Artigos mais lidos, Sexualidade, Sonhos e Projeção astral

Espiritismo e adultério

motel-espiritismo

O Espiritismo, tomando por base a questão 701 do Livro dos Espíritos, afirma que o casamento deve se fundar na afeição dos dois seres que se unem. Mas não podemos ignorar que o adultério é prática comum, tolerada pela sociedade.

Você já parou pra pensar a respeito do poder que há no sexo? O sexo sempre esteve por trás das grandes conquistas e das grandes tragédias da História. Talvez um dos desequilíbrios mais comuns na trajetória do espírito imortal seja justamente o sexo. Se você se alimenta pouco, enfraquece; se come demais, adquire doenças. Se você dorme pouco, não recupera totalmente as energias; se dorme muito, perde o dinamismo. Com o sexo ocorre o mesmo. É preciso equilíbrio.

O desejo sexual represado representa um grande perigo, pois poucas pessoas são elevadas a ponto de canalizar a energia sexual para o processo criativo. O represamento do desejo sexual pode levar ao descontrole e é causa de muitos crimes. Pessoas sexualmente equilibradas convivem melhor em sociedade e são mais felizes.

Nosso senso moral e nossa cultura cristã nos legaram a monogamia como relação ideal mais propensa a incentivar o amor. Mas não podemos ignorar que o adultério é prática comum, tolerada pela sociedade. Você tem ideia das consequências espirituais do adultério? A relação sexual é o momento de maior intimidade e troca de energias que se pode experimentar na Terra. Isso não fica restrito ao plano físico, mas também ao plano astral.

adultérioAo nos unirmos sexualmente com alguém, formamos ligações com as companhias espirituais da outra pessoa. Você sabe que nunca estamos sozinhos, estamos sempre acompanhados de espíritos que se afinizam conosco, com os nossos gostos, com nossas atividades, pensamentos, atitudes, emoções. Numa relação adúltera é inevitável que sejam atraídos por nós espíritos que se afinizam com este tipo de ato clandestino, furtivo, baixo. Em situações assim reatamos antigas ligações espirituais conflituosas ou encetamos novos comprometimentos.

O mesmo ocorre com o sexo pago. Você acha que quem recorre à prostituição pratica o ato sozinho? Na verdade quem costuma comandar a situação são os espíritos desencarnados viciados em sexo. Os lugares ligados à prostituição são habitados por inúmeros espíritos nessas condições, que vivem da energia dos encarnados que os frequentam. São verdadeiras parcerias que se formam entre os dois planos. Os dois lados em busca do prazer desenfreado oferecido pelo sexo.

Há muitos que não consumam a traição. Não se atrevem a levar o adultério às últimas consequências. Mas o fazem em pensamento. Jesus falou sobre isso, ao dizer que desejar a mulher do próximo em pensamento já é cometer adultério. Nada ativa tão bem a imaginação como o desejo sexual. O poder mental é capaz de atrair espiritualmente a pessoa desejada se for fortemente imaginada. Se houver reciprocidade de intenções, pode haver uma espécie de vida paralela em que os adúlteros em pensamento passam a encontrar-se no astral para saciar seus desejos. De qualquer maneira, sendo ou não sendo correspondido o desejo, outros espíritos sedentos por sensações prazerosas do sexo são atraídos. Qualquer pessoa que tenha seu pensamento dominado pela ideia do sexo atrai para si companhias espirituais das quais se torna muito difícil de se livrar.

Durante o período de sono físico, nada atrai tanto o espírito encarnado quanto o sexo. Muitos são habituados a se relacionar com desencarnados ou com outros encarnados desdobrados pelo sono. Às vezes são pessoas de conduta exemplar, que racionalmente não procurariam essa situação. Mas, parcialmente livres do corpo físico durante o sono, se deixam dominar pelo subconsciente. No subconsciente está armazenada a bagagem de todas as vidas anteriores do espírito imortal; é a soma de tudo o que ele é.

Quem vive essas experiências geralmente não tem vida sexual satisfatória; vive sem esperança amorosa. Geralmente essas pessoas roubam a energia das pessoas próximas; familiares, amigos, colegas. A energia que retiram de seus próximos é gasta em seus encontros no astral.

O sexo é energia sagrada, é criação de Deus que nos concedeu o poder de criar, pois somos Sua imagem e semelhança. O sexo equilibrado é manifestação de amor, e eleva o espírito a Deus. Mas o sexo em desequilíbrio pode ser motivo de queda e destruição. Deus não nos castiga, não há crime ou pecado. Há desgaste espiritual, há desperdício de forças criadoras, há desrespeito com o amor. E tudo isso tem um preço.

(Artigo publicado originalmente em 26/09/2012)

Antes de comentar, leia este artigo: Espiritismo e os relacionamentos amorosos

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

271 Comentários

  1. Parabéns pelo site. Os temas são ótimos!
    Eu tenho uma vida normal sem vícios, não como carne e tenho uma conduta até razoável eu diria. Porém, desde a adolescência quis me relacionar com cara específico, este muito mal caráter, drogado e passa as pessoas pra trás. Sei disso a mais de 18 anos,ele continua sem muita evolução nesses aspectos. Mas mesmo sabendo disso ele exerce um facinio sobre mim, uma atração incontrolável.
    Como ele viaja muito e fica anos fora é mais fácil, porém desta vez ficou meses por aqui e nos vimos todos os dias. Acabamos por ter relações sexuais, não uma, mas incontáveis, minha vida passou a girar em torno disso. Terminei com ele pelos seus muitos desvios de caráter e ele sumiu do país de novo. Eu sou casada, trai.
    Minha vida não sai do lugar, mesmo sem ele aqui. Penso nele todo o tempo e parece que a vida se resumiu a transar com ele (só com ele). Fico esperando ele voltar…Há meses…Não consigo me livrar do fascínio,nem da conexão. Parece um obcessao, não dele comigo, mas minha com ele. Já rezei, já tentei mudar o foco…li no seu artigo que o sexo tem troca de energias. Eu o amava por completo, tinha afeto, cumplicidade e sintonia. Como disfarço essas energias agora?

  2. Olá, esse texto é muito bom.
    Eu sou mulher, e gosto de mulher, recentemente eu estava me envolvendo com uma mulher casada ( casada com homem), ela vive uma vida de aparências por causa da família e dos filhos, eu acabei me apaixonando. Comecei a ter a consciência pesada, a pensar no marido e na lei do retorno, mesmo gostando dela, eu preferi me afastar. Sinto um vazio no momento, e não quero gerar mais carmas em minha vida atrasando a minha evolução espiritual, abandonei o meu desejo, e ainda bem tive plena consciência do mal que estava fazendo ao outro e a mim mesma.

  3. Aliás, o celular que eu digo é o dela. Eu havia comprado um novo e passado meu antigo pra ela e imagens que não foram apagadas na formatação voltaram (não há nada escondido que não se mostre à luz). Eu deixei de falar com minha ex e, desta vez, nem cheguei a me encontrar com minha “namorada”.

  4. Olá, achei o texto interessante e estou realmente aflito…
    Eu namorava há quase 3 anos e, em decorrência de mensagens que eu trocava com uma ex minha virtualmente, nos separamos. Minha namorada, com quem eu morava, era ciumenta e discutia demais comigo por desconfianças. Me impedia de coisas como adicionar pessoas em redes sociais, enquanto ela o fazia, e, no primeiro ano de nosso namoro, eu cheguei a descobrir mensagens dela pra ex parceiros e outros homens virtualmente. Como foi virtual e eu gostava demais dela, eu perdoei. Com o tempo, ela melhorou muito em relação aos ciúmes, embora eu me sentisse muito limitado em questão de desconfianças. Apesar disso tudo, eu gosto demais dela e combinávamos em inúmeras coisas. Em suma, nossos momentos bons eram muito maiores que os ruins, apesar de tudo o que eu disse. Mas no meio do ano passado, minha ex entrou em contato. E passamos a trocar mensagens de forma carinhosa, que eu jamais deveria ter feito. Ela mandava fotos dela (do rosto, nunca fizemos sexo virtual) e acabou que no começo deste ano, minha namorada descobriu e terminou comigo, contando para toda a familia dela. Eu tenho ciência da besteira que fiz e, o pior, é que tudo o que eu disse pra minha ex, na realidade, não havia qualquer sentimento. Mas o que me deixa aflito é que sempre que tento uma reaproximação de minha “namorada” (entre aspas pra não confundir com a ex que troquei mensagens), que parece que vai dar certo, algo acontece que dá tudo errado… Depois de quase quatro meses sem nos falar, voltamos a conversar e ela encontra algo no celular que a deixa triste que põe tudo a perder. Será que o Universo não quer que fiquemos juntos? Ou pode ser alguma outra coisa?

  5. Fernando, você se refere a compromisso cármico como se isso se referisse a dívidas de outras reencarnações. Mas você não percebe, talvez, que tem plantado e colhido logo em seguida…
    E se fosse ela que traísse você no começo da relação? Não seria ruim também?
    Quanto mais esclarecidos, mais rápido colhemos o resultado de nossas erros. Um pessoas não conscientizada, sem esclarecimento, pode colher o que plantou só depois de desencarnado ou numa outra reencarnação. Mas quem já se conscientizou colhe prontamente.
    De qualquer maneira, não fique preso a esse tipo de sentimento. Se você fixar sua atenção nisso, estará escrevendo o seu futuro assim… procure equilibrar-se, mude o foco, busque outras ocupações para a sua mente.

  6. Boa Tarde Morel, primeiramente gostaria de agradecer pelo texto e pela página que está repleta de assuntos e temas interessantes. Estou passando por uma fase de desiquilíbrio muito forte. Há 3 anos me envolvi com uma moça que era noiva e tinha dois filhos desse relacionamento, no começo me deixei envolver sem pretensão alguma, ela era muito carinhosa comigo e sempre me lembrava o quanto estava apaixonada, poucos meses depois ela terminou o relacionamento e voltou para minha decepção com o ex noivo. Eu fiquei obcecado por ela por mais de 1 ano, vasculhando na internet alguma coisa, desejando todo tipo de má sorte possível. O tempo se passou, tive duas namoradas depois desse episódio mas nunca amei elas de fato. Recentemente encontrei uma outra mulher pela internet, separada e com dois filhos de outros dois relacionamentos anteriores. No começo não queria nada sério com ela, inclusive por não achar que tínhamos algo sério, eu cometi algumas vezes o adultério. Depois de um tempo ela foi me cativando muito com os excessos de carinhos e as juras de amor, assim como a primeira garota, me apaixonei, resolvi parar de trair e assumir uma relação mais sólida com ela. Foi o suficiente pra ver ela perdendo aos poucos o interesse na relação e por fim, após uma discussão banal ela resolveu terminar comigo. Primeiro me humilhou bastante, chegou até a me mandar fotos de outros homens dizendo que estava ” pegando ” e depois assumiu que ainda amava o último marido. Por mais que nos esforcemos em estudar e tentar colocar tudo que aprendemos em prática, nessas horas o desespero se aloja, queremos entender o porquê isso se deu com a gente, “compromisso cármico”? Não quero repetir o processo de selvageria e obsessão que tive no primeiro relacionamento, por favor se tiver mais algum esclarecimento, seria de grande ajuda. Muita paz e que os bons espíritos o acompanhem!!!

  7. Não seria um pouco injusto a pessoa pagar por um erro no caso uma traição, mesmo tendo passado a vida praticando o bem, o amor ao próximo, a caridade, a humildade… Somos seres falhos, a traição também é uma falha, uma escolha que possa gerar arrependimento… Será justo ter pagar por isso? Confuso…

  8. Morel Felipe Wilkon
    Os comentários dos visitantes são interessantes e as respostas dadas pelo Autor são em sua maioria cheias de dicas e felizes em termos de Evolução. Ótimo, continue assim e ajudará muitas pessoas. Abraços.

  9. Ô anônimo, o que você espera que eu diga? Você sabe a resposta! Você respondeu 5 vezes à sua própria pergunta: “sei que é errado trair”; ” vou interferir na vida dele”; “a mulher deve ser uma pessoa boa e não merece isso”; “não quero me “sujar”; “sei que Deus não quer isso para mim”.
    Preciso dizer alguma coisa?

    Pra você e para todos que tenham dúvidas sobre como agir, EM QUALQUER CIRCUNSTÂNCIA DA VIDA:

    Se você QUER SER BOA – fala ao próximo aquilo que você gostaria que fizessem a você;

    Se você não faz questão de ser boa, apenas NÃO QUER SER MÁ – não faça ao próximo aquilo que você não gostaria que fizessem a você.

    Que coisa…

  10. Olá, primeiro gostaria de dizer que gostei muito de seu texto, ele foi muito esclarecedor. Bom, mas vamos à minha dúvida. Morel, atualmente sinto uma forte atração por meu professor, percebo que é recíproca, porém até agora não aconteceu nada. Ele é casado e tem um filho, eu sou solteira, sinto uma atração muito grande por ele, às vezes acho que é besteira, às vezes não, não sei o que pensar, sei que é errado trair, pois vou interferir na vida dele de alguma forma. Fico pensando que a mulher deve ser uma pessoa boa e não merece isso, mas por outro gosto cada vez mas dele. O que devo fazer?
    Obs: tenho mediunidade, tenho medo que isso me afete, pois não quero me “sujar” de alguma forma, pois sei que Deus não quer isso para mim.
    Obrigado desde já!!

  11. Rafaela, não exagere. Se isso fosse motivo para se matar, metade da humanidade teria que se matar imediatamente.
    Você diz que “não consegue”. Nada nem ninguém tem domínio sobre você. Só você mesma tem poder sobre você. Se você afirma e acredita que não pode, não poderá. Mas você pode, sim. Não há nada que lhe impeça de mudar. Você experimenta um conflito entre o que você deseja e o que você sabe que é o certo. Ora, todos nós passamos por algum tipo de conflito como esse. Sinta-se bem consigo mesma por já ter despertado para a verdade, por saber que deve agir de acordo com a sua consciência. Isso é bom, mas é só o começo. Todos os espíritos, encarnados ou desencarnados, experimentam essas dificuldades quando percebem um erro dentro de si e tomam a firme resolução de abandonarem esse erro.
    Apenas não desista. Não se culpe, não se torture, não se revolte, isso só complica as coisas. Quando perceber que está “viajando” procure mudar o pensamento. Se não conseguir, tente orar – pode orar o Pai Nosso, mesmo que seja automaticamente. Sempre funciona. Repita quantas vezes forem necessárias. Se puder, quando tiver um pensamento indesejado, mude o foco, mude a atividade – cante, ouça música, faça qualquer coisa.
    Tenha uma vida sexual ativa com seu marido. Concentre o seu desejo nele.

  12. Olé.
    Preciso de ajuda, tenho um filho de 4 anos e sou casada há 6 anos. Nunca traí meu marido, mas tenho desejos por outros homens e gosto de ser admirada como se levasse uma vida de solteira. AMO meu marido e isso me machuca demais, pois queria ser diferente, mas não consigo. Já pensei até em me matar, pois meu marido não merece uma esposa assim!
    Por favor me ajude!
    Obrigada.

  13. Olá, visitei essa página quando estava sofrendo com a traição de meu esposo, tive uma experiência que não consigo entender até hoje.
    Meu marido ano passado por seu trabalho viajou para ficar 40 dias no México e depois que se foi passou algumas semanas sonhei com uma mulher que apareceu seu rosto em meu celular, acordei assustada sem saber o que era e a partir desse dia comecei a sentir a presença de uma mulher em minha casa, alta, magra e cabelos negros longos. Fiquei assustada e tentava me acalmar até o dia que meu esposo chegou. Quando se aproximou e me abraçou senti algo estranho em seu abraço. Comecei a investigar e vi umas mensagens de amor com uma mexicana. Lutei para mostrar a ele o quanto o amo e orei muito também porque essa pessoa que estava em nossa casa sentia uma aura negra com muito ódio olhando para mim aos poucos essa sensação foi diminuindo e passaram-se alguns meses continuo com meu esposo e ele me garante que não está mais em contato com ela e agora por motivo de seu trabalho estou no México.
    Apesar de amá-lo sofro muito, pois a confiança se acabou, ele está se dedicando para reatar nosso casamento, mas às vezes fico indecisa se tomei a decisão correta.
    Gostaria de saber o porquê vi essa pessoa e se com muita oração consigo tirar essa dor que sinto apesar de ter passado quase 1 ano.
    Li algumas publicações que me deram muita força quando estava depressiva. Agradeço muito porque me ajudou muito apenas lendo suas respostas e publicações.

  14. Amanda, isso só pode afetar a sua mediunidade se você ficar impressionada com isso. Aliás, você não mencionou se um de vocês é comprometido. Caso não sejam, qual o mal? Se um dos dois é comprometido, conscientizem-se de que é preciso disciplinar-se e não se preocupem mais com isso.

  15. Olá,

    Gostei muito do seu vídeo, e estou com uma dúvida, eu sou médium em desenvolvimento, e caí na tentação da carne (se assim pode se dizer) e acabei ficando só beijo mesmo, com um colega de trabalho, e como você já disse em seguida me arrependi, tentei mesmo resistir, mas não fui forte suficiente.
    Quero saber o que esse erro pode influenciar no meu desenvolvimento mediúnico? eu e o meu parceiro somos médiuns em desenvolvimento, isso também o afeta?

  16. Morel, Deus te abençoe! Que resposta perfeita para a Maria. Maria, deus te abençoe, te de discernimento e muita paz. Eu passei por essa dor também e a minha libertação foi perdoar e cuidar de mim e de minha espiritualidade. Temos que ter paciência, mas a vida nos reserva muitas coisas. Foi como uma prova, passei por ela sem raiva, sem rancor, e aproveitei o vazio que o Morel disse para a espiritualidade e a vida se transforma… a prova acaba, nós aprendemos e nos libertamos. Evolução sempre. Fique com Deus.

  17. Maria, compreendo sua preocupação. Mas considere que estamos em 2015. Passou o tempo em que ser filho de pais separados era algo inusitado. Embora não seja o ideal, é comum, e, por ser comum, mais fácil de lidar. Criamos ilusões envolvendo pessoas, mas não temos domínio sobre ninguém a não ser nós mesmos. Trate de ocupar-se de você e do seu filho. Cuide bem de você; a vida continua, e continua melhor. Não há como viver em meio à mentira e o desrespeito. Trate de conformar-se o mais rápido possível e seguir em frente com vontade de viver. A vida sempre reserva coisas boas para quem é grato à vida. Agradeça por ter um filho que ama, seja grata pela sua experiência, que há de fazer de você um ser mais maduro e compreensivo. Aproveite a vida; a vida é para ser vivida. Espiritualize-se, aproveite a oportunidade que o vazio momentâneo lhe oferece e preencha-se espiritualmente. Liberte-o e liberte a si mesma. Permita sempre que ele e o filho tenham acesso um ao outro. Não se fixe nas suas ilusões passadas. Se você ficar se lamuriando e lamentando que as coisas não aconteceram como você gostaria que acontecessem, tudo será mais difícil. E as coisas não precisam ser difíceis. A vida nos conduz a aprendizados importantes. Temos que aproveitá-los e sermos felizes com as condições que temos.

  18. Morel,
    Boa Tarde!
    Primeiramente, gostaria de elogiar seu comprometimento com o site e com os comentários aqui registrados. Li vários. Enfim, gostaria de uma opinião sobre o que venho passando em meu relacionamento. Sou casada há 12 anos, mas entre namoro, noivado e casamento são 20 anos. Casei-me com meu primeiro namorado e desde os 15 anos de idade estamos juntos. Neste caminho juntos tivemos muitas dificuldades (financeiras, relacionamento, problemas familiares etc), como em todos os relacionamentos e vidas. No entanto sempre estivemos juntos com o mesmo pensamento. Tivemos um lindo filho, que tem uma ligação muito forte comigo. Enfim, depois de oito anos de casamento, nosso filho com 4 anos de idade, meu marido enveredou por atitudes sem compromisso com nosso casamento e com nossa família. Começou retomando amizades de solteiro, saídas noturnas, bebidas e traições… Sua infidelidade começou a agravar e tornou-se de uma forma que não havia mais o cuidado em esconder ou disfarçar. Tínhamos uma estrutura de vida e família que eu tinha a certeza seria para sempre. Uma segurança em um futuro construído no presente, onde não me imaginava jamais fora dele. No entanto, as traições e mentiras foram se agravando e, segundo ele, “não conseguia deixar – era mais forte que ele”. Meu sofrimento era muito grande, viver toda a situação de falta de respeito com ele se relacionando com várias mulheres, e tê-lo em casa praticamente apenas para dormir, depois da noitada. Mas ele sempre dizia que eu era a mulher da vida dele, e que esta fase passaria – que eu tivesse paciência e continuasse em oração. O tempo foi passando e as brigas eram constantes e a mudança não vinha. Nosso filho estava crescendo em um ambiente de discórdia. Passaram-se três anos e meio, e pedi várias vezes para que ele saísse de casa e ele pensasse o que ele realmente queria para nossa vida. Ele insistia que não queria sair de casa. Mas um dia, quando descobri que ele tinha alugado um apartamento e estava montando ele para morar com uma menina 16 anos mais nova que ele – tomei a posição que ele saísse de casa. Ele insistiu para que eu não tomasse esta posição, mas disse que era preciso para que pudéssemos resolver tudo o que estava acontecendo há 4 anos. Hoje, faz apenas 2 meses que ele saiu de casa e não consigo me libertar e ter a certeza do que é certo fazer. Insistir no casamento? O sentimento é de amputação, falta algo em mim. Entendo as influências espirituais, mas também o livre arbítrio. Sempre estivemos juntos, foi meu único relacionamento amoroso – meu único homem. Tantos planos de um futuro em família, e agora me deparo com o medo de estar sozinha… Criar meu filho sem a figura do pai e da mãe juntos e felizes… como isto me faz sofrer! O caminho para mim era certo e agora não sei que caminho seguir. Insegurança e medo da formação do caráter e da moral de meu filho em crescer em uma lar de pais separados. Como esposa, até onde suportar em função de ter uma “família”? O que fazer?

  19. Morel, imagino que devido ao estudo constante, você tenha uma porção de assuntos diferentes e relevantes para tratar nas novas postagens. Mas se um dia você voltar à pauta “relacionamento amoroso”, gostaria que falasse da INCOMPATIBILIDADE DE GÊNIOS. Muitos casais afirmam que o problema de suas relações afetivas se deve a isso. Outros tantos se separam por isso. Creio que a visão espírita poderá esclarecer muito sobre esse conceito equivocado.
    Pesquisando na net, vi o texto de uma garota e achei bem sensato. Mas gostaria de ouvir suas colocações, sempre enriquecedoras. Se puder, dê uma olhada: http://www.coisadecasada.com/2013/02/incompatibilidade-de-genios.html
    Abraço.

  20. Não sei por que, mas toda vez que fico sabendo de uma traição ou se a vejo em algum filme, isso me traz uma dor enorme. É como se estivesse acontecendo comigo e levo até dias para voltar ao normal. Será que já passei por isso em outra vida e ainda me magoa assim?

  21. Vivian, sua primeira pergunta é se é possível amar duas pessoas ao mesmo tempo. É possível amar a humanidade inteira ao mesmo tempo, e é para isso que estamos aqui na Terra, para aprendermos a amar. Isso que nós chamamos de amor quase sempre é apenas desejo ou apego. Aliás, só respondo na tentativa de trazer à tona o que você já sabe. Você sabe a resposta. Você nutre SENTIMENTO pelo seu ex-marido e TESÃO pelo outro. Tesão não é sentimento, é sensação.
    Não faz diferença sabermos se isso nasce nesta existência ou antes. Você tem domínio e poder de escolha é sobre o AGORA. Se você está lendo um site espírita é de se supor que você saiba que é imortal e que esta existência é apenas um curto período de experiência. Você não vai levar sensações na sua bagagem espiritual, vai levar sentimentos. O que você prefere nutrir e desenvolver?

  22. Sonia, isso também acontece. Mas geralmente os chamados obsessores, que na verdade são nossos antigos parceiros ou vítimas, não precisam se dar a esse trabalho. Não temos só esse pequeno nível de consciência limitado pelas vibrações do plano físico.

  23. Boa noite Morel,

    Eu gostaria de saber se é possível amar duas pessoas ao mesmo tempo. Acontece que estas duas pessoas juntas, pra mim se completam. Fui casada por uns 3 anos e nos últimos meses traí meu marido, sei que é algo errado e me cobro e me culpo até hoje. Mas acontece que eu me envolvi sexualmente com outra pessoa, mas ao mesmo tempo continuava a amar e fazer amor com meu marido. Me envolvi com o outro, e me separei, entretanto há mais de um ano os dois ainda querem ter um relacionamento comigo e eu gosto muito da companhia e de estar do lado do meu ex-marido, mas não tenho mais atração sexual, já com o outro rapaz, eu tenho muita atração sexual mas nós estamos sempre discutindo e brigando e aí vejo o quanto eu era feliz antes.
    Só que não consigo me decidir e fico sempre entre um e outro, ora decido ficar com um… ora com outro… Quando acho que estou decidida e fico com um, não paro de pensar no outro e vice-versa (quando tenho a companhia me falta o sexo, e quando tenho o sexo me falta a companhia), e esta situação tem me incomodado e me chateado muito.
    E não quero fazer nenhum dos dois sofrer, pois realmente me preocupo e gosto muito dos dois. Acha que é possível sentir amor por um e paixão pelo outro? Estes sentimentos podem estar ligados a vidas passadas?

