Comportamento, Mídia e sociedade, Sonhos e Projeção astral

Vampirização de energias

Vampirização de energias
Vampirização de energias

Ouça este artigo na voz do autor

Não acompanho a grande mídia há algum tempo. O que sei sobre televisão é de ouvir falar. E só de ouvir já “me tapo de nojo” como se diz aqui no Sul. Você sabe o que é vampirização de energias?

Sei que a Globo passou a transmitir umas lutas que não sei o nome. Que decadência! Por mais que se falasse da Globo, tempos atrás, ainda era o baluarte da televisão brasileira. Era ela quem segurava minimamente o nível da programação. Ao transmitir essas lutas pro Brasil inteiro, a Globo se entrega definitivamente para o sensacionalismo.

Já fui leão de chácara, não faço o tipo bonzinho. Mas não consigo compreender como a população pode achar normal ver dois caras se quebrando, se agarrando, procurando provocar o máximo de dor possível no adversário. Como permitem que seus filhos assistam isso como se fosse uma coisa normal? Por acaso pensam que uma criança ou adolescente sabe diferenciar perfeitamente a luta que é chamada de “esporte” e a luta a que chamam… como é, mesmo? Bullying?

Pra que adotam um termo ridículo como esse, “bullying”, e permanecem com os mesmos valores podres de confronto físico? As crianças e os adolescentes (os adultos também, embora não reconheçam) ao assistirem essas lutas, imaginam-se nelas com seus contendores. Cenários mentais são criados com perfeição, onde lutam com seus desafetos. Toda energia despendida nessas elucubrações de agressividade animalesca é utilizada pelos desencarnados “menos amistosos”, que se utilizam dessa energia para manterem seu poder no plano astral.

Nunca assisti a nenhum episódio da “Saga Crepúsculo”, mas sei que trata de vampiros, provavelmente bonitos e sedutores. Com esse tipo de programação acontece a mesma coisa que com as lutas. Toda energia que envolvemos em nossas fantasias ao assistirmos essas historinhas macabras tem um fim certo: Ou você acha que os desencarnados não estão ao seu lado nessas horas?

Você provavelmente acredita que os espíritos estão por toda parte e que convivem conosco. Sim, né? Também acredita que eles nos influenciam e nós os influenciamos, não é mesmo? Acredita, também, que conforme nosso tipo de pensamento, conforme o nosso padrão mental, determinados tipos de espíritos são atraídos, não é certo? Quando você vai ao centro espírita você espera encontrar lá espíritos um pouco mais elevados. Agora responda: Que tipo de espírito você acha que se sente atraído por filmezinho de vampiros bonitos, ricos, vadios e poderosos (nunca assisti, mas garanto que deve ser assim)?

Imagine quando você ou seu filho ou um adolescente qualquer assiste um Crepúsculo desses aí imediatamente antes de dormir. Assim que você fecha os olhos os vampiros do lado de lá estão prontos e preparados para recepcioná-lo. Daí você pensa que sonhou com o filme e acorda fraco, desanimado, sonolento. Por que será? Não será porque lhe sugaram a energia durante a noite?

Não podemos confundir conceitos. Temos que ser bons, não bobos. Temos que praticar a reforma íntima, mas isso não é só com relação às pessoas que nós vemos. Nossa reforma íntima também é proteger e elevar nossas energias, evitando essas sandices midiáticas. Não se deixe dominar pelo comodismo de fazer o que “os outros” fazem só para ter assunto com eles. Não tenha medo de romper estruturas de comportamento. Ninguém precisa seguir as porcarias que a mídia impõe.

Cuide mais de você, dos seus pensamentos, dos seus hábitos. Cuide mais dos hábitos daqueles que lhe são próximos e sobre os quais você tem responsabilidade e poder de influência. Não seja presa fácil para encarnados ávidos por lucro e para desencarnados ávidos por ectoplasma. Proteja-se e seja feliz! Quando você se protege, você é mais feliz!

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

39 Comentários

  1. Olá Morel Felipe, adorei o post. Eu também evito ver TV aberta e filmes não elevados vibratoriamente edificantes. Sou médium e realmente isso atrapalha demais na mesa mediúnica e na vida. O pensamento tem força e atrai o bom e o ruim de acordo com nossa vibração, nossas atitudes e pensamentos. Como disse Jesus, orai e vigiai, os espíritos influenciam na nossa vida mais do que imaginamos. Procuremos vibrar no bem, ter pensamentos e atitudes edificantes. O bem atrai o bem e o mal atrai o mal. Façamos nossa parte no cosmos. Obrigada pelo post, esclarecedor.

