproximar de alguém assim. Há convívios que definitivamente devem sem evitados. Você não está sendo egoísta, só está se defendendo.

O único controle real que você pode efetivar em sua defesa energética é sobre o seu pensamento. Se você exercer controle sobre si mesmo, ninguém poderá atingi-lo. O pensamento elevado forma uma barreira energética intransponível, seja para encarnados ou para desencarnados.

Se analisarmos a reforma íntima abstraindo o aspecto moral, ela nada mais é que a busca pela harmonização energética. A cada reencarnação o espírito imortal procura despojar-se de energias negativas contraídas em encarnações anteriores e, ao mesmo tempo, harmonizar-se consigo mesmo, com a manifestação de Deus latente dentro de si.

A maioria dos casos de obsessão acontece como vampirização de energias, muitas vezes sem a intenção deliberada de prejudicar. O que todos anseiam, em qualquer plano que seja, é a harmonia. Nós, que temos poder sobre nós mesmos, devemos nos esforçar ao máximo para manter nossa energia equilibrada através do controle do pensamento. Temos que criar o hábito de nos voltarmos para dentro de nós mesmos, dedicando um tempo específico para isso. Seja pela oração, pela meditação, pela movimentação de energias, ou o simples fechar de olhos para se olhar por dentro.

Você faz uma série de coisas todos os dias. Não há um só dia em que você deixe de ir ao banheiro, por exemplo. Como não reservar alguns minutos para lembrar de sua natureza de espírito imortal?

Mensagem de Emmanuel – Política divina

Play
 Mensagem em áudio

Mensagem de Emmanuel no livro Vinha de Luz, psicografado por Chico Xavier: POLÍTICA DIVINA

“Eu, porém, entre vós, sou como aquele que serve.” – Jesus. (LUCAS, 22:27.)

O discípulo sincero do Evangelho não necessita respirar o clima da política administrativa do mundo para cumprir o ministério que lhe é cometido.

O Governador da Terra, entre nós, para atender aos objetivos da política do amor, representou, antes de tudo, os interesses de Deus junto do coração humano, sem necessidade de portarias e decretos, respeitáveis embora.

Administrou servindo, elevou os demais, humilhando a si mesmo.

Não vestiu o traje do sacerdote, nem a toga do magistrado.
Amou profundamente os semelhantes e, nessa tarefa sublime, testemunhou a sua grandeza celestial.

Que seria das organizações cristãs, se o apostolado que lhes diz respeito estivesse subordinado a reis e ministros, câmaras e parlamentos transitórios?

Se desejas penetrar, efetivamente, o templo da verdade e da fé viva, da paz e do amor, com Jesus, não olvides as plataformas do Evangelho Redentor.

Ama a Deus sobre todas as coisas, com todo o teu coração e entendimento.

Ama o próximo como a ti mesmo.

Cessa o egoísmo da animalidade primitiva.

Faze o bem aos que te fazem mal.

Abençoa os que te perseguem e caluniam.

Ora pela paz dos que te ferem.

Bendize os que te contrariam o coração inclinado ao passado inferior.

Reparte as alegrias de teu espírito e os dons de tua vida com os menos afortunados e mais pobres do caminho.

Dissipa as trevas, fazendo brilhar a tua luz.

Revela o amor que acalma as tempestades do ódio.

Mantém viva a chama da esperança, onde sopra o frio do desalento.

Levanta os caídos.

Sê a muleta benfeitora dos que se arrastam sob aleijões morais.

Combate a ignorância, acendendo lâmpadas de auxílio fraterno, sem golpes de crítica e sem gritos de condenação.

Ama, compreende e perdoa sempre.

Dependerás, acaso, de decretos humanos para meter mãos à obra?

Lembra-te, meu amigo, de que os administradores do mundo são, na maioria das vezes, veneráveis prepostos da Sabedoria Imortal, amparando os potenciais econômicos, passageiros e perecíveis do mundo; todavia, não te esqueças das recomendações traçadas no Código da Vida Eterna, na execução das quais devemos edificar o Reino Divino, dentro de nós mesmos.

O Espiritismo não salva

espiritismo salva

A salvação compete a nós mesmos

O Espiritismo não salva, o Espiritismo não é uma panaceia, uma cura para todos os males. Quem busca soluções fáceis no Espiritismo está no lugar errado.

