O Espiritismo e o passado da Igreja Católica | Espírito Imortal

O Espiritismo e o passado da Igreja Católica

A Igreja da Idade Média representava o estágio espiritual da época

A Igreja da Idade Média representava o estágio espiritual da época

Play
Ouça este artigo na voz do autor

É comum, no meio espírita, ouvir acusações contra o passado do Igreja Católica. Falam das Cruzadas, da Inquisição, da caça às bruxas, Joana D’arc na fogueira, e por aí vai.

Às vezes esquecemos que as instituições são formadas por pessoas. É bem possível que muitos de nós tenhamos sido membros da Igreja no passado. Muitos desses abusos que gostamos de citar podem ter sido cometidos por nós mesmos, ou com a nossa conivência.

Os historiadores chamam a Idade Média de Idade das Trevas, como se tudo o que ocorreu neste período fosse trevoso, negativo. Talvez não percebam que a Igreja, instituição mais poderosa neste milhar de anos, foi a guardiã do conhecimento que nos chegou às mãos. Dizem que muito desse conhecimento, como o Evangelho, foi deturpado ou abertamente falsificado. Pode ser que tenham alterado alguma coisa que desagradasse os poderosos da época. Mas a essência chegou até nós, e dificilmente chegaria se não houvesse uma instituição forte e centralizadora que se intitulasse guardiã desses conhecimentos.

A Igreja da Idade Média representava o estágio espiritual da época. Cada degrau evolutivo tem o povo, os costumes, a cultura, a religião, o governo e as instituições que merece. Hoje não é diferente.

Hoje se fala muito dos políticos. Brasília é mais mal falada que Sodoma e Gomorra. Mas quem são os políticos? São seres à parte da creação? São seres trevosos, apóstolos do anticristo? Ou são espíritos encarnados como nós, fazendo o melhor que podem, dando o melhor de si mesmos? Somos realmente melhores que eles? Somos honestos, inteligentes, trabalhadores, dinâmicos, temos visão de futuro, boa capacidade de diálogo?

Alguém colocou eles lá. E, bem ou mal, eles nos representam. Estamos pessimamente representados. Mas eles não usurparam o poder, não o tomaram à força. Foram escolhidos pelo povo, e o povo somos nós. As instituições são o retrato da sua época. Quinhentos anos atrás os poderosos podiam acusar seus inimigos de heresia e usar sua influência para condená-los à morte na fogueira. Os poderosos de hoje roubam para si um pedaço da nação, mandam e desmandam, são acusados e absolvidos e ainda são paparicados por onde quer que passem. Dois mil anos atrás os estádios lotavam para ver as lutas de gladiadores e os primeiros cristãos serem devorados pelas feras. Hoje os estádios lotam para assistir duas dúzias de homens e uma bola, milhares de pessoas gritando e pulando, com sentimentos de amor e ódio por causa de uma bola e umas cores.

O futebol representa um grande avanço em relação às lutas de gladiadores, embora as emoções provocadas sejam parecidas. O poder de hoje, instalado em Brasília, representa um grande avanço comparado aos abusos da Igreja na Idade Média. Nossas instituições acompanham o estágio espiritual em que estamos. E se conseguimos perceber o absurdo, os abusos, as injustiças, é porque estamos alguns passos além da média. Se você tem certeza de que não faria a mesma coisa que Renan Calheiros e Sarney, se estivesse em Brasília, e se você não amaldiçoa o juiz até a sétima geração porque ele não marcou pênalti para o seu time, então você já superou o pior.

Nós somos muitos. Grande parte dos espíritos que estão reencarnados hoje já têm condições de transformar as pessoas à sua volta. O mundo não vai mudar da noite para o dia. O Brasil não vai sofrer uma revolução. A transformação que deve ser feita tem o seu ponto de partida no íntimo de cada um de nós. Nós nos transformamos internamente e espraiamos a transformação em torno de nós.

O Brasil está cheio de pessoas de boa vontade. Cada dia surgem novos movimentos, novas propostas e petições. Estamos recém aprendendo a lidar com a força das redes sociais. As instituições irão mudar quando nós realmente mudarmos. 

11 comentários para O Espiritismo e o passado da Igreja Católica

  1. Morel Felipe Wilkon disse:

    Jéssica, minha opinião não é sábia, é apenas uma opinião. A Igreja Católica é a mais antiga, a mais tradicional, sua origem se confunde com os primórdios do Cristianismo. No século IV a Igreja se foi adotada pelo Império Romano, e desde então suas decisões se tornaram inquestionáveis. Foram mais de mil anos de domínio abosoluto no campo religioso no Ocidente. É lógico que um período tão longo de mando sem questionamento se infundiu na mentalidade de grande número de espíritos, que mesmo reencarnando em meio a outras influências, não se permitem questionar as verdades prontas que lhes são oferecidas.
    Há coisas boas na Igreja Católica, e devemos ser gratos a ela por ter sido a guardiã dos ensinamentos cristãos por tanto tempo. Mas podemos e devemos buscar a Verdade por nós mesmos, raciocinando por nós mesmos, sem nos submetermos a dogmatismos e teologias.

