Reforma íntima

Uma visão espírita da mágoa

magoa-espiritismo

Morel Felipe Wilkon

Ouça este artigo na voz do autor

Na maioria das vezes nos magoamos por coisas fúteis. Por que nos magoamos? É o que tento explanar numa visão espírita… 

Ninguém pode magoar você. Mesmo que alguém queira fazer isso, não pode, não tem esse poder. Quantas coisas você ouve e aceita? Quantas vezes lhe fizeram ou disseram coisas que outros não perdoariam e que você nem ligou?  A mágoa não é uma ofensa externa que atinge alguém. Quem se magoa tem a mágoa dentro de si.

A palavra mágoa vem do latim macula e tem o mesmo significado de mancha, nódoa. Tinha, originalmente, o sentido de impureza. Maria, mãe de Jesus, é chamada de Maria Imaculada, ou seja, sem mácula, sem mancha, pura.

Querendo ou não querendo, concordando ou não concordando, o fato é que só nos deixamos atingir por aquilo que encontra eco dentro de nós mesmos. Só somos tocados por aquilo que sintoniza conosco. Se fôssemos suficientemente superiores, não nos magoaríamos nem ao sofrer uma injustiça de alguém muito querido. Procuraríamos, de imediato, a melhor maneira para esclarecer o mal entendido e faríamos de tudo para ajudar aquele que foi injusto conosco, porque compreenderíamos o seu erro e consequente sofrimento.

Quando você acha que alguém o magoou, é você que se magoou. Alguém fez alguma coisa que o desagradou, que não correspondeu às suas expectativas, e você se magoou. Mas a mágoa não foi imposta por ele, a mágoa é sua, surgiu de você. Mágoa é mancha. Se você se bate, forma-se um hematoma. O hematoma é uma mancha. O que desencadeou o surgimento do hematoma foi o fato de você se bater em algum lugar, mas a mancha surgiu de você, é uma reação do seu corpo, o hematoma é seu. O objeto contra o qual você se bateu não acrescentou o hematoma a você. Foi você, foi o seu corpo que reagiu ao impacto formando um hematoma.

A mágoa não é uma ofensa externa
A mágoa não é uma ofensa externa

A mágoa está em você e pode ser acionada. Quando alguém age de maneira grosseira, insensível, injusta com você, sua magoa é desencadeada. É verbo reflexivo: Magoar-se. Magoa-se a si mesmo.

Cada vez que nos magoamos temos a oportunidade de estudar a nós mesmos para descobrir o que fez a mágoa subir à superfície. Por que você se magoa? Responder a isso rende um ótimo exercício de autoconhecimento. TEMOS QUE RECONHECER QUE NA MAIORIA DAS VEZES NOS MAGOAMOS POR COISAS FÚTEIS. Gostaríamos de ser mais considerados, respeitados, admirados, paparicados.

Há espíritos que reencarnam próximos uns dos outros muitas vezes por conta de suas mágoas. Atribuem suas mágoas aos outros, deixam o rancor se alojar em seus íntimos, querem vinganças e perseguições. Muitos se perseguem uns aos outros durante o período de sono físico. Enquanto seus corpos repousam, aproveitam a relativa liberdade para dar vazão às suas mágoas e seus pensamentos baixos.

Conforme avançamos em nossa reforma íntima, a tendência é que nossas mágoas diminuam. Nos tornamos menos suscetíveis à mágoa. Como a mágoa é algo que parte de nosso íntimo, ao nos reajustarmos fica mais fácil perceber, pelo menos em algumas áreas do sentimento, que não há motivos para magoar-se.

Sei que há pessoas que enfrentam experiências amargas, tendo que se submeter, mesmo que temporariamente, à grosseria e crueldade de pessoas próximas. Maridos, mães, irmãos. São situações que quase sempre têm sua origem em reencarnações passadas, e que são verdadeiros desafios a que são submetidos espíritos que anseiam por livrar-se do círculo vicioso que se forma entre vítimas e algozes. A única maneira de por fim a esse círculo vicioso é através do perdão e da tentativa de amor. Se amor ainda é algo muito grande para caber nessas situações, que haja ao menos a compreensão, a tolerância, a paciência. São todos derivados do amor. E todos são poderosos antídotos contra a mágoa. 

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

59 Comentários

  1. Olá eu gostaria muito de ajuda, enfrentei muitos problemas ultimamente , aos 10 anos aconteceu a separação dos meus pais eu não cresci em um ambiente muito favorável porém meus pais se esforçam muito pra pagar escola pra me dar tudo , é muito difícil pra min a questão da minha aceitação, tenho uma capacidade que reconheço ser incrível na escola , porém com meus problemas emocionais isso tudo se torna um peso e um desperdício , tenho 15 anos , e tenho problema com a questão da alegria da vontade de viver , tenho uma leve lembrança de um estupro na infância não tinha meu consetimento eu era uma criança, fui abusada e as vezes a culpa me consome , tenho problemas com sexualidade, problemas com relacionamentos , e nesse momento que vivi algumas provas passei a voltar para o meu anterior me sinto doente as vezes , me sinto uma pessoa horrível, e tudo que eu quero é melhorar , preciso melhorar , pela minha família , por min , preciso me ajudar , últimamente ando sentindo uma culpa tremenda , não quero me abrir com psicólogas , com o pessoal do centro por medo de lembrar que sou uma pessoas doente , quero ajuda porque dentro de min ainda sei que existe uma garotinha algre , sei que a culpa é por medo de sentir tudo que eu condeno , agradeço já obrigado