Aproximadamente um terço da humanidade encarnada é composto de pessoas que se denominam cristãs. Grande parte dessas pessoas, a maioria delas, vê em Jesus o seu salvador. Acreditam que Jesus as salvará. Não percebem, por não conseguirem ou por não quererem, que ninguém, a não ser nós mesmos, pode nos salvar.

Criaram teologias mirabolantes para tentarem explicar como e por que se dá essa salvação de fora para dentro. Muitos acham que nós não temos condições de salvarmos a nós mesmos. Alegam que somos pecadores, que somos maus por natureza, por causa de uma fruta que a Eva deu pro Adão…

E, se nós não temos condições de nos salvarmos por nós mesmos, Deus teria que providenciar um meio externo de nos salvar. Então mandou Jesus, que para alguns é o filho deste mesmo Deus, e para outros, estranhamente, é o próprio Deus que o Deus mandou. Deus mandou Deus morrer na cruz para aplacar a ira de Deus. Ou seja, Deus se sacrificou para Deus.

Ninguém vai nos salvar. Os judeus, no tempo de Jesus, já esperavam o messias, o salvador, há séculos, e continuam esperando até hoje. Dentre os cristãos, há os que acreditam que Jesus voltará, em pessoa, embora a última frase do Evangelho de Mateus seja Jesus dizendo que estará sempre conosco…

A salvação está dentro de nós. Nós nos salvaremos quando estivermos em harmonia com Deus, quando estivermos sintonizados com Jesus, quando praticarmos naturalmente o ensinamento do Cristo.

A solução está em nós. A cura definitiva para os nossos males está dentro de nós mesmos. Somos partículas divinas, o reino de Deus está dentro de nós, ou seja, o nosso próximo estágio evolutivo já existe dentro de nós, em estado latente, em estado embrionário, esperando que nós o desenvolvamos. E esse desenvolvimento depende, única e exclusivamente, de nós mesmos, de nossa própria vontade, de nossas próprias ações.

No meio espírita também é comum encontrarmos pessoas que buscam soluções externas. Muitos procuram o Espiritismo como uma panaceia, como uma solução para os seus problemas, como uma cura para os seus males. Mas o Espiritismo também não salva ninguém. Nenhuma igreja, nenhum líder religioso, nem Jesus, nem ninguém nos salva. Jesus nos ensinou o caminho. Jesus nos legou o Evangelho, com o seu exemplo vivo de amor e trabalho. O Espiritismo se propõe a seguir o ensinamento de Jesus em sua essência. Se aprendermos o que nos é ensinado, se buscarmos dentro de nós o que já sabemos, se praticarmos o que vamos aprendendo, certamente nos salvaremos.

Mas não há soluções fáceis, não há truques, não há mágica. O que há é muito estudo, muita busca por esclarecimento, a interiorização do que aprendemos e a vivência prática, cotidiana, do que sabemos ser o certo. É isso o que nos modifica, pouco a pouco. É isso que nos molda o caráter, e que nos liberta, paulatinamente, da escravidão à matéria, do orgulho, do egoísmo, da vaidade.

Sabendo que a salvação compete a nós mesmos, ao nosso próprio esforço, nos damos conta de que o pouco que vamos adquirindo em conhecimento, e os pequenos avanços morais que conquistamos, são extremamente valiosos para outras pessoas. Se a solução está em nós mesmos, se a cura está dentro de nós, então temos condições de contribuir para o crescimento do próximo. Já não há desculpas de que somos pequenos demais, de que somos pecadores. Sempre podemos contribuir com quem sabe ou tem menos que nós. É nosso dever compartilhar o que sabemos.

Quem crê em Jesus será salvo?

Muitas pessoas, ainda hoje, pensam que basta crer no nome de Jesus, ou no sangue de Jesus, para ser salvo. Não podemos afirmar que estas pessoas estejam erradas. Afinal, essa crença se embasa na Bíblia. O que está errado, e isso nós podemos afirmar com convicção, é a tradução que converte a palavra grega “pistis”, que quer dizer fidelidade, em crença, que é apenas um dos muitos atributos da fé ou fidelidade. Este é o tema deste vídeo.

Como ser valorizado pelas pessoas

Que preço você acha que você vale?

