Artigos mais lidos, Temas abordados

Espiritismo, álcool e drogas

alcoolismo-espiritismo

Cada espírito, encarnado ou desencarnado, tem o seu padrão vibratório. O Espiritismo confirma que os semelhantes se atraem. O uso de álcool e outras drogas produz um atrativo irresistível para os espíritos que desencarnaram na condição de viciados nessas substâncias. Os desencarnados passam a acompanhar seus “amigos” encarnados quando estes fazem uso de drogas. Estimulam, neles, o uso cada vez mais contínuo e em maiores doses.

Quem faz uso de álcool e outras drogas com frequência modifica seu padrão de pensamentos quase que instantaneamente quando se droga. É que nessas horas o intercâmbio de ideias e sensações com os desencarnados se torna automático. Comungam os mesmos sentimentos, as mesmas ideias fixas, os mesmos desejos ou a ausência total de desejos, fora o uso da droga.

Espiritismo, álcool e drogas
Espiritismo, álcool e drogas

Não faltam exemplos na literatura espírita de como os encarnados são utilizados docilmente pelos desencarnados viciados. Tornam-se verdadeiras marionetes em suas mãos. Ou, na expressão de Ramatis se referindo aos bebedores contumazes, tornam-se “canecos vivos” dos desencarnados.

O uso de drogas facilita o desprendimento do corpo astral. O usuário passa a ter um contato maior com o plano astral, embora não perceba. E esse contato, nestas condições, não é bom. Nunca estamos sós. Somos acompanhados, onde quer que estejamos, por espíritos desencarnados que se afinizam conosco. O problema de quem consome drogas é que atrai a companhia de espíritos muito perturbados, com a preocupação constante de satisfazer o seu vício. Eles se “colam” ao perispírito do usuário para inalar, aspirar, sentir os efeitos da droga como se estivessem encarnados.

Mesmo drogas consideradas leves, como a maconha, provocam a despersonalização e a perda da vontade, tornando seu usuário apático e dócil companheiro de espíritos infelizes. O uso moderado do álcool, aceito pela sociedade e recomendado por alguns médicos (provavelmente os que gostam de beber), pode ser inofensivo para algumas pessoas, mas é fato que o uso do álcool acompanha o espírito há inúmeras reencarnações, pois o homem utiliza o álcool (ou é utilizado por ele) desde a pré-história. Um hábito de tanto tempo só pode ser considerado um vício.

Conheço muitos espíritas que fazem uso do álcool. Alguns deles ótimas pessoas, dum patamar evolutivo que dificilmente irei alcançar nesta reencarnação. Como dizia Paulo, “tudo me é lícito, mas nem tudo me convém”. Acho que o álcool não convém. É um hábito que está prestes a ser abolido da sociedade. Assim como o cigarro foi banido dos costumes socialmente aceitos, da mesma forma acontecerá com o álcool. Há vinte anos havia propaganda de cigarro na televisão, fumava-se nos filmes e novelas. Há trinta anos fumava-se nos elevadores e nos ônibus. Hoje não se pode fumar nem em bares e restaurantes. É um grande avanço.

Para quem não se ocupa das coisas do espírito, o uso de qualquer droga é um convite aberto para que espíritos viciados se aproximem e compartilhem do hábito, que logo se torna um vício. Para os que se ocupam com as coisas do espírito, acredito que o canal que nos liga com a espiritualidade superior deve permanecer permanentemente desobstruído, livre de qualquer obstáculo. 

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

193 Comentários

  1. Francy
    OLá Morel muita luz!
    Tenho um filho único , inteligente estudioso, tem dezessete anos que está passando por uma fase muito dificil e eu muitas vezes não sei como resolver. Ele comecou a beber , mas graças a Deus não usa outro tipo de drogas, fica violento, fala em se matar e me fez uma revelação no dia do seu aniversario que era gay, estou sofrndo muito com isso, pois sei que não e bem visto aos olhos de Deus, tento ajuda-lo, mas ele recusa dizendo que ja escolheu e sabe o que quer. oda vez que bebe fica transformado querndo se matar e me chamando de homofobica e não me respeitam preciso de ajuda para orientar meu filho por favoe

  2. Morel Felipe, boa tarde. Meu nome e Denis, fumo muito pouco e gosto de tomar cerveja nas minhas folgas, sei que me faz mau, mas tenho isto como um lazer e prazer. Pois a bebida me relaxa e me deixa alegre. Não sei ao certo se preciso de ajuda….

  3. Boa tarde!
    Meu marido esta internado a 15 dias numa clinica psiquiátrica, recentemente tentou o suicídio umas cinco vezes, por isso, resolvemos interna-lo, e com seu próprio consentimento, ele é usuário de cocaína a quase 10 anos, faz uso eventual (a cada 2 ou 3 meses) , ja passou por uma internação onde ficou mais de um ano sem usar drogas, nessa época se firmou muito espiritualmente (ele não bebe e não fuma), porém, de alguns meses para ca, vi algumas mudanças acontecerem, ele não fazia mais suas orações, não fazia questão de frequentar a igreja, só queria ficar deitado no quarto vendo TV a maior parte do tempo até que chegamos as tentativas de suicídio tudo aconteceu muito rápido.Ele é um rapaz cheio de alegria e bom humor, muito prestativo com todos, tem um coraçõ de ouro e quando não esta no lugar como agora que não tem ido trabalhar, muitas pessoas questionam pq não veio, o q aconteceu, ele é um tipo boa praça. Bom há tempos tenho pensado que ele poderia estar possuído, pq, como agora nas tentativas de se matar, realmente não parecia ele, saindo com o carro em alta velocidade na rodovia arriscando sua vida e de outros, até que capotou o carro, com ele nada aconteceu , quando cheguei ao hospital ele só sabe dizer que queria morrer e chorava muito, foi para o banheiro e tenta outra vez se matar , enfim, inúmeros episódios aconteceram, logo me passa pela cabeça ele não seria capaz disso, entende?
    Será que ajudaria a ele se eu procurasse um centro espírita? Somos católicos, mais acho que todas as denominações que estejam abertas a fazer o bem merecem respeito. Hoje ele esta numa clinica espírita.
    Agradeço o esclarecimento.

  4. Viviane, não sou conselheiro. Não posso influenciar você diretamente, pois eu seria co-responsável pelo que viesse a acontecer a partir da minha ideia externada a você. Esse é o seu desafio; todos têm o seu. Apenas devo lembrá-la de que o limite entre a tolerância e a condescendência é muito tênue. Compreender as fraquezas alheias é um gesto nobre; aceitar vícios degradantes não ajuda em nada. Mantenha-se espiritualizada, procure equilibrar-se cada vez mais, não deixe de lado a sua própria vida. Se fizer isso (cuidar de você), saberá, com o tempo, qual a melhor maneira de agir.

  5. Gostaria que me tirasse uma dúvida Morel, meu marido quando toma um gole de cerveja ele muda completamente, fica agressivo e faz coisas que em sã consciência não faria.
    Ele quando não bebe percebo que fica reclamando de tudo e muito perturbado, eu sei que ele esta sendo obsediado, pois sou espírita, porém ele não aceita o espiritismo de maneira alguma.
    como devo agir nessas horas?

  6. Morel, eu sou uma pessoa que tem plena consciência ou como dizem fé que somos espíritos vivendo em um mundo material, muitas coisas aprendi com a minha sensibilidade outras através da comunicação com pessoas encarnadas em sites, blogues, etc.. Em poucas palavras, sinto que sou um ser altamente espiritualizado o que, claro, não me descarta, sendo humano, de ter vícios ou comportamentos menos bons. Sou viciado em pornografia e cannabis e tenho mais facilidade em ter noção do que a pornografia possa causar espiritualmente. No uso de cannabis, há muita gente (doentes, artistas, religiosos, etc.) que a consome, muitas vezes procurei resposta junto a mediuns mas nunca consegui saber ou perceber ao certo o que o consumo pode causar á nível energético, que efeitos pode ter, é possível, quando sobre efeito, estar em contacto com espíritos mais evoluídos?

  7. Boa tarde Morel como vai?

    Gostaria de saber se poderia fazer um vídeo a respeito sobre a legalização do aborto, da maconha e da posse de arma que muitos defendem, a doutrina espírita explica algo sobre esses ideais ? Gostaria de saber sua opnião se possível.

    E Tambem seria interessante se pudesse fazer uma lista de recomendações de livros fora as obras básicas de kardec que você leu e gostou bastante.

  8. Olá, a minha relação com o alcool já foi bem pior, hoje consigo minimamente manter-me equilibrado. Mas após ler o artigo percebi que algumas coisas me são comuns e sempre acontecem quando me excedo no consumo. Meu comportamento sempre tem ligação com o sexo, comportamento autodestrutivo e no dia seguinte vem a sensação de culpa. Esse sentimento é terrível, pois ter consciência do descontrole da a sensação de incapacidade, de derrota. Ao longo dos anos tento me controlar, mas por vezes acontece algo de errado, Gostaria de ajuda espiritual, pois acredito que esta seja minha questão.

  9. Cheguei nesse site aqui em busca de ajuda pois parece que perdi o controle sobre mim mesma, estou bebendo quase todos os dias, e percebo que quando bebo acho que tenho alucinações ou pensamentos(os quais nem tenho certeza mais)sobre coisas ruins acontecendo,algo de morte ou tortura,e vejo cadaveres e sangue, a questão é que comecei a beber muito depois que fiz um aborto o qual hoje tenho arrependimento, seria o meu obsessor esse filho que eu reneguei, hoje me vejo numa situação onde pareço ter me transformado em alguem que não reconheço. As vezes quando sinto vontade de beber eu sinto vontade de chorar e começo pedir ajuda a Deus algumas vezes eu consigo parar o impulso mas maioria das vezes não, não sei mais o que fazer,me sinto perdida…

  10. Desde mais jovem, tenho tido certos problemas com consumo de bebidas alcoólicas. Começou na minha formatura do ensino médio, em que bebi uma quantidade até moderada de bebida, simplesmente não lembro o que ocorreu, como se não fosse mais eu no momento e realizo coisas que não faria. Ora agressividade, ora xingamentos, ora brigas, ora levantar a saia de maneira “vulgar”, apenas sei do ocorrido depois que pessoas próximas ao meu lado me avisam.
    Porém, como tinha 16 anos desde o início, acreditava ser algo de problema com bebidas que seria “fraca”.
    Mas, ora em ora, retorna tal situação. Às vezes com consumo elevado de bebidas, às vezes apenas um copo de cerveja. Pelos meus cálculos, já foram 11 vezes que aconteceu tal situação comigo.
    Apenas me preocupei quando fora feito um vídeo, um dia, em que me filmaram naquela situação.
    Muitas amizades rompidas, muitas situações não resolvidas. Nesse ano novo, mais uma vez ocorreu, em que esse desencarnado começou a falar histórias que era traficante, que vendeu muitas drogas na vida, para uma amiga que estava comigo no ano novo.
    Gostaria de saber o que posso fazer para mudar tal situacao?

  11. Olá Morel. Li todas as suas respostas e aprendi muito com elas e concordo com elas. Muitos obrigado. Meu nome é Daniel. Realizo a companha voluntária pública “Álcool é droga entorpecente. Acorde” Ver no google. Espero que goste. Repito: Muito obrigado por tudo.

  12. Guilherme, pode haver, sim, a influência de um espírito desencarnado, o que chamam de “encosto”, que é a obsessão sem a intenção direta de prejudicar. O que há é apenas a aproximação e a consequente influenciação de um espírito que compartilha do desejo pela substância. Com essa proximidade, passa a haver uma quase simbiose entre encarnado e desencarnado. No caso de um espírito depressivo, ele se sente melhor, mais reconfortado na presença do encarnado, e o encarnado, por dua vez, capta o mal-estar do desencarnado. Essa é uma possibilidade, bastante comum.
    Outra possibilidade, que não exclui essa, é que a substância ative determinadas memórias espirituais arquivadas no subconsciente. Nosso subconsciente guarda todas as nossas experiências anteriores. Lá está arquivado tudo o que sentimos, pensamos, falamos e fizemos em todas as nossas existências. Os fatos mais marcantes de nossas existências anteriores, que às vezes repetimos em diversas reencarnações, nós as trazemos em forma de tendências. Quando uma dessas tendências é ativada, o material arquivado nessas memórias subconscientes vem à tona, desencadeando quadros mórbidos.
    O melhor, no caso, é deixar definitivamente o uso da maconha. Não se trata, de jeito nenhum, de uma questão moral ou dogmática. Ninguém se torna bom ou mau por causa de uma substância. Entenda que não há nenhum motivo moral ou religioso que nos proíba o uso de qualquer substância. O que há é a necessidade de cuidado que devemos ter com nosso patrimônio espiritual, Somos ainda seres muito falhos, exigimos muito autocontrole. Um abraço!

  13. Sr. Morel, há a possibilidade da presença de um desencarnado em uma situação na qual iniciou-se um quadro depressivo após o uso pontual de maconha? Visto que o uso não era e não é rotineiro, porém, o quadro depressivo continua… Grato!

  14. Demir, procure uma motivação para a sua vida. Sem um motivo importante para deixar o vício, realmente é difícil. Deixo um link para atendimento à distância: https://casadojardim.wordpress.com/atendimento-espiritual-3/atendimento-a-distancia/

    O atendimento é eficaz. Leia atentamente as instruções e as siga.

    Há uma lista de livros indicados pela leitora Erika num dos comentários abaixo. A leitura direcionada para o seu problema é muito útil.
    Leia e pratique O Poder do Subconsciente, de Joseph Murphy e O Poder Infinito da sua Mente, de Lauro Trevisan. Não são livros espíritas, não tente entendê-los, apenas pratique.

    Nos momentos de maior angústia mentalize ou pronuncie o nome de Jesus, mentalize a sua imagem. O nome de Jesus e a imagem que associamos a ele nos liga às forças mais altas da nossa esfera.

    Vou orar por você.

  15. Estou sem ação, sei que estou sendo obsediado devido à minha sintonia e pensamentos autodestrutivos… Vou ao centro espírita frequentemente, uso drogas todos os dias e não sei o que mais fazer, ajuda, tratamentos etc… Foram em vão… Meu casamento e tudo mais está abalado e já perdi as forças… preciso de ajuda… sei que depende de minha opinião e força… abraços.

  16. Edemar, a ayahuasca pode proporcionar uma expansão da consciência, propiciando um mergulho dentro de si mesmo. Não acho que deva ser considerada uma droga no sentido usual do termo, associada a fins recreativos. Mas também acredito que o seu uso pode ser prejudicial para pessoas despreparadas, que são a maioria.

  17. Meu marido é alcoólatra, não sei o que fazer, vivo com ele há 25 anos, parece uma sina, tenho que trabalhar para manter a casa, tem hora que não suporto mais, tudo dá errado na minha vida, quado eu penso que vai melhorar piora, tenho vontade de fugir, mas não tenho coragem de deixar ele, só não tenho força para nada, tem dia que tenho dor em todo canto do meu corpo, vou a médico e não tenho nada, fico com raiva, como tenho dor e não tenho nada?

  18. Peterson, é sempre bom sabermos distinguir a Umbanda e as religiões de origem africana. A Umbanda é religião cristã nascida num centro espírita, aqui no Brasil. Não há nenhum conflito entre o estudo do Espiritismo e a prática da Umbanda, Conheço centros de Umbanda que estudam as obras de Allan Kardec. O estudo é sempre necessário. Mas a “escola espiritual” que você vai seguir, desde que voltada para o bem, não faz muita diferença. Os bons espíritos não têm preferências religiosas.

  19. Venho com felicidade testemunhar que conhecer as leituras espíritas me auxiliam na luta diária contra as drogas, falo no plural pois fiz uso de várias por 7 anos, dos 18 aos 23. Neste último eu conheci o grupo espírita de minha cidade e comecei a vivenciar hábitos saudáveis, trabalhar e estudar. Hoje aos 26 já consegui deixar de usar todas as drogas ilícitas, ainda uso álcool e cigarro sem muita frequência, mas gostaria de não mais me sentir atraído por esses vícios e me tornar livre por completo. O que busco auxílio é por que tive um sonho recentemente onde eu estava numa sessão de umbanda e não vejo isso como problema, pois tenho amigos sérios que são praticantes desta religião e eu mesmo tenho simpatia. Mas eu consigo me livrar total dos meus vícios voltando a estudar-vivenciar o espiritismo ou poço ir buscar auxilio na umbanda? Agradeço e muita luz a todos.

  20. Vanessa, não podemos atribuir as nossas próprias fraquezas aos espíritos. Isso é terceirizar a responsabilidade. Todos nós influenciamos e somos influenciados, de alguma forma, o tempo todo. É comum que espíritos que desencarnaram sob o vício permaneçam dependentes das substâncias em que se viciaram e liguem-se a usuários encarnados. Nesse caso, o encarnado tem o seu próprio desejo pela droga potencializado, ampliado. Mas a responsabilidade pelo uso é sempre dele.
    Compreendo a sua disposição de ajudar. Não desista. Mas é preciso que ele queira ser ajudado.

  21. Oi Morel!
    Convivo com um amigo (muito próximo) que faz uso de cocaína. Ele vem diminuindo a dose e a frequência com que usa, inclusive por eu sempre conversar com ele sobre esse assunto. Ele sabe todas as consequências, sabe que é errado, porém não consegue parar, quando ele sente vontade de usar, ele muda completamente, fica estressado, não olha nos olhos quando conversa. Em contrapartida, ele é uma pessoa muito batalhadora, trabalha e é super responsável, e quando ele usa cocaína, é em fim de semana. Ele e sua família são testemunhas de Jeová, só que ele não frequenta. Ele pode estar sendo obsidiado? Como posso ajudá-lo?
    Desde já, obrigada!

  22. JK, reproduzo aqui a indicação de livros da leitora Erika. O comentário dela é dos mais antigos, está lá embaixo.
    – Filhos da dor / Vilson Disposti; – Um drogado em minha vida / Izadora Bezerra; – Diário de um drogado / Gorete Newton; Driblando a dor / Luiz Sérgio; – Quando a ilusão acaba / Eulinir de Fátima Silva Tomaz de Aquino.
    Deixo um link para atendimento espiritual à distância: https://casadojardim.wordpress.com/atendimento-espiritual-3/atendimento-a-distancia/

  23. Estou buscando informações para repassar ao meu filho, ele tem quase 17 anos e tem usado alguns tipos de drogas nos últimos 3 anos. Quando começou era maconha, e hoje ele usa aquelas drogas consumidas em festas rave. Estou numa batalha para que ele retome sua vida, já reprovou na escola ano passado, está indo mal esse ano, e além disso, como sou espírita, tô vendo ele sofrendo muito espiritualmente em relação a isso, além das consequências físicas e financeiras, ele tem problemas pra dormir, ouve coisas, sente seu corpo sendo manipulado, sente muito medo nas noites seguintes ao consumo de drogas, já tentei explicar pra ele sobre os obsessores, sobre porque isso está acontecendo, mas preciso de mais informações, indicações de livros, artigos, qualquer coisa que me ajude a mostrar pra ele que está prejudicando demais seu espírito além dos males que tem feito no corpo e na mente. Ele faz terapia mas não tem evoluído muito, o processo é muito lento e tenho medo que aconteça algo mais sério enquanto espero, preciso de ajuda de qualquer tipo, ele gosta bastante de ler sobre coisas diferentes, até mesmo sobre as drogas ele lê muito mas pelo jeito ele só tem acessado informações que defendem seu uso e ele precisa ler também sobre o quanto tudo isso é ruim para ele e pra gente na família que tem sofrido demais.

  24. Anônimo, a entidade muito provavelmente fuma junto com você. É o que vulgarmente chamam de “encosto”, um espírito ainda muito apegado às coisas materiais, que satisfaz o seu vício às custas de um encarnado.
    Você disse que vê a maconha como uma erva realmente espiritual. Se fôssemos realmente equilibrados espiritualmente, a maconha e outras drogas poderiam ser utilizadas visando experiências místicas. Mas, como estamos longe dessa condição, acabamos utilizando-as recreativamente e atraindo, com isso, espíritos viciados que nos induzem ao uso contínuo.

    Quanto à prática da mediunidade, o meio seguro é estudar num centro espírita que dê importância ao estudo. Vale o mesmo princípio: como não somos suficientemente equilibrados, precisamos de um lugar especial, preparado pelos espíritos trabalhadores, para aprendermos e nos desenvolvermos.