    Obrigada pela atenção.

  24. Morel, o que podemos fazer para não irmos a estas regiões no sono? Não acredito que todas as vezes que sonhamos algo desse tipo seja porque temos afinidades e sim porque também somos levados a ficar com uma má impressão quando acordamos, ou seja, é típico dos obsessores nos induzir a sensações, depois nos deixam com culpa… Tá e você o que acha disso?
    Obrigada por sua atenção!

  25. Tacila, a questão não é se você é/está errada ou não. Não podemos considerar errado gostar de alguém. A questão é que há pessoas (espíritos encarnados) envolvidas com ele, e este envolvimento impede que vocês fiquem juntos. Ao infiltrar-se numa relação já existente, você se torna co-responsável por tudo que venha a acontecer a eles (ele, esposa e filhos) por causa de você. Não duvido do que você sente, de modo algum. Mas você deve reconhecer que “não consegue” ficar longe dele por egoísmo. Não se ofenda; tudo o que visa o próprio bem-estar em detrimento dos outros é egoísmo. Perceba que, se há uma ligação forte entre vocês, essa ligação não pode unir vocês agora sem que algumas vidas sejam duramente comprometidas em função disso. A vida é sua, quem decide é você. Mas você deve saber que a sua presença na vida dele é mais prejudicial do que benéfica. A prudência manda você afastar-se.

  26. Há mais de dois anos reencontrei um jovem que tive um flerte há muito tempo, atração de adolescente. O encontrei em uma viagem e fazia 12 anos que não o via, nossas vidas mudaram muito nesse tempo, ele havia casado e tinha filhos, eu não. Porém, o mais estranho foi que quando nos beijamos como numa curtição do momento, algo mais aconteceu, eu senti ali a ligação mais forte que já experimentei na vida, parecia que já o conhecia de uma vida inteira, que o amava desde sempre, com ele me sinto natural e feliz demais e desde desse dia nunca mais consegui ficar longe dele. Já passei por muita coisa ao longo desse tempo, pessoas que descobriram, problemas, me culpo muito por tudo, sei que estou agindo errado, não conheço a mulher dele, mas não queria causar mal algum para ela e nem para ninguém, nem aos filhos, tudo muito complicado porque envolve muitas pessoas, nunca fiz nada para tê-lo, sofro no meu canto e carrego minhas culpas. Sei que ele não vai separar, tem filhos pequenos, falta de dinheiro, essas coisas. Até gosta de mim, mas não o suficiente para enfrentar tudo isso. Mas mesmo tendo consciência de tudo não consigo ficar longe, me importo com ele, sinto necessidade de cuidar dele, de saber da sua vida, além disso quando estamos juntos sinto uma força em volta de nós indescritível, uma energia tão forte, mas é uma energia muito positiva e me sinto tomada por um amor tão grande que me emociona. Hoje vivo esse dilema, de culpa, medo, amor, vontade de fugir, de desistir, às vezes acho que não vou aguentar, mas tenho tentado me manter forte, sofro muito e sei que muitos me julgam e não sabem o tamanho do amor que sinto por ele e da culpa que carrego. Será que sou tão errada assim? O que fazer?

  27. Amanda, se fosse fácil controlar aquilo que consideramos inconveniente ou errado, o mundo não estaria cheio de pessoas desequilibradas e em sofrimento.
    Compete a você o esforço para mudar o foco do seu pensamento cada vez que perceber que o está conduzindo para o que você conscientemente não quer. Não acredito que isso se deva à sua inexperiência anterior, mas talvez à atual. Viva uma relação mais intensa com o seu namorado. Se ele não desperta essa vontade em você, insista; se preciso, fale com ele. É plenamente possível concentrarmos nossos desejos na pessoa com quem nos relacionamos.

  28. Lino, isso é sintonia, é Lei, acontece sempre, embora não o percebamos. A comunicação espiritual se dá pelo pensamento. Estamos permanentemente trocando pensamentos com espíritos encarnados e desencarnados. Duas pessoas fortemente ligadas permanecem, até certo ponto, na mesma sintonia, trocando influências.

  29. Tenho 19 anos e amoro há 2 anos. Meu namorado é uma excelente pessoa e eu o amo muito, assim como penso que ele me ama também. Nunca me apaixonei pelo meu namorado, nosso relacionamento começou tranquilo e racional e ao longo desse tempo juntos construímos uma cumplicidade e um amor enormes, o que, pensando racionalmente eu valorizo muito mais do que qualquer paixão. Porém, eu tenho um vício de natureza sexual muito forte, sinto que meu espírito é muito ligado às paixões terrenas e luto todos os dias para conseguir me desvencilhar delas. Acontece que sinto uma atração muito intensa por um rapaz que estuda na minha faculdade, como namoro e sei dos meus defeitos sempre evitei ao máximo aprofundar a amizade com ele, mas não deixamos de ser ”colegas” por possuir os mesmos amigos em comum. Há cerca de 6 meses atrás ele demonstrou interesse em mim e tentou ficar comigo, eu recusei veementemente, mas no fundo estava morrendo de desejo por ele. O problema é que depois dessa investida dele ele não me sai mais dos pensamentos, cometo adultério em pensamento e penso como teria sido ficar com ele TODA HORA, não consigo me desvencilhar desses pensamentos de jeito nenhum. Me afastei até de alguns amigos para ter ainda menos contato com ele e só converso ou cumprimento quando for estritamente necessário, mas mesmo com tudo isso essa paixão não passa. Sei que o que sinto por ele é puramente físico, jamais confundiria esse sentimento com o amor construído e verdadeiro que é o que sinto pelo meu namorado, porém não sei o que fazer para parar de trair meu namorado em pensamento, tenho medo de acabar perdendo a cabeça e consumar a traição em algum momento. Meu namorado foi a única pessoa que beijei, fiquei e tive qualquer tipo de relacionamento, fico pensando se esse desejo deriva talvez da falta de experiência que tive antes de começar a namorar, mas não sei.

  30. Olá, é possível que duas pessoas que tiveram uma relação intensa permaneçam ligadas apesar de afastadas uma da outra? Será possível continuar se amado ao ponto que se outro vive em ansiedade o outro também o sinta?

  31. Parabéns por esse site! Muito esclarecedor. Queria uma ajuda sua de como me livrar de um obsessor. Estou fazendo tratamento na casa espírita, aperfeiçoando minha moral, mas ainda assim não me livro dele. Sou uma pessoa séria, solteira, quase não me relacionei com ninguém nessa vida, mas tenho sonhos muito reais de sexo e vejo esse obsessor em cima de mim quando acordada… por que isso? Pode vir de outras vidas? A única vez que fiz algo “errado” foi quando fiquei com um homem que tinha namorada, ele me enrolou e acabou casando e eu fiquei só… me ajude

  32. Comigo acontece o seguinte: Casei muito nova com 17 anos, casei com meu primeiro e único namorado, tivemos 2 filhos, hoje um com 19 anos e o outro com 10, fui fiel por 20 anos, minha vida foi muito difícil e solitária, meu marido sempre em bares, sempre em farras e eu sozinha em casa com meus filhos, ele uma pessoa com um temperamento muito difícil, minha vida era totalmente voltada ao meu trabalho e à família, foi quando pela Internet eu conheci uma pessoa que fazia consultoria nutricional e esportiva para mim, ficamos uns 3 anos só conversando como amigos mesmo, ele desabafava comigo e eu com ele, mas depois começamos a ter interesse um pelo outro e marcamos pra nos ver, moramos em Estados diferentes, a decisão de ir ao encontro foi muito difícil pra mim porque ia contra tudo que preservava em mim mesma, mas a falta de experiências vividas me fez ter coragem de ir viver e sentir coisas que nunca tinha sentido. Lembro que na época emagreci 5 quilos somente de tensão sobre a minha decisão, nos encontramos e eu me apaixonei, continuamos amigos e marcamos pra nos ver depois de 7 meses, contei cada dia até a chegada, era como se ele fosse minha válvula de escape, com meu marido tudo continuava da mesma forma sempre chegando de madrugada em casa e eu sempre sozinha, depois de um tempo descobri meu marido me traindo com minha funcionária, ela era como uma amiga pra mim, só não foi mais difícil porque estava envolvida emocionalmente com outra pessoa, ficamos separados por 8 meses, mudei de cidade, fui pra onde meu filho mais velho estava e ficamos nós três, eu e meus dois filhos, nesses 8 meses vivi uma história linda de amor, essa pessoa se separou também, viajamos juntos, meu filho de 19 anos sabe dos meus sentimentos por essa pessoa e o de 10 também, mas tive que retomar meu casamento por questões financeiras, pelos meus filhos não passarem dificuldade, sendo que meu marido é uma pessoa gananciosa e manipuladora, estou sofrendo demais, eu encontrei o meu amor, e estou enganando meu marido sendo mentirosa, tenho muitos medos e receios, mas a minha verdadeira vontade é organizar tudo e viver com quem amo com todo o apoio dos meus filhos e irmãos.

  33. Boa noite,
    Fui casada durante 18 anos e nos separamos há quatro anos, houve adultério da parte dele. Hoje consegui perdoá-lo, porém não consigo me desligar emocionalmente dele, não consigo iniciar um novo relacionamento. Faço psicoterapia, tratamento espiritual, recebo passes. Sinto-me mais forte emocionalmente atualmente, porém não ainda não consegui desligar-me energicamente. Sonho constantemente com ele, e na maioria dos sonhos ele está com outra pessoa e imploro por sua atenção, sem sucesso. Obrigada.

  34. Bom dia,
    Estou casada há 25 anos… Há algum tempo, meu marido começou a se interessar por sexo grupal, swinger… por um tempo participei com algumas restrições. No entanto, ao ter um conhecimento mais profundo dos efeitos espíritas tenho me desvencilhado deste desejo e de participar… Porém, como ele não tem um conhecimento espírita e não vê problemas em praticar estes atos desde que com consentimento mútuo, ele não pára de falar, pensar e querer que eu participe… fica muito difícil para mim… principalmente que passamos há um ano atrás por uma crise conjugal que por pouco não nos separamos… Fomos salvos pelo intermédio do atendimento fraterno, muitas orações, passes… um tratamento muito difícil… e sabia eu que era tudo influência espiritual por eu me recusar em participar… Como trabalhar isto? como fazer com que ele entenda e mude a vibração dele? Não quero passar por outra crise destas na minha vida…

  35. Cláudio, a Doutrina Espírita não é um código de certo X errado, pode X não pode.
    O que vai determinar as suas companhias espirituais é a intensidade da sua imaginação. A própria palavra imaginação já traz implícita o que ela representa: imagem + ação. Ao imaginarmos nosso pensamento ganha forma, com movimento, som e cor, perceptível por todos os espíritos que estiverem sintonizados na mesma onda, ou seja, todos os que se afinizarem com os mesmos desejos.
    O ideal é abrir mão de fantasias. Aliás, se o desejo é real, ele deve ser suficiente para prescindir de fantasias.

  36. Olá, gostei muito do seu artigo, mas gostaria de saber qual a visão do Espiritismo sobre a masturbação, pois educado na igreja católica sei que consideravam a prática como pecaminosa, contudo buscando novos horizontes gostaria de saber quais as consequências disso no Espiritismo. A masturbação é uma prática de autoconhecimento e saudável do ponto de vista fisiológico, contudo atrai da mesma forma espíritos viciados em relações sexuais? Gostaria muito que você comentasse sobre o assunto. Agradeço e aguardo.

  37. Anna, as decisões da sua vida é você quem deve tomar. Como você acha que alguém que não a conhece teria condições de lhe dizer o que fazer e o que deixar de fazer?
    Nada justifica a traição. Colocar a culpa em estados depressivos ou forças externas é tentar isentar-se da própria responsabilidade. Sempre somos responsáveis pelos nossos atos. Essa “força” a que você se refere é a sua própria fraqueza moral. Quanto mais erramos, principalmente quando sabemos que o que estamos fazendo é errado, mais nos desgastamos moralmente, menos forças temos
    Pare de errar imediatamente. Todas as traições e mentiras que cometemos as estamos cometendo contra nós mesmos. Quem nos julga é a nossa própria consciência. Não se afunde ainda mais. É você quem deve decidir o que fazer. Mas saiba que qualquer decisão egoísta, pensando só em você e no seu próprio bem-estar, vai cobrar um preço alto. Respeite os outros. Não é só a sua vida e os seus desejos que importam. Seus filhos são espíritos que estão sob a sua responsabilidade e do seu marido. Qualquer decisão sua que os prejudique é responsabilidade sua. Seja sincera com você mesma.
    Procure ajuda num centro espírita. Peça atendimento, siga as instruções, leia, estude, ore muito. Ajude-se. Não tome decisões precipitadas. Todos temos o direito de recomeçar, mas se este recomeço visa apenas os nossos desejos e carências, isso é puro egoísmo.

  38. Bom dia. Precisando muito de ajuda. Sou casada há 15 anos, tenho 2 filhos, um ainda bebê. Há cerca de 1 ano passei por um quadro depressivo em decorrência de doença na família, cansaço e falta de amor. Consegui me recuperar, mas me envolvi com outros homens, me apaixonei por um deles, sofri demais ao ser deixada por ele sem maiores explicações… Há cerca de 2 meses, um amigo confessou que gosta de mim e que casaria comigo e me ajudaria com os meus filhos. Ele é uma pessoa incrível, ficamos juntos e estou bastante balançada… Mas preciso resolver meu casamento. Não consigo mais sequer conversar com ele, só sofro ataques por parte dele, ele diz que me ama, mas não me trata com carinho… estou sofrendo demais, queria voltar a amar ele, mas não sei se consigo… Olho para os meus filhos e me sinto totalmente perdida. Devo ignorar o que sinto pelo meu amigo e insistir no meu casamento?
    Fui fiel por 14 anos, me sinto como se estivesse tomada por uma força que estivesse me afastando de quem eu sou.

  39. Vera, colhemos o que plantamos. Você reconhece que houve interesse em você ficar com o seu marido (ficar no país legalmente). Você vê uma série de defeitos nele, mas não gostou dele quando o conheceu, então por que ficou com ele? Estava descontente com o seu ex, que não lhe dava a atenção que você queria, depois, descontente com a escolha que você mesma fez, diz que ele é o homem que você sempre quis ter. Traiu o seu marido e diz que é você que sempre foi a traída.
    Quando você parar de pensar só em você mesma e calcular o que as suas escolhas representam para o próximo, os resultados das suas ações não a deixarão com tantas dúvidas.

  40. Olá. Então, sou casada vai fazer 2 anos e vivo com meu marido logo após 6 meses de namoro, num total de quase 4 anos juntos! Vivo fora do país e saí do Brasil com o objetivo de estudar, fazer um mestrado e um possível encontro com meu ex (nesta época estava com ele, meu ex-namorado). O meu ex tinha muitos planos de trabalho e sempre viajando, nunca terminava estas execuções e eu queria muito mais atenção do que ele estava me dando naquele momento! Era muito imatura, tinha 25/26anos e resolvi acabar e no mesmo dia conheci meu atual companheiro! Não gostei dele de cara, aprendi a gostá-lo e amá-lo. Nos casamos por sentimento e por me ajudar a ficar neste país legalmente. Mas meu marido com o tempo só fez piorar. Na realidade, ele não quer trabalhar, só ficava em casa fumando cigarros e maconha! Além de beber muito. Isso foi me deixando muito triste e volta e meia sempre pensava no meu ex, na forma como ele me tratava e o homem que eu sempre quis ter… Voltei pra o Brasil de férias e só lembrava do meu ex. E isso foi me deixando mal! Depois que voltei do Brasil em alguns meses meu marido ficou chateado e pediu divórcio por uma besteira de um gesto que fiz sem perceber. Daí fiquei sem saber o que fazer e resolvi entrar em contato com meu ex. Tivemos uma conversa por 2 horas neste dia. Ele me chamou para uma visita em seu país e eu fui! Tivemos relação sexual e antes eu já vinha tendo vários sonhos eróticos com ele. Foi tudo muito intenso, mas não comentamos sobre nosso futuro, queria reatar mas ele como sempre muito racional, disse que tinha terminado um relacionamento há pouco também e que não queria se envolver. Me senti muito mal. Voltei pra minha casa, disse para meu marido, ele me perdoou mas sempre me sacrificando! Me sinto muito mal com isso, pois realmente nunca traí, sempre fui a traída! E também não sinto nada pelo meu marido, só sinto pena. Odeio sentir isso e estar fazendo isso comigo e e com ele, entretanto, ele não quer separar e diz que isto é somente uma fase. Detalhe, meu marido parou de beber e fumar já vai fazer um mês. Não sei o que fazer…

  41. Oi, eu tenho uma dúvida: quando o corpo repousa no sono e se sente tocado por outro corpo sexualmente e às vezes até um ato sexual acontece, isso é possível? e se a mulher for virgem isso pode mudar o corpo da mulher? e quando a mulher entra no sono e vem um espírito querer sexo com ela é ela que está atraindo isso, mesmo que às vezes ela se veja lutando pra sair daquele domínio até conseguir voltar a movimentar o corpo?

  42. Gostei do seu artigo. O que me trouxe ao seu site foi exatamente a falta do sexo no meu casamento. Sei que a falta também não deixa de ser um desequilíbrio. O que eu gostaria de entender é, como você disse, transformar em aprendizado, mas, não consigo… Li um artigo que fala sobre como é comum a falta de interesse dos homens, mas como transformar isso em aprendizado eu não sei. Li também seu artigo Espiritismo e relacionamentos amorosos, tudo converge para o que viemos fazer e o que temos que aprender nessa encarnação. Será que meu momento carnal é para abdicar do sexo? Será que é esse o aprendizado? Abraços.

  43. Adorei todo seu comentário em relação ao adultério, entre outros assuntos que dentro dele você argumentou. Infelizmente ainda vivemos em um mundo onde as pessoas ainda não tomaram consciência de alguns fatores espirituais e vivem a dita frase: “deixa a vida me levar vida leva eu”. Parabéns!

  44. Todos nascemos com a bagagem espiritual que conseguimos conquistar através de várias reencarnações. O desenvolvimento do autocontrole compete a cada um de nós. Se temos dificuldade de controlar uma determinada área de nossa vida, temos que arranjar novos interesses e ocupações para concentrar nelas a nossa energia.

  45. Olá, tenho sérios problemas com relacionamentos, traio todos os meus namorados, sinto desejo sexual em todas pessoas, tento controlar, eu sinto que é algo que tenho que conviver, como se eu tivesse nascido dessa forma.

  46. Boa tarde, esse assunto mexe muito comigo, descobri que meu marido me traiu, vi uma foto com ele beijando outra. Porém com o tempo, fui buscar (vasculhar e procurar) e descobri coisas horríveis, mentiras e outras mulheres. Nunca peguei nada ao vivo, porém suas conversas com outras mulheres já me deixaram enojada. Brigamos, porém ele me pediu para tentarmos reatar nosso casamento. Hoje não procuro mais saber, porém sinto e sei que continuo sendo traída e que ele não mudou. Porém ele sempre foi muito atencioso comigo. Na parte de homem e mulher quase não temos mais. Não consigo me libertar desse casamento, gosto dele, mas acho que é errado continuarmos, parece que virei cúmplice, mesmo sabendo dos seus erros continuo calada e sigo com esse casamento. Não sei se o amo, às vezes acho que sim, outras que não. Sei apenas que hoje estou tentando recuperar minha autoestima.

  47. Obrigado Morel pelas suas explicações. Já estou fazendo o curso básico e estou amando. Parece que me encontrei, leio muito e cada vez quero saber mais. Mais uma vez obrigado e fica com Deus.

  48. William, ninguém poderá controlar o seu apetite sexual, isso compete a você mesmo. Não há nada de reprovável na masturbação em si, mas nas fantasias, que formam imagens que são percebidas por espíritos que se afinizam com elas. A masturbação deveria ser praticada sem o auxílio de fantasias, até porque, se há necessidade de fantasiar, é por não haver desejo suficiente, e se não há desejo suficiente, não há porque masturbar-se.
    Se você já foi diagnosticado como médium sensitivo, deve estudar a respeito. Participe de um grupo de estudos num centro espírita. A troca de experiências, o esclarecimento e o possível desenvolvimento mediúnico o ajudarão a obter mais controle sobre si mesmo.
    Desejo sexual é normal; a obsessão por sexo é doença e deve ser tratada. Sugiro que leia este artigo e os comentários dos leitores: http://www.espiritoimortal.com.br/obsessao-sexual/

  49. Bom dia Morel. Estou viciado no seu blog. Sou novo ainda no meio espírita, mas tudo faz muito sentido pra mim. Estou nessa mesma dificuldade, sou homossexual e namoro há 7 anos. Já aprontei muito, hoje sou outra pessoa. Estou em assistência e ela tem me ajudado muito. Nunca mais o traí fisicamente, porém mentalmente está muito difícil controlar. Tenho atração pela grande maioria dos homens, sonhos eróticos quase todas as noites… Mas estou me empenhando em mudar, se Deus quiser eu consigo. Só tenho uma dúvida. Uma pessoa solteira procurar auto-satisfação também atrai companhias indesejadas? Pois às vezes penso em terminar o namoro, pois acho que já não o amo mais, e procurar alguém que me possa controlar mais meu apetite sexual, talvez por sentir-se mais atraído. Já acho extremamente complicado namorando, solteiro tenho a impressão que irei explodir se não me masturbar. E pra ajudar, possuo mediunidade sensitiva… E isso vem me corroendo demais.
    Desde já agradeço.

  50. Cristina, você disse: ” já conversei de todas as formas pra acertar isso”. Não, você não conversou de todas as formas, pois não disse a verdade a ele. Sua preocupação é que um dia terá que pagar por isso. Você já está pagando. Você está mentindo e sente remorso por isso. A mentira é insustentável, Quando mentimos estamos mentindo, em primeiro lugar, para nós mesmos. Compreendo a sua dificuldade, mas isso não justifica a mentira.

  51. Olá,
    Sou casada Há 17 anos, e meu casamento é bom, exceto por um detalhe que faz toda diferença. Meu marido não gosta de sexo, na verdade não sei. Porque já peguei ele vendo vídeos pornôs, e revistas de animes na qual tem o ato sexual. Me senti um lixo por nunca sr procurada, sempre achei que ele não gostava de meu corpo, mesmo havendo vários caras dizendo que sou linda. Toda vez que alguém me paquerava, pensava: é porque você não me viu sem roupa, sou horrível. E fui levando isso por alguns anos. Até que encontrei um amigo, que me abri e ele sempre dizia, que era apaixonado, pediu pra eu largar meu marido. Pensei diversas vezes isso, até disse para meu marido, que ele me sentia um lixo, que ele não gostava do meu corpo, que eu iria embora. Ele falava: Para com isso, você sabe que é linda. Quando acontecia o sexo, era sem carinho, e só da forma que ele queria, e rápido. Me sentia pior do que tivesse feito. O tempo de sexo começou com intervalos de até 6 meses. Comecei a não sentir mais vontade também. Mas com todas as cantadas, eu me entreguei ao meu amigo. Que me fez sentir linda. Sei que não tenho sexo com meu marido, já tentei descobrir o que ocorre, mas ele diz que sou boba, e que não tem nada a ver. Estou saindo com meu amigo, apenas pelo sexo, já que não tenho do meu marido. Não quero separar dele, e já conversei de todas as formas pra acertar isso. Mas sempre tenho a frase, deixa de ser boba. Bom, ele não tem outra, já que trabalhamos quase juntos. Ele me pega no meu trabalho, quando não dá, vai sempre embora com nossa filha, que a pega do colégio. Estou traindo, eu sei. E meu grande medo é que vou ter que pagar por isso um dia.

  52. Claudia, ninguém precisa que uma “companhia” o leve a fazer determinada coisa. São somos movidos por “companhias”. Nós decidimos por nós mesmos. Tudo o que nós fazemos ou deixamos de fazer é responsabilidade nossa. Conforme as nossas escolhas nós atraímos companhias espirituais semelhantes a nós que potencializam nossos pensamentos, palavras e ações. Mas a responsabilidade é sempre nossa. Não podemos colocar a culpa de nossos atos em “companhias”.

  53. Gostaria de saber se o fato de um homem que não seria companheiro meu, mesmo dizendo não, e não se importar em respeitar, só por puro desejo, que tipo de companhias pode estar o levando a fazer isso.

  54. Romany, quando dormimos nos libertamos parcialmente do corpo físico e temos condições de perceber/fazer/conhecer coisas que são inacessíveis para nós quando estamos acordados. É provável que você, desdobrada do corpo físico durante o sono, tenha descoberto a traição dos dois.
    Você está certa em perdoar. Este é o ensinamento de Jesus. DEVEMOS PERDOAR SEMPRE. Mas quanto a dar nova chance ao casamento, a decisão é sua. É você quem decide se isso é certo ou errado.
    Fique com Deus.

  55. Oi, li seu artigo sobre adultério e gostaria de saber sua opinião no meu caso. Sonhava com muita frequência que meu marido estava me traindo com minha irmã e isso aconteceu e o resultado final é que ela ficou grávida. Nosso casamento estava acabando e resolvemos continua. Estou certa de perdoar os dois?

  56. Olá Morel tudo bem?
    Não… a traição não foi só um beijo. Eles ficaram juntos mais de uma vez e após ainda ficaram mantendo conversas de conteúdo afetivo. No entanto, desde nossa briga não sei mais se houve alguma comunicação entre eles. Embora que em alguns momentos ela estava meia que escondendo o celular de mim.