  2. Eloisa, Não assisti e não pretendo assistir à saga Crepúsculo, mas já li a respeito dela e de sua autora. Os jovens encontram nela um vampirismo romântico, quase mágico. Vampiros são apresentados como pessoas dotadas de poderes incríveis e vida eterna. Sei que os verdadeiros “vampiros”, são bem diferentes disso. O que causa o vampirismo e as suas consequências negativas é tratado em livros como Evolução em Dois Mundos, de André Luiz, no capítulo 15.
    Se há um ponto positivo nisto é a receptividade ao tema, o que favorece a compreensão de assuntos que costumam gerar medo. Mas isso se aplica a uma minoria disposta a aprender.

  3. Acho que talvez as lutas possam fomentar o debate social sobre o tema. Isso é importante, mas acho que não justifica. Quanto à série de filmes crepúsculo acho que você está redondamente enganado. recomendo que você assista. o filme é muito romântico, os personagens principais representam o bem, a mocinha do filme vive dilemas e é uma excelente metáfora sobre encarnação, realidade, fertilidade, casamento, vida e morte. Acho que as crianças podem se beneficiar desse conteúdo. Mas acho que todos os pais deviam assistir um filme antes de deixar que o filho veja. Tem um filme muito popular: shrek que trata a questão do sexo e do amor de forma muito menos espiritual e leviana.

  4. Renato, esses dias ainda vi uma manchete a respeito do tema e lembrei do seu comentário. Ia relê-lo, e acabei esquecendo…

  5. Pensei muito sobre o tema do MMA, neste tempo todo. E hoje concordo com você. Presenciei certas atitudes de atletas de alto nível de MMA que me fizeram chegar à conclusão que o combate esportivo é danoso ao espírito da arte marcial.
    “Se o inimigo é inferior a ti, então por que brigar
    se o inimigo é superior a ti, então por que brigar
    se o inimigo é igual a ti, releves.
    Pois se tu relevas então não haverá luta
    Honra não é orgulho. É a consciência real de quem a possui.”

  6. Oi Morel, obrigado pelo elogio. Concordo com você quando fala que existem muitas pessoas que fazem mau uso da arte marcial, como tantas fazem mau uso da ciência e da religião. A religião por mais divina que seja, foi e é utilizada muitas vezes para motivos torpes e bélicos. Acho que o mau uso de todas as coisas existe por causa das pessoas e não das coisas em si.
    Afirmo que a arte marcial quando praticada em sua completude evita o bullyng por experiência própria. Fui vítima de bullyng na infância por possuir baixa estatura e a prática da arte marcial serviu para que eu evitasse o bullyng sem me tornar autor de bullyng.
    Discordo que a prática da luta seja desnecessária. Como disse antes, a luta é uma forma de aperfeiçoar a alma. A zona de desconforto é importante para fortalecer o espírito, e a luta nos põe em zona de desconforto intensa. A luta nos permite compreender o caminho a ser seguido, que nada mais é que superar nossos obstáculos com persistência, honra, respeito e amor naquilo que fazemos. Na luta chamamos isso de caminho do guerreiro. Mas acredito que em sua essência não deve ser tão diferente do caminho que o espírita procura. A prática da arte marcial nos ensina a persistir na vida e no ensina na pele a dor e o dano que a violência pode causar. Isso nos torna mais compassivos. Se compararmos a arte marcial com uma religião, diríamos que a luta seria uma espécie de mortificação. Golpeamos a carne afim de buscar retidão espiritual e isto funciona. Por estes motivos defendo a arte marcial com tanta ênfase. Acredito ser um caminho sagrado, onde cada combate nos torna um pouco melhores. O problema é que temos que melhorar muito ainda.

    João 14:3,4 “Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.”

    Abraço.

  7. Renato, pratiquei artes marciais na juventude e sei que teoricamente você tem razão. TEORICAMENTE. Não é isso que se vê nas academias e entre a maior parte dos admiradores/imitadores. Sou obrigado a pensar que você é uma pessoa com sensatez e bom caráter acima da média, pois afirmar que a arte marcial evita o bullyng a mim soa muito estranho. Não é o que tenho visto ao longo da vida. Sei que a filosofia e os objetivos dos mestres são elevados. Mas a prática, geralmente, não. Obrigado pela atenção.

