Evangelho

Por que vês o argueiro no olho do teu irmão?

trave no olho

Morel Felipe Wilkon

Ouça este artigo na voz do autor

“Por que vês o argueiro no olho do teu irmão, ao passo que não enxergas a trave no teu próprio olho?”

Você já percebeu que somos um amontoado de informações? Desde milênios atrás começamos a colher informações sobre tudo e não paramos mais. Tudo o que captamos através dos nossos sentidos físicos, quando encarnados, passa pela triagem do nosso subconsciente. O que for suficientemente repetido ou muito marcante a ponto de dispensar novas ocorrências, fica gravado em nosso subconsciente.

Trave no olho...
Trave no olho…

Quando estudamos o Evangelho de Jesus, ficamos espantados pelo modo como ele conhecia o que se passava na cabeça dos outros, a maneira como tudo para ele era previsível. Na verdade, isso é fácil de entender. Nosso irmão mais velho é muito, muito mais velho que nós. Já passou por tudo e mais um pouco, conhece tudo sobre a natureza humana.

Cada um de nós tem seus próprios conhecimentos e experiências. Tudo o que percebemos no mundo, nas coisas, nas pessoas, é baseado nesses conhecimentos e experiências que nós temos. Você entende melhor as pessoas que lidam com a sua área de interesse. Vocês têm assuntos em comum, têm experiências compartilhadas, falam a mesma língua.

Uma pessoa boa é compreensiva, porque conhece a natureza humana, já transitou pelos erros que agora observa nos outros. Uma pessoa não boa não é compreensiva, pois tem pouca experiência,  não desenvolveu a empatia, não sabe se colocar no lugar do próximo.

Só captamos no próximo aquilo que estamos aptos a captar por já termos em nós os elementos necessários para a sua compreensão. Só entendemos o que conhecemos. Só notamos o que pode ser compreendido por nossa mente. Todo o Mal que você vê no seu semelhante é seu Mal também. Você pode tê-lo superado, pode tê-lo vencido, mas o conhece e conhece bem, senão não o teria notado no seu semelhante.

Os defeitos e falhas de caráter alheios que incomodam você são imperfeições com que você está bem familiarizado, ou elas não o incomodariam. Se você não tivesse dados a respeito dessas imperfeições, não teria meio de avaliá-las.

Você pode alegar que nós também conhecemos através da observação da experiência alheia. É verdade se levarmos em consideração apenas a reencarnação atual. Mas em algum momento da nossa trajetória travamos conhecimento com essas particularidades, o que nos facilita o seu entendimento pela simples observação dos outros.

Quando se conta uma piada suja ou se faz uma malícia qualquer perto de uma criança, ela não apreende o sentido oculto, porque não tem essa malícia. Do mesmo modo, nós não percebemos as imperfeições alheias que nós não conhecemos. As imperfeições que nós notamos são características das quais guardamos muitos dados em nossa mente subconsciente.

Vemos nos outros o reflexo de nós mesmos. Só vemos o que conhecemos. Os homens do tempo de Jesus não o reconheceram, não perceberam nele o Cristo encarnado, o espírito mais elevado que já pisou sobre a Terra. Não conheciam nada daquilo. O comportamento dele, suas atitudes e gestos eram para aqueles homens verdadeiros absurdos, coisas nunca antes vistas ou imaginadas. Não estavam prontos para compreendê-lo, faltava a eles dados suficientes para fazer uma análise mais apurada.

“Por que vês o argueiro no olho do teu irmão, ao passo que não enxergas a trave no teu próprio olho?” – Essa pergunta de Jesus se refere a isso. Só vemos nos outros o que nós conhecemos. Se notamos muitos defeitos no próximo, é porque temos dados suficientes, em nossas próprias experiências, para nos informar sobre esses defeitos. Sempre que observarmos alguma falha em alguém nos lembremos de que só somos capazes dessa observação crítica por termos nossa própria experiência com essa falha.

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

14 Comentários

  1. Bom retorno Felipe, como você mencionou ontem, a rotina nos gera disciplina, e eu também estava sentindo falta dessa rotina diária. Que Deus te abençoe e ilumine nessa nova etapa.

  2. Jorge, obrigado pelas boas-vindas. Joseph Murphy buscou e conseguiu, para si e para milhões de pessoas, resultados práticos. Não se preocupou em saber como funciona e por que funciona.

  3. Olá, bem vindo de volta, Morel, voltou inspirado, gostei do artigo de hoje, li o Livro que você indicou, “O Poder do Subconsciente”, me motivou muito e estou pensando em colocar em prática, só tem uma coisa da qual gostaria de saber a sua opinião: Você acredita mesmo que a mente subconsciente realiza tudo aquilo descrito por Joseph Murphy? Você abordou a questão do subconsciente por uma faceta psicológica e memorial, mas ele descreve um poder que transcende tudo isso, qual a sua opinião a respeito? Obrigado.

  4. As duas coisas, Ana Paula. Você é o mesmo ser nesta ou noutras reencarnações ou nos intervalos entre elas. Apenas não lembramos conscientemente de tudo, mas somos um contínuo. Não entenderíamos um gesto ou ensinamento muito elevado, pois não temos, dentro de nós, características semelhantes. Percebemos o que conhecemos, seja atualmente ou no passado remoto. Algumas falhas de caráter nós estamos recém aprendendo a superar, e reencarnamos em condições propícias para que essas falhas não se manifestem. Mas não as vencemos totalmente, e vê-las em outras pessoas nos revolta e irrita.
    Fique com Deus.

  5. Olá! Peço alguns esclarecimentos. Em cursos, palestras etc., este assunto é muito cogitado, e percebo um certo humor no decorrer deste tema. Ex: “aquela pessoa que mais te irrita… toma que é seu.” Já cansei de escutar.
    Bom, estou longe da perfeição, mas confesso que fiquei com a pulga atrás da orelha quando escutei isso pela primeira vez, e que não tinha pensado este tema com vidas passadas.
    Pode me corrigir, pelo que entendi do seu texto Morel, pode ser um “defeito” numa vida passada, que foi superado? Ou realmente é nesta encarnação que a nossa consciência está nos chamando a atenção, como dizem nas palestras.
    Abraços fraternos e obrigada.

  6. Obrigado pelo carinho, Karem. Temos que manter esse propósito de melhora todos os dias de nossas vidas.

  7. Só queria agradecer pelo ótimo trabalho que tu tens feito. Hoje acordei super pra baixo e as leituras que fiz do teu trabalho salvaram meu dia! Melhorar é tudo que eu quero como ser em evolução e é bom saber que tem pessoas do bem traduzindo as ideias do espiritismo nos dias de hoje!

  8. Bom dia Morel e leitores, certamente que o nosso mestre Jesus nos conhecia bem como você falou. Em suas múltiplas vidas pôde aprender até alcançar a perfeição e nós estamos a caminho disso também, né? Sabe, quando anos atrás me deparei com esse pensamento de que até mesmo ele, Jesus, precisou galgar pela carreira do aprendizado, já que como nós foi feito espírito simples, sim, quando entendi isso eu pude me sentir mais próximo a ele, pude amar a Deus com mais força, já que entendi que ele é Pai e a todos concede as mesmas aportunidades, por isso não julguemos ninguém nem a pior pessoa, pois ela é passível de perfeição. Muita paz.

  9. Bom dia Morel, lindo texto. É por isso que não fico perplexo quando me deparo com um irmão desinformado, maltratando os outros e a si próprio. Fiquemos em paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.