  2. Olá,tenho me torturado dia e noite com a lembrança de uma magoa.Tenho uma irmã de sangue que é muito invejosa e sendo ela psicóloga,usa de psicologia negativa para destruir as demais irmãs.
    Se uma de nós está doente,ela coloca apelidos relacionados ao problema enfrentado ou chega perante o abatimeto da pessoa e diz “nossa,como vc está magra..como vc está feia”,sempre tentando derrubar a pessoa.
    Já nos acostumamos às suas maldades com todos,desde golpes financeiros,desmerecimentos e chacotas,sendo ela a que menos bem se sucedeu devido a sua maldade(o que nos prova que o mal não compensa).
    Só que a 6 meses descobri que ela tinha uma inveja grotesca de mim(justo eu que ela sempre me rotulou de feia,pobre e etc),ela antes disso começou a querer ter minha profissão,gostar das coisas que gosto,estar em lugares que eu gostaria de estar,fazer coisas que eu gostaria de fazer,uma longa história,enfim,a bloqueei nas redes sociais,pois ela estava tendo uma especie de surto,fissurada em mim e mesmo assim começou a me difamar para a familia,a mandar mensagens por outros meios perguntando pq a exclui e a bloqueei..pois é e pasmem,moro a 800km de distância e a um ano não a vejo e toda essa confusão ela mesma fez sozinha e a distância,envolvendo meu nome,me perturbando à distancia..lembro disso todo dia..toda hora e segundos,não consigo esquecer e tem me feito muitoooo mal,como se ela tivesse envenenado a minha vida.

  3. Olá sou espirita, mas não consigo não sentir rancor. Deixei um amigo morar em minha casa por mais de 1 ano sem pagar nada, este aproveitou este momento de ajuda para fazer uma bela festa de casamento para a filha. Fiquei muito chateada porque estava o ajudando a recuperar-se financeiramente, e não para fazer uma festa. A partir dai nos afastamos. Porém percebi que ele não tinha a menor gratidão pelo que eu havia feito. Hoje não nos falamos mais, tenho muita mágoa da ingratidão. Como espírita sei que não devo ter mágoa. Mas como perdoar uma pessoa e ao mesmo tempo não ter mais amizade. Gostaria de uma orientação.

  4. Bom dia, Morel Felipe.
    Venho desesperadamente pedir uma direção ou seja lá o que for, mas que me traga algum conforto.
    A 3 anos me envolvi com uma pessoa casada, mas que já estava com o casamento falido, ela me amou e eu amei, na verdade ainda a amo, passamos momentos maravilhosos e inesqueciveis. Quando nos conhecemos, eu estava passando por uma fase muito ruim por conta de depressao e ansiedade,
    ela é uma pessoa que carrega muitos pesos na vida dela também mas apesar desses pesos, ela foi maravilhosa comigo, muito amiga e parceira, me ajudou a me levantar de todas as formas … Me sinto culpada por que nao pude apoiá-la da mesma forma em relacao aos problemas dela, que sao muito serios … Nossa relacao era a distancia, ela mora em outro país … No começo eu ouvia os desabafos dela em relacao ao casamento em que ela se encontra presa por muitos fatores, dependencia financeira, filhos, problemas emocionais que sei que paralisa… Mas chegou um momento onde nossa relacao já nao era mais só eu e ela, nos falavamos e era só pra trocar problemas … Foi se tornando pesado, eu nao aguentava mais ouvir as mesmas coisas, a rotina diaria de infelicidade devido a vida que ela leva e foram comecando a haver brigas e cobranças, como se eu nunca houvesse me importado pelo o que ela passava mas me sentia como se estivesse vivendo o casamento dela e nao a nossa relaçao.
    Nao sou nenhuma santa e sei que errei muitas vezes e faltei também e isso me faz carregar uma culpa imensa … como se fosse uma divida onde nada que eu faça pudeesse pagar … Me sinto uma pessoa horrivel, por varias vezes tentei mudar mas nao consegui. Chegou a um ponto onde eram só brigas e eu acabei terminando a relacao mesmo amando muito, por saber que ela nao estava feliz por eu nao conseguir ser a pessoa que ela esperava e por eu me sentir culpada. Passou uma semana e ela me procurou, dizendo que estava sofrendo e que nao conseguia ficar longe de mim, retomamos a relacao, mas já estava morna, o amor tinha dado espaço só pra mágoas e ressentimentos mas apesar de tudo construimos uma amizade muito forte … passaram-se 3 semanas e no dia do meu aniversario, ela disse que era pra eu sair, me “jogar” e fazer o que me desse na telha … Meu mundo desmoronou ali, ali eu vi que o seu amor já nao era mais o mesmo e me doeu demais aquilo … 4 dias depois ela terminou comigo dizendo que já nao sentia mais o mesmo amor por mim mas que me amava como amiga e queria continuar se relacionando comigo só que de outra forma … eu tentei mas estava me fazendo mal, pq eu nao a vejo só como amiga, fui sincera e disse que nao poderia ser amiga dela, pq estava me machucando muito … ela entendeu e disse que iria respeitar … eu fui analisando os fatos e o que aconteceu no meu aniversario, me magoou muito pq me senti rejeitada e um lixo … nao consegui engolir e acabei jogando isso na cara dela, foi horrivel … ela me disse coisas horriveis e que sou mau carater e interesseira, monstruosa … por pensar só nos meus sentimentos e nao nos dela, já que ela está passando por um momento dificil na vida dela … enfim … estou me sentindo a pior pessoa do mundo e sentindo que sao só perdi um amor mas a minha melhor amiga … Por favor, me ajude, meu coracao só tem espaço pra tristeza …

  5. Tudo bom, Morel? Meu caso é o seguinte e me pergunto se poderia me ajudar; Há alguns anos, eu e uma garota quase tivemos um filho, duas vezes. Nas duas ela perdeu no parto. Era uma relação muito acida. E depois disso resolvi me afastar. Há pouco tempo tentei me reaproximar dela, para me desculpar e tentar resolver este assunto pedente. Porém até hoje essa pessoa insiste em querer estar o meu lado, mas acontece que eu sempre sinto uma energia negativa muito grande nela, e confesso que sinto certa antipatia por ela. Ela é uma pessoa confusa, e sempre esta falando de algum problema. Juro que não sinto nenhum tipo de ódio por essa pessoa, alias, sinto em mim um grande carinho e compaixão por ela que ja fez parte da minha vida, mas não consigo estar perto dela e ao mesmo tempo me sinto mal em me afastar de novo. Será culpa? Tenho medo de nao conseguir resolver esse assunto na minha vida. Você tem alguma opinião do que deveria fazer?