  25. Olá, primeiramente venho dizer que caí aqui de para-quedas, mas exatamente hoje revelei aos meus pais que às vezes faço uso da maconha. Na realidade, não fui bem eu que contei e resolvi tomar essa inciativa. Usei maconha minha primeira vez aos quinze anos, mas não foi nada demais, era apenas uma curiosidade que queria matar, desde então fiquei sem usar até os 19 anos de idade. Comecei a usar com uma frequência relativamente alta a que eu imaginava que fosse usar! Não usava muito, mas cerca de 3 vezes na semana eu usava, geralmente nos finais de semana. Meus pais são médiuns, e eles descobrem tudo que eu faço, até mesmo sem querer. Quase sempre que ocorre uma experiência adversa em minha vida, minha mãe é avisada de alguma forma, seja por sonho ou até mesmo por ouvir entidades intuindo ela. Ela teve um sonho, que era bem real. Entidades que trabalham com a gente “obrigaram” a um outro ser (até então desconhecido) a se explicar com a minha mãe, e ele dizia: “Eu não queria vir aqui, mas eles estão me obrigando, eu juro que não quero problemas com a senhora, me desculpa!”. Minha mãe dizia que ele parecia muito nervoso, com vontade de ir embora logo daqui (minha casa) pedindo desculpas sem parar, e disse pra minha mãe que eu estava fumando maconha (me dedurou, aff). Brincadeiras à parte, ela veio falar comigo sobre o ocorrido, e eu neguei! Até que uma semana depois, eu tive uma experiência na hora de dormir, fiquei preso no meu sonho sem saber que estava dormindo, quando me dei por conta que era um sonho, fiz muita força pra acordar mas algo me impedia. Até que acordei, quando acordei não me senti mal, mas estava muito suado!! Quando fui caminhando para a faculdade, me lembrei do sonho que minha mãe havia me contado, e comecei a sentir uma paz de espírito em falar para ela que eu usava, até que no mesmo dia cheguei em casa e contei para ela e para meu pai que usava, mas que não era algo frequente, e que não me afetava! Ela sabendo dos perigos tanto da substância em si, como em relação à proibição, foi compreensiva e apenas pediu que eu evitasse fazer, que ela e meu pai eram totalmente contra etc. Surgiu a dúvida, que ser pode ser esse? questões familiares à parte, é um grande risco espiritual eu continuar usando? vejo a maconha até como uma erva realmente espiritual, mas sei que posso estar errado. Gostaria que me ajudasse nessa incógnita!

    Outra pergunta que eu gostaria de lhe fazer:
    Em consultas com entidades, já fui informado que tenho uma excelente mediunidade. Como posso praticar essa mediunidade para ter mais contato com meus guias espirituais?

  26. Tá, o melhor remédio é sempre o amor. Não seja condescendente com o vício dele, mas seja compreensiva e amorosa com ele. O tratamento no centro espírita ajuda, sim. Se a pessoa estiver disposta a ajudar-se, a ajuda é muito efetiva. A recomposição das energias e o afastamento de influências negativas facilita, e muito, a pessoa consciente a abandonar o vício.

  27. Se você ama seu marido, permaneça com ele. Converse com ele de vez em quando a respeito do que você pensa e procure vencer o vício aos poucos, mesmo convivendo diretamente com ele. Faça a sua parte, seja correta, e tudo dará certo.

  28. Boa Noite. Sou casada há 4 anos, e meu marido é usuário de cocaína. Ele não usa sempre, mas usa. Isso me deixa muito triste e às vezes me dá vontade de largar ele. Ele sempre fala que quer parar, chora, se diz arrependido, mas que não consegue, diz que é mais forte que ele. O que me doi é saber que ele é uma pessoa muito boa, que tem um coração bom, paciente, alegre, companheiro. Gostaria de saber se os passes normais e as correntes magnéticas e passe de desobsessão podem ajudar.

  29. Eu não estou com ele por interesse de forma alguma, nos apaixonamos de uma hora pra outra, ja éramos muito amigos e ja éramos próximos. Eu digo que para mim conseguir parar de usar drogas eu apenas preciso não ver mais a maconha, não penso em me separar por não gostar dele e sim por não ver outra solução. Se ele pelo menos entendesse essa necessidade que eu sinto de mudar a minha vida, seria muito mais fácil. Em relação ao que eu faço da minha vida, no momento nada, vou voltar a estudar porque simplesmente não consigo arrumar emprego, e nisso até que ele é compreensivo e me apoia. Mas eu realmente sinto vontade de parar, aconteceram coisas tão terríveis comigo por causa da minha mediunidade que eu nunca me cuidei e só vim me interessar por isso depois da necessidade. Mas eu amo meu marido e depois que eu vim morar com ele eu acho que as coisas até se acalmaram um pouco, quando morava com minha família sempre tinha briga… Eu espero que realmente consiga parar pela minha saúde e também porque eu quero minha família de volta, a vida que eu tinha de volta. Eu achava que era cercada de amigos e eu descobri que não era, eu sinto muita falta da minha mãe, por mais que meu marido seja uma boa pessoa, saber que você não tem uma família pra te apoiar é muito difícil, eu já tentei me suicidar 3 vezes mesmo conhecendo o espiritismo e sabendo das consequências, eu quero vencer e poder andar de cabeça erguida na rua. Graças a Deus Ele vem preenchendo o meu coração e hoje eu não sinto mais essa vontade, pelo contrário, eu tenho vontade de lutar.

  30. Bianca, você diz que a sua mãe lhe expulsou por você usar drogas. Então, se você parar de usar qualquer droga, poderá procurá-la para tentar uma reconciliação.
    Você não pode ficar com seu marido só porque depende dele financeiramente. Ficar com alguém só por interesse é mais grave do que fumar maconha…
    Não me parece que a sua maior urgência seja parar de fumar maconha. Você deve repensar a sua vida. O que você está fazendo da sua vida? Como você quer estar daqui a três ou quatro anos? E o que você vai fazer para estar como você quer? Acho que a sua maior urgência é ser independente para decidir o que quer fazer da usa vida.
    Procure ajuda espiritual. Se gosta do Espiritismo, comece a frequentar um centro espírita. Quando cuidamos do lado espiritual as coisas se equilibram com mais facilidade.

  31. Olá, eu vim por este site a meio de tentar ser ajudada de alguma forma. Eu tenho 23 anos, desde os 15 anos utilizo a maconha, e também já fui viciada em outras drogas mais pesadas como a cocaína e o cigarro. Sempre me identifiquei com o espiritismo, e cresci em uma família espírita.
    Quando a minha mediunidade aflorou me ocorreram vários problemas mediúnicos e depois disso eu decidi parar de usar cocaína e cigarro. Até hoje não associava a maconha com nada que fosse nocivo à saúde, até ler algumas coisas associadas a isso. Mas o grande problema é que meu marido também é usuário da maconha, e ele nem sequer acredita em Deus. Eu vim morar com ele há 1 ano e meio, nesse tempo ele parou junto comigo de utilizar a cocaína e agora está tentando parar de fumar cigarro. Eu acredito que conversar com ele sobre os malefícios da cannabis não seja suficiente pelo fato de ele ser muito teimoso.
    Para me afastar da cocaína foi mais fácil, pelo fato de eu me distanciar de “falsas amizades” e também pelos problemas de estômago que eu tive ao longo dos anos. Mas como eu vou parar de fumar maconha se meu marido utiliza E MUITO em casa todos os dias? E eu não posso simplesmente me separar dele, porque ao descobrir que eu era usuária de drogas minha mãe me expulsou de casa, eu simplesmente dependo dele para viver. O que eu devo fazer?
    Se só dependesse de mim seria mais fácil, mas eu tenho que conviver com isso todos os dias.
    Parabéns pelo seu site! Com certeza isso ajudara muitas pessoas com esse problema. Que Jesus te ilumine!

  32. Olá, procurei no Google a seguinte frase: “quando fumo cigarros, sinto vontade de ser mais responsável” e seu blog apareceu, li um pouco sobre o assunto, e me veio uma imensa curiosidade, sou novo, tenho 20 anos, e estou atualmente estudando para os vestibulares, há um ano mais ou menos, minha irmã me levou para um centro de umbanda branca, tomei um banho, eles não cobraram nada, apenas os itens, isto me deixou de consciência mais tranquila, não sei bem dizer para o que foi, porém conversei com entidades e pessoas, usei contra-egun por alguns meses, e agora me veio a dúvida, será que tem algo relacionado?!

  33. Warlla, se você se questiona a esse respeito, é porque sua consciência está atenta aos aspectos negativos de um negócio como este. Assim, provavelmente, se você abrir, sua consciência vai lhe cobrar. A questão é complexa, pois envolve o sustento material. Eu não abriria.

  34. Sou Warlla. Tenho 23 anos e estou com projeto pronto para abrir um bar gay.
    A cidade que moro não possui desse tipo de estabelecimento e fica claro que a renda seria construída em cima desse projeto.
    Até aí tudo bem.
    Minha questão é que há 3 meses estudo a doutrina, e já entendo um pouco sobre algumas questões.
    E gostaria de saber se caso eu venha mesmo instalar esse bar se eu prejudicaria a minha evolução? e se eu também prejudicaria a evolução de demais pessoas?
    evolução da cidade que moro?
    Enfim.

  35. Olá, me chamo Fatima e estou namorando uma pessoa há quase 8 anos. Se Deus abençoar iremos nos casar em 2016. Claro que um relacionamento de anos tem seus altos e baixos, quando o conheci ele bebia muito. Sofri muito, pois não tinha com quem desabafar, até que com quatro anos de namoro, em uma noite de sábado pra domingo, ele bebeu muito, fazendo até as necessidades no chão, daí foi o estopim pra mim e disse: ou a bebida ou eu. Foi aí que ele parou de beber, ou melhor, diminuiu muito, só bebe de vez em quando e vinho. Só que infelizmente o vício do jogo continuuo. Não sei explicar a raiva que sinto quando ele me diz que está no bar, as pessoas falam que eu sou chata, que lá é brincadeira, mas pra mim não é. Sei que posso estar errada, mas imagino que possa ser um espírito ruim. Já sonhei um tempo atrás eu vestida de branco com vestido rodado, sentada em uma esquina com ele do meu lado caído bêbado também de branco com uma garrafa de pinga do lado. Sou uma pessoa de muita fé. Creio que Deus ou irá libertá-lo desse vício ou simplesmente nos separar por conta dele. Peço desculpas por usar este espaço como desabafo, não tenho pra quem contar isso, e vi essa página como um desabafo. Obrigado e que a luz de Jesus nos abençoe.

  36. Olhando estes relatos, a maioria, vejo a única solução: fazer reforma íntima! Através de uma escola onde os exemplos seguem o mestre, para não deixar dúvidas no caminho, que é árduo justamente porque viemos como espíritos baixos, para aos poucos nos assegurarmos que somente conseguimos mudar quando nossa consciência ganha convicção, iniciada naturalmente pelos estudos para aos poucos vivenciar ações reais. Colega, seu site é bom e todos que vierem aqui estão recebendo bons argumentos para reflexão. “Nosso corpo é pesado, e nosso espírito é leve. Assim para ligá-los não deve haver apego em outras químicas ou matérias”. Abraços fraternos.

  37. Di, você está equivocada ao dizer que não basta só a sua vontade. O que está acontecendo é que a sua vontade não está sendo suficiente. Não espere facilidades. Enquanto você esperar que algo ou alguém possa lhe ajudar a mudar seus hábitos, você só irá repeti-los e consolidá-los cada vez mais. Você só depende de você mesma. Como você quer parar se você não se sujeita ao sofrimento inicial causado pelo desejo não saciado? Não tem como. É preciso enfrentar a dificuldade inicial, sem ilusões, sem truques, sem mágica, sem pena de si mesma. Apenas não beber. Conte os dias, conte as horas. Cada dia de resistência ao vício é uma vitória. Se algum centro espírita da região é kardecista, sugiro que insista em frequentá-lo. O mal-estar que você experimenta lá dentro pode ser provocado pelas suas companhias espirituais que não querem perder a sua “parceria”. Mas essas companhias espirituais não têm domínio sobre você. Só você tem domínio sobre você. Isso que estou dizendo não é tentativa de autoajuda ou de motivação. É a pura realidade. Costumamos jogar a responsabilidade nos outros, sejam eles encarnados ou desencarnados. Costumamos esperar que alguém nos ofereça uma ajuda que só compete a nós mesmos. Deixo um link para atendimento à distância: https://casadojardim.wordpress.com/atendimento-espiritual-3/atendimento-a-distancia/
    O atendimento é eficaz, mas a cura para os nossos vícios (que são do espírito, não do corpo) só dependem de nós mesmos.
    E não se culpe; é bobagem. Leia muito, mantenha o pensamento fortalecido e voltado para o bem, ocupe-se com coisas úteis e mantenha-se longe do álcool com coragem e amor à vida. Do cigarro você cuida depois; não se preocupe com isso agora. Você consegue, tenho certeza.

  38. Hoje você foi uma benção para mim, acordei de repente e perdi completamente o sono, então fui para a internet, abri o Face e vi um artigo em uma página, abri e você apareceu, então fui indo de artigo em artigo até achar este que veio a dar a orientação que há tanto eu procurava. Baixei os livros que indicastes nos outros depoimentos e li tudo o que consegui. Fui casada com alcoólatra, que já desencarnou por este motivo, e na convivência eu bebia diariamente, isso me incomodava, mas para ser parceira me acostumei, depois da separação vi que eu não conseguia ficar mais um dia sem beber. Me julgo, me culpo, me condeno, digo todos os dias que não vou beber mais, mas aí chega o final da tarde e vem aquela vontade… E a culpa só vem depois. Gostaria muito de frequentar um centro espírita, mas os que procurei onde moro, não me pareceram qualificados, pois vim de uma cidade grande e hoje moro no litoral. Já tentei, mas saio pior do que entrei, aqui tudo é muito precário, inclusive terapeutas etc., gostaria de saber se tens alguma sugestão para mim. Porque quero mesmo parar, e os dias em que não bebo, tenho ressaca, e gosto de bebida na boca, e recentemente voltei a fumar depois de dez anos, para piorar as coisas. Isso tudo está me assustando muito, pois vi que não basta só a minha vontade, perdi o controle em decidir e fazer o que realmente quero, algo me impulsiona para o lado contrário!
    Me senti segura lendo os depoimentos e com o carinho que você respondeu a todos, por este motivo me encorajei em te pedir uma orientação, muito grata desde já!!!

  39. Sou espiritualista umbandista desde que me entendo por gente, só que venho afastado há muito tempo. Esse final de semana vim a ter uma isquemia cardíaca por uso de álcool e cocaína e também sou viciado em maconha, melhor dizendo, o que viesse para mim usar era lucro. Hoje me encontro arrependido mas com outra cabeça, pois sou biólogo, amo cozinhar e agora estou podendo enxergar o quão talentoso e capacitado que eu sou, o quanto e inúmeros prazeres saudáveis temos em nossas mãos mas não se enganem pois não é fácil largar, chega final de semana minha mente diz não mas o corpo diz sim, eu só sei que sexta estarei em uma casa de Pai Joaquim em um trabalho de desobsessão, pois eu já não suporto essa vida medíocre. Eu digo a todos corram não entrem nesse mundo de falsas ilusões e felicidades!!!

  40. Henrique, você percebe perfeitamente o que se passa com você, o poder de influência que seus desafetos espirituais podem exercer sobre você se você não se cuidar. Você acha que ele têm algum interesse em ver a sua libertação através do trabalho espiritual digno? Essa incerteza é provocada por eles. Não dê ouvidos às dúvidas, abrace o trabalho espiritual com todo amor e comprometimento de que for capaz. Tenha sempre em vista o ensino do nosso mestre Jesus e vá em frente. Se for para fazer o bem ao próximo, não há o que temer. Você verá como o exercício de nossas tarefas espirituais pode ser prazeroso quando agimos por amor. O equilíbrio que você irá conquistar deixará para trás os seus erros e eles não irão mais incomodá-lo. Vá em frente!

  41. Juliana, não sei a que ajuda você se refere. Todos temos nossos problemas a resolver, e quase sempre só quem pode nos ajudar somos nós mesmos. Ninguém poderá ajudá-la nesta questão, pois isso não depende de ninguém a não ser você mesma. É você quem deverá decidir que atitude tomar.
    O simples fato de ele optar pela droga e não por você já demonstra a sua dependência, pois, mesmo que para ele fumar maconha não represente nada de negativo, ele está fazendo uma opção por uma substância e deixando de lado uma pessoa. É possível que ele não tenha muito interesse em você, pois, se tivesse, pelo menos tentaria parar com a droga. Ou, se não é este o caso, ele está realmente viciado, e, se assim for, cabe a você decidir se abre mão de conviver intimamente com ele ou se permanece com ele assim mesmo, esperando, com paciência, que ele mude de ideia. Ele só vai deixar a droga se ELE mudar de ideia. Você não poderá convencê-lo disso. E, como os males provocados pelo uso contínuo da maconha podem demorar a se manifestar, se você ficar com ele terá que ter muita paciência.

  42. Olá Morel,
    Me encontro muito angustiado e impaciente, passei por uma situação horrível, um espírito obsessor tomou conta do meu corpo dias atrás pelo fato de estar sob influência de drogas como o álcool e inalantes (lança perfume). Sou Umbandista e fui ao centro para buscar auxílio, fui amparado e a casa que frequento é muito boa e séria, porém me afastei muito ultimamente da espiritualidade. Essa não é a primeira vez, há algum tempo venho sofrendo com obsessões fortes que já me levaram a desmaios e essa última me vi tomado completamente pelo espírito. Meu depoimento refere-se à minha mediunidade, vejo que tenho que parar com os vícios, estão me fazendo muito mal, e com a força que tenho eu vou conseguir parar. E minha angústia é que estou sentindo dentro de mim que tenho um dever/missão a cumprir, dizendo que devo iniciar meus trabalhos mediúnicos, em todos os passes que realizo todos guias me dizem que a casa está aberta para mim, já fui chamado diversas vezes para iniciar, mas sempre adio esse convite. Gostaria de um conselho, o caminho eu já sei que devo seguir para viver em equilíbrio, mas sinto um medo enorme que está me deixando desesperado, é como se existisse uma batalha dentro de mim, um lado dizendo vá em frente, esse é o seu caminho a seguir, e outro lado com medo de assumir essa responsabilidade. Sinceramente estou muito confuso e angustiado.

    Muito bom seu trabalho, está me ajudando muito.
    Bênçãos de força e de luz, companheiro.

  43. Meu namorado usa maconha, diz ele que é raramente e que não quer parar. Já fiz ele escolher entre mim e a droga e ele escolheu a droga, pois não vê mal, diferente de mim. Não sei mais o que fazer. Somos espíritas, a família dele também, e a família dele está muito preocupada e me pede ajuda, além da minha mãe não querer mais que eu namore com ele. Me ajude por favor.

  44. Aline, o espírito que desencarna nessas condições passa por um período de perturbação, isso é inevitável. O ponto positivo é que ele tinha consciência da sua situação e queria mudar. É importante que você (e demais pessoas ligadas a ele) evitem pensar nele de maneira negativa, A preocupação, a ansiedade e o medo só prejudicam. Busque auxílio para ele num centro espírita. Sempre somos socorridos quando realmente queremos ser socorridos.

  45. Vanessa, temos vários níveis de consciência. O que parecemos ser no estado de vigília (quando estamos acordados) é a parte mais superficial da nossa consciência. Você quer livrar-se da droga, mas, no fundo, se ela não fosse prejudicial, permaneceria usando. Quando você dorme atinge outros níveis de consciência, em que o que você acha certo ou errado no estado de vigília não tem muito valor. Você vai permanecer com estes sonhos durante algum tempo, até que a sua determinação de parar com a droga atinja outros níveis da sua consciência. É só questão de tempo e vontade. Sobre sua outra pergunta, sugiro que leia os comentários dos leitores e minas respostas a eles.

  46. Meu irmão faleceu nesse sábado passado, e ele tentou por 20 anos se livrar dos vícios de drogas e bebidas, várias internações sem sucesso, ele sofreu muito porque chorava e implorava para se livrar dos vícios e não conseguiu, ele estava bêbado e possivelmente drogado e de repente ele caiu no chão e a queda foi tão violenta que teve traumatismo craniano, minha duvida é, para onde foi sua alma nesse momento? Por ele ter estado bêbado e drogado na hora de morrer faz alguma diferença no desencarne dele? Muito angustiada por essas dúvidas.

  47. Morel, eu era usuária de maconha desde os 15 anos de idade, não fazia uso contínuo, mas há uns anos atrás comecei a usar constantemente, hoje estou com 30 anos, há um mês e meio atrás, passei por uma consulta com uma terapeuta quântica, e após ter conhecimento sobre o que acontecia quando fazia o uso da droga estou me esforçando a cada dia para me distanciar dela, e tenho conseguido desde então, porém todos as noites tenho pesadelos que giram em torno do uso desta e de outras drogas, também de bebidas alcoólicas e sexo, o mais interessante é que não penso sobre essas coisas durante o meu dia. Desde o meu primeiro contato com o centro espírita tenho ido toda semana, procuro ter uma rotina diária de aprendizado e faço orações neste sentido. Queria saber se existe mais alguma coisa que possa fazer, também uma explicação por que destes sonhos constantes.
    Outro ponto é que tenho um amigo que considero espiritualizado, tem contribuído para o meu crescimento, porém me disse algo que me intriga, ele diz que o problema é a dependência da droga pois isso me leva a uma faixa vibracional baixa permitindo que espíritos me influenciem, mas que se a pessoa está espiritualmente forte um espírito não pode exercer influência sobre ela mesmo que use maconha ou beba uma pequena quantidade de álcool. Não consigo assimilar isso, assim gostaria muito de obter sua opiniáo. Desde já agradeço.

