Artigos mais lidos, Sexualidade

O sexo casual numa visão espírita

ficar-espiritismo

Atualmente o sexo casual é aceito por boa parte da sociedade, mesmo por alguns conservadores. O artigo que segue é uma opinião espírita sobre o tema. Quem quiser consultar doutrina, procure as questões 696 e 701 do Livro dos Espíritos. 

Há algum tempo sexo era tabu e quem desafiasse esse tabu era mal visto pela sociedade. Mulheres deviam casar virgens. Muitas desgraças familiares, muitos suicídios foram cometidos por mulheres que se deixaram seduzir e engravidaram. Era tão estupidamente grande a vergonha de ser mãe solteira, condenada ao preconceito e falatório para o resto da vida; era tão assustadora a ideia de encarar um pai ultrajado com isso que era considerada a maior vergonha possível, que muitas preferiam dar fim à própria vida.

espiritismo-sexo-casualMuitos abortos clandestinos e perigosos, muitas mulheres especializadas em tirar a vida que se formava nos ventres jovens de mulheres que não conseguiram superar o desejo. Muitos filhos bastardos, nunca reconhecidos, apartados da vida digna e normal. Muitos casamentos forçados na última hora, para evitar que o escândalo de uma gravidez sujasse o nome da família. Muitos casamentos arranjados apenas por interesse dos pais ou para evitar que as filhas ficassem solteiras além do tempo e perdessem o ensejo de arranjar um marido. E com isso o desgosto, o nojo do sexo, a falta de amor e carinho.

Duvido que a geração de agora saiba o que significava tudo isso. Porque hoje a política sexual vigente é exatamente o contrário; hoje o jovem é pressionado a iniciar sua vida sexual cada vez mais cedo, a experimentar o máximo de relações sexuais, a transitar entre pessoas dos dois sexos. Vivemos uma ditadura sexual. Talvez muitos pais não tenham consciência do que ocorre nas escolas, nas ruas, em suas próprias casas.

Em qualquer contato íntimo entre pessoas há troca de energias. Os adolescentes não imaginam que ficar com alguém não é algo apenas momentâneo. Eles ficam durante minutos ou horas, com ou sem relações sexuais. Mas as energias e as companhias espirituais dos ficantes transitam livremente. O sexo forma uma ligação energética entre os parceiros que se estende por muito tempo.  

O sexo casual é tido como uma atividade adulta, livre, em que o único cuidado, se houver, é na prevenção de doenças. Tratam isso como se fosse um avanço, uma grande conquista da civilização, quando na verdade se trata de uma tirania dos instintos. O sexo pelo sexo é um retorno à animalidade. Sexo sem afeto é instinto animal. Os praticantes do sexo casual não gostam de pensar a respeito. Ninguém gosta de reconhecer suas fraquezas, analisá-las e questioná-las. Acham que quem tem opinião contrária à sua é moralista.

Não conheço nenhuma  – nenhuma! – pessoa que se entregue a quantos parceiros se lhe apeteçam, durante a vida, que não sofra a partir de uma determinada idade. Quando o tesão começa a diminuir e a pessoa percebe que não formou afetos, só erotismo, o vazio aperta, o desgosto pela vida, a depressão. Fora a banalização cada vez maior do sexo, a busca por prazeres mais intensos, a experimentação com parceiros do mesmo sexo.

Acho que a homoafetividade deve ser respeitada como manifestação autêntica da personalidade humana. Mas a experiência por curiosidade ou por modismo ou por pressão do grupo é um mergulho no desconhecido. Estão lidando com sentimentos, emoções e sensações energeticamente poderosas, que mais cedo ou mais tarde exigem o reajuste. Aí a dor é inevitável…

Frequentemente sou perguntado pela opinião do Espiritismo a respeito do sexo livre e casual. O Espiritismo não tem como princípio ser um norteador de condutas à maneira dos antigos códices. O Espiritismo deixa claro que temos o livre-arbítrio, que tudo nos é permitido mas nem tudo nos convém, que toda ação gera uma reação.

Mas o mais importante é que sempre estamos acompanhados pelos espíritos que se afinizam conosco. Somos rodeados de espíritos que gostam do que gostamos. Nada que seja estritamente material pode atrair espíritos bem intencionados. O sexo casual, sem afeto, apenas pelo prazer, atrai muitos espíritos que sentem necessidade dessas mesmas energias. Forma-se com eles verdadeira simbiose, trocando energias e influências.

O sexo é uma dádiva de Deus e uma fonte legítima de prazer e rearmonização energética. Mas a vivência do sexo saudável pressupõe afeto. O resto é animalidade.

Antes de comentar, leia este artigo: Espiritismo e os relacionamentos amorosos

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

153 Comentários

  1. Tenho 35 anos e sou casada, tenho uma ligação muito forte com meu marido, começamos a namorar na adolescência e segue até hoje, de minha parte nunca houve qualquer tipo de traição.
    Há alguns meses, no meu trabalho novo, conheci um rapaz, que ficamos muito amigos…uma ligação forte, de ambas as partes, da parte dele acredito ter interesses como homem e mulher, mas da minha parte não é o caso. Durante as minhas preces chego a visualizar o rosto dele, quando nao nos vemos sinto sua falta…mas sem nenhum tipo de sentimento carnal, o que pode ser isso? pode ser encontro de vidas passadas?

  2. Belas palavras. Parabéns, Morel! Realmente, o sexo tem que ser usado com responsabilidade e não apenas para satisfação de nossos instintos, até porque só animais irracionais agem dessa forma; nós somos totalmente capaz de um autocontrole. Muita paz!

  3. Sr. Morel, boa noite. Em 2012 eu traí minha mulher e nos separamos. Na época, minha filha estava com nove meses. Ela sofreu muito, mas eu dizia a ela que éramos mais amigos do que marido e mulher. Que não havia mais desejo. E realmente eu estava ligado a isto. E meu livre-arbítrio me fez escolher a separação, pois ela não queria separar. Me separei pra ficar com a mulher com quem a traí. E assim foi feito. Me relacionei com esta mulher, que é espírita e de família espírita, por cerca de 2,5 anos. Durante este tempo foram muitos momentos bons, mas as brigas eram inúmeras. Eu sentia ciúmes e ela também era agressiva comigo. Até que certo dia, em uma briga feia, ela me xingou e pediu que eu fosse embora e desde então nunca mais nos falamos. Após isso, entrei em uma espiral, mas respirei fundo e ainda respiro e fui atrás de me erguer. Enxerguei o que fiz com minha ex-mulher, de ter terminado o casamento de forma errada, por traição. Hoje nós somos amigos e nos damos muito bem e nossa filha é amada. Ela inclusive já namora. Mas o que ficou foi a separação dolorosa da mulher com quem eu namorei após o casamento, fruto do adultério. Já se passaram 6 meses e simplesmente não há um dia que não sofro por isso, embora esteja passando. Este fato culminou na minha aproximação com o espiritismo, já tem um tempo ando lendo, estudando e frequentando um centro espírita regularmente e fazendo o evangelho no lar. Mas meu pensamento insiste em me trair na lembrança dessa mulher e me faz muito mal. Já sonhei com ela onde estamos brigando, depois ela dizendo que está com saudades. Até que recentemente vi uma foto dela com um rapaz, o que foi muito difícil. Mas tenho estado resiliente, consciente de meu erro com minha ex-mulher e entendendo ser merecedor do que plantei. Para mim a relação de causa e efeito está acontecendo agora. Tenho tentado me disciplinar não sentindo rancor, mágoa e paixões ruins. É difícil. Tenho adotado a técnica citada por Santo Agostinho no livro dos espíritos para me tornar melhor, anotando, pela noite, minhas faltas diárias e aquilo que poderia ter evitado. Mas, ainda, o pensamento neste relacionamento me atormenta. Enfim, não estou parado, irei começar em breve um trabalho de doar meu tempo ao Centro. E exercitado o perdão, embora sinta que não estou preparado para pratica-lo ainda. Gostaria de sua opinião sobre todo este processo do qual tenho todo o discernimento de culpa. Não queria sentir isso, mas ainda fico alimentando esperanças de que está mulher regresse. Muito obrigado.

  4. Mas não tem nada específico? Os 2 são justamente por causas do corpo, no caso, feminino, não tem alguma causa específica? Que eu possa focar mais profundamente?

  5. Lucas, um vício é um mau hábito. Para eliminarmos um mau hábito precisamos substituí-lo por um bom hábito. Estudos recentes demonstram que vícios como o crack podem ser superados se houver motivação. Mas é preciso vontade forte e uma troca de hábitos. Há fóruns na internet que talvez possam lhe ajudar.

  6. Olá Morel,

    O que o espiritismo tem a dizer sobre relacionamento aberto? Quando o casal concorda em se relacionar com outras pessoas? Estou passando por um momento difícil, pois faz uma semana que meu namorado terminou comigo e morávamos juntos. Estávamos brigando muito pelos meus ciúmes e desconfianças que pioraram muito depois que ele comentou comigo que se nosso relacionamento não daria certo, ele iria tentar relacionamento aberto. E agora que ele terminou de vez comigo, continua com a firme ideia de que irá tentar isso na próxima vez. Estou muito abalada e acho um absurdo isso. Claro que tenho que deixar ele seguir seu caminho, mas gostaria de saber a opinião do espiritismo sobre isso. Obrigada.

  7. Gostei muito da forma de esclarecimento sobre traição… casamento e amor na união do casal…
    Deus o abençoe.

  8. Estou aqui só para lhe dizer que o seu site é muito bom. Sou uma pessoa relativamente instruída e o espiritismo é algo que tem estado sempre muito próximo em minha vida. Houve mesmo um tempo em que observei que todos os meus amigos eram/são espíritas! Sinceramente eu lhe digo que acho que eu era muito mais feliz quando não sabia e não considerava a existência de espírito nenhum. Acho que isso perturbou muito a minha vida. Mas é por isso mesmo que sou obrigada a procurar informação e sites como o seu são fabulosos, porque são esclarecedores e moderados, você não faz apologia de nada. Espero que você tenha sempre a proteção necessária, a luz, a tranquilidade e o discernimento para continuar esse trabalho como está fazendo agora. Felicidades.

  9. E para finalizar, a minha vida não é amarga, mas sinto uma espécie de tristeza e decepção quando lido com o preconceito. Às vezes não é por maldade, é por ignorância. Mas o mundo está evoluindo e um dia a discriminação e os rótulos irão desaparecer do planeta Terra. Agora vou fechar essa página. Não quero estender o assunto. Vou continuar acompanhando o seu canal, apesar de tudo.