  6. Boa tarde
    Não queria, mas quando minha mãe está perto de mim fico com nojo, rancor sempre querendo ela bem longe se mim. Me sinto um monstro em dizer isso mais e algo que eu não posso mais disfarçar.
    E o pior é que ela me trata super bem.

  7. Há um ano atrás eu e meu namorado brigamos, estávamos de casamento marcado, em uma semana que estávamos distantes, ele já apareceu com outra, cancelou o nosso casamento sem eu saber, e começou a namorar essa moça, sem ao menos terminar comigo, eu fui a última a saber depois de 7 meses nessa enrolação….enfim, ja passou um ano disso tudo é até hoje sofro por causa disso, não posso nem ouvir falar em casamento, me entristece muito qdo lembro de tudo o que aconteceu, não sinto raiva dele, mas uma tristeza profunda ao lembrar do quanto nos éramos felizes e do dia para noite tudo mudou. Queria voltar a ter a alegria que eu tinha, reconstruir meus sonhos, é muito difícil, ele faz falta na minha vida, mas sei que tenho que seguir sem ele.

  8. Sempre fui espírita, estudei muito, procuro ler bastante!
    Mas essa noite me magoei com uma situação.
    Sou mae de um menino de 7 anos, sempre tentei ser fazer o melhor como mãe, dar o que não tive e dar também o que tive!
    Essa noite ele fez uma malcriação e chamei a atenção dele, e fiquei triste para mostrar que aquilo não era o correto a fazer, quando olhei ele tava com uma ferramenta do pai dele falando que ia machucar ou matar ele.
    Como uma mae não espirita , que não foi o correto briguei com ele, acho que não foi correto mais foi uma atitude que qualquer mãe faria!
    Bem já estudei tanto e isso nunca me preocupei em estudar pois jamais passou isso na minha cabeça que aconteceria comigo!
    Como lidar com essa situaçao?
    Fiz muita oração pra meimei, pra Jesus, enfim pra todos!
    Meu coração esta muito triste, pq como mae me sinto incapaz e nem sei como lidar com essa situação!
    Obrigado

  9. Ingrid, perdoar é desligar-se, deixar para trás. Perdoar não é esquecer – não conseguimos esquecer. Você só vai conseguir se desligar disso quando se interessar por coisas novas, quando a sua mente e o seu corpo estiverem ocupados com coisas úteis e produtivas. Aproveite esse momento de crise para espiritualizar-se e fazer uma mudança radical na sua vida. Não fique presa ao passado; recomece.

  10. Em um casamento de 15 anos que só eu achava que estava normal, descobri já no final que sempre fui traída, foram várias mulheres vizinhas minhas, amigas, conhecidas, o pior que ele me traía com a mulher do seu próprio irmão, comecei um processo de vingança, fiz tudo que pude pra destruir todos, cheguei até bater na mulher do irmão… luto para esquecer, tirar a mágoa e o ódio. Mas ainda me alegro quando acontece algo de ruim com eles, quero ser feliz e sei que o perdão é fundamental, mas como perdoar?

  11. Lê, olá Morel tenho pesquisado e visto o ho ponopono tenho melhorado bastante, pelo menos o ódio já não tenho desejos de ódio, nem fico limpado minha casa com pensamentos horríveis, queria não lembrar deles.
    Queria mesmo controlar minhas emoções, mas cada dia eles manda mensagens chantagistas para meu marido, e o coitado cai. Mas agora estou decidida não quero saber.

  12. Paula, eu também ouço espíritas dizerem isso, inclusive colegas meus muito queridos. Acredito que a sua intenção seja boa. Por exemplo: um dos cônjuges engana o outro. O enganado perdoa, mas não quer mais relacionar-se com o enganador. Neste caso, se eles viviam muito bem antes do deslize, vale a tentativa de passar por cima do erro e recomeçar. Mas isso não se aplica a todos os casos, de jeito nenhum. Aliás, isso não tem base nem na Doutrina nem no Evangelho de Jesus. O Evangelho foi escrito originalmente em grego. A palavra grega traduzida como “perdão” é “aphiemi” que quer dizer, soltar, deixar ir. Perdoar é soltar a mágoa, não ficar preso à mágoa. Mas também pode ser necessário desligar-se da pessoa. Cada caso deve ser analisado com bom senso. Se você gosta dela, dê novas chances; se acha que a amizade dela já não lhe convém, não se culpe por isso. Continue querendo bem a ela e siga a sua vida.

  13. Morel, belo texto! Parabéns! Tenho uma duvida: esses tempos uma “amiga” fez algo muito chato comigo. Percebi que ela não era uma amiga de verdade. Passei a não contar coisas a meu respeito, a ser mais na minha, mas sempre respondendo tudo o que ela perguntava. Até que ela veio me perguntar porque eu estava tão seca e eu expliquei que não gostei de uma certa atitude dela. Eu já a perdoei e não guardo rancor, mas não tenho vontade de falar com ela e sair igual antes. Perdi o interesse pois vi que não é amizade verdadeira. Frequento um centro espírita e em certa palestra o palestrante disse que não adianta perdoar e não querer mais ver a pessoa. É correto me afastar ou devo continuar falando com essa pessoa? Obrigada.

  14. Lê, ninguém pode ajudar você a perdoar! Como é que alguém vai ajudar você a perdoar? Só você pode fazer isso. E você não vai conseguir isso sem esforço. Dedique-se à espiritualização. Vá a uma igreja ou frequente o centro espírita. Faça trabalho voluntário. Quando fazemos o bem nos tornamos receptivos a coisas boas. Pesquise sobre ho’oponopono e pratique. Ocupe o seu corpo e a sua mente. Se você tiver algo em sua vida que lhe ocupe bastante, não terá tempo para sentir mágoa.