  48. Aline, se você ler os comentários dos leitores e minhas respostas a eles, verá que essas situações são comuns a muitas pessoas. É importante que você entenda o processo do alcoolismo sob o ponto de vista físico e espiritual. Há, num dos comentários, sugestões de livros que abordam o tema sob o ângulo da espiritualidade. Quem os sugeriu foi a leitora Erika. Quanto ao aspecto físico ou psicológico, há grupos de apoio a familiares de dependentes. São reuniões de pessoas que enfrentam situações semelhantes à sua, com experiências sobre como agir, experiências que podem e devem ser compartilhadas. Sem muita informação não há quase nada a fazer.

  49. Olá irmão…
    Tenho uma pergunta a fazer: como ajudar o cônjuge a sair dessa situação de alcoolismo quando essa pessoa se recusa a receber ajuda? Sempre em minhas orações peço a libertação dele, também converso bastante, mas sem cobrar, porque sei que é pior.
    Tem alguma outra maneira de ajudar?

    Abraço, Paz!

  50. “Queria saber a relação dessa doutrina com essa droga” – imagino que você queira saber o que a doutrina diz a respeito dela. Nada. A Doutrina não se ocupa de códigos de conduta. O que temos sobre a maconha ou qualquer droga são opiniões pessoais, opiniões baseadas na observação, na experiência, em estudos de casos e na lógica. A maconha torna seus usuários mais abertos a quaisquer influências. Como outras drogas, ela leva a um estado alterado de consciência, abre nosso campo eletromagnético e dificulta o controle sobre pensamentos, sentimentos e energias. Para quem está lidando com a mediunidade, ela pode ser muito prejudicial por permitir a aproximação e sintonia com espíritos que, normalmente, não gostaríamos de ter como “parceiros”.

  51. Sou espírita desde criança. Cresci dentro dessa doutrina, mesmo que por muito tempo não tenha feito parte dela. Eu, por muito tempo, fiz uso de álcool e maconha, mas agora entrei no desenvolvimento mediúnico para trabalhar no corpo médium do centro espírita. O que me foi dito e muito bem explicado é que não podemos beber, mas minha dúvida permanente é sobre o uso da maconha, se isso afeta nesse desenvolvimento. E também, a nível de curiosidade, queria saber a relação dessa doutrina com essa droga.

  52. Adriane, quem deve ajudar você é você mesma. É só você quem pode deixar de beber para sempre e passar a dar atenção às coisas espirituais. Isso irá acontecer sempre que você beber. Já era para você ter se dado conta disso. Você está sendo influenciada por um ou mais espíritos viciados, possivelmente seus conhecidos de outras existências. Às vezes acontece de nós nos regenerarmos, tomarmos novas resoluções antes de reencarnarmos e nossos antigos “parceiros” espirituais não aceitarem ou não acreditarem nos nossos novos propósitos e nos perseguirem. O álcool é um fator extremamente negativo por permitir a influência direta de espíritos atrasados sobre nós. Não beba. Evangelize-se. Procure um centro espírita ou igreja, se você preferir. Como você demonstra sinais de mediunidade, o ideal seria que você participasse de um grupo de estudos num centro espírita. Quem é médium é sempre muito influenciável por pensamentos, sentimentos e energias. O estudo, desenvolvimento e trabalho com a mediunidade em benefício do próximo nos proporciona o equilíbrio necessário para desenvolvermos com tranquilidade todos os aspectos de nossas vidas.
    Sugiro que você leia os comentários dos leitores e minhas respostas a eles.
    Faça por você mesma e será feliz.

  53. Olá, gostaria de uma ajuda. De uns tempos pra cá começou a acontecer algo comigo sem explicação. Sempre bebia cerveja, vodka com energético, agora é eu beber um pouquinho mais já fico parecendo possuída, sinto que uma voz toma conta de mim, ela dá risadas da situação, quer agredir, quer sair correndo pelo mundo, fico rolando no chão… mas às vezes não lembro que isso aconteceu… uma vez uma amiga filmou, foi horrível, não queria que acontecesse novamente e aconteceu por mais três vezes, em uma das vezes uns amigos evangélicos me seguraram e passaram óleo bento eu voltei ao normal. Estou com muio medo… não posso mais beber? É algum espírito? Eu tenho que desenvolver minha mediunidade? Me ajude.

  54. Clara, sua intenção questionadora pode ser boa, mas os seus argumentos são fracos. É claro que há obsessores. Mas os obsessores só têm acesso a nós se dermos acesso a eles. A droga é um desses caminhos. Se você ler os comentários dos leitores e minhas respostas a eles, verá que já foi falado sobre a maconha e já me pronunciei sobre o seu uso moderado. Não vou ser repetitivo; as respostas estão lá. Sim, foi Deus que criou a maconha… e todas as plantas venenosas e animais peçonhentos. Aliás, foi Deus que criou todos os elementos da tabela periódica, a partir dos quais toda a matéria é organizada.
    Se você gostaria que ninguém consumisse aquelas substâncias que você citou acima, por que acha que tenho “um preconceito meio arcaico”? Falo sobre o que acredito, e sigo o que acredito. Querer que ninguém consuma determinadas substâncias mas defender o seu uso é contradição.
    Não falei jamais em “pecado”, nem em “diabo”. São palavras suas. E o mal a que me refiro fica muito claro no artigo a que você se refere.

  55. GOSTARIA QUE NINGUÉM CONSUMISSE CIGARRO, VODKA, CERVEJA, WHISKY, VINHO, RIVOTRIL, ANTI-DEPRESSIVO, MACONHA, HEROÍNA, CRACK ….

    GOSTARIA QUE NINGUÉM PRECISASSE CONSUMIR ANESTÉSICOS, ANTITETÂNICA E ETC…

    ME REFIRO SEMPRE À HIPOCRISIA, E À UTILIDADE DAS DROGAS EM GERAL… PORQUE MUITAS DAS VEZES ESSAS DROGAS SÃO BENÉFICAS, OU PELO MENOS VÊM COMO UM AUXÍLIO EM UM MOMENTO CRÍTICO, O PROBLEMA É O ABUSO…

    VOCÊ SABE QUANTO DE DROGA ANESTÉSICA É CONSUMIDA EM CIRURGIAS PLÁSTICAS E QUE MUITAS DAS VEZES LEVAM AO ÓBITO???? (VEJA BEM, NÃO INTERPRETE MAL, ESSE É SÓ OUTRO ÂNGULO DA QUESTÃO… AQUI UTILIZAMOS AS DROGAS PARA ALIMENTAR OS VÍCIOS DA VAIDADE ETC)…

    A QUESTÃO É: PERANTE DEUS, PERANTE A SOCIEDADE, PERANTE VOCÊ MESMO… TOMAR UM RIVOTRIL OU CERVEJA OU FUMAR UMA MACONHA DE VEZ ENQUANTO, MODERADAMENTE, POR NECESSIDADE COMPROVADA É PECADO? FAZ MAL À SOCIEDADE? FAZ MAL A VOCÊ?

    OU ATÉ MESMO POR NECESSIDADE DE RELAXAR A CABEÇA, POR ANSIEDADE OU SEJA LÁ QUE TIPO DE PATOLOGIA… É LICITO?

    SE É LÍCITO, COMO FICARIA A QUESTÃO DOS OBSESSORES? AS COISAS NÃO SÃO ASSIM… NÓS TEMOS MUITOS TIPOS DE VÍCIOS, NUNCA DEVEMOS RADICALIZAR… TEMOS QUE PENSAR SOBRE AS QUESTÕES E REFLETIR… É O QUE EU FAÇO. ÀS VEZES ME PARECE QUE VOCÊ TEM UM PRECONCEITO MEIO ARCAICO. A MACONHA É DE DEUS, NÃO É DO DIABO… DA MESMA FORMA QUE A CEVADA, A UVA QUE FAZ O VINHO ETC. AS PROPRIEDADES QUÍMICAS DA MACONHA FOI DEUS QUEM CRIOU… VAMOS FALAR SOBRE ESSAS COISAS SEM PRECONCEITO TOLO, PRECONCEITO SEM LÓGICA.

    SOMENTE SENDO UM ESPÍRITO COMPLETAMENTE PURO PARA NÃO TER OBSESSORES POR PERTO… CHICO XAVIER DIZIA QUE TINHA UMA LEGIÃO DE 600 OBSESSORES QUE NUNCA LHE DERAM UM REFRESCO… NO CASO DELE, CLARO QUE ERA UMA OBSESSÃO PARA TENTAR ATRAPALHAR A SUA MISSÃO AQUI NA TERRA, NÃO SEI SE TINHA DESAFETOS DO PASSADO. ALLAN KARDEC, O CODIFICADOR DA DOUTRINA ESPÍRITA, SEMPRE INCENTIVOU A BUSCAR NOVOS CONHECIMENTOS, NÃO ACEITAR AS VERDADES SEM PESQUISAR, COMPARAR, REFLETIR E CHEGAR A UMA CONCLUSÃO.

    TAMBÉM SEMPRE DISSE QUE NOVOS APRENDIZADOS VIRIAM, QUE NUNCA PODEMOS NOS ACOMODAR COM O QUE JÁ SABEMOS, QUE TEMOS SEMPRE QUE ESTAR APRENDENDO, ESTUDANDO.

    QUE A DOUTRINA ESPÍRITA É A FÉ RACIOCINADA!!!

  56. Nos comentários dos leitores há dicas de livros postados pela leitora Erika, que conviveu com alguém viciado.
    A informação e as experiências alheias são importantes, mas quem terá que se livrar do vício é você mesmo. Compreendo a dificuldade de se abandonar um vício, mas temos que reconhecer que dizermos que não temos forças é um comodismo que não condiz com a realidade. Temos forças. Somos filhos de Deus. Você faz uso constante há uns três meses e se acha sem forças. Olhe para o futuro, perceba a decadência e degradação moral que esperam todo drogado e veja se realmente não tem forças.
    Força você tem. Você precisa querer de verdade, precisa de Vontade e coragem para enfrentar os primeiros dias. Só isso. Peça atendimento num centro espírita e faça a sua parte. Você viverá dias difíceis que parecerão sem sentido e insuportáveis. Mas você sabe que tudo passa e que o tempo resolve essas questões. Ajude-se. Você pode.

  57. Morel, boa noite, em primeiro lugar, parabéns pelo site e pelo modo simples e objetivo que você trata os assuntos aqui abordados… das pesquisas que já busquei na internet, foi aqui que mais encontrei respostas que acalantassem meu coração! Mais uma vez, parabéns pela iniciativa!
    Morel, sou espírita de nascença, mas há um bom tempo só vou vez ou outra no centro espírita. Me encontro na condição de viciado em cocaína, tenho feito uso desde setembro e já estamos quase no final de dezembro, conheço a droga desde 2009, mas nunca fiz uso constante… e me achava forte e que nunca me viciaria, mas a verdade é que hoje eu não consigo ficar mais do que dois dias sem a cocaína. Sei como os espíritos se atraem pela faixa vibratória… e sei também que eles se utilizam de nós para conseguir o que querem.
    Não quero mais viver essa vida, minha esposa, já me pegou usando e eu jurei que iria parar, mas não parei. Ela está grávida do nosso primeiro filho e não quero ser esse tipo de marido, pai, pessoa. Gostaria de uma ajuda, um auxílio, pois eu estou sem forças para sair dessa. Por favor, se puder manter meu nome em sigilo, agradeceria. Me dê dicas de leitura sobre o assunto, sei lá, tente me ajudar!

  58. Luciana, compreendo a sua aflição, mas pouco podemos fazer por quem não quer se ajudar. Ore por ele, e, se estiver disposta a permanecer com ela, se esforce para ser compreensiva. Quem deve se ajudar é ele mesmo. Há um comentário mais abaixo, da leitora Erika, com dicas de livros sobre o tema. Talvez se você ler poderá ajudá-lo mais, além de deixar os livros onde ele possa acessá-los. Num momento de lucidez ele poderá se interessar e ler.
    Fique com Deus.

  59. Olá, sou casada há oito anos e temos uma filha de cinco anos. Meu esposo sempre bebeu demais e isso sempre foi motivo para brigas em casa. Ele sempre promete que vai parar e eu acredito e perdoo, mas acontece tudo de novo.
    De uns meses pra cá descobri que ele está usando cocaína, mas ele nega até a morte. Já encontrei a droga no carro dele, na carteira e até no banheiro de casa. Mas ele continua mentindo e dizendo que eu estou louca.
    Já conversei com o pai dele e disse o que está acontecendo, mas ele também não tomou nenhuma atitude. Já pedi pra ele procurar ajuda e ele diz que não precisa.
    Não aguento mais esta situação, ele é médium já desenvolvido mas simplesmente abandonou a espiritualidade e se nega a voltar. O que faço?

  60. Elaine, leia os comentários anteriores e minhas respostas a eles. Aprenda com as experiências dos outros.
    Você diz que sente que é algo espiritual. Pode ser, mas não há influência espiritual se não houver a receptividade por parte da pessoa influenciada. Quem pode e deve se controlar é a pessoa encarnada. Eles devem se conscientizar de que não podem beber. Procure esclarecê-los sobre o quanto eles se transformam quando bebem. Busque ajuda num centro espírita, ore por eles. Mas saiba que, para que eles sejam ajudados, é preciso que eles queiram se ajudar.

  61. Boa noite Morel… estou passando por um problema dentro de casa, meu marido bebe somente finais de semana e com moderação, mas a partir da primeira cerveja ele já se transforma, fica rústico, bravo e já começa querer sair de casa para lugares estranhos, fica agressivo e pior fala de coisas do seu passado nosso é horrível! Ele muda até de fisionomia. Pior que de um tempo para cá meu filho também começou a ficar com o mesmo comportamento do pai, eles revezam, se não é um é outro. Eu sinto que é algo espiritual mas não sei como lidar com essa horrível situação. Dias normais pai e filho são ótimas pessoas, não perdem um dia de serviço e parecem ser outras pessoas… estou muito infeliz com tudo isso porque tenho um filho pequeno que vê tudo…

  62. Willian, não podemos terceirizar a nossa responsabilidade. Somos dotados, cada um de nós, do poder de escolha e do poder da Vontade para darmos o rumo que quisermos aos nossos pensamentos, palavras e ações.
    Expressões como “isso domina a minha vida” e “não consigo me livrar disso” são determinações suas. A sua vida é sua, nada nem ninguém tem poder sobre ela. Quem tem domínio sobre a sua vida é você, e quem decide sobre o que você consegue ou não se livrar também é você.
    É possível, até provável, que você esteja sofrendo alguma influência espiritual, mas esta influência também é determinada por você, pois atraímos as influências que sintonizam os os nossos gostos e tendências.
    Procure ajuda num centro espírita. Se você estiver disposto a se ajudar, será eficaz.

  63. Boa noite,
    Achei o site por acaso.
    Minha história é delicada porque sempre fui atraído por vícios, sempre me seduz mulheres que possuem algum tipo de compulsão ou vício… Fumar, beber etc. Não sei mais o que faço porque isso domina minha vida… fico horas procurando na internet relatos de viciadas porque isso me atrai muito… li alguns relatos e vejo que devo ter uma obsessão… porque não consigo me livrar disso… fumo cigarro por querer sentir o vício delas… já experimentei algumas coisas… não sei mais o que faço.

  64. Gisele, é importante esclarecer que esses sintomas do álcool se devem, em primeiro lugar, à própria pessoa que bebe. Como espírito encarnado que ela é, o efeito do álcool faz vir à tona elementos dela mesma, características suas que estão arquivadas em seu subconsciente. O que os espíritos “obsessores” fazem é potencializar esse estado, propositadamente ou não.
    Quanto ao seu medo, ele não é racional. Não há o que temer, até porque, acreditando ou não nessas coisas, elas não deixam de existir. Compreendo o seu medo. Tememos o desconhecido. Por isso a importância do esclarecimento. Quando tudo passa a fazer sentido, nos sentimos mais fortalecidos.

  65. Morel,
    Sempre achei estranho o comportamento de algumas pessoas depois do uso de bebidas alcoólicas. Não são todas. Uma pessoa muito querida pra mim sempre fica muito agressivo qdo bebe. Parece realmente outra pessoa. Olhos vidrados, comportamento agressivo, mau e amnésia alcoólica no dia seguinte. Sempre me questionei sobre a possibilidade de encarnar um espírito ao beber, mas nunca pesquisei a respeito por achar uma coisa muito improvável. Claro, o que deve ocorrer não é uma ‘encarnação’ mas uma aproximação de algum espírito. Não sou espírita, mas acredito no espiritismo porque sou muito sensível. Nunca me sinto só. Percebo coisas que muitos não percebem. Talvez a maioria. Prevejo o futuro e sonho coisas que acontecem. Tenho muito medo disso tudo.

  66. Lauro, o álcool, como outras drogas, facilita uma parcial “separação” entre os corpos físico e astral, além de favorecer o descontrole sobre os próprios pensamentos. Mas cada um deve observar-se a si mesmo.

  67. Morel, gostei muito do texto e me fez refletir bastante.

    Não sou uma pessoa que bebe com frequência, porém gosto de cervejas artesanais, pelas diferenças de sabor, cheiro, etc. Bebo às vezes, mas não para ficar bêbado ou “dócil” pelo álcool, e sim para experimentar os diferentes tipos.

    Sei que mesmo assim posso sofrer algum tipo de influência, porém não seria assim com qualquer outra coisa? Vi em uma das suas respostas que até vício de comida pode se tornar uma porta… portanto gostaria de saber se podemos continuar com “hábitos” assim, desde que saibamos moderar e impor limites que não nos façam nos tornar dependentes nem prejudiquemos nosso corpo, além de, é claro, sempre estar sintonizado com boas vibrações e cultivando o hábito da oração.

    Um abraço!

  68. Joca, quem bebe rotineiramente não bebe sozinho. Na expressão de Ramatis, são “canecos vivos”, bebem por si mesmos e influenciados por outras vontades. Os espíritos viciados em álcool fazem questão de preservar o bebedor através do qual eles podem experimentar as sensações a que se apegaram excessivamente. Quando percebem que estão perdendo a “parceria”, se revoltam.
    Para entender melhor a influência exercida pelos desencarnados sobre os encarnados na questão do álcool, sugiro a leitura do capítulo 3 do livro Fisiologia da Alma, de Ramatis, “O vício do álcool e suas consequências”. Para ver como isso se aplica na prática, sugiro o livro Sexo e Destino, de André Luiz. Ambos estão disponíveis na internet.
    Procure um centro espírita, peça atendimento e siga as orientações. Sua ideia de vender seu estoque de vinho considero acertada.

  69. Desde que parei de beber ando vendo muitos vultos em casa (minha esposa também), mas depois que decidi esvaziar algumas garrafas e jogar pelo ralo da pia minha vida e da minha família está um inferno. Coincidência?
    Ainda temos umas 200 garrafas de vinho e 40 de champagne em casa, estamos pensando em vender e usar o dinheiro para as contas da casa.
    Gostaria de algumas considerações a respeito.

  70. Oi Felipe, muito bom o seu texto, queria deixar só um comentário sobre o álcool estar prestes a ser banido da sociedade. Eu moro na Nova Zelândia e aqui eles estão em guerra com o álcool, as pessoas não podem beber nas ruas, praias e outro locais públicos, além disso uma latinha de cerveja está custando quase R$ 16,00 (NZ$ 8.5), pela pesada taxa tributária sobre isso, eles fizeram o mesmo com o cigarro, que um maço está custado NZ$ 22 (R$ 40,00).

    Acredito que seja um caminho natural, eu bebi por muitos anos e não condeno quem o faz, porém quando parei para refletir que o álcool me colocou em situações perigosas por muitas vezes e além disso me separava das coisas que eu gostava de fazer porque não tinha ânimo para acordar cedo e ir ler um livro ou andar de bike depois de uma noite de bebedeira.

    Agora tenho um motivo maior para me manter afastado que são os conhecimentos espíritas de como contribuímos quando bebemos para irmãos desercanados se destruírem junto conosco.

    Um abraço.

  71. Carlos, se você reler o artigo talvez perceba que falo mais do álcool do que da maconha. Particularmente, considero o álcool mais nocivo do que a maconha. Deixo claro meu posicionamento sobre o álcool em respostas aos leitores.
    Não acompanho a grande mídia, Carlos. Não me utilizo de dados apressados dos meios de comunicação de massa. Não vou citar fontes para você, pois não é minha intenção fazer um compêndio sobre efeitos das drogas. O interesse pelas informações é seu. “Despersonalização” e “perda da vontade” são expressões habituais em psiquiatria em se tratando do uso de drogas. O Google está aí, à sua disposição, para consultar. Boa pesquisa!