  57. André, se todos se alongassem nos detalhes como você, eu não teria condições de respoder.
    Pelo que entendi a traição foi um beijo, é isso?
    Em nosso estágio evolutivo, em que ainda confundimos amor com apego, não podemos admitir que a pessoa com quem nos relacionamos intimamente também se relacione intimamente, em qualquer forma, com outra pessoa. Isso é compreensível. Mas ler conversas alheias e fazer disso segredo não será também traição? Por que você não falou claramente com ela de tudo o que soube dela através das conversas a que você teve acesso?
    Jogue limpo. Quem trai, trai em primeiro lugar a si mesmo. Mas quem observa conversas alheias em segredo também está mantendo segredo, em primeiro lugar, consigo mesmo.
    Não há relacionamentos perfeitos porque não há pessoas perfeitas. Ninguém ganha nada com a sua desconfiança. Ou você confia e perdoa de verdade, ou talvez você não tenha condições de permanecer convivendo com ela.
    Perdoar é desligar-se. Se você perdoou, passe por cima do que já aconteceu. Seja franco daqui por diante, não se permita fiscalizá-la em segredo, demonstre confiança e dê o melhor de si.
    Só nos decepcionamos porque criamos expectativas. Mas amor não gera expectativa, amor é só amor.
    Não pretenda uma perfeição que não está ao nosso alcance.
    A busca da espiritualização por parte dos dois certamente deixará para trás esses desentendimentos.

  58. Amigo, com o perdão de inserir apenas mais uma informação. É como se ela em cada novo grupo que ingressasse buscasse ficar alguém de dentro dele para encontrar a aprovação. Esses três casos, os dois flertes e a traição ocorreram exatamente isso e ela uma vez revelou que por coincidência sempre que ela começava algo novo na vida o namoro dela acaba e ela começa a namorar com alguém do novo grupo que ela foi participar. Peço desculpas pelo alongamento das palavras, saiba que fiz apenas na tentativa de passar o maior número de detalhes do caso possível e até mesmo como desabafo já que não contei nada a ninguém. Desde já agradeço! Muita luz!

  59. Amigo, namoro a três anos. Durante esse tempo tive uma relação de muito companheirismo com minha namorada, sempre costumamos dizer que somos namorados, amigos e companheiros. Além disso, nessa união temos uma forte ligação com nossas famílias, do tipo ela é muito querida por todos na minha casa e eu pela família dela, para falar a verdade minha relação com os pais dela é de pai e filho.
    Durante nossa união tivemos duas crises pois descobri vendo algumas conversas dela que tinha duas pessoas dando em cima dela e ela não rejeitava, pelo contrário, dava a entender que estava a fim. No entanto, vendo uma conversa dela com uma amiga percebi que a intenção dela era no sentido de ficar só de flerte sem trair como se talvez quisesse alimentar seu ego ou algo parecido. Mesmo com a crise eu perdoei pois não houve traição. Ela nunca soube a maneira como eu tinha descoberto (lendo a conversa), eu apenas disse que estava sentindo que havia algo errado em relação a “fulano” e conversamos.
    Ocorre que recentemente aconteceu de eu descobrir que em uma viagem que ela fez sozinha ela me traiu. Eu fiquei sem chão em ver toda a nossa história jogada no lixo, todos nossos sonhos e o pior, todas as juras de amor que ela faz. Eu encontrei uma conversa dela com a pessoa que ela beijou por acaso. Vi que ela mentiu para ele dizendo que tinha descoberto uma traição minha como se estivesse tentando justificar algo a ele e passar uma imagem de “boa moça”.
    Dessa vez ela foi longe demais e eu acabei o namoro. Ela jura até a morte que não traiu (ela não sabe que eu vi a conversa e acha que foi alguém que me contou). Ela chorou muito e segundo a mãe dela me disse ela passou dois dias sem comer e dormir e que a mãe dela me disse que ela me amava muito e que jamais faria isso (a mãe dela não sabe da conversa).
    Do amor dela eu nunca duvidei até porque ela demonstrava isso em pequenos gestos de proteção e me deu muitas provas. A verdade é que esse ato me levou a pensar muito pois eu não consigo entender como ela foi capaz de me trair mesmo com todos os momentos que passamos juntos, com toda nossa relação e com todas as juras de amor que ela me faz e as demonstrações de amor (que valem mais que palavras).
    Quando acabamos tivemos uma conversa séria frente a frente, nós dois choramos muito e ela pediu por tudo que eu não acabasse, que ela me amava e que queria casar comigo e construir uma vida comigo. Mesmo separados eu disse que iria refletir sobre tudo.
    Pensei bem e vi que se Deus nos dá uma segunda chance para rever nossos atos eu poderia dar na tentativa de ajudá-la até porque eu sabia que todo o processo iria ser muito doloroso para ela também e que se de fato ela me amasse como diz sofreria ainda mais com o peso da culpa de um ato que não poderia mais voltar no tempo. Talvez a separação fosse uma maneira dela aprender e em um próximo relacionamento fazer diferente. Talvez nas outras duas crises ela não teve uma lição forte o bastante para saber que se me traísse iria me perder. Enfim coloquei tudo isso em uma balança e em uma tentativa de ajudá-la decidi voltar. Ela decidiu mudar, propôs até mesmo que nós buscássemos mais Deus.
    No entanto passado a euforia da renovação do namoro eu tenho algumas dúvidas internas. Será que eu fiz a coisa certa? Será que eu não devia seguir meu caminho até porque a traição partiu dela então ela sofresse apenas estaria pagando pelo que fez? E se ela voltar a fazer tudo igual?
    Somado a isso tudo tem o próprio fato que vai ser um susto nas nossas famílias que a dela com certeza vai ficar com raiva de mim achando que eu não confiei nela e fui na conversa dos outros (eles não sabem da conversa que li). Sem falar a dor que eu só iria estar adiando. Na verdade acho que não tenho mais confiança… algo que só irá ser recuperada com o tempo. Ela não para de dizer que me ama o tempo todo e às vezes dentro de mim eu chego a duvidar desse amor pois para mim quem ama de verdade não trai. Não sei se a atitude dela foi uma criancice pois as vezes ela age de modo a querer passar uma imagem de alguém independente e bem resolvida que sempre é paquerada. Imagem essa que no fundo ela não é pois sei que na verdade no fundo ela é uma pessoa sensível que se machuca com facilidade e esse traço da personalidade dela que eu descobri a própria mãe um dia me disse. Sinceramente, preciso muito de ajuda, não sei o que fazer. Tenho muito medo de me decepcionar. Tenho medo de continuar com ela e depois me decepcionar. O fato é que no tempo que estive com ela abri mão de muita coisa, algo que eu estou disposto inclusive a refazer minha vida. Acho que reatei mas por medo de fazer ela carregar a dor do remorso e o fim traumático. Sem falar que me senti chamado a ajudar ela a evoluir. Assim, se possível gostaria de uma ajuda para entender melhor essa situação. Será que eu fiz o certo em voltar? Será que eu não deveria ter seguido em frente e deixado tudo para trás já que foi a própria que buscou isso tudo?

  60. Sim, já estou de boa Felipe, obrigado pelo toque, não tenho possessão por ela, nunca tive inclusive já até falei com o parceiro novo dela sem problemas mas tem coisas como dívidas e aquisições de bens que não posso abrir mão uma vez que fui eu e minha família que patrocinamos ela em todos os aspectos academicos/financeiros e até o trabalho dela, Família dela, então por mim já tinha dado a separação mas não posso, contraí muitas dívidas por nós e não é justo ela querer separar amigávelmente e eu assumir todo o BO…chego a estar com uma dívida ativa no banco entre conta corrente e cartões de crédito e empréstimos no valor aproximado de R$ 130.000,00 reais além dela sempre me bater, ela sempre foi muito orgulhosa e possessiva, estremamente ciumenta e após fazer a operação de redução do estomago, a mesma ficou bonita e resolveu me largar. Estou desenvolvendo minha mediunidade pois já venho passando por experiências como guspir sangue ao lubricar o pipi no momento da masturbação e ando vendo cristo mas ele não fala nada, só aparece em forma de caricatúra, como se fosse um enxame de abelhas e formam não somente a face mas o corpo inteiro na base de minha cama, isso ocorre já faz uns anos, às vezes eh 1 aparição por ano, não é frequente mas depois de ter sofrido pela separação, a frequência aumentou, por isso decidi desenvolver a “tal” mediunidade, a médium que está me ajundando a desbloquear a “tal missão que envolve a minha mediunidade” é a Edelarzil Munhoz Cardozo, mais conhecida como a mulher do algodão, ela materializa as energias negativas que são emitidas através do ódio, inveja e por trabalhos espirituais, ela apareceu no Fantástico e no Globo Reporter, é comovente o que ocorre em seu Santuário que fica em Votuporanga…

  61. Felipe, os sintomas que você relata não se devem a isso. Leia este artigo e os comentários; talvez você se identifique com eles.
    Precisamos respeitar o livre-arbítrio das pessoas. Se sua esposa não lhe quer mais, não há nada que você possa fazer. Dizemos “minha” esposa, “meu” filho, como se alguém fosse nosso. Mas ninguém é de ninguém. Por mais difícil que possa ser, num primeiro momento, abrir mão de alguém que gostaríamos que permanecesse ao nosso lado, não podemos aprisionar ninguém e não podemos aprisionar a nó mesmos ao lado de alguém.
    A vida oferece inúmeras oportunidades. Liberte-se e seja feliz. Perdoe sua esposa. Perdoar é desligar, libertar. Desligue-se dela e pare de sofrer.

  62. Olá, acredito que essa “Thaíza” seja minha esposa e para resumir, ando sentindo gostos, cheiro de cigarro e até sensações e sensibilidade em partes íntimas do meu corpo, como se estivesse beijando alguém ou até mesmo consumando o ato sexual além de me sentir mal, vontade de chorar nesses momentos… Isso se dá por causa dos adultérios de minha esposa que às vezes se faz minha própria casa e cama pois não moro mais lá desde março? OBS.: Somos casados há 11 anos e nunca a traí, mas ela justifica que isso não quer dizer nada e que estou atrapalhando a felicidade dela e ela não tem 1 só parceiro, pois paguei um detetive para segui-la e constatei o mesmo…

  63. Thaíza, a resposta não precisa ser espírita. Adultério é adultério, sob qualquer ponto de vista. Pode haver atenuantes, mas uma relação extraconjugal é sempre adultério.

  64. Olá, bom dia! Não sou espírita mas conheci uma pessoa que é, e desde então venho me interessando bastante. E vim de outra religião, portanto, outra doutrina. Conheci essa pessoa, me envolvi, nos apaixonamos e nos amamos muito, porém, somos casados. No meu caso, um casamento complicado por querer me separar e meu cônjuge não aceitar, então vou levando. No caso dele, casamento também complicado, com filhos e a mulher não aceita se separar. Então, vivemos assim, nos amando em segredo. O que dizer do nosso caso, seria adultério ou o quê? Gostaria de ter uma resposta espírita.

  65. Fernanda, nem tudo o que nos acontece se deve a fatos cometidos por nós em existências anteriores. Você tem interiorizada dentro de você a ideia da traição. Cresceu e se desenvolveu com isso. Alguém criado com a ideia de pobreza, por exemplo, jamais progredirá financeiramente, por mais que trabalhe. Atraímos para nós o que predomina em nosso subconsciente.
    Indico a você dois livros, que não são espíritas, mas que todos deveriam ler: O poder do subconsciente, de Joseph Murphy; e O poder infinito de de sua mente, de Lauro Trevisan. Leia e pratique. Não se questione sobre a veracidade do método, não são livros doutrinários.
    Tire da sua mente a ideia de que precisa pagar por algo do passado. Reencarnamos para aprendermos e nos desenvolvermos.
    Fique com Deus.

  66. Morel, não sei se será possível me ajudar, mas já agradeço a atenção dedicada desde já.
    Contarei brevemente a história, para que possa entender melhor.
    Quando pequena (6 anos), eu era muito ligada ao meu pai, mas minha mãe descobriu que ele a estava traindo. Resolveu continuar com ele após pedido de perdão, mas nunca o perdoou, sempre me falava que ele havia nos traído o que fez eu me afastar dele.
    Quando tinha 17 anos comecei a namorar e desde o início fui muito insegura, ciumenta, por achar que fosse acontecer comigo o que havia acontecido com meus pais. Após 5 anos de namoro descobri que estava sendo traída. Meu ex-namorado é uma pessoa muito correta com as demais situações, mas falou que acabou cedendo à tentação de tanta desconfiança que eu depositava nele.
    Fiquei 5 anos sem nenhum envolvimento intenso com ninguém, tentando melhorar nos erros que havia identificado na relação.
    Meu pai vem me ensinando a doutrina espírita desde que nasci, meus avós e bisavós eram espíritas, então nesse tempo, não senti pena de mim e sempre pensei que talvez estivesse pagando por algo de ruim que tenha feito em outra vida para outras pessoas.
    Há 1 ano conheci outro rapaz, pois bem, descobri que ele também me traiu. Novamente veio à minha cabeça que estou pagando por algo que fiz de errado, mas aí vem minha dúvida: Se sou correta com as pessoas, em momento algum nesses dois relacionamentos cogitei a ideia de traí-los, respeito-os justamente por não querer para o próximo o que não quero pra mim, acredito que inconscientemente tenha aprendido a lição, certo? Mas porque venho pagando por isso mesmo assim? Até quando pagarei por algo que acho que fiz de errado na vida passada?
    Muito obrigada!

  67. Olá, Angel!
    Que bom que as reflexões estão te ajudando a tocar em frente a tua vida! Vc vai perceber que quando adquirimos o hábito reflexivo de e para nós mesmos, muitas mudanças passam a ocorrer. Vc começa a fazer escolhas de forma mais consciente, melhores mesmo.
    Forte abraço!

  68. JULIANA,

    Um ótima tarde e muito obrigado pelas palavras e pela reflexão. Por incrível que pareça hoje que consegui responder o que me disse. Logo após escrever esse meu relato e até mesmo uma forma de desabafo aqui pelo blog, percebi e refleti e muitas coisas. O mais impressionante é que quem realmente quer nos ver bem, nos colocam de frente à certas situações que nos deixam questionando sobre o que está acontecendo, desde uma simples frase, uma foto, um sinal, enfim… Posso dizer que no dia que descobri tudo isso Juliana, fui completamente tomado de ódio, não só pela pessoa que amo, mas pela minha pessoa também por ter ”iniciado” algo com ela, entende?! No dia seguinte Juliana, fui abraçado e tomado por uma paciência, calma e compreensão que jamais havia sentido, percebi que escutaram realmente minhas preces. Cheguei a sentar frente a frente com minha ex, conversamos e falei com ela com uma paciência e serenidade infinita, ao ponto de me colocar como um amigo que estava ali somente para escutá-la, para ouvir seu desabafo. Infelizmente neste dia, ela continuou a negar tudo e a dizer que eu estava criando coisas. Sendo que ao sair da casa dela, ela me manda mensagens falando que não teve coragem de me contar tudo, pois é muito pesado para ela. Resumindo Juliana, retornei com ela, mas fui muito sincero, pois nunca faria algo assim para alguém e jamais esperava por isso, mas devemos compreender que há pessoas e pessoas, pensamentos, atitudes, características diferentes das nossas, e só nos resta a aceitar e compreender. Hoje estamos muito bem, disse á ela que fiz o possível para esquecer tudo isso, não nego que não esqueci e ainda assim sinto desconfiança de qualquer ato, poréééém, estou batalhando e é raro eu lembrar de algo assim, só que há pequenos gestos e momentos com ela que me fazem lembrar de algo. Concluindo Juliana, não há sensação melhor, de que você compreender os erros do próximo, sendo que ela se sente ”machucada”, disse que infelizmente vai carregar esse fardo por muito tempo, mas que aprendeu o que fez à mim e jamais faria algo se soubesse que acarretaria nisso… De qualquer forma levo o que o Morel colocou :”traição, não há justificativas”… Quero somente ser feliz, e continuar sendo quem eu sou, sei que mais para frente isso tudo fará sentido. Mais uma vez obrigado pela atenção de todos. Um ótimo dia e uma ótima semana!!!!
    Muita luz, amor e fé para cada um!!!

  69. Boa noite pessoal,

    Estava pesquisando sobre um outro tema nesse e acabei me deparando com esse assunto que tanto vai de encontro com meu momento.
    A estória é longa, mas vou tentar resumir. Eu namorava com um rapaz a dois anos e achava que não estávamos bem, mas que iria passar, até que um dia ele chegou e terminou o namoro. Naquele dia senti uma paz, achei que ele tinha tido uma coragem que eu não tinha tido. Mas depois me veio uma dor, comecei a procurar e descobri que ele já estava com outra pessoa e publicou tudo nas redes sociais. Ele negou muito, mas depois admitiu que estava com ela antes de terminar. O tempo exato eu nunca saberei, mas já estava. Ligava para ele para pedir que voltasse e era muito humilhada. Na verdade, me sentia muito culpada pelo fim do relacionamento pois sabia que eu não tinha sido uma boa namorada nos últimos tempos.
    Sofri imensamente por dois meses, mas estava em um momento de redescoberta, quando tivemos uma outra discussão e disse tudo para ele que não havia tido coragem de dizer. Dessa discussão, saiu um encontro para colocarmos os pingos nos “Is” e voltamos.
    De verdade, achei que o processo de perdão seria mais fácil e de verdade achei que o tivesse perdoado, mas hoje acho que não.
    Essa volta já faz um tempo, mas não há um dia em que não lembre de tudo que aconteceu. Passei por um momento de muita tristeza, que interferiu no meu rendimento no trabalho e, logo após nos reconciliarmos perdi meu emprego.
    Desde então não tenho paz, não consegui outro emprego e criei um tipo de vício em ficar olhando as páginas da “mulher” em redes sociais.
    Entendo que que tive que passar por tudo isso para me tornar uma pessoa melhor, mas não sei como me levantar. Me sinto num buraco. Amigos espíritas me diz que enquanto eu não me libertar de sentimentos ruins e dessa energia que me liga a essa mulher, minha vida não irá melhorar. O que fazer?

  70. Oi, Luisa!
    Achei impressionante e bonita a história do seu amigo! É linda mesmo. O exemplo que seu amigo nos deu de respeito, de consideração e de amor mesmo nos mostra que não há regras rígidas quando se trata de amor. Nós nos culpamos imensamente pelo conflito dualista de “o que é certo? o que é errado?”. Há um ano, eu duvidava que alguém pudesse amar mais de uma pessoa e que, depois de anos de relacionamento, pudesse existir amor verdadeiro por outra pessoa. Seu amigo nos mostrou que isso é possível. Acredito que, onde existe o verdadeiro amor, tudo é válido. Mesmo não o conhecendo, acredito que ele foi sincero quando disse que teria evitado o envolvimento, se fosse possível. A história dele nos prova que a vida é muito dinâmica, e que o amor pode ser vivenciado com alguém que jamais poderíamos supor, nos pegando desprevenidos.
    Que a Verdadeira Felicidade esteja conosco!

  71. Bom dia, Cris!
    Entendo a tua dor profunda. Imagino o quanto é penoso pra você conviver com o conflito tão esmagador e angustiante entre relembrar o fato da traição, do que foi dito por seu ex-marido, do que vc tem visto depois que vcs se separaram, e a vontade, a luta para conseguir perdoá-los, sem no entanto, ainda conseguir. Imagino a tortura e o desespero que esse conflito vem lhe causando.
    Escrevi um comentário logo antes do seu primeiro comentário, expus brevemente minha situação. Eu, no caso, cometi adultério com um homem casado. Depois de um ano e três meses nos relacionando, falei com ele sobre a necessidade de nos afastarmos e de não manter mais a nossa relação. Ele aceitou embora sofrendo imensamente, os dois. Fizemos essa escolha justamente para evitar o sofrimento de outras pessoas. Te digo, isso está sendo imensamente difícil, mas é possível. E me conforta saber que estou me ajudando e a ele também no caminho do bem.
    Cris, certamente vc está avaliando ainda tudo o que aconteceu, o que vem acontecendo frente às suas reações. Sugiro que vc leia o livro “O Caminho da Auto-Transformação”, de Eva Pierrakos. Ele nos norteia quanto ao caminho para amarmos a nós mesmos e, com isso, amar ao próximo abertamente e sem medo, sem fazer exigências nem criar expectativas quanto aos outros. Por mais difícil que seja aceitar, acredite, somos reponsáveis por tudo o que nos ocorre. Essa frase pode ser chocante pra vc, mas procura refletir sobre ela de forma clara, objetiva. Este livro tem me ajudado bastante a entender e me guiar no caminho pra Verdadeira Felicidade.
    No mais, o que me resta a dizer é: siga a tua vida, filha. Não lute contra o fluxo da vida. Expresse o que está sentindo, procure um profissional de Psicologia confiável para orientá-la em sua jornada, e leia, leia muito, conheça mais a doutrina espírita. Ela nos dá respostas coerentes às nossas indagações mais íntimas e aos nossos anseios. Busca a Verdade e ela te libertará, disse o Governador do nosso lindo planeta.
    Que o Nosso Senhor Jesus Cristo esteja conosco e que nos iluminemos com o seu Infinito Amor.

  72. Olá, Angel!
    Está muito claro que tudo o que estamos discutindo sobre adultério nos leva a pensar em perdão e amor a si mesmo. Sim, amor a si mesmo. Acredito que quando damos início e mantemos o compromisso de nos conhecer profundamente – em nossas negatividades, nossas virtudes, as emoções que nutrimos consciente e inconscientemente -, o amor a si mesmo corre paralelamente ao amor ao próximo. Não precisamos esperar nos amar plenamente para depois amar ao próximo, amar a si mesmo não significa ser egoísta. Ao contrário, significa reconhecer, aceitar e compreender o que temos, também, de mais inferior. Faz parte de nós, do nosso atual estágio evolutivo. Po que estou falando tudo isso? Porque quando damos início a todo esse processo, nós expandimos a nossa compreensão de nós mesmo, a nossa consciência se expande. Reconhecendo que erramos (e muito), passamos a ser compreensivos com os erros dos outros. Convido você a se avaliar, se questionar, refletir sobre você, o que vc sente, os conceitos que vc carrega dentro de si e que faz de vc quem vc é hoje. Acredite, isso funciona de verdade. Avalie, da forma mais objetiva possível, o que sente por sua ex-namorada, se o que sente é amor ou paixão ou apenas depositou nela a expectativa de ser cuidado e amado. A necessidade de ser amado é equivocada, é falsa. Nós cuidamos e necessitamos de nós mesmos. Acho que o que é verdadeiro é a satisfação infinita de compartilhar amor com outras pessoas, independente de como elas sejam. Você pode analisar: o que o seu relacionamento com ela trouxe a vc? Foi um relacionamento construtivo ou destrutivo? O que vc entende ser melhor pra vc? Vc é capaz de conviver com o fato de ela tê-lo traído e perdoar com toda a sinceridade? Se vc entender que a ama de verdade, sinceramente não vejo problema algum na reconciliação de vocês.
    Amar, perdoar e servir. Esses são os três pilares da Verdadeira Caridade.
    Muita luz, amor e paz a todos nós!

  73. Olá Morel, muito interessante tudo que escreveu e me fez refletir mais ainda em algumas situações que ocorreram comigo ”recentemente”… Digo entre aspas, pois somente por agora descobri a traição de minha ex namorada. Sempre segui a doutrina espírita, desde criança, jamais eu faria tal ato, porém há pessoas e pessoas. Conversei numa boa com ela sobre como tudo aconteceu, pois se eu entrar em detalhes realmente todos perceberão que foi coisa do destino, como um dos fatos de eu estar saindo de sua casa e meu carro (novo) no meio da rua apagar, e ao olhar para trás (casa dela) aparecer o carro com o ex namorado dela indo até lá. Enfim, descobri conversas e tudo mais de tudo que aconteceu e conversamos, mostrei a ela tudo aquilo mas pedindo sempre a Deus calma, sabedoria e paciência para com o que fale, a mesma somente zombou de minha cara rindo dizendo que não fez nada e que eu era ‘mané’ de acreditar nos outros não nela… até que à tarde ela me mandou um texto dizendo que ela cometeu erros sim, só que não tinha a coragem de contar tudo, até que disse tudo e falando que estava se sentindo muito mal. Por outro lado fiquei feliz por ela ter contato a verdade, apesar de tudo, mas não voltei a namorá-la. Até hoje ela diz que me espera o tempo que for para reatarmos, porém me sinto preso na questão do que realmente fazer, não nego que depositei muito meu amor a ela, perdoei de tudo que tenha feito, mas não tenho a coragem de reatar algo, me falta coragem mesmo a amando. Talvez como citado em um dos comentários abaixo, o melhor jeito seja ”apagar” tudo relacionado do cotidiano, da vida… Agradeço a quem leu, senti esse comentário também como uma forma de desabafo… Muita luz a todos.