  10. Você não me conhece para me orientar a aprender a ser mais tolerante com a intolerância do outro. Eu sou tolerante, mas não posso me calar diante de informações erradas, talvez por ignorância do tema. Sociedade heteronormativa pode ser um clichê para você que tem a orientação sexual heterossexual. E justamente por ser maioria, como você mesmo disse, vivemos em uma sociedade heteronormativa sim. Hoje, graças a Deus, homossexuais já têm em quem se espelhar, o mundo está evoluindo. Cresci sem referência alguma. Só de heterossexuais e não tive comportamento heterossexual, com minha mente homoafetiva por pressão social. É necessário ter responsabilidade sobre as opiniões dadas, até porque você é um formador de opinião. Mas pelo seu tom na resposta, vejo que você não está disposto a refletir sobre o assunto. Fique com Deus. O mundo será bem melhor quando aprendermos a olhar os outros com mais empatia. E quando disse que admiro você é porque aprendo muito através dos seus estudos e não porque você diz aquilo que eu penso. Não tire conclusões a respeito dos outros baseado nos seus pensamentos. Paz e bem.

  11. Markus, peço desculpas por não ter respondido antes; seu comentário estava na caixa de spam.
    Markus, quando admiramos o que alguém diz é, quase sempre, porque concordamos com o que é dito. Por isso sou vacinado contra os elogios que recebo. Sei que, na grande maioria das vezes em que elogiam o que eu digo ou escrevo, é porque concordam com o que estou expondo. Muitos chegam a expressar isso: – Você é ótimo, falou exatamente o que eu penso!” – Ou seja, estão elogiando a si mesmas, acham ótimo o que elas mesmas pensam.
    Quanto à decepção, só nos decepcionamos quando criamos expectativas. Se não esperarmos das pessoas que correspondam exatamente às nossas expectativas, jamais nos decepcionaremos com as pessoas. Isso vale para as coisas e situações.
    “Sociedade heteronormativa” é um clichê. Em nosso estágio evolutivo vale, ainda, a lei do mais forte. Alguns costumes (como o consumo e a falta de cultura) são ditados de cima para baixo. Os mais poderosos, que dominam o capital e os meios de comunicação, ditam; o povo acata. Outros costumes são ditados pela maioria. Os heterossexuais são maioria, logo, tendem a considerar o seu posicionamento como verdadeiro.
    O Brasil é grande, não sei onde você vive. Eu moro no centro de Porto Alegre. As experiências entre os dois sexos são comuns e incentivadas entre grupos nas escolas. Vejo isso, sim, como um modismo.
    É evidente que nem todos são realizados na área da sexualidade e da afetividade. É por isso que experimentamos situações em que temos a oportunidade de aprender sobre nós mesmos, principalmente obtendo o autocontrole e a conscientização de que não podemos ser dependentes de ninguém para sermos felizes. Não sou puritano, de modo algum. Mas o sexo casual sempre oferecerá algum risco energético-emocional. Isso não quer dizer que ele seja proibitivo, mas que nós temos que ser cada vez mais conscientes, vivermos o momento, sabermos que o que estamos fazendo terá consequências.
    Não se decepcione tão facilmente. Imagino que você seja homossexual, por isso deve conhecer o preconceito e a intolerância. Somos colocados pela vida nas situações mais adequadas ao nosso aprendizado. Aprenda com a intolerância dos outros a ser mais tolerante. Perceba que todos no Universo são seres individuais, com conhecimentos e experiências diferentes dos seus. Decepcionar-se porque alguém manifestou algo diferente do que pensamos é decepcionar-se por pouco, e isso pode fazer a vida difícil e amarga.
    Seja feliz; um abraço.

  12. Sempre admirei os seus vídeos, mas estou profundamente decepcionado com esta postagem.

    “Acho que a homoafetividade deve ser respeitada como manifestação autêntica da personalidade humana.” Que bom, é o mínimo que se espera de alguém esclarecido sobre a sexualidade humana. “Mas a experiência por curiosidade ou por modismo ou por pressão do grupo é um mergulho no desconhecido.” Por curiosidade é muito comum entre os adolescentes. Agora, essa história de modismo ou pressão social não existe. Vivemos em uma sociedade heteronormativa. Então, pela lógica, pessoas homossexuais é que sofrem pressão para serem heteros e não o contrário.

    Sobre o sexo casual, há casos e casos. Depende das circunstâncias. Uma pessoa que não encontra um parceiro para construir família continua tendo desejo sexual. Isso é uma coisa natural e humana. Não vejo como algo ruim arrumar um parceiro e ter relação com ele, havendo o mínimo de afinidade. A promiscuidade, sim, deve ser combatida. Nem todos são realizados na área da sexualidade e da afetividade.

  13. Olá, gostaria de fazer uma pergunta particular, se tiver como me responder por e-mail agradeço, gostei mto do site e dos assuntos, preciso de ajuda. Desde já agradeço.

  14. Vinícius, qualquer tentativa de generalização é insuficiente para uma explicação satisfatória. Cada ser ou grupo de seres tem suas características, suas trajetórias, e as lições, consequentemente, têm diferentes valores para pessoas diferentes. O que é certo é que qualquer gestação, mesmo que incompleta, é útil para o espírito, que pode precisar desta rápida imersão na matéria para reajustar o seu corpo astral. Para os pais, como vocês, que já estavam se acostumando com a ideia, há o bem dedicado a este espírito, que sentiu-se bem quisto, e há a provável valorização especial da maternidade/paternidade quando ela se concretizar.

  15. Morel, se possível, gostaria de saber a lição que se tira proveito de um aborto espontâneo. Eu e minha namorada não planejávamos filho agora, apesar de termos condições de sermos pais. Ela engravidou, ficamos preocupados, mas já estávamos gostando de sermos pais, mas infelizmente ela perdeu o neném. A confusão de sentimentos foi grande. Estamos bem, e ela está melhorando, mas gostaria de ajudar ainda mais ela, e me ajudar também a entender o porquê disso acontecer. Mesmo que haja várias respostas, gostaria de saber sua opinião. Grato.

  16. Parabéns pelo artigo! Muito tocante e interessante. Hoje penso extremamente diferente de há 10 anos atrás. Antes confesso que algumas vezes o sexo casual me atraiu, eu estava livre, solteira e até hoje ainda estou! tenho 37, ainda não casei, mas hoje olho para trás e vejo que ali nem sequer prazer senti de verdade. Eu me considero uma mulher bonita e usava desse meu charme e beleza para atrair e ficar sem compromisso, porém era mais como se fosse para preencher um vazio, sabe? Certa vez quando conheci um rapaz e fomos ficar juntos minha alma parecia não aceitar aquilo e eu tive uma crise de choro!! Chorava muito mesmo, não aconteceu nada, fui para casa e soluçava de tanto chorar. Hoje estou solteira ainda, há 4 meses, porém, mesmo estando em uma idade que a mulher tem experiência e muito desejo, eu me contenho sim, e absolutamente não aceito mais sexo por sexo.

  17. Rogerio, temos inúmeras existências, e a tendência é que reencarnemos próximos daqueles com quem temos ligações afetivas, sejam boas ou más. Pela afinidade entre vocês dois, é muito provável que vocês já se conheçam há muito tempo, e, por algum motivo, tiveram que manter-se mais separados nesta existência. Um motivo para isso seria (apenas como hipótese) vocês terem desrespeitado seus cônjuges numa existência anterior e ficado juntos. As dores causadas com um ato assim às vezes atingem várias pessoas, gerando ressentimentos e revolta. O espírito (encarnado ou desencarnado) que se conscientiza do seu erro anseia muito por poder ter nova chance no plano material para agir corretamente. A reencarnação é um processo de aprendizado.
    A atitude dela é correta. E, por mais difícil que seja, procure desvencilhar-se dela e prestar atenção ao seu casamento. Ore todos os dias agradecendo a Deus pela oportunidade de ter convivido com ela, deseje felicidade a ela e agradeça também pela sua esposa, afirmando o seu amor por ela.

  18. Olá. Fui de uma religião Cristã por 20 anos, me casei dentro desta religião, mas durante os anos que foram se passando, muitas dúvidas que eu já tinha foram aumentando. Junto com as dúvidas, o meu casamento foi deteriorando e deixei de sentir atração sexual pela minha esposa. Durante um período de crise, eu estava em um processo de afastamento da religião e com a minha relação abalada, conheci uma outra mulher. Ela tinha muitos problemas pessoais, acabara de sair de um relacionamento longo e estava com muitos problemas de saúde. Apeguei-me muito a ela e comecei a ver muitas coisas em comum. Eu a ajudei em várias coisas, dei conselhos e até ajudei financeiramente. Na verdade acabei me apaixonando por ela e mantivemos uma amizade muito, mas muito íntima mesmo. Cheguei a falar pra ela sobre meus sentimentos, ela recuou, disse que eu era casado e tinha uma família linda e que o que eu sentia por ela ela apenas impressão, eu estava me enganando. Achei que ela se afastaria, mas pelo contrário, mesmo sabendo o que eu sentia por ela, mantivemos uma amizade duradoura, com muitos altos e baixos e até momentos tensos nos quais eu confundia as coisas e ela me trazia pra realidade: éramos amigos e nada faria ser diferente, ela não sentia o mesmo por mim. Mas ainda assim continuávamos tendo uma relação de amizade. 5 anos se passaram e neste ano ela disse que queria ficar mais isolada, não iria mais me encher com os problemas dela. Fiquei muito triste, mas ao mesmo tempo acho que este afastamento vai ser bom para nós dois. Eu ainda sinto a mesma coisa por ela que sentia há 5 anos atrás. Continuo casado; minha esposa percebe que hoje sou diferente com ela. Quase nos separamos algumas vezes, mas ainda estamos juntos. Penso que talvez o afastamento desta amiga possa restaurar meu casamento, mas continuo pensando muito nela e meus sentimentos pela minha esposa, embora nobres, não são de marido/mulher. Eu e esta amiga tínhamos uma sintonia maravilhosa e sempre ríamos muito juntos. Ficar com ela fazia o tempo voar. Agora não nos vemos há uns 20 dias e estou sentindo muita falta dela. Mas decidi ser forte e continuar com a decisão que ela tomou e romper definitivamente com ela. Essa minha afinidade com ela pode ter relação com os espíritos que nos rodeavam? Pode ter algo a ver com nossas vidas anteriores? Eu estou muito aflito, queria que este sentimento fosse embora. Parece que falta um pedaço de mim. Algumas vezes isso aconteceu antes, mas não era com esse teor tão forte. Agora parece que ela decidiu mesmo este rompimento.

  19. Perfeita sua colocação, Morel!

    Realmente, não podemos culpar os espíritos quando passamos por sofrimentos. Sabemos que existem dois tipos de CAUSAS DE AFLIÇÕES: AS ANTERIORES E AS ATUAIS.
    As Anteriores, teremos que resgatar, uma vez que tratam-se de comportamentos equivocados de vidas anteriores, que nessa temos que resgatar.
    Contudo, existem as Causas Atuais das Aflições, ou seja, são as que sofremos aqui e agora em consequência de comportamentos contra as Leis Divinas nesta encarnação.
    Portanto, vigiemo-nos 24 horas por dia para que estejamos sempre em companhia de amigos do Plano Maior, que podem nos ajudar, alertando-nos quando estamos propensos a não agir de acordo com a Moral Cristã.

    Abraços, amigos!