  15. Bom, namorei 5 anos estou casada há 19 anos meu marido é um ótimo marido porém tenho uma sogra impiedosa, ela agora está com 76 anos, sou do interior de Minas, eles moram em BH, então quando conheci minha sogra ela me ofereceu dinheiro para terminar com o meu marido, falou que minha cunhada era muito rica e me daria muito dinheiro, ele já tinha sido casado, tem uma filha já tem uns 27 anos e até hoje só quer mesmo o dinheiro não me importo e nem ele. Já trabalhei demais para eles, nossa, eu fiquei tanto tempo sem comprar nada para mim que desaprendi a comprar, nem tenho gosto mais de comprar, então esta sogra agora está com uns esquecimentos eu não acredito mas às vezes tenho medo de ser a pessoa cruel que não acredita. Eu e meu marido não temos brigas por causa deles. Eles são 4 irmãs e 1 irmão não quero cuidar dela, sou sincera só que nenhum deles quer. Eles já me maltrataram muito eu nunca falei nada mas guardei tudo isso e não foram poucas as coisas, para minha família nunca contei estas coisas se não acho que eles iam ter muita raiva deles, mas agora tenho ficado doente de tanto ódio que sinto deles, não sei como tirar isso de mim, tenho tido psoríase, urticária. Queria muito que me ajudasse, não consigo nem pensar nessa gente que meu estomago dói, não faço mal a eles mas tenho feito muito mal a mim.

  16. Valéria, é isso mesmo; isso realmente acontece. Você precisa interessar-se por alguma coisa nova, de que você goste, e se focar nisso: alguma atividade, algum estudo, um novo convívio com pessoas, qualquer coisa que lhe ocupe o tempo e a mente de maneira positiva. Também não deixe de procurar ajuda espiritual. Se fizer isso, vai ficar bem.

  17. Olá, eu tento já há alguns meses me livrar de uma mágoa, até porque as pessoas que fizeram isso comigo não odeio elas e nem anseio para que elas paguem ou sintam na pele o que eu senti, mas o mais é estranho que aquelas coisas não saem de mim, descobri que o que sinto é autopiedade, acho que me apeguei tanto à dor e não consigo sair disso.

  18. Mariana, não somos obrigados a conviver intimamente com pessoas que nos fazem mal. É claro que se essa pessoa é um familiar muito próximo, há motivos para que ele faça parte de nossa vida, e isso merece ser levado em consideração. Quanto aos riscos de um afastamento, só nos resta prudência e bom senso – não há como evitar totalmente o risco de uma antipatia ou mal-entendido.

  19. Morel, muito obrigada pelo texto muito bem escrito. Me ajudou muito a refletir sobre mim mesma. Fiquei com uma dúvida e serei muito grata se puderes me ajudar a refletir sobre ela: Devemos nos dispor a relacionamentos que não nos fazem bem, com pessoas que sabemos que irão a cada encontro tentar nos ferir ou nos denegrir pelas costas? Se não nos sentimos bem na presença ou convivência com uma determinada pessoa e ainda essa pessoa sempre que pode tenta nos tomar tempo, energia e fala mal pelas costas de nós, devemos ainda assim procurá-las ou aceitar presentes aleatórios destas pessoas? Como se afastar de quem nos faz mal sem deixá-los obcecados por não procurá-los mais ou com raiva de termos nos afastado? Mais uma vez obrigado pelo pensamento que propuseste a reflexão. Abraço.

  20. Kelly, perdoar é desligar-se e é libertar. Enquanto não perdoamos, estamos ligados mentalmente à pessoa que nos magoou, e a mágoa (ou ódio) que nós sentimos repercute nela. Ao perdoarmos, então a estamos libertando dessa repercussão do sentimento negativo que estávamos nutrindo. Isso, no entanto, não isenta essa pessoa da necessidade de reajustar-se com a Lei. Tudo o que fazemos que desarmonize a Lei de Deus deve ser rearmonizado por nós mesmos.

  21. Olá Morel, parabéns pelo texto bem esclarecedor. Bom, gostaria de saber, quando perdoamos uma pessoa essa energia vai de encontro ao espírito dela ou fica algo resolvido somente em nós? Como funciona essa energia, você saberia explicar? Obrigada e abraços.

  22. Carla, compreenda que não compete a mim analisar situações particulares – isso sempre é superficial. Há pessoas que não desenvolveram ainda os valores, que nós prezamos, como a gratidão e o respeito. Repetindo uma frase que não gosto muito: “cada um tem o seu tempo”.
    Haja diferente. Você não pode exigir comportamento diferente da parte dele, mas pode (e deve) agir conforme o que você considera realmente correto.

  23. Morel, tento não me magoar com meu ex-marido mas é difícil ver que ele não é mais a mesma pessoa que conheci. Temos 3 filhos, fomos casados 25 anos e um dia ele disse que queria se separar. Após 1 mês separados ele já tinha outra mulher e foi deixando os filhos de lado, no início de separados ele ainda visitava os filhos com frequência mas após 2 anos separados as visitas foram ficando raras pois ele preferia dar atenção para a outra mulher e as filhas dela. Eu sempre questionei esse comportamento dele, ele ficava e fica bravo comigo, diz que eu é quem o afasta dos filhos. No início da nossa separação conseguíamos conversar e eu via nos olhos dele ternura, carinho, calma, hoje ele mal olha na minha cara, nos falamos por e-mail e ele me trata muito mal, parece ter raiva de mim, visita os filhos a cada 3 meses ainda, hoje eles tem 19, 18 e 7 anos, o pequeno é quem sentia mais, hoje mal fala no pai. Acho essa situação muito triste para todos nós, inclusive para ele. Ele ficou desempregado por 3 anos, nesse período nós tínhamos um diálogo, eu o incentivava, dava atenção, dizia que ele iria se reerguer. Ele sempre dizia que estava pagando por todos os erros cometidos, mas assim que conseguiu emprego, tornou-se frio, distante, orgulhoso e arrogante. Pode isso? O que acontece com ele? Gostaria de uma opinião sua. Obrigada.