    É verdade que cada droga causa efeitos diferentes em pessoas diferentes. Mas alguns sintomas são comuns a todos, em maior ou menor tempo de uso. Você diz ter feito “uso medicinal” – eu entendi assim – e é sabido que a maconha possui qualidades medicinais. O álcool também. Cocaína já foi vendida em farmácia, no Brasil. Mas todas essas substâncias viciam. E só não leva a sério os danos provocados pelo vício quem não conhece viciados.

    Vivemos em permanente intercâmbio de ideias, pensamentos e sentimentos com espíritos desencarnados. Essa influência se torna mais fluente com o uso de drogas. Nos tornamos mais acessíveis, mais indefesos, pois o nosso controle sobre os próprios pensamentos é menor. Repito: O fato de uma substância apresentar efeitos benéficos se usada ocasionalmente para fins específicos não tira dela o potencial viciante.

    As datas estipuladas por você para a descoberta de álcool e maconha são controversas. Uma das primeiras coisas que se aprende em História é que as datas são passíveis de discussão. De qualquer modo, isso é irrelevante. Quando você diz “negros escravos de maioria Umbanda” acredito que esteja querendo dizer “de maioria “banto” ou “bantu”. Umbanda é outra coisa. Mas é verdade que a maconha veio para o Brasil com os escravos, e o seu uso era bem aceito pelos senhores de escravos justamente pelo estado de apatia e docilidade que a droga provocava nos escravos, diminuindo o índice de fugas e rebeldia.

    Carlos, antes de fazer uma crítica convém reler o texto, buscar subsídios – como os comentários dos leitores e as respostas aos mesmos – e embasar a crítica com dados concretos:

    Você diz: “gostaria muito de saber o porque o uso de uma droga que causa agressividade e morte de milhões por ano pode ser mais aceitável do que o uso da cannabis”

    – Onde você leu isso? Como você chegou a essa interpretação?

    Você diz: “gostaria mais ainda se suas respostas não forem baseadas no preconceito e falta de conhecimento.”

    – Por que você acha que eu tenho preconceito contra a maconha? Você sabe o que é preconceito? Há que diferenciar preconceito e conceito. Conceitos, sim, eu tenho. Bem formulados e embasados. Repito: O Google pode ajudá-lo. Quanto à falta de conhecimento, se um dia for demonstrado que algum dado publicado por mim não condiz com a verdade, retificarei com destaque.

  72. Muito obrigada, ele decidiu parar de beber! E vamos procurar tratamento em um centro espirita!!!!!! !Muito obrigada, é um lindo trabalho o seu tirar um tempo do seu dia pra dar uma palavra de conforto ao próximo. Muita luz pra você.

  73. Boa Noite Morel, achei seu artigo muito interessante porém não concordei totalmente com algumas partes e gostaria de uma resposta de alguém com mais conhecimento espírita, pois sou leigo no assunto:

    “Mesmo drogas consideradas leves, como a maconha, provocam a despersonalização e a perda da vontade…”

    Despersonalização? Não sei de onde você tirou isso, acho que você precisa ler mais sobre os efeitos da maconha (Que seja um lugar confiável, manipulaGlobo.com não conta rs). Essa tal perda de vontade (preguiça) é algo temporário após uso, mas isso varia de pessoa para pessoa e também varia dependendo da espécie da planta, pessoalmente com a cannabis sativa que já utilizei não sentia preguiça, na verdade me sentia mais vivo e com mais energia. Quando tenho insônia também me ajuda a dormir.

    “…tornando seu usuário apático e dócil companheiro de espíritos infelizes.”

    Dizer isso é o mesmo que dizer que o álcool torna a pessoa agressiva e eufórica… Faz sentido dizer que o efeito temporário de uma droga permanece permanentemente na pessoa? Apático? que criatividade você tem para inventar efeitos rsrs Se você quis dizer “dócil” como sereno e pacífico, aí sim eu concordo, porém tudo isso é temporário, não muda a personalidade. Essa erva medicinal já me ajudou em uma depressão que tive, me possibilitando dar risadas e ficar mais feliz quando o que eu queria era só morrer. Sobre esses espíritos infelizes não compreendi, como pode espíritos de infelicidade me ajudaram a sair de uma depressão?

    “O uso moderado do álcool, aceito pela sociedade e recomendado por alguns médicos (provavelmente os que gostam de beber)…”

    Se for por motivo de saúde já existem inúmeras pesquisas que comprovam que o álcool é mais agressivo ao organismo do que a maconha, não só o álcool como também o açúcar, o sal, algumas gorduras e até mesmo o café. Até hoje não foi comprovado nenhum caso de morte por maconha.

    “… mas é fato que o uso do álcool acompanha o espírito há inúmeras reencarnações, pois o homem utiliza o álcool (ou é utilizado por ele) desde a pré-história. Um hábito de tanto tempo só pode ser considerado um vício.”

    Concordo, e de fato a cannabis também acompanha o espírito a inúmeras reencarnações, antes mesmo do álcool. 2700 A.C. foi descoberta a cannabis na China, já o álcool 500 A.C. é descoberto como vinho na Grécia. Segundo documento oficial do governo brasileiro a cannabis chegou no Brasil em 1549, pelos negros escravos de maioria Umbanda que utilizava a droga para auxiliar no processo do transe dos médiuns e também de maneira recreativa. Esta utilização vinha do fato de que, na África, diversos povos dela se utilizavam em contextos rituais. Até hoje se utiliza a cannabis em alguns terreiros do Brasil, a cannabis sempre fez parte da cultura Umbanda e não é uma criminalização que vai apagar esse passado.

    Sem querer ofender amigo mas achei esses comentários muito hipócritas, com falta de conhecimento e preconceituosos. Gostaria muito que você mostrasse o seu ponto de vista diante as minhas respostas, gostaria muito de saber o porque o uso de uma droga que causa agressividade e morte de milhões por ano pode ser mais aceitável do que o uso da cannabis e gostaria mais ainda se suas respostas não forem baseadas no preconceito e falta de conhecimento. De maneira alguma interprete meu comentário como uma crítica ofensiva, esse é só o meu ponto de vista. Abraço.

  74. Ana, qualquer espírito só pode nos influenciar se encontrar receptividade em nós. Nenhum espírito pode fazer uma pessoa que não gosta de beber começar a beber. Só o que os espíritos chamados obsessores podem fazer é potencializar o desejo, implantar nele o desejo de beber mais, influenciá-lo com maus pensamentos. Mas a causa é ele, não é nenhum espírito. É ele que deve ser tratado.
    Você deve expor com cuidado a ele tudo o que ele faz. Ele deve se conscientizar de que precisa de ajuda. Ele é fraco para o álcool, e pessoas assim não podem beber nunca. Se ele não se ajudar, você pouco pode fazer. Comecem a frequentar um centro espírita ou uma igreja. Você não pode admitir as agressões dele. É provável que ele não se lembre das coisas que faz, então você precisa agir duramente, ou ele vai pensar que não é tão sério.
    Você deve saber que se ele não parar de beber isso irá piorar cada vez mais. Ele deve tomar uma atitude. Você pode ajudá-lo conscientizando-o, apoiando-o para que ele procure ajuda e orando por ele.
    Se ele fizer um tratamento num centro espírita qualquer influência espiritual que ele tenha poderá ser afastada, mas se ele não tiver vontade de parar nada irá adiantar. Cada um decide sobre a sua vida. Ele deve ser forte o suficiente para decidir que não quer isso para ele. E você deve decidir sobre a sua vida. Não aceite para a sua vida o que você não quer. Seja compreensiva, mas não deixe que se forme uma situação que depois você não poderá suportar.

  75. Morel, por favor me ajude! Meu relacionamento está em crise, toda vez que meu noivo bebe fica muito estranho, dançando abrindo os braços e mexendo muito as mãos, muitas vezes até fico envergonhada, as pessoas só acham engraçado, ele não fuma durante a semana, mas quando bebe fica louco querendo fumar muitas vezes, fuma uma carteira ou mais durante as bebedeiras, quando chega em casa tem um sono muito pesado, já chegou até a fazer xixi na cama, pois não acorda, tento acordá-lo pra ir no banheiro e já fui agredida, ele me bateu no rosto, tudo isso dormindo e isso está se tornando frequente, coisa que não acontecia antes! Por favor me ajude, ele pode estar com algum espírito obsessor? O que posso fazer pra ajudar?

  76. Rosilda, não busque soluções fáceis, isso não existe. Se quer realmente ajuda, informe-se, se esclareça sobre os meios de ajudá-lo. Converse com ele, seja compreensiva, procure um centro espírita, peça atendimento e siga as instruções. Nada irá se resolver se ele não se ajudar.
    Leia os comentários anteriores. Há situações semelhantes à sua e até um link para pedir atendimento à distância.

  77. Preta, assim como há pessoas que percebem aspectos positivos no álcool, você pode perceber aspectos positivos na maconha. Aliás, qualquer pessoa que se permita pensar por si mesma pode concluir que a maconha é menos prejudicial do que o álcool. A violência doméstica, as brigas de trânsito, nos estádios de futebol, os acidentes de automóvel ou de serviço, as doenças degenerativas, são todoas causadas pelo álcool, não pela maconha. Tanto um como o outro apresentam pontos positivos, e poderiam ser utilizados como medicamentos. Qual a diferença entre um remédio tarja preta e a maconha? É provável que o remédio seja mais prejudicial que o uso da maconha.
    O problema é que essas substâncias são viciantes. A cocaína, 50 ou 60 anos atrás era vendida em farmácias, como medicamento. O ópio e a morfina também já foram vendidos em farmácias. Mas tudo isso vicia, e não saberemos distinguir onde termina o uso terapêutico e onde começa a dependência. Acredito que num primeiro momento a maconha possa beneficiar algumas pessoas. Assim como o álcool torna alguém bem-humorado e comunicativo. Mas a possibilidade de viciar é grande, e o vício degrada a personalidade. Não podemos depender do uso de determinadas substâncias para desenvolvermos aspectos positivos da personalidade.
    Além disso, como o tempo de uso os efeitos diminuem, exigindo doses maiores, atrapalhando a atenção, ocasionando o afastamento do convívio com pessoas que não usam essas substâncias, promovendo a falta de concentração e o consequente descontrole sobre os pensamentos. Neste estágio atraímos espíritos desencarnados que usam essas substâncias através de nós, e passamos a sofrer a sua influência.
    Não se assuste com isso. Sempre sofremos alguma influência. Até a alimentação em excesso atrai espíritos viciados em comida. Há coisas muito mais graves que fumar maconha. Ter ódio ou ser viciado em pornografia é mais prejudicial a si mesmo e ao próximo de que fumar maconha. Mas não podemos nos iludir pensando que a droga é inofensiva. Com o tempo ela mostra os seus resultados negativos.
    Fique com Deus.

  78. Morel preciso de ajuda. pois meu companheiro há 3 anos bebe demais e por isso brigamos muito e quando ele dorme ele roça as pernas dele uma na outra como se estivesse se coçando o que me incomoda demais e ele fala durante o sono, ri e tudo mais. não aguento mais essa bebedeira dele e nem as brigas. A família dele diz que ele tem encostos. Me ajude, por favor.

  79. Olá, gosto muito de seus textos. De um tempo pra cá estou fazendo uso da maconha e notei uma significativa melhora nos meus pensamentos. Antes eu era pessimista e muito controladora. Passei a ser mais tranquila e dócil. E quando fumo sempre tenho pensamentos positivos de amor e paz e vejo isso transformando a minha realidade. Não vim aqui fazer apologia à maconha. Vim para buscar informação a respeito das coisas que tem mudado pra melhor desde que comecei a pensar diferente com a ajuda da maconha. Desde já agradeço pela atenção. Obrigada.

  80. Sandro, isso é muito comum. Quando dormimos nos desligamos parcialmente da matéria e vamos em busca do que realmente queremos, do que realmente nos atrai. Fazemos coisas que não faríamos durante o estado de vigília. Nossos níveis de consciência são diferentes quando estamos fora do corpo físico, e as regras que aqui fazem sentido lá não têm muito valor. A maior parte das pessoas corre atrás de sexo e da satisfação dos seus vícios, vinganças e preocupações materiais. Muitos já têm companheiros desencarnados que os esperam na hora do sono. Tão logo adormecem, já estão em companhia dos seus afins.
    Persista em sua decisão. Sua decisão de parar de fumar é motivada pelo seu raciocínio, mas inconscientemente você gostaria de continuar fumando. É preciso um tempo maior para que você interiorize esta sua atitude de não ter este vício. Chegará um momento, talvez logo, em que em seus “sonhos” – que são atividade – você também resistirá.

  81. Olá Morel, tudo bom?
    Seguinte, sou um ex-fumante, estou há quase 11 meses sem tragar um cigarro e parei do dia para noite sem ajuda medicinal nenhuma, há quem diga que eu fumava de sem-vergonha rssss.
    Mas como um ex-fumante, sobro da abstinência e nos momentos de estresse me bate uma vontade de comprar um maço ou pedir a um amigo, mas graças a Deus consigo resistir.
    O motivo de eu lhe escrever é entender do por que eu sonho que fumo e quando acordo passo o dia com a sensação de ter fumado.
    Será que em meus sonhos vou atrás de quem fuma para satisfazer a minha vontade? Isso é possível?

  82. Sergio, a sua mãe está sendo influenciada negativamente por espíritos. Não podemos simplesmente culpar os espíritos, pois eles só se aproximam e influenciam quem dá essa abertura para eles. Se ela não bebesse, por exemplo, eles não teriam esse aceso tão fácil a ela. Ela deve fazer um tratamento espiritual num centro espírita e parar de beber totalmente. Vocês terão que convencê-la disso, da necessidade de não beber mais, pelos riscos que isso representa. Orem muito por ela. Se ela não aceitar ir ao centro espírita você poderá ir e pedir que façam atendimento à distância. Mas quem deve realmente se ajudar é ela. Sem a colaboração dela qualquer ajuda de fora é difícil.

  83. Amanda, já ouvi uma discussão entre dois médicos a este respeito. Um defendia os benefícios do vinho e o outro alegava que isso não é comprovado e que o álcool pode causar dependência. Particularmente acho que, como não sabemos quem tem tendência a desenvolver o vício e quem não tem, o álcool deve ser evitado. As opiniões a respeito da eficácia do vinho nestes casos é controversa, e os riscos de desenvolver dependência química são consideráveis.

  84. Por favor alguém me ajude, tipo toda vez que minha mãe bebe ela sempre se comporta diferente. Ela fica imitando uma voz de uma criança… e sempre dizendo que a mãe dela está chamando ela. E ela não conhece ninguém nem eu que sou filho dela nem minha irmã, ninguém. Sendo que a mãe dela faleceu em 2002, e ela sempre diz que a mãe dela está chamando. Só que desta última vez ela ficou totalmente “transtornada”, dizendo que ia matar todo mundo aqui em casa, que ia tocar fogo em tudo. E sempre falando com uma voz bem grossa tipo a da mulher do exorcista. Passei meia hora segurando ela com minha irmã e ela querendo sair me quingando, xingando minha irmã. Não sei o que faço, alguém me ajude por favor.
    Urgente…

  85. Boa tarde, primeiramente quero dizer que adoro visitar seu site todos os dias! Sempre tiro muitas dúvidas sobre o espiritismo e tento colocar em prática…
    Gostaria de lhe perguntar se a pessoa fica vulnerável para os espíritos desencarnados se tomar meio copo de vinho tinto pois dizem que é benéfico para o coração e colesterol alto… meu marido descobriu que está com colesterol alto e pressão sanguínea alta, por isso ele começou a tomar meio copo de vinho tinto todas as noites… tenho medo se isso vira um vício, pois já tive muitas turbulências na minha infância devido ao álcool, e tenho medo que isso ocorra no futuro… Muito obrigado desde já, aguardo respostas.

  86. Angel, essa é uma questão pessoal, de foro íntimo. Cada um deve decidir de acordo com a sua consciência, levando em conta as suas necessidades.

  87. Angelo, sobre sonhos sugiro a leitura deste artigo e dos seus comentários: http://www.espiritoimortal.com.br/o-que-sao-os-sonhos/
    O tema também é tratado no Livro dos Espíritos, de Allan Kardec; Mediunidade, de Edgard Armond; e Estudando a Mediunidade, de Martins Peralva.
    O fato de usar drogas semanalmente deve ser um condicionamento mental. Nós nos educamos, por exemplo, aos horários das refeições e à quantidade de alimento; à pratica de esportes em determinados dias; à frequência do ato sexual. Temos que levar em conta, também, as possíveis “parcerias” espirituais que potencializam o nosso desejo nos dias estabelecidos.

  88. Obrigado pela resposta, e a respeito dos sonhos que tenho e acontecem, desde fatos relevantes a irrelevantes, ontem por exemplo, sonhei que encontrava um cinto de segurar calça que não via há tempos, quando acordei sem procurar achei, sonhei por exemplo com uma cidade, e com muitos detalhes e quando fui nessa cidade, era meu irmão que foi preso lá, inclusive a cidade de Chico Xavier, Uberaba, reconheci na hora. Quanto às drogas só faço em casa e com meus filhos aqui, isso não está certo, né? O que me encuca também é que só penso em droga na sexta ou no sábado, os dias que não tenho muito o que fazer, será que tenho alguma força espiritual em mim que me protege?

  89. Angelo, o poder mental realmente pode formar um barreira energética protetora em torno da pessoa. É provável que todas os povos antigos utilizassem alguma substância psicoativa em suas manifestações religiosas ou de intercâmbio espiritual. Isso demonstra que o poder mental impede que o usuário se deixe dominar pelo vício. Mas o uso de drogas torna a pessoa mais vulnerável espiritualmente, e, mesmo que você não se preocupe com o que isso possa representar para você, isso pode ser prejudicial para os espíritos que são atraídos por você. Do mesmo modo que só há tráfico de drogas (e a violência proporcionada pelo tráfico) por que há consumidores, assim também podemos afirmar que os espíritos viciados só são atraídos para os usuários por que estes usam droga.
    Uma mente forte predomina sobre uma mente fraca, sempre. Se você não se deixa dominar por estímulos de espíritos desencarnados, é possível que você exerça algum domínio inconsciente sobre eles. No final das contas, você é corresponsável pela manutenção do vício dos espíritos desencarnados que se sentem atraídos por você.
    Fora isso, a influência espiritual é muito sutil, e seus efeitos quase sempre só são notados quando seus resultados já são visíveis.
    Entendo que o uso de qualquer droga tem efeitos diferentes em diferentes pessoas. É possível que você não esteja sendo prejudicado. Mas você só saberia o que é viver livre de drogas se se dispusesse a experimentar.

  90. Renata, é preciso deixar claro que não somos mais evoluídos espiritualmente apenas por nos mostrarmos um pouco esclarecidos. Nossa evolução acontece em várias áreas, e o conhecimento é apenas uma delas.
    Você descreve esta pessoa como desapegada, mas não parece ser o caso. Alguém desapegado da matéria não busca a satisfação dos prazeres de maneira irresponsável. E qualquer vício, ainda mais quando envolve outras pessoas, como é o caso da prostituição, é uma atitude irresponsável.
    Não podemos mudar quem não quer ser mudado. Talvez ele pense que não prejudica ninguém com os seus vícios. Mas este é um engano egoístico e racionalmente frágil.
    O envolvimento com prostituição é sempre prejudicial. Mesmo que a pessoa que se prostitui faça isso deliberadamente, como profissão, ela sofre por sua condição e carrega consigo influências espirituais vampirizantes. Quem se envolve com o sexo pago está absorvendo parte da energia negativa de quem se prostitui, além de se tornar alvo fácil de espíritos vampirizadores que desencarnaram na condição de viciados em sexo e que sugam as energias sexuais dos encarnados para continuar sentindo algum prazer.
    Os outros vícios, como o do álcool, potencializam o poder de influência de espíritos atrasados. Quem vive em meio ao vício, principalmente se ainda não sofre consequências materiais, físicas, por conta do seu vício, pensa apenas no seu prazer. Coloca o seu prazer, a sua emoção acima de tudo. Infelizmente, quase sempre esperam que as consequências do seu destempero venham à tona para só então refletir acerca da irresponsabilidade dos seus atos.
    Mas cada um é livre para julgar por si mesmo.
    Sugiro que frequentem um centro espírita e que reflitam sobre as palavras de Jesus à mulher adúltera: “Vá e não peques mais”. É fácil abandonar os vícios quando se quer de verdade. Mas é preciso ter consciência de que os vícios devem ser abandonados para sempre; não há meio-termo. Jesus não disse “vá e peque menos”, disse para não voltar a pecar.
    Fiquem com Deus.