Artigo publicado originalmente em 26/07/2012

Play
Ouça este artigo na voz do autor

Você sabe como ser valorizado pelas pessoas? Você confia na sua capacidade de realização? Claro que sim, né? Se você, que é você, não confia, quem vai confiar? Uma das fraquezas que causam mais danos ao espírito imortal é a depreciação de si mesmo. A depreciação que as pessoas fazem de si próprias vem atrasando nosso progresso espiritual. Pois se nós não nos apreciamos suficientemente, como queremos que alguém nos aprecie? Como queremos que a Vida seja pródiga e generosa se nós mesmos não agimos assim conosco?

Você sabe tão bem quanto eu que a medida de tudo o que percebemos somos nós mesmos. Nós somos a medida de tudo. Assim é com a ideia de Deus. Deus é a ideia mais elevada que uma pessoa pode ter. Quanto mais elevada a sua ideia, maior o seu conceito de Deus.

Do mesmo modo acontece com você e comigo. Se você não se aprecia, se você não se valoriza, a Vida não vai apreciá-lo também. A maneira como você se vê é fundamental para o desenrolar da sua vida. Eu estou falando de apreciação: o preço que você acha que vale. Não estou falando de qualidades ponderáveis como a inteligência ou a bondade. Todos temos inteligência; uns a desenvolvem mais, outros, menos. Com a bondade a mesma coisa. Mas eu me refiro a algo mais íntimo, algo que só você pode saber de você mesmo: O valor que você se dá, o preço que você acha que vale.

Nós somos o que pensamos. Isso não é novidade pra ninguém. Mas talvez não tenhamos refletido o bastante sobre o desdobramento disso. Se nós somos o que pensamos, nós valemos o preço que achamos que valemos. Tudo o que pensamos ou falamos de nós mesmos nossa mente subconsciente aceita como verdade. Ela não raciocina, apenas registra e trata de pôr em prática.

A Vida sempre vai lhe proporcionar aquilo que você determinar. Se você tem convicção de que vale muito e que por isso merece muito, é isso que a Vida vai lhe disponibilizar. Você só tem que fazer a sua parte. Aceitar de uma vez por todas a Lei de causa e efeito e agir de acordo com ela. Não existe sorte. Muito menos azar. O que existe é esforço, preparação e planejamento.

Mas existem muitas pessoas que se esforçam, se preparam e planejam e mesmo assim não alcançam o que querem. Por que será? Por que não satisfazem o requisito mais importante, que é a apreciação de si mesmo. Comece um empreendimento qualquer duvidando de seu merecimento e ele certamente fracassará, por melhor planejado que seja.

Para quem não se aprecia naturalmente, não é muito fácil passar a se valorizar com sinceridade de um momento pro outro. Mas a melhor maneira de começar a se apreciar é através da ação. É por meio da ação forte e constante que você vai aos poucos adquirindo mais confiança, acreditando mais em si mesmo, aumentando sua própria cotação. Não há medo ou insegurança que resista à força da ação. Você já viu alguém alcançar o sucesso em qualquer área sem muita ação? 

Aumente seu preço. Fique muito, muito mais caro do que você é aos seus próprios olhos. Depois cobre o seu preço, a Vida lhe pagará. Mas não se esqueça de agir.

Mensagem de Emmanuel – Crises

Play
 Mensagem em áudio

Mensagem de Emmanuel no livro Vinha de Luz, psicografado por Chico Xavier: CRISES

“Pai, salva-me desta hora; mas para isto vim a esta hora.” – Jesus. (JOÃO. 12:27.)

A lição de Jesus, neste passo do Evangelho, é das mais expressivas.

Ia o Mestre provar o abandono dos entes amados, a ingratidão de beneficiários da véspera, a ironia da multidão, o apodo na via pública, o suplício e a cruz, mas sabia que ali se encontrava para isto, consoante os desígnios do Eterno.

Pede a proteção do Pai e submete-se na condição do filho fiel.

Examina a gravidade da hora em curso, todavia reconhece a necessidade do testemunho.

E todas as vidas na Terra experimentarão os mesmos trâmites na escala infinita das experiências necessárias.

Todos os seres e coisas se preparam, considerando as crises que virão. É a crise que decide o futuro.

A terra aguarda a charrua.

O minério será remetido ao cadinho.

A árvore sofrerá a poda.

O verme será submetido à luz solar.

A ave defrontará com a tormenta.

A ovelha esperará a tosquia.