  24. Olá, Morel! Boa noite! Cheguei ao seu site procurando pelo tema deste post. Tenho 24 anos e tenho um relacionamento extremamente difícil com a minha mãe. Sempre foi difícil, mas de uns dois anos para cá tem sido impossível. Faço análise e foi através análise que me dei conta do quanto as nossas desavenças tem me feito mal. Tenho uma irmã 3 anos mais velha. A minha irmã sempre foi o alvo de cuidado, atenção, zelo e carinho da minha mãe. Diferente de mim, que não posso contar com minha mãe para nada. De pequenas a grandes coisas, nada. Como se não bastasse, me trata super mal e me ofende gratuitamente. Quando era criança (e ainda hoje, quando consegue) sempre dava um jeito de colocar o meu pai contra mim. Outra passagem que só me recordei na análise (Eu tinha apagado de minha mente) foi certa vez em que ela me espancou por um motivo qualquer (devia ter uns 6 anos) e ficava me exibindo para mostrar, muito orgulhosa, os roxos que ela tinha feito em mim. Toda a família percebe e comenta sobra a forma como ela me trata e a diferença que ela sempre fez entre eu e minha irmã, mas ela diz que não liga. Alguns meses atrás nós conversamos e ela até chorou, disse que ia mudar e que não percebia o que fazia. Mas nada mudou. Ontem mesmo tivemos outra briga, ela me ofendeu e debochou de mim. Acabei decidindo por desistir da minha mãe, porque não consigo mais tanta humilhação. Não tenho religião, não entendo de espiritismo, mas tenho lido que posso encontrar nele uma resposta.
    Um abraço e obrigada pelo espaço!

  25. Clésia, preste atenção. Pode ser que você já se conhecessem antes dessa existência atual, pode ser que você já tenham uma relação difícil há muito tempo. Mas isso, na verdade, não interessa.
    Você diz que cada vez sente mais ódio dela. Entenda que há muitas pessoas que nunca foram amadas, que nunca receberam carinho, que não conhecem bons exemplos, que não aprenderam a amar. Essas pessoas se tornam amargas, e descarregam o seu excesso de amargura em quem estiver por perto, principalmente se este alguém estiver numa situação de fragilidade, como é o seu caso, que depende dela.
    Acontece que você, ao sentir ódio dela, está repetindo, pelo menos em parte, o comportamento dela. Ela é assim porque aprendeu assim. Você pode se tornar assim porque aprende assim com ela. Imagino como deve ser complicado para você. Mas entenda a infelicidade dela, entenda que isso não é algo específico com você, é uma doença dela, é pura falta de amor. Não se deixe dominar pelo ódio. Por pior que seja, tente compreendê-la e perdoá-la. Se você orar todo dia para compreendê-la e perdoá-la, você vai conseguir. Um dia você não vai mais depender dela e vai ter oportunidade de viver outra vida. Mas, se você tiver ódio dela, irá carregá-la sempre consigo. O ódio é um vínculo sentimental, assim como o amor. Quem ama ou odeia alguém, tem esse alguém sempre consigo.
    Além disso, não esqueça o sentimento de gratidão. Apesar de tudo, você dependeu e depende dela. Se você procurar motivos para gostar dela, certamente irá encontrar.

  26. Morel, venho pedir sua ajuda para entender melhor uma situação que passo a muitos anos, peço que por favor me responda.
    Quando eu tinha sete anos fui morar com minha mãe e meu ex-padastro no RJ. Antes disso eu morara com minha avó na Bahia. Desde que me lembro que fui morar com ela, ela sempre reclamava de tudo, nunca foi uma pessoa de chegar e me abraçar ou conversar, sempre reclamando das coisas comigo, sempre me tratando com ignorância, me xingando, me colocando pra baixo, e até batia em mim. Eu nunca entendi direito o porquê de tudo isso. Hoje em dia moramos em SP só eu e ela. E ela me trata parece que cada vez pior, eu não respondo ela quando ela me trata mal, quando ela é ignorante comigo, não respondo porque não gosto de discussão e porque ela acha que está certa no que faz e no que fala. Quando eu respondo oi digo algo falando que ela tem que se tratar porque acho que isso é um tipo de doença, não sei. Ela agride com palavras. Eu não consigo compreendê-la. Chega do trabalho já reclamando, não só de mim mas de tudo, de tudo mesmo, isso me incomoda, porque ela tem uma vida boa, não devia reclamar dela. Ela reclama, xinga e depois quer contar algo do dia dela pra mim como se o que ela tivesse dito não fosse nada, como se eu não sentisse nada com aquilo. E apesar de tudo quando eu ainda tento contar algo do meu dia ela me coloca pra baixo dizendo que não vai dar certo ou sendo ignorante comigo. Cada vez mais me magoo, cada vez mais sinto ódio dela, ainda estou aqui porque não tenho pra onde ir. Mas gostaria de tentar entender porque ela é assim comigo.

  27. Esse site mudou a minha vida! A linguagem extremamente acessível, com temas muito cotidianos! Quanto mais eu leio mais eu me cobro. Não vou dizer que não é fácil me magoar, mas sempre tento me colocar no lugar do outro, e utilizando a técnica do hoponopono, deixando nas mãos da divindade aquilo que ainda não consigo entender. Muito grata!

  28. Texto maravilhoso, era tudo que eu precisava ler hoje!
    Após esta leitura me sinto maravilhosamente bem, tranquila, sem mágoa nem rancor.

  29. Mari, não sei que idade você tem, mas você deve rever os seus sentimentos. A ajuda de um psicólogo certamente faria bem a você. Você diz que seu pai era “seu tudo”, mas você só conviveu com ele até os cinco anos. Uma criança de cinco anos não sabe avaliar a complexidade da vida. O que você lembra – ou acha que lembra – do seu pai tem muito de idealização. Fica claro a sua má vontade com a sua mãe e o namorado dela. Você diz que vê a sua mãe como uma mulher qualquer mas também diz que a ama, ou, seja, você não sabe direito o que pensa ou sente. Procure ajuda profissional.