  91. Olá, vi parar aqui quase que sem querer, vou por etapas para entender e me entenderem.
    Minha esposa com a qual sou casado, pai de 4 filhos, perdeu nessa semana seu irmão por causa de dívida com o trafico de drogas. Detalhe: ele tinha família e não precisava ficar devendo.
    Me causou muito impacto porque não estou muito acostumado com a morte, não acontece perto de mim com frequência, mas o que me chocou é que eu também faço uso de drogas desde os meus 17 anos, e hoje tenho quase 29. Ao contrário do meu cunhado eu sempre evoluí pelo menos materialmente na vida e um pouco na minha vida espiritual, uma vez que além de drogas eu vivia uma vida de putaria (não achei palavra melhor), depois que tive filho nunca mais traí minha mulher. Sempre tive autocontrole, mas isso mexeu comigo, por isso resolvi buscar a verdade, uma vez que acho que a droga não me atrapalha.
    Uso cocaína sempre às sextas-feiras ou nos sábados, raramente uso em outros dias ou em dois dias seguidos. Não gosto mais de maconha porque me faz pensar só em conta e coisas que tenho que fazer rsrs, chega a ser engraçado. Bebo bastante quando cheiro.
    As coisas que mais me deixam perplexo é que quando apenas bebo eu me torno violento e sem paciência, e quando uso cocaína fico extremamente amável, todos que sabem que eu faço isso dizem a mesma coisa, como você disse tudo é droga, mas pra mim o álcool e a maconha me causam mais mal-estar que a cocaína.
    Outro detalhe importante: não tenho religião, mas leio livros espíritas, evangélicos e filosóficos e tenho formação católica. Leio pelo simples prazer de ter uma visão ampla das coisas.
    Me encanta mais o espiritismo, pois tive algumas coisas esquisitas que me aconteceram, como por exemplo nessa morte do meu cunhado, eu sonhei com 1 semana de antecendência ou mais o que aconteceu, e o mesmo aconteceu por 2 vezes com pessoas próximas a mim que morreram. Logo imagino que tenho um pé lá e outro pé cá rs. A coisa que mais me preocupa é que eu penso que sou um suicida porque uso com certa regularidade droga, coisa que não sou. Quanto às más companhias espirituais eu não me importo tanto porque tenho a convicção que sou muito forte espiritualmente e repito isso pra mim diariamente e sou uma pessoa boa. Resumindo, busco explicações pra essas coisas que coloquei em evidência. Outro detalhe: às vezes nem durmo porque a cocaína não nos deixa dormir, e quando faço na sexta ainda vou jogar bola no outro dia pela manhã, não importando o tanto que droga ou bebida tenha ingerido, por causa da minha convicção de que se eu posso usar a droga eu posso fazer tudo que eu quero também. Abraços!

  92. Meu caro irmão,
    Eu aqui escrevendo as 04:04 da manhã acordada e pensando o que irei escrever para implorar ajuda para um ser mais evoluído espiritualmente, então resolvi escrever o que se passa de fato.
    Tenho 43 anos fui casada 20 anos e tenho uma filha de 20 com uma vida razoavelmente equilibrada. Estou separada há 9 anos e nestes noves anos sempre me senti muito só, e meu desejo sempre foi buscar um homem como companhia. Há 2 anos e meio conheci um homem que tem 38 anos que mora em outro Estado, neste período sempre tivemos diálogos muito abertos, acreditava que o conhecia muito bem, porém agora venho a saber de fato que este homem tem muitos vícios tais como álcool, jogos patológicos, drogas e sexo com prostitutas e homossexuais (travesti). Quem ler este relato vai pensar este homem é uma bomba, pois digo, meu irmão, ele não é. É uma pessoa boa de coração, gosta e lê muito sobre o espiritismo, trabalhador, responsável e muito carinhosa e amiga, um super pai, pois tem um filho de 10 anos, não é mesquinho e o que é dele passa a ser de todo mundo, uma pessoa totalmente desapegada a tudo. Já tentei tudo que eu podia, ele não admite muito conselhos pois pensa que estou querendo escravizá-lo como meus desejos e minhas opiniões.
    Como ele acredita e tem muita fé no espiritualismo venho aqui por meio desta rogar ao Sr. um conselho, uma ajuda, até mesmo um relato visionado na espiritualidade. Qualquer mensagem sua será vista por ele e tenho a fé que ele lendo o que se escreveu como resposta, com certeza ele verá com outros olhos. DESDE JÁ AGRADEÇO, E ROGO A DEUS PARA LHE DAR FORÇA PARA CONTINUAR ESTE TRABALHO SURPREENDENTE…

  93. Patricia, não podemos mudar as pessoas. Só elas mesmas podem se modificar. O que podemos e devemos fazer é estar à sua disposição para quando elas quiserem ajuda. Você pode orar por ele, pedir atendimento espiritual à distância, compreender a sua fraqueza e esperar…
    É importante não desistir. Em algum momento em que ele estiver receptivo suas orações e o amparo dos trabalhadores espirituais encontrarão eco em sua consciência e ele perceberá a necessidade de mudança.

  94. Morel, gostaria de saber de que maneira, espiritualmente falando, poderia ajudar meu pai, que bebe muito, mas não admite de maneira alguma qualquer ajuda, existe uma forma de poder ajudá-lo espiritualmente?

  95. Gostaria de informações sobre como ajudar uma pessoa (meu irmão) que é alcoólatra e não consegue parar, não posso perder as esperanças mas está bem difícil, principalmente para a esposa dele e os filhos pequenos. Preciso de ajuda, por favor.

  96. Alex, em relação a espíritos viciados nestas substâncias, sim. Lembro apenas que atraímos os espíritos, sempre, por afinidade; e isso pode se dar por qualquer tipo de pensamento ou atitudes costumeiras.

  97. Incrível como são semelhantes os relatos a respeito do comportamento de quem usa drogas ou é viciado em álcool (que é a mesma coisa). Parece que todos esses se tornam a mesma pessoa. Isso não pode ser coincidência…
    Você que tem esse problema largue disso! Você merece algo melhor para a sua vida!
    Procure ajuda, pedir ajuda não é vergonha alguma, vergonha é se afundar nessa lama justamente por vergonha de pedir a ajuda. Seja forte!!!
    Morel, desculpe esse comentário… mas senti necessidade de escrever isso.

  98. Eu quando mais novo bebia um pouco, sendo que por autoafirmação idiota tomei que eu me lembre uns 3 “porres”. Depois passei a beber raramente e mesmo assim “socialmente”, no entanto devido a alguns acontecimentos reletivos a saúde (não ligados a álcool) adquiri pavor à sensação de embriaguês! Hoje quando bebo, o faço em pequena quantidade e ao primeiro sinal de estar se aproximando do meu limite eu paro de imediato. Sem contar que eu morreria de vergonha se minha esposa me visse bêbado…
    Nunca usei quaisquer drogas e nunca senti vontade disso… Acho uma tolice beber pelo prazer de ficar bêbado ou para fugir de seus problemas (até porque você acaba é arrumando mais problemas).
    Acho que nesse aspecto definitivamente não dou brechas a esses “espíritos oportunistas”.
    Nesse cenário, você acredita que posso continuar “imune” a essas “presenças”?

  99. Amanda, só ele pode se ajudar. Pense bem a respeito deste relacionamento. Se você gosta realmente dele e quer o seu bem, precisa insistir com ele neste assunto. Quem tem essas reações não pode beber nunca. Se ele gosta realmente de você deve ouvi-la e buscar ajuda. Não permita que isso continue.

  100. Morel, namoro há alguns meses um rapaz incrível, de coração maravilhoso, querido por muitas pessoas, super carinhoso o qual eu gosto muito e sei que ele gosta muito de mim também. Eu sei que antes de nos conhecermos ele bebia muito, e já causou muitos problemas para a vida dele devido a isso. Mas desde que namoramos ele bebe bem pouco, mas as vezes que ele bebe, fica transformado! Briga comigo simplesmente por nada, termina o namoro, me diz muitas coisas que me magoam e o que mais me impressiona nisso tudo é que, se ele dormir ao menos 30 minutos, ele volta ao normal. Sei que quando ele bebe fica muito mal acompanhado tanto por espíritos quanto por “amigos”. Gostaria de saber o se posso fazer algo para afastar estes espíritos que o deixam tão revoltado e sedento por brigas, uma vez que não consigo ter com ele um diálogo sobre a bebida pois ele não aceita que eu fale nada a respeito. Gostaria pelo menos de evitar essa agressividade dele quando está sob efeito do álcool, pois quando ele fuma maconha isso não altera em nada o comportamento dele. Peço ajuda porque gosto muito dele e tenho medo de que nossa relação deixe de ser algo saudável por conta de atritos que ele cria e no outro dia “esquece” mas que me desgastam.

  101. Sr. Morel
    Boa Noite
    Li com atenção seu artigo; vários são os vícios que cultivamos, além das drogas, o alimentar-se demasiadamente também o é; não controlar nossos excessivos desejos sexuais; enfim tudo aquilo que nos remete à nossa matéria, e menos ao espírito.
    Obrigada
    Mariá

  102. Obrigado pelo depoimento, Rodrigo. De fato, o uso de qualquer droga, além de ser um atrativo para os desencarnados que ainda sentem necessidade das sensações provocadas por estas substâncias, proporciona acesso facilitado a eles por desdobrar naturalmente, mesmo que de forma parcial, o perispírito ou corpo astral.

  103. Morel, parabéns pelo debate!
    Tenho 40 anos e meu primeiro contato com maconha e álcool foi por volta dos 15 anos, dos 19 aos 23 usei muito cocaína e álcool. Após ter casado parei com a cocaína, confesso que tive umas recaídas.
    Atualmente não passo uma semana sem tomar uma cerveja e de vez em quando fumo um baseado.
    A maconha me ajudou a largar o pó, pois são efeitos bem distintos, quando tinha ansiedade fumava e ficava zen, já o álcool me induzia a cheirar.
    O fato é que hoje, quando fumo, sinto uma presença muito forte, chegando ao ponto de me esconder debaixo do cobertor, por este motivo não tenho usado com frequência.
    Quando frequentava a casa na Caju, não sentia vontade nenhuma destas porcarias, e a sensação de paz com certeza superou todos os “baratos’ da minha trajetória nas drogas.
    Grato.

  104. Queria muito tirar umas dúvidas, sem que elas fossem exposta aqui. Como posso fazer isso? Mandar um e-mail pra alguém ou algum canto? me ajudem por favor.

  105. Milena, certamente há influência espiritual sobre ele. Mas essa influência só tem acesso a ele porque ele permite. Ele precisa se ajudar. Ele precisa de vontade de se livrar do vício. credito que o melhor caminho para a cura, sempre, é o esclarecimento. Procure nos comentários anteriores os livros indicados pela leitora Erika. Tente fazer com que ele os leia. Quanto mais informação ele tiver a respeito do seu problema, melhor. Se você permanece ligada a ela, não desista. É possível a cura, desde que ele tenha vontade suficiente.

  106. Morel, seu site e seus artigos, são como sinalizadores para os que precisam se orientar…Parabéns e que Deus continue te iluminando…

    Gostaria de um comentário seu a respeito de um caso ocorrido com meu amado pai que desencarnou em 2007, vítima de cirrose hepática..

    Quando meu pai desencarnou eu já frequentava o centro espírita e fazia estudos dos livros de Allan Kardec – livro dos espíritos e O Evangelho segundo o espiritismo..mas nunca tinha me aprofundado em leituras de livros como “Missionários da Luz” e outros livros de outros autores da literatura espírita.

    …Bom, meu pai mais ou menos um anos antes do desencarne entrou em grande depressão, passou a se alimentar muito pouco e aumentou excessivamente o uso de álcool, que já era vício em sua vida desde a mocidade…o fato é que ele chegava ao ponto de reclamar que a cabeça doía muito e que de tempos em tempos…vinha alguma coisa que ele não sabia explicar…mas que fazia a cabeça dele doer a ponto dele gritar de dor com muita força…era coisa de uns dois minutos e depois parava…ele percebia quando isso ia acontecer…foram coisas que infelizmente presenciei e nada pude fazer para ajudá-lo..logo após o seu desencarne…comecei a ler mais histórias(romances) espíritas, até então nunca havia experimentado…foi onde comecei a conhecer mais ou a ilustrar os ensinamentos que havia aprendido nos livros de Allan Kardec…

    Descobri sobre os Vampirizadores e fiquei impressionado com a riqueza de detalhes que André Luiz em “Os missionários da Luz” descreve estes fatos..então comecei a entender certas coisas que aconteciam com meu pai e porque das atitudes e sofrimento..até então, eu “ignorante sobre este fato” achava que o coitado estava “de sacanagem” pelo fato da bebida…

    Gostaria de saber ou ao menos de imaginar se quando desencarnou, foi socorrido logo aos hospitais do espaço, se foi arrastado pelos espíritos afins, do mesmo vício? ou se na maioria dos casos isso acontece com quase todos os usuários de bebidas alcoólicas..?

    Nota: Meu pai apesar do vício, nunca deixou de cumprir seus compromissos em casa, nunca presenciei briga(de chegar aos extremos com minha mãe) só mesmos as discussões de casal, me tratava como filho-amigo, fazia qualquer coisa pra me ver feliz, sempre tive nele(fora o vício)um verdadeiro herói e exemplo de vida, de homem, de pai e de amigo mesmo. Sempre foi um cara temente a Deus, muito católico..a cada dez palavras 8 eram em Deus ou sobre ele…era apaixonado por crianças, era muito brincalhão e sempre fazia amizades com todas as pessoas…só mesmo neste período citado antes de seu desencarne..que mudou bastante sua personalidade…Já recebemos 02 mensagens psicografadas no centro espírita..daquele jeito meio recado sabe…mas a assinatura me impressionou bastante…era dele!

    Mais uma vez agradeço sua disposição e ajuda, sempre que posso(umas 3 vezes na semana) dou uma olhada no site…

    Obrigado e fique em paz!

    Sergio

  107. Há quase 6 anos conheci meu ex-namorado e pouco tempo depois ele adoeceu, foi acometido por depressão e síndrome do pânico. Começamos a tratar com psiquiatra e remédios, mas pouco resultado vimos. Ele ficou pouco mais de 1 ano sem colocar uma gota de álcool na boca. Éramos vizinhos de porta. Alguns meses depois ele voltou a beber gradativamente, e mesmo antes, dizia que via vultos e quando sentava no sofá da sala ficava observando as pessoas que estavam na cozinha, porém, essas pessoas não o viam. Ele disse que tinham aparência de peruanos. Depois que terminamos a reforma do apartamento nunca mais ele teve essas visões, sendo que já havia tido visões antes de nos conhecermos e uma vez quando o levei ao hospital com crise de pânico. Em 2011 fizemos diversas viagens e tudo parecia normalizado. Em seguida ele foi visitar a família no interior da Bahia e quando voltou estava muito mal, além do médico ter mudado a medicação, ele havia bebido muito nesses 10 dias que esteve fora. Depois disso ficamos um ano vivendo como amigos, até que depois de muito esforço voltamos a ser novamente um casal. Mas desse período para cá ele desencadeou transtorno bipolar e hoje é totalmente dependente de álcool. Fica sem beber apenas quando não tem dinheiro, mas sempre diz que está sentindo falta. Fomos a um centro de umbanda no início deste ano, e o marujo que o atendeu disse que ele está rodeado de obssessores, por esse motivo a vida dele não sai do lugar. Dias depois, ele tentou suicídio ao beber demasiadamente cerveja e vinho e pendurar-se na janela do 4º andar do prédio. Eu, uma amiga e meus pais que ficamos controlando ele até o SAMU chegar e o levar amarrado para o pronto socorro. Ressalto que havíamos terminado o namoro no início de dezembro passado por conta de tanta bebida, e devido a isso ele estava agressivo verbalmente. Não tive estrutura para aguentar, pois, aí se vão longos 5 anos de luta sem melhora considerável. O que você acha que pode estar acontecendo? Será que isso vai melhorar? Também quero seguir minha vida e não consigo desapegar dele mesmo separados.

  108. Margarete, a cerveja é bebida alcoólica, e o álcool é uma droga como qualquer outra. A quantidade de álcool é menor na cerveja, mas a quantidade ingerida é maior do que a de outras bebidas, ou seja, dá no mesmo. A cerveja é apresentada à população como um produto inocente associado à imagem de alegria e mulheres bonitas e disponíveis. O que as propagandas de cerveja não mostram é que o uso do álcool está presente em grande parte dos casos de homicídios, estupros e violência doméstica. Uma pesquisa aponta que 75% dos acidentes de trânsito são causados por motoristas alcoolizados. Os números são expressivos demais para serem ignorados.

    Segundo um relatório elaborado pela Organização Mundial da Saúde, pelo menos 2,3 milhões de pessoas morrem por ano no mundo todo devido a problemas relacionados ao consumo de álcool, o que totaliza 3,7% da mortalidade mundial: MALEFÍCIOS CAUSADOS PELO ÁLCOOL

    Como ficam estes espíritos que desencarnam por problemas relacionados ao álcool? Tirando uma pequena parte que deve ter morrido por doenças causadas pelo álcool há vários anos, mas que já haviam se recuperado do vício, a grande maioria morre em estado de absoluta dependência, ansiando por satisfazer o seu vício.

    A maneira que estes espíritos encontram para satisfazer o seu vício é através do contato íntimo com os encarnados que fazem uso do álcool. Temos um bom exemplo da simbiose entre encarnado e desencarnado e da influência exercida pelo desencarnado para que o encarnado bebano capítulo 6 do livro Sexo e Destino, de André Luiz, que você pode ler clicando aqui: SEXO E DESTINO

    Não é possível generalizar e afirmar que todas as pessoas que bebem álcool atraem espíritos atrasados e viciados. Jesus bebia vinho. Há muitas pessoas equilibradas e moralmente elevadas que fazem uso moderado do álcool. Mas a maioria não tem essa elevação moral, e, ao fazerem uso do álcool, se tornam mais vulneráveis às companhias espirituais negativas. Estes espíritos que se sentem atraídos pelo álcool – ou por outras drogas – não são necessariamente mal-intencionados. Apenas querem satisfazer o seu vício.

    Assim como há pessoas viciadas (muitas que fazem uso frequente do álcool e não exageram não percebem que são dependentes) também há espíritos que se tornaram dependentes enquanto estavam encarnados. Desencarnaram sem maiores esclarecimentos sobre a necessidade de elevação moral e desprendimento das coisas terrenas e continuam com as mesmas necessidades de sensações que tinham quando estavam encarnados. A companhia deles, mesmo que não seja mal-intencionada, é perniciosa por influenciarem os encarnados a beberem cada vez mais (é preciso satisfazer os desejos) e com o tempo forma-se uma simbiose psíquica, os pensamentos e desejos de encarnado e desencarnado se confundem. Esta é a razão pela qual os que fazem uso do álcool durante muito tempo geralmente tornam-se decadentes moralmente. A falta de domínio sobre os próprios pensamentos e sentimentos permite a influência dos espíritos desencarnados que encontram, no subconsciente do encarnado, fraquezas morais que facilmente vêm à tona. Antigas falhas de caráter, desta e de outras existências, que o encarnado vinha conseguindo superar, são revitalizadas e terão que ser vencidas novamente, mais tarde, com esforço redobrado.

  109. Estive lendo seu artigo, e me chamou a atenção.
    Desde pequena sou vista como estranha por familiares porque qduano eles começam a beber (cerveja) eu vou me afastando. Na época não sabia por que, apenas sumia dali.
    Hoje posso te dizer que me sinto mal mesmo enquanto eles bebem, e quando li seu artigo disse “eureka!”. Eu acho que estou sentindo a aproximação desses espíritos negativos!!!!
    Mas me diga uma coisa: meus parentes bebem cerveja, o que eles mesmos dizem ser coisa leve; mesmo essa bebida alcoólica pode atrair espíritos negativos?

  110. Elisabete, para conhecermos o mínimo necessário sobre determinada faculdde do espírito é necessário um estudo mais aprofundado. Este tem é abordado em muitos livros. Indico a você O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec; Mediunidade, de Edgard Armond; Mediunismo, de Ramatis; e Estudando a Mediunidade, de Martins Peralva.
    Algumas drogas, entre elas a maconha, podem causar ou favorecer o desprendimento do perispírito ou corpo astral, acionando os mecanismos da mediunidade. Mas o efeito da droga dificulta o domínio sobra a própria consciência, facilitando o acesso e a influência de outros espíritos. O exercício da mediunidade ou das faculdades psíquicas requer o pleno domínio de si mesmo. E esse domínio não pode ser alcançado sob o efeito de drogas.
    Muitos povos primitivos usavam e ainda usam drogas para provocar efeitos mediúnicos. O resultado é a passividade, ou seja, a cedência dos seus órgãos físicos para que outros espíritos, sobre os quais não temos o menor controle, façam uso dos nossos órgão como se fossem deles. O que se aconselha e estimula, hoje, é cada vez mais o controle do médium sobre si mesmo e a observação pelo médium da manifestação do espírito para ele ou através dele.
    O uso da maconha e outras drogas, por proporcionar algum desprendimento do perispírito, facilita a influência ou interferência de espíritos atrasados, viciados, vampirizadores ou sofredores, sobre o usuário. Espíritos esclarecidos não se aproveitam desses momentos para nos influenciar, eles sempre respeitam o nosso livre-arbítrio. O melhor, portanto, é sempre evitar o uso de drogas.