  8. Oi, Morel. Sou praticante de artes marciais e tenho que discordar de você a respeito do MMA. A luta é uma forma de aperfeiçoar a alma. E quando assisto uma luta não vejo dois homens se machucando como animais. Vejo uma competição de vontade, inteligência, força, agilidade, resistência e serenidade. Sim, serenidade. Coloque o maior lutador do mundo descontrolado em um ringue e ele perderá fácil, pois agirá por impulso, irracionalmente e dará golpes baixos. É preciso muita serenidade para aguentar dores físicas e continuar obedecendo às regras do jogo.
    Acho o MMA um esporte valioso, comparemos seus atletas com atletas de futebol, por exemplo. No futebol, todos tentam fingir faltas, aceitam o pênalti marcado errado, batem de maldade e fora do jogo em adversários, xingam o juiz e o que impera é a lógica da desonestidade e malandragem. No MMA, o atleta obedece todas as regras do jogo, há incentivo para o comportamento honesto e honrado e dentro das regras do jogo, onde a desonestidade é punida exemplarmente. No MMA, você não vê desrespeito a juízes, onde agressões fora do jogo são raras, condenadas e punidas pelo esporte. Por mais impressionante que possa parecer, no MMA existe mais ética que em muitos outros esportes, incluindo o futebol.
    Acredito que a arte marcial na verdade evita o bullyng, quando a compreendemos de forma holística. Pois um verdadeiro lutador tem honra e jamais faria mal despropositadamente a alguém ou agiria de forma desproporcional. Pesquise os grandes mestres das lutas e encontrará pessoas tão iluminadas quanto mestres da fé. Ex.: Hélio Gracie, Bruce Lee, Yoshizo Machida, Morihei Ueshiba. Eles pregam o equilíbrio da sexualidade, do espírito, da mente e do corpo. E todos são pacifistas, por incrível que pareça. Acredito que a arte marcial é o esporte mais espiritualizado que exista. Não é a toa existem monges que lutam.
    “Quando você tem mais confiança em si mesmo, você é automaticamente mais tolerante. Você tem condição de meditar, de se pôr no seu devido lugar.” sem precisar lutar, e isso assusta os valentões.”
    Hélio Gracie.
    De qualquer forma, acredito que você está fazendo um excelente trabalho com este site. Parabéns.

  9. Fernanda, o estudo do espiritismo, a começar pelo Livro dos Espíritos, lhe ajudaria a tirar suas dúvidas. Centro espírita confiável, para mim, é qualquer centro que não cobre nada pelos seus trabalhos. Acredito que a participação em algum grupo de estudos lhe faria muito bem. Quanto ao que ocorre com você, copio resposta já fornecida a outra leitora: “Isso é muito mais comum do que possa parecer. Temos vários níveis de consciência, não somos o que a nossa superfície mostra. Por algum motivo temos o que a apometria convencionou chamar de frequências, termo emprestado da física, abertas. Essas frequências abertas se referem a personalidades que animamos no passado ou em um intervalo entre uma reencarnação e outra. Pode ser uma personalidade de uma reencarnação antiga, distante no tempo, mas, por ter sido muito marcante, permanece ativa no astral. Quando desdobrados pelo sono físico facilmente assumimos essa personalidade passada e agimos como se não fôssemos nós mesmos. Estranhamos nossos atos por termos nos proposto a abandoná-los, tanto é que não os praticamos em nossa vida de relação. Podemos ter vidas paralelas no astral, convivendo e revivendo episódios passados com outros espíritos interligados, seja desencarnados ou encarnados também desdobrados.”
    É provável que você tenha mediunidade a ser trabalhada, e isso você só vai conseguir frequentando e estudando num centro espírita.