  30. Olá Morel, li o seu artigo e gostei muito, apesar de sentir uma grande mágoa dentro de mim, e eu me culpo por não saber lidar com ela. A história é a seguinte: tinha cinco anos quando tudo começou e hoje tenho vinte. Meu pai quando tinha cinco anos veio a falecer, mas quando eu tinha três anos minha mãe e meu pai já haviam se separado, meu pai sempre foi carinhoso, brincalhão, protetor, foi meu tudo. E minha mãe sempre mais agressiva, sempre teve tempo para o serviço, mas quando meu pai se separou nada mudou, mas aí quando fiz seis anos minha mãe arrumou um namorado e ela me fazia eu o chamar de pai, e ela me levava pra todos os lugares, aí fui crescendo e descobri que ela mentiu pra mim que o nome era diferente, que era casado, que tinha filhos, mas aí vem a coisa pior, quando descobri ela falou que se eu reagisse da forma que estava reagindo eu iria estragar a felicidade dela fazendo eu pensar que eu não significava nada pra ela, mas as coisas não melhoravam, só pioravam. Aí li o diário dela onde ela deu graças a Deus que meu pai morreu, e tudo foi acontecendo, ela me batia por causa daquele homem até que ele brigou com a mulher dele e veio morar em casa e eu não sabia, pois ela me deixava na minha avó, pois eu o odiava, mas um dia desconfiei e desci em casa e o vi e fiquei muito triste, mas ela implorou, falou que tinha se separado dela mas não durou muito tempo ele voltou pra casa dele e hoje ainda vivo nesse dilema que no ano passado ela queria expulsar meu irmão de casa e eu entrei no meio e citei o nome dele e ela me agrediu e eu fui embora de casa, mas depois de alguns meses ela pediu pra mim voltar, pois ela estava muito doente, tinha pegado dengue, e eu votei para cuidar dela mas não consigo ver como uma mãe, mas vejo como uma mulher qualquer, mas eu a amo mas não consigo demonstrar e eu não sei o que faço, pois ela me levou nessa sujeira antes eu descobrisse e ela tentasse esconder de mim mas nem isso.

  31. Olá Morel, fantástico seu artigo e me fez repensar sobre os péssimos sentimentos de mágoa, rancor e ressentimento que tenho guardado por uma pessoa. Tudo que você diz é muito válido e muito lógico, só não compreendo como não se permitir magoar-se. Por que é muito difícil você acreditar em alguém e essa pessoa destruir seus sonhos e você continuar vivendo sem se manchar com aquilo…

  32. Nossa eu me magoo tão fácil, se falarem alto comigo já é motivo de me corroer por dentro, sou uma pessoa muito sentimental, o que pode ser??

  33. Simoni, se fosse para acreditar na imagem de Deus que geralmente pregam por aí, eu seria ateu. Quando começamos a nos questionar precisamos de crenças racionais. Sugiro que você procure um centro espírita e participe de um grupo de estudos. Questionando, aprendendo, ensinando suas experiências, tendo paciência, compreendendo que problemas grandes exigem soluções grandes. É preciso persistir. Só você pode se ajudar. Não desista de você. A vida é maravilhosa; o que nos falta, algumas vezes, é mudarmos o nosso olhar. Estude, se esclareça. Conforme for se esclarecendo, vai entendendo o amor sob um outro prisma.

  34. Morel, fiquei feliz por hoje encontrar seu blog e ler alguns de seus textos; tenho procurado por ajuda, sou uma pessoa difícil, eu mesma não me entendo, me alimento do ódio que carrego por algumas pessoas. Sei que são sentimentos que nada de bom acrescentam e não posso seguir minha vida sendo feliz agindo desta forma. Procuro por respostas através do espiritismo, já que atitudes minhas e de meus entes não fazem sentido nesta vida. Deixei de acreditar em Deus, porém não me sinto feliz por isso, não me trouxe paz, e depois de deixar minha fé não me senti mais na obrigação de tolerar as outras pessoas, de ser paciente e amá-las. Gostaria de sentir a presença de Deus novamente, de ter a certeza da existência Dele… Me desculpe por tomar seu tempo e obrigada.

  35. Rosangela, a Terra tem hoje uma população de aproximadamente 7 bilhões de pessoas. Todos os 7 bilhões têm problemas. O óbvio é que você e seu marido devem concentrar os seus esforços para se mudarem, já que o convívio não é dos melhores. Não há como não nos incomodarmos com determinadas situações. É compreensível que você fique chateada com ela. O que não podemos é ficar com a mágoa dentro de nós. Temos que compreender que essas situações passam, que as pessoas cometem erros e que se ficamos com mágoa estamos fazendo mal, em primeiro lugar, a nós mesmos. Ore por ela todos os dias, de preferência nos mesmos horários. Não peça em suas orações para ela não incomodar você. Apenas peça que ela seja feliz, que ela se sinta bem em tudo o que fizer, que só coisas boas aconteçam com ela. Perdoe e peça perdão em suas orações, sempre.

  36. Moro no mesmo quintal da minha cunhada que na adolescência era minha amiga. Depois que casei com o irmão dela e moro no mesmo quintal ela arruma vários motivos para brigar comigo, ficamos várias vezes sem nos falarmos e agora de novo. Não queria guardar mágoa dela, mas ela está sempre fazendo uma coisa ruim pra mim e minha família. O que devo fazer?