O homem será conduzido à luta.

O cristão conhecerá testemunhos sucessivos.

É por isso que vemos, no serviço divino do Mestre, a crise da cruz que se fez acompanhar pela bênção eterna da Ressurreição.

Quando pois te encontrares em luta imensa, recorda que o Senhor te conduziu a semelhante posição de sacrifício, considerando a probabilidade de tua exaltação, e não te esqueças de que toda crise é fonte sublime de espírito renovador para os que sabem ter esperança.

Comentário do Evangelho em vídeo

Este é o último vídeo de uma série de 30 vídeos sobre o Evangelho de Lucas. Neste 30 vídeos ofereci a minha análise e interpretação, baseada no conhecimento do Espiritismo, sobre os ensinamentos de Jesus contidos neste Evangelho.

Devemos esquecer o passado?

 

mulher caminhando na areia

É bobagem querer esquecer o passado!

Artigo publicado originalmente em 24/07/2012

Play
Ouça este artigo na voz do autor

Você acha que devemos esquecer o passado? Queria que o seu passado tivesse sido diferente em algumas coisas? Provavelmente sim. Todos nós temos nossas contas a ajustar com o passado. O que isso demonstra? O fato de você não estar totalmente de acordo com o que aconteceu no seu passado demonstra que hoje você agiria diferente.

Se você pudesse refazer alguma parte menos lúcida do seu passado, você faria melhor, muito melhor. Porque você melhorou! Por que você reconhece que poderia fazer diferente? Porque você mudou para melhor, você se aperfeiçoou, você aprendeu a lição. Isso não é ótimo? Por favor, não me diga que você é daqueles que dizem que só se arrependem do que não fizeram. Se for o seu caso, talvez você já possa repensar a respeito desse posicionamento. Será que não é só mais uma frase feita que você ouviu alguém dizer e adotou como sendo sua?

Se você não tem nada do que se arrepender, ou você foi perfeito ou você não aprendeu com os erros. O que é o passado senão a base do que nós somos hoje?

Por outro lado, é uma bobagem querer esquecer o passado. Por que ele deveria ser esquecido? Está certo que todos passamos por momentos muito dolorosos, todos nós conhecemos situações que nos fizeram muito mal.  Mas passou, não passou? O seu passado é a sua experiência, e quanto mais movimentado foi o seu passado, maior é a sua bagagem.

Você precisa se perdoar. De nada adianta se culpar pelos erros cometidos. É com eles que aprendemos. Todos erramos. Todos os grandes líderes espirituais já erraram. Todos os espíritos superiores, em sua caminhada pelo tempo, de reencarnação em reencarnação, já erraram. Jesus Cristo, modelo de virtude, em algum lugar remoto do passado foi um espírito aprendiz, como eu e você. Cometeu erros brutais como qualquer um de nós. Negar isso seria declarar que ele foi um privilegiado, que não teve que passar pelas turbulências humanas pelas quais passamos.

O importante é o hoje, o eterno agora. Devemos olhar o passado com clareza, sabendo que tudo o que fizemos foi dentro das condições que tínhamos então. Hoje faríamos melhor, pois adquirimos experiência. E quando surgir a oportunidade, neste passeio pela matéria ou numa próxima reencarnação, ponhamos então em prática o que aprendemos. E pronto.

Não somos obrigados a repetir indefinidamente os mesmos erros. Isso parece tão óbvio, né? Pois só parece. Quando repetimos os mesmos erros por muito tempo, passamos a desacreditar de nossa capacidade de fazer diferente. Mas nós conseguimos. Nós sempre conseguimos ser melhores do que já fomos, pois somos imagem e semelhança de Deus. É isso que você é! Espírito imortal perfectível, mergulhado na matéria processando sua reforma íntima.

Quando, no futuro, avaliarmos o que fazemos hoje, certamente iremos perceber um monte de erros que hoje passam despercebidos. Então nos arrependeremos novamente, só que cada vez de maneira mais lúcida e consciente, cada vez mais imbuídos do propósito de fazer melhor.

Mensagem de Emmanuel – Não te afastes

Play
 Mensagem em áudio

Mensagem de Emmanuel no livro Vinha de Luz, psicografado por Chico Xavier: NÃO TE AFASTES

“Mas livra-nos do mal.” – Jesus. (MATEUS, 6:13.)