  74. Eu sei Cris,

    Como eu falei, traição não se justifica… E o fato tendo acontecido sem querer ou querendo não isenta a parte que errou.
    Morel respondeu acima uma questão que lhe havia perguntado no post Somos Resposáveis por Nossos Afetos… Bom, realmente, somos muito humanos ainda para não sentir dor, mágoa, tristeza quando alguém nos fere e nos trai. Mas, sei que irá conseguir superar isso… Lembre-se de quantas coisas vc já passou na vida, e conseguiu superar, onde foi muito mais forte do que pensava ser…
    Que Deus te ilumine…

  75. Luisa, não podemos imaginar casos assim como uma conta-corrente, em que cada erro representa um real a menos na conta. Ele não iria “pagar” por sua irresponsabilidade. Mas iria aumentar a sua carga pessoal de irresponsabilidade. É como se acumulasse sujeira, a cada ato irresponsável fosse se tornando mais sujo, mais poluído. Quem sofreria as consequências disso seria ele mesmo. Quanto mais “poluído” o espírito, maior a tendência de ele só ver maldade em tudo, e, consequentemente, ser infeliz. Além disso, atraímos o que sintoniza com o nosso padrão vibratório: mentes poluídas atraem pensamentos, pessoas, coisas e situações poluídas.
    O caso do professor pode não parecer muito grave, mas imaginemos, por exemplo, um adulto que faz uma proposta indecente a uma criança. A criança pode não entender do que se trata. Mas o adulto externalizou uma sujeira da sua mente, deu “vida” a um desvio de caráter que deveria se esforçar por transformar.

  76. Obrigada pela luz mais uma vez Morel!

    Agora eu entendi como funciona essa responsabilidade pelos nossos próprios afetos. Poxa, que interessante isso! E como somos humanos e menos evoluídos!
    Agora, uma outra dúvida: se por acaso ela fosse evoluída e a esperança/expectativa incentivada pelo professor não lhe causasse nenhum dissabor por ele vir a mudar de ideia, ainda sim, ele teria alguma conta ou débito pela atitude impensada mesmo que isso não tenha causado sofrimento para ela?

  77. Luisa, o seu exemplo é excelente. Somos ainda muito imperfeitos, por isso sujeitos a muitas influências. Num mundo ideal, em que tivéssemos pleno controle sobre nós mesmos, não estaríamos debatendo sobre isso…
    A sua colega é responsável por ter se envolvido ou se deixado envolver emocionalmente. Ninguém pode nos obrigar a experimentar uma emoção ou sentimento que não exista dentro de nós. Um homem absolutamente bruto não se emocionaria com uma pintura abstrata, pois a possível mensagem oculta por trás da pintura não encontraria eco neste homem. Ele não tem dados suficientes em seu campo emocional para experimentar uma emoção ao ver tal quadro. Do mesmo modo, pessoas mais evoluídas já superaram o tipo de emoção associada à dor-de-cotovelo, ao ciúme, à paixão carnal, que faz outras pessoas chorarem de emoção.
    Sua colega, então, sofreu porque criou expectativas, porque tem dentro de si elementos suscetíveis a essas emoções. Se ela fosse emocionalmente inferior, como o homem bruto da pintura abstrata, não teria se sentido tocada por um possível afeto da parte dele; se ela fosse emocionalmente superior, não teria criado expectativas, apenas experimentaria a satisfação do convívio do momento e o prazer de conhecer uma pessoa interessante. A dor que ela experimentou está na faixa vibratória dela, é o que ela e milhões de outros espíritos estão aptos a sentir.
    O professor, por sua vez, é responsável por suas atitudes, por dar esperanças, por permitir a criação de expectativas. Sempre que implantamos um ideia em alguém somos corresponsáveis pelas consequências daquela ideia.
    Se eu promover uma passeata de protesto, por exemplo: Cada pessoa que se deixar convencer por mim será responsável pelos seus atos de violência e vandalismo, já que eu não obrigo ninguém a fazer isso, e talvez nem mesmo incentive. Mas eu serei corresponsável pelas consequências destes atos por haver implantado a ideia do protesto em outras mentes. Minha responsabilidade, assim como a responsabilidade do professor, será proporcional à possibilidade de má interpretação ou de incentivo deliberado que oferecemos.
    Há casos de escritores famosos que escreveram sobre o suicídio em seus romances, e que com isso incentivaram pessoas a tirarem a própria vida. Quando já desencarnados estes espíritos se arrependeram amargamente de terem abordado este tema. As pessoas que se suicidaram são responsáveis pelos seus atos. Mas estes escritores têm sua parcela de responsabilidade, e sofrem as consequências disso.
    Estamos todos interligados. Cada pensamento, palavra ou ação que cometemos terá alguma influência, por mínima que seja, em alguém.

  78. Cris , sabemos que a vida não é fácil. Constantemente temos de lidar com Ás suas provacoes inerentes á nossa existencia . Por vezes persistimos nós erros continuamente até que a própria vida nos obriga a mudar . É o que estou a ver na minha situacao e eu tive de aprender a conhecer me a mim mesma para tentar salvar a minha relacao amorosa. Não podemos mandar no livre arbitrio do outro mas antes fazer um esforço para mudar a nosa visão do mundo. Tudo o que é nosso por direito à nossa mão vem parar. Faça o seu luto diariamente e com calma, perdoe. Se a si e aos outros um pouco todos os dias e tente descobrir se novamente. Isso seria o que tentaria fazer . Sou mae de gêmeos e acredite … Não é fácil uma relacao destruturada sobreviver a esse facto . Você provou que é uma mulher fértil por isso não se culpe . É triste mas se seus bebés não vingaram neste plano acredite que no plano espiritual eles estão sendo carinhos e sabem que você os ama e isso não tem preço. Desejo lhe que consiga encontrar a felicidade que você merece ! Beijinhos !

  79. Oi Luisa, eu entendo o que diz, mas quando nos envolvemos com outra pessoa estando compromissado com outra, devemos ter responsabilidades, são famílias envolvidas e por muito tempo zelando por nos, meus pais, irmãos e sogro e sogra, mas aí nosso egoísmo, sim eu acho q é egoísmo pensar só em si, na sua felicidade.
    Ele me disse que estava apaixonado por outra e eu que arrumasse outro, simples assim!!
    Um dia meu pai me ensinou sobre RENÚNCIA , mas isto não é para qq um!!
    Eu renunciei, mas ele não.
    Agora estou cuidando do meu coração ferido e traído.
    Sei que vou conseguir .
    Fique com Deus.

  80. Cris,

    Traição não se justifica. Mas, trouxe essa situação para que pudesse ver que as coisas as vezes acontecem de forma inesperada… que talvez ele realmente tenha se apaixonado. Meu amigo não traiu a noiva. Foi convivendo com a estudante de intercambio, aos poucos faziam muitas coisas juntos, porque tinham muitas coisas em comum: ambos gostavam de estudar, de fazer atividades físicas, de conversar assuntos sérios… coisas que a noiva não gostava de fazer. Ele passou a sentir muitas saudades quando ela viajava a trabalho, ciúmes dos amigos que davam em cima dela… Foi tão sorrateiro que ele não percebeu o que já estava sentindo até q os dois se beijaram. Foi só isso que houve: um beijo. Então, eles se afastaram, ela foi morar em outro lugar… Mas, se passou 2 meses e ele viu q não tinha jeito, que a amava… Ele é uma das melhores pessoas que conheci… E eu acredito firmemente quando ele me diz que se tivesse percebido que estava sentindo algo por ela no inicio, teria evitado. Então, as coisas as vezes acontecem e fazem parte no nosso processo de transformação espiritual.
    Já tive desilusões amorosas, e o melhor que a gente faz é esquecer. Parece difícil não é?
    Na Austrália tem os nativos, que eles chamam de aborígenes. Na tribo ou religião deles, quando alguém morre, não se pode pronunciar o nome daquela pessoa nunca mais.
    Não desejando o mal, nem nutrindo sentimentos ruins, mas eu fingia que a pessoa tinha morrido. Excluí n de telefone da agente, excluí do face, Orkut, e não olhava, e evitava conversas a respeito. Bom, para mim funcionou… Pq quando vc fica olhando o face, está nutrindo ainda mais a mágoa, está apenas se envenenando…

  81. Oi Luisa , incrível esta história da sua amiga. Pelo jeito essa história se repetiu , pq pelo q vi no face, ele mudou radicalmente, corte de cabelo, arrumou novos amigos. A mãe dele me disse q no mesmo mês q saiu de casa já começou a namorar sério c a moça, e já a pediu em casamento. Eu fiquei triste sim, pq só passaram seis meses , ele já estava com ela enquanto estava casado comigo, por isso q fiquei magoada .
    Perdoar sempre, esquecer , muito fácil quando não se está vivendo isso.
    Peço a Deus força para perdoar e esquecer de coração.
    Muita luz

  82. Oi Fernanda, saber que tudo pode ser melhor me conforta, já se passaram seis meses.
    Ele já recomeçou sua vida e eu fiquei chorando curtindo uma Treva Teimosa, pois é assim q me sinto, não aceitando o q aconteceu.
    Nada vai mudar se eu continuar a me sabotar, tenho rezado mais e isto tem me acalmado, acredito q vou conseguir perdoar os dois e principalmente a mim mesma.
    Deus te abençoe e obrigada pelo carinho.
    Cris

  83. Sabe Ana, eu percebi isso só quando ele foi embora sem olhar para trás.
    Fíz tudo que vc relatou, amei mais o outro do q a mim mesma, quando perdi os bebês senti que perdi ele também, para o homem ter filhos é mais uma prova q são homens.
    Meu marido me trocou por uma moça de 25 anos e disse na minha cara que ela poderia
    lhe dar filhos, foi isso q me magoou .
    Mas como disse o Morel e vc, tudo concorre para o nosso crescimento.
    Muito obrigada pela atenção.
    Paz e amor.

  84. Cris, eu passei por isso, eu entendo a sua dor. Tive meu luto também, mas eu decidi por mim. Eu procurava não pensar neles, não sentir raiva, pensava em mim. Lia muitos livros todo dia. Pedia para Deus que me ajudasse a arrancar todo ressentimento e mágoa do meu coração. Pedia e orava muito, tive muitas quedas, mas venci. Achava que iria levar mais tempo, mas em poucos meses consegui perdoar, não sentia mais raiva e mágoa. Pensava em mim, fiquei mais bonita, me sentia mais viva e feliz e ai, quando a tempestade passou, conheci meu marido… primeiro foi meu amigo, depois começamos a namorar… e tive uma filha linda. A tempestade passa quando aprendemos com ela. Me sinto feliz por ter perdoado, o perdão me proporcionou muita coisa. Bjs no coração. Você vai ficar bem… fica com Deus.

  85. Bom dia. Gostaria de saber em relação aos encontros que não foram naturais. Encontros marcados.
    Conheci meu marido através de uma amiga que me conheceu e conhecia esse amigo e ela logo marcou para que nos conhecêssemos. Pois segundo ela nós tínhamos tudo a ver um com o outro. Nos conhecemos de uma forma forçada, nada natural, porque nunca íamos nos conhecer nessa vida se não fosse ela inventar isso. E o que você me fala sobre isso? Temos que ficar juntos mesmo?

  86. Meu melhor amigo de infancia, namorou por 17 anos com a mesma mulher. Um amor lindo, desde a adolescencia, eles foram o primeiro amor um do outro. Foram morar na Austrália a 7 anos, e esse ano em julho eles viriam para o Brasil se casar.
    Em agosto do ano passado, eles passaram por um aperto financeiro, e por conta disso, abriram as portas de casa para uma estudante de intercambio.
    Ele reconheceu nela o amor de sua vida. Ele não traiu a namorada, mas terminou com ela e ficou com a outra. E ele disse para mim que nunca quis fazer sua namorada sofrer… Que se ele tivesse percebido que estava sentindo algo pela estudante de intercambio, que teria evitado, mas foi tudo muito sorrateiro e quando ele se deu conta o sentimento já existia. Ele disse para mim que em 17 anos de relacionamento, ele não se sentiu nem um terço tão feliz, tão bem, e tão pleno com se sentiu com sua nova namorada.
    As vezes a gente pode amar alguém muito, mas não é com essa pessoa que iremos ficar… Podemos amar muito alguém, mas não termos uma afinidade que econtramos em outra pessoa…

    Em casos de traição, geralmente, não se estende a um relacionamento, apresentações familiares, exposições em facebook… Se isso acontece, é porque existe um sentimento… Todos somos humanos…
    Meu melhor amigo, foi o melhor homem para ela por 17 anos… Eu sei que ele não queria faze-la sofrer… Eu sei que se ele tivesse percebido que estava sentindo algo pela estudante de intercambio, ele teria evitado… Mas, a vida prega peças na gente, e as coisas acontecem porque tem que acontecer…
    O casamento foi cancelado, os convites já haviam sido enviados, a igreja reservada, o buffet providenciado… O mundo dá muitas voltas…

  87. Muito obrigada meu amigo!!
    Essa é a verdade!!
    Eu consigo, eu quero ser feliz também!!
    Deixei o orgulho ferido tomar conta de mim, e isto não vem de Deus.
    Chega de sofrer.

    Deus te ilumine sempre por nos orientar com tanto amor.
    Cris

  88. Cris, acorde.
    Deixe eles. Pare de querer saber deles. Lembre de você. Conceda-se novas chances. O seu sofrimento é puro egoísmo. É compreensível que você sofra, somos ainda muito imperfeitos, mas você precisa perceber que isso é egoísmo. Você não pode exigir que as pessoas sintam por você o que você sente por elas. Ele tem a vida dele, a outra tem a vida dela. Eles são tão humanos e filhos de Deus quanto você. Pare de ter pena de si mesma. Reaja. Deus está sempre presente, sempre ao nosso alcance. Mas nós precisamos estar receptivos. Reagir e recomeçar é uma questão de escolha.

  89. Cara amiga, junte se ao clube em matéria de desilusão. Muitas mulheres são magoadas mas tenho de concordar que grande parte das vezes somos nós que nos magoamos, nós obsediamos a nós mesmas e os que nós rodea, falta de auto estima por nós mesmas. Demos demais de nós mesmas e esperávamos retorno. Segui o exemplo da minha mãe e por pouco não me tornei como ela, amarga, cobradora de afeto dos outros. e admito para mim que isso não era amor incondicional porque também eu não me amei, não me valorizei, abdiquei de mim para cuidar dos interesses dos outros. Hoje vou reaprendendo a lição. Se você fizer uma análise verificará que as coisas não descambaram dá noite para o dia, certamente houve frases ditas, pequenos gestos que indicavam que tudo isso poderia lhe acontecer, somos nós que não queremos olhar as evidencias. o Morel poderá dar nós uma visão da situação sob a visao espírita mas não poderá salvar nos. Apenas nós podemos fazê lo por mais duro que nós seja. Sou mãe e não posso imaginar a dor que sentiu mas nada acontece por acaso, Deus não lhe causaria esse sofrimento, pesquisa sobre isso na ótica espírita e certamente compreendendo lhe trará algum consolo. Reveja as respostas de Morel em comentarios anteriores. Desejo lhe muita luz nesta etapa dificil. Abraço!

  90. Oi Morel, eu já fiz outros comentários, aliás , o seu blog é maravilhoso, tenho passado para outras pessoas, você tem muita sabedoria e nos ajuda muito.

    Estou passando por um momento muito triste na minha vida, me separei há seis meses por traição do meu marido com uma colega de trabalho, eles estam juntos desde então, e pelo jeito a coisa está séria, porque as famílias já foram apresentadas.
    Meu inconformismo é tanto que não consegui tocar minha vida, parei tudo há seis meses.
    Não me conformo, porque fui uma esposa exemplar, cuidei dele, da casa e da família.
    Estou tomando remédio psiquiátrico, indo à casa espírita, mas não saio do fundo do poço.
    Cuidei tanto dele que esqueci de mim, dei brecha para ele se encantar por outra.
    Eu só choro, lamento enquanto ele fica bem, desde que saiu de casa só vejo publicações de lugares que visitou com ela. Estou com muito ódio deles. Não se preocupam com minha dor, meu sentimento.
    Cheguei ao ponto de não dormir mesmo com remédios fortíssimos.
    Socorro, me ajude, tenho raiva de mim, não tenho vontade de viver.
    Obrigada pelo espaço.
    Deus te abençoe.

  91. Muito obrigada pelos esclarecimentos, Morel! Me inscrevi no teu canal no Youtube e tenho lido os seus artigos que tratam dos mais variados temas. O que algumas pessoas poderiam chamar de postura moralista que vc adota, pra mim é um posicionamento ético, firme e coerentemente pautado nos ensinamentos de Jesus, à luz do Consolador Prometido. Precisamos pensar e agir no mundo como pessoas responsáveis e comprometidos com esses ensinamentos, sem perder a leveza e a alegria de nosso ser.
    Forte e caloroso abraço!

  92. Responderemos perante nossa consciência. Somos responsáveis, até certo ponto, pelos afetos que despertamos. E somos responsáveis pelos compromissos que assumimos. Fora isso, é certo que muitas pessoas vivem melhor e levam uma vida mais construtiva e útil após desfazerem compromissos que são mais formais do que afetivos.

  93. Juliana, nosso tribunal é a nossa consciência.Não existe um código de certo e errado na espiritualidade. Nós, por nossa inferioridade, é que ainda precisamos, quase sempre, de regras bem estabelecidas. Acredito que a conscientização e o esforço em abandonar o erro é um aprendizado valoroso.

  94. GOSTEI DA EXPLICAÇÃO! Entretanto, se formos casados com a pessoa errada? E encontrarmos a pessoa certa! Ou seja, aquela pela qual sentimos amor…

  95. Boa tarde, Morel!
    Muito esclarecedores o texto e o vídeo, a reflexão que me trouxe foi direta, profunda e dolorosa.
    Me relacionei com um homem casado por pouco mais de um ano que, no início, era meu grande amigo. Posso dizer que não foi nada premeditado nem intencional, mas acabamos nos relacionando amorosamente e sexualmente, depois de muita relutância. Durante esse tempo, embora não tenhamos evitado o envolvimento, sempre me perturbou o que estávamos fazendo, que consequências nos traria. Em comum acordo, nos afastamos; apesar do sofrimento que sentimos, pois nos amamos muito, não poderia prolongar nossa relação, correndo o risco de sua esposa e seus filhos pequenos ficarem sabendo. Preferi libertá-lo e me libertar também. Você acha que o amor que sentimos e a decisão de nos afastarmos pra resguardar outras pessoas será levado em conta pela espiritualidade no cumprimento de resgate? Gostaria muito de viver plenamente com ele o nosso amor na existência próxima.
    Obrigada desde já pelas orientações! Forte abraço.

  96. Ana, carma é uma palavra do sânscrito que quer dizer ação. A cada ação corresponde uma reação, ou seja, colhemos o que plantamos. Nem tudo em nossas vidas teve início em existências anteriores. Mas, independente disso, temos livre-arbítrio. Temos poder de decisão, somos nós que escolhemos o que fazer. Quanto ao fato de ele criticar determinado tipo de pessoas e se relacionar com uma delas, é comum que critiquemos nos outros coisas que temos dentro de nós. Isso vale pra mim e pra você.

  97. Boa tarde, Gostei muito do artigo e gostaria de saber se alguns fatos ocorridos em minha vida podem ser explicados através do espiritismo. Eu sou casada há 12 anos, tenho 3 filhos e tinha um casamento feliz, mas há alguns meses descobri que estava sendo traída, quando descobri ele deixou a amante, o que me fez pensar na ligação com vidas passadas é que o meu marido já foi casado antes, quando o conheci ele já estava separado há uns 3 anos, o fato é que ele traiu a primeira mulher com uma parente da amante que ele teve enquanto estava casado comigo. Elas são de uma família desestruturada, com alcoólatras, ladrões, prostitutas e pessoas que não valem a pena conviver, ele sempre criticou pessoas como essas, não entendo como pode se relacionar com elas. Ele sempre foi um bom marido e bom pai, sempre fingiu ser fiel e estava acima de qualquer suspeita. Sempre dizia que nunca me trairia por já ter perdido uma família, não queria perder a nossa. No primeiro casamento ele traiu primeiro e depois a sua mulher também o traiu. Fico impressionada pela coincidência, com tantas mulheres no mundo porque justamente uma parente da outra? E a que ele teve caso primeiro nem mora mais na mesma cidade. será que é algum tipo de carma?

  98. Juscélia, influenciamos e somos influenciados permanentemente por espíritos encarnados e desencarnados. Quando há uma influência contínua e que interfira no nosso livre-arbítrio, costumamos dizer que estamos sendo obsidiados. Não posso me pronunciar sobre o seu caso por não conhecê-lo. Procure um centro espírita kardecista. Estude, se esclareça, faça um tratamento.
    Só somos influenciados se dermos abertura a isso. Se temos um espírito nos obsediando, é porque demos espaço a ela, pois toda ligação espiritual se dá pela sintonia.
    O modo seguro de nos livrarmos de possíveis más influências e vivermos uma vida mais equilibrada é nos esclarecendo e nos melhorando como pessoas. O Evangelho de Jesus é o guia seguro para isso.

  99. Boa tarde!
    lendo os vários depoimentos, me animei que talvez você possa me ajudar em uma questão. Me divorciei há cerca de 5 anos, por motivo de traição por parte do ex-marido. Como em todos os casos, foi uma história muito triste, que envolveu depressão e muita dor. Tenho dois filhos e essa traição começou quando eu estava grávida do segundo filho. Enfim, o tempo passou, porém até hoje eu sinto muito mágoa e raiva pelos dois (ele e ela). Sei que não são bons pensamentos e que devo lutar para mudá-los, porém, apesar de já ter evoluído bastante nessa questão ainda sinto muito forte em mim esses sentimentos. Nunca mais consegui me relacionar com outro homem. É como se houvesse uma barreira me impedindo, nem sei explicar direito. Estou muito sozinha e sofrendo. Sinto muito sono, dores nas costas, cabeça e não tenho ânimo para fazer quase nada. Tenho orado e tentado reagir. Recentemente, uma amiga espírita me disse que a causa de minha solidão seria o pai da garota que está com meu ex-marido (causa da traição), que faleceu de overdose (era viciado em drogas), justamente no decurso da separação. Ela disse que ele atrapalhava bastante essa área de minha vida, ou seja, relacionamento amoroso. Isso muito impressionou, pois essa história não era conhecida. Te pergunto: isso existe? Isso é possível? Será que os meus sentimentos atuais podem atraí-lo?? E por que ele faria isso? Nunca o conheci, nem mesmo lhe desejei nenhum mal ou à sua filha (mesmo tendo muita mágoa dela, pois ela sabia que ele era casado etc). Enfim, se puder me ajudar a esclarecer essa questão eu fico muito agradecida! Estou sofrendo e gostaria que todos ficássemos bem e seguíssemos nossas vidas. O que posso fazer? Obrigada desde já. Juscélia

  100. Cynthia, a ferramenta de realização que temos à nossa disposição é a Vontade. Não permita ele em seus pensamentos. Mude o foco. Só isso. O resto é com o tempo.

  101. Sr. Morel Felipe Wilkon, namorei com uma pessoa por 2anos, nos separamos e depois de 1 ano eu o procurei por amor mesmo sabendo que ele já estava namorando. Nos envolvemos e ele me pediu para casar com ele, fez mil planos e depois de 4 dias me falou que não largaria a namorada, que o ocorrido tinha sido um erro. Figuei muito magoada com ele, distanciei mas não deixei de amá-lo. Acredito que ele casou há pouco tempo, mas não deixo de pensar nele. E qualquer momento que eu chamar ele para sair ele sai, mas não quero isso para a minha vida, pois sou guerreira, ótima mãe e honesta. Como me livrar de pensar nele? Obrigado e me ajude.

  102. É sobremaneira incomensurável a dor que sinto cada vez que sinto, percebo e comprovo uma mentira para sobrepujar toda sorte de adultério. Meu histórico é de pai e mãe, no seio da própria família. Cristo morreu na cruz para nos resgatar das garras do mal e nos livrar das maldições. Tudo o que quero é ser boa esposa e ajudar meu marido a evoluir em todas as áreas da vida, e usufruir de bênçãos ao lado dele, e ser referência de evolução para meus filhos. Mas sou pega de assalto com pressentimentos, que como vozes me apontam onde encontrar de facto comprovação da suspeita, sinto arrepios de medo, de frio e la estão. Sofro demais, confronto meu marido, que pede perdão, diz achar melhor deixar ele pra lá, que eu mereço alguem melhor etc. Mas ele gosta de mim, somos felizes, rimos e brincamos, sinto o carinho dele e sua vontade de ficar comigo, por tudo isso, sofro só de pensar em separação, eu anseio por superação , mas preciso de consolo e forças e poder desabafar, o que não quero fazer levianamente. Perdoo, mas nao consigo esquecer, porque os eventos sao cíclicos, como posso ajudar, perdoar, sem morrer por dentro? Doi demais, porque o que deveria me afastar dele para sempre no entendimento carnal, me une a ele no amor, na busca pela cura, pela superação e por um pouco de vitórias e felicidade, eu amo de verdade meu marido, e com todo o meu coração. Procuro fazer de tudo para agradar, pra dar alegria e satisfazer meu marido. Há dias que vivo quebras de braço infinitas com forças malignas, me sinto exausta. Mas não quero desistir, não vou desistir, vai ser um retroscesso fracassal desistir. Vai me abalar e abater ao pó.

