O amor cobre uma multidão de pecados | Espírito Imortal

O amor cobre uma multidão de pecados

O amor cobre uma multidão de pecados

O amor cobre uma multidão de pecados

Play
Ouça este artigo na voz do autor

“O amor cobre uma multidão de pecados”. Que consolo e que promessa nesta sentença! O amor, o bem que se pratica, o esforço sincero no próprio melhoramento acelera e suaviza os débitos que temos que quitar com nossa consciência.

Às vezes nos queixamos de determinadas dificuldades que enfrentamos na vida. Dificuldades nossas, que nos impedem de desenvolver potencialidades, que nos proíbem o acesso a algumas situações. Um corpo com alguma imperfeição, uma aparência não muito bonita, uma timidez exagerada, uma situação de grande pobreza material, um intelecto que parece não se desenvolver suficientemente.

São meios que a Lei de causa e efeito nos faculta a fim de reparamos erros do pretérito. Se o espírito que reencarna com uma dificuldade dessas tem algum mérito, algum merecimento, ele adquire o direito de escolher, até certo ponto, as condições básicas de sua reencarnação, inclusive condições relacionadas ao seu corpo físico.

O corpo pode ser considerado como uma prisão para o espírito, pois o espírito dispõe de muito pouca liberdade estando limitado ao revestimento material. Por outro lado, o corpo é o divino instrumento de que você dispõe para se manifestar na matéria, o corpo é o seu veículo de interação com o mundo físico, o corpo é a casa do espírito enquanto estiver encarnado.

Você pode ter escolhido características do seu corpo. A influência do corpo durante a vida física é considerável. Uma aparência muito desagradável afasta as pessoas. Uma aparência bonita e sedutora cria grandes obstáculos, pois atrai pessoas com interesses escusos e desenvolve a vaidade. Pessoas com beleza acima da média encontram mais portas abertas, seu esforço é menor, suas possibilidades de falhar são maiores, justamente pelas facilidades encontradas no caminho.

Se em sua última reencarnação você falhou em seus propósitos por ter um corpo muito bonito, você se esforçaria para reencarnar num corpo que não chamasse a atenção. Se em sua última reencarnação você errou por excesso de autoridade, você insistiria em reencarnar num meio que favorecesse a timidez, o isolamento. Se o motivo de sua caída foi uma inteligência muito desenvolvida e utilizada de maneira negativa, você pediria para reencarnar com um intelecto menos favorecido. E por aí vai…

Tem aquela frase de Jesus que diz que “se o teu olho for motivo de escândalo, arranca-o”. Não sei de ninguém que arranque o próprio olho em vida. Mas analisando sob a perspectiva da reencarnação, é de uma lógica brilhante! Você procura afastar, ao reencarnar, aquilo que foi motivo de sua queda, de sua falha, de sua ruína.

Tem pessoas que nascem e vivem com grandes dificuldades. Uma comparação com elas nos faz ter vergonha de nossas reclamações e resmungos acerca de qualquer contrariedade. Não me atrevo a falar sobre esses problemas maiores. Mas todos nós convivemos com empecilhos, com obstáculos ao nosso desenvolvimento livre. São com essas dificuldades que teremos que vencer. Teremos que vencer com elas, sobre elas e apesar delas. Seja qual for o tamanho da dificuldade, o que não adianta é reclamar. A revolta e o inconformismo nos afastam de Deus, nos impedem o acesso ao que temos de melhor em nós mesmos, impossibilitam o fluxo normal de nossas potencialidades.

Quando nos dispomos à reforma íntima, quando nos esforçamos pela nossa transformação interna, o processo de resgate de nossas faltas passadas é atenuado. Como disse Pedro, na sua primeira epístola (epístola é carta, viu? Hoje seria e-mail. O e-mail de Pedro…) “O amor cobre uma multidão de pecados”. Que consolo e que promessa nesta sentença! O amor, o bem que se pratica, o esforço sincero no próprio melhoramento acelera e suaviza os débitos que temos que quitar com nossa consciência.

7 comentários para O amor cobre uma multidão de pecados

  1. Raquel disse:

    Verdade.

  2. Morel Felipe Wilkon disse:

    Raquel, você percebe que está, de alguma forma, “se preparando” pra dias de sofrimento? Mude esse pensamento! Se você acha que recebeu muitas dádivas, prepare-se para receber sempre mais e mais. Espere sempre o melhor. Sempre. Se você está bem é porque merece. Se precisamos admitir (e admitimos) que uma pessoa numa situação difícil está assim porque, de algum modo, plantou isso e agora está colhendo, também temos que admitir que se estamos bem é porque construímos isso. E devemos construir mais coisas boas e ficarmos cada vez melhores. Aproveitemos as dádivas que recebemos para fazermos o bem, para sermos mais compreensivos, benevolentes, pacientes. Mas sem culpa pelo bem que conquistamos. Cuidado com o modo como você programa a sua mente.

  3. Raquel disse:

    Triste é quando sentimos culpa porque temos tudo. Muito mais do que sentimos que merecemos. Uma culpa infundada, culpa por sentir que não merece as dádivas que possui, culpa por não aproveitar de todas elas e simplesmente se permitir ser feliz. Muitas vezes me pego pensando no que eu fiz pra merecer tantas dádivas. Mas a vida continua, como não sei o dia de amanhã que pode ser de sofrimento, seria mais prudente aproveitar cada segundo de alegria e paz.

  4. Morel Felipe Wilkon disse:

    Obrigado, Leandro, um abraço.

  5. Leandro Caletti disse:

    Excelente a reflexão, Morel. Ouvi, dias atrás, numa palestra, no Centro, que quanto antes nos aprimoramos moralmente, combatendo até nossos próprios vícios, também atenuamos o que precisaremos melhorar no retorno à vida espiritual. Em outras palavras, se pudermos evoluir por aqui mesmo, será tarefa economizada na vida espiritual. Um abraço.

  6. Morel Felipe Wilkon disse:

    Tiago, todos esses seus questionamentos são esclarecidos no Livro dos Espíritos. É o livro-base do Espiritismo. Falo um pouco sobre a dualidade amor/dor neste artigo: http://www.espiritoimortal.com.br/pelo-amor-ou-pela-dor/

  7. Tiago Ambrosini disse:

    Às vezes me pergunto, Morel: O que nos torna melhores, o amor ou o sofrimento? Passar dificuldades, sofrer, batalhar, ‘pagar as dívidas’, ou perdoar os devedores, superar as diferenças, amar ao próximo? Essa mesma dualidade encontro com relação à reencarnação. O que é mais importante: Saber de todo o processo de reencarnação, vidas anteriores, ou ficar no esquecimento e na ignorância? Será que deve existir a dor para existir o amor? Deve existir a ignorância para atingir o conhecimento? O espírito depende da matéria? O bem depende do mal?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>