  10. Olá,
    Vi o seu site hoje, se me permite, gostaria de falar com você algumas coisas além de claro sobre o texto.
    Bem, não sei se sou espírita ou não, sei que acredito nessas coisas mas foi por pura experiência, por coisas que aconteceram comigo.
    Eu comecei a acreditar primeiro em anjos, aliás isso foi algo tão natural, é uma certeza tão absoluta.
    Acredito que quando os chamo eles vêm em meu auxílio e é tão perfeito saber depois que foi a intervenção deles que me ajudou, afastou de um perigo maior.
    Depois, minha mãe e minha tia me levaram ao centro espírita, achei meio bobo e estranho porque para mim sempre foi natural saber que existiam espíritos bons e ruins e que havia um grupo que estava aqui para nos ajudar e inspirar, nunca gostei confesso do centro espírita pois tudo o que liam da bíblia, do evangelho segundo os espíritos eu juro já sabia, nem mesmo concluí a catequese por conta disso, fora que o padre falava demais sobre o demônio, capeta e tal.
    E em todos os centros que fui os passes jamais fizeram qualquer efeito, nunca senti nada nem na hora, nem depois nada, só irritação por que, desculpe, mas não era a minha praia.
    Daí, de uns anos para cá eu sonhava com vampiros direto, eram sonhos reais, intensos e sentia medo, às vezes nos sonhos eu era uma vampira também, eu sentia a tristeza deles, a agonia.
    Depois comecei a acordar na porta do quarto gritando, berrando mesmo totalmente transtornada e apavorada, era um pavor que nem saberia descrever, parecia que ia enfartar ali mesmo, demorava muito até conseguir voltar a dormir até que falei com um amigo e ele me passou um comando de terapia quântica e bem, a única coisa que sei é que funcionou.
    Mas um dia fui num centro espírita com minhas tias onde havia a chamada mesa branca, nas duas, três vezes que fui, sentia muito frio, um cheiro forte horrível, um mal estar, só queria sair dali o mais rápido possível e, depois disso, os sonhos meio que voltaram, não sei, foram uma ou duas vezes, acordava gritando mas na cama, minha irmã relatou que um dia me ouviu chorando, gritando e pedindo socorro.
    Nesses últimos dias sonhei algumas vezes com vampiros, eram sonhos bem reais, fiquei impressionada e só consegui dormir depois de rezar, no dia seguinte sonhei de novo e o mais estranho, foi uma continuação do sonho. Ok, depois disso rezei e rezei e até agora nada mais desses sonhos.
    Mas sim, durmo mal, acordo cansada, às vezes com dor de cabeça, nunca dormi bem, sempre tive sono muito leve, se alguém fala eu acordo.
    Minha família briga o tempo todo, são brigas horríveis todos os dias e sobra sempre para mim, são ameaças, brigas, já na infância eram surras e por aí vai, nunca houve aqui atos de carinho, união, nada do gênero.
    Confesso, eu sempre gostei de ver filmes de terror mas após ver atividade paranormal eu nunca mais vi filmes desse tipo, nunca mais mesmo. Posso ver filmes sobrenaturais tipo, sobre ets ou do Stephen King mas fora isso nada mais de filmes que envolvem espíritos ou vampiros por maior que seja a tentação.
    E então, o que você acha?
    Eu queria ir num centro espírita mas não conheço um que seja confiável.

  11. Entendi. Obrigado, novamente. Uma atriz de Harry Potter disse quando compararam a série com Crepúsculo: ”Não vendemos sexo”. Abraço!

  12. Hiago, não conheço nem a saga Crepúsculo nem Harry Potter, então minha opinião é apenas superficial. É preciso deixar claro que não são todas as pessoas que irão assistir a um filme como Crepúsculo e serem vampirizadas durante o sono. O meio de acesso dos espíritos, uns sobre os outros, é através dos pensamentos, sentimentos e emoções. Pessoas mais impressionáveis são mais vulneráveis. A imagem de vampiro é sedutora, envolve sedução e desejo sexual. Isso facilita a aproximação de espíritos vampirizadores; eles são bem “acolhidos” por quem adormece com essas imagens na cabeça. Suas presenças e sua ação serão facilmente aceitas pela “vítima”.
    Acho que HP tem outro enfoque, não vejo nada de negativo. O que pode ocorrer, com algumas pessoas, é uma ressonância vibratória com o passado. Uma pessoa que praticou a bruxaria em reencarnações anteriores pode ter sua frequência vibratória “aberta” ao experimentar, pelo acompanhamento das histórias, as mesmas emoções que sentia quando da sua reencarnação em que praticou a bruxaria. Mas isso raramente ocorre.

  13. Caro Morel, sou um grande fã de Harry Potter. Não dificilmente você encontra relatos de jovens relacionando os livros da série a sentimentos de amizade, amor etc. (mesmo que soe exagerado, há trabalhos relacionando a influência cristã da autora nos livros). Mesmo pensando sobre tudo isso, por ser uma história com bruxos, você coloca a HP o mesmo que colocou a Crepúsculo?