  103. Gabs
    Como espírita você deve saber que pecado não existe, e que a imagem de sexo como algo sujo e impuro nos foi implantada pela Igreja Católica, principalmente através de Santo Agostinho.
    Também não acho que a homoafetividade seja condenável; é uma manifestação de amor como qualquer outra.
    Mas você deixa claro que o seu caso é puro desejo, e, como sabemos que somos espíritos em evolução, e que a evolução representa o abandono do apelo material e a busca das coisas do espírito, sabemos também que devemos vencer os desejos. Sexo deve envolver afeto, e isso encontramos com a pessoa de quem gostamos, com a pessoa que escolhemos para ser nossa companhia nesta jornada evolutiva – pelo menos no caso dos casados. O desejo sexual, por si só, como um modo de obter prazer, é instinto animal e deve ser combatido. Combatido, não negado. Acredito que o conflito que você vive pela natureza homoerótica do seu desejo é prejudicial a você. É possível – e mais saudável – reconhecer-se e aceitar-se, mesmo que buscamos a superação dessas características.
    Não acho que a natureza do seu desejo esteja errada. Mas, independentemente de orientação ou natureza sexual, temos que evitar o adultério, mesmo que em pensamento. Seu conflito carrega forte carga emotiva, o que pode potencializar o grau de energia quando você se entrega às fantasias. E sabemos que essa energia, normalmente, é utilizada por espíritos desencarnados viciados em sexo.
    A mesma energia que nos eleva espiritualmente, que nos permite o contato com a espiritualidade superior, é a energia que direcionamos ao sexo. Por isso a impossibilidade de elevação espiritual quando há à entrega aos desejos carnais e emocionais.
    Não vejo outro modo de vencer essas fraquezas que não seja a conscientização. A vivência sexual saudável, a supressão de todo e qualquer estímulo erotizante (pornografia, nem pensar) e a confiança em si mesmo, em sua própria força.
    Somos filhos de Deus, creados à sua imagem e semelhança, e, portanto, perfectíveis. Deus não acha nada de errado em nossa sexualidade. Achar que Deus se importa com essas questões é fazer uma ideia muito pequena dEle. Mas nós nos importamos. Nos importamos porque no degrau evolutivo em que estamos, percebemos que devemos vencer as tendências animalescas que ainda temos. O sexo é sagrado, é energia divina. Desperdiçar essa energia com desejos que não nos fazem bem é ceder à animalidade.
    Tenha consciência da sua força, da sua natureza de filho de Deus, tenha em mente o quanto você se sente mal quando faz algo QUE NÃO GOSTARIA DE FAZER. Sempre que o desejo despertar e estiver perto de recair, lembre-se de Deus, de seu propósito de elevação espiritual, do quão forte Deus lhe fez, e de quão fácil é resistir à matéria quando nos damos conta de que somos espíritos.
    Fique bem.

  104. Morel,

    Depois de mais uma vez cair, procurei leituras edificantes na internet, achei o seu site e gostei bastante do conteúdo. Senti-me a vontade de expor um pouco da minha história aqui e pedir conselhos, ajuda.

    Cresci numa família bem construída, com pai, mãe, irmãos, tudo direitinho e com muito amor entre todos.
    Sempre fui um menino diferente dos outros, entretanto. Nunca gostei muito das coisas que os meninos gostavam e sempre andei mais com as garotas. Fui tachado de gay inúmeras vezes, mas nunca aceitava isso. Eu ainda estava me conhecendo, mas não queria ser o que me chamavam.

    Desde criança (aprox. uns 13 anos), então, passei a sentir desejos por outros homens e utilizar a internet para satisfazer aquelas vontades ocultas e reprimidas. Algo que guardei sozinho por anos. As vezes dedicava meu dia inteiro aquilo. A masturbação era um hábito. Sentia-me tudo mal depois que tudo acabava, mas quando a vontade batia, eu não conseguia me controlar. Eu me sentia sendo aquilo que eu negava ser. As vezes me masturbava pensando em mulheres para me sentir menos mal, mas eram poucas as vezes, e nem sempre eu conseguia o prazer que queria.

    Na faculdade, conheci um garoto que foi muito legal comigo e disse que estava interessado por mim. Aquilo foi como se oportunidade de colocar em prática os meus desejos. Não demorou muito, e me entreguei ao sexo com ele, que era o dominador na “relação”. Eu procurava muito mais o afeto, o amor. Ele não. Ele procurava mais o sexo. Ele dizia que gostava mais de mulheres e que era uma questão de tempo para voltar para a ex dele. Foi um período muuuito complicado pra mim. Eu sofri muito, me isolei até da família. Meus pais descobriram e me ajudaram bastante com conselhos, dizendo que eu não devia fazer aquilo, que antes de decidir minha sexualidade, deveria dar uma chance também para alguma mulher. Depois de muita luta e sofrimento, rompi os laços que eu tinha com ele. Hoje mal o vejo, mas vez ou outra tenhos lembranças tristes daquele período obscuro da minha vida.

    Eu sempre quis namorar uma garota. Meu sonho sempre foi ter uma linda família, ter meus filhos e tudo mais. Aquele sonho bem conservador mesmo.
    Conheci uma garota uns meses depois que tinha o jeito parecido com o meu, gostava das mesmas coisas, etc. Começamos a namorar. Meu coração tremia – e ainda treme – só de pensar nela. Tudo com ela é ótimo. Com ela tive minha primeira vez de verdade (o passado eu apaguei) – e muitas outras vezes depois, e eu gosto muito. Hoje ela está grávida e estamos prestes a nos casar. Eu a amo como nunca amei ninguém. Sinto que ela me completa, que ela me faz uma pessoa melhor. As briguinhas e os problemas de relacionamento não são nada perto do que sentimos um pelo outro. Somos um casal admirado, somos pessoas muito queridas, somos o início da realização do meu sonho de família feliz.

    Levei ela ao centro espírita que minha família frequenta e agora estamos em grupos de estudos.

    Vez ou outra, porém, aqueles desejos voltam e me entrego a pornografia e masturbação. E na grande maioria das vezes pensando e vendo homens. As vezes até sonho com isso. Aquela vontade incontrolável e com falsa aparência de licitude volta e eu caio novamente. A frequência é baixa. Normalmente uma vez por mês ou com meses de intervalo. Durante o tempo que paro com isso, me sinto forte, vitorioso, mas quando caio, como agora, sinto como se fosse carregar isso pro resto da minha vida. Mas não é o que eu quero. Não mesmo.

    Por ser espírita, sei o quanto isso me faz mal e pode fazer mal aos que estão a minha volta.

    E eu só quero todo o bem do mundo pra minha esposa e minha filhinha que virá nos iluminar. Eu as amo mais do que a mim mesmo as vezes.

    Sei que falei demais, mas é porque quando peco assim, fico revoltado e quero muito alguma ajuda, algum conselho. E espero que esse testemunho também possa ajudar outras pessoas.

    Obrigado Morel,
    Que a Luz esteja conosco
    e Que Deus nos abençoe.

  105. Geraldo, a doutrina espírita trata de princípios e leis, não de detalhes de nossas vidas. Mas é evidente que quase todos nós estamos aptos a sentir desejo por outras pessoas que não o nosso cônjuge. O desejo é instintivo, é a parte animal que sobrevive em nós. Nosso objetivo como espíritos é abandonarmos, pouco a pouco, a parte animal e nos elevarmos cada vez mais. O controle do desejo é necessário para essa elevação. Em nosso estágio evolutivo precisamos de sexo, mas convém adotarmos a monogamia não só em ação, mas também em pensamento. Jesus nos disse que aquele que desejar a mulher do próximo em pensamento está cometendo adultério. É claro que este adultério não tem a mesma gravidade que o adultério carnal, consumado. Mas é adultério. Somos, em essência, pensamento. No astral, que é para onde vamos quando desencarnamos ou quando nos desdobramos espiritualmente, principalmente quando o corpo físico dorme, o pensamento se manifesta quase que imediatamente. No astral o pensamento é ação. Convém, portanto, evitarmos o desenrolar do desejo. Se sentimos desejo, temos que aprender a controlá-lo assim que o percebemos. No Livro dos Espíritos é dito que a a adoção da poligamia seria um retrocesso. Foi um grande avanço para a civilização a adoção da poligamia. Espiritualmente, é o início do controle dos desejos.
    O sexo é um vício em potencial. É preciso controlá-lo. Isso é plenamente possível, desde que se tenha vontade. Assim como quem quer abandonar qualquer vício, é necessário evitar logo no começo. Quem quer parar de beber, deve evitar o primeiro gole. Quem quer parar de fumar, deve evitar a primeira tragada. Quem quer evitar a excitação sexual por alguém, deve desviar o pensamento imediatamente, buscando, se preciso, uma atividade qualquer que lhe ocupe a mente.

  106. Olá Morel, a você, a paz de Jesus.

    Como a doutrina espírita interpreta o fato de eu ser homem casado e não trair a esposa, mas sentir desejo por outra e chegar ao ponto de masturbar pensando nela?

  107. Fernando, um relacionamento extraconjugal pode afetar negativamente a vida de muitas pessoas. Nenhum prazer momentâneo compensa o estrago causado.
    Não duvido dos seus sentimentos, mas temos que diferenciar amor e paixão. Amor pressupõe liberdade. O que escraviza é a paixão, e a paixão é passageira. Quanto à ela não estar completamente feliz, ninguém neste planeta é completamente feliz. Este é um planeta de aprendizado, somos crianças espirituais, e faz parte deste aprendizado abrir mão dos próprios desejos como forma de respeito ao próximo e de disciplina dos sentimentos.
    Você está apaixonado, é natural que não tenha interesse por outras mulheres. Mas insistir neste erro (adultério é sempre um erro, pois envolve, no mínimo, mentira e traição) ou desvencilhar-se desta relação e recomeçar a vida é uma decisão sua. É você quem escolhe, é você quem tem o domínio sobre a sua própria vida.

  108. Bom dia , Morel.
    Tenho passado por uma situação muito difícil. Me apaixonei perdidamente por uma mulher casada e com filhos, já faz mais de 2 anos e ela também se apaixonou por mim. Nunca tivemos nada, mas trocamos olhares, palavras e há um desejo muito grande de um pelo outro. Já tentamos nos afastar mas fico depressivo e ela também. Ela tenta se acertar com o marido e eu com minha namorada, mas desde que a conheci nada tem mais graça, sonho com ela todos os dias em pensamento e em sonhos mesmo nos quais estamos sempre juntos como marido e mulher. Está muito difícil para mim pois não tenho interesse por outras mulheres e aqui dentro me diz que já conheci mulheres o suficiente e ninguém mais vai ser como ela. Acho que ela nunca deixaria o marido e vivo minha vida assim, cinza. O que mais me atormenta é que sei que ela também não está completamente feliz, se soubesse que ela não gosta de mim, talvez fosse mais fácil esquecê-la, mas só pela maneira que ela olha sei que ainda gosta de mim. O que se faz em um caso desses? Ando me sentindo culpado, mas é como se estivesse decidindo entre ser ou não ser mais feliz, não que não seja feliz, mas aquela felicidade plena tenho sempre quando estou com ela, mesmo como amigos.
    Abraço.

  109. Sr. Morel
    Boa tarde
    Obrigada por postar meu comentário e respondê-lo.
    De fato O Livro dos Espíritos é obra de Allan Kardec, bem como O Céu e o Inferno, O Livro dos Médiuns e outros.
    Coloquei uma vírgula antes de digitar “André Luiz”, talvez seja esse o motivo de ter ficado parecendo que escrevi que O Livro dos Espíritos é de André Luiz.
    Mas valeu o esclarecimento de sua parte; obrigada também por isso, e mais uma vez, parabéns pelo trabalho, estou gostando muito de ler seus artigos.

  110. Obrigado pela participação e pelo elogio, Mariá. Apenas lembro que O Livro dos Espíritos é de Allan Kardec…

  111. Parabéns pelo artigo.
    É tudo que o livro dos espíritos, do André Luiz, e outras publicações dizem.
    Mas também é certo:
    quem nunca pecou por intenção, pensamento ou ação?
    Algumas pessoas são carentes, passíveis de apaixonarem-se, e comprometem mesmo o espírito.
    Contudo, o artigo é esclarecedor, pode ajudar muito quem vive a situação de adultério.

  112. Ana, o amor é algo ainda bem distante do nosso estágio evolutivo. Chamamos a isso que sentimos de amor por falta de nome mais adequado. Pode até ser uma forma de amor, um princípio de amor, mas está longe de ser um sentimento puro.
    Este sentimento que chamamos de amor podemos sentir por muitas pessoas. Há inúmeras pessoas interessantes e agradáveis no mundo. Você provavelmente está apaixonada, mas isso não pode ser confundido com amor.

  113. Boa Tarde!

    Esse assunto é sempre controverso. Eu já descobri várias traições do meu marido, a cada uma delas, conversamos e ouvi, aconselhei, fui resiliente, me culpei e ele me culpava muitas vezes, mas… elas se repetiam com envolvimento da parte dele. Recentemente, descobri uma nova, disse a ele que fosse procurar a felicidade e que tentasse viver uma nova vida. Ele não quer, diz que me ama e nunca vai me deixar.

    Estamos juntos há 25 anos e eu tenho apenas 40… Bom, há quase 8 meses, conheci uma pessoa, também casada, nos atraímos pelas nossas conversas, rimos muito, ele é muito inteligente, tem uma energia boa… e enfim, nos envolvemos, temos muita sintonia, nos falamos muito e essa sintonia me deixa confusa… Será que fiz uma escolha errada há 25 anos atrás? Como posso ter encontrado um outro amor no meio de tudo isso… Enfim… você consegue dissertar algo sobre essa situação?

    Abraços.

  114. Anônimo, o risco existe, não podemos afirmar que sim ou que não.
    Muitas mulheres se sujeitam ao sexo como profissão por absoluta necessidade, e o seu trabalho é uma tortura para elas. Neste caso, mesmo que em termos práticos, você esteja colaborando com o seu trabalho e profissão, você a está marcando emocionalmente, formando imagens subconscientes que ela carregará por muito tempo. Há também a possibilidade de envolvimento com as suas companhias espirituais, pois o assédio espiritual às profissionais do sexo é grande, e se houver afinidade, alguns destes espíritos podem se ligar a você. Fora esses dois fatores, que são hipóteses, o aspecto puramente energético também não é animador. Na prática sexual há troca de energias, e a energia de alguém que se envolve sexualmente com muitos parceiros é poluída, densa.
    Não acho que possamos chamar a isso de delito. É uma questão de consciência. Você deve saber como se sente depois do sexo, o que é que fica em você.

  115. Boa noite, Morel.
    Nunca cometi o ato do adultério, mas hei de confessar que às vezes frequento lugares dessa natureza, e opto pela prática do sexo pago (nunca enquanto me encontrava em algum relacionamento sério).
    Raras são minhas visitas, e com toda sinceridade, não sou viciado em sexo. Considerando isso, há algum delito grave para com algumas das leis divinas?

  116. Muito obrigada, às vezes me perco em minhas emoções e pensamentos, que não sei o que fazer.
    Seus comentários são muito positivos e francos.
    Estou maravilhada com o site, conteúdos interessantes e esclarecedores.
    Parabéns!!!!

  117. Mulher magoada, a terapia deve ser bem vinda, já que pode ser difícil você compreender o que está acontecendo com você. Você passa por conflitos que não são seus…
    Além da terapia, a busca por esclarecimento, a compreensão de que somos todos falíveis e sujeitos a erros. É importante que você compreenda que o seu marido não deixa de ser quem ele sempre foi para você por causa dessas fantasias. Uma coisa não deve comprometer a outra. Compreenda e perdoe.
    Por outro lado, não há nada que obrigue você a se sujeitar a essa situação. Enquanto você viver uma situação de mentira, estará mentindo para si mesma, e gerando mais desequilíbrio. Mais cedo ou mais tarde você terá que esclarecer essa situação com ele. Se você acha que tem condições de compreendê-lo, amá-lo e ajudá-lo na medida das suas forças, ótimo. Mas se suas forças não chegarem a tanto, exija uma conversa franca e esclarecedora. Sem cobranças, sem julgamentos. Não podemos esquecer, nunca, de que as pessoas mais próximas de nós são nossos instrumentos de progresso espiritual, e que quase sempre são nossos conhecidos há séculos. Nada acontece à toa.
    Procure ajuda espiritual num centro espírita, vai ajudar.

  118. Oi Morel, como vai?
    Estou passando por uma fase muito desagradável em minha vida.
    Meu marido tem fantasias sexuais com travestis e procura encontros pela internet, não sei se ele já se encontrou com algum, pois descobri por acaso e quando confrontado ele nega tudo, inventa uma desculpa.
    Meus dias são perturbados, não sou feliz, me pergunto o porquê desses acontecimentos.
    Eu não me separei, fingi que acredito nele, mas não acredito. Tenho pensado na hipótese de fazer terapia, não me aguento mais.
    Não sei o que fazer… me dê uma palavra de conforto por favor, uma direção.

    Obrigada!

    Beijos

  119. Flores, nossa índole é construída por nós mesmos, no decorrer dos séculos, reencarnação após reencarnação. é a soma de muitos sentimentos e pensamentos. Mas todos nós mudamos. Cada um de nós já cometeu, ao longo de inúmeras existências, crimes que não suportaríamos lembrar, por isso o esquecimento do passado remoto é uma bênção.
    É possível que ele não mude significativamente nesta existência. Mas mudar, todos mudam. Nós temos o dever de tentar melhorar as pessoas próximas, as pessoas a quem nos reunimos no mundo material. Isso não quer dizer que você deva aceitar tudo calada, de jeito nenhum. Mas nada é acaso, não existem vítimas no Universo. Quem sabe se você, numa existência passada, não tenha contribuído para que ele se tornasse assim?

  120. Abrir este site e ler suas publicações, Morel, me auxiliaram muito. Obrigada!
    Estou passando por dias difíceis no meu casamento… ontem descobri que o meu esposo me trai pela internet. Peguei ele falando que estava com vontade de uma mulher em um site de relacionamentos, uma “amiga” dele de infância. Pelo jeito eles trocam fotos e conversam há tempos. Ele sempre fica muito tempo na internet, já pedi que ele parasse, e também me intrigava o fato de ele adicionar tantas mulheres, mas ele sempre me dizia que eram amizades apenas e porque ele é político e tinha que se relacionar com muita gente. Há pouco fiquei sabendo também que ele sempre chamava uma amiga minha no bate-papo e ficava com “papo mole” pra cima dela. Pelo jeito, ele sempre foi assim, desde solteiro, mas não mudou depois de casado. Parece que o chão abriu-se sob meus pés… gravei estas conversas dele como prova e mostrei a ele. Ele ficou calado e depois disse que errou e que eu o perdoasse. Será que uma pessoa assim, com estes ímpetos, pode mudar? Não será a índole dele? Amo-o muito, mas não sei se consigo continuar com ele… por favor, me aconselhe. Obrigada.

  121. Esperança, apenas que ore sempre, ore por ele, peça ao espírito protetor dele que inspire sempre bons pensamentos e sentimentos a ele. Quase sempre só aprendemos as lições depois de experimentar a dor. A sua postura em relação a ele é admirável, é uma compreensão rara. Se você perseverar assim, um dia ele irá se defrontar com a vergonha, e isso será o começo da cura.
    Continue desenvolvendo a compreensão. Fique com Deus. Tenho certeza que você sairá vitoriosa.

  122. Assunto de tamanha importância. Estou vivendo um momento muito difícil, pois já faz bem 9 anos que descobri que meu esposo é viciado em pornografia. Já encontrei até mesmo e-mail’s correspondidos dele com transsexuais, porém não me abalei, e falei que ele podia contar comigo se ele tivesse disposto a mudar… continuei firme, pois apesar de tudo o amo como ele é. É um pai responsável e um ótimo marido. Ontem porém sem querer como das outras vezes encontrei uma mensagem no computador a respeito de uma ativação em um site pornô a pagamento, tentei ficar tranquila e conversei com ele, pedi pra ele procurar ajuda de um profissional. Só descobri o espiritismo ano passado, o que esta me ajudando a compreender um pouco do que está acontecendo. Não vou deixar meu casamento se abalar por algo assim, tenho fé e acredito na mudança dele, se não for nesta será na próxima reencarnação e se eu tiver que estar ao lado dele de novo estarei disposta, pois quero um bem a ele demais e sei que todo mundo merece uma segunda chance sempre. Pensamentos querem me assolar mas eu logo mando eles irem embora e penso nas qualidades que ele tem. Você tem algum conselho que possa me ajudar a lidar um pouco melhor com esta situação?

  123. Morel,
    Obrigada por escrever coisas tão esclarecedoras.
    Meu casamento chegou ao fim e ao meu ver sem motivos.
    Descobri que meu marido assina vários sites de pornografia. Assiste vários por dia… algo me diz que isso influenciou no desamor dele por mim… estou orando para a mágoa passar e eu poder orar por ele.
    Muito triste…

  124. Alice, a ajuda que você precisa é você que pode dar a si mesma, mais ninguém. Quem mais, além de você, pode controlar seus impulsos ou desejos? Nossas tendências são nossas, nada disso é de família. Possíveis semelhanças comportamentais entre familiares se devem à influência proporcionada pelo convívio próximo ou pela reunião, que muitas vezes ocorre em família, de espíritos que se afinizam uns com os outros justamente por terem tendências e experiências semelhantes. Não traia; você estará traindo a si mesma. Podemos não ter controle sobre os nossos pensamentos e desejos, mas ninguém se descontrola a ponto de ter relação sexual com outra pessoa. Uma relação sexual não é algo rápido e possivelmente impensado como um beijo, por exemplo. Certamente dá tempo de perceber o que está ocorrendo e controlar-se. Isso não é um julgamento. Mas você deve reconhecer, se você quiser realmente ajudar a si mesma, que você saiu com outra pessoa porque quis, não porque não se controlou. Avalie a si mesma.
    Fique com Deus.

  125. Morel, gostei muito do artigo.

    Confesso que estou muito confusa ultimamente.
    Tenho um namorado de cerca de 1 ano. Ele é tudo de melhor, amigo, simpático, atencioso, carinhoso, sincero, humano, enfim… perfeito! Porém, ele é assexuado, na verdade eu suponho. Conversei várias vezes sobre a falta da relação sexual, ou do não prazer na realização do ato. Enfim, não conseguimos resolver.
    Apesar de gostar demais dele, isto tem me feito muita falta! Muita mesmo. Tentei lutar contra meus pensamentos e desejos, mas não consegui. Acabei saindo com uma pessoa que me satisfez. E agora estou com os sentimentos desordenados.
    Eu penso em me satisfazer a todo tempo, mas não consigo abrir mão dele… (namorado).
    Acho que tenho problemas com esse controle.
    Isso pode ser de família? Tenho histórias semelhantes…
    Eu preciso de ajuda. Estou com medo desse “descontrole”.

  126. Guido, se olharmos pelo aspecto espiritual, é evidente que você não pode ficar com alguém exclusivamente pelo prazer sexual. O sexo é importante, regula as nossas energias, é uma válvula de escape para excessos de energia que não são canalizadas adequadamente. Mas viver na dependência de determinadas práticas sexuais é degradante – por mais prazeroso que seja. Uma coisa importante a ser considerada é que a energia que gastamos em fantasias e pensamentos obsessivos em sexo é a mesma energia requerida para a elevação do pensamento, para o contato com a espiritualidade superior… por isso não há como conciliar exageros sexuais com crescimento espiritual.
    Os vícios estão em nós, sim. Mas compete a nós abstermo-nos deles. Se não fosse assim, daríamos vazão a todos os nossos vícios, como drogas, álcool, cigarro, alimentação excessiva, jogo etc., já que o vício está em nós, e não nestas coisas.

  127. Olá Morel.
    Primeiramente gostei da linguagem usada no texto.
    Gostaria de pedir um conselho:
    Eu gosto de uma garota, mas o sexo não é tão bom quanto o da minha ex-mulher. E essa última ainda conversa e temos meio que atração um pelo outro. Porém não gosto mais dela como gosto da que estou saindo. Minha ex-mulher realiza todas as minhas fantasias. Em breve devo decidir com quem vou ficar. Estou com medo mas parece o certo largar minha antiga esposa de vez por conta de todas essas fantasias que na verdade se tornam verdadeiras obsessões. Mas, seria esse o caminho correto? Pois os vícios estão em mim, correto? Logo não adiantaria nada. Tenho medo de ser infeliz com essa nova pessoa. Parece que devo me tornar solteiro… estou em conflito comigo mesmo. Gostaria que alguém analisasse a situação do ponto de vista espírita. Pois às vezes me desdobro e sei que estou dormindo com algo/alguém – muito raramente.

    Obrigado desde já.

  128. Morel!
    Muito obrigado pelo retorno!

    Me identifiquei muito com dois trechos do artigo que você indicou:
    “Você já percebeu que a maioria das coisas com que se preocupa nunca acontece?”

    “Quantas vezes você já ficou imaginando possibilidades tenebrosas que nunca se concretizaram? Quantas oportunidades você deixou escapar por se preocupar com possíveis consequências?”

    Achei o site justamente por estar angustiado por consequência de uma preocupação.
    Cometi um erro, e por me cobrar ser sempre correto procurei a pessoa prejudicada para ressarci-la do prejuízo… Pois bem, isso me gerou um outro “incômodo” inerente à minha personalidade que é a preocupação com a “teoria da conspiração”: “E se essa pessoa não retribuir minha honestidade e me prejudicar de alguma forma?”
    Ou seja, estou me preocupando com algo que eu nem sei se vai acontecer! E eu não deveria estar “arrependido” de ter sido honesto! Mas mesmo assim não consigo me desligar…

    Não sou uma pessoa religiosa, mas creio em Deus e tenho devoção por alguns santos da Igreja Católica… e ultimamente tnho prestado bastante atenção no Kardecismo, por influência de uma grande amiga minha que segue fielmente a doutrina, inclusive ela já me disse ter a certeza que eu me tornarei Kardecista…
    O futuro a Deus pertence.

