O homem que sabia tudo | Espírito Imortal

O homem que sabia tudo

Morel Felipe Wilkon

Pais e filhos

Artigo publicado originalmente em 24/05/2012

Pouco tempo atrás, eu era um homem forte, sábio, quase onipotente. Eu sabia coisas importantíssimas; na verdade eu era o homem que sabia tudo. Perguntavam, eu respondia. Respondia com segurança, sabia o que estava dizendo. Às vezes com um sorriso nos lábios, alegre com minha própria sabedoria; às vezes impaciente, aborrecido por ter que responder indagações tão óbvias e pueris!

Pouco tempo atrás eu era forte como um touro; levantava pessoas acima da minha cabeça, sem esforço, até duas de uma vez. Era um atleta, mas não um atleta comum, eu não era comum em nada, em tudo eu era o melhor, o máximo. Só não era perfeito porque às vezes impunha minha força, meu poder, e sabia ser cruel…

Pouco tempo atrás eu era um ser inalcançável, incompreensível em minha magnitude e sapiência. Fazia coisas misteriosas e ininteligíveis, e para isso me ausentava por muito, muito tempo. E o mais estranho era que eu, com todo o meu poder, fazia isso sempre, e contra a vontade, pois reclamava muito…

Pouco tempo atrás eu já era pai, e meus filhos já eram filhos, mas eram crianças, apenas crianças, nada mais que crianças; inocentes, sonhadoras, ingênuas! E para eles eu era tudo isso, um herói, pois era o que eles não eram; era “grande”.

Continuo grande, então o que mudou? Você sabe, eles cresceram. Eles crescem. E rápido. E, quando crescem, descobrem nossa verdadeira identidade, descobrem quem nós somos de verdade, descobrem que somos apenas adultos. Só isso. Pessoas que cresceram há mais tempo. Simples assim. Continuamos sabendo coisas, mas já não temos respostas para tudo; aliás, temos muitas perguntas, poucas respostas. Continuamos sendo fortes, mas não tão fortes, nem atletas; na verdade apenas saudáveis. Continuamos nos ausentando muito, mas há muito eles sabem que isso se chama trabalho, é uma coisa comum, todos fazem, não há nada de extraordinário ou misterioso.

Sim, eles crescem rápido. Onde estão a fragilidade, a dependência quase que total, e a aquiescência para tudo? Em que parte de sua meninice ficaram o sorriso puro, a voz infantil, o gosto pelas brincadeiras? Quando será que brincaram pela última vez? Em que lugar secreto da infância pela última vez fizeram um carrinho andar pelo chão, imitando o barulho característico?

Nem me atrevo a tentar lembrar quando os fiz dormir pela última vez, ou quando foi a última vez que os peguei no colo. Mas deve ter acabado aos poucos, foram crescendo, e aprendendo a dormir sozinhos, e ficando pesados e desajeitados pra pegar no colo… E hoje se quiser dar um beijo num deles não preciso me curvar, mas preciso coragem pra enxergar, por trás das espinhas que anunciam a barba, algum resquício da criança que habitou aquele corpo.

Há muita coisa a ser compreendida nessa nossa existência. Nós tentaremos, nossos filhos tentarão. Não sei se lograremos descobrir muito mais do que já sabemos. Mas sabemos, por observação, que a Lei é perfeita, então deve haver motivos muito bem justificados para que não nos lembremos de nosso passado de espíritos imortais.  Quantas ligações talvez tenhamos com essas criaturinhas que nos nascem como filhos?

Você concebe meio mais eficaz de aprendizado para todos os envolvidos do que as leis que regem a reencarnação? Não é fantástico abrigar em nosso lar e em nosso coração esses espíritos que tanto podem ser velhos amigos como antigos desafetos? Não é uma experiência fabulosa esse negócio de ser pai, mãe, filho, filha?

Cuide seu filho. Se não tem, planeje e cuide. Se não vai ter, ajude quem tem. E cuide seu pai, e sua mãe, e quem tiver cuidado de você. É tudo uma coisa só.