  111. Por favor explique mais sobre a influência da maconha para o desprendimento do corpo, e se pode por influência dessa droga causar na pessoa a clarividência e a visão dupla.

  112. Arruda, conheço a Umbanda e tenho o máximo respeito e carinho por ela. Mas há muitas casas que se dizem de Umbanda e que trabalham com entidades ainda muito apegadas à matéria. A grande maioria dos espíritos que se apresentam como Pomba Gira, por exemplo, são espíritos que não se desligaram dos problemas terrenos, dos prazeres terrenos, das fraquezas terrenas. Seja racional: perceba as coisas que você faz sob o efeito do álcool. Você acha que alguém protegido espiritualmente agiria assim? Estes espíritos quase sempre estão numa situação pior que a nossa…
    Você já esteve pior. Isso demonstra a força que você tem dentro de você. Use essa força. Se você estiver realmente disposta a usá-la, conseguirá o que quer, sem dúvida alguma. A sua conscientização já é um grande passo. Você precisa de alguma atividade ligada à espiritualidade. Procure um centro espírita kardecista. É possível que você estranhe o ambiente no começo. Talvez você ache que precise de outro tipo de energias. Mas o esclarecimento que você precisa é lá que você vai encontrar. E o que você precisa é isso, esclarecimento. Você não é o tipo de pessoa que precisa constantemente de alguma ajuda externa. Você tem força suficiente para seguir o seu caminho. Mas, para isso, é necessário esclarecimento. O esclarecimento a respeito da espiritualidade, de nós mesmo e de nossas forças e fraquezas vai fazer você entender que alguns hábitos nós precisamos abandonar PARA SEMPRE. Temos, por muito tempo, a ilusão de querer sermos mais fortes do que alguns hábitos ou substâncias, mas não há outro meio: é preciso abandoná-los PARA SEMPRE. Talvez você não saiba, mas o ser humano não costuma simplesmente abandonar os seus hábitos. Ele precisa substituí-los por outros. Então este á o momento de você procurar se esclarecer. Procure um centro espírita, leia livros espíritas (comece com O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec; e Sexo e Destino, de André Luiz – você encontra os dois em PDF neste site na aba LIVROS), ore, adquira o hábito de orar ao acordar e antes de dormir.
    Se você deixar o uso do álcool, muito provavelmente vai abrir os olhos e se desinteressar por qualquer droga. O álcool é das piores drogas, pois deturpa a mente pouco a pouco, sem que o usuário perceba. O álcool é seu inimigo, é uma substância que lhe dá desgosto e que lhe leva a cometer insanidades que lhe fazem infeliz. Lembre de todas as coisas terríveis e vergonhosas que você já fez enquanto estava sob o efeito do álcool e você verá que não há motivo para continuar usando. O prazer momentâneo é apenas ilusão. O álcool enfraquece o caráter, torna a pessoa fraca e ridícula. Comece. Procure o centro espírita. Leia. Se esclareça.

  113. Olá… Adorei a mensagem, muito interessante. Porém me deixou cheia de dúvidas. Tenho 31 anos, comecei a usar cocaína com 21 anos, e usei muito, até meus 23 anos. Fui garota de programa por 4 anos. Nesse período, usei muito álcool. Só parei com a cocaína depois que conheci o êxtase. Fiquei muito feliz por ter pego nojo da cocaína, porém usei muito êxtase, faço uso até hoje. Consigo ficar apenas seis meses sem, e logo que pego usando em balada. Hoje sou casada e meu esposo usa maconha diariamente e também usa êxtase nas baladas, eu até tento não usar, mais caio na tentação e uso junto com ele… E o pior, recebo a Pomba gira Maria Padilha, ultimamente venho bebendo muito, e no outro dia sofro com a ressaca moral, pois sou quieta, reservada e quando bebo falo e fico briguenta, e isso me envergonha muito. Comecei a frequentar um centro de umbanda, mas estou afastada, não tenho vontade de ir cambonar. O que posso fazer para me livrar do álcool e do êxtase? Estou disposta, mas não sei como fazer. Sempre defumo minha casa após essas baladas, tomo banho de sal grosso e sete ervas, isso me deixa melhor fisicamente, mais minha cabeça não me deixa, fico lembrando das coisas que fiz na balada, quando estava completamente dominada pelo álcool. Grata pela atenção.

  114. Oi pessoal, meu nome é Marcos, tenho 22 anos, sou quase casado, moro junto com uma pessoa há 3 anos, tenho uma filha de 2 anos. O problema é que eu sou usuário de bebidas, maconha e de vez em quando uso cocaína. Preciso de ajuda, sei que só Deus pode me ajudar. Mas todos os conselhos de pessoas que já pasaram por esse mesmo problema são bem vindos, já não sei mais como faço para sair dessa vida, não quero que a minha filha cresça do lado de um pai assim, preciso muito de uma ajuda. Deixo aqui o meu e-mail, quem puder me ajudar com bons conselhos e tiver um tempinho da sua vida para colaborar com um amigo manda uma mensagem para mim. Que Deus abençoe a todos e que o espírito santo trabalhe na vida de todos nós amém. e-mail marcos_vidaloka005@hotmail.com

  115. Gislaine, os espíritos só têm acesso a quem lhe der este acesso. Se elas se ligam a alguém por sua afinidade, não quer dizer que vão se ligar aos acompanhantes deste alguém, a não ser que tenha os mesmos pensamentos, ideias e hábitos.
    Há grupos espíritas que trabalham especificamente com usuários de drogas e seus familiares. Informe-se na sua região.
    Se você quer ficar com ele realmente para ajudar, e não levada por sentimentalismo, seja rígida em cobrar atitudes. Ninguém que já foi viciado em drogas pode consumir álcool diariamente. Em pouco tempo o álcool dispara o desejo de usar outra droga novamente. Sem contar que o álcool é uma das piores drogas. Se quer ajudar, deve saber o que está fazendo. Convença-o a buscar ajuda espiritual e não seja condescendente com as suas desculpas.

  116. Olá, estou namorando um rapaz que se diz não mais viciado em drogas, porém ontem encontrei em seu bolso cocaína, acabei ficando chateada com a situação, pois abomino o consumo de drogas, mas além disso ele também consome álcool diariamente, disse a ele que iríamos terminar pois não tolerava qualquer tipo de vício, mas repensei e vi que poderia ajudá-lo, ele me disse que pelo amor que sente por mim irá abandonar tudo isso, mas mesmo assim tenho medo de sofrer no futuro. Gostaria de saber qual auxílio espiritual procurar ou o que devo fazer além de tentar confiar na palavra dele, ficando com ele ficarei exposta a espíritos desencarnados que podem nos prejudicar?
    Obrigada desde já.

  117. Li casos aqui muito graves. Espero que encontrem um caminho que lhes permita sair dessa situação tão negra. Eu venho de uma família onde o uso e abuso de estupefacientes foi nocivo e muitas vezes letal. Perco o número de pessoas que vi partirem, na minha opinião, cedo demais, devido aos excessos que cometeram. Amigos presos nas malhas da droga, que vi lutarem, levantarem se e caírem novamente. Um detalhe que eu sempre via era, que quando eles estavam limpos há algum tempo, os ” amigos” viciados, os procuravam, mesmo sabendo que aquela pessoa já não queria estar naquele meio. Entendo a visão desses ” amigos” , pois na hora da ressaca, qualquer um que possa lhes dar um pouco de droga, nunca é demais. Minha tia tinha 5 filhos encarnados, 4 desencarnaram por conta de drogas. Posso deixar aqui uma experiência com minha prima ( uma das filhas dessa minha tia) . Ela não bebia, ela não fumava, sempre muito benevolente com os outros, muito carinhosa, mãe aos 17 anos. Um dia, com 26 anos, decidiu separar se do marido, porque este era dependente de drogas assumido. Preocupada com o bem estar do filho ainda pequeno, afastou se. Passados uns meses, numas análises de rotina descobriu que o ex marido era portador de Aids. Tendo sido contaminada pela doença, como ela uma vez me descreveu. Pensou que Aids é sinônimo de morte. E pensou ” bem, já que vou morrer, de qualquer forma vou fazê-lo de forma mais rápida… Vou me meter na droga.” E esse pensamento, não lhe trouxe a morte como ela pensava, pois ainda passou vários anos, tendo ido parar ao hospital várias vezes, safando se por milagre de overdoses. Ela viveu em minha casa, acompanhei o seu sofrimento, vi ela ficar limpa e depois acompanhei o processo da recaída, os pensamentos, o corpo a fraquejar dia após dia. Chegou um dia, em que desconfiada de que tinha voltado a consumir por injetável, discuti com ela e ela chorando, negava a pés juntos. Depois vi a bolsa dela e lá estava as seringas. Roubou objetos em casa… E depois de sair de minha casa, andou a morar na rua, ao ponto de definhar e deixou de querer viver. Foi isso que a levou a partir, o seu desejo de não respirar mais, de se querer libertar. Seu filho sofreu muito, porque o pai dele ainda na droga também acabou por desencarnar pouco tempo depois. Nota referir que minha prima dormia comigo no mesmo quarto, e por várias vezes, acordava a meio da noite assustada ouvindo vozes, vendo sombras, tudo isso eu atribuiria a alucinação por ressaca de falta da droga, mas certa noite, eu tive um sonho no qual, me vi ser incorporada por uma entidade malévola ( um demônio) e acordei assustada, quando olhei para o lado vi minha prima agarrada ao pescoço muito assustada, dizendo que sentou alguém apertar lhe o pescoço durante a noite e acordou com falta de ar. Sim, minha prima andava muito acompanhada e seus ataques de epilepsia também evidenciavam isso. A sua família era alvo constante de macumbas e trabalhos de magia negra, tudo por conta da riqueza material que possuíam. Por ver o exemplo dos outros eu aprendi que esse é um caminho do qual é muito difícil de sair. Admiro a coragem que essas pessoas teem, a força de vontade imensa que é necessária para recusar um trago de droga e manter se limpo. Já sair só tabaco é difícil…. Imaginem só então essa batalha. Bem haja!

  118. Rogério, todos os povos primitivos fizeram (alguns ainda fazem) uso de drogas, entre elas o álcool, como meio de facilitar o contato com o mundo espiritual. As drogas afrouxam os laços que prendem o espírito ao corpo físico, por isso a percepção do plano astral pode ser potencializada. Este é um os principais motivos pelos quais se deve evitar as drogas. O acesso dos espíritos a nós torna-se muito fácil, quase livre. Espíritos vampirizadores aproveitam-se dessas brechas energéticas para roubar as energias dos encarnados sob efeito das drogas.
    O que você viu no seu sonho foi um aviso, provavelmente proporcionado por espíritos protetores da família.

  119. MSC, tanto você quanto a criança que vai nascer, têm laços anteriores com ele; isso é evidente. Insista no amor. É possível que o espírito que está reencarnando tenha uma maior ascendência moral sobre ele. O amor produz coisas que quem não o conhece considera milagres.
    De qualquer maneira, havendo ou não um planejamento para que fiquemos juntos a determinadas, pessoas, tudo é passível de ser modificado. Nenhum planejamento é estático.
    Fique com Deus.

  120. Morel,

    Não conhecia seu site, está de parabéns.
    Gostaria de deixar minha contribuição em um caso pessoal que aconteceu comigo há 4 anos (início de 2010):
    Eu não era uma pessoa que bebia muito não, apenas 1 ou duas cervejas quando ia no restaurante com minha mulher e filho jantar, isso umas duas ou três vezes por mês, e cheguei encher a cara uma meia dúzia de vezes na vida. Porém um dia, eu fui na casa de meu ex chefe jantar e tomei bem umas a mais, whisk, cerveja, vinho e tudo que aparecesse de álcool… Após isto, tive uma noite terrível de pesadelos e lembro claramente de ter de escutar vários comentários estranhos, porém reais. Na época meu pai estava doente (mal de chagas) e a saúde dele vinha deteriorando bastante e essas vozes me falaram que o tempo dele era curto, chegaram me mostrar uma cova que para mim no outro dia ao lembrar achei muito estranha (era um buraco muito fundo)… O fato que após esta noite, no outro dia ele foi internado e ficou neste plano por apenas mais 3 dias… E o mais estranho que no dia do enterro, fizeram uma cova exatamente como eu vi no sonho, extremamente funda… O que eu fiz a partir disto foi parar de beber, hoje não bebo nem socialmente, eu acredito que ele não morreu por causa de meu porre… Porém foi muito ruim saber de tudo antes de acontecer e o que acho interessante que eu nunca tive uma mediunidade aflorada… não vejo, escuto nada normalmente…
    Obridado e desculpe por alongar demais este texto.

  121. Olá Morel, obrigada por abordar este assunto. Quando ouço alguém dizer que a maconha é uma droga leve e é menos nociva do que o álcool, discordo totalmente, pois é tão nociva quanto. Afinal, somente quem convive com uma pessoa viciada sabe a enorme diferença de comportamento. A pessoa viciada não só se torna insensível e alienada com o que ocorre à sua volta como também se torna ociosa e perde o senso de cooperação do dia-a-dia, tornando-se muito egoísta.
    Sou casada há seis anos com um estrangeiro viciado em maconha e álcool. Ele é um homem muito bom e generoso em seu estado normal, mas quando faz uso constante da maconha se torna super insensível, sarcástico e distante, parece outra pessoa. Há anos venho orando para que ele deixe esse vício, pensei em me separar várias vezes, cheguei a dar a desculpa de que só não o fazia porque estávamos morando no Brasil e eu me sentia responsável por ele. Agora estamos morando no país dele (Canada) e estou grávida. Continuo orando por ele, mas ultimamente ele está totalmente envolvido com a droga e todas as vezes que tento conversar com ele a respeito disso, ele diz ironicamente que quero me tornar santa, pois não bebo e leio livros espíritas, diz que devo deixá-lo em paz para ele fazer o que bem quiser. Às vezes sinto muita compaixão por ele, por ser tão fraco e se deixar dominar por esse vício. Mas às vezes sinto muita raiva, nesses momentos recorro ao Evangelho segundo o Espiritismo e às palestras, só então me acalmo e volto à minha fé em Jesus. Ele teve uma infância muito difícil, num lar de pais alcoólatras e com muita violência, talvez por isso me sinto responsável em proporcionar a ele um lar melhor e não consigo deixá-lo. Porém agora que estou grávida fico me perguntando se eu deveria me afastar dele para que ele não magoe também nossa filha com sua ironia e insensibilidade. Fico me perguntando se será certo expor nossa filha à companhia constante de uma pessoa tão instável e muitas vezes distante da realidade. Por outro lado como posso privá-lo da companhia da filha e ela a dele. Sei que ele está acompanhado por espíritos que se comprazem com o vício dele, pois eu já os vi em sonhos, mas tenho a certeza que ao meu lado estão espíritos muito bons que me ajudam a continuar orando por ele. Só não sei se quero ficar nessa situação pelo resto da minha vida, até que ponto devo insistir nesse relacionamento. Fico me perguntando se me comprometi a ajudá-lo antes de renascer e se este comprometimento deva ser pelo resto da minha vida.

  122. Danilo, você pode experimentar, por algum tempo, sair com eles sem beber. Não precisa dizer a eles exatamente o porquê. Você não se divertirá da mesma maneira, e, provavelmente, passará a ter outra visão acerca da diversão a que estava acostumado. Nos preocupamos com nossas amizades, isso é válido. Mas amigos que são amigos só de festa não acrescentam muito. Não estou incentivando, de modo algum, que deixe de lado seus amigos. Mas é fácil concluir que algumas amizades “de festa” só são isso; amizades de festa. Se não há maiores afinidades, eles ficam por isso mesmo. Procure manter o vínculo com eles de outros modos.

  123. Marcelo, nada desagrada a Deus. Deus não é pessoa, logo, não se desagrada com nada. O Espiritismo não é um movimento dogmático ditador de normas. Aprendemos, através do estudo do Espiritismo, que somos responsáveis pelos nossos atos. Isso, no tocante ao assunto em pauta, é suficiente.
    Não existe nenhum método que classifique as pessoas entre potencialmente viciáveis ou não viciáveis. O modo de saber se uma pessoa tem tendência ao vício é empírico, ou seja, através do uso. Na dúvida, é melhor não usar. Não é pecado usar drogas. Não existe pecado. Se alguém faz isso e sente-se bem, sem prejudicar ninguém, pode não haver mal algum. Mas isso é praticamente inexistente. Para adquirir drogas é preciso recorrer ao tráfico. O tráfico e a violência decorrente do tráfico só existem porque há demanda por drogas. Poder-se-ia alegar que se deve, então, legalizar as drogas. Mas isso é outra discussão; não cabe aqui. Hoje é proibido. Ponto. Quem usa drogas geralmente o faz escondido de alguém. Ao esconder-se, está-se prejudicando o relacionamento com este alguém de quem se esconde (os pais, por exemplo). O uso de drogas, mesmo que recreativo, produz estado alterado de consciência, que facilita a influência por parte de espíritos desencarnados. São motivos suficientes para perceber que o uso de drogas recreativo não é apenas recreativo.

  124. Será que desagrada a Deus utilizar drogas de maneira recreativa? Sempre vejo religiões e a doutrina espírita, além de artigos médicos falar de droga sempre pensando que o usuário é um dependente, um viciado, mas ninguém leva em consideração o uso de drogas por aqueles que consomem de vez em quando, de forma esporádica. Muitos bebem socialmente e não têm sua vida devastada pela bebida; o mesmo para usuários esporádicos de maconha, cocaína e ecstasy. Será que não mitificaram o uso das drogas? A vida dessas pessoas é normal, a droga não os domina, usam de forma recreativa e não se sentem culpados ou mal com o uso. Eles estão errados? Como educar nossos filhos num mundo contemporâneo relativista? Como vou falar para os meus filhos que drogas fazem mal se dezenas de amigos usam e não passam mal? Não é um moralismo ficar dizendo que droga é esse bicho de 7 cabeças sendo que de milhões de usuários a minoria é que não sabe usar e fica dependente? Porque o espiritismo não é claro nos seus ensinamentos com relação ao uso recreativo e não indiscriminado de drogas? Paz e bem a todos.

  125. Boa noite!

    O meu problema é o seguinte: Tenho vários amigos e gosto muito deles, mas há dois meses atrás terminei meu namoro e com isso voltei a sair todo fim de semana com eles para beber. Não quero mais isso na minha vida, está me atrapalhando nas atividades diárias e até pelo pouco conhecimento que tenho da doutrina espírita eu sei que a bebida não faz bem a ninguém. O problema é que tenho medo de magoar meus amigos, como disse gosto muito deles mas pelo fato de me recusar a sair possa vir a afastá-los de mim. Gostaria de uma ajuda, alguns conselhos, se possível, e agradecer pelo texto, realmente muito esclarecedor.

  126. Podemos orar por ele, Tati. Mas devemos lembrar que a influência espiritual só atinge quem sintoniza com ela. Não podemos culpar “espíritos obsessores”. O alcoolismo, como outros vícios, é uma doença da Vontade.

  127. Eu conheço um senhor que ele é um amor quado não esta bêbado, aí bebe, bate na mulher e ela está doente, ele precisa de ajuda, mas eu sei que é espiritual e ninguém na casa dele acredita nessas coisas, eu queria tanto ajudar, mas não sei como fazer isso… você poderia me ajudar? Ele precisa de ajuda e toda a família dele também.

  128. Viviane, tudo o que provoca um estado alterado de consciência permite mais facilmente o acesso de outros espíritos. É preciso evitar o abuso desses remédios. Muitas pessoas os utilizam sem necessidade. Mas não podemos negar que há casos em que o seu uso é um mal menor. Sei de pessoas esclarecidas que tentaram ficar sem o seu uso e o resultado não foi bom.

  129. Oi Morel, lendo o seu texto, fiquei com uma dúvida. E as drogas lícitas? Calmantes, analgésicos e antidepressivos. Alguns alteram e muito o nosso estado de consciência. Será que eles também entram nessa categoria que devemos nos afastar a fim de nos mantermos vigilantes?
    Um grande abraço.

  130. Muito obrigada Sr Morel por ter respondido como posso ajudá-lo sem ferir sua privacidade, ele é responsável, trabalhador e afirma que usa com equilíbrio. É um homem de bem, não fica agressivo.Tem muita fé em Deus e é católico. Não sei como abordar pedir para usar menos. Obrigada.

  131. Não há nada a dizer que já não esteja no artigo. É evidente que você não pode usar. Como conciliar qualquer atividade espiritual com o uso de drogas?
    Aproveite as sugestões de leitura da leitora Érika, logo abaixo, e tire suas próprias conclusões.
    Fique com Deus.