  129. Alexandre, Essa sua cobrança interna é um estágio pelo qual muitos de nós passamos. É a consciência desperta; falta a autocompreensão…
    A perfeição que você busca existe, sim. Jesus nos disse que poderíamos fazer o que ele fazia e até mais. Continue buscando essa perfeição, com a consciência de que estamos longe de alcançá-la, que não estamos preparados para experienciar isentos de erros. Ainda conhecemos muito pouco. Cobre de si mesmo, mas compreenda as suas falhas. Examine-as todos os dias – antes de dormir é um excelente momento para isso – e proponha-se a não mais repeti-las. Se reincidir nos mesmos erros, perdoe-se e conceda-se novas chances. Deus faz isso por nós todos os dias de nossas vidas.
    Quanto à preocupação, é um erro grave que deve ser evitado. Falo a respeito neste artigo:http://www.espiritoimortal.com.br/preocupacao-e-uma-gigantesca-burrice/

  130. Morel, bom dia!
    Eu me preocupo muito em ser correto o tempo todo, isso de certa forma me incomada, pois eu sei que busco uma perfeição que não existe. Quando cometo algum erro me martirizo, ainda mais se esse erro prejudica alguém. Também tenho por carcterística me preocupar com tudo de forma exagerada… Não consigo me desligar dos problemas e isso me causa angústia.
    Aos olhos do Kardecismo, como você avalia essas características?
    Também não alimento sentimentos de ódio por ninguém, e sempre fui assim. Mesmo se a pessoa me fizer mal não retribuo na mesma moeda.

  131. Maria Paula, quem determina se você consegue ou não consegue é você. Você pode estar sendo influenciada e utilizada por espíritos, mas essa influência só é possível porque eles encontram guarida em sua mente. Só somos influenciados por espíritos com quem, de alguma forma, nos afinizamos. Não podemos ver a masturbação como algo errado ou pecaminoso, pois o sentimento de culpa é uma das “brechas” de que estes espíritos se aproveitam para terem acesso a nós. É claro que, se a masturbação é exagerada e se você sente alguma influência espiritual, é preciso modificar isso.
    Dificilmente conseguimos acabar com um hábito vicioso. É preciso substituí-lo por outros hábitos. Adquira novas atividades. Passe a frequentar um centro espírita e peça atendimento. Faça leituras edificantes, pratique exercícios físicos, busque uma nova ocupação que lhe dê prazer. Não acho que seja o caso de ler nada especificamente voltado ao tema. O importante é manter a sua mente ocupada e as energias físicas equilibradas. Se você seguir um bom tratamento espiritual no centro espírita você conseguirá readquirir o domínio.

  132. Oi Morel, estou casada há 4 anos, meu marido é muito carinhoso comigo mas dificilmente sente desejo por mim, eu sou jovem, tenho 25 anos e desde que estou com ele nunca o traí, pois sempre o amei muito e acredito nas leis de Deus, sempre fui muito fiel, acontece que quase nunca tenho momentos íntimos com meu marido. Eu comecei a frequentemente me masturbar mas realmente me sinto possuída por espíritos inferiores que aproveitam energias sexuais minhas para se satisfazerem, virou um vício, mesmo quando não quero fazer eu acabo fazendo porque a ideia não sai da minha cabeça até que não aguento e faço. Já fiz orações, tento me livrar disso mas o máximo que consigo é 1 semana, depois volta tudo de novo. Gostaria de saber um livro espírita ou algo realmente eficaz para o meu problema, pois não quero que meu espírito seja tão ligado à matéria, sei as consequências disso e quero fazer dessa minha jornada um momento de evolução espiritual. Sei que passo por isso para evoluir, mas como não estou conseguindo peço que me aconselhe da melhor forma que puder. Obrigada

  133. Alex, Deus não castiga. Deus se manifesta através das Suas Leis. Uma delas é a Lei de causa e efeito, segundo a qual sempre colhemos o que plantamos. Mas é a nossa própria consciência que nos cobra. Quando erramos, nossa consciência aciona a Lei de causa e efeito, e, inevitavelmente, atraímos para nós mesmos situações análogas às que praticamos. Tudo o que fazemos para os outros estamos fazendo para nós mesmos.

  134. Olá Morel,
    Já aconteceu na minha vida conjugal algumas traições e a minha esposa chegou a saber de algo, foi muito ruim, ela é uma esposa maravilhosa, perdoou e eu realmente não mais me envolvi com alguém.
    Ela vivia dizendo que quando algo dava errado em nossas vidas ou na minha, que eu estava pagando e sendo castigado pelos meus atos infiéis.
    Pelo que li, já entendi que Deus não atribui dificuldades nas nossas vidas, por um ato cometido, ou seja, não estou passando por isso, por que fiz aquilo. Entendo que todos os meus fardos, são para crescimento.
    Em resumo, ela acha que se eu a trair com alguém, as coisas para mim não serão concedidas, sendo uma forma de Deus me castigar?

  135. Andrade, a resposta está em você; procure-a.
    Não se preocupe se uma situação como essa “tinha que acontecer” ou não. Não temos como saber isso, então não interessa. Pense daqui pra frente. Você é capaz de perdoar? Se você é capaz de perdoar e o relacionamento de vocês é bom, perdoe. Perdoar pressupõe conceder nova chance. Valorize a lealdade dele em lhe contar o que houve. Além disso, há, sim, uma grande diferença entre um beijo e uma relação sexual. O beijo é um impulso, um erro de um segundo, em que deve ser considerado, ainda, o efeito do álcool. Uma relação sexual exige o consentimento, o raciocínio, a intenção deliberada.
    Se você vê nele mais aspectos positivos do que negativos, deve ficar contente e satisfeita por ter ao seu lado alguém tão leal, capaz de lhe contar um erro de momento, mesmo correndo o risco de trair sua confiança. Poucas pessoas têm essa coragem e lealdade. Pense nisso.

  136. Estou em um relacionamento de três anos e meu parceiro beijou outra mulher. Foi só um beijo, mas pra mim é traiçao tanto quanto uma relação sexual. No dia seguinte ele me contou, e diz ter se arrependido, que não queria ter feito aquilo comigo. E ele ainda por cima estava sob o efeito de álcool. Agora fica essa pergunta na minha cabeça. Se há ou não algum motivo pra isso ter acontecido, algum problema no nosso relacionamento. Se há a possibilidade de continuarmos juntos sem que isso fique entre a gente, se a confiança não vai ter acabado, se mesmo com o amor que há entre a gente, isso pode ter afetado nosso respeito mútuo, e nossa convivência não volte a ser a mesma. Você pode me dar algum conselho em relação a isso? Gostaria de ter uma visão de acordo com o espiritismo e se é possivel continuarmos juntos apesar desse obstáculo. Obrigada.

  137. Obrigada, Morel. Estou começando a me afirmar mais com os pés no chão, mas não é fácil, parece que se eu fico um pouco parada aí já vem logo ele em mente e os pensamentos bons como estar com ele, nossa, tem hora que me dá vontade de gritar, pois me sinto mal, sentimento de culpa, é difícil este começo, mas vou fazer de tudo pra melhorar sempre com sua ajuda, Você me indicaria um livro, qual seria melhor eu ler pra ter um entendimento melhor?

  138. Nanda, ele não sabe o que se passa na sua cabeça, fique tranquila. Mas se vocÊ sente que a presença dele “mexe com você”, talvez seja melhor procurar outro lugar, não é? Se não estamos preparados para lidar com certas situações, devemos evitá-las. Quanto a ocupar a cabeça, só há um meio: Atividade. Quanto mais atividade útil e construtiva, melhor. Já diz o ditado que “cabeça parada é oficina do diabo”.

  139. Obrigada, Morel. Eu queria comentar também que faz um ano que conheci melhor a doutrina espírita, estou amando cada livro que estou lendo, mas gostaria de saber muito porque nesta casa espírita que fui lá encontrei uma pessoa com que eu olhei ele parecia que meu coração disparou, mas ele nem imagina, creio eu andei tendo uns sonhos com ele de estarmos juntos etc., eu queria saber se quando eu for novamente na casa espírita, ele é médium de incorporação, e for conversar comigo, ele vai saber sobre estes sonhos que tenho com ele de estarmos juntos, porque eu estou com receio de voltar lá, pois sou casada e sinceramente estou com vergonha, mas durante o dia também penso nele, de estar com ele, mal conheço esta pessoa que mexeu comigo. Que eu faço? Estou tentando ocupar minha cabeça mas está muito difícil.

  140. Nanda, cada um tem maior ou menor facilidade pra determinadas coisas de acordo com os seus conhecimento e experiências. O fato de você se questionar e se preocupar com essas questões demonstra que você tem muito a oferecer, basta o esforço em se esclarecer e o propósito de ser útil ao próximo. A vida sem propósitos é que é vazia.

  141. Morel, sou casada há 20 anos, um dia fui no centro e o médium que recebe me disse “nossa, você é uma pessoa vazia”, eu não entendi, aí penso que não sirvo pra nada. Porque desde meus 13 anos sempre pensei “nossa, eu não entendo nada”, sempre fui ruim na escola e até hoje me julgo. Às vezes penso “que estou fazendo aqui? sou uma inútil”, pois tudo que leio é difícil de entrar na minha cabeça.

  142. Vania, só você pode se ajudar. Se você já conhecia ou não este homem de outras existências, isso não altera o fato de ele ser casado. Ao se envolver com alguém já compromissado, é natural que surjam problemas. Cada um encontra aquilo que procura…
    Sugiro que você leia o livro Entre a Terra e o Céu, de André Luiz: http://www.espiritoimortal.com.br/espirito_imortal/entre-a-terra-e-o-ceu.pdf
    Coloque-se no lugar da esposa dele e tente sentir-se como ela se sente.
    Fique com Deus.

  143. Sou médium, estou começando a conhecer a doutrina espírita, mas tenho um grande problema. Tenho um relacionamento com um homem casado que gosto muito, mas a esposa dele me causa grandes problemas, me persegue, me ameaça, tenho a sensação que já tive compromisso com este homem antes, me ajude, não sei mais o que fazer.

  144. Gisa, a abordagem pelo ponto de vista do espírito é mais contundente, pois sabendo que estamos em contato permanente com os espíritos, através dos nossos pensamentos, percebemos que atraímos para a nossa companhia os espíritos que sentem e desejam como nós. A fantasia sexual não é inofensiva como pode parecer. Sempre há espíritos desencarnados para assumir os papéis com que se fantasia. Para quem fantasia, para quem imagina situações, isso pode parecer seguro, já que fica no pensamento, não se realiza. Mas há espíritos que se entrosam com a pessoa que fantasia e potencializam o desejo e a curiosidade. Ninguém em sã consciência pensaria em se envolver com estupradores. No entanto, são estes espíritos que se aproximam dessas pessoas.
    Para quem não compreende estas coisas, a abordagem é mais restrita. Mas é sabido que a fantasia reiterada prejudica o sexo real, Nada é tão prejudicial ao prazer sexual quanto o vício da pornografia. Deixa-se de “sentir” o sexo, preferindo-se a imaginação. Assim como qualquer vício, a dependência e as “doses” tornam-se cada vez maiores. As cenas precisam ser cada vez mais chocantes para produzir os efeitos desejados. Para voltar a vivenciar uma sexualidade normal, só abandonando a pornografia e as fantasias.
    Quem vive esse vício dificilmente percebe as suas implicações morais, físicas, emocionais e espirituais, não nota a gravidade da indisciplina do pensamento.
    Só você, de acordo com o grau de intimidade que tiver com ela, saberá o que dizer, até aonde pode chegar. Desejo boa sorte.
    Fique com Deus.

  145. Gostaria de uma ajuda.
    Tenho uma amiga que é muito importante para mim, eu amo muito ela, só que recentemente, refletindo sobre as nossas conversas, percebi que ela precisa de ajuda. Não sou espírita, mas tenho lido sobre o assunto e é a partir daí que cheguei a esta conclusão. Ela é viciada em sexo, assiste filmes pornográficos cuja temática é estupro e se masturba com certa regularidade, recentemente me disse que não sente prazer com o namorado porque ele não a “pega com força” (lendo percebo que minhas palavras não refletem a extensão do problema). De qualquer forma algo me aflige e não sei como ajudá-la, queria poder aconselhar de algum jeito mas não quero perder a amiga.

  146. Morel, sou casado mas desde que conheci uma mulher há dez anos atrás, ela não me sai da cabeça. Tenho muita atração por ela. Nunca quis ter nenhum relacionamento sério com ela, mas tenho muita vontade de fazer sexo com ela. Tenho muitos ciúmes dela. Ciúmes que não tenho com minha esposa ou outra mulher. Ela gosta muito de mim, quase chegamos a fazer sexo por algumas vezes mas nunca foi consumado. Ela não importa por eu ser casado.
    Fico com uma certa revolta pois ela acaba transando com outros homens e fico com um certo complexo de inferioridade por causa disto. Tenho a impressão que já tivemos um relacionamento em vidas passadas. Ajudo muito ela em vários sentidos, gosto muito dela, mas acabo sofrendo com esta situação. Não se trata de um sexo casual, e sim um adultério mas com uma pessoa que gosto muito, mas que também não quero comprometimento. É muito estranho. Ela é uma pessoa muito bonita mas muito difícil de lidar. Não consegue vínculos pessoais duradouros, nem com homens nem com familiares. Agora tem dois filhos, mora longe, passa por necessidades, está com depresaão, engordou, mas mesmo assim fico ligada nela. Resumindo, uma pessoa que não vale a pena relacionar? Que obsessão é esta que tenho por ela?

  147. Henrique , para citar o Livro dos Espíritos:

    Questão 701: Qual das duas, a poligamia ou a monogamia, é mais conforme à lei natural?
    — A poligamia é uma lei humana, cuja abolição marca um progresso social. O casamento, segundo as vistas de Deus, deve fundar-se na afeição dos seres que se unem. Na poligamia não há verdadeira afeição: não há mais do que sensualidade.

    Já me questionei muito sobre isso no passado, Henrique. Hoje percebo claramente que o que costumamos chamar de amor não é, nem de longe, o Amor ensinado pelo Cristo, que é o amor verdadeiro que devemos desenvolver. O amor conjugal quase sempre é atração física. Claro que pode haver afinidade, carinho, simpatia, admiração mútua. Mas isso ainda não é o amor que devemos desenvolver. O nosso objetivo como espíritos é amarmos todos uns aos outros. Isso, sim, parece absurdo. Dentre os bilhões de espíritos ligados à Terra, temos que chegar ao ponto de amar a qualquer um, amar a todos, indiscriminadamente. Temos que ser capazes de sentir amor por qualquer um. Mas para alcançarmos isso precisamos nos disciplinar. E o meio mais adequado de adquirirmos disciplina é a monogamia. Somos obrigados a desenvolver uma série de sentimentos e comportamentos que de outro modo dificilmente adquiriríamos. Digamos que você tivesse duas mulheres. Em primeiro lugar, as duas deveriam aceitar, pois você não pode mentir para alguém que ama. Se você pode amar duas, cada uma delas também pode amar mais de um. Quem ama duas, ama três, e logo você poderia acrescentar mais uma aos seus amores. Quando ocorresse qualquer dificuldade em relação a uma delas, você correria aos braços de outra. Não se esforçaria para superar as dificuldades, para vencer as adversidades, para se tornar melhor do que você é hoje. Na monogamia, você precisa respeitar, compreender, controlar os seus desejos, aceitar o envelhecimento, transformar o sentimento aos poucos, conhecer uma pessoa profundamente e aprender a amar aspectos que você não conhecia, ou que não eram atrativos pra você.
    Transcrevo aqui um trecho do artigo Espiritismo e traição:

    Há o caso famoso de Jean-Paul Sartre e Simone de Beouvoir. Ambos combinaram de manter uma relação aberta, de amor, carinho e respeito, em que cada um pudesse se relacionar livremente com quem quisesse. Não haveria traição, pois tudo seria compartilhado, nada seria escondido. Hoje se sabe que Simone de Beouvoir sofria muito, havia ciúme entre os dois e ela era profundamente infeliz. Foi a mais famosa tentativa de uma relação amorosa aberta entre pessoas maduras.

  148. Boa noite Morel, adorei seu site, depois de ler seus artigos me sinto seguro de apresentar-lhe uma questão.
    Sou espiritualizado e li alguns livros de Kardec e acredito no relacionamento com amor, porém, me esclareça essa situação: Uma pessoa que ama alguém e tem um compromisso com ela não pode amar outra pessoa e ter relações sexuais? Falando assim parece absurdo, mas a monogamia me parece um instrumento para tornar o amor egoísta e limitado a uma pessoa. Não digo que as pessoas têm que se relacionar com imprudência, mas um relacionamento extraconjugal entre duas pessoas que se gostam e se amam é algo ruim espiritualmente ou só é ruim para nossa sociedade satisfazendo nosso sentimento de posse e egoísmo?
    Obrigado.

  149. Francisca, só você pode ajudar a si mesma. Consulte a sua consciência. Tenha em mente que não há Leis divinas que legislem sobre questões como essa. Deus não prevê essas coisas como se fosse um legislador humano. A culpa que você sente é em relação aos seus valores – e é bom que você os tenha. Quem nos analisa, julga e absolve ou condena, conforme o caso, é a nossa consciência. A consciência é o nosso juiz. Há diferença entre uma “destruidora de lares” e alguém se se viu envolvida com uma pessoa comprometida. Pese a situação. Examine, friamente, a sua participação no desentendimento dele com a esposa. Se você acredita estar errada, permanecerá lutando com a sua consciência se ficar com ele. Mas talvez o seu sentimento de culpa seja infundado…
    Ore, reflita, a resposta virá.

  150. Bom dia, Morel. Há aproximadamente 18 meses reencontrei um colega de trabalho que voltou para a cidade onde moro para trabalhar, trabalhamos no mesmo órgão. Ocorre que desde que ele voltou ele tem se aproximado muito de mim, sinceramente eu custei a reparar, pois sinto que desde a minha separação há 04 anos eu estou bem fechada para novos relacionamentos, desde meu ex-marido não tive ninguém. Ocorre que em um encontro de amigos informal no final do ano passado ele me deu um beijo, escondido de todos. Fiquei triste demais, pois eu sabia que apesar dele não viver com a esposa que mora há mais de 400 km de distância, ele era casado. Então ele começou a me procurar, eu o conheço, pois somos colegas, conheço sua história, seus conflitos em relação a esposa e filhos morarem longe e ela não querer vir por não gostar do lugar que moramos e a tristeza dele em relação a isso. Ele me procurou por meses, me chamava pra sair e eu pedindo pra ele parar, pois penso que uma relação que não começa certo não vai terminar bem. Confesso que ele é uma pessoa adorável e realmente temos muita afinidade, gostamos das mesmas coisas e sentimos atração física desde aquele beijo, se ele fosse solteiro eu gostaria muito de namorar com ele. Ocorre que um dia tive um problema de trabalho e saí chorando, ele percebeu e entrou no carro comigo, conversamos, desabafei, mas esse dia ele tomou a chave do meu carro e me levou a um motel. Ficamos juntos. Isso ocorreu há 04 meses. Tentamos nos desvencilhar um do outro, estamos tentando ficar sem nos ver, mas sempre um fraqueja e procura o outro. Ocorre que ele chegou à conclusão que deve se separar, que não ama mais a esposa. Mas ao dizer à esposa de suas intenções a mesma colocou dificuldades em relação à separação, quer ir embora com os filhos, aí ele voltou atrás. Como havíamos conversado e concluído que após a conversa com a esposa, se ele não se separasse iríamos encerrar essa relação proibida, estamos sem nos ver. Mas ele tem ligado, eu e ele estamos sofrendo muito, e na cabeça dele o fato dele informar a esposa de que não mais quer ficar casado com ela o deixa livre. Ele acha que eu tenho que ficar com ele, pois ele já não tem contato físico com a esposa há algum tempo e acredita mesmo que já está separado, pois voltou atrás somente pelos filhos, de acordo com ele. Me sinto culpada, pois apesar dele repetir a todo momento que a esposa foi negligente com o casamento dos dois, acredito que se ele não tivesse se envolvido comigo ele permaneceria casado, ainda que por conveniência. Eu estou sofrendo muito, pois isso vai totalmente de encontro aos meus princípios, mas realmente gosto dele. Sinto uma dor que parece que corta por dentro, estou doente e afastada do trabalho, devido a sentimento proibido e a outros problemas que tenho no trabalho já há algum tempo, mas que creio que se manifestaram de forma mais aguda neste momento devido à minha fragilidade. Não quero permanecer nessa situação, mas sinto que amamos um ao outro. Não quero vê-lo sofrer, mas não consigo permanecer numa relação com um homem casado, ainda que o casamento, de acordo com ele, já tenha acabado. Não sei o que fazer, se você puder me ajudar, agradeço imensamente.

  151. Nittynha, Você sabe que isto está lhe fazendo mal, diz que ama o seu marido, sente culpa, e mesmo assim não sabe o que fazer? Vai colocar um casamento a perder por causa de uma paixão que dura alguns meses? Vai comprometer o futuro da sua filha, que poderia ser criada por pais separados por culpa sua? Vai trair e magoar o seu marido, talvez despertando o ódio dele para você? Vai estragar a vida do seu marido? Não são motivos suficientes para você controlar a sua paixão e terminar com essa traição imediatamente? Gostaria que fosse o seu marido que estivesse fazendo isso com você? Não percebe que uma paixão passa rápido e que depois o seu erro não teria volta? Não se dá conta de que uma relação que começa errado não tem como dar certo? O que vale mais, a sua paixão momentânea ou um casamento com uma filha e a responsabilidade que isso exige? Qual é o maior arrependimento: perder um amante ou trair um marido, perder um casamento e proibir a filha de ser criada por pai e mãe? Ainda tem dúvidas?

  152. Oi, vim aqui contar a minha situação.
    Eu sou casada há um ano e tenho uma filhinha de 9 meses.
    Há 2 meses atrás comecei a me relacionar com um amigo que eu já conheço há muitos anos, mas nós nunca tivemos relações sexuais, pois eu ainda não tive coragem, mas nós já nos encontramos e nos beijamos, ele me liga, eu ligo pra ele, conversamos muito, posso até dizer que temos uma relação.
    Mas a situação está ficando complicada, meu casamento vai mal, meu marido está desconfiando, não sei o que fazer, pois estou apaixonada por ele mas sinto que também amo meu marido.
    Tenho medo do meu casamento acabar por minha culpa e eu não conseguir me livrar dela, mas também tenho medo de abrir mão do meu amante e me arrepender, não sei mais o que fazer, isso está me fazendo mal.

  153. Jhe, todos os espíritos que se relacionam entre si estão, de alguma forma, ligados. O que deve estar ocorrendo é que ele sente a sua falta, não conseguiu “se desligar” de você. Isso é comum, acontece quase sempre, apenas as pessoas não percebem por falta de uma sensibilidade especial – que pode ser chamada de mediunidade.
    É bom que você não alimente esperança nele. Esta situação não é boa para ninguém. Adquira o hábito de orar por ele sempre antes de dormir, pedindo a Deus e aos espíritos protetores de vocês dois que não haja o encontro de vocês dois durante o período de sono físico, já que o relacionamento entre ambos acabou e cada um deve seguir o seu caminho. Mais importante que as palavras proferidas na oração é o seu sentimento. Você deve se esforçar para sentir que quer que ele siga o seu rumo. Ele só tem acesso a você durante o período de sono físico porque você permite. A companhia dele, de algum modo, ainda a satisfaz. Se você está consciente de que não deve haver esperança para ele e que você tem agora um outro compromisso assumido que não comporta resquícios de outro relacionamento, tire este ex-namorado da sua vida sentimental.

  154. Olá, sou casada há um ano, e antes de me casar tive um outro namorado o qual eu amava muito, tínhamos relações sexuais praticamente todos os dias. E hoje somos amigos, na medida do possível, eu sempre sonho com ele, tenho sonhos de que ele me pede ajuda, um abraço ou que apenas fique de mãos dadas com ele. E sempre quando tenho esses sonhos ele me diz que não conseguiu dormir bem a noite, ou que teve problemas… seria isso um sinal de que nossos espíritos estão ligados? Eu já procurei essa resposta em vários lugares. Isso tem me deixado aflita. Agradeço se puderem me ajudar…

  155. Ana, não há como resolver questões íntimas do próximo. Cada um é defrontado com questões que precisa resolver por si mesmo, para o seu crescimento espiritual e/ou para o reajuste com a Lei cósmica, pois na maior parte das vezes os problemas que enfrentamos são resultado de atos cometidos por nós no passado.
    Diferente do que você preconiza, a origem de todo desejo é o espírito. O corpo é reflexo do espírito. Sei que não deve ser fácil lidar com isso, mas certamente não é impossível.
    A energia sexual é energia creadora. O ideal é que você adquira novos hábitos, aumente as suas atividades, canalize a sua energia para as artes, ou para o intelecto, ou para o trabalho junto à espiritualidade, e se abstenha de contato com estímulos sexuais propagados pela televisão ou a internet, por exemplo.
    A masturbação, utilizada como uma válvula de escape, pode ser necessária. Mas não é interessante alimentar fantasias, pois é provável que esta seja uma prova pela qual você deve passar, e, dependendo do resultado, você pode se arrepender mais tarde. Me refiro ao adultério. Se você tomou a iniciativa de “aconselhar-se”, aqui, é porque preocupa-se neste sentido. A sua consciência está desperta. E nós colhemos o que plantamos, sempre. Você passa por um problema hoje. Não aumente a gravidade dos seus problemas cometendo novos erros…

  156. Gostaria muito se você me ajudasse, pois sou casada e meu marido por problemas de saúde não tem desejo sexual, então me esforço para não pensar, nem sentir desejo , mas é mais forte que eu pois a origem é física e não mental, e esta falta acaba trazendo tristeza, solidão ( pois não há nem sequer carinho de um abraço ou um beijo ), e necessidade sexual, então como resolver ???