A superfície do mundo é, indiscutivelmente, a grande escola dos espíritos encarnados.

Impossível recolher o ensinamento, fugindo à lição.

Ninguém sabe, sem aprender.

Grande número de discípulos do Evangelho, em descortinando alguns raios de luz espiritual, afirmam-se declarados inimigos da experiência terrestre. Furtam-se, desde então, aos mais nobres testemunhos. Defendem-se contra os homens, como se estes lhes não fossem irmãos no caminho evolutivo. Enxergam espinhos, onde a flor desabrocha, e feridas venenosas, onde há riso inocente. E, condenando a paisagem a que foram conduzidos pelo Senhor, para serviço metódico no bem, retraem-se, de olhos baixos, recuando do esforço de santificação.

Declaram-se, no entanto, desejosos de união com o Cristo, esquecendo-se de que o Mestre não desampara a Humanidade. Estimam, sobretudo, a oração, mas, repetindo as sublimes palavras da prece dominical, olvidam que Jesus rogou ao Senhor Supremo nos liberte do mal, mas não pediu o afastamento da luta.

Aliás, a sabedoria do Cristianismo não consiste em insular o aprendiz na santidade artificialista, e, sim, em fazê-lo ao mar largo do concurso ativo de transformação do mal em bem, da treva em luz e da dor em bênção.

O Mestre não fugiu aos discípulos; estes é que fugiram dEle no extremo testemunho. O Divino Servidor não se afastou dos homens; estes é que o expulsaram pela crucificação dolorosa.

A fidelidade até ao fim não significa adoração perpétua em sentido literal; traduz, igualmente, espírito de serviço até ao último dia de força utilizável no mecanismo fisiológico.

Se desejas, pois, servir com o Senhor Jesus, pede a Ele te liberte do mal, mas que não te afaste dos lugares de luta, a fim de que aprendas, em companhia dEle, a cooperar na execução da Vontade Celeste, quando, como e onde for necessário.

Crucificação de Jesus – opinião espírita

Uma opinião espírita acerca da crucificação de Jesus é um dos pontos abordados neste vídeo que trata do capítulo 23 do Evangelho de Lucas. Este é o penúltimo vídeo de uma série de 30 vídeos em que analiso e interpreto o Evangelho de Lucas a partir dos conhecimentos proporcionados pelo Espiritismo.

Por que nós só amamos a quem nos ama

Morel Felipe Wilkon

menina crespa com o cachorrinho

Você gosta de quem se interessa por você…

Artigo publicado originalmente em 20/07/2012

Play
Ouça este artigo na voz do autor

Você se interessa pelo seu semelhante? Você se importa com as pessoas à sua volta? Por que nós só amamos a quem nos ama? Não posso falar de um assunto que desconheço, então nem vou falar dos moradores de rua, dos pedintes, dos necessitados que perambulam pelas ruas mendigando qualquer coisa. Minha boa vontade e desprendimento ainda não vão tão longe, minha reforma íntima não alcançou esse estágio por enquanto.

Me refiro às pessoas próximas, àquelas com quem convivemos cotidianamente. Você se interessa por elas? Você presta atenção quando um colega menos agradável lhe conta como foi seu fim de semana? Você ouve um irmão, um parente, um amigo, quando este fala de si, de seus projetos, de seus anseios, de seus problemas?

Há pessoas boas, de bons sentimentos, de boa índole, que, no entanto, não se interessam pelos seus semelhantes. Não têm o menor interesse em saber o que se passa nas cabeças alheias, não fazem questão de descobrir o que pensam e sentem os outros. Para estas pessoas, a vida dos outros não oferece nada de interessante, as histórias dos outros não lhes dizem nada, os interesses alheios não despertam sua atenção.

Não haveria mal algum nisso se não fôssemos humanos, gregários e sociais. E não há como fugir dessas características do espírito imortal. Necessitamos do convívio uns com os outros para aprendermos, para nos desenvolvermos, para crescermos material e espiritualmente. É da troca de experiências que tiramos exemplos importantes, é da observação da experiência do próximo que muitas vezes aprendemos sem precisar passar pela mesma situação.