Os artigos escritos por mim expressam a minha opinião. Baseiam-se nos conhecimentos do Espiritismo, no Evangelho de Jesus e em meus próprios conhecimentos e experiências. Não aceite minha opinião sem se questionar. Reflita. Comente. Compartilhe.

13 comentários para O homem que sabia tudo

  1. Morel Felipe Wilkon disse:

    Linda história, Ana. Emocionante… Muito obrigado por compartilhar conosco. Tenho certeza que servirá de reflexão para muitos.

  2. Ana disse:

    Outra história curiosa é a de que, eu e o meu marido estamos juntos há quase doze anos e ele sempre teve o desejo de ter filhos. Ele sempre dizia nos almoços em família: “a Ana quando tiver filhos vão ser gémeos!” E eu desconhecendo que tinha historial de gémeos na família, gozava e dizia “e vai ser na barriga das pernas!” Uma manhã, meu marido acordou e me disse “tem de fazer o teste de gravidez porque eu esta noite sonhei que você tinha vindo ter comigo e me disse que estava grávida! Eu fiz o teste rindo e achando aquilo desnecessário e qual não foi o meu espanto quando o resultado deu positivo! Deus fez tudo certinho! Acredito que já nos conhecemos doutras existências e agora temos a oportunidade de estar todos reunidos para demonstrar todo o nosso amor e resgatarmos nossas dívidas em conjunto. Amém! Sou feliz pois encontrei o equilíbrio na família!

  3. Ana disse:

    Eu lembro quando estava grávida dos meus filhotes gémeos. Um dia saia do trabalho e na pressa quase que perdia o ônibus para casa, mas consegui chegar antes de partir. Foi então que ao entrar dentro do ônibus, sentia o meu coração aos pulos… pum pum pum… E senti então na minha barriga um coração a bater a um compasso diferente do meu. Pum pum, pum pum. E foi tão emocionante sentir dois corações baterem em consonância com o meu coração embora em compassos diferentes. Tudo isto não seria fantástico se não tivesse acontecido ás 10 semanas de gestação! Isso mesmo, dois meses e meio de gravidez e meus filhos, embora ainda não sabendo que estava esperando gémeos, mostravam a sua força e enorme garra de vir ao mundo em mais uma existência para fazer diferença no nosso mundinho até então rotineiro e sem sentido. Meu marido adormecia todas as noites abraçado à minha barriga e aí eu sentia a minha filhota dar pontapés de boa noite e meu filho deu pelo menos uma doze voltas dentro da minha barriga durante a gestação. E coração de mãe não se engana, pois eu já me preocupava muito com ele mesmo antes de nascer… Hoje têm dois anos e meu filho descobrimos agora que é autista. Confesso que foi numa fase em que estava a recuperar de uma depressão profunda e essa palavra fez eco dentro da minha cabeça. Mas depois, lembrei que Deus já me havia preparado para este menino, pois sempre lidei bem com a diferença tendo em conta que convivi com um meio irmão com síndrome de down e eu própria sempre fui também um pouco autista, pois sempre gostei de ter o meu “mundinho”, desde pequena que gostava de estar no silêncio e ter as minhas brincadeiras. Não é uma palavra que muda o amor incondicional que sinto pela minha família. Hoje, falo com com eles quando dormem e digo lhes o quanto os amo e sempre irei proteger, e ao meu filhote pergunto “deixas me entrar no teu mundo? Eu quero conhecer e ver o mundo da forma que tu o vês.” Desde que fui mãe e tive essa experiência comecei a ver o aborto doutra forma mais dura, pois ás dez semanas de gestação um ser pode não estar ainda formado totalmente mas o seu coração bate com toda a vontade de viver a experiência terrena! Bem haja a todos os que são pais e mães não só de sangue mas também de coração!

  4. Morel Felipe Wilkon disse:

    Obrigado, Manoel.