  157. Minha Opinião !

    O ser humano é um ser de hábitos. Tudo que mais alimentamos na nossa vida, é justamente o que mais fazemos repetidamente e com grande facilidade até se tornar vício, e chegando ao vício, passa a ser uma droga consumida em pequenos intervalos de tempo. Se vemos pornografia o dia inteiro e por onde passamos ao invés de percebermos um infinito de outras coisas só conseguimos ver a sensualidade das pessoas, é certo que iremos ser viciados em sexo e masturbação. Se passamos parte do nosso tempo na igreja, orando sempre, não contamos uma piada porque achamos que é pecado e tudo é pecado que não esteja ligado à igreja, é natural que depois de um bom tempo relaxemo-nos e atentemos a outras coisas. Pra mim o ideal é o sexo equilibrado no casamento, igreja equilibrada, trabalho equilibrado, amigos equilibrados etc… tudo na maior atenção, respeito, senso, e o principal… nunca se envergonhar de Jesus onde quer que for o lugar.

  158. Luiz, se houvesse técnica, não estaríamos repetindo os ensinamentos de Jesus há dois mil anos sem conseguir colocá-los em prática. Não precisamos de técnica, na verdade. Temos a Vontade. Fortalecemos a Vontade dedicando-nos a ela. Novos hábitos, leituras edificantes, afirmações positivas, e oração. Nada é mais poderoso que a oração. Mas ela só funciona se vir de dentro, se partir do íntimo. É preciso persistência e humildade.
    A palavra perdão, quando utilizada no Evangelho, que dizer “desligar”. Perdoar é desligar-se. É uma escolha. Precisamos admitir que é uma escolha. Cuide de você mesmo, desligue-se do mal que lhe fizeram. E compreenda que nada é por acaso, provavelmente, num passado distante ou não, você fez mal a essa pessoa. Talvez muito pior. Desligue-se. Siga a sua vida.
    Quando há Vontade tudo se torna mais fácil. Não mudaremos de um dia pro outro, é um processo que requer tempo. Mas é preciso insistir. Uma “técnica” que costuma ser eficaz é Ho’oponopono. Pesquise no Google.
    Fique com Deus. E não desista.

  159. Como mudar os pensamentos?
    Qual a técnica que além da oração pode ajudar quem não consegue esquecer uma pessoa que lhe fez mal?
    E que ainda sente prazer em ver o outro machucado?
    Como aprender a controlar os sentimentos?

  160. Tomar uma atitude sem levar em conta as consequências é atrair para si mesmo a responsabilidade, sendo assim mesmo tentando fazer o “bem” ao próximo pode-se atrair para si a mesma situação no futuro, para que se aprenda a reservar as opiniões impensadas. Lei de ação e reação.
    Pode o mesmo, atrair para si mesmo, uma situação de gravidade igual para que o mesmo venha a refletir sobre a atitude que teve, refiro-me a acusado e acusador.
    Cada qual tem sua respectiva responsabilidade em determinada situação. Vindo futuramente a ser protagonista de situações de mesma gravidade para que possa aprender a discernir, e pensar melhor sobre os males de “boas” atitudes impensadas.
    É como um pai que dá tudo ao filho achando que ele vai ajudar o filho tornando ele no futuro acomodado e fraco perante a vida, no futuro a vida vem e cobra com juros tanto do pai quanto do filho os juros do tempo de Ócio.

  161. Não há como tratar de posturas sem conhecer as pessoas envolvidas. A uma pessoa plenamente equilibrada, talvez fosse o caso de contar. Mas há que se levar em consideração o que causaria maiores estragos; o segredo ou a revelação? Nem sempre a boa intenção rende bons frutos. É preciso pesar os prós e os contras, as pessoas envolvidas direta ou indiretamente, como os filhos.

  162. Bom, me perdi no comentário anterior mas esse entra em ajuste com o mesmo assunto.
    Qual a postura que você considera correta quando você sabe da traição da esposa de um amigo, o correto é por fidelidade à amizade falar a verdade ou esconder?
    Considero da seguinte forma, se quem conta fala por amor e sente que está fazendo o bem a outro, está correto.
    Porém na maioria dos casos quem acusa o faz com segundas intenções que vão a inúmeras razões:
    Resumindo, a destruição causada pela injúria, mesmo porque o mesmo não vai assumir covardemente a acusação que pode ser feita caluniosamente sem provas e sem direito a defesa.

  163. Olá Morel, tenho uma postura onde não me mostro como espírita por entender que assim posso estar sendo hipócrita, pois atitudes que não seriam de uma pessoa espírita, sou nervoso agitado e gosto de baladas, festas.
    E não gostaria de ser visto como exemplo falso.
    Assim como não gosto de pessoas que têm essas atitudes e falam como santas evangelizadoras. Vejo alguns que beiram mesmo dentro do espiritismo ao fanatismo. Como se a oração fosse a solução de todos os males da humanidade, acho mesquinho o cidadão poder aliviar a dor de outro e preferir orar, rezar por ser mais econômico para o bolso e ainda passar o ar de evangelizado, são coisas que tenho visto dentro de muitos meios.

  164. Nossa, muito obrigada mesmo, de coração. Suas palavras tocaram minha alma, chorei muito ao ler tudo que me disse. Eu tenho plena consciência do tamanho do meu erro sim, e eu quero muito me livrar dessa corrente que atormenta meu espírito… Eu não sei que ligação foi essa que eu tive com esse outro homem, mas sei que eu quero e preciso superar tudo isso, em nome da minha história de vida com meu marido e pela minha família. O que eu sempre penso quando passa pela minha cabeça contar tudo é exatamente o que você disse: Quem ganharia algo com isso? Ninguém… Pelo contrário, o meu sentimento egoísta, de querer me livrar de uma culpa sendo verdadeira, levaria a ruína de um outro ser humano tão especial quanto meu marido, e, por consequência, minha filha, e nossos familiares. Mais uma vez, obrigada. Eu vou procurar me aproximar mais de Deus, de forma a me livrar desse peso, e ocupar mais minha cabeça inclusive me dedicando mais a ser feliz ao lado deles. Meu marido merece isso de mim. Tenho certeza que, depois de ler suas palavras, essa noite, após mais de um ano de tormento, vou dormir um pouco melhor. Que Deus lhe abençoe e ilumine grandiosamente.

  165. “Os escribas e fariseus trouxeram à sua presença uma mulher surpreendida em adultério, fazendo-a ficar de pé no meio de todos e disseram a Jesus: Mestre, esta mulher foi apanhada em flagrante adultério. E na lei nos mandou Moisés que tais mulheres sejam apedrejadas; tu, pois, que dizes? Mas Jesus, inclinando-se escrevia na terra com o dedo. Como insistissem na pergunta, Jesus se levantou e lhes disse: aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra. E tornando a inclinar-se, continuou a escrever no chão. Mas, ouvindo eles esta resposta e acusados pela própria consciência, foram se retirando um por um, a começar pelos mais velhos até os últimos, ficando só Jesus e a mulher no meio onde estava. Erguendo-se Jesus e não vendo ninguém mais além da mulher, perguntou-lhe: mulher, onde estão teus acusadores? Ninguém te condenou? Respondeu ela, ninguém, Senhor! Então, lhe disse Jesus, nem Eu tampouco te condeno; vá e não peques mais”. João 8:1-11

    Sabrina, quem ganharia o quê com essa revelação? Pode não ser politicamente correto esconder um fato grave que diz respeito a alguém tão próximo, mas às vezes é preciso ser pragmático.
    Você manchou uma história, sim. Aprendeu algo com isso? Temos que aprender com nossos erros. Temos que nos tornar melhores pelo arrependimento. Se não for para crescermos espiritualmente e moralmente com os erros, realmente é difícil conviver com eles…
    Lembra o que Jesus disse para a mulher adúltera? “Vá e não peque mais…” Jamais repita este erro. Por ter errado, você tem o dever de se tornar mais tolerante com os que erram, mais compreensiva com as falhas alheias, mais paciente com as características dos outros que lhe desagradam.
    Perdoe-se. É preciso se perdoar. Aprender com o erro e perdoar a si mesma. Não adianta nada ficar se martirizando, o que está feito está feito. Há pessoas que não conseguem mais se recuperar depois de cometer uma traição. Com isso a família toda é atingida. Não deixe que isso aconteça com a sua família. Seja uma pessoa melhor.
    Nosso parâmetro de bondade e correção, nosso exemplo de virtude, é Jesus. Se Jesus perdoou e deu a entender que é pra continuar a vida, por que faríamos diferente? Perdoe-se, ore todos os dias agradecendo a Deus pelas oportunidades diárias de você se tornar uma pessoa melhor.
    http://www.espiritoimortal.com.br/perdoar-a-si-mesmo/
    Fique com Deus.

  166. Morel, preciso muito de seus conselhos… Sou casada há seis anos e no ano passado sofri um envolvimento muito forte com um colega de trabalho. Não sei explicar, foi uma atração, uma paixão muito forte, e acabei cometendo a loucura de trair meu marido. Pensei até em abandonar meu marido pra ficar com ele, o que seria a maior burrice da minha vida… Ele é um marido exemplar, homem honrado, de caráter, que me ama mais que tudo nesse mundo, uma pessoa rara de se encontrar, temos uma filha, ele é um excelente pai. E eu fui tão baixa, tão imoral, tão estúpida, tão… nem tenho palavras pra me definir… Hoje, sofro muito, pois tento levar minha vida normal com meu marido, mas o remorso me corrói demais… Cada vez que meu marido me elogia, me dizendo a maravilhosa mulher que eu sou, a sorte que ele tem em me ter ao lado dele, meu ótimo caráter, eu me sinto abaixo de lixo pelo que tive coragem de fazer com ele. E muitas vezes tenho vontade de contar tudo, mas tenho certeza que eu destruiria a vida dele, e isso que me mata mais ainda… É justo fazer com que ele pague pela besteira que eu cometi? É justo fazer nossa família sofrer pelo meu ato inconsequente? Ao mesmo tempo tá muito difícil levar nossa vida com essa mentira me rodeando dia e noite… Sei que o mais justo seria que ele me abandonasse, e encontrasse uma mulher digna, que o merecesse de verdade, e não uma mentirosa, traidora como eu. Mas só de imaginar o sofrimento que eu traria pra vida dele se ele soubesse, já entro em desespero… Ao mesmo tempo, se por não contar, me sinto uma sem caráter, mentirosa, que vai arrastar essa mentira pro túmulo… Eu manchei uma história de 12 anos de amor, de fidelidade, de felicidades, por conta de uma paixão infantil… Me dê sua opinião, por favor…

  167. Anonimo, obrigado por colaborar com o relato da sua experiência. Sabemos que nesse momento há milhares de pessoas em situações semelhantes à sua que não se expõe.
    Entendo a sua ânsia de compreender o assunto em busca de solução. Mas os evangélicos estão certos. Talvez a abordagem deles não seja a mais adequada para quem se questiona mais. Mas sei de inúmeros casos de pessoas que vencem problemas como este através da fé, da troca do homem velho pelo homem novo.
    A literatura a respeito do tema é escassa. Indicaria Sexo e Obsessão, de Manoel Philomeno de Miranda; Vida e Sexo, do Emmanuel; J. Herculano Pires trata do tema no capítulo 8 do livro Mediunidade.
    A compreensão ajuda, não há dúvida. Mas só o que pode curar é a Vontade. Vontade é o que nos faz semelhantes a Deus. Vontade é o que nos move lentamente em direção ao progresso e é o que nos levará, um dia, ao patamar de Jesus.
    Todo movimento humano passa pela Vontade. Cabe a nós utilizarmos essa ferramenta ou não. Concordo que se trata de um vício grave, de raízes profundas. Mas o alcoólatra, o fumante, o viciado em cocaína, para vencerem o vício, precisam exercer a Vontade. De nada adianta esclarecimento, inteligência, boas intenções, internação em clínicas, medicamentos, acompanhamento psicológico, apoio religioso, compreensão familiar, de nada adiantam essas coisas se não houver VONTADE por parte do viciado no firme propósito de abandonar o vício.
    Vícios não são abandonados, é preciso lembrar. Vícios devem ser substituídos. Quando você se dedicou mais ao trabalho houve uma ligeira melhora, pois você substituiu, mesmo que temporariamente, uma ocupação por outra. Você precisa de atividade construtiva e útil, urgente. Para deixar de pensar em sexo como você pensa é preciso elevar seus pensamentos, seus sentimentos, elevar sua vibração. Você precisa se tornar uma pessoa melhor. Não em índole ou intenção. Em esforço e ação. Por isso os evangélicos deixam tudo com Jesus… A evangelização eleva o espírito, nos tira do chão, deixamos de ser seres rastejantes em busca de prazeres carnais.
    Se você se dá bem com o espiritismo, procure um grupo de estudos, dedique-se a estudar, a ler, a frequentar o centro espírita. Mude seus hábitos radicalmente. Nós somos pensamento. Mudar um padrão de pensamentos requer muito movimento. Seja outro.
    Você precisa de um tratamento espiritual, não há dúvida alguma. É necessário procurar um centro espírita sério e se submeter a um tratamento. Formamos “amizades indesejadas” das quais precisamos nos livrar. E é possível livrar-se delas. No entanto, se não houver esforço de sua parte, as amizades voltam, e com saudades…
    Não é fácil, mas está longe de ser impossível. Se você quiser, você consegue.
    Concordo com você em relação à sua esposa. Não há porque mais sofrimento.
    Fique com Deus.

  168. Amigo Morel, existe pouco conteúdo realmente válido a respeito de vício sexual na internet. Quando procuramos sobre o assunto caímos em sites eróticos ou em sites evangélicos que abordam o tema com soluções simplórias como “adore Jesus, ame Jesus e você irá se curar”. Mas sabemos bem que a coisa não é por aí. O coitado do Jesus não tem nada a ver com o problema que nós mesmos arrumamos. 🙂 O espiritismo é bacana pois explica a coisa por um lado mais científico e psicológico, mesmo com questões tidas como religiosas como reencarnação e influência de espíritos.

    Me considero um viciado sexual. Sei que existem viciados piores por aí, não chego a ser um “Latino”, mas me masturbo 2 vezes por dia consumindo pornografia todos os dias. Mas o problema mais sério não é isso. O problema é que sou casado e passei a querer realizar o que via na pornografia. Claro, sem minha esposa participar pois ela não concordaria. Menages, orgias, trocas de casal. Para isso recorri a prostitutas e ao swing, onde eu participava sozinho. Sou espírita e claro, não concordava com nada daquilo. Mas uma fissura muito grande, talvez semelhante à fissura que o viciado em cocaína sente, falava muito mais alto e me levava a consumar o ato libidinoso. Mesmo tendo plena consciência de que aquilo estava errado, em determinado momento uma ansiedade muito grande de transar tomava conta e lá estava eu recorrendo à prostituição, incentivado pela pornografia. Após o orgasmo, assim como um efeito de uma droga, tudo caía por terra, um sentimento de infelicidade muito grande e a tradicional pergunta “o que estou fazendo aqui?”. A racionalidade nessa hora fala mais alto e é muito mais forte, me mostrando a grande besteira que eu estava fazendo. Recorri então a um psicólogo que me incentivou a me dedicar ao trabalho. Me dediquei e assim me afastei um pouco de tudo isso. Porém depois de 6 meses lá estava eu com uma nova acompanhante. Pausa de 4 meses e mais uma. Pausa de mais 4 meses e outra. E agora estou me vendo entrando de novo no mesmo círculo vicioso.

    Isso é um assunto muito difícil pois é diferente de você ser um viciado em cocaína, que você pode abrir o jogo para a família e a família lhe apoiar. Ser viciado em sexo é mais difícil pois além de exigir um autocontrole enorme, é um enfrentamento solitário, onde não posso compartilhar com meus amigos, meus familiares e acima de tudo com minha melhor amiga, minha esposa, pois todos me condenariam, me julgando de tarado e sem-vergonha, jamais entenderiam que sofro e preciso de ajuda.

    Amo minha esposa, lhe quero muito bem e não quero continuar nesse vício, arriscando inclusive a minha e a saúde dela. Não quero lhe fazer nada de mal. Reconheço o problema e estou disposto a sair dessa. Sou um cara daqueles que jamais alguém suspeitaria de nada. Amoroso com minha esposa, sorridente, tenho sucesso no trabalho e sou querido pelos amigos. Me sinto amado por todos. Porém como contar isso pra ela? Jamais, seria um enorme sofrimento que quero poupá-la de sentir. Por isso prefiro enfrentar isso sozinho, ter maior autocontrole e recomeçar a vida, assim como Chico dizia, se não posso fazer um novo começo, que eu faça um novo fim. E assim, chegando do lado de lá, ela possa saber tudo que passei, o que sofri e que fiz de tudo, por amor a ela, para me curar. Afinal também deve ter influências do passado nessa história que desconheço e chegando do lado de lá conheceremos. Talvez fique até melhor de compreender ela sabendo de tudo do lado de lá do que aqui, encarnada.

    Portanto Morel, a única ajuda que peço sua é que indicasse a mim e aos que aqui caem também procurando ajuda a respeito de vício sexual, algumas leituras a respeito do assunto, tanto links mas sobretudo livros, pode ser livros espíritas, de psicologia ou auto-ajuda. Espero que esse meu relato possa ajudar a outros que estão passando pela mesma situação que a minha mas não têm a quem recorrer por conta da falta de compreensão de todos. Muito Obrigado!

  169. Alberto, o fato de você consultar a opinião de alguém já demonstra o seu posicionamento. Se você não visse nada de mal em recorrer ao sexo pago, não perguntaria nada. Não posso ser favorável ao sexo pago. Por mais que possa ser difícil, em alguns momentos, viver sem sexo, acho um aviltamento pagar para obter um alívio momentâneo, que não soluciona o problema. Reencarnamos com as dificuldades apropriadas para o nosso desenvolvimento. Se você naturalmente não atrai as mulheres, há algo que você deve aprender com isso, a começar pelo controle dos instintos e emoções. Entenda que não há proibição, não há pecado. Entre pagar por uma relação sexual e viver descontrolado, a opção deve ser pelo que for menos prejudicial. Isso quem sabe é você. Quanto à mediunidade, o caso é de procurar um centro espírita e estudar, se dedicar seriamente ao estudo. Deixar o tempo passar não adianta nada. Se você tem realmente mediunidade a desenvolver, depois de algum tempo de estudo e prática você estará mais harmonizado e as coisas não parecerão tão complicadas. Fique com Deus.

  170. Bom dia amigo, queria entender melhor uma resposta que serve para mim:
    “Jorge, temos que ter cuidado para não classificarmos tudo como certo ou errado. Não temos capacidade pra tanto. As coisas convém ou não convém. No caso que você suscita, o risco é a sintonia vibratória com a profissional e os espíritos que normalmente a acompanham. No sexo sem afeto, não vejo diferenças acentuadas entre o sexo pago ou não pago. O cuidado que devemos ter é quanto à sintonia e à troca de energias.”
    Tenho 33 anos, não atraio as mulheres, cheguei a ficar 8 meses sem transar e tive de apelar para o sexo pago. Se eu não pagar dificilmente eu transo, o que fazer? Dizem que eu tenho a mediunidade elevada, mas o que eu faço? Queria ter alguém, mas está muito difícil.

  171. Bella, o sentido da palavra carma, simplificadamente, é ação. Quer dizer que toda ação gera uma reação, ou seja, a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória. Quanto a um possível juramento, que valor há nos juramentos? O casamento não é um juramento de fidelidade e compromisso? Juramentos são palavras, e palavras podem ser rompidas a qualquer momento. Você não consegue se separar porque a sua consciência não deixa. A consciência é a partícula de Deus em nós. A Lei de Deus está impressa em nossa consciência. Podemos enganar aos outros, podemos nos enganar superficialmente por algum tempo, mas não enganamos a nossa própria consciência. Você conhece o valor da responsabilidade, e sabe o quanto de dor se pode espalhar por alguns atos…
    Boa sorte.

  172. Morel,
    Vivo uma situação e gostaria de um comentário seu.
    Tive uma criação muito conservadora, me casei com 22 anos e virgem. Hoje tenho vinte anos de casada e vivi 17 anos do meu casamento sem ter nenhum sentimento, tesão, nada por outros homens, vivi cega por esse período todo. Porém há uns três anos despertei e tive curiosidade em conhecer outro homem, ver como seria e acabei me envolvendo com um homem casado. Gosto de viver com meu marido porque ele me dá segurança, é companheirão e me ama muito, mas o sexo dele nunca foi tão bom, não tem pegada, como o do outro, entende? Meu relacionamento com o outro é casual, sem compromisso, mas nos encontramos uma vez por mês, já há três anos. Ano passado separei do meu marido por uns três meses, mas sempre que pensava no sofrimento que estava causando a ele e à família dele eu sofria muito, apesar de estar aliviada com a separação, parecia que tinha tirado um peso dos ombros, mas como ele sofreu muito, emagreceu 6 quilos, acabei revendo nossa relação e estamos juntos até hoje. Não quero magoar meu marido nunca, pois ele confia muito em mim e me ama muito, mas não quero deixar de ter esse envolvimento com o outro, pois parece que um complementa o outro, entende? Sei que sou casada mas sou feliz também com essa relação extraconjugal, por isso não sei o que fazer, ou sei mas não tenho coragem de largar nem o marido nem o outro. Eu te pergunto, por que toda vez que penso em separar do meu marido e ser uma mulher livre pra viver da forma que eu quiser, sofro muito em imaginar o sofrimento que causaria nele e na família dele e minha? Isso tem a ver com algum carma ou será que fiz algum juramento na outra encarnação de viver com meu atual marido e por isso não consigo me separar dele? Obrigada, adorei seus artigos…

  173. Boa tarde, Morel. Tenho acompanhado seus artigos com muito gosto, apenas agora comecei a ter contato com a doutrina espírita, e sinto que isso sempre fez parte de mim. Gostaria de seu conselho num assunto pessoal, por isso peço-lhe permissão pra mardar-lhe um e-mail. Grata.

  174. Francisco, o Espiritismo informa, não proíbe. Ao pensar em alguém estamos nos conectando com esse alguém. Você está se envolvendo, mesmo que não fisicamente, com alguém que talvez não queira isso. Sem falar que isso é traição em pensamento, traição não consumada. Mais: Você acharia correto se sua namorada ou esposa fizesse o mesmo?
    São questões que devemos resolver internamente…

  175. Olá Morel! Gostaria de saber se, diante dos olhos da doutrina espírita, um homem que namora ou é casado com uma mulher pode se masturbar pensando em mulheres diferentes?

  176. Entendi, então não é o ato sexual em si, mas sim a sintonia e energia o grande divisor de águas…
    Ficou mais claro.
    Obrigado.

  177. Jorge, temos que ter cuidado para não classificarmos tudo como certo ou errado. Não temos capacidade pra tanto. As coisas convém ou não convém. No caso que você suscita, o risco é a sintonia vibratória com a profissional e os espíritos que normalmente a acompanham. No sexo sem afeto, não vejo diferenças acentuadas entre o sexo pago ou não pago. O cuidado que devemos ter é quanto à sintonia e à troca de energias.

  178. CARO AMIGO seus artigos são assaz esclarecedores para mim, gostaria de saber se um homem que procura companhia e prazer com uma profissional do sexo, mas que é motivado muito mais pela carência afetiva por não conseguir se realizar amorosamente ou por não ser aceito, ou por não despertar o interesse de pessoas do sexo oposto, do que simplesmente pelo sexo sem compromisso, enfim, se ele procura companhia pela solidão e rejeição e não pela simples erotização, é igualmente reprovável?
    Abraços.

  179. Obrigada pelo conselho. Me fez refletir melhor. Sondarei o terreno e tentarei uma conversa serena. Que Deus continue te abençoando.