  20. Henrique, não podemos terceirizar a responsabilidade que é exclusivamente nossa. Nenhum espírito é capaz de nos fazer desejar algo de que realmente não gostamos. Homossexualidade não é doença, você deve saber disso. Compreendo que isso gere conflitos em você, e independente disso, é um ato de traição à sua esposa, pois você é comprometido.
    Não espere soluções fáceis. Você deve vencer a si mesmo, e isso, como a vitória sobre qualquer vício, acontece todos os dias.
    O único meio de reconstrução pessoal que conheço é a radical mudança de atividades. A dedicação profunda a alguma área de interesse, de preferência ligada à espiritualidade, que traga benefício ao próximo, é o alicerce para o caráter que queremos moldar.
    Isso leva tempo e exige muita dedicação.
    É preciso renovar o pensamento, mudar os hábitos, ler, estudar, espiritualizar-se.
    O tratamento no centro espírita é válido e pode ser muito eficaz, afastando companhias menos esclarecidas. Mas o responsável pelas nossas companhias espirituais sempre somos nós mesmos. Não culpe espíritos. Provavelmente o que eles fazem é incutir coragem para que você faça o que você gostaria de fazer. Se você se envergonha dos seus atos e considera eles realmente impróprios, seja forte. Use a sua força. Não existe esse negócio de “isso é mais forte do que eu”. Se você REALMENTE NÃO QUER, você não faz.
    O caminho é a espiritualização. Sempre é possível dar a volta por cima, não tenha dúvidas quanto a isso. O tempo é um grande aliado de quem trabalha por si mesmo. Faça a sua parte e o tempo fará a parte del, deixando esses atos no passado, sem grande importância.

  21. Bom dia Morel
    Sou casado, tenho 31 anos, Há 5 anos frequento a doutrina espírita.
    Sou viciado em pornografia na internet. Dificilmente passo alguns dias sem acessar sites sobre esse tipo de conteúdo e nessas buscas acabo pesquisando e vendo de tudo. Apesar de minha ciência de meu vício, nunca busquei ajuda. Achava que seria capaz de controlá-lo.
    Cerca de 3 anos atrás, já frequentando a doutrina, não consegui resistir à tentação e me submeti a uma relação homossexual.
    Apesar do remorso e arrependimento, pelo mal que estava praticando a mim mesmo e a toda minha família, repeti por mais 2 vezes, isso mostra que não tenho controle sobre mim mesmo.
    Recentemente minha esposa descobriu. Fui honesto e abri o jogo sobre tudo o que aconteceu e estava certo que o divórcio era certo, porém ela me ouviu e mesmo muito decepcionada e humilhada, decidiu reconsiderar temporariamente, pois disse a ela que sou doente e irei buscar tratamento médico e espiritual.
    Ela está muito triste porque acha que foi culpa dela, acredita ter faltado em algum momento e eu afirmei que o problema é comigo.
    Preciso de uma ajuda/orientação para tratamento particular e para tratamento de minha família. Quero me livrar dessa culpa que sinto, dessa sensação de angústia que tomou minha família. Quero afastar esses espíritos que se aproveitam de minhas fraquezas.
    Por onde começar?

  22. Que legal ler uma opinião objetiva e clara mas ao mesmo tempo equilibrada… confesso que me ajudou a repensar o assunto… não raro sinto como se energia saísse de mim após sexo puramente casual… por isso pesquisei o assunto e sua opinião foi de grande ajuda. Obrigado.

  23. Adorei o texto! Porém peço um esclarecimento em relação ou meu caso!
    Sou casada há 10 anos, amo meu marido. Mas desde o início do casamento até hoje não tenho vontade de fazer sexo com ele. Faço na maioria das vezes para agradar. E ele está sempre insatisfeito com a frequência. Qual será o meu problema? O que me aconselha?

  24. Grazi, pecado, no sentido bíblico, quer dizer erro. Qual a diferença entre manter vida sexual ativa antes ou depois da formalização de um compromisso? Nenhuma. O compromisso que importa é o compromisso sentimental, deve haver afeto e respeito. Só isso.

  25. Eu sou jovem ainda, não sou casada, mas tenho namorado, e eu amo muito ele e sinto retribuição de amor da parte dele por mim, nós planejamos futuro juntos, casamento futuramente e várias coisas, temos vida sexual ativa, com tudo isto eu tenho grandes dúvidas, dizem que sexo sem ser pecado apenas no casamento, não somos casados mas temos o laço do amor, não colocamos o sexo acima da relação, queria saber se nós termos relação sexual é pecado, mesmo tendo amor, companheirismo, respeito e planejamento entre ambas as partes.

  26. Jorge, é a primeira vez que vejo alguém associar o Espiritismo ao chamado cristianismo gnóstico. O Espiritismo não adota o Evangelho de Tomé, Jorge. Aliás, a imensa maioria dos espíritas nem sabe que existe um Evangelho de Tomé…

  27. Sou cristão e frequento igreja tanto católica quanto evangélica de origem inglesa.
    Sou adulto e de vez em quando acontece os encontros casuais, ou de uma amizade ficar colorida.
    Gostei da explicação desse site, sei que o espiritismo é classificado como cristianismo gnóstico, pois tem inclusive o evangelho de Tomé que não é incorporado na tradicional Bíblia católica ou protestante (Ferreira de Almeida).
    Precisava de uma explicação dessa com uma abordagem diferente da Bíblia, da psicologia freudiana, e de outras formas de análise médica ou da sociologia jurídica.

  28. Rafaele, a razão principal da monogamia é disciplinar os nossos instintos para desenvolvermos os nossos sentimentos. Muitos, talvez a maioria, ainda não consegue perceber o valor disso. Não podemos julgá-los, pois também somos falhos. O que é mais grave: trair por necessidade de prazer e emoções diferentes ou trair como uma espécie de vingança, sem interesse específico, só porque foi traído e acha que pode ou deve devolver na mesma moeda?
    Sou radicalmente contra “relações abertas”. Acredito que, no futuro, quando não estivermos presos a sentimentos de posse, teremos outros tipos de relação. Mas isto ainda está longe.
    A raiva e mágoa que você sente fazem mal a você, não a eles. É um veneno que você produz e você mesma toma.
    O que você vai fazer é você quem deve decidir. Mas não se sujeite a situações que contrariem seus valores.
    Outra coisa: isso que sentimos não é amor, viu? Chamamos de amor, mas é outra coisa. Se fosse amor, você não sentiria mágoa por ele.

  29. Admiro seu site, sua forma de pensar sobre o tema e seu conhecimento espírita. Aproveito este espaço para pedir também uma orientação. Meu marido sempre foi mais seco, pouco afetuoso em público e até mesmo entre quatro paredes. Com a mãe dele também sempre foi mais distante e o pai ele não conheceu. Apesar deste jeito tímido e pouco carinhoso ele possui qualidades como paciência, calma, inteligência… o admiro muito! Resumindo, ele foi se isolando no computador, celular e TV. Pouco diálogo. Eu sempre acolhendo, perguntando, dando amor e carinho. Um dia cansei e comecei a ignorá-lo e falar em divórcio. Depois de estudar e ler sobre relacionamento e espiritismo resolvi mudar a tática. Comecei a dar atenção novamente e a declarar amor dizendo e fazendo coisas que ele gosta. Conversei com carinho e mesmo quando ele não queria falar dava um tempo e depois com muito jeitinho pedia se ele podia então me ouvir, caso não quisesse falar. Abri meu coração a ele, chorei e disse sobre amor, Deus, psicologia e religião. Depois disso ele se abriu, me deu presente, me levou pra sair, começou a fazer análise, começamos a nos aproximar mais em todos aspectos. Deixamos nosso filho uma semana na casa da avó em outra cidade, pois moramos longe das nossas famílias.Umas duas semanas depois destes dias muito bons, eu descobri sua traição. Descobri pelo Face. Foi uma decepção! Mas pelas conversas ele parecia estar saindo fora dela, se afastando. Ela mesma diz isso nas conversas. Ele pediu perdão e eu pedi um tempo para pensar. Dois dias depois ele diz que procurou a menina pra por um ponto final, mas foram parar num motel. O ex dela foi na minha casa falar onde estavam. Eu fui e fiquei com outra pessoa uns dias depois e isso me fez mal. Eu perdoei, o aceitei de volta, mas ainda sinto ódio pela menina quando a vejo, ainda tenho mágoa dele também. Sei que tive erros, muitas vezes dediquei pouco a ele na relação, fazendo poucos agrados e sim criticando em suas falhas. Ele diz que quer uma chance, arrependido, mas que seria bom se tivéssemos um relacionamento aberto pelo menos de ano em ano. Trair sem culpa? Por que precisa ficar comigo, mas eu o liberando a ficar com outra? O amo muito… não sei o que faço.

  30. Flavio, nossas mentes sintonizam com todas as mentes que estiverem na mesma frequência. Qualquer espírito só terá acesso a nós se nós tivermos algo em comum com ele. Um espírito viciado em sexo, ou vampirizador de energias, aproxima-se e influencia as pessoas dentro das quais ele encontra alguma fraqueza que possa explorar como “porta de entrada”.

  31. Olá muito bom o texto. Então uma dúvida: sou espírita, a minha relação com o sexo é bem parada, vejo que o meu controle em relação a fazer sexo é tranquila, mas às vezes me vem uma vontade grande e acabo procurando parceira que nem conheço, tenho 24 anos e sexo casual pratiquei umas 4 vezes em toda a minha vida, essas ocasiões podem acarretar a presença de espíritos que estejam viciados em sexo? Mesmo eu fazendo sexo uma vez na vida e outra na morte? Observação: não tenho namorada porque dos relacionamentos que tive nenhum deu certo porque o sentimento de amor, paixão, querer a pessoa perto ainda não apareceu.

  32. Suzana, você tem suas respostas. Fortaleça-se com o esclarecimento espiritual. Frequente um centro espírita, leia, estude, mude o foco. A decisão sobre o que fazer compete a você. Busque equilibrar-se espiritualmente para encontrar a melhor solução. Não se culpe. Não podemos mudar as pessoas se elas não estão preparadas para isso.

  33. Boa noite Morel,
    Parabéns por seu site, ele é um grande consolo para quem no mundo de hoje procura e acredita em coisas voltadas ao espírito.
    Tenho passado por muitas provações e a dor realmente tem me ensinado bastante, hoje consigo me ver como um ser humano falho e longe do que imaginava que era antes de me questionar sobre minhas reais atitudes. Hoje julgo menos e tento aceitar mais os outros e suas diferenças.
    Bem, o fato é que sou casada e meu marido parece está sempre em busca de outras mulheres, seja para o sexo casual, virtual ou para envolver-se, é muito duro para mim falar isso de forma tão clara, mas não consigo mais me enganar e viver na mentira. O fato é que ele sempre nega tudo e fala que me ama e quer ficar junto… Temos dois filhos gêmeos e estes ainda são pequenos… Quando me deparei com essa dura realidade resolvi me modificar primeiro e rever como eu andava agindo como esposa, descobri muitas falhas minhas, muito egoísmo, falta de aceitação e desamor, desde então venho trabalhado isso em mim de forma silenciosa.
    Queria poder nos ajudar mais, mas meu marido é uma pessoa muito fechada ao diálogo e não tem religião, seus amigos todos traem as esposas e fazem disso uma grande brincadeira. Temo por nós dois e queria poder fazer mais… Por favor, me de uma palavra, obrigada.

