Comportamento, Transição planetária

Transição planetária e decadência

Família pré-histórica
Decadência nos costumes?

Ouça este artigo na voz do autor

Muito se fala e se questiona sobre a Transição Planetária e o período de decadência que estamos vivendo A Terra vai deixar de ser um planeta de provas e expiações para ser um planeta de regeneração. Quando? Agora, já. Já começou. É transição, não revolução. É um período de rápida mudança nos costumes, nos conceitos, no modo de pensar.

O que vai mudar? O planeta? Acho que não. Nunca acreditei em grandes mudanças climáticas provocadas pelo homem. O planeta sempre sofreu alterações, de tempos em tempos. A transição não se refere ao planeta, mas aos habitantes do planeta. Nós. Nós é que estamos nos transformando. Nós é que vivemos esse período de transição.

Somos seres individuais. Formamos uma coletividade, somos bilhões de espíritos na Terra, encarnados e desencarnados. Mas somos individuais, cada um de nós é um universo. A transição se dá em cada um. A transição não atinge a todos ao mesmo tempo. Isso seria uma revolução. Dormiríamos em provas e expiações e acordaríamos em regeneração.

Muitos de nós estamos em plena regeneração. A Terra não deixará de ser um planeta propício para provas. Continuaremos sendo submetidos a provas. Mas para quem está se regenerando não faz mais sentido pensar que está expiando alguma falta. Estamos nos formando novamente, nos gerando novamente, nascendo de novo. As faltas cometidas no passado são nosso material de trabalho, construiremos nova vida sobre elas.

Eu me considero em regeneração. Acho que você também pode se considerar. Todos que estabeleceram para si o firme propósito de reformar-se, de melhorar internamente, estão em pleno processo de regeneração. Se você esperava por algo diferente disso, conforme-se. Abra os olhos. Veja o mundo à sua volta. Perceba o que está ocorrendo. O mundo se transforma.

De um lado, há cada vez mais pessoas dispostas a ajudar o próximo, comprometidas com a sua reforma íntima, desenvolvendo atitudes éticas e exemplificando com o amor.

De outro lado, a quebra de paradigmas, o fim dos papéis delimitados na família, a crise na sociedade, o desrespeito nas escolas, na televisão, nos lares. Violência, falta de cultura, ausência de valores, sexo precoce, decadência.

Esse é o mundo em que vivemos, neste início de milênio. As condições do planeta e as pessoas que dividem o planeta conosco são exatamente o que precisamos para aprender, são as condições ideais, em nosso estágio evolutivo, para a construção do nosso progresso.

Para muitos o quadro que se apresenta é assustador. Os valores tradicionais são cada vez mais questionados. Há uma franca decadência nos costumes. Não há mais limites a serem transpostos. Tudo pode, tudo é experimentado. Vejo adolescentes enfastiados, com olhar cansado, entediados da vida. Já experimentaram mais do que seus avós durante toda a sua vida.

Acredito que esse cansaço precoce, esse desgosto pela vida, é mais um sintoma da transição. Vive-se hoje, em alguns anos, experiências que se levava muitas reencarnações para se experimentar. Sendo assim, dá tempo para o desgosto, o tédio, a depressão, a busca pela cura, a regeneração e a grande correção de rumo, tudo numa só reencarnação. A expectativa de vida está cada vez maior. Dá tempo de passar por tudo isso. É ver para crer. Eu creio e verei.

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

17 Comentários

  1. Karyne, essas características são típicas de quem já se conscientizou de que a vida é muito mais do que o que fazemos em nosso dia-a-dia mas, mesmo assim, não se esforça para uma elevação mais decisiva. Já estamos com o prazo de validade vencido, já devíamos ter nos reformado há muito tempo.
    Temos laços com espíritos em diversos graus evolutivos. Como estamos mais abertos, mais sensíveis, sentimos mais qualquer influência. O que determina as influências que sofremos é o nosso padrão de pensamentos e sentimentos.
    Só conseguimos filtrar essas influências e avançarmos mais depressa através da dedicação ao próximo. É preciso agir.

  2. Bom dia!
    Quando você diz “Acredito que esse cansaço precoce, esse desgosto pela vida, é mais um sintoma da transição”… “Sendo assim, dá tempo para o desgosto, o tédio, a depressão…”, enxergo a mim e outros membros da minha família ligados ao espiritismo ou materialmente frágeis.
    Eu gostaria de uma melhor explicação sobre esses sintomas físicos com relação à transição. Há cerca de 2 anos e meio tenho me sentido com todas essas características, além da alteração de humor constante. Claro, não estou atribuindo apenas a isso, mas de uma forma ou de outra, como eu poderia “lutar” contra isso, além de reformar-me? Sobre a influência dos espíritos do baixo astral, como dizem, está mais incisiva mesmo nesse período? Qual a intenção deles?
    Obrigada!