  37. Ana Beatriz, como espíritos imortais que somos, ao longo dos milênios vamos forjando características que nos tornam diferentes uns dos outros. Assim, há pessoas com quem nos relacionamos melhor, por nossas afinidades, e outras com quem o contato é difícil, até desagradável. Acontece, muitas vezes, de formarmos vínculos com os espíritos com quem reencarnamos, e esses vínculos podem ser positivos ou negativos. Quando o vínculo é formado, é normal que voltemos a reencarnar próximos uns dos outros para aperfeiçoarmos nossas relações em comum ou para reajustarmos relações iniciadas no passado.
    Por isso tantas dificuldades familiares, tantas diferenças que vão se tornando claras conforme vamos “abrindo os olhos”.
    Compreenda que a sua mãe é diferente de você, e que não é capaz, ainda, de olhar as coisas de maneira imparcial. Você não vai fazê-la mudar de ideia; a própria vida é que vai se encarregar disso. Procure compreendê-la e perdoá-la, sempre.
    Aproveite e valorize a harmonia com o seu pai e viva com tranquilidade esses anos de preparação para a vida adulta. Não se esqueça de que você tem os seus próprios valores; a falta que a sua mãe faz para você é apenas afetiva.
    Deixe que ela viva a vida dela, cuide de você, zele pelo seu pai, ore sempre pela sua mãe e pelo companheiro dela. Entenda que o carinho ou amizade que você esperaria da sua mãe, neste momento, não está disponível, ela não pode lhe dar o que ela não tem para dar.
    Nada é por acaso e não há vítimas no Universo. Tudo é aprendizado. Veja isso como uma oportunidade de você se tornar mais forte, mais íntegra, mais lúcida, uma chance que a vida lhe dá de amadurecer com equilíbrio baseada em suas próprias energias.
    Seja forte, siga os seus valores, se instrua sempre sobre as coisas do espírito. Os personagens que animamos (mãe, pai, filha) são efêmeros; nós somos imortais. Somos espíritos encarnados. Vivemos na matéria, mas somos seres espirituais. Por isso os valores e o esclarecimento acerca das coisas do espírito devem vir em primeiro lugar. Assim o entendimento dos problemas que a Vida nos oferece é mais fácil, e conseguimos tirar boas lições de tudo.
    Fique com Deus.

  38. Olá Morel, tenho 17 anos, meus pais se separaram há 3 anos e desde então tenho sofrido muito, sempre vivi muito bem em casa, sempre tive uma vida normal, amo muito meu pai e minha mãe. Muito embora o relacionamento com meu pai sempre foi mais carinhoso, pois minha mãe é uma pessoa difícil de mostrar afeto e o fazia do jeito dela. Minha mãe um dia resolveu se separar do meu pai e foi embora morar com a mãe, minha avó, eu decidi ficar com meu pai, pois não queria deixar minha casa, meu quarto e até mesmo meu pai. Minha mãe se magoou com isso e sempre disse que meu pai não prestava e que eu teria que ficar com ela. Se meu pai foi ruim, foi para ela e não para mim, mas ela nunca entendeu isso e nosso relacionamento foi ficando péssimo, e nunca mais consegui me achegar a ela, pois ela sempre coloca a culpa do nosso péssimo relacionamento em meu pai ou em minha escolha de ficar com ele, mas o que sinto é que ela foi se afastando, se afastando e ela nem percebe isso. Ela já está em outro relacionamento, morando com outro homem e mesmo eu frequentando a casa da minha avó onde ela morava eu só fiquei sabendo pois eu mesma fui percebendo que as roupas dela já não estava mais no armário. Ela já mudou completamente de vida, de costumes e eu não estou incluída neles. Como eu tive muito ciúme do atual namorado dela, tudo foi ficando pior. Mas o que mais me aborrece é que ela não me procura nunca, não me telefona e quando eu busco uma aproximação para que possamos zerar tudo e começar de novo ela vem dizendo que a culpa de tudo é minha e que eu estou pagando pelas minhas escolhas. Ela não assume os erros dela e coloca a culpa de tudo nos outros. A última tentativa de reaproximação deu em nada e mais uma vez ela nos culpou (eu e meu pai). Tenho vontade de seguir minha vida e não procurá-la mais, mas eu a amo e sinto falta dela. O que fazer, ando muito deprimida com essa situação.

  39. Olá Morel, que bom ler suas palavras. Sei que muitas vezes o problema está em mim, pois se não fosse tão insegura eu não me importaria com os outros e que isso não é egoísmo, mas segurança e autoestima. Sei também que meu marido trata o casamento de uma forma que eu não compartilho e isso nos gera muitos conflitos. Mas independente de tudo eu busco a minha paz, o meu equilíbrio com a vida e comigo, por isso me questiono e vivo em conflitos. Quero e preciso me encontrar, gosto de mim , mas quero me amar… Suas palavras foram verdadeiras e certas. Muito obrigada.

  40. Silvana, você precisa gostar de você. Se você gostar mais de você não dará importância a essas coisas, que são puro egoísmo. As maneiras de gostar e de se relacionar são diferentes para cada pessoa, e mesmo que fosse verdade que você é menos valorizada, o único modo de você se sentir mais valorizada é você mesma se valorizar. Talvez você não esteja contente consigo mesma e só perceba isso através do tratamento dos outros. Torne-se uma pessoa melhor. Arranje novas ocupações, faça coisas novas, coisas que considera importantes e que gostaria de fazer há muito tempo. Tenha uma vida religiosa ativa. Se você gosta do Espiritismo, frequente o Centro Espírita, estude, leia, ore. Mude. Enriqueça a sua vida. Cobrar atitudes dos outros é um erro terrível se você não tomar atitudes com você mesma.

  41. Muito bom e enrriquecedor, esse texto veio num bom momento. Moro há mais de 25 anos com um homem 2a anos mais velho, que veio de um outro relacionamento e com outros filhos, mas apesar de ter uma família com ele com filhos e tudo mais, sempre sinto que a ligação dele com a ex e os filhos me perturba muito, sinto que eles são sempre mais importantes do que eu e meus filhos para mim muitas vezes penso que ele tem mais respeito e consideração por eles do que por mim e isso me magoa muito. Não sei como lidar com isso… sei que se sinto isso é porque esse sentimento de rejeição está primeiro em mim, mas o que fazer? Me ajude, é horrivel viver assim.

  42. Este artigo é muito importante para
    mim hoje.

    Há algumas horas atrás, me senti
    injustiçado, recebi críticas ácidas
    de uma irmã do trabalho, na qual eu
    julguei que não havia necessidade de
    ter sido tão grosseira comigo. Me
    senti magoado com isso.

