Leis cósmicas, Mentalismo

A Lei de causa e efeito e as suas escolhas

escadaria

Artigo publicado originalmente em 04/12/2012

Ouça este artigo na voz do autor

De acordo com a Lei de causa e efeito, tudo o que você plantou no passado você está colhendo agora. As suas escolhas de agora determinam o que vai colher no futuro.

Seja sincero: Você acredita que tudo vai dar certo pra você? Você confia em Deus, na Vida, em você mesmo? Você acha de verdade que a tendência é tudo dar certo sempre? Espero que sim.

Você conhece a Lei de causa e efeito. Você sabe que tudo o que você plantou no passado, você está colhendo agora; e o que você plantar agora vai colher no futuro. Isso é inquestionável. A Lei de causa e efeito é lei de Deus, é parte da justiça de Deus. Aliás, o que conhecemos de Deus são suas Leis. Justas e imutáveis.

Por conhecer a Lei de causa e efeito, algumas pessoas pensam que seu destino está praticamente traçado. Não é nada disso! Acreditar que o destino esteja escrito é determinismo. Isso não existe.

A Lei de causa e efeito e as suas escolhas

O que você plantou você tem que colher. Mas o modo como você fará a colheita é você quem determina. Os resultados da Lei de causa e efeito podem ser vistos como uma conta corrente. Você tem alguns débitos, mas também tem créditos. Você está um pouco endividado, mas pode ganhar o suficiente pra quitar suas dívidas e ficar com o saldo positivo.

Então você está vendo que não existe azar. Não existe fatalidade, não existe destino traçado. Você faz o seu destino a todo instante, está fazendo neste momento. Vou repetir a pergunta lá de cima: Você acredita que tudo vai dar certo pra você? E por que alguma coisa não daria certo pra você? Desde que seja algo honesto e bom, o normal é que dê certo.

Mas, me permita dizer isso, o seu pior inimigo é você mesmo. Na verdade, no fim das contas, o seu único inimigo é você mesmo. É claro que se você é uma pessoa amorosa e confiante, você não tem inimigos, nem você mesmo. Mas o que eu quero dizer com isso é que somos nós que nos boicotamos. Somos nós que jogamos contra. Somos nós que enchemos nossa mente com pensamentos negativos e inseguros.

É só isso o que pode atrapalhar tudo o que fazemos. O pensamento é criador. O que você pensa com força acontece. As primeiras máquinas fotográficas,  lá em meados do século dezenove, precisavam ficar focadas alguns instantes para captar a imagem. Tudo tinha que ficar imóvel, senão saía borrado.

A sua mente é assim. O pensamento que fica imóvel em sua mente é o que predomina. O pensamento que predomina em sua mente, o pensamento que forma um padrão, é o que determina o que será atraído para você. Se você sente raiva, rancor, revolta, durante alguns minutos, as pessoas à sua volta inevitavelmente serão influenciadas por essas vibrações e talvez até queiram brigar com você. Se você sente amor, alegria, confiança e otimismo, as pessoas à sua volta certamente serão influenciadas por essas vibrações e irão sorrir, talvez tentar se aproximar e conversar com você.

É você quem determina o que acontece em sua vida. Você acha que seria possível que você nascesse destinado a sofrer, destinado a ver tudo na sua vida dar errado? Isso é ridículo! Essa crença na desgraça era tolerável tempos atrás, quando não tínhamos tanto acesso à informação e ao conhecimento. Os deturpadores do cristianismo nos deixaram acreditar em azar, em fatalidade. Isso servia aos seus interesses, dessa forma dominaram a maior parte da população por séculos e séculos.

Mas hoje é um primarismo imperdoável acreditar que as coisas estão fadadas ao fracasso. Você nasceu pra realizar, você nasceu pra criar, você nasceu pra ser feliz e inteligente! A vontade de Deus é que sejamos todos felizes. O destino do espírito imortal é a felicidade. Todos caminham para isso. O tempo que essa caminhada vai demorar depende de cada um de nós. Você decide por você. Você escolhe o que você quer sentir, pensar, falar e fazer na sua vida. 