  180. Amiga, se ele critica e faz, provavelmente se sinta culpado. Os “sonhos” que você tem muito provavelmente são espíritos ligados a vocês dois (não necessariamente de reencarnações passadas) que tentam induzi-los ao sexo no astral, a forma mais comum de vampirismo. Não acho que você deva vê-lo como dissimulado. É provável que ele esteja sofrendo por isso. Se o grau de intimidade de vocês permite, acho que seria benéfica para ambos uma conversa franca. Se ele tem algum conhecimento do Espiritismo, mesmo que superficial, isso será mais fácil. Me parece que ele tem consciência de que o que faz não é muito indicado…

  181. Olá Morel,
    Ando muito entristecida com meu esposo que há um tempo descobri que visita páginas pornográficas na net envolvendo mulheres e o PIOR: animais (isso me dá repulsa). Sei que todos temos coisas a melhorar, quase todo mundo já viu pornografia ou tem ideias desse tipo que vêm à mente (de si mesmo ou das influenciacões espirituais). Mas eu me policio, às vezes tenho sonhos onde pessoas estranhíssimas estão na minha casa e me convidam a praticar sexo com elas, parece que eu as conheço… mas me afasto delas, oro e acordo. Sei dos perigos desse tipo de coisa. Não fico procurando isso na net nem na tv. Já ele, apesar de até criticar quem faz essas coisas, agora descobri que se interessa por isso também. Sei que tenho de perdoar, talvez num passado remoto eu já tenha sido assim, um irmão obsessor já me acusou de adultério numa mediúnica. Mas é tão difícil. Quando olho pra ele, penso: dissimulado. Isso me faz sofrer. Tento disfarçar pra ele não perceber meu desgosto, acho que revelar que eu descobri isso apenas o humilharia… não seria caridoso. Noutras vezes penso que deve haver transparência entre um casal e que conversar com calma poderia ajudar. Não sei. Que faço amigo? Deus te ilumine, prossiga com seu trabalho maravilhoso nesta página

  182. Emma, há características negativas que trazemos há muitos séculos, por não termos aprendido as lições pertinentes a elas. Mas isso não nos tira o livre-arbítrio, não exime de nós a responsabilidade absoluta sobre os nossos atos. Uma pessoa violenta não pode desculpar seus acessos de fúria contra o próximo por causa do seu temperamento; uma pessoa preguiçosa não pode simplesmente explicar a sua inércia e falta de atividade como algo trazido de nascença sobre a qual ela tem dificuldade de atuar.
    Quando você se relaciona com alguém casado, sabe o que está fazendo. Se são contingências ocasionadas pela Lei de causa e efeito, se são “provas” espirituais, isso não lhe retira a responsabilidade e o poder de escolha. Se você se relaciona com pessoas comprometidas, a possibilidade de esse alguém ser totalmente seu companheiro é menor…
    Todos os nossos problemas “crônicos” são problemas espirituais. Afinal, somos espíritos. Nós devemos combater esses problemas enfrentando-os com coragem e determinação. Todos têm fraquezas. Alguns as reconhecem mais facilmente que outros. Desses que conseguem reconhecer, uns se empenham mais para harmonizá-las.

  183. Morel, desde a adolescência venho sucumbindo do mesmo erro em me relacionar sexualmente e amorosamente de pessoas comprometidas de alguma forma. Não me considero uma má pessoa, pelo contrário, o problema é que isso vem me causando vários momentos de reflexões e sofrimento. Estou grávida, passando por um momento de pura solidão, no qual as pessoas que já fizerem parte da minha vida estão retornando e um deles voltou de uma forma muito especial, me fez muito bem, mas ele é comprometido. Estou completamente perdida, porque agora mais que nunca preciso de alguém do meu lado, mas não queria que fosse assim dessa forma. O que quero é entender porque vivo sempre entre um casal e não consigo alguém que esteja disposto a ser totalmente meu companheiro. Acredito ser um problema constante da minha espiritualidade, pois não consigo combater essa minha incessante busca por sexo e amor do próximo.

  184. Renata, você nao encontra na literatura espírita nada muito além do que abordo nos artigos sobre o tema. Se você ler todos os artigos sobre sexo que escrevi, terá uma noção da visão espírita a respeito. Qualquer dia escreverei especificamente sobre o assunto.

  185. Santos, a conscientização já é um primeiro passo. Não existe truque ou fórmula mágica. Você está entrando em contato com suas verdades, está formando novos valores. É preciso muita persistência e ação. Muita ação. Manter-se ocupado, reeducar a mente com novas ideias e novos pensamentos. Muita leitura construtiva, muito estudo e oração. Você não vai deizar de ter desejo. Nem deve. Mas é preciso reeducar-se. E isso requer tempo e perseverança.

  186. Olá, traí minha esposa várias vezes e hoje estou arrependido depois que comecei a estudar o espiritismo. Tenho também o problema de desejar sexualmente outras mulheres, principalmente amigas dela. Luto contra isso, pois não quero mais.
    Como faço para me curar espitualmente dos adultérios?
    Como faço para lutar contra esses desejos sexuais?

  187. É uma das coisas mais difíceis de se perdoar, pois envolve orgulho e sentimento de posse. É preciso dar tempo ao tempo. Em vez de lamentar, procure tirar lições do que aconteceu. Reflita, conheça melhor a si mesma. Não exija perdão por parte dele. Se você não se perdoou ainda, como querer que ele o faça? O sentimento de culpa só tem validade enquanto provoca o arrependimento, a firme vontade de corrigir o erro. Mas a culpa, por si só, não vale nada. Ore muito, tenha paciência. Agora é preciso deixar que o tempo faça a parte dele. Fique com Deus, Aline.

  188. Olá, traí algumas vezes meu marido e o magoei muito… Não consigo me perdoar, e queria muito que ele me perdoasse… Não acho resposta pro que eu fiz, fui cega demais… Não me perdoo, ele é o amor da minha vida… Estou perdida e sem rumo… A vontade é de morrer, tamanha tristeza que sinto…

  189. Sebastião, seria pretensão de minha parte querer saber, exatamente, o que ocorreu. Mas é comum que tenhamos envolvimentos antigos com espíritos que não nos querem bem, provavelmente por males que fizemos a eles no passado. Durante o período de sono acontecem encontros que podem nos deixar inconscientemente abalados. Isso faz com que nos sintamos deprimidos, abatidos. Seria bom que você procurasse um centro espírita em busca de algum tratamento. Pode ser apenas influência de espíritos que lhe acompanham, mesmo sem a intenção de lhe fazer mal. Acontece sempre de espíritos desencarnados se ligarem a nós, temporariamente, atraídos por nossos pensamentos e hábitos. Se afinizam conosco. Às vezes são espíritos que desencarnaram em péssimas condições, sentem-se doentes, fracos, famintos. Ao nosso contato sentem-se reconfortados, mas passam para nós suas tristezas, seu mal-estar.
    Não existe melhor remédio para a dor e a tristeza do que a oração. Se você voltar a sentir essa fraqueza, olhe imediatamente para cima, permaneça olhando para o alto enquanto ora. Ore com fervor, peça perdão a Deus pelos seus pensamentos de derrota. Não se permita pensar assim. Exerça o controle sobre os seus pensamentos.

  190. Caro Irmão Morel.
    Descobri o seu site hoje, 21.04.13.
    Creio ter sido a mão poderosa de DEUS, pois acordei e fiz minha oração matinal e senti algo muito estranho saindo de dentro de mim, como se fosse tirar minha roupa. Logo em seguida me abateu uma grande dor e tristeza, acompanhada de uma grande vontade de suicidar-me. Gostaria de sua ajuda para obter informações sobre o ocorrido, e espero sua valiosa orientação.

  191. Raphael, visitei o seu blog; percebi temas que costumo abordar, sinal de que pensamos de modo semelhante.
    Fique com Deus!

  192. Morel,

    Entrei no teu site por indicação de um amigo, e já de cara deparei-me com este maravilhoso artigo. Tu tens uma grande desenvoltura e clareza de idéias, e consegue transcrever isso muito bem.

    Te convido a conhecer o meu blog. Está muito longe do profissionalismo que tu tens aqui, sou apenas um embrião dentro da doutrina espírita.
    aprendizesdavidaeterna.blogspot.com

  193. Léia, não sei se essa atividade durante o sono físico se caracterizaria como adultério. Acho que todo tratamento ajuda se houver firme determinação, por parte da pessoa, em modificar-se. Só a conscientização não basta.

  194. Relendo o temo hoje, é incrível como nos temos de alguma forma consciência de nossos atos, mesmo durante o sono, pelo relatos dos seus leitores pude entender muito a importância do orai e vigiai…
    Uma pessoa com uma conduta exemplar, digamos assim, materialmente, pode se ligar sexualmente com outra por uma atração de vidas passadas cometendo o adultério?? (durante o sono físico)??? Através da Força de Vontade, orações e Vigia dos próprios sentimentos é possível libertar-se??? Basta querer se livrar? O passe e até mesmo o tratamento de possessão e obsessão podem realmente ajudar???
    Abraços fraternos.

  195. Ângelo, essas são fraquezas que trazemos há muitos séculos. Pelo conhecimento da reencarnação, sabemos que nós mesmos fomos os homens e mulheres que construíram a História do nosso planeta. Então, os vícios e falhas de caráter que estiveram com os povos antigos, com nossos antepassados remotos, na verdade são os nossos próprios vícios e falhas de caráter. Conseguir se livrar deles, por mais tarde que possa parecer, é uma grande vitória. Se você realmente se conscientizou do atraso que esses vícios representam pra você, é uma grande conquista que você levará além desta reencarnação. Um abraço.

  196. Meu Companheiro de Jornada, depois de ler o seu artigo fiquei mais descansado, pois não fui nenhum “santo” na minha juventude e parte da minha velhice; consigo estou aprendendo muito e, também, com os comentaristas deste site.
    Eu, por vontade própria, consegui há 2 anos ultrapassar alguns vícios que me estavam enraizados no corpo; – o gosto por mulheres e por álcool, que estavam enevoando o meu lar e, dia a dia, perdia amigos, contudo não precisei de ir a Centro Espírita, nem aos alcoólicos anônimos, bastou-me a força de vontade.
    Consigo aprendi que o meu erro terá o seu preço e acredite que estou fazendo o possível para diminuir esse preço!
    Um abraço fraterno.

  197. São doentes do espírito, Bruno. Não escrevo sobre isso por não fazer parte dos meus conhecimentos e experiências. Não teria muito a acrescentar.

  198. Perfeitas tuas colocações e teu propósito de trazer mais reflexão para algumas situações tão óbvias em nosso dia e ao mesmo tempo tão evitadas por muitos.
    Que Jesus lhe ilumine sempre e que teus protetores te auxiliem nessa passagem por este plano. Um abraço.

  199. Cada um tem a companhia espiritual que merece. Espírito nenhum tem poder de influência sobre alguém que não sintonize com seus desejos e intenções. Você pode tentar levá-lo ao centro espírita, mas a solução só é alcançada se houver interesse e vontade de mudar por parte dele.

  200. Olá! Acredito que meu namorado deve ter algum espírito obsessor, porque todas as vezes que durmo na casa dele reparo que ele tem sonhos eróticos, pois faz o movimento de vai e vem, também geme e isso me incomoda muito, porque acontece sempre! Não sei o que fazer, ele não acredita em mim, me chama de louca. Mas tenho certeza que esta pratica está ligada a algum espírito obsessor, porque é fora do comum, fora outras coisas… devo levar ele em algum centro?

  201. Dois fatores concorrem para esse recrudescimento dos vícios quando se começa a desenvolver a mediunidade. O primeiro é o fato de nos tornarmos energeticamente mais receptivos, já que lidamos com energias que antes estavam “adormecidas”. Então é natural que recebamos mais influências, boas ou más, de acordo com o nosso padrão vibratório. O segundo fator é que os espíritos que nos acompanham, que participam, ativa ou passivamente de nossas atividades viciosas, fazem um maior esforço ofensivo para não perderem o seu “instrumento dócil” – nós mesmos. Pois se nos melhoramos, eles perdem um parceiro e fornecedor de energias.
    Certifique-se se você dá credibilidade ao centro que frequenta, se você realmente sente-se bem à condução que dão aos estudos. Como somos influenciados negativamente, é preciso insistir. Mas se verificar que não se sente bem, procure outro.
    O mais importante é convencer a si mesmo. Apenas saber, intelectualmente, o que acontece, não é suficiente para promover mudanças. É preciso estar convencido de que é necessário mudar a postura. Mudar os hábitos e as ocupações ajuda muito.
    Sexo é energia. Uma boa abordagem sobre o assunto você encontra na obra de Samael Aun Weor. Não tem nada a ver com Espiritismo, mas facilita muito a compreensão.

  202. Morel, sou casado. Amo minha esposa, mas tenho um desejo incontrolável por pornografia e masturbação.
    Eu estou agora frequentando um centro espírita e tentando desenvolver minha mediunidade, e sinto que depois disso, tudo ficou pior. Muito mais difícil de controlar. Me sinto carregado e, talvez por agora conhecer o poder que o pensamento tem, sinto muito mais dificuldade em controlar o pensamento.
    Juro que tento me policiar, mas sempre sem sucesso. Pode opinar sobre essa questão? Creio que outras pessoas aqui até tem esse tipo de problema, mas decidiram não se expor. Acho de suma importância um auxílio quanto a isso!
    ps: Seu blog é muito bom! Ajuda muito!

  203. Camila, eu não vejo mal algum. Pelo contrário. O sexo não é amor mas pode ser uma das manifestações do amor. Sexo é troca de energias, e se duas pessoas mentalmente sadias e emocionalmente maduras sentem atração uma pela outra e são cientes do caráter descompromissado de sua relação, que mal pode haver nisso? Não consigo ver mal algum. E não conheço argumentos por parte do Espiritismo contrários a isso.
    Mas…
    Onde estão as duas pessoas mentalmente sadias, emocionalmente maduras etc etc?
    É muito difícil esse encontro, essa combinação. O mais provável, o quase certo é que um dos dois (ou os dois) se envolva emocionalmente, ou sinta ciúme, ou se exceda de alguma forma. Isso quase sempre gera alguma dor.
    É claro que pode haver, sim, um encontro descompromissado em condições ideais. Mas é difícil.

  204. Olá, Morel
    É com imenso prazer que digo que iniciei os estudos espíritas sérios há alguns meses. A Doutrina Espírita veio por meio do que descrentes chamariam de “acaso” e eu sou realmente grata. Estou lendo as obras básicas ainda, mas uma questão que ainda me atormenta é a questão do sexo. Não o adultério em si, já que sempre fui adepta da ideia de que não deveria fazer com ninguém o que não gostaria que fizessem a mim. Mas seja pela pouca idade, ou pelos esclarecimentos insuficientes (provavelmente os 2), ainda não tenho capacidade de enxergar o “erro” no sexo sem compromisso. Compreendo a questão do equilíbrio e do envolvimento espiritual que uma pessoa invariavelmente tem com a outra em toda relação, mas, em se tratando de uma relação onde predomine o respeito e a sinceridade, que “mal” pode haver? Digo, 2 pessoas adultas, solteiras, que se dão bem, que se respeitam e se gostam, mas têm consciência que não há amor e, além disso, não há intenção de compromisso sério. Qual o problema que esses espíritos podem gerar, se estão agindo de forma responsável?
    Agradeço demais a atenção e, principalmente, a boa vontade.
    Que seu trabalho por aqui seja cada vez mais elucidativo.
    Mais uma vez, obrigada.
    Grande abraço.

  205. Nina, se você está pedindo conselho é porque considera errado o que está fazendo. Não deixa de ser uma espécie de traição, não é? Se fosse o seu marido que estivesse fazendo isso, como você encararia a situação? Não pense que a estou julgando, não é nada disso. Apenas quero que você sinta com clareza a gravidade ou não do fato.
    Não há conselho possível, Nina. Você não está precisando de conselho, está precisando de vontade.
    Um alcoólatra sabe que não pode tomar o primeiro gole. Um fumante que está tentando parar de fumar sabe que não pode dar nenhuma tragada no cigarro. Da mesma forma, você sabe que não pode continuar essa comunicação. O que falta é vontade.
    A mesma vontade que falta pro alcoólatra e pro fumante, que, apesar de sofrerem muito com os seus vícios, sentem-se dependentes deles. Eles só se livram dos vícios quando desenvolvem a vontade firme e forte.
    Se você se propuser de verdade a isso, se você tem plena consciência do erro, você consegue. Ore muito. A oração não tem bada a ver com religião. A oração é o método mais eficaz de canalizar o pensamento. Ore muito, várias vezes ao dia. Mentalize-se como se já houvesse superado isso. Se essa for a sua vontade, você consegue.
    Fique com Deus.

  206. OI Morel, estou me comunicando com uma pessoa há 2 anos mais ou menos via internet e sempre sonhamos um com o outro, tenho lutado muito contra o que sinto mas não dá, nem ele e nem eu conseguimos nos desconectar. Me dê um conselho, pois somos ambos comprometidos. Um grande abraço!

  207. Fernando, eu sinto muito em desapontá-lo, mas não sou consultor sentimental. Você pode corrigir um conceito: Não existe “ira de Deus”. Deus não é humano pra ficar irado. O que existe é a consciência culpada. Sua consciência é o seu juiz. Não posso lhe aconselhar nada, você tem livre-arbítrio e SABE o que é certo e o que é errado. Você SABE o que deve fazer.
    Fique com Deus.

  208. Boa tarde. Gostaria da sua ajuda. Li seus comentários e percebi que vc tem um grande discernimento/sabedoria e peço isso agora. Antes de eu casar eu tive um relacionamento, ainda namorando, com uma moça que mexeu muito comigo e 10 anos mais nova. Minha namorada na epoca e hj minha esposa descobriu, brigamos muito, mas nos acertamos e hj estamos casados. De um tempo para ca venho projetando essa moça muito na minha cabeça e um dia nos encontramos para resolver as pendencias do passado( pois foi traumatico a mim) e acabamos nos relacionando novamente. O que tive com essa moça nunca tive com menina nenhuma. Ela é muito linda, daquelas tipo vitoria secrets, só para vc visualizar. Ela, agora, esta toda alegrinha, o que eu não esperava e o que esta me deixando com medo de acontecer novamente o que aconteceu no passado, brigas e minha esposa descobrir e separarmos. Minha esposa é otima pessoa, um verdadeiro anjo na terra e carater humildade, respeito, dedicação, amor ao proximo, ou seja, tem hora que eu acho que ela veio no mundo para me curar espiritualmente, pois ela é boa demais para mim e agora estou meio balançado pensando um monte de coisas confusas. Se perguntar pq fiz isso, não sei dizer, mas não quero continuar no adulterio e nem magoar nenhuma delas, muito menos a mim. Gostaria do seu conselho, orientação, caminho, qq coisa que possa me dar para que o pior não aconteça. Tenho muito medo da ira de Deus, mas sou muito fraco espiritualmente, principalmente na carne. Quando chegar a minha vez não quero ir “devendo” a Deus, pois ele é muito bom para mim e estou me sentindo muito culpado e ao mesmo tempo querendo me aventurar. Temo estar sendo influenciado por antepassados da minha familia que eram assim. Conto muito com seu auxilio e que a Paz de Jesus esteja sempre convosco. Abraço.

  209. Bebel não há problema nem em filmes nem em livros, nem no álcool, nem nas drogas. Essas coisas, por si sós, são inofensivas. O problema é quem as consome. Que tipo de pensamento isso gera? Toda e qualquer influenciação espiritual se dá exclusivamente através do pensamento. De acordo com padrão de pensamentos que predominar em nossa mente, serão as nossas companhias espirituais. Acho que isso responde…

  210. Morel, o que tu acha desses livros que abordam o sexo como 50 tons de cinzas? Sera que eles também influenciam de alguma maneira esses ‘vampirinhos’ sexuais tanto como a pornografia na internet por exemplo?

  211. Maria, qualquer adolescente já passou por isso, você não acha? Isso tem vários nomes: desejo sexual, atração física, tesão, “química”. Quem nunca passou por isso? Se você não gostasse das sensações que isso está lhe causando, seria mais fácil mudar o foco. Nada nem ninguém tem o domínio do seu pensamento. Você decide o que permanece nele. Claro que isso envolve uma série de fatores emocionais e físicos. Mas nada que oração não resolva. Mas pra isso tem que querer MESMO que passe.

  212. Conheço uma pessoa já comprometida o qual sempre admirei, mas nunca senti nada como sinto hoje. Também tenho compromisso, porém de uns meses pra cá essa pessoa não sai da minha mente e eu chego a pensar que estou ficando maluca. Ele, sempre correto, nunca se aproximou com segundas intenções, mas quando nos cruzamos sinto algo que não sei explicar de verdade, um calor intenso da cabeça aos pés, fico até tonta, nem consigo mas olhar na cara da pessoa, e nossos comportamentos mudaram desde essa descoberta, algo me diz que ele sabe disso. Sonho com ele e muitas das vezes fazemos sexo, até acordada ele se materializa tão perfeitamente na minha mente o tempo todo. Isso está me atormentando muito, eu não quero isso, tento de tudo para não pensar, para me distrair e tirar esse foco, mas está muito difícil. Será o quê isso? O que posso fazer para que isso pare?

  213. Morel, já cometi vários adultérios, e com pessoas
    próximas, será que o ato de sonhar adulterando pode
    futuramente vir a se cumprir na vida real ato que
    não desejo a mim necessito de uma resposta.

  214. Maravilha, eu sonho muito com sexo até com pessoas desconhecidas, muito esclarecedor. Obrigado, amigo!

  215. Eu que agradeço pela sua atenção, Ana. Só o que tento fazer é levar à reflexão; dividir minhas reflexões e experiências com os leitores. Um abraço.

  216. Olá Morel, acabei encontrando aqui resposta para perguntas que a muito me atormentavam. Apesar de não estudar apropriadamente o assunto, sempre tive consciência de que toda ação gera uma reação, mas vivia num conflito eterno dentro de mim, um lado dizia que o sexo em ato deveria ser com responsabilidade, por outro lado, sempre sucumbi neste quesito. Chegou uma época então que resolvi tentar ficar sem me relacionar pra tentar controlar os meus desejos e impulsos sexuais… porém não consegui, e o desejo era tanto, que passei a sonhar e lembrar dos sonhos, sonhos realmente constrangedores pois que me encontrava com pessoas que conscientemente não seria possível, caracterizando o adultério em pensamentos. Sofri muito, porque o que eu tentava não fazer acordada, fazia dormindo, e isso me deixava muito frustrada. Agora eu tenho percebido que se não parou, amenizou consideravelmente, pois que aconteceram coisas na minha vida que me fizeram ter muita força de vontade pra me renovar, e graças a Deus e às palavras de Jesus, eu sinto que estou no caminho certo, mas ainda preciso aprender a equilibrar esses impulsos sexuais, pra não cair na cilada da vida.
    Orar e vigiar, esse sempre foi o segredo.
    Vou procurar estudar mais o espiritismo, gostei muito do seu artigo, te mando um abraço fraterno de agradecimento.

  217. Sim, minha responsabilidade para com a minha namorada é tamanha, porém falho na questão mental… :(.
    Eu entendi o que o texto quis dizer, mas às vezes é inconsciente.

  218. Não há motivo pra preocupação, Lucas. Não existe pecado, não existe proibição. O que existe é responsabilidade; não de pode fugir dela. Tudo o que voce pensa, fala ou faz, gera consequências. Você deve arcar com essas consequências. E não esqueça de que você envolve e influencia outros seres como você.

  219. Preucupadíssimo… Já cometi vários adultérios mentalmente. E geralmente, poucas vezes posso dizer, já tive sonhos relacionados com sexo.

  220. Erika, Sexo e Destino aborda temas que na época, início da década de sessenta, não foram bem compreendidos, e hoje vêm se concretizando. Obrigado pelo comentário.

  221. Querido, adorei as informações, já li sexo e destino, inclusive, li e reli algumas vezes, por não ser uma leitura fácil… Mas o seu artigo me esclareceu muito bem!!! Sua didática é ótima!!!
    Obrigada, e vou ler sempre que puder seus artigos!!!
    Parabéns!!!

  222. Lorene, não posso lhe dar essa informação. Acho que se reencarnamos com o esquecimento do passado é porque não devemos lembrá-lo. Poucos sabem lidar com as informações de vidas passadas. Desculpe por não ajudá-la.

  223. Monique, o nosso cérebro físico não tem possibilidade de recordar tudo o que se passa no astral, que é para onde vamos quendo “sonhamos”. Por isso imagens tão confusas, por isso fatos aparentemente reais misturados com fantasias. No instante em que despertamos, o cérebro físico registra as imagens e fatos que ele conhece; o que ele não conhece substitui por qualquer símbolo que ele associe com aquilo que ele conseguiu captar. Monique, nós morremos todas as noites. Para discernir, é preciso prática, mas a prática exige um grande interesse. Se é o seu caso, sugiro que estude projeciologia. Há muito material na internet; procure o site do IIPC. Já adianto a você que qualquer pessoa é capaz de se projetar.

  224. Morel, uma dúvida; se durante o sono, somos atraídos para o que se afiniza conosco, então tudo que acontece nesse período é real? Qual a possibilidade de ser fantasia? Como discernir?
    Grata. Paz.
    Monique

  225. Monique, nós sempre melhoramos. Seja através da meditação, da oração, do estudo. Só que há tanta coisa a ser aperfeiçoada em nosso íntimo que muitas vezes os progressos passam despercebidos. Só mesmo depois do desencarne poderemos fazer um balanço, comparando como éramos quando chegamos e como estamos ao partir. Um abraço, Monique.

  226. Falou e disse, Morel!
    “Orai e vigiai”; luta constante para mantermos o equilíbrio. Creio que seja uma luta para muitíssimas reencarnações. No mundo em que vivemos hoje, pessoas consideradas equilibradas, sempre têm seu momento de desequilíbrio, insanidade. É muito complicado controlar o inconsciente, que é, quando, covardemente fugimos de nossos problemas carnais.
    Já tentei algumas vezes, usar a meditação como um momento de autoconhecimento, introspecção, mas, para mim, é difícil, pois os problemas “reais” rondam, e se fazem presente o tempo todo. Mas o lema é esse; não desistir nunca, pois quando estamos bem internamente, o sexo e relacionamento com os outros, se torna consequência.

  227. As experiências que ocorrem durante o sono físico dão uma boa ideia do que ocorre após o desencarne. No estado de vigília somos policiados pela consciência. Durante o sono, somos atraídos para o que se afiniza conosco, mesmo que racionalmente consideremos isso errado. As relações entre espíritos se dá sempre assim. Conforma a afinidade, de acordo com a sintonia. As ligações que mantemos agora não irão se romper só porque mudamos do plano físico para o plano astral. Um abraço em você também, Fátima.

  228. Boa noite, Morel.
    Gostei da imagem. Mas, ao ler teu artigo, percebi o quanto é sério esse ponto.E como fica essas ligações após o desencarne? As complicações? Abraço fraterno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.