  14. Silvoni, nós somos, essencialmente, pensamento. Tudo em nossas vidas é determinado ou influenciado pelo pensamento. Com a vampirização, assim como nas obsessões, não é diferente. Nosso pensamento determina as nossas companhias e influências espirituais. Como somos influenciados pelo meio que nos cerca, devemos selecionar ao máximo nossas companhias e as atividades que ocupam a nossa atenção. É um bom começo para o controle dos pensamentos. Desculpe pela demora em responder. Um abraço.

  15. Boa tarde! Há tempos que pouca televisão assisto por não acrescentar em nada, prefiro ler um livro ou seus artigos. Uma dúvida: como nos protegermos – se esse é o termo – dessa vampirização de energias durante o sono?
    Um abraço.

  16. Linus, sua última frase é perfeita. Se você lesse outros artigos, veria que penso exatamente assim. Me proponho a não escrever artigos longos, por isso posso passar impressões equivocadas por deficiência de comunicação. Sou o primeiro a reconhecer minha imperfeição. Isto está presente em vários artigos. Não acho que passe a imagem de preconceito. Cheio de mim? Cheio de experiências, boas e não boas. Tudo o que escrevo está, direta ou indiretamente, dentro das minhas próprias experiências. Só não posso concordar com os seus conceitos de esoterismo e ciência. A ciência é muito ampla, Linus. Você conhece toda ela? Eu conheço uma ínfima parte. Só pra esclarecer: Não detesto ninguém. Você detesta?

  17. Sinto o seu texto repleto de preconceito e como se você estivesse cheio de si… Todos nós somos espíritos imperfeitos, inclusive você. Cuidado com o que julga patético nos outros, pois psicologicamente falando (e não esotericamente, pois seu texto tem muito esoterismo e pouca ciência) detestamos nos outros aquilo que não suportamos em nós mesmos.

  18. Eu acho que esse tipo de programação não traz construção alguma, só serve pra atrair pessoas e espíritos afins e nos deixa completamente desiquilibrados.
    Temos que ver e ouvir programas edificantes, assim seremos mais felizes e estaremos mais equilibrados, estaremos mais perto de uma realidade. muita paz pra você, Morel Felipe Wilkon.

  19. Bom dia Morel.
    Assim como você e alguns amigos comentaristas, não assisto mais televisão, há muito tempo. Principalmente a filmes ou programas que incitam a violência ou ao medo. Corroboro inteiramente sua opinião acerca do assunto.
    A grande maioria dos encarnados neste planeta desconhecem o termo “Egrégora”, por isso não têm consciência de como contribuem para que a violência, tanto física como moral, torne-se cada vez mais cristalizada, quer no plano físico ou com maior intensidade no plano astral, que interpenetra o planeta. Mas este é o ônus que pagamos por nossa, ainda, baixa condição espiritual. Temos que sofrer, ainda, os efeitos das causas por nós próprios engendrados.
    Um abraço.

  20. Estes dias ouvi falar que o buraco negro seria feito de energias muito densas, há alguma relação com seres desencarnados que vivem em regiões de alta densidade? Achei muito interessante ainda que na teoria fala que inexplicavelmente algumas partículas são expelidas do buraco negro, seriam seres que conseguiram se iluminar? E ainda acho interessante que não há tempo no buraco negro, seria porque ainda não sairam no ínicio da iluminação? Apenas gostaria de compartilhar tal idéia intrigante que tive, mas não passa de mera suposição…

    Abraços!!

  21. Nossos pensamentos estão sempre em contato com outros pensamentos semelhantes, de encarnados e desencarnados. Esse tipo de programação televisiva nos coloca em contato com mentes doentias. Um abraço carinhoso, Rosana.

  22. Muito bom esse post sobre a vampirização de energias. Temos que ter muuito cuidado mesmo,dizem que filmes de terror, violência, de forma geral não atraim boas energias.Devemos filtrar a progamação das Tvs principalmente,em relação a nossos filhos MMA da vida,não dá..