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

25 Comentários

  1. Eu tenho dúvidas se há realmente essa lei de causa e efeito. Veja, se eu estiver diante de uma situação, principalmente um problema de saúde (lúpus ) incurável, como espírita devo pensar:
    por expiação fiz algo no passado (causa) , e agora, estou reparando com uma enfermidade… ou, estou em prova, para testar minha resignação e avançar mais rápido moralmente . Qual é justiça do sofrimento, se não lembramos do nosso passado, muito menos, da erraticidade? O que nos resta, é acreditar na esperança de ser verdade, já que não existe evidência disso.

  2. Morel, parabéns a você e sua familia! Você é jovem e já dedica seu tempo a caridade de textos explicativos e conciliadores, porém gostaria de entender, sobre esse pagamento e acertos de contas, então caso eu seja injustiçada estou pagando algo de muito tempo atrás, e a pessoa a que comete o delito irá futuramente pagar pela injustiça?
    Sendo devido então, eu acabo tendo como expiação para me purificar, porém essa pessoa que foi também testada, e serviu como instrumento para minha expiação, por me injustiçar, está pecando? Fiquei confusa nisso, obrigada pela sua atenção.

  3. Boa tarde! Sou espírita e me encontro em meio a um momento de dificuldade financeira que não sei mais como proceder. Nasci em uma família que me ensinou a ter controle sobre as minhas finanças e isso segue-se até hoje. Não devo para ninguém e conquistei as coisas na base da honestidade e respeito. Casei-me e sou feliz ao lado do meu marido, que também compartilha dos mesmos sonhos, porém essa semana descobrimos que meu sogro não pagou os impostos da empresa, cujo meu marido emprestou o nome, e agora estamos em uma desenfreada onda de discussões e desentendimentos por causa dessas pendências. Problemas que não nos pertencem, mas que estão ligadas, já que é o pai dele o responsável. Estamos procurando resolver as questões, mas tenho medo que a falta de postura firme e organização, terminem com o nosso casamento. Em vista que é preciso “obrigar” o pai do meu marido a cumprir com as obrigações. Não sei como me portar ou o que fazer

  4. Glaucia, nossa responsabilidade é diretamente proporcional ao nosso nível de esclarecimento. Quanto mais esclarecidos, mais responsáveis. Assim, todos respondem perante a Lei, mas de acordo com os seus conhecimentos e experiências acumulados. Às vezes vemos pessoas muito boas, que se destacam por sua bondade, e que sofrem muito, experimentam grandes provações. Esses espíritos, muitas vezes, impõe a si mesmos essas provações como modo de purgarem o mal praticado muito tempo atrás, quando ainda eram pouco esclarecidos. Mesmo que faça muito tempo que erraram, e que esses erros já não surtam efeitos sobre outros espíritos, eles não suportam conviver com o que consideram um “débito” com a sua própria consciência. Ninguém escapa da Lei. Fiquemos com Deus.

  5. Morel,

    Em relação à lei de causa e efeito, uma pessoa que, por exemplo, faz mal a outras pessoas, mas de uma forma inconsciente também está sujeita a essa lei? Por mais que você tente explicar a pessoa que ela te magoou, apesar de até você mesmo entender que não seja de propósito, e o outro sempre tira o corpo fora, colocando a culpa no próximo ou nas situações, como se não tivesse absolutamente nada a ver com isso. Essa “cegueira” também está sujeita à lei do retorno? Sempre me questiono muito isso, pois passo por situações sempre assim, e sei que o certo é perdoar, pois assim estamos encerrando um ciclo. Mas sempre fico pensando até quando a outra pessoa vai continuar cometendo os mesmos erros e saindo “ileso”, apesar de saber que não devemos nos preocupar com os erros dos outros, e isso estar muito mais ligado ao nosso ego. Gosto muito do seu site, extremamente esclarecedor! Fique com Deus.

  6. Estou desde quinta-feira 06/11/2014, me questionando o que fez aquela mãe e aquele pai que perderam os três filhos eletrocutados em Petrolândia de uma vez só. Eu não consigo imaginar tanto sofrimento. Não consigo entender o motivo desse casal ter de passar por um sofrimento tão desesperador. Será que isso é um resgate de erros de outras vidas? Eu que estava planejando engravidar no próximo ano, fico até com medo perante a possibilidade de ter de passar por algo semelhante. Sei que você é ocupado, mas por favor preciso de suas palavras para dar um sentido a isso tudo. Estou com o coração nas mãos e pensando que talvez não devo colocar um filho nesse mundo, estou descrente. Desde já obrigada.