  34. Muito bom o seu texto, me esclareceu bastante coisas.
    Mas uma coisa que não compreendo, é que os especialistas e médicos falam que a masturbação faz bem para a saúde! E sobre as pessoas que não têm compromisso algum, são solteiras, e se masturbam para aliviar as tensão ou até mesmo porque gostam?

  35. Andrea, temos que considerar que nossas crenças não são apenas as crenças conscientes a que temos acesso. Em nosso subconsciente estão gravadas todas as informações com que trabalhamos em todas as nossas existências. Somos hoje o resultado de milênios de evolução, e a maneira como vemos as pessoas e como as pessoas nos veem está vinculado a isso.

  36. Boa noite,
    Seu texto é esclarecedor e gosto de estudar a doutrina. Porém no meu caso nunca encontrei o afeto recíproco e o sexo então era um “casual estendido”. Comecei a frequentar uma casa espírita e me afastei desses relacionamentos fugazes, porém é inegável que o desejo sexual é latente e eu não sei o que fazer…
    Não tenho um afeto, embora gostaria de ter…
    Fico me reprimindo literalmente e não estou me envolvendo com ninguém… Não porque não quero um relacionamento, mas os “pretendentes” são comprometidos e só querem me usar…
    Enfim… Tanta gente solteira e tanta gente se desencontrando…
    Que sinuca…
    Será que estou com uma crença tão forte que não sou merecedora, ou que todos os homens são iguais e por isso só estou atraindo esse tipo???
    Valeu pelo desabafo.

  37. Adson, não sei que tipo de reunião ela está frequentando. Se for reunião espírita (ou o que chamam de espírita kardecista) provavelmente ela está se espiritualizando, ela está entrando em contato com outros conhecimentos, com outros modos de pensar. O Espiritismo trata, em primeiro lugar, dos ensinamentos morais do Cristo, e talvez ela esteja passando por uma fase em que acha que o sexo seja uma coisa secundária, sem muita importância.
    Não sou conselheiro sexual, e não sei que tipo de homem você é. Mas, pela sua preocupação, percebe-se que você gosta da sua mulher. Se gosta dela, procure interessar-se pelas coisas dela. O que está acontecendo é que ela está entrando em contato com um mundo que é completamente estranho pra você. Vocês estão perdendo os pontos de contato. Tenho certeza que se você se interessar por ela, pelo que ela faz, pelo que ela pensa, pelo que ela aprende, pelas coisas que ela vem descobrindo e sentindo, a intimidade de vocês dois irá aumentar e a relação como um todo, inclusive a parte sexual, irá melhorar.
    Algumas pessoas, e esse pode ser o caso dela, quando entram em contato com alguma religião, deixam o sexo de lado, como se fosse uma coisa suja ou feia. Elas terão que descobrir que não há nada de errado com o sexo, pelo contrário. O sexo é troca de energias, e as pessoas que têm uma vida sexual equilibrada vivem melhor em todos os sentidos. Mas a sua mulher só vai descobrir isso se você ajudá-la. E não vai ser na base da insistência ou das brigas que você vai conseguir fazer isso.
    Se você gosta realmente dela, conquiste-a novamente. Seja carinhoso e lembre-se de que ela é um ser como você, com pensamentos e vida própria. E ela irá se interessar mais por você se perceber que você se interessa por ela.

  38. Preciso de uma resposta urgente. Estou casado há 14 anos, nossa vida sexual era ótima com minha esposa, sexo oral e normal, agora minha esposa frequenta na casa de minha vizinha, reunião de espírita, hoje ela não quer mais o sexo oral, fica mais tempo sem relação e por isso estamos sempre discutindo, tem alguma a coisa a ver?

  39. Prezado Morel,
    Muito legal o enfoque que deu e a possibilidade de aprendizado com outros assuntos que tangenciou. Primeira vez que tive contato. Super!!

  40. Adorei seu artigo, infelizmente muitos jovens pensam assim que devem “aproveitar ao máximo o bom da vida”. Me sinto muito mal quando surgem os desejos e vontades, pois tenho conhecimento do que acontece num caso de sexo casual. É muito difícil manter o controle, ainda mais sendo virgem aos 18 anos e com tantos amigos dispostos a tirar a minha virgindade… acho isso tão ridículo quando falam isso para mim que só me resta rir e não responder. Queria saber se é “errado” ou prejudicial o sexo quando só exista paixão, afinidade, companheirismo, carinho e atração, e o “amor de casais” … que não seria o amor incondicional? Obrigado e abraços.

  41. “… por não saber ceder ao desejo”
    O correto não seria: …por não saber resistir ao desejo”?

  42. Olá mas uma vez! Sigo dizendo que não tenho conhecimento algum e que não tenho embasamento qualquer, mas gostaria de deixar minha opinião ou minhas dúvidas, seja como for… Eu sempre me pego pensando nas relações amorosas, não só as minhas como das pessoas que conheço, leio sobre o assunto, embora não sobre o ponto de vista espírita… A homossexualidade no momento tem estado em questão muito grande. É lógico que há de se respeitar a concepção de cada um sobre sua condição, transexual, bissexual etc… Certo dia me peguei pensando, talvez estejamos todos errados na nossa concepção de mundo e de afeto e não necessariamente sejamos possíveis de se classificar. Talvez a evolução seja desejarmos não por nossos estereótipos, mas por nossos sentimentos e isso traria à tona no meu ver um amor menos possessivo e menos também punitivo, pois a necessidade que temos dos padrões, fazem com que não aceitemos quem somos. E consequentemente não se pode amar de verdade sem se amar de verdade. Gostaria de saber seu pensamento e o que seu estudo da visão espírita tem a dizer sobre isso!

  43. Não acho que você deva se incomodar com isso. Se você vive bem assim, é o que importa. Não lembro de literatura a essa respeito. Sabemos que a atração sexual é a maneira que a Vida nos oferece para que nos sintamos atraídos e formemos grupos. Talvez você tenha superado essa necessidade ou apenas não precise disso na existência atual.

  44. Antonio, agradeço pelo seu aviso. Há uma grande distância entre o acatamento do estudo teórico e prático e o fanatismo. A não ser que você considere fanatismo a seriedade em relação a todos os aspectos doutrinários. Você se diz estudioso do Espiritismo há mais de trinta anos. Mostre-me onde eu estou contrariando a doutrina e eu retificarei o artigo.
    Não há nada de 8 ou 80, Antonio. As palavras “promiscuidade” e “pecado” são coisa da sua cabeça, não são expressões e nem conceitos utilizados por mim. Talvez você deva reler o artigo; verá que chamo a atenção para o sexo sem afeto, que você, por sua vez, chamou de “qualquer ligação que tenha afinidade e amor”. Estamos falando da mesma coisa, não estamos? O que eu chamo de afeto você chama de afinidade e amor. Então onde está o ponto em que você não concorda?
    Costumo lidar bem com as críticas, Antonio; mas elas devem ser bem fundamentadas. Não é o seu caso. Continue estudando.

  45. Olá Morel.
    Eu sou assexual, ou seja, não sinto atração sexual e romântica nem por homens e nem por mulheres. Acredito que eu nasci assim, pois desde a adolescência nunca me encaixei e segui o “padrão” esperado: se apaixonar por alguém, paquerar, namorar, fazer sexo. Não vivenciei nada disso. Mas ao contrário do que muitos possam pensar, ser assexual não me faz uma pessoa fria e sem sentimentos, pois amo meus amigos, amo minha família, só não sinto o amor “eros”, o amor do romantismo e do sexo. O Espiritismo fala alguma coisa sobre assexualidade? Existe alguma explicação espiritual para uma pessoa ser assexual?

  46. Amigo, você está confundindo um pouco as coisas no espiritismo, tirando conclusões precipitadas. É muito fácil você contrapor 8 ou 80, se é que me entende, o mundo não é só bem e o mal, o mundo não é sexo divino x promiscuidade. O mundo é de todos espíritos e estes espíritos estão em diversos graus de evolução de entendimento. Qualquer ligação que tenha afinidade e amor, nos seus mais diversos níveis de evolução não é “Pecado” rsrsr… Aviso ao amigo… cuidado com o fanatismo!!! É mil vezes pior que o ateísmo… ahhhhh, sou espírita Kardecista, convicto e estudioso há mais de trinta anos. E lembre-se, tudo é a lei da evolução, ninguém dá um passo maior que a perna, e ninguém dá um passo sem estar preparado. Livre arbítrio é essencial para evolução dos espíritos.

  47. Anônima: O que dá a entender pelo seu relato é que você não procura a pessoa especial, mas a pessoa perfeita.
    Não existe pessoa perfeita. O sexo deve ser realizado com alguém que você ama e confia. O sexo não é pecado como algumas religiões pregam e isso não quer dizer que devemos sair transando com o primeiro que aparece.
    O sexo é um ato íntimo, uma troca de energias. E se é energia não deve ser guardado a sete chaves, assim como não deve ser liberado para qualquer pessoa, não obstante, essa busca pela pessoa perfeita é um tanto quanto ilusória. Os nossos pensamentos possuem um poder de realizar aquilo que idealizamos e certamente, de tanto você procurar a pessoa perfeita, ela irá chegar, e irá pensar da mesma maneira que você: “Será que ela é perfeita?” E ao observar que não és, o doce encanto chegará ao fim – Então, anônima: Você chega a seguinte conclusão, Eu não sou perfeita, como posso exigir a perfeição de alguém? E isso é o fruto das tristezas, das decepções amorosas, das fantasias não realizadas e do coração partido.

    Ore e pratique a vigilância. Essa vigilância não deve ser para com os defeitos alheios, para os “erros” do seu parceiro no passado, e sim em uma viagem em direção ao seu interior, bem juntinho da sua intimidade. Reze, reveja os seus atos, foco na reforma íntima! Que certamente os seus pensamentos irão convergir para com o universo e ele irá te retribuir com a “pessoa certa”, não uma perfeita, se não, essa pessoa não estaria nesse mundo de encontros e desencontros em que vivemos, mas – certamente, será: a pessoa que encaixa perfeitamente no seu coração. Sucesso!