    Pensando bem, minha auto-estima não
    é muito boa, então estas atitudes dela
    me deixaram pra baixo porque eu mesmo
    não tenho uma base sólida de auto-confiança.

    abraços

  43. Perdão, tolerância, paciência, resignação, respeito… boa vontade, sincera. A vida ensina. E as dores junto. Vou em frente, e com a sua ajuda e a do Pai, que te ilumina ao escrever. Obrigada.

  44. Boa tarde Morel!
    Você escreveu o texto para mim???
    Brincadeira… É que estou nesse processo de ser melhor, confesso que tá difícil.
    E compartilho a idéia de sair do círculo vicioso, por isso luto com toda a minha fé (de até rezar terços) na esperança da paz.
    Se não fosse a minha procura constante da reforma íntima, não teria dado conta de tanta pressão.
    Mágoa e dar o perdão, que tarefinha difícil…
    Agradeço a você, com esses artigos de grande valor.
    Abraços fraternos.

  45. Ou seja, a mágoa vem de dentro!
    São nossas fraquezas mais uma vez que nos dominam, como o orgulho, o ódio, a ganância, a inveja…
    Isso me lembra uma passagem: “Conheça-te a ti mesmo…”

  46. Olá,
    Penso da mesma maneira, somente o exercício diário, nosso olhar, nosso vigiar e a prece, como Emmanuel disse, pode ajudar-nos a não desenvolver esse sentimento corrosivo, para nós mesmos.
    Abraços
    Leila

  47. Obrigado pela lição, Ari. Realmente requer tempo. E uma elevação moral/vibracional a que só temos acesso, em nosso estágio, à força de muita disciplina.

  48. Morel, bom dia. Como sempre, outro belo texto. Existe até uma frase que corrobora isso que você disse: “não é minha culpa se eu não sou sua projeção”. Infelizmente somos assim mesmo. Nossa felicidade está sempre atrelada a outrem ou a coisas materiais. Não é fácil desatrelarmos dessa ideia e fica mais difícil, ainda, quando dependemos do perdão como condição para nos reformarmos. Acho que o perdão é uma das práticas mais difíceis de serem realizadas. Quando falo do perdão, falo do perdão verdadeiro. Perdão que vem do coração e não da “boca pra fora”. Vejo o perdão como prolongamento do amor e tudo que deriva do amor depende de tempo, precisa criar raiz, precisa ser cuidado. O perdão está acima da razão e por isso é tão difícil de alcançá-lo. Aprendemos a vida inteira a agir com a razão e, de repente, termos que tomar atitudes contrárias a esse nosso “conhecimento”, não é nada agradável.
    Enfim, enquanto ficarmos remoendo o passado, procurando justificativa (razão) para nossas decisões, continuaremos nossos círculos viciosos. Não precisamos de “jurisprudência” para tomarmos posturas e seguirmos adiante, pois nosso juiz não espera mais do que AMOR em nossas decisões. Somos únicos, ímpares e, portanto, não cabe procurarmos casos parecidos para tomarmos nossas decisões. Podemos ser ferramentas de Deus, nesse momento, para servirmos de exemplo. Façamos cada decisão com o conhecimento dos ensinamentos de Cristo e nada será em vão. Eu estou tentando e vou conseguir, tenho certeza. Força e paz para todos.

  49. Ricardo, é bom estar cientes de que a jornada é longa. Muitas pessoas tentam mudanças bruscas e logo desanimam. Somos seres milenares, não vamos mudar de um dia para o outro. É questão de disciplina. Mantendo o firme propósito de mudança, tendo isso em mente todos so dias, aos poucos vamos conquistando domínio sobre nós mesmos.
    Força e paz.

  50. Excelente artigo, Morel. Infelizmente, sempre fui muito intoxicado por raiva, mágoa e rancor… Sempre quis aprender a ser diferente, mas não tinha nem ideida de por onde começar. No entanto, pude extrair ensinamentos de dois artigos seus, que tenho me esforçado para colocar em prática. Primeiro, tenho buscado a oração, “entregando a Jesus” minhas dificuldades para que, alinhado com a energia dele, eu possa aquietar minha alma. Em segundo lugar, tenho utilizado o intelecto mediante os frutos do amor, como você menciona nesse artigo: compreensão, tolerância, paciência etc. É uma longa jornada meu amigo, mas o primeiro passo já foi… Obrigado pelo texto.

  51. Essa energia você não criou, Josiane. Ela é sua. Todos nós temos um potencial incalculável que não costumamos aproveitar. É bom saber que você está sabendo lidar com isso.
    Fique com Deus!

  52. Olá Morel, você colocou muito bem a questão da energia! Eu resido em uma casa ao lado de pessoas que traçaram um plano para me prejudicar, fiquei durante muito tempo remoendo esta mágoa, um certo dia eu cansei e comecei a praticar um exercício, ou seja, toda vez que alguém ou alguma coisa me faz pensar nessas pessoas eu desvio esse pensamento para algo bom e isso foi a minha salvação, é como se eu tivesse me libertado dessa mágoa, comecei a me sentir plenamente feliz, como se eu estivesse imune. Essa energia que eu consegui criar é muito boa, sem explicação! Quanto ao perdão, eu nem penso nisso, acho que quem tem que perdoar é o ofensor e não o ofendido, porque quando se faz mal a alguém, o malfeitor está adquirindo dois débitos, um pela ação praticada e outro pelo resultado dessa ação!

  53. Bom dia, Rodrigo. O dia em que superarmos as emoções e o sentimentalismo, perceberemos que tudo o que se relaciona a isso também é energia. Quando nos perturbamos com alguém ou alguma coisa perdemos energia. Todas essas emoções envolvem energia. Então, mesmo que racionalmente não demos grande importância às coisas, nosso estado energético é abalado de alguma forma.

  54. Muitas vezes eu não me magoo e nem quero me magoar, mas depois do acontecido algo me perturba e parece que fica vindo à tona um sentimento que diria é uma quase mágoa, por que será? Bom dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.