  7. Vixe, você me fez pensar em várias coisas. Olha que só tenho 16 anos, mas já vi e já aprontei muita coisa na vida, mas eu vejo que tudo surtiu efeito e lógica dos meus atos.

  8. Marco Aurelio, sua análise está correta. Estou reestudando a obra de André Luiz e passei recentemente pelo livro citado. Nosso caminho está certo, Marco; não tenha dúvida disso. Teremos ainda por algum tempo os “períodos em que sucumbimos”. Temos que nos parabenizar por estarmos nos esforçando todos os dias para exercermos um maior controle sobre nossas escolhas e desenvolvermos uma maior responsabilidade sobre suas consequências. Mas a culpa deve ser eliminada; já não contribui para o nosso despertamento.

  9. Detesto quando erro e sempre no mesmo erro. Fico revoltado com isso.
    Antes eu me sentia culpado, tão culpado que certo dia cansei de me sentir culpado, simples assim. Comecei depois a acreditar que eu era o erro, entende? Eu era mau, eu era aquilo que é ruim, enfim, grande erro, isso sim é um grande erro. Depois voltei pro processo de culpa. Voltei a analisar a vida e percebi que na verdade eu não era aquilo de ruim, na verdade eu sou um ser de escolhas inconscientes e conscientes. O que me matava de culpa era isso, eu não estava fazendo minhas escolhas conscientes e aceitando elas, por isso eu me culpava, culpava por não aceitar as minhas próprias escolhas. Mesmo que eu faça a escolha errada, mas tornando ela consciente eu irei passar pelo processo de arrependimento e não de culpa, assim mais tarde posso analisar com mais precisão e passar a não julgar, mas sim perdoar e tentar com mais otimismo na próxima vez. No entanto, percebi uma outra coisa, o processo de se tornar consciente das escolhas é com a prática, isso não se torna fácil no começo, como passamos muito tempo fazendo escolhas sem analisar o padrão de fazer as coisas inconscientes se tornou um automatismo (ler no livro No mundo maior de André Luiz – os estágios da consciência). Está aí o vício de pensamentos. Essa reflexão é certa? Mas ainda sinto que falta alguma coisa! Por que ainda vejo que existem períodos que eu não aguento e acabo por sucumbir. Ai meu Deus até quando (risos).

  10. obrigada,por sua resposta,mas eu tenho lido muito sobre espiritualidade,desde,teosofia,antroposofia,hinduismo,budismo,e autores espiritualistas,eckhart tolle ,ken carey,thich nhat hanh,etc..e por isso tento põr todos esses ensinamentos,em pratica,ultimamente tenho lido mais os livros do trigueirinho,o escritor brasileiro que tem o Centro Espiritual aí no Brazil e que se chama Figueira,onde há tambem aparições de Maria mãe de Jesus, por isso pensei que conhecia, peço desculpa.

  11. Jorge, nós não devemos oferecer explicações, mas tê-las a quem se dispuser a aceitá-las. Não podemos, de modo algum, esperar que todo mundo aceite nosso ponto de vista por ele parecer mais lógico e maduro. Geralmente pessoas em momentos de grande dor se revoltam, e qualquer tentativa de esclarecimento nessas horas é inútil e contraproducente. As Leis de Deus são imutáveis e não foram creadas pelo Espiritismo ou por qualquer doutrina. Quem estiver disposto a compreendê-las deve contar com a nossa boa vontade, mas não podemos jamais querer impô-las. Nas horas de maior dor é preferível o consolo ao esclarecimento.
    As Leis não são flexíveis em si mesmas, mas umas interferem nas outras.