  48. Maverique, o grau de ignorância ou desconhecimento varia de pessoa para pessoa – ou de espírito para espírito. Presume-se que quem procure informar-se num site que trata predominantemente de Espiritismo tenha o propósito de superar a própria ignorância. Nossa ignorância é relativa, e não pode servir de pretexto para que cometamos erros. Por mais ignorantes que sejamos, já temos condições suficientes de analisarmos o que convém e o que não convém.
    Jesus disse que o tropeço é inevitável, mas ai daquele por quem vier o tropeço. É evidente que muitos dos nossos aprendizados nós os adquirimos através dos erros. Mas isso não nos isenta de arcarmos com as suas consequências. E se já temos consciência de que respondemos pelos nossos atos, podemos usar nossa inteligência e aprender com o erro dos outros. Quem é ignorante completo em determinado assunto provavelmente terá que experimentar para concluir por si mesmos. Mas ninguém é completo ignorante em matéria de sexo, ao menos levando em consideração a pluralidade das existências. Nossa inteligência nos permite aprendermos pela observação, e não apenas pela experimentação direta.
    Fora isso, é preciso deixar claro que o crescimento espiritual e a consequente conquista da paz interior depende do afastamento gradual da materialidade. É a busca pelos prazeres transitórios da matéria que nos atrasa a evolução. Não há como conciliar desenvolvimento moral e experimentação carnal sem compromisso.
    Esse “não ter medo de errar” é o argumentozinho usado por Aleister Crowley, autointitulado “a besta 666”, que influenciou artistas como Raul Seixas e que, assim como todos que o seguiram, só encontrou a decadência.
    É verdade que através dos erros aprendemos profundamente. Mas todos nós já passamos por isso, todos nós já experimentamos em muitas existências, e não precisamos de mais dor. Não precisamos ter medo de errar. Só um pouco de inteligência.

  49. Bom dia. Eu acredito que somos muito ignorantes para avaliarmos o que é positivo ou negativo. Penso que tudo existe por um motivo, guerras, doenças etc, para que possamos entender porque é bom ou ruim determinadas atitudes. Não acredito no aprendizado apenas por ter contato com as idéias de um sábio, mas sim vivendo na carne. Por isso, acredito que praticar sexo sem amor, pode parecer negativo à primeira vista, mas penso que num futuro isso posso nos trazer uma bagagem para que possamos analisar o que foi bom e o que foi ruim deste comportamento. Ninguém aprende apenas acertando. Por isso, sou a favor de que quem tem vontade de ser liberal, que seja, e depois reflita não pelo que é dito neste site, mas pelas suas experiências. Não tenham medo de errar, só vivendo os erros e acertos é que aprendemos de maneira verdadeira e não superficial.

  50. Não vivemos em um mundo ideal. Se você esperar pela pessoa idealizada por você, talvez não a encontre nunca.

  51. Boa noite! Eu tenho 26 anos e ainda não tive relação sexual, pois sempre achei que o sexo não deve ser banalizado e sim feito com alguém que se gosta e comigo quero que seja com alguém especial, não apenas a primeira vez, mas sempre. Hoje gosto de uma pessoa que por muitos anos tinha relações sexuais por apenas instinto e pouco se importava. Eu sei que não devemos julgar o próximo, mas infelizmente não vejo com bons olhos ele (apesar dele ser muito bom para mim em outras coisas, me dando apoio etc). Tenho conversado com amigos buscando uma ajuda, tenho pesquisado diversas coisas e me pergunto se vale a pena estar com alguém assim. Há dias tenho pensado nisso, e apenas consegui ficar triste, perder um pouco do interesse por ele.

  52. Aline, o que importa, realmente, é o que você está hoje. Aprendemos com as experiências, não há outro modo. Você não repetirira o que fez e não permitiria que suas filhas fizessem o mesmo. Você aprendeu, certamente, a julgar menos, pois quando vemos as pessoas não sabemos da sua real situações e o que se passa no seu íntimo. Viva a sua vida, dê o melhor de si mesma para as pessoas que convivem com você. Seja uma ótima mulher para o seu marido, seja uma mãe exemplar para os seus filhos. O passado é passado. Jesus disse para a mulher adúltera: vá e não tornes a pecar. Só isso. Não a condenou nem lhe deu lição de moral. E é exatamente assim. Depois que aprendemos com os erros, não devemos repeti-los. Mas há muitos erros mais graves que o seu. Inúmeras pessoas que aparentam honestidade e correção cometem erros mais graves do que você cometeu.
    Desligue-se do passado. Perdoe-se. O significado original da palavra perdoar é desligar. Desligue-se. Agradeça a Deus pela sua família, seja feliz. Não deixe que o passado interfira na sua vida. O dever que você tem, agora, é de dar o melhor de si. Só isso.

  53. Tenho 33 anos, casada, mãe de 5 filhos, me prostituí aos 18 anos e depois aos 21, e hoje me sinto muito mal em relação a isso, sei que não fiz mal pra ninguém, só pra mim mesma, mas me sinto péssima, fico pensando o atraso que foi na minha vida, mas por outro lado penso que se não fosse pela prostituição não teria conhecido meu marido que estou há 12 anos, morro de medo de um dia minhas filhas virem a saber disso.

  54. Jaque, a opinião dos outros é a opinião dos outros. O que vale para você é a sua opinião. Você responde pelas suas decisões. Não permita, então, que os outros decidam por você.
    Se as pessoas que aconselham isso pra você são comprometidas, é porque elas gostariam de estar no seu lugar. Isso não quer dizer, de modo algum, que seja melhor estar livre para transar com quem quiser. É que muitas pessoas acham a situação do outro melhor que a sua, nunca estão contentes com a sua vida.
    Sexo fácil e sem afeto não é o ideal para ninguém. É apenas satisfação momentânea, sem a construção de sentimentos e sem aprendizado espiritual. Não estamos aqui para “aproveitarmos a vida”, mas para aprendermos na Vida.

  55. Ola Morel, muito interessante o texto , mas vivo uma situação parecida com muitas mulheres de minha idade… tenho 43 anos, divorciada, um filho de 11 anos, independente financeiramente. Nunca fui feliz na parte afetiva e a cada tentativa frustrada de relacionamento as pessoas em volta me dizem que sou “boba” por almejar um relacionamento sério, dizendo que devo “curtir” a vida, sendo que estas pessoas estão com seus devidos parceiros… será que estou no caminho errado mesmo? será que estou errada neste pensamento de encontrar um companheiro? Me sinto muito sozinha e as pessoas me culpam por isto… ou será mesmo que devo desistir de encontrar alguém, já me sinto envergonhada diante de minha família e amigos por tantos fracassos, neste contexto as pessoas em volta querem sugerir que o sexo fácil e sem afeto é o ideal pra mim e me repreendem quando insisto em querer algo sério… Abraços.

  56. Independentemente de visão espírita, acredito que o sexo casual seja o sexo praticado sem nenhum compromisso entre as partes.

  57. Morel,

    Estou um pouco confusa em relação ao que realmente seria sexo casual. Sexo casual em uma visão espírita, seria todo e qualquer sexo que não acontece dentro de um relacionamento estável?

  58. Sr. Morel
    Boa noite
    Acho sexo complicado… não podemos falar francamente com o parceiro sobre o que não gostamos ou queremos. A pessoa melindra-se e para não “perder” a pessoa ficamos caladas. Com isso nos anulamos, e mesmo assim acabamos “perdendo” a pessoa, pois ninguém afeiçoa-se a quem tem baixa autoestima o aparenta ter personalidade fraca. Além de tudo, a sociedade cobra muito mais da mulher do que do homem, pelos erros cometidos em sexo. Vejo as jovens afoitas em começar a vida sexual, sem maturidade para tal, e fico com piedade… enfim, talvez seja eu que não saiba mesmo lidar com isso.
    Mas de uma coisa tenho certeza: Sexo sem amor, não vale a pena.
    Mariá

  59. Fabiane, é você quem tem que se ajudar. Não podemos chamar de provação os erros que nós cometemos conscientemente. Quando você diz que sabe que é errado mas “não consegue” ficar longe, você está determinando a si mesma o que você consegue e o que você não consegue. Entenda que isso não é um julgamento, mas nós temos escolhas. Se meu vizinho deixa a porta da casa aberta todos os dias eu não posso roubá-lo alegando que “não consigo” resistir. Todos temos fraquezas, todos passamos por situações difíceis. Mas a maior parte das soluções só depende de nós mesmos. Ninguém pode impedi-la de encontrar-se ou envolver-se com outra pessoa a não ser você mesma.

  60. Querida irmã Cristina, certamente o exercício da convivência é em alguns momentos e aspectos muito difíceis, porém, a busca de um sentido maior, leva a alcançarmos maior realização. As pessoas que passam em nossas vidas, naturalmente trazem preciosos ensinamentos, e não necessariamente ficam eternamente. O amadurecimento que alcançamos, com as experiências desagradáveis, leva-nos a ter maior firmeza para prosseguir.
    Uma experiência frustrada, de curta ou longa duração, não é o fim. Nem podemos “aprisionar” alguém, pela simples razão de que nos é confortável sua presença; muitas vezes, é preciso abrir mão, até para que Deus nos livre de algo em nossas vidas, que já não tem mais contribuições a dar, para o crescimento mútuo.
    A programação feita entre existências nem sempre coincidem com nossos planos em vida no corpo físico, nem com o projeto maior, portanto entender a falibilidade de nossos planos é abrir-se para um avanço maior, na escalada evolutiva.
    Quando a harmonia não impera mais, melhor que cada um busque novos caminhos, até, para que algo que foi bom por um tempo, não se torne um tormento de longo curso.
    Abrir-se para o novo, com fé, orações, estudos e práticas da caridade, é o caminho para a mudança de nosso padrão, quando nos situaremos em faixa mais propícia a encontrar o concurso de pessoas que mais se afinizam a nós, em melhores condições.
    Que Deus lhe abençoe abundantemente.

  61. Oi, me ajudem por favor!!!
    Sou estudante de direito e sempre me senti atraída desde pequena pela doutrina espírita, minha mãe desencarnou ainda quando eu tinha 10 anos, muito com meus irmãos, minha vida sempre foi difícil, sou uma pessoa revoltada, sempre pensei se minha mãe não tivesse morrido minha vida teria sido diferente. O problema é o seguinte: convivi por 5 anos com uma pessoa, tive 1 filho e essa pessoa me traiu, me separei, sofri muito, passou um tempo, conheci uma pessoa que estou há 10 anos e temos 2 filhos, mas acontece que encontrei uma pessoa do passado de quando era adolescente e não conseguimos ficar longe, sei que é errado, mas não consigo.
    Ninguém acreditou quando ficaram sabendo o que eu fiz, eu me sinto culpada, errada, não sei que decisão tomar. A nossa vida conjugal está difícil. O que não entendo por que isso foi acontecer agora quando estou com 36 anos, nunca fiz isso antes, nem quando fui traída descontei, eu queria saber saber é provação. Não consigo separar do meu marid,o sinto gratidão por ele, e também tem os meu filhos. Tenho dó do meu marido, ele tem a mente um pouco fraca. Em minha cidade não tem centro espírita, queria tanto frequentar pra alguém me ajudar.

  62. Cristina, bom dia, comigo vem ocorrendo exatamente o que ocorreu com seu ex-esposo. Nossa, tínhamos relações sexuais normalmente até que minha esposa começou a sentir essa tal “repulsa” e isso já faz um bom tempo. Digo a você, de lá para cá o relacionamento acabou, e sinto essa necessidade de viver com outra pessoa que possa preencher essa lacuna, mas devido à experiência seleciono melhor e já venho sentindo uma grande atração por outra pessoa e venho me sentindo muito bem ao seu lado, a consequência disso será a separação.