  132. Oi Sr. Morel Felipe Wilkon. Conheci a doutrina espírita em 2009 com o desencarne de minha mãe, fui para o estudo e tratamento quando depois de nove anos de noivado meu namorado me abandonou e me vi sozinha, pois tinha problemas de convivência com uma irmã que é bipolar. Frequentando o tratamento o médium me orientou a orar mais, senti vontade de trabalhar na casa e assim fiz. Me pediu que orasse pelos espíritos sexualistas, foi quando comecei a perceber uma mudança de comportamento. Sempre atraí muitos homens, mas eles só queriam sexo. Comecei a fazer o estudo no lar, uso da água fluidificada. Em 07 de dezembro de 2012 reaproximei-me de um amigo de infância, que estava separado de um casamento de 7 anos. Estamos tentando, ele mora fora do Brasil por conta de trabalho, e usa maconha, cocaína, fiz uso com ele. Isso me atrapalha em minha evolução. Ele me pediu que não usasse porque faço uso de medicação psiquiátrica por problemas emocionais que tive. Moro só e a médica disse que é ansiedade com traço de bipolar, mas não dá um diagnóstico. Por favor, me dê uma palavra, um conselho. Obrigada.

  133. Batista, você precisa de uma reconstrução da sua maneira de pensar. E isso só será possível com uma mudança radical em sua vida. Há pessoas que não entendem quando alguém se converte, por exemplo, a uma igreja evangélica e muda radicalmente de vida, tornando-se, aos olhos de muitos, um “fanático”. É que essas pessoas renascem em seus propósitos. Sempre é tempo de recomeçar. Todos já erraram em vários pontos da sua trajetória milenar. É preciso Vontade firme e forte de mudança, um renascimento, o abandono do “homem velho” e sua troca pelo “homem novo”, disciplinado e forte. Isso, geralmente, só é possível através da religião. Isso precisa necessariamente ser acompanhado de uma mudança radical nos costumes, nos ambientes, nas ocupações, nos intereses. Se você se sente melhor no trabalho é porque lá não está sob influências negativas. É preciso manter-se permanentemente ocupado com coisas úteis. Ler, estudar, frequentar o centro espírita, fazer um tratamento desobsessivo no centro espírita, fazer trabalho voluntário, praticar exercícios físicos, orar a todo momento, pedir perdão constantemente, ser um nova pessoa. É possível. Talvez não seja fácil, mas é possível. Também não deve ser fácil viver como você vive, então é trocar uma dificuldade negativa por uma dificuldade positiva, que, com o tempo, se torna prazerosa e construtiva. Sempre é tempo. Quanto mais cedo, melhor. Quanto antes tivermos coragem de encarar a tarefa de, aos poucos, reajustarmos o que desajustamos, rearmonizarmos o que desarmonizamos, melhor. Deus sempre nos concede novas chances. A Vida sempre nos dá novas oportunidades. É preciso coragem. É preciso começar. É preciso ter em mente que todo dia é um novo dia, cada dia é um recomeço, é por isso que existem os dias e as noites, para que haja sempre o recomeço, para que a Vida não seja uma continuidade monótona. A Vida é um dia depois do outro, e a cada dia temos a possibilidade de vencer a nós mesmos.

  134. Muito bom o site, estou há 13 anos usando cocaína, não sei como estou vivo até hoje, e conseguir terminar minha faculdade e permencer no meu trabalho, pela persistência, pois vou trabalhar quase todos os dias sem dormir direito. Uso droga todos os dias, vamos dizer em 1 ano uso 340 dias, não aguento mais, vontade de me matar direto, ainda luto pois tenho uma pessoa maravilhosa na minha vida, que após tê-la conhecido, comecei a viver realmente, pois antes vivia no submundo do crime e das drogas, fazendo somente coisas erradas. Me considero uma pessoa boa de coração, ajudo a todos sem olhar, acho que por isso ainda estou de pé, mesmo com os meus problemas. Tenho pesadelos quase todos os dias, de gente me matando, e quando uso drogas parece que tem alguém apontando uma arma pra mim e que vou morrer naquele momento, fico muito ruim, me escondo, já cheguei até a pular do carro andando, ou ficar pendurado no 6° andar do prédio, pensando que tinha alguém vindo me matar, não suporto mais essa vida, e a decepção que causo às pessoas que me amam e que eu amo também, às vezes fico pensando: será que eu amo mesmo, pois se amasse não estaria fazendo isso. Adoro o espiritismo, e sei que muita coisa na minha vida está relacionado a isso. Quando era mais novo cometi muitos erros, matei pessoas e sei que estes estão me perseguindo, pois querem se vingar. Procuro me arrepender dos meus atos, mas acredito que ainda não foi de coração o arrependimento. Há um tempo atrás sonhei com um cara me falando que não ia mais me prejudicar, acordei bem, pensando nisso, mas após uns dias continuou tudo de novo, pois sei que são vários. Só por Deus mesmo que estou ainda aqui, pois é uma luta a cada minuto, quando estou no meu trabalho me sinto muito bem, não penso em nada disso, quando estou indo pra casa, ou estou em casa, acontece tudo de errado, como se quisessem que eu prejudicasse minha esposa, e a decpcionasse até acabar o relacionamento, e minhas defesas irem por água abaixo. Acho que está até hoje de pé, pois minha esposa acredita muito nisso, e perdoa sempre, e eles não contam com o perdão, fazem de tudo pra me induzir, só que ela me perdoa, mas a qualquer momento não vai dar mais, afinal ela é humana. Estou em briga constante entre o meu consciente e o meu subconsciente. Vou ler mais este blog. Obrigado pelo espaço. E que Deus abencoe a todos.

  135. Há um tempo atrás tive um relacionamento com um dependente químico. Eu não sabia do problema dele, pois sempre se mostrou uma boa pessoa, trabalhador, bem sucedido, enfim, quando descobri optei por não abandoná-lo. Ele foi internado em uma clínica, mas após sair permaneceu apenas 20 dias limpo. Após a recaída ele se tornou uma pessoa insensível, arrogante e muito malvada. Por algum tempo ainda permaneci ao seu lado tentando ajudá-lo, mas sem sucesso acabei por me afastar. Essa convivência com uma pessoa na adiccao ativa me deixou marcas que ainda tento superar. Na época fiz um tratamento espiritual no centro espírita que passei a frequentar e isso me ajudou muito. Colocava também o nome dele nos trabalhos de irradiação. Li muitos livros espíritas que tratam do assunto e gostaria de indicá-los aqui para quem tiver interesse em saber mais sobre a visão espírita a respeito das drogas: – Filhos da dor / Vilson Disposti; – Um drogado em minha vida / Izadora Bezerra; – Diário de um drogado / Gorete Newton; Driblando a dor / Luiz Sérgio; – Quando a ilusão acaba / Eulinir de Fátima Silva Tomaz de Aquino. Um abraço a todos

  136. Marcelo, a assunto é fascinante pelas muitas abordagens que possibilita. Embora tenha algum conhecimento no assunto, tratar do tema de forma mais abrangente exigiria um tempo de que não disponho.
    Muitos artigos dizem que as drogas foram mitificadas, demonizadas em uma era de valores cristãos e acreditam eles que usar drogas é plenamente normal e deve ser considerado assim. E agora? Se o Espiritismo é contra como ele explica isso?
    As drogas foram, sim, mitificadas. Não sei se demonizadas. Acredito que a influência dos valores cristãos – ou dos interesses da Igreja – não foram, de forma alguma, decisivos para a a formação da opinião generalizada que se tem hoje sobre as drogas. A questão é muito mais social e econômica do que moral ou religiosa.
    Não acho que seja “normal” o uso de qualquer substância potencialmente viciante. Pelo ponto de vista espírita, é inaceitável o uso de drogas. Devo esclarecer que o Espiritismo não tem dogmas ou “autoridades”; então não há quem proíba em nome do Espiritismo. Mas é inaceitável tendo em vista a importância do pensamento e do controle do pensamento para comandar a própria consciência. As drogas alteram a consciência. Como manter – ou pretender ter – absoluto controle sobre si mesmo, sobre seus pensamentos, palavras e ações – base da construção da ética – com o uso de drogas?
    Influenciamos e somos influenciados constantemente, encarnados e desencarnados. Se no estado normal de consciência já é um desafio manter-se minimamente elevado, como será no estado alterado de consciência provocado pelas drogas?
    Acho uma enorme hipocrisia a política de drogas atual. O álcool e o cigarro são responsáveis por mais de 90% das mortes provocadas pelo uso de drogas no Brasil. É certo que a política antidrogas iniciada pelos EUA nos anos 70 surtiu efeito contrário. Mas não acho que a liberação da maconha, por exemplo, daria certo no Brasil de hoje. Vivemos um período “sem limites”.

  137. Olá, Morel. Muito interessante seu texto. Estou fazendo um artigo para a pós-graduação sobre a legalização do uso de drogas ilícitas. Sempre fui contrário ao uso de drogas mas lendo os artigos científicos a respeito do tema vejo que a política de proibição ao uso de drogas parece estar causando muitas mortes, muitas prisões. A Lei Seca nos EUA passou por situações semelhantes. Em termos jurídicos, é entendível na comunidade jurídica que o direito penal não pode intervir em condutas auto-lesivas, ou seja, o direito penal não deve punir tentativas de suicídio, auto-mutilação, etc. Muitos consideram o uso de drogas dentro dessa categoria e mesmo assim o direito penal pune o consumidor da droga. São muitas ressalvas a se fazer que fundamentam e dão credibilidade à ideia da legalização. Porém algo dentro de mim me diz que isso não está totalmente certo. Como vamos legalizar e manter as drogas longe das pessoas? Muitos artigos dizem que as drogas foram mitificadas, demonizadas em uma era de valores cristãos e acreditam eles que usar drogas é plenamente normal e deve ser considerado assim. E agora? Se o Espiritismo é contra como ele explica isso? O adultério antigamente era punido com prisão, hoje não é mais e vemos uma liberdade sexual estourar no mundo. Será que ao legalizar as drogas não vai haver um estouro de consumo e famílias inteiras serão devastadas por esse mal ou será que as drogas não são tão ruins assim como se pensa? O que você me diz? Muito obrigado e que Deus nos abençoe!

  138. Canecos vivos e piteiras vivas.

    1) Muitos espíritos desencarnados mantém um forte apego as coisas matérias, aos vícios e desejos terrenos, como eles não possuem mais o corpo físico para saciar tais vícios e desejos eles vão procurar algum encarnado que tenha os mesmos desejos e vícios, os desencarnados apegados ao vicio do cigarro vão procurar encostar o seu perispirito no perispirito do encarnado que esta fumando e vão sugar os fluidos da nicotina num processo chamado de Vampirismo psíquico.
    É um espécie de colagem perispiritual, no qual os desencarnados podem sentir as sensações da vida terrena, os desencarnados apegados ao vicio da bebida, vão procurar os encarnados que tenham também o gosto pela bebida alcoólica, eles encostam o seu perispirito no perispirito do encarnado que esta bebendo e vão sugar as emanações fluídicas do álcool, é o vampirismo psíquico.
    Vamos concluir, que os encarnados viciados no tabagismo e na bebida alcoólica são visados pelos espíritos desencarnados que tem os mesmos desejos e vícios, lutar para se libertar desses vícios é muito importante para nosso crescimento espiritual, o Espírito se reencarna no mundo terra é para Evoluir no campo moral e no campo intelectual pela pratica do Bem e das Virtudes, cada vicio é uma trava para nossa Evolução, os maus espíritos ficam vigiando os encarnados que são invigilantes com seus pensamentos e conduta moral e procuram estabelecer uma Sintonia com a mente das pessoas, e os vícios é uma porta aberta para os espíritos desencarnados que estão apegados a matéria e as sensações terrenas, eles procuram um encarnado que sirva de prolongamento vivo para os seus desejos e prazeres.
    O encosto se processa pela colagem perispiritual de um desencarnado em um encarnado, e dessa forma o encarnado é usado para transmitir sensações para esse espíritos inferiores, perturbadores e obsessores do plano astral.

    2) Os espíritos desencarnados são criaturas humanas sem o corpo físico, encontramos no mundo espiritual ou plano astral as mesmas pessoas que encontramos no plano terreno, a única diferença que os desencarnados estão livres do corpo carnal e os encarnados possuem um corpo físico.
    A morte ou desencarnação não modifica as condições morais e intelectuais do Espirito, continuamos a ser no plano astral aquilo que fomos no plano material, as pessoas maldosas, desonestas, racistas, viciadas, mentirosas, continuam com essas características morais negativas, as pessoas corretas, bondosas, honestas, cultas, caridosas, dignas, continuam com esses valores morais positivos.
    A desencarnação é apenas uma mudança de matéria, saímos da matéria física e densa e vamos para a matéria fluídica do mundo espirtual.
    Muitos desencarnados querem continuar a sentir as sensações da vida material, como eles não possuem o corpo carnal possuem apenas o perispirito, eles vão procurar os encarnados que possam ser usados como prolongamentos vivos de seus desejos carnais.

    3)Os encarnados viciados na bebida são canecos vivos para os espíritos desencarnados que querem continuar a sentir o gosto da bebida.
    Os encarnados viciados no tabagismo são piteiras vivas para os desencarnados viciados na nicotina.
    Da mesma forma, os encarnados viciados no jogo, na gula e nas drogas, são prolongamentos vivos para esses espíritos inferiores do plano astral.
    É por isso que devemos combater esses vícios, para podermos afastar esses espíritos viciosos e ociosos do plano astral, o vampirismo também é praticado por espíritos que procuram sugar os fluidos vitais dos encarnados, esse processo de obsessão leva as pessoas ao esgotamento físico e psíquico, a defesa contra o vampirismo psíquico e as obsessões, esta no comportamento Moral e nos pensamentos das pessoas, as pessoas que procuram levar uma vida correta, digna, honesta, sem vícios, procura cultivar pensamentos elevados e positivos, procura praticar o Bem e as Virtudes, ela consegue elevar o seu Padrão Vibratório, dessa forma ela afasta os maus espíritos e atrai os Espíritos de Luz.
    O Bem atrai o Bem.
    O mal atrai o mal.
    Essa é a lei psíquica das atrações que as pessoas praticam com seus pensamentos, sentimentos e atitudes, ter uma assistência espiritual positiva ou negativa depende somente de nós.

    4) As causas básicas das Obsessões foram colocadas por Emmanuel e Cheila na psicografia de Chico Xavier, são:
    a) a cabeça e mãos desocupadas
    b) a palavra irreverente
    c) a boca maledicente
    d) a conversa inútil e fútil prolongada
    e) a atitude hipócrita
    f) o gesto impaciente
    g) a inclinação pessimista
    h)o apego demasiado a coisas e pessoas
    i) o comodismo exagerado
    j) a solidariedade ausente
    m) considerar nosso trabalho excessivo
    n) o desejo de apreço e reconhecimento
    o) o impulso de exigir dos outros mais do que de nós mesmos
    p) fugir para o álcool ou drogas estupefacientes

    São essas imperfeições morais que atraem pela sintonia vibratória dos pensamentos os espíritos inferiores, perturbadores e obsessores do plano astral, a defesa psíquica contra os maus espíritos esta em nossa melhoria Moral e Mental.
    O Mestre Allan Kardec, fala em seus livros, que a autoridade que o homem tem sobre os maus espíritos esta no ascendente Moral, enquanto maior este maior é a autoridade, tudo depende do ascendente Moral.
    O Mestre Allan Kardec explica, que são as nossas imperfeições morais que vão atrair os maus espíritos, da mesma forma, que as moscas farejam as chagas do corpo, os maus espíritos farejam as chagas morais da alma, para evitar as moscas basta limpar o corpo, para evitar os maus espíritos, basta Limpar nossa alma de suas impurezas morais, essa LIMPEZA MORAL é muito importante para podermos repelir os espíritos perturbadores e obsessores.

  139. Não, Renata. O álcool vai ser abolido da sociedade, mas pra que isso aconteça ainda vai levar um bom tempo. Não podemos radicalizar e cortar todos os prazeres materiais, não estamos prontos pra isso. Desde que haja equilíbrio, não é motivo de preocupação. O grande problema é que poucos conhecem o equilíbrio… Esse “às vezes” não pode se tornar um hábito.
    Fique com Deus!

  140. Caro Morel, achei muito interessante este artigo sobre álcool e drogas. Não uso drogas, não frequento bares, mas gosto de às vezes, em casa, de beber vinho. Geralmente sozinha, bebo muito pouco. São momentos em que me sinto bem, descanso o corpo e a mente após um dia de trabalho exaustivo ou de estudo, por exemplo. Procuro cuidar e policiar meus pensamentos sempre, independente do vinho. Ainda assim, seria um hábito danoso? Adoraria a sua opinião. Grande abraço.

  141. Cz, você tem consciência do seu problema, o que já é um grande passo. Vícios são hábitos, e nós não abandonamos hábitos, nós os substituímos por outros. Concentre-se em uma coisa de cada vez. O cigarro, por não afetar diretamente o aspecto moral, não é tão urgente. Mas é preciso que você pare de beber. Leia o livro Fisiologia da Alma, de Ramatis. Deixo o link aqui: http://api.ning.com/files/8e*36BgNZ9mrfiZy5qGBenhcLSpw2F9KXYMHS6yIojGuNQvxxh8j3Zu3y16F7LL5b6K2Uxqw4xVO31iDupiAb5gOCJcmhZl2/FisiologiadaAlmaRamats.pdf
    Nossos vícios atraem espíritos viciados como nós. Em primeiro lugar, você deve procurar tratamento em centro espírita kardecista. Comece a frequentar o centro espírita com assiduidade, tome passes e água fluidificada.
    Adquira novos hábitos. Leia, ou estude, ou pratique exercícios físicos. Procure ajuda. Se você não gosta de centro espírita, vá à igreja, grupos de apoio, A.A.
    você tem força, é preciso apenas reorganizar a sua vida, é preciso gostar de si mesmo e respeitar a vida. Cada dia que desperdiçamos é um dia que não volta mais. A vida é um dia depois do outro.
    Fique com Deus.

  142. Tenho muita tristeza em dizer que sou alcoólatra e fumante já há muitos anos. E o que mais me dói é que já tentei parar por muitas vezes porque tenho duas filhas, uma de 9 e outra de 4. Quando não fumava nem bebia, eu era feliz. Mas depois que me separei comecei a fazer estas coisas e minha vida virou do avesso. Hoje tenho dificuldade em todos os aspectos de minha vida, e o pior é que tenho que parecer sempre forte, mas sinto que estou me consumindo aos poucos… Só quero encontrar uma maneira de conseguir largar meus vícios, minha força de vontade está sendo pouco… Sinto culpa, sinto pena, me sinto inferior… Chega o final da noite e minha mente pede por cerveja e cigarro… Parece que só assim consigo relaxar da angústia e ansiedade…

  143. O Pai Eterno tem cuidado de mim todos os dias da minha vida, mas hà mais de 25 anos que luto para me livrar do vício da cerveja, já tentei centenas de vezes parar, pois as vergonhas e consequências eram horríveis, já tentei várias vezes morrer atropelada, pois me jogava na estrada (BR) mas sempre Deus mandava alguém me socorrer. E eu parecia ver tudo o que eu fazia mas não tinha ação alguma… mas agora pedi ao Deus que dá a vida para que me resgatasse do vício (que eu dizia que não era vício) e estou confiante no “amor de Deus por mim”. Já faz 58 dias sem beber cerveja. Acredito no Deus que eu sirvo, Ele disse para mim em sonho que eu seria salva, e eu sei que Deus não mente. Oh! Deus Altíssimo te louvo agora neste momento. Paz e vitória a todas as pessoas que lerem este testemunho de fé. Amem fraternalmente o seu próximo e sejam caridosos com quem precisa; todos precisamos da caridade uns dos outros. Paz em Jesus Cristo!

  144. Obrigada pelas palavras. Foram muito proveitosas.
    Vou tentar de todas as formas ajudá-lo e continuarei a orar por ele. Que os espíritos de luz nos ajudem.
    Fique com Deus também! Parabéns pelo site. Estou adorando.

  145. Nis, para quem ainda é jovem e não tem compromissos obrigatórios, como filhos, por exemplo, é difícil perceber o mal causado por essas drogas. Seu efeito destruidor é lento. O prazer experimentado ainda é grande, “compensa” os males que o drogado sente. Só através da observação de exemplos, só com a conscientização espiritual a pessoa é capaz de notar que este caminho só leva à dor, ao fracasso, à perda.
    O que você pode fazer, sempre, é orar. Procure pensar sempre positivamente sobre ele, evite o desespero e a preocupação, pois o pensamento é creador.
    Fique com Deus.