  12. Acabei de ler as páginas que você me recomendou, e pelo que eu entendi a Lei de causa e efeito é sim flexível… e que se matarmos não necessariamente morreremos, cabe a nós mesmo abrandar ou anular esse, digamos, “carma”. Mas uma última dúvida eu tenho, essa de ordem um pouco mais prática: como eu posso explicar para um não espírita essa Lei de causa e efeito de forma que ela não a rejeite repulsivamente, por exemplo: Uma criança que é estuprada e morta por alguém, muito provavelmente trata-se de um resgate e um ajuste da lei divina que foi infringida, como eu digo à mãe dessa criança que ela sofreu as consequências da Lei da Causa e efeito sem deixá-la ainda mais revoltada? Cabe a nós estudantes da doutrina esclarecer e consolar fazendo uso da fé raciocinada, nesse caso, como proceder?
    Um abraço

  13. Olá, tudo bem? A respeito do tema queria tirar uma dúvida. Vamos supor um matador de crianças, que desencarna, compreende sua situação e se arrepende trabalhando ativamente no plano espiritual, quando ele reencarnar ele irá fatalmente sofrer a lei de talião? ou o fato de ter melhorado no mundo espiritual contará a seu favor, se ele por exemplo pedisse pra reencarnar e se dedicar a cuidar de crianças, poderia ser atendido? Em resumo: a Lei de causa e efeito é flexível ou inflexível?
    Abraços

  14. Idalina, não conheço “Figueira”, não sei do que se trata. Magia existe, mas antes de pensarmos em magia ou perseguição espiritual devemos nos preocupar com os nossos pensamentos. E, a julgar pela maneira como você se expressa, você não anda nada positiva. Mude seus pensamentos, deseje e faça o bem e tudo muda de figura. Busque leituras edificantes, fuja de notícias ruins, fofocas e conversas negativas. Ore muito, leia o Evangelho. Não existe magia ou obsessão espiritual que atinja alguém que mantenha os seus pensamentos elevados.

  15. Boa noite, Morel. Gostaria de saber se você acredita em magia negra, porque nestes últimos anos a minha vida tem sido uma confusão e tristezas. A última foi a morte do meu lindo gatinho, seria eu que com a minha mente faria isso? Acho que não. Claro que nos tornamos mais pessimistas quando as coisas correm mal, mas daí a causar os nossos sofrimentos seria injusto, ou estarei a ser vítima de perseguição espiritual? Porque quando as coisas parecem a ir melhor, algo acontece, para me fazer sentir culpada, algo ou alguém não me quer ver feliz. Tenho 49 anos e estou só, sem saber bem em quem acreditar, sigo o ensinamento do Trigueirinho aí do brasil, mas às vezes acho-os um bocado desligados dos problemas humanos. Sim, é preciso trabalhar e servir o plano evolutivo, mas quem está longe de Figueira não tem muito esclarecimento, por isso fico em dúvida se esse é o melhor caminho espiritual para mim. Você conhece Figueira? E o que acha? E você acha possível que algum ser desencarnado possa dificultar minhas amizades, meus relacionamentos, e causar-me prejuízos? Ou isso ser feito por magia negra? Agradeço sua atenção.

  16. Ser ou não ser, eis a questão. Assim como nosso corpo é aquilo que come, o nosso espírito é aquilo que pensa. Tem um pensamento que diz existir dois leões dentro de nós, vence o que mais alimentarmos, por isso que as religiões de autoajuda estão cheias, pois as pessoas não sabem pensar, Jesus disse pedi e será dado, já que o pedir é pensamento, a fé é pensamento positivo, costumo pensar que pedir as coisas a Deus é como uma gestação, sim, uma gravidez, quando peço sei que já recebi ainda que demore, mas já estou grávido daquilo que pedi, agora é só esperar nascer. Muita paz.

  17. Olá Morel, por favor seria interessante que você falasse um pouco através de artigo, se for possível, sobre as cobranças vindas da nossa consciência, se é fruto da lei de causa e efeito. Fico grata pelo retorno.

  18. Nós temos a escolha, nós temos o livre arbítrio.Tudo são hábitos. Até, e principalmente, os pensamentos e sentimentos. Somos “viciados” em determinados padrões de pensamento. Não é nada fácil modificar esse quadro. Somos assim há séculos, talvez há milênios. Mas, se quisermos mudar, temos que começar. O primeiro passo é nos tornarmos mais conscientes, nos analisarmos com profundidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.