    abraços

  23. MOREL: Em meu livro CHAMAS GÊMEAS TEM UM TÓPICO SOBRE VAMPIRISMO, ONDE NÃO HÁ AMOR PURO O SEXO SERVE COMO VAMPIRIZAÇÃO OU ANULAÇÃO DE ALGUM LADO. NÃO HÁ TROCA DE ENERGIAS E INFORMAÇÕES. POR ISSO UMA UNIÃO SEM AMOR PURO SEMPRE GERA PROBLEMAS E CONFUSÕES. ENTÃO ACONTECEM AS TAIS TRAIÇÕES, QUE NA VERDADE NÃO SÃO TRAIÇÕES, PORQUE ONDE NÃO HÁ AMOR PURO NÃO EXISTE NADA ALÉM DE EGOS A SEREM ELIMINADOS. VAMPIRIZAÇÃO COMEÇA PELA FALTA DE AMOR A SI MESMO. PARA SER LIVRE É PRECISO O CONHECIMENTO DA VERDADE. INFELIZMENTE A MIDIA É UM EXCELENTE MEIO DE VAMPIRISMO, AS PESSOAS DEIXAM DE PENSAR POR SI MESMAS E SE DEIXAM LEVAR POR MODISMOS ACABANDO NA FRUSTRAÇÃO, MAS TUDO SEMPRE LEVA AO PONTO ONDE NÃO HÁ MAIS LUGAR PARA A ILUSÃO ENTÃO A VERDADE COMEÇA A APARECER. OBRIGADA ….

  24. Concordo com o seu argumento, Reinaldo. Uma das características dos espíritos com um grau evolutivo um pouco mais alto é justamente não se deixar influenciar pelo meio. Acontece que a maior parte da humanidade não alcançou esse estágio e ainda é muito influenciável. Desse modo, aquilo que nos cerca, seja real ou virtual, exerce grande poder sobre nós. Obrigado pela participação.

  25. Um bom dia a todos.
    Penso que não será o assistir a certos programas que nos influencia, mas a carga emocional de quem assiste. Isso sim afecta-nos. Se nos distanciarmos do que vemos, ouvimos, sentimos, etc. Aí nao seremos afectados. Mas a grande maioria das pessoas vive o que assiste, como se fosse realidade. Isso leva-nos a viver no virtual.
    Um abraço

  26. Maria Clara, nunca assisti; apenas deduzo como seja pelas características do tema. Não gosto e não quero passar a imagem de homem bom, elevado, superior. Se conheço o mal em profundidade é porque já estive nele…
    Imagino que essa Saga Crepúsculo seja assistida por milhões de pessoas. Os milhões de mentes dessas pessoas plasmam no astral essas imagens, favorecendo os vampiros do astral. Assim como sabemos que existem cidades e colônias no astral, existem lugares idealizados por seres trevosos e construídos a partir da energia de encarnados.
    Não estou dizendo que você deve deixar de assistir. É praticamente impossível controlar tudo, sair ileso de tudo. Apenas devemos estar atentos. E estudar a nós mesmos. É a melhor maneira de saber o que acontece.

  27. morel, tenho um grande caminho a percorrer ainda neste sentido… mas acredito que, em relação à maioria das pessoas, eu tenho menos medo de romper estruturas de comportamento. rsrs

    ninguém entende porque eu gosto tanto da saga ´crepúsculo´ (nem meus amigos adolescentes gostam dela).

    tentando buscar respostas para isso, encontrei algumas coisas (que talvez não sejam toda a verdade):

    eu vejo ´crepúsculo´ como uma história de amor… e eu gosto muito de (boas) histórias de amor.

    o primeiro filme é primoroso(!) para mim neste sentido, porque há muitos silêncios, olhares, sentimentos não ditos do casal principal durante o filme todo… e isso me atrai muito. cinema é imagem.

    (* não que eu ache o filme primoroso como obra cinematográfica, mas é um ´fast food´ bem feito, digamos assim. rs. ou seja: eu consigo encontrar elementos que me fazem bem dentro desse filme comercial (adoro primeiro da série).)

    uma história de amor onde o mocinho luta contra seu desejo, porque acha que não é bom o suficente para a mocinha e, por amá-la, quer afastar-se dela por medo de fazê-la alguém pior…

    me identifico com a mocinha do filme, que se sente incomodada entre os humanos, neste mundo, nesta existência… ela não sabe porquê, mas se acha diferente e deslocada… mesmo não sendo uma vampira.