  146. Adorei este site. Me identifico muito com o espiritismo. Creio que esta doutrina me fortifica e me dá consolo quando preciso.
    Namoro há 4 anos com um rapaz maravilhoso. Porém, faz uso de álcool, cigarro e maconha. Desde os seus 15 anos ele faz uso disto. Não sei como ele entrou nesses vícios, mas sei que pessoas muito próximas a ele, como o tio – irmão da mãe – sempre fez uso dessas drogas que citei, e o pior, sempre ofereceu.
    Meu namorado é muito próximo desse tio, mas não percebe que a companhia dele incentiva ele a usar mais e mais. É muito complicado você conversar com uma pessoa que não assume que certas pessoas, mesmo sendo da própria família, estão “acabando” com sua vida também, pois eu acredito que há influência sim. Há um agravante, pois este tio mora no mesmo lote praticamente.
    Já conversei com meu namorado sobre, tento levá-lo a outros ambientes, mudar seus hábitos. Mas parece que ele está preso a isso. O sinto muito depressivo. Ele já me disse que quer parar. Mas fala isso num fds, no outro já está lá, se drogando dessas maneiras. Converso muito com a mãe dele, que é muito espírita, inclusive frequenta um centro espírita da minha cidade no Distrito Federal; ela e o pai dele já conversaram com ele sobre, pediram que ele falasse qual tratamento queria. Se clínica, psicólogo, o que for!
    Mas ele não reage. Fora esse tio dele, há um outro homem que se diz ‘amigo’, que também foi apresentado a ele por esse tio. É outro que bebe quase todos os dias e se droga com cigarro e maconha também. Quando meu namorado está com ele, uma raiva me consome, tenho desespero de pensar que além de estar usando maconha, possa estar usando drogas mais pesadas.
    Desculpem o desabafo, mas me sinto muito inútil. Ele é uma pessoa maravilhosa, trabalha, é honesto, bondoso, mas infelizmente está nesse mundo sombrio. E isto está me afetando e afetando nossa relação.
    Já não sei mais o que faço! Me sinto fraca perante tudo isso.
    Vou procurar esses livros que você indicou a outra pessoa. Quem sabe meu namorado, que também gosta muito do espiritismo, se interesse também, leia e saia dessa.
    Obrigada pela atenção.

  147. Diego, os espíritos viciados são atraídos pelas emanações alcoólicas dos bebedores e pelas consequentes emoções e sensações proporcionadas pelo uso do álcool. Se a bebida não contém álcool, não oferece a eles esses mesmos atrativos.

  148. Cesar, as substâncias que consumimos ou deixamos de consumir, os lugares que frequentamos ou deixamos de frequentar, as pessoas com quem convivemos, nada disso é determinante para a nossa moral. Jesus conviveu com as chamadas “pessoas de má vida” e iluminou a todas que se dispuseram a isso. Algumas pessoas interpretam a passagem de 8 anos de André Luiz pelo umbral como consequência dos vícios. Mas não são os vícios que determinam o que somos, somos nós que determinamos os vícios que temos. O importante, acima de tudo, é o pensamento. Você pode estar numa igreja ou num centro espírita e com a mente poluída, dando passagem livre para espíritos desocupados ou mal-intencionados. Por outro lado, você pode estar num bar, numa prisão ou em qualquer ambiente menos digno e manter o controle sobre os pensamentos, palavras e ações. Quando chamamos a atenção para os vícios e os ambientes é porque em nosso estágio evolutivo somos escravos de nossos hábitos, e na maior parte das vezes temos que nos impor bons hábitos para que possamos interiorizar as atitudes condizentes com os mesmos.
    Se você não se sente atingido negativamente no ambiente, se não dá espaço a pensamentos notavelmente mais baixos que os que mantém normalmente, não há inconveniente em que frequente a lanchonete às vezes. O meio mais seguro de saber é fazendo uma análise fria e ponderada de si mesmo.

  149. Boa tarde Morel, muito obrigado pela explicação, pois há um ano atrás eu também parei de consumir álcool, consumia socialmente, mas aboli de vez, nem sequer em comidas que muitas pessoas utilizam bebidas que contem álcool como o vinho, como tempero eu também não como. Porém tenho amizade com o proprietário e pessoas que frequentam a lanchonete onde geralmente nos encontrávamos para beber, e hoje eu continuo frequentando, porém não consumo álcool, bebo água, ou refrigerante, não sinto falta alguma e nunca senti necessidade de consumir bebidas alcoólicas. Frequento um Lar Espírita aqui em minha cidade, o que o Sr. acha a respeito? Devo parar também de frequentar o local? Como devo proceder?

  150. Cesar, se você reler a resposta a que se refere encontrará lá o que procura saber. Eu não disse que ele continuará, mas que É POSSÍVEL que continue. Não me referi a “maus espíritos”, isso é uma expressão sua. Quem é mau, o espírito que vem beber com você ou você que oportuniza a ele saciar o vício e o convida com seus pensamentos? Semelhante atrai semelhante, seria uma atitude muito simplista e defensiva atribuir a culpa de nossos vícios aos espíritos desencarnados.
    Acontece que às vezes a “amizade” entre esses espíritos desencarnado e o encarnado que deixou de beber é de longa data, e eles já estão plenamente acostumados à sua companhia, já tem acesso a ele facilmente, se aproveitam de suas energias com facilidade. Por isso a importância não só de ABANDONAR um hábito, mas de SUBSTITUÍ-LO por outro hábito mais saudável. Troca de atividades, de ambientes, de convívio.
    Quando você pergunta: “Então não adianta parar de beber, dá na mesma?” Você está sugerindo que se deva parar de beber para livrar-se de um problema. Realmente, o hábito de beber pode se tornar um problema. Mas ele não é a CAUSA, é CONSEQUÊNCIA. A causa é o nosso modo de pensar, o que nós somos realmente e como nos posicionamos perante a vida, o mundo, as pessoas. É urgente abandonar os vícios. Mas a cura não é o abandono dos maus hábitos, e sim a sua substituição por hábitos saudáveis, úteis, construtivos. A cura para todos os males está em nosso melhoramento interno, em nossa reforma íntima.

  151. Boa noite, li uma resposta que o senhor deu ao Toni, a respeito dele não beber álcool há um ano, porém o senhor disse que ele continuará com os mesmos espíritos de quando ele consumia álcool? Então não adianta parar de beber, dá na mesma? A pessoa para de beber e continua com os “maus espíritos” ?
    Agradeço muito se puder responder.

  152. Toni, tudo está interligado, a ressaca não é apenas um fenômeno físico. Um grupo de pessoas bebendo atrai espíritos desencarnados que se afinizam com essa atividade, com o ambiente, com o tipo de conversa e consequente emoção. É possível que você continue com as mesmas companhias espirituais, embora não beba mais. O uso do álcool favorece a vampirização de energias por deixar o encarnado mais exposto, mais aberto. Mas isso não impede que a vampirização continue ocorrendo, até porque se você tem companhias espirituais que se aproveitam das suas energias há tempo, eles já têm acesso fácil a você; não é mais preciso que você esteja sob a influência do álcool para “abrir caminho” a eles.
    Eu sou favorável a uma mudança radical de hábitos quando se abandona um vício. Isso é minha opinião, não quer dizer que seja verdade absoluta. Sei que pode ser complicado deixar de lado amizades e costumes antigos. Às vezes é o preço por uma disposição melhor…
    Seria interessante que você fizesse algum tratamento espiritual com seriedade. Se houver alguma influência externa, é possível que você passe a ver seus costumes com outros olhos.
    Fique com Deus!

  153. Parabéns pelo site, muito informativo e reflexivo!
    Bom, ficarei agradecido se puder responder a uma dúvida. É em relação à pessoa que não bebe e que se encontra em meio dos que bebem. Falo isso pois parei de beber há quase um ano e sempre que me encontro com os amigos em algum bar, onde todos bebem (com minha exceção), no dia seguinte acordo com uma sutil “ressaca”, algumas vezes com leve dor de cabeça, mesmo sem ter ingerido uma gota de álcool. A dúvida é se esse cansaço do dia seguinte está relacionado à parte física (cansaço físico) ou se tem um tipo de influência espiritual (mesmo não bebendo álcool). Obrigado.

  154. Vanessa, atraímos companhias espirituais que se afinizam com nossos pensamentos e hábitos. Isso potencializa nossos traços de caráter; no caso relatado, o seu vício. Você tem consciência do erro e ainda tem domínio sobre si mesma. Seria oportuno que você procurasse tratamento num centro espírita, mas o principal é uma profunda mudança de hábitos. Procure novos afazeres nos finais de semana, busque novas ocupações, novos interesses. Não abandonamos hábitos. Apenas os substituímos por outros. Escolha hábitos melhores, mais salutares, mais úteis, mais construtivos. Você consegue.

  155. Comecei a usar cocaína aos 22 anos e até hoje tento parar, mas é só chegar o final de semana e eu caio na mesma burrice.
    No outro dia fico depressiva e com muita raiva de mim mesma, às vezes parece que estou sendo dominada por algo que me tira do meu objetivo.
    É estranho, pois faço uso disso apenas na sexta ou sábado e nos outros dias não tenho vontade, podem até usar perto de mim que eu chego a sentir nojo.
    O que faço para me fortalecer contra estes impulsos de sexta-feira e sábado??

  156. André Luiz trata das drogas no livro “Evolução em dois mundos”, Luiz Sérgio se dedica muito a este tema nos livros “Os Miosótis Voltam a Florir”; “Na Esperança De Uma Nova Vida” e “Consciência”. O capítulo “Vampirismo” do livro “Missionários da luz”, de André Luiz, também é muito importante. De modo mais abrangente, mas também muito importante e explicativo, o livro “Fisiologia da alma”, de Ramatis, é muito indicado.
    É importantíssimo a prática da leitura informativa e edificante. Indico também dois livros que não são espíritas mas que todos deveriam ler E PRATICAR. São eles “O poder do subconsciente”, de Joseph Murphy, e “O poder infinito da sua mente”, de Lauro Trevisan.
    Estes dois livros ensinam a reprogramarmos o subconsciente, e o método funciona mesmo que no começo não se acredite, desde que se pratique com persistência e disciplina. Fiquem com Deus.

  157. Boa tarde,
    Gostaria de indicações para livros sobre pessoas que já morreram de overdose, o que acontece com o espírito de quem se droga e exemplos assim.
    Meu marido está em tratamento por vício de crack e está em fase de ler muito para controlar o psicológico, então gostaria de comprar livros para ajudá-lo.
    Você pode me indicar alguns?
    Desde já agradeço.
    LSL

  158. Rian, tenha certeza que este seu depoimento franco irá chegar a pessoas que precisam ler exatamente isso. Muito obrigado.
    Afaste de você o sentimento de culpa, ele não resolve nada. Tratar desses temas como informação é relativamente fácil; conviver com eles é complicado. É claro que agora você percebe com clareza que só o amor tem o poder de fazer a diferença em situações delicadas como essa. Quando estamos atravessando o problema, o sentimento é outro, ficamos como que entorpecidos pela confusão emocional e não agimos com o coração.
    Ore muito por ela, pense nela com carinho e compreensão, evite lembrar imagens desagradáveis. O pensamento e as imagens que mantemos na mente são mais fortes que quaisquer palavras ditas em oração.
    Fique com Deus.

  159. O Alcoolismo é uma doença! Perdi a minha mãe essa semana por conta de uma Cirrose Hepática, causada pelo álcool. No fundo minha mãe precisava de ajuda, ela era alcoólatra, eu nuca quis reconhecer tal realidade… Pedia para ela parar de beber mas não adiantou, faltou carinho, amor, compreensão, entrega da minha parte…
    Era uma pessoa tão boa, dócil, amável, carinhosa, mas quando bebia tornava-se outra pessoa, eu acabava sentindo repulsa por ela… Está doendo, porque foi algo que poderia ser evitado, a minha mãe já esteve bem mas teve recaídas. Faltou a cura interior, emocional, espiritual, a entrega a Deus… O espiritual interfere, eu sentia uma energia negativa muito pesada. Foi um suicídio lento, tal como afirmou Cairbar Schutel em Cristomantia da Imortalidade. Faltou Deus em nossos corações, parece que tudo conspirou para esse final infame! Tomei até repulsa de Bebidas alcoólicas, não quero mais beber, nem socialmente… Perdão mãezinha, se não te amei como deveria.

  160. Luiza, você já está se redimindo. Nos redimimos da escuridão fazendo brilhar a nossa luz. A determinação de compensar o mal causado é o começo da redenção. Erramos por ignorância. Nossos erros são tentativas de acerto frustradas. Não há porque ficar com a consciência pesada. Alivie sua consciência. O sentimento de culpa só é válido até o arrependimento. Havendo o arrependimento e a necessidade íntima de rearmonização, a culpa de nada vale; é um estorvo. Deus sempre peroda os nossos erros. Na verdade, somos nós que devemos nos perdoar; Deus não se ofende, então nem tem o que perdoar. Perdoe-se. Use a sua experiência para ser mais compreensiva com os males do próximo.

  161. Já usei drogas para tentar me libertar de uma vida que me angustiava. Muito cedo perdi minha mãe, e foi uma dor muito grande, acabei usando isso como desculpa para “me drogar”, hoje em dia tenho a consciência muito pesada com relação a isso, então comecei a ler romances que falavam sobre drogas e acabei criando uma dúvida muito grande: queria saber como me redimir diante de tamanha ignorância que cometi quando fiz uso de entorpecentes.
    Fiquem com a Paz do Senhor Supremo.

  162. Meu pai foi alcoólatra e minha mãe também. Os dois morreram por consequências do álcool. Meu ex-marido é alcoólatra. Bebi desde os 17 anos. Achava que era normal beber, pois cresci vendo meus pais beberem e minha mãe achava super normal bebermos juntas. Foi nesse meio que cresci e vivi. Hoje, tenho 3 filhos lindos e moro com eles. Tenho 49 anos e resolvi parar de beber. Pensei que nunca conseguiria, mas quando comecei a visualizar as coisas que eu fazia ao beber e a mágoa que meus filhos tinham de mim por causa da bebida, comecei a orar e pedir a Deus para tirar esse vício de mim. Sempre fui uma mãe maravilhosa, mas quando bebia, ficava feia e vacilona. Fazia coisas que só Deus sabe, viu? Hoje, faz 4 meses que não bebo mais e não sinto mais vontade. O segredo é quando a bebida aparecer, lembrarmos de tudo de vergonhoso e errado que fazemos quando utilizamos dela e nunca dar o primeiro gole! Hoje minha vida é tranquila, maravilhosa e cheia de paz! Sinto como se o Espírito Santo tivesse tocado em minha cabeça. Ah sim, hoje, reconquistei a confiança de meus filhotes e eles têm orgulho de mim! Estou tão em paz comigo mesma! Como é bom viver na total realidade! Obrigada, Morel! Adoro suas palavras!

  163. Aneude, o primeiro passo você já deu, que é a conscientização. Existe vida além do álcool, e é uma vida muito mais tranquila e pacífica. Lembre-se de todos os males, de todas as vergonhas, de todos os desgostos e problemas que o uso do álcool já lhe causou. Mantenha esse pensamento sempre em mente. Pense firmemente nisso quando vier vontade de beber. Lembre-se de que não pode tomar o primeiro gole. A vitória é um dia depois do outro. Em pouco tempo tudo fica mais fácil, você reencontra antigos prazeres e vontades. Peça a ajuda dos espíritos superiores, ore muito, ore sempre que ficar deprimido ou impaciente. Você vai conseguir. O livro Fisiologia da Alma, de Ramatis, trata, entre outros assuntos, do alcoolismo. Você encontra ele em PDF na internet. Sua leitura é muito importante. Aqui está o link: http://api.ning.com/files/8e*36BgNZ9mrfiZy5qGBenhcLSpw2F9KXYMHS6yIojGuNQvxxh8j3Zu3y16F7LL5b6K2Uxqw4xVO31iDupiAb5gOCJcmhZl2/FisiologiadaAlmaRamats.pdf

  164. Tenho familiares que já morreram e eram alcoólicos, estou passando uma fase muito difícil com o alcoolismo e não consigo parar. Este texto me despertou para travar uma luta contra este mal que me atormenta desde os 17 anos, preciso muito de ajuda.

  165. José Solís, já passamos da fase de dar importância ao que os outros pensam. Quanto à questão dos impostos, grande parte do orçamento da Saúde, provavelmente, é gasto com doenças provocadas justamente pelo cigarro e o álcool…
    Obrigado pelo comentário, José.

  166. Ótimo artigo. Concordo com a má influência dos espiritos desencarnados, mas temos também perto espiritus encarnados que censuram quando a gente diz: eu não bebo, ou eu não fumo. Dizem: você deve ser gay!.

    Na Colômbia os impostos que pagam as empresas de cigarros e alcóol, são muito importantes para os orçamentos da saúde pública. Que coisa mais esquisita né?

  167. De jeito nenhum, Priscila. O chocolate não provoca alterações morais, estados alterados de consciência, nenhum espírito desencarna enlouquecido por chocolate. Chega a ser cômico…
    Há espíritos glutões, viciados em comida. Mas eles se sentem atraídos pelos seus iguais, não por alguém que come chocolate com frequência.
    Náo sempre arranjamos desculpas para os nossos hábitos. É sinal de que, de algum modo, já nos conscientizamos do seu aspecto nocivo. Sou vegetariano. Algumas pessoas pensam que não como carne por “pena” dos animais. E perguntam se não tenho pena da algace…
    Fique com Deus, Priscila.

  168. Morel, achei o texto muito interessante e me ajudou muito. Tu deve saber que quem faz o uso de drogas (qualquer uma) sempre tem uma desculpa e “joga alguma coisa na nossa cara”. Por exemplo, eu sou uma pessoa que gosta muito de chocolate, e costumo comer quando tenho oportunidade. Uma(s) pessoa(s) me disse(disseram) que do mesmo modo que um espírito se aproveita do fumo de alguém, se aproveita do meu hábito de comer chocolate, logo, no entendimento dela (delas, afinal), seria a mesma coisa. Bom, claro que sabemos que um espírito desencarnado pode também aproveitar a nossa sensação de satisfação alimentar, mas a comparação com o uso de drogas me parece um pouco exaregada… Mas tudo bem, é a maneira que as pessoas se desculpam por isso, acho eu. Tu acha que é um comparativo aceitável? Um abraço e obrigada pelos esclarecimentos.

  169. Participo de um grupo doutrinário que propõe a recuperação dos dependentes químicos, e certamente, a prevenção da dependência. Assim, pesquiso material sobre o assunto. Encontrei neste site um bom conteúdo. É gratificante notar que há envolvimento para com a causa, mobilização para aboliar hábitos/vícios tão nocivos. O esclarecimento é sem dúvida uma das maiores contribuições para o progresso. Estar afinado com a espiritualidade, inspirado pela paz, bondade e sabedoria é um convite para caminhar na luz. É necessário estar sempre fortalecido e evoluindo pelo bem, o bem de si próprio e do irmão. Att.

  170. Rodrigo, obrigado pela coragem do seu depoimento. Acho que, nas características do meio em que você vive, você está certo em evitar escândalos. Com prudência se vai mais longe. O que você fala sobre as energias relacionadas ao álcool e à carne tem fundamento. O livro Fisiologia da Alma, de Ramatis, fala minuciosamente sobre isso.
    Deixo aqui o link do livro em PDF para quem se interessar: http://api.ning.com/files/8e*36BgNZ9mrfiZy5qGBenhcLSpw2F9KXYMHS6yIojGuNQvxxh8j3Zu3y16F7LL5b6K2Uxqw4xVO31iDupiAb5gOCJcmhZl2/FisiologiadaAlmaRamats.pdf

  171. Eu fui alcoólatra muito tempo, meu pai foi toda a sua vida e meus irmãos todos tiveram problemas com álcool, tanto que morreram quase todos. Eu sei por experiência que essa droga faz um mal muito grande à sociedade e que como eu existem espíritos que há muitas vidas são viciados em álcool. Eu acho que em todas as minhas vidas eu abusei disso e só agora é que pude realmente entender que essa droga está me atrasando a evolução, não só ela, mas penso que o vício de comer carne também estava me atrasando moralmente. Sabe, quando nós usamos essa droga sentimos as vibrações negativas desses espíritos e percebi também que quando comia carne sentia algumas vibrações negativas também, penso ser as energias de angústia do animal que ao morrer, sempre de forma brutal, deixa impregnada em seu corpo essas energias mortais, não sei se é exagero meu, mas acho que muitas vezes somos infestados de pensamentos e sentimentos horríveis por culpa dessas energias negativas do álcool e também da carne, muitas vezes adoecemos por culpa disso e como está esplanado neste texto, os espíritos viciados e imperfeitos que estão desencarnados se aproveitam disso. Já vi pessoas possuídas por esses espíritos, aqui nós expulsamos inclusive esses espíritos malignos, como diz no espiritismo, isso é possessão mediúnica, eu sei que precisa ser trabalhada e que se a pessoa não passar por uma reforma íntima nunca se libertará definitivamente, por isso sempre explico isso do modo doutrinário bíblico para não escandalizar ninguém, mas eu sempre tento passar a verdade para essas pessoas, porém tem pessoas que há anos vêm nas igrejas e continuam caindo em possessão mediúnica. Pena que só posso mandar esses espíritos embora sem doutriná los, pois haveria escândalos se assim agisse, mas depois, em casa, eu sempre faço uma prece por eles para que possam ser iluminados com a verdade, alguns até vêm a mim à noite. Tudo que eu posso falar eu falo, tento tirá-los das trevas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.