Quem enfrenta as maiores dificuldades pela vida afora são justamente essas pessoas desligadas, que não se interessam pelos outros. São essas pessoas, que não têm seu interesse despertado por ninguém, as que provocam os maiores danos ao próximo, propositadamente ou não. São essas pessoas, a quem as experiências alheias não têm valor algum, as que mais fracassam na vida, as que enfrentam os maiores dissabores, as que levam os maiores tombos, às vezes desperdiçando uma reencarnação.

A descrição deste site, como você pode ler ali em cima, é “cinco minutos de espiritismo”. É o tempo que você leva pra ler este artigo. Mas se você puder, interrompa a leitura por um ou dois minutos e reflita sobre a questão acima. Pense nas pessoas que você conhece que não ouvem o que você diz; que contam algo de si e quando chega a vez do outro, não prestam a menor atenção. Pessoas que não acham graça nos gostos, nos divertimentos, na maneira de falar, no modo de se portar em sociedade, em nada, absolutamente nada que se refira aos outros.

Certamente você conhece alguém assim. Talvez alguém muito próximo de você. Não é triste? Não é lamentável como essas pessoas se isolam por colher o que plantam? Por não se interessarem por ninguém, ninguém se interessa por elas. Por não gostarem de ninguém como pessoa, como ser humano, ninguém gosta delas por elas serem como são. Por não admirarem nada em ninguém, ninguém admira nada nelas.

Você gosta das pessoas que lhe admiram, você gosta das pessoas que se interessam por sua vida, por algum talento seu, por alguma coisa que você faz. Você pode até amar alguém que não liga a mínima pra você, mas gostar, não. Você sabe, há uma grande diferença entre amar e gostar.

Se você quer ser admirado, admire. Se você quer ser respeitado, respeite. Se quer que as pessoas se interessem por você, interesse-se por elas. Se você quer ser amado, ame. Simples assim.

Mensagem de Emmanuel – Maiorais

Play
 Mensagem em áudio

Mensagem de Emmanuel no livro Vinha de Luz, psicografado por Chico Xavier: MAIORAIS

“E ele, assentando-se, chamou os doze e disse-lhes: Se alguém quiser ser o primeiro, será o último de todos e servo de todos.” – (MARCOS, 9:35.)

Ser dos primeiros na Terra não é problema de solução complicada.

Há maiorais no mundo em todas as situações.

A ciência, a filosofia, o sacerdócio, tanto quanto a política, o comércio e as finanças podem exibi-los, facilmente.

Os homens principais da ciência, com legitimas exceções, costumam ser grandes presunçosos; os da filosofia, argutos sofistas do pensamento; os do sacerdócio, fanáticos sem compreensão da verdadeira fé. Em política, muitos dos maiorais são tiranos; no comércio, inúmeros são exploradores e, nas finanças, muitos deles não passam de associados das sombras contra os interesses coletivos.

Ser dos primeiros, no entanto, nas esferas de Jesus sobre a Terra, não é questão de fácil acesso à criatura vulgar.

Nos departamentos do mundo materializado, os principais devem ser os primeiros a serem servidos e contam com a obediência compulsória de todos.

Em Cristianismo puro, os espíritos dominantes são os últimos na recepção dos benefícios, porquanto são servos reais de quantos lhes procuram a colaboração fraterna.

É por isto que em todas as escolas cristãs há numerosos pregadores, muitos mordomos, turbas de operários, cooperadores do culto, polemistas valiosos, doutores da letra, intérpretes competentes, reformistas apaixonados, mas raríssimos apóstolos.

De modo geral, quase todos os crentes se dispõem ao ensino e ao conselho, prontos ao combate espetaculoso e à advertência humilhante ou vaidosa, poucos surgindo com o desejo de servir, em silêncio, convencidos de que toda a glória pertence a Deus.

A negação de Pedro – uma visão espírita

A negação de Pedro, a prisão e a condenação de Jesus são temas tratados, numa visão espírita, neste vídeo que aborda o capítulo 22 do Evangelho de Lucas, a partir do versículo 40. Este é o 28º vídeo de uma série de 30 vídeos em que analisamos e interpretamos o Evangelho de Lucas a partir do entendimento proporcionado pelo Espiritismo.

Como ser feliz sem culpa

Morel Felipe Wilkon

menina dançando na poça d'água

Seja feliz sem culpa!

Artigo publicado originalmente em 19/07/2012

Play
Ouça este artigo na voz do autor

Você acha que consegue ser feliz sem culpa? Como fazer isso? O fato é que o sentimento de culpa adia indefinidamente qualquer possibilidade de ser feliz.