  63. Cristina, nosso livre-arbítrio nos permite fazer e desfazer projetos. É verdade que há espíritos superiores a nós, responsáveis por grupos de espíritos, que traçam um planejamento, mais ou menos elaborado, de acordo com as condições e o merecimento de cada um. Mas isso é uma condição que nos é oferecida. O que fazemos disso é responsabilidade nossa. Os pais fazem planos para os filhos, os professores fazem projetos para os seus alunos, os gerentes delegam atribuições aos seus subordinados. Mas cada um reage de uma maneira.
    Ele está feliz e tem todo o direito de estar feliz. Pessoas felizes têm mais condições de fazer o bem aos outros. Não cuide dele, cuide de você. Recomece a sua vida sem ele.

  64. Olá, em primeiro lugar quero agradecer por suas orientações!
    Meu caso foui muito triste, fui casada por 19 anos e meu marido se envolveu com outra mulher, divorciamos. Lembro que quando casada sentia uma repulsa por ele, não sentia vontade de transar.
    Hoje sei que ele me traía, por isso sentia essa energia repugnante.
    Faz cinco meses que nos separamos, ele virou a página, diz que já recomeçou sua vida.
    Fiquei muito mal e ainda sofro, ele não fala mais comigo e está feliz com ela.
    Eu te pergunto, se tínhamos um projeto de vida para que nos separamos, ele não lutou pelo nosso casamento.
    Muito obrigada pela atenção.

  65. Caro Morel,

    Excelente texto. Lúcido e bem fundamentado. Infelizmente muita gente no Movimento Espírita têm se deixado pautar pelos modismos, não sei se por consciência de culpa ou por medo de enfrentar o politicamente correto.

    Aproveito para lhe fazer uma pergunta. Você conhece algum artigo na Revista Reformador que trata do tema de homossexualismo?

    Saudações fraternas,
    Julio

  66. Na questão 129 do livro O Consolador, Emmanuel fala a respeito da alimentação animal e dos matadouros; André Luiz, em Missionários da Luz, no capítuo IV, trata de um caso de vampirismo num matadouro. Por essas e outras não como carne.
    Não tenho me dedicado à projeção consciente pelas poucas horas de sono e por estar focado noutras áreas. Meus próximos anos estão reservados ao estudo da apometria. Um abraço.

  67. Bom dia!

    Sim, Morel, mesmo com nossas experiências e descobertas pessoais, absolutamente necessárias, temos nos livros base sólida para nossa absorção, compreensão e assimilação.

    Já li alguns livros de Rohden , Sabedoria das Parábolas, Lúcifer e Logos, A Mensagem Viva do Cristo (Os Quatro Evangelhos), Rumo à Consciência Cósmica, Einstein – o Enigma do Universo, atualmente estou lendo este pelo Slide Share – Orientado para Auto-Realização – aqui vai o link :

    http://www.slideshare.net/universalismocultura/huberto-rohden-orientando-15137508

    Li muitos outros livros de diversos autores, sobre diversas religiões, Ramatis , Kardec, Grande Fraternidade Branca, Livros de Magia Negra, Magos Negros, Candomblé, Umbanda, Legião e tantos outros.

    Sei que podemos ser influenciados por projeções do nosso subconsciente, são necessárias varias experiências de projeção para podermos perceber, pois há muitos espíritos que tomam a aparência para nos enganar. Quando tiver tempo de uma olhada neste site – http://www.viagemastral.com – é do Saulo Calderon – ele narra todas as suas experiências, as primeiras estão em áudio depois ele começou a postar em vídeos, já devem ser quase 200 ou mais sobre vários temas, também há um curso e espaço para perguntas e duvidas que são respondidas nos vídeos. Vale apena! Ele é bem experiente.

    Por varias vezes participei e freqüentei toques de candomblé, umbanda, palestras espíritas , até em cultos evangélicos eu já estive presente e observei bem o domínio dos pastores nas técnicas de programação neurolingüística para aplicação da hipnose até a cartase dos “inocentes desesperados”. Nunca segui doutrinas, algumas vezes fiz tratamentos espirituais em centros Kardecistas e do Ramatis.

    Considero o Candomblé muito primitivo, não só pelo sacrifício de animais em oferendas, o candomblé também faz culto a eguns (são espíritos desorientados de pessoas que morreram e continuaram vagando no plano astral terrestre), eles aprisionam esses espíritos e/ou eguns (como é denominado por eles) e os usam para obsediar os desafetos, em troca oferecem os sacrifícios. Dentre umas das coisas que muitos não sabem, é que o sangue do animal sacrificado é a maior fonte de energia vital para eles fortalecerem seu magnetismo, o único fluido que tem mais energia que o sangue é o sêmen. Os matadouros dos frigoríficos estão abarrotados desses espíritos vampirizando o pobre animal na sua morte e plasmando esse magnetismo inferior.

    Eu também já fiz um curso de Mind Control (controle mental) ministrado por um americano com nome de brasileiro – José Silva – foi um excelente aprendizado, o principio básico é se concentrar e entrar em nível Alpha, mas antes disso treinamos o desenvolvimento de técnicas para dominar campos energéticos. O que se aplica são projeções de telas mentais, como se imaginasse uma tela de cinema para seu filme creando os acontecimentos futuros para seus propósitos pessoais e/ou profissionais, transmutar fatos passados negativos, desafetos, brigas e problemas em um concilio harmonioso. Tudo só deve ser praticado para benefícios mútuos, nunca para prejudicar ao próximo. Há aplicações para outros fins, são tantas outras experiências, mas posso escrever aos poucos, não dá para colocar tudo aqui de uma vez, seria um texto muito grande.

    Um forte abraço!

    Orlando Frannco

  68. Orlando, notei que você conhecia Rohden ao citar o Eu e o ego e ao se referir ao reino de Deus: “O Reino de Deus é um estado de consciência plena com nosso eu superior, é a morte do ego humano.” Conheço Rohden desde 1993. Recentemente – não costumo mencionar estas experiências; ao longo dos meus artigos ou comentários não há nada ou quase nada a respeito – tive um encontro com ele enquanto estava desdobrado, no período de sono físico. Meu grau de lucidez não era total, por isso não apreendi totalmente o que me foi passado.
    No outro comentário você comparou as experiências extracorpóreas com a mediunidade. Nas EEC também podemos ser iludidos ou influenciados por projeções do nosso subconsciente. O Rohden que eu encontrei pode ser um espírito que tomou a sua aparência como forma de dar credibilidade ao que queria me transmitir, ou poderia ser – não creio que seja, neste caso – produto do meu subconsciente. Nossa capacidade de moldar a matéria astral é impressionante.
    Atualmente, como me preparo para gravar comentários do Evangelho a partir de Março do próximo ano, estou estudando Jesus Nazareno, de Rohden.
    Você mencionou anteriormente que a Verdade não está toda nos livros, com o que já concordei. Mas sabemos que grande parte da verdade que está ao nosso alcance nós a encontramos nos livros. Num livro o autor – que seja sério, claro – dá o melhor de si, compartilha experiências suas de anos e anos de estudos e buscas. É o caso de Rohden. Mesmo nossas experiências e descobertas pessoais, absolutamente necessárias, têm nos livros base sólida para sua absorção, compreensão e assimilação.
    Um abraço.

  69. Olá Morel!

    Creio que temos para as especificas questões, pensamentos e conceitos 100% em comum, outras em 50 %,e algumas em 100 % diferentes.

    Sobre Kardec,

    Esteja ciente que jamais quero acirrar discussõezinhas sobre Kardec ou qualquer outro tema. Sua explicação,

    “Allan Kardec era um homem do seu tempo, viveu num período cheio de pseudociências que eram tidas como verdades.” , faz sentido e é valida.

    Por fim, digo: Em aprendizado e conhecimentos, absorvermos tudo o que é bom e coerente, o que for duvidoso e/ou questionável não devemos ter como referencia.

    Já leu algum livro do Huberto Rohden ?
    _____________________________________________________

    Então… Você conhece Bruce Lee!

    Deve saber também que ele era formado em filosofia…

    A citação do Bruce Lee que eu gosto muito e sempre escrevo no final também serve para que eu nunca me esqueça de esvaziar minha xícara e provar do seu chá.

    Também gosto dessas…

    “Verdade libertadora é uma realidade somente, e na medida em que for experimentada e vivida pelo próprio indivíduo, é uma verdade que transcende estilos e disciplinas.”
    _____________________________________________________

    “O vazio é o que está no meio das coisas, o vazio inclui tudo não tem oponente, não exclui nem se opõe a nada, é um vazio vivo, pois tudo emana dele, quem percebe este vazio, será preenchido com Vida, Força e Amor.”
    _____________________________________________________

    “Crescer, descobrir… é algo que experimento cada dia, às vezes bom, às vezes frustrador… não importa! Deixe sua luz interior guiá-lo, para fora da escuridão.”
    _____________________________________________________

    “Seja como a água que abre caminho através das pedras: não se oponha ao obstáculo; contorne-o!”
    _____________________________________________________

    “Esvazie sua mente seja amorfo sem forma como a água, se você coloca água em um copo, ela se torna um copo, se você a coloca em uma garrafa ela se torna uma garrafa, se você a coloca em uma chaleira, ela se torna uma chaleira, a água pode fluir, mas também destruir, seja água meu amigo.”
    _____________________________________________________

    “Esvazie sua xícara primeiro, só então você poderá provar meu chá. Afinal de contas a utilidade da xícara está em poder esvaziar-se. Abra sua mente para perceber o que está à sua volta.”

    A verdade não se resume em livros e doutrinas religiosas.
    Et cognoscetis veritatem et veritas liberabit vos

    Att,
    Orlando Frannco

  70. Orlando, não tem nada a ver com zona de conforto, é axatamente o contrário. Quem pensa que conhece a Verdade dá a sua caminhada por terminada, não há mais nada a saber, já chegou aonde deveria chegar. Ao reconhecer que estou longe de conhecer a Verdade permaneço aberto a novos pontos de vista. A citação de Bruce Lee, que você pelo jeito gosta muito, trata justamente do meu posicionamento. Não estou cheio, não tenho a Verdade, estou receptivo, todos os dias da minha vida, para recebê-la conforme as oportunidades que se me oferecem para tal.
    Você fala do amor incondicional, eu acho isso muito bonito, maravilhoso, até. Mas estamos longe, muito longe de sequer imaginar o que seja o amor pregado por Jesus. O amor possível, hoje, depende, sim, de normas morais. Talvez você tenha alcançado um patamar muito além dos demais; de qualquer modo, me dirijo à imensa maioria, não a uns poucos iluminados.
    Concordo com você que a verdade não se resume a livros e doutrinas. Entraríamos numa disputa de vaidades se quiséssemos provar um ao outro quem tem mais experiências. Fiz projeção consciente – ou extracorpórea, como você prefere – estudei Conscienciologia e Projeciologia, inclusive no IIPC. Não acho que seja superior à mediunidade, de modo algum. A mediunidade é ampla e não se resume ao que você talvez tenha conhecido até agora.
    Quanto ao lar em bases retas, também não conheço, e acredito que não vá conhecer nesta reencarnação, nenhum lar perfeito. Mas você, praticante de projeção extracorpórea, deve saber que quem mantém contato permanente com fins de serviço com a espiritualidade, é protegido de influências negativas, desde que faça a sua parte.
    Suas opiniões são respeitáveis, e se me dou o trabalho de respondê-las é exatamente por isso. Mas as acusações contra Allan Kardec são totalmente fora de propósito, não sei quem ganha o quê com isso. Não sou defensor de Allan Kardec. Dessas discussõezinhas estou fora. Apenas lembro que o espírito não tem raça ou cor, que todos os espíritos são creados simples e ignorantes e evoluem através de seus próprios conhecimentos e experiências adquiridos. Achar que um espírito encarnado numa tribo da África no século XIX tem o mesmo desenvolvimento que um homem culto como Laplace ou Newton é forçar a barra. Allan Kardec era um homem do seu tempo, viveu num período cheio de pseudociências que eram tidas como verdades. Tinha preconceitos como todo europeu do século XIX. Isso não quer dizer que fosse racista.