    e ela encontra no mocinho do filme algo que ela não sabe explicar, uma referência, um igual, um par…

    e me identifico com o mocinho do filme… e acho lindo o discurso dele no casamento (no terceiro filme?), quando ele diz algo como: ´eu te esperei durante muito tempo (muitas vidas)… e é maravilhoso finalmente encontrar alguém que te ama como você realmente é… que te faz sentir redimido de todos os seus crimes… que te faz, enfim, se sentir alguém que possa ser melhor, com a chance de ser feliz… e te dá um novo começo (renascimento)…

    o sexo para o casal também não é algo vulgar: ela era virgem, e ele lutava contra seu desejo por medo de feri-la…

  28. Marli, obrigado por compartilhar sua experiência. Para a maioria das pessoas assuntos como esse que abordei no artigo não passam de fantasias. As pessoas confundem a informação que nós temos com superstição. Quem não estudou o espiritismo, por medo, preguiça, despreparo ou por qualquer motivo, pensa que espiritismo é crendice, é um conjunto de crenças infantilizadas. Quando na verdade é o contrário: espiritismo é ciência de vanguarda. É lamentável, Marli. Mas entendo que você não possa fazer mais do que faz. Um abraço, fique com Deus.

  29. São muito importantes estas informações, sei que acontece tudo isto, em uma casa de 5 pessoas, somente eu sou espírita, meu filho mais velho só gosta de filmes violentos, como é difícil eles me escutarem, já perguntei a ele como acha que fazem filmes tão reais, se ele não pensou que quem faz estes filmes não esteve lá para copiar tudo. O livre arbítrio esta presente e o que faço e só pedir a DEUS proteção a todos.

  30. Márcia, essa questão de que ficar fora da realidade não muda em nada a violência não é bem assim. Há uma vasta bibliografia, a começar pelas obras de André Luiz, que descrevem o que se convencionou chamar de Umbral. Como é formado o Umbral? Onde é o Umbral? O Umbral é um plano paralelo ao nosso (estamos mergulhados nele) construído e sustentado pelos pensamentos e energias de encarnados e desencarnados.
    Quanto mais pessoas acompanharem as tragédias televisivas, mais pensamentos e energias, ou seja, mais “matéria-prima” para o Umbral. Não há como fugir dessa realidade: Nós somos responsáveis por tudo o que nos cerca. Todos estamos nessa juntos. Não podemos mudar os outros, mas podemos e devemos mudar a nós mesmos. Obrigado por mais uma participação importante, Márcia.

  31. A cada artigo que você publica Felipe, fica mais evidente como temos pensamentos parecidos, e não é que não tenha opinião própria, pois, isso tenho, mas é que realmente tenho concordado com suas colocações. Sabe, às vezes me sinto diferenciada, afinal, quase todas as pessoas que conheço se deliciam com filmes regados a violência e muita mas muita morte mesmo. Sempre me senti mal, a energia me atinge de uma forma difícil de explicar. Ando desatualizada de programas televisivos, não vejo absolutamente nada e já disse isso aqui nesse espaço. Tenho aprendido a valorizar mais o tempo e portanto procurar me sintonizar com coisas proveitosas, que me acrescentem algo de bom. Já percebeu a diferença de ver notícia ruim de uma positiva que infelizmente são bem poucas? Decidi pela segunda por entender que ganho em boa noite de sono e claro ir para o trabalho com disposição e bom humor. Muitos dizem e dirão lendo o meu ponto de vista: ficar fora da realidade não muda em nada a violência. A esses direi: não muda mas pelo menos não faço parte dessa corrente alimentada pela mídia e pelo hábito de valorizar as tragédias morais. Já bastam os desafios que temos na nossa caminhada. Eis aí minha postura que acredito ser das mais acertadas. Obrigado Felipe!

  32. Mayza, até pouco tempo atrás a televisão era o único meio de informação e entretenimento de massa. Tínhamos a desculpa de que éramos, de certa forma, dependente deles. Hoje temos a internet, que nos oferece praticamente toda a informação disponível. Não somos mais reféns da televisão, a não ser que queiramos. Obrigado pela participação, Mayza.

  33. Sim, Regiane. Infelizmente a maioria dos programas de televisão são más influências. Obrigado pelo comentário.

  34. Esse documentário me chamou muito a atenção. Acredito que programas da tv são más influências, nunca ensinam, o que é verdadeiro, o que é verdadeiro eles escondem…..

  35. É exatamente assim… Também não consigo assitir esse LIXO que as emissoras de TV nos impõem! Considero um atraso espiritual, não precisamos de mais nada que nos deixe tensos, as dificuldades que enfrentamos na vida bastam! Parabéns pela abordagem de um tema tão necessário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.