  3. É um imenso prazer ler seus comentários…
    Parabéns e continue auxiliando na evolução espiritual de todos nós.
    Grata.

  4. Quero te parabenizar pelo site. Muito agradável, instrutivo e acalentador. Estou adorando ler os artigos e esse, em especial, me renovou as esperanças. Trabalho com crianças e jovens na Evangelização Espírita e me parte o coração vê-los percorrendo caminhos tortuosos. Mas este último parágrafo me mostrou um ponto de vista que ainda não tinha percorrido. Muito obrigada.

  5. Nossa, amei esse artigo, eu me encaixei em algumas partes dele… parabéns Morel, como sempre ajudando a gente a enxergar as coisas de outra maneira…

  6. Você é fantástico, Morel! Suas palavras parecem ser ditas diretamente para a pessoa. Como se dissesse o que queremos ouvir e entender! Obrigada sempre!

  7. Felipe, também acho que estamos vivendo um período de grandes mudanças, percebemos pelo nosso próprio comportamento e daqueles que nos cercam. O tempo está curto, uma pressa, uma ansiedade, uma busca desenfreada e muitas vezes não sabemos nem do quê. Não seria isso uma necessidade inconsciente da alma clamando por mudanças? Ou em outros casos a fuga pela não aceitação dos apelos derivando à decadência? Sempre ouço dizer que as coisas só irão piorar, mas para melhorar tem que piorar. Que Deus te abençoe com muita paz e luz.

  8. Ótima ponderação, Rodrigo. Tudo a seu tempo e com a sua razão de ser. Muita paz e uma ótima e produtiva semana!

  9. Ainda há necessidade de existir espíritos que não passaram pelo esclarecimento que nós passamos aqui na Terra, visto constituirem para nós grande oposição à nossa regeneração, mas isso não se dá por expiação e sim para que se aprimore a nossa firmeza em direção à luz. Só dessa maneira podemos ter a certeza daquilo que queremos que é a iluminação total em nosso íntimos. Experimentamos todos os dias certos sentimentos primitivos que ainda teimam em eclodir em nós, porém esses sentimentos, após nos assediarem, passam pelo depurador da nossa fé e raciocínio espírita e são renegados quase que automaticamente. Quando atingirmos um certo grau de perfeição em nossa vontade e não mais se fizer necessária essa resistência, então esses espíritos passarão a atravancar a evolução e por isso serão removidos e lançados em planetas em formação, o tal lago de fogo onde eles cooperarão para o adiantamento daqueles planetas assim como aconteceu na Terra nos primórdios. Muita paz.

  10. Cada dia novos aprendizados… Todos os dias nos oferecem oportunidades de adquirir conhecimentos e experiências. Basta estarmos atentos e dispostos. Paz pra todos nós, Silvoni.

  11. Bom dia Morel!
    No sermão da montanha Jesus disse: “Felizes os mansos porque herdarão a terra”. Sempre escutei e não entendia. Agora essa passagem faz sentido.
    Fique em paz.

  12. Obrigado pela contribuição, Vanio. Realmente, enxergamos mais, hoje, por termos mais luz.

  13. “Vive-se hoje, em alguns anos, experiências que se levava muitas reencarnações para se experimentar. Sendo assim, dá tempo para o desgosto, o tédio, a depressão, a busca pela cura, a regeneração e a grande correção de rumo, tudo numa só reencarnação.”

    Perfeito! Não tinha adicionado esta percepção ao meu modo de ver a transição. O que acontece também com nossa sociedade atual é a intolerância, ainda que tímida, aos males que eram corriqueiros ou comuns para as gerações passadas. O fato de existir mais bondade e esclarecimento em nossa atualidade é o que nos faz ter a falsa impressão de que nosso mundo está pior. Enxergamos e nos enojamos com fatos que anteriormente não tínhamos conhecimento, até por falta de veículos de comunicação. Apesar de me afetar e me revoltar com a quantidade de más notícias mostradas, consigo enxergar o planejamento de Deus para a humanidade funcionando por este caminho. De qualquer forma, esta visão algo otimista de forma alguma nos tira a responsabilidade de continuarmos com o esforço da reforma íntima e social. Obrigado mais uma vez, amigo, por somar. Assim como eu, tenha certeza que muitos não escrevem ou comentam, mas estão sempre lendo seus esclarecedores textos! Deus te dê força e inspiração para continuar teu trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.