    799. De que maneira o Espiritismo pode contribuir para o progresso?
    – Destruindo o materialismo, que é uma das chagas da sociedade, ele faz os homens compreenderem onde está o seu verdadeiro interesse. A vida futura, não estando mais velada pela dúvida, o homem compreenderá melhor que pode assegurar o seu futuro através do presente. Destruindo os preconceitos de seita, de casta e de cor ele ensina aos homens a grande solidariedade que os deve unir como irmãos. OLivro dos Espíritos.

  71. Olá Morel! Tudo bem?

    Vou responder sob seus parágrafos, com segue:

    ___________________________________________________
    Orlando, não tenho a pretensão, de forma alguma, de ser dono da verdade; deixo isso claro em vários artigos. Nossas verdades são provisórias, e a sua citação final em latim é apenas estímulo para a nossa caminhada, não algo a ser alcançado em breve.

    RES:
    Acreditar que temos uma longa jornada para vivermos na verdade que liberta é arranjar desculpas para os nossos erros, protelar nossa reforma intima, e querer justificar nossa permanência em uma “ZONA DE CONFORTO ESPIRITUAL”( O ego humano luta contra seu maior inimigo que é o Eu Divino, mas ele não sabe que o Eu Divino é o maior amigo do ego humano. O homem profano vive na ilusão da existência de um Deus que vai perdoá-lo toda vez que ele errar e se arrepender, ele também crê que Jesus Cristo morreu na cruz para salva-lo, se viver nesse engano morrerá em infinitas encarnações.). A salvação só depende nós, Cristo só mostrou o caminho.
    ____________________________________________________
    Você está certo ao tratar o sexo como troca de energias. Também menciono isso em outros artigos. O amor a que me refiro é o amor possível entre duas pessoas – também cito isso em outros artigos. O amor possível entre duas pessoas é o compromisso com o respeito e a submissão às normas morais vigentes. Vivemos sob normas morais. As convenções sociais são necessárias, em nosso estágio evolutivo, para disciplinarmos nossas emoções.

    RES:
    Não devemos nos condicionar, se assim fizermos estaremos amando condicionalmente, o amor não pode ser submisso a uma condição de normas morais e convenções sociais, isso é o mesmo que pensar: Só não mato ela porque a amo, só não traio ela porque a amo. O desejo homicida e a vontade de trair ao se deparar com as tentações ou talvez por outros motivos continua intrínseco no íntimo do indivíduo, mas ele não mata e nem trai porque sabe das consequências deste ato. Isso denota literalmente um falso “amor”, é como você colocar uma capa da bondade, mas no intimo do ego vibra com emoções insanas. O verdadeiro amor é incondicional, não pode haver regras, normas ou convenções, esse é o verdadeiro amor. O amor condicionado é mundano, o amor de Cristo é divino. Cristo não amava ao próximo por causa de regras ou normas morais,essa forma de amar é que devemos despertar em nos.
    ____________________________________________________
    No livro Missionários da luz, no capítulo 13, o Ministro Clarêncio afirma que “os momentos de intimidade sexual são sublimes e invioláveis nos lares em bases retas”. Isso é facilmente constatado por quem quer que tenha um contato mais direto com o astral.

    RES:
    Desculpe-me, volto a citar, “a verdade não se resume em livros e doutrinas religiosas” e também não se resume em minha opinião, apenas exponho minhas convicções por toda experiência que já passei e vivi espiritualmente. Para mim quem tem contato com astral, é quem faz projeção extracorpórea ( tenho certeza que sabes o que é), este sim, vê, ouve e esta presente em corpo astral ao vivo e a cores na outra dimensão. Falar com espíritos, ser vidente, receber mensagens e psicografar livro, não comprova em 100% os fatos, pois muitas vezes a interpretação do médium é distorcida por suas tendências,conceitos e vícios. Ademais, me diga com sinceridade, qual o lar familiar que tem bases retas plenas e perfeitas, cite alguém que você conheça que nunca desvia o pensamento para as coisas mundanas? Que esta 100% do tempo em harmonia com pensamentos retos? Seja honesto na sua resposta!
    ____________________________________________________
    Ao se referir à homoafetividade você está considerando como se eles estivessem apenas interessados em sexo, não levando em consideração aspectos psicológicos que norteiam suas condutas. É, no mínimo, desconhecimento.

    RES:
    “Aspectos psicológicos que norteiam condutas”… O indivíduo é o único que tem potencialidade de saber a totalidade da dinâmica de seu comportamento, das suas percepções sobre a realidade e de descobrir comportamentos mais apropriados para si.

    A homossexualidade atualmente foi descaracterizada como patologia, pois ela só pode ser considerada doentia quando o homossexual apresentar sofrimento psíquico por esta condição. O grande avanço da psicanálise está na oposição em segregar os homossexuais a um grupo de má índole, doente, pernicioso e diabólico, como eram vistos nos tempos mais remotos.
    ____________________________________________________
    Acusações a Kardec, principalmente no que se refere a suposto racismo, também são fraquinhas, superficiais e denotam total desconhecimento do padrão científico vigente na sua época. Não podemos julgar uma época pelos padrões de outra.

    RES:
    Não creio que espíritos de luz estariam ou estão comprometidos com padrões de época, jamais iriam corroborar com os preconceitos de Kardec ou com algum espírita da atualidade.

    Vamos para algumas citações de Kardec:

    Na obra intitulada O Livro dos Espíritos, Allan Kardec pergunta:

    “6 –Por que há selvagens e homens civilizados? Se tomarmos uma criança hotentote recém nascida e a educarmos nas melhores escolas, fareis dela, um dia, um Laplace ou um Newton?” (Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, Instituto de Difusão Espírita, Araras, São Paulo, sem data, capítulo V, p. 126).

    1. A pergunta já denota certo racismo, pois supõe que uma criança hotentote, ainda que educada nas melhores escolas, não teria possibilidade natural de alcançar o nível de um cientista branco.

    2. Allan Kardec explicita seu racismo na resposta (abaixo) que dá a essa pergunta, feita por ele mesmo ):

    “Em relação à sexta questão, dir-se-á, sem dúvida, que o Hotentote é de uma raça inferior; então, perguntaremos se o Hotentote é um homem ou não. Se é um homem, por que Deus o fez, e à sua raça, deserdado dos privilégios concedidos à raça caucásica? Se não é um homem, porque procurar fazê-lo cristão ?” (Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, Instituto de Difusão Espírita, Araras, São Paulo, sem data, capítulo V, p. 127).

    3. É patente, nas frases citadas, que Allan Kardec considerava a raça branca superior à raça hotentote (nome de uma família de grupos étnicos existentes na região sudeste da África). Seriam os hotentotes diferentes de outros negros, ou diferente dos negros contemporâneos.

    4. Kardec chega ao absurdo de levantar a hipótese de que um hotentote não seria um homem!

    5. Será que esses “espíritos superiores” que Kardec se conectava eram “caucásicos”, isto é, arianos? (Desculpe-me se aqui conoto sarcasmo)

    No mesmo livro A Gênese, se lê o seguinte:

    “Esses Espíritos dos selvagens, entretanto pertencem à humanidade; atingirão um dia o nível de seus irmãos mais velhos, mas certamente isso não se dará no corpo da mesma raça física, impróprio a certo desenvolvimento intelectual e moral. Quando o instrumento não estiver mais em relação ao desenvolvimento, emigrarão de tal ambiente para se encarnar num grau superior, e assim por diante, até que hajam conquistado todos os graus terrestres, depois do que deixarão a Terra para passar a mundos mais e mais adiantados” (Revue Spirite, abril de 1863, pág. 97: Perfectibilidade da raça negra, in Allan Kardec, A Gênese, Lake _ Livraria Allan Kardec editora, São Paulo, p. 187.

    6. Nesse texto de Kardec, está explicita a tese de que considerava os selvagens e a raça negra como inferiores. “O corpo da mesma raça física dos chamados de espíritos selvagens é impróprio a certo desenvolvimento intelectual e moral… Então os negros terão que reencarnar em raça caucasiana para terem desenvolvimento???…

    _Você pode até tentar explicar sobre essas citações de Kardec, mas jamais vai justificá-las argumentando sobre padrões de época. Espíritos de luz não seguem padrões de época.
    ____________________________________________________
    Não vivemos num mundo ideal em que todos têm pleno domínio de suas emoções, carências, anseios e sentimentos. É lógico que duas pessoas maduras emocionalmente, totalmente seguras de si e com pleno domínio dos sentimentos poderiam encontrar-se para apenas trocar energias através do sexo. Acho, mesmo, que seria ótimo que espíritos encarnados mais evoluídos poderiam unir-se sexualmente, mesmo sem envolvimento emocional, com o exclusivo objetivo de proporcionar a espíritos elevados que reencarnassem por intermédio deles. Mas isso é num mundo ideal. Não chegamos lá ainda. O que vemos é mágoa e sofrimento gerados por relacionamentos baseados no sexo.
    E não condeno nada, não. Nem eu nem a Doutrina Espírita. Apenas alerto para as consequências. Arcamos com as consequências de nossos atos todos os dias…

    RES:
    Concordo plenamente e acho que neste ponto você entendeu como me referi ao sexo sem o casamento e comprometimento de união estável, na verdade o amor no sentido da união sexual com alguém do sexo oposto se constrói com a convivência e experiências sexuais. Duas pessoas maduras emocionalmente, não estão presas a amarras do ego mundano que é egoísta, possessivo e vingativo. Infelizmente o mundo ideal não é coletivo, é singular, pertence a cada um a sua reforma intima, e isto esta fora do controle de qualquer um já que todos têm o livre arbítrio.

    ___________________________________________________

    “Esvazie sua xícara primeiro, só então você poderá provar meu chá. Afinal de contas a utilidade da xícara está em poder esvaziar-se. Abra sua mente para perceber o que está à sua volta.”
    A verdade não se resume em livros e doutrinas religiosas.