  2. Jéssica disse:

    Olá. Maravilhoso texto. Boa parte da minha família é católica, certo dia em um jantar de família, ao entrar no assunto religião, uma tia minha disse o seguinte: “Porque a Igreja Católica foi a que Jesus deixou para nós seguirmos”. No momento minha reação não foi outra a não ser questionar de onde ela teria tirado aquilo. Gostaria de saber sua sábia opinião sobre isso, sobre essas pessoas que acham “superior” a religião católica. Desde já agradeço.

  3. Morel Felipe Wilkon disse:

    Obrigado por contribuir com a sua experiência, Fernanda. Bela experiência…

  4. Fernanda disse:

    Eu nasci dentro do espiritismo, portanto não tive muitas experiências dentro de outras religiões. Mas já estudei sobre elas, e no espiritismo, tanto na evangelização quanto em casa, cresci aprendendo a respeitar as outras religiões, assim como a necessidade de cada uma existir de acordo com o grau de entendimento das pessoas. Mas gostaria de relatar um fato. Eu entrei em uma Igreja Católica duas vezes na minha vida, quando pequena com a família de uma amiguinha e depois de adulta, meu marido que era católico e seus pais desejaram batizar a nossa filha. Apesar de não existir batismo no espiritismo, não me opus. Bem, eu estava dentro da Igreja, o Padre falando, e eu estava com o pensamento crítico sobre várias coisas, nesse momento um padre desencarnado aparece pra mim, com muita luz, e mostra todo o trabalho espiritual realizado dentro da Igreja. Fiquei maravilhada e ao mesmo tempo envergonhada pelo pensamento crítico que tive naquele momento em que deveria estar com o pensamento voltado para Deus.
    Muito bom o texto e os seus comentários, Morel.

  5. Morel Felipe Wilkon disse:

    Rodrigo, sei dos motivos que levam você a pensar assim, e concordo com o seu pensamento. As duas áreas a que mais me dediquei a estudar foram o Espiritismo e a História. E descobri, depois de muito estudo, que a História é, quase sempre, uma estória contada pelos vencedores. De tudo o que se fala da Igreja na Idade Média, só dez por cento mostra ser verdade. Assim como a Igreja mandou no pensamento ocidental por muito tempo, os renascentistas, iluministas e cientistas que lhes seguiram nos ditaram o seu pensamento, e o seu pensamento é jogar na conta da Igreja todos os males da humanidade.
    Não fui muitas vezes em igrejas católicas. Mas nas vezes em que fui, assim como nas programações de televisão que assisti, nunca ouvi falar de suplício eterno do inferno. Pelo contrário, o que observei são discursos otimistas, pregações lúcidas – mesmo que eu não concorde com elas – e explicações convincentes dentro da sua crença.
    Sei que existe o que você fala. Mas sei também que existe muita coisa boa, muito bom pensamento, boas pessoas, boas ações. Prefiro olhar para elas.
    Eu tenho defeitos e virtudes. Prefiro olhar as virtudes. Olhando minhas virtudes concentro minhas forças nelas, elas se fortalecem, se expandem, e pouco a pouco vão transformando meus defeitos.
    Assim eu procuro ver as coisas.

  6. Rodrigo Pnt disse:

    Talvez muitas pessoas defendam a igreja e muitos indagam que faríamos a mesma coisa ou que fomos nós mesmos os algozes religiosos do passado. Não descarto essa possibilidade, porém não devemos esquecer das pessoas que viraram mártires naquele tempo e isso não foi porque melhor encaixavam-se naquela situação de mártir, mas sim porque nunca concordaram com as heresias que o catolicismo sempre promulgou, preferiram entregar-se à morte a retratar-se porque a igreja lhes pretendia calar a boca, assim como hoje a mordaça da dita teologia tanto católica quanto protestante pretende amedrontar aqueles mais fervorosos e simples. Eu não concordo com um evangelho distorcido e propagado nos corações das massas visando os amedrontar com os ditos suplícios eternos do inferno de fogo e penso que todo o poder da igreja e de suas ramificações deve-se a essa herança maldita de fogo e suplícios onde pretendia-se comprar o céu com a vil moeda e ainda pretende-se isso em muitos lugares onde já fui.

  7. carla mendes disse:

    Maravilhoso, namastê.

  8. Morel Felipe Wilkon disse:

    Obrigado pela colaboração, Josiane.

  9. Josiane disse:

    Existem dois lados da moeda, não ser conivente ou não participar não significa que estamos condenando tal situação ou pessoa, e se prezamos pela honestidade hoje não significa que somos hipócritas e sim que evoluímos, afinal esse é o objetivo de todos nós nessa caminhada. Uma só pessoa não coloca um “mau” político e isso ainda se dá pela falta de cultura que há em nosso país, todos sabemos bem disso. Quanto à igreja católica, muitas coisas ainda continuam como no tempo da idade média, principalmente a reverência ao ouro e riquezas. É aquele velho ditado “cada um precisa fazer a sua parte, independente de qualquer coisa.”

  10. Morel Felipe Wilkon disse:

    Paz para todos nós, Silvoni. Obrigado pelo comentário.

  11. SILVONI DE BIASI disse:

    Bom dia, Morel!
    É isso mesmo que a maioria de nós faz, condenar sem nos perguntarmos se estivéssemos na mesma situação o que faríamos de diferente para melhor ou pior.
    Fiquemos em paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>