Evangelho, Reforma íntima

A fé move montanhas

É possível transformar o Mal em Bem
É possível transformar o Mal em Bem

Ouça este artigo na voz do autor

Você acredita que a fé move montanhas? Quando há a disposição firme do espírito imortal arrependido em se redimir através do trabalho, do esforço produtivo para o Bem, montanhas são removidas.

Quando alguém descobre a verdade dentro de si mesmo, quando uma pessoa acostumada ao egoísmo, habituada a pensar apenas em si mesma, percebe que existe algo dentro dela que anseia por mudança, uma força até então desconhecida surge em seu íntimo. Uma força insuspeitada, diferente de tudo o que o egoísmo costuma oferecer.

Quando alguém se dá conta do rumo triste e desastroso que deu à sua vida, quando uma pessoa nota que suas escolhas a estão levando a um beco sem saída, que os prazeres que a satisfaziam já não têm a mesma graça, que conquistar objetivos pisando por cima dos outros rende um gosto amargo de inimizade, novas luzes, mesmo que tímidas, acendem em seu íntimo.

Quando alguém se arrepende dos seus erros cometidos, quando uma pessoa reconhece suas inúmeras falhas, sofre por elas e se dispõe a alterar sua conduta, então é o Bem que está recuperando terreno, é o homem velho, de que nos falava o apóstolo Paulo, dando lugar ao homem novo.

Não importa o quão longe tenham ido as maldades de alguém. Deus é infinitamente misericordioso. A Vida sempre nos oferece novas chances de recomeçar, de experimentar de uma maneira melhor, de ver, ouvir, sentir as coisas de modo mais condizente com a nossa natureza de filhos de Deus feitos à sua imagem e semelhança, portanto, perfectíveis.

Sempre é possível a transformação do Mal em Bem, sempre é possível a conversão da energia, antes usada para a prática de atos egoístas, em energia positiva, construtiva, harmoniosa. Quando há a disposição firme do espírito imortal arrependido em se redimir através do trabalho, do esforço produtivo para o Bem, montanhas são removidas.

Esse esforço de transformação de si mesmo também é fé. A fé, para ser fé, precisa de obras, precisa de trabalho, de esforço autoeducativo e construtivo. Esse esforço de mudança é semelhante ao esforço de transformação da Natureza pelo homem. Assim como o homem desvia rios, corta montanhas e torna lugares inóspitos em ambientes habitáveis, assim também deve ser feito internamente por quem deseja a transformação interna, por quem busca a reforma íntima.

Talvez você se questione como é que eu sei isso. Pela observação e pela experiência própria. Não fui um bandido cruel e sanguinário e não sou um monge tibetano em trajes comuns. Mas sou indiscutivelmente melhor do que já fui. Através da indução acredito que o Mal se transforma em Bem. A indução, se você não lembra, é o raciocínio que, após considerar um número suficiente de casos particulares, conclui uma verdade geral. Se o cobre é um bom condutor de energia, e o ferro é um bom condutor de energia,  e a prata é um bom condutor de energia, se induz que todo metal é um bom condutor de energia.

Não desista de você mesmo! Se às vezes suas tentativas de aprimoramento moral parecem difíceis, se muitas tentativas nesse sentido são infrutíferas, isso não é motivo para desistir. Um halterofilista não começa sua carreira levantando duzentos quilos. Ele começa com muito menos do que isso, e com tentativas, experiências, persistência e disciplina, supera a si mesmo cada vez mais.

Se o levantamento de peso exercita os músculos, a fé exercita o espírito. 

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

6 Comentários

  1. Parabéns, a cada dia aprendo mais sobre nossa reforma íntima em seus artigos. Como já disse, leio todos, nem um só dia deixo de ler. Sinto até falta nos fins de semana. Você é muito especial! Abraços!

  2. Procuro sempre ler seus artigos e quero deixar aqui meu grande contentamento, pois são textos muito explicativos, de linguagem simples, de fácil assimilação. Esses ensinamentos do espiritismo me eram dados por uma grande amiga, que infelizmente veio a falecer há 1 ano atrás e desde então tenho procurado algo que me fosse tão proveitoso como eram suas explicações. Pelo jeito encontrei e só tenho a lhe agradecer! Parabéns pelo trabalho!

  3. Morel,
    Quando li a frase de chamada do artigo veio uma outra possibilidade à minha mente: Aquelas situações em que temos que tomar uma atitude de proteção para com algumas pessoas como omitir ou mesmo não dizer a verdade sobre determinada situação a fim de não piorar mais o momento em que a pessoa esta vivendo. A situação a que me refiro se relaciona a fatos com boa intenção, é claro. Na verdade, penso naqueles momentos em que temos de andar um pouco para trás ou podemos dizer “fazer um mal” a fim de não complicar o que está ocorrendo. Que Deus te ilumine e ampare.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.