  5. Manoel disse:

    Linda mensagem. Grande é a importância de termos conhecimento de como estarmos juntos a pessoas que amamos, como nossos filhos, uma vez que nos foi dado a oportunidade de encaminhá-los na vida, fazendo o que é certo, praticando o bem. Abraços

  6. Morel Felipe Wilkon disse:

    Ingryth, com amor é fácil. A idade não é tão importante como pode parecer à primeira vista. Tenha em mente que o bebê frágil e indefeso é um espírito milenar como eu e você – possivelmente mais. A felicidade que você sente prenuncia um espírito querido, seu conhecido há muito tempo.
    Sugiro a leitura de Nossos Filhos são Espíritos, de Hermínio C. Miranda – tem em PDF na internet. Fora da ótica essencialmente espírita, acho muito importante – muito mesmo – os livros de Içami Tiba, principalmente Quem Ama, Educa. Seguindo a proposta dele e a educação espírita, você cumprirá muito bem o seu papel sagrado de mãe.
    Sejam muito felizes; Deus os abençoe.

  7. ingryth disse:

    Me emocionei lendo essa mensagem. Estou grávida e muito ansiosa para que meu filho chegue. Aconteceu tudo sem planejar, foi um susto para mim, pois estava me prevenindo, já que não pretendia ter filhos agora. Mas foi a melhor coisa que aconteceu em minha vida e da nos que me cercam, todos estão muito felizes. É inexplicável o amor que eu sinto por esse bebê antes mesmo de ver seu rostinho. Saber que ele está vindo como oportunidade de crescimento, assim como eu e todos nós viemos, me dá felicidade por poder fazer parte disso e o ajudar o trazendo ao mundo de novo. Tenho medo de não ser uma boa mãe, pois ainda sou tão insegura e jovem, só tenho 21 anos. Peço a Deus que me ajude nessa nova etapa.

  8. Morel Felipe Wilkon disse:

    Waldiney, essas questões são muito pessoais, cada pessoa as compreende de acordo com os seus conhecimentos e experiências. Só posso garantir que vale a pena dar o melhor de si. Você não deixa de ser pai, nunca. Seja presente, demonstre o seu amor sempre. Com o tempo se percebe que qualidade é mais importante que quantidade. Você pode ser tão ou mais marcante na vida deles, mesmo vendo-os pouco, do que se convivesse com eles cotidianamente. Jamais misture seus sentimentos pela mãe deles com o sentimento paterno. Jamais fale mal dela para eles. Respeite-a e a ame, fraternalmente, como mãe dos seus filhos. Por intermédio dela, você recebeu como filhos dois espíritos sobre os quais você tem a responsabilidade de orientação, educação e encaminhamento para a vida. Priorize os valores morais, ensine a eles o que você sabe de melhor e mais elevado. Você terá dois filhos que o amarão, o respeitarão e serão seus amigos. Ensine pelo exemplo. Como eles conviverão menos tempo com você, o seu comportamento e a sua conduta serão mais notadas que as suas palavras. Seja o melhor pai e um excelente ex-marido.

  9. waldiney Barbosa de Carvalho disse:

    Estou passando o momento de divórcio, onde minha companheira pediu. Sempre fui um pai e uma mãe para os meus filhos de 7 e 4 anos. Só posso vê-los final de semana sim e outro não. Está sendo muito doloroso, pois como bem retrata o artigo eu me sinto o homem mais sábio, forte, e estou com medo de perder tudo isso. Esse artigo vem de encontro com os meus sentimentos hoje. Parabéns e se puder me ajudar a compreender mais esse terrível momento, agradeço.

  10. POLIANA BARBOSA RODRIGUES disse:

    Muito tocante, me emocionou.

  11. Fernanda disse:

    Que mensagem linda! Obrigada! Fique com Deus!

  12. Morel Felipe Wilkon disse:

    Obrigado, Edson.
    Fique com Deus.

  13. edson farias da silva disse:

    Simplesmente maravilhosa esta mensagem, sim é realmente uma mensagem, pois nos retrata ao nosso passado físico e espiritual, e nos mostra o caminho da felicidade junto aos que amamos, e nos ensina a curtirmos todos os instantes de nossa vida, tanto em família como com os amigos, com bastante humildade, sinceridade e honestidade, na paz de nosso Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>