O que você tem feito pela sua felicidade? Você acha que merece ser feliz? Que bom se a resposta a essa última pergunta é um “sim” óbvio. Você deve saber que ainda há muita gente que sente culpa por se sentir feliz. Com isso, seus momentos de felicidade nunca são completos.

Eu afirmo que existem momentos de felicidade completa. Não me venha argumentar com a felicidade dos anjos, que é incomparável com a nossa. Não estou falando em anjos (ou espíritos puros, para o espiritismo), estou falando em nós; em mim, em você, em nossos próximos. Eu mesmo, de vez em quando, vivo momentos em que não falta nada para que os chame de felizes. Você também, provavelmente.

As pessoas têm me perguntado frequentemente se eu pratico tudo o que escrevo. É claro! Se fosse para escrever algo que não sigo, ou que não acredito, escreveria ficção! Se me perguntarem se tudo está sempre ótimo pra mim, se estou sempre sorridente e tranquilo, a resposta será diferente… Somos aprendizes, todos nós. O que nos diferencia uns dos outros é a persistência em praticar o que se sabe ser verdadeiro.

O que é inegável é que há algumas condições propiciadoras da felicidade. Condições que nos predispõe mais facilmente à felicidade. O trabalho, a sensação do dever cumprido, fazer o que se sabe que deve ser feito. Sem o preenchimento desses itens, você pode passar a vida no topo de uma montanha em posição de lótus e dizendo “om” que não vai adiantar nada.

Por outro lado, mesmo que se cumpra com esses requisitos básicos, há alguns impedimentos. O maior deles, sem dúvida alguma, é a culpa. E a culpa merece alguns parágrafos à parte.

O sentimento de culpa adia indefinidamente qualquer possibilidade de ser feliz. Sentir culpa é não aprender com os próprios erros, não tirar lições dos equívocos cometidos. Todos erram, faz parte do processo de aprendizado. Fico muito contente quando encosto a cabeça no travesseiro e constato que não cometi nenhum erro grave durante o dia. É motivo de comemoração íntima. Mas os erros, assim como os acertos, tem a função de nos ensinar. Tudo, na passagem pela matéria, é oportunidade de aprendizado. Quando não conseguimos aprender com os erros surge o sentimento de culpa.

Não adianta nada ficar lamentando pelo erro cometido. Ficar choramingando e se lamuriando só agrava a situação. Errou? Que pena! Vai chorar por isso? Espere pra chorar quando conseguir reparar ou compensar o erro cometido. Chore de alegria, chore de gratidão pela infinita misericórdia de Deus, que sempre lhe oferece novas oportunidades na vida. O que é a reencarnação senão uma nova oportunidade? Não é a culpa que vai resolver seus conflitos internos. Só o que você consegue com a culpa é a paralisação e a perda de energias.

A busca é incessante. Se deixarmos de buscar, se pararmos de nos esforçar, tudo pára, tudo fica estagnado. Você não pode parar, você é espírito imortal perfectível, você é muito mais do que consegue imaginar. Nesse processo de busca é preciso estar sempre aberto para novos conhecimentos, novas possibilidades. Quantas vezes você já constatou que as coisas não são exatamente como você pensava?

Ame! Ame aos outros, mas ame primeiro a você mesmo! Você é digno de todo o amor do mundo! Seja mais tolerante com você, reconheça suas limitações. Nenhum de nós vai virar São Francisco da noite para o dia. Não podemos deixar de tentar a reforma íntima nunca, em nenhum momento, mas a cobrança interna tem que estar de acordo com nossas possibilidades. De que adianta se sentir culpado pelo que você fez ou deixou de fazer? Tudo o que você planta, você colhe. Mas a colheita dos erros não quer dizer castigo. Ninguém está aqui pra sofrer. O sofrimento é a última alternativa de aprendizado. Não é a norma. A norma é aprender com tranquilidade.

Se você eliminar a culpa e se propor a aprender com os erros, verá que o universo conspira a seu favor. Você já ouviu isso em algum lugar, né? Eu já ouvi e li isso muitas e muitas vezes. Custei a acreditar que a verdade fosse tão simples… Tudo bem, tive uma ou duas décadas mais trabalhosas que o necessário, mas tudo bem. Está em tempo de ser feliz.