    Et cognoscetis veritatem et veritas liberabit vos

    Att,
    Orlando Frannco

  72. Orlando, não tenho a pretensão, de forma alguma, de ser dono da verdade; deixo isso claro em vários artigos. Nossas verdades são provisórias, e a sua citação final em latim é apenas estímulo para a nossa caminhada, não algo a ser alcançado em breve.
    Você está certo ao tratar o sexo como troca de energias. Também menciono isso em outros artigos. O amor a que me refiro é o amor possível entre duas pessoas – também cito isso em outros artigos. O amor possível entre duas pessoas é o compromisso com o respeito e a submissão às normas morais vigentes. Vivemos sob normas morais. As convenções sociais são necessárias, em nosso estágio evolutivo, para disciplinarmos nossas emoções.
    No livro Missionários da luz, no capítulo 13, o Ministro Clarêncio afirma que “os momentos de intimidade sexual são sublimes e invioláveis nos lares em bases retas”. Isso é facilmente constatado por quem quer que tenha um contato mais direto com o astral.
    Ao se referir à homoafetividade você está considerando como se eles estivessem apenas interessados em sexo, não levando em consideração aspectos psicológicos que norteiam suas condutas. É, no mínimo, desconhecimento. Acusações a Kardec, principalmente no que se refere a suposto racismo, também são fraquinhas, superficiais e denotam total desconhecimento do padrão científico vigente na sua época. Não podemos julgar uma época pelos padrões de outra.
    Não vivemos num mundo ideal em que todos têm pleno domínio de suas emoções, carências, anseios e sentimentos. É lógico que duas pessoas maduras emocionalmente, totalmente seguras de si e com pleno domínio dos sentimentos poderiam encontrar-se para apenas trocar energias através do sexo. Acho, mesmo, que seria ótimo que espíritos encarnados mais evoluídos poderiam unir-se sexualmente, mesmo sem envolvimento emocional, com o exclusivo objetivo de proporcionar a espíritos elevados que reencarnassem por intermédio deles. Mas isso é num mundo ideal. Não chegamos lá ainda. O que vemos é mágoa e sofrimento gerados por relacionamentos baseados no sexo.
    E não condeno nada, não. Nem eu nem a Doutrina Espírita. Apenas alerto para as consequências. Arcamos com as consequências de nossos atos todos os dias…

  73. Prezado Morel,

    Vou expor meus conceitos com todo respeito, não leve como afronta, ok?

    Ninguém é dono da verdade absoluta, nenhuma religião, nem mesmo o espiritismo de Kardec que contém incoerências, racismo e erros, assim como na bíblia aonde também há tudo isso e mais contradições e traduções adulteradas.

    Então vamos observar o seguinte:

    Troca de energia é algo constante em nossa existência, seja ela na vida terrena, viagem astral e pós-morte da matéria (vida espiritual). Ela existe em todos os sentidos das relações, em um ambiente, em uma reunião de pessoas, entre amigos, família, trabalho, pessoas ao seu redor, nas conduções e na rua.

    Portanto, nós somos o filtro dessas energias, nosso estado de consciência e pensamentos podem repelir e/ou atrair. Nós que condensamos a energia do nosso corpo astral. Essa troca de energias faz parte da nossa transmutação, toda energia negativa e positiva é polarizada para ser transmutada.
    É dessa forma que evoluímos espiritualmente.
    Não tem essa de perfeito e absolutamente puro para chegar no Reino de Deus. O Reino de Deus é um estado de consciência plena com nosso eu superior, é a morte do ego humano.

    “Em verdade vos digo que os publicanos e as prostitutas vos antecederão no reino de Deus”.
    Mateus 21:31.

    O sexo é troca de energia, sexo se pratica por atração e prazer, sempre há uma troca de energia.

    Esteja ciente, sempre que você faz sexo com sua esposa haverá espíritos sugando parte da energia sexual plasmada ao corpo astral de vocês, não é diferente do sexo casual, todo ato e tipo de relação sexual compõem o mesmo campo energético.

    Essa doutrina de politicamente correto, sexo só no casamento, sexo só por amor, isso tudo faz parte de uma convenção social criada pelo homem. O amor está acima disso, é bem superior ao ato sexual, não tente me convencer que você faz sexo com sua esposa e/ou namorada porque sente amor por ela, você faz porque sente tesão e atração, caso contrário, iria se abster e tornar-se assexuado.

    Se você a ama é por motivação de outros atributos e qualidades que ela possui. Entenda que você faz sexo com ela porque sente desejo e tesão, isso não é sentimento, é fisiológico, biológico e instinto humano. Só o animal é que faz sexo para procriar.

    Você condena o sexo casual de acordo com a doutrina, mas ao mesmo tempo acha que a homoafetividade deve ser respeitada como manifestação autêntica da personalidade humana!!!????? Então o heterossexual que sente a atração e tesão pelo sexo oposto e faz sexo casual é o que mesmo??? Sim, ficou bem claro… É a tirania dos instintos!!!! Isso pode ser para você, mas para mim a tirania dos instintos é o homossexualismo, além da falta de vergonha na cara!

    Desejo e tesão pelo sexo oposto, isso sim é fisiológico e biológico, é a manifestação autêntica da personalidade e do instinto humano.

    Vou terminar aqui porque o texto já ficou muito longo, em outra ocasião escrevo sobre quem foi Kardec e sobre a bíblia.

    “Esvazie sua xícara primeiro, só então você poderá provar meu chá. Afinal de contas a utilidade da xícara está em poder esvaziar-se. Abra sua mente para perceber o que está à sua volta.”
    A verdade não se resume em livros e doutrinas religiosas.

    Et cognoscetis veritatem et veritas liberabit vos

    Att,
    Orlando Frannco

  74. Amigo Morel, faz tempo que quero me livrar dos pensamentos e dos vícios relacionados ao sexo. Já tive muitos relacionamentos que só envolveram sexo, já cometi várias e inúmeras traições a ex-namoradas e esposa. Até certa idade, pra mim isso era normal, mas chega uma hora que a ficha cai e a realidade é outra. Já casado, cometi muitos erros em relação a isso, mas eu não conseguia me livrar, sempre deixava portas abertas para elas, já pensando numa próxima vez, mesmo eu sabendo do erro. Estou no segundo casamento e mesmo sabendo que tudo isso é ruim, não consigo me livrar de pensamentos e vontades e até traições cometidas, mas já melhorei bastante em relação ao que eu era, e muito. Estou frequentando palestras na federação da minha cidade, frequentando casas de orações e isso está me ajudando muito. Em relação a esses relatos, o que pode ser isso?

  75. Carlos, a ajuda de que você precisa é só você mesmo que pode dar, e você consegue, é só querer de verdade. Na sua idade somos prejudicados pelo imediatismo, queremos tudo na hora. Essa ânsia só prejudica. A energia sexual é a mesma energia utilizada para os processos criativos, para a espiritualização, para os esportes, para tudo que exija um esforço íntimo, um esforço da sua vontade.
    Se você tem consciência de que o sexo como vício é prejudicial, use o seu poder interior para a prática de coisas úteis e construtivas. Mude o foco. Leia bons livros, procure conhecer o Espiritismo, ore, pratique exercícios ao ar livre, envolva-se com algo de que goste. A pornografia é utilizada por espíritos inferiores para nos manter numa espécie de “hipnose”, com a ideia fixa em sexo. Isso é ridículo. Sexo é bom e, para nosso estágio evolutivo, necessário. Mas sexo e pornografia são coisas diferentes. Pornografia é o aviltamento do sexo, é a depreciação da mulher e o rebaixamento do homem ao nível da animal.
    Mude o foco. Mude a você mesmo. Pare de se preocupar com sexo, com mulher, com tesão. Cuide de si mesmo e as coisas irão acontecer naturalmente. A masturbação pode ser necessária para manter o equilíbrio energético, mas sem pornografia, sem fantasia. Dê espaço para você mesmo. A vida é muito mais que sexo. Não coloque a culpa em espíritos. Os espíritos só têm acesso nós se nós deixarmos. Eles só podem interferir em nossas vidas a partir do nosso pensamento. Modifique os seus pensamentos. Leia os livros O poder do Subconsciente, de Joseph Murphy, e O Poder Infinito da sua Mente, de Lauro Trevisan. Os dois estão disponíveis em PDF na internet – não são livros espíritas.

  76. Oi, preciso de uma ajuda. Tenho 17 anos, sou viciado em sexo, quero muito uma parceira pra mim, mais quando eu estou quase conseguindo parece que tudo dá errado. Às vezes eu estou bonito e tal mas às vezes não consigo nem olhar no espelho… Eu não sei o que acontece, será que um espírito está me aprisionando a somente ele? Tento fugir desse vício “Sexo”, mas não consigo, às vezes tento encontrar uma namorada para parar com essa coisa de masturbação e pornografia, mas como eu disse, quando estou perto de conseguir alguém dá tudo errado, até mesmo a minha aparência muda. Creio que eu estou preso em algum encosto.

  77. Relacionam sexo a felicidade e não é. Sexo faz parte da vida, mas não deveria ser o objetivo maior. Mas entendo que muitas pessoas acabem fazendo isso, é tipo uma fome, quando bate uma vontade imensa de comer e não tem comida em casa as pessoas vão caçar. É um instinto animal mesmo, assim como preservar a vida, se alimentar, cuidar da prole. Os homens deveriam fazer o que, entregar-se à masturbação? Seria outro ato ilícito? O ideal é com amor, assim como o ideal é comer uma comida que alimenta.

  78. Gilson, apoiar nossas ideias afirmando que “Deus proporciona”, isso sim é relativo e complicado. Deus nos concedeu o livre-arbítrio, é só isso. Pelo uso do nosso livre-arbítrio colhemos tudo o que plantamos. Mas Deus não nos “proporciona formas de manifestações sexuais”. Você menciona pedofilia e estupro. São formas de manifestações sexuais. Não é Deus que “nos proporciona” isso. As pessoas querem prazer, isso é lógico. A busca desse prazer tem preço. A busca desse prazer não acaba nunca, porque ele não preenche o vazio existencial. Seu argumento hedonista para “sexo saudável” é válido para uma conversa com martas suplicis, mas não se sustenta se considerarmos que não vivemos apenas uns poucos anos de juventude cheios de desejo, que a Vida é muito mais que isso. Prostituição e afeto não combinam, Gilson. Não tem nada a ver.
    Gilson, a espiritualidade não interfere diretamente nas ações dos encarnados. Nossas experiências são nossas experiências, somos nós que devemos estar atentos. Nem é preciso receber mensagens dos espíritos para perceber os resultados de uma vida sexual sem maiores compromissos. É só dedicar algum tempo a ouvir os relatos de sofrimento gerados por essas mesmas experiências. É só observar os diversos tipos humanos e os resultados das suas experiências.

  79. Olha, isso tudo é muito relativo e complicado. Algo é realmente ruim e errado quando as consequências são ruins, quando realmente