Evangelho

Espiritismo: Meu reino não é deste mundo

Espiritismo: Meu reino não é deste mundo
Espiritismo: Meu reino não é deste mundo

Ouça este artigo na voz do autor

O Evangelho segundo o Espiritismo, diz que a afirmação de Jesus “Meu reino não é deste mundo” claramente se refere à vida futura. Estou de acordo, mas creio que não seja só isso… 

Qual é a coisa que você mais gosta de fazer? O que lhe dá mais prazer? De que forma você se sente feliz ou próximo da felicidade? Você é espírito imortal. Você não é matéria. As coisas materiais que lhe dão prazer hoje não lhe darão prazer pra sempre, pois você é espírito, não matéria. As pessoas que lhe fazem sentir bem hoje não poderão acompanhá-lo pra sempre, pois você é um ser individual e elas também são seres individuais, cada qual com sua própria trajetória a percorrer.

Não há nada de errado em sentir prazer com coisas materiais, pelo contrário. Estamos temporariamente na matéria, e enquanto durar a nossa passagem por aqui, é bom que sejamos alegres e que aproveitemos o que a matéria tem de útil e de bom.

Não há nada de errado em nos sentirmos bem com a companhia de outras pessoas, isso é evidente. Estamos aprendendo a amar, e as relações interpessoais, mais próximas ou menos próximas, são o meio de praticarmos os sentimentos que queremos desenvolver.

No entanto, você não pode se tornar dependente dos prazeres terrenos e nem atrelar a sua felicidade a qualquer pessoa. O prazer tem que estar em você, deve partir do seu íntimo. As coisas externas devem ser apenas um meio de experimentar esse prazer. E você não pode sentir-se bem apenas condicionado a outra pessoa.

Não há alegria verdadeira se ela for dependente de fatores externos. Todas as coisas que nos causam prazeres fortes, como comida, álcool, drogas, sexo, exigem de nós, para que continuemos sentindo prazer, quantidades cada vez maiores, doses cada vez mais fortes, experiências cada vez mais avançadas.

Todos esses prazeres vão se esgotando naturalmente. E para que sejam mantidos, para que gozemos mais, aproveitemos mais, precisamos experimentar, usar e abusar cada vez mais. Uma pessoa condicionada a sentir prazer exclusivamente dessas coisas materiais não saberia aproveitar uma linda viagem, por exemplo, se não tivesse à sua disposição os ingredientes do seu prazer.

Não podemos depender de nada disso para sermos felizes ou alegres. Esses estados são naturais em nosso íntimo, mas muito sutis, muito delicados. Quem está acostumado a experimentar prazeres fortes talvez não consiga avaliar o bem-estar profundo de simplesmente existir, ser, estar consigo mesmo.

Nada nem ninguém pode ser responsabilizado pelo nosso estado de espírito. Não podemos depender de nada e de ninguém para sermos felizes.

No capítulo II do Evangelho segundo o Espiritismo, há a seguinte explicação para a afirmação de Jesus “Meu reino não é deste mundo”:  – Por essas palavras, Jesus claramente se refere à vida futura, que ele apresenta, em todas as circunstâncias, como a meta a que a Humanidade irá ter e como devendo constituir objeto das maiores preocupações do homem na Terra.

Concordo com essa interpretação. Mas não acho que Jesus se referisse exclusivamente à vida futura, depois do desencarne. O reino dos céus está dentro de cada um de nós, é uma condição a ser descoberta, permitida e desenvolvida. O estado de felicidade sem precisar de nada que provoque ou mantenha este estado, é prenúncio desse reino dos céus de que nos falou Jesus. Não acho, de modo algum, que seja preciso desencarnar para experimentar, por tímido e minúsculo que seja este experimento, o reino dos céus.

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

15 Comentários

  1. Gostei muito do diálogo. Lembro que todos os livros de André Luiz estão disponíveis em PDF na internet. Fiquem com Deus!

  2. Eu que agradeço, minha irmã. Seu elogio cai como bálsamo e refrigério em minha alma por saber que não estou sozinho nessa luta santa de ser rotulado pelos irmãos que ainda estão mergulhados em sua febre da ignorância espiritual como nós há pouco tempo estávamos, eu ainda não li o livro, mas vou adquirir certamente. Sei que os livros sempre são melhores do que os filmes. Que Deus te ilumine cada dia mais, minha irmã e fique na paz de Jesus Cristo.

  3. Caro irmão Rodrigo Pnt, muito lindas as suas colocações. Sinto em você, por suas palavras, uma firmeza muito iluminada. Sabe, eu também já assisti ao filme Nosso Lar por mais de 2 vezes, e em casa é a mesma atitude… ficção pura para o pessoal. Mas uma ovelha que acordou já vale muito não é? Cada um é responsável por si próprio e seus atos. Em casa ainda tenho um certo “ar” de zomba que me rodeia, porque dizem que “virei santa” etc mas eu não ligo. Agora estou lendo o livro Nosso Lar e acredite, é muito mais completo, é nota 10 mesmo. Sugiro que você o leia, se puder, claro. Como afirmou Morel no texto: não é necessário desencarnar para saber mais de si, e experimentar as alegrias de viver o “reino dos céus”. Rodrigo Pnt, sua firmeza é motivo de felicidade para mim! E foi o embalo para eu mesma tomar certas atitudes num passado bem próximo; pois suas sugestões me animaram muito. Que Deus nos abençoe. Obrigada!

  4. Caro irmão Morel, que texto maravilhoso. Resplandece na alma. Que Deus te ilumine sempre. Agradeço por dividi-lo comigo. Saudações.

  5. Bom dia! Eu vejo o site todos os dias, e hoje, em especial, abri buscando um conforto e encontrei! Nada é por acaso, “Nada nem ninguém pode ser responsabilizado pelo nosso estado de espírito. Não podemos depender de nada e de ninguém para sermos felizes.” Muito, mas muito obrigada.

  6. Ontem vi novamente o filme Nosso Lar junto com minha família, que vê só por ver, já que não conseguem ainda compreender com o coração. Viram só como mais um filme. Sabe, após o filme fomos dormir e uma alegria tão profunda invadiu a minha alma, uma felicidade que não depende das coisas materiais, eu já a sinto em mim há algum tempo, mas ontem senti muito mais forte essa alegria, começo a pensar que estou no caminho certo, porque não preciso mais ter muito dinheiro no bolso para ser feliz, nem de drogas como o álcool, que eu já usei no passado, ou ainda abusando da fornicação para que pudesse sentir algum prazer, mas o verdadeiro prazer, a verdadeira felicidade eu acho que estou vivendo agora e não depende de nada exterior, mas simplesmente por existir e saber tudo o que eu sei. Penso que ter Jesus na vida é isso, sentir que um dia, ainda que demore, eu vou ser como Ele, não importa o que aconteça ou como aconteça, um dia eu vou ter a imagem Dele, por isso Ele disse ser a porta, pois um dia todos nós teremos a imagem dessa porta e poderemos cruzar o outro lado além das nossas provas e expiações que tanto nos assediaram, essa felicidade que sinto sei que é espíritual e já é o comecinho disso tudo que falei. Obrigado, Morel, teus textos têm participação nisso tudo que estou vivendo, as tentações ainda são muitas, principalmente as sexuais, já que trabalho em meio ao público, mas tenho lutado para vencer a cada dia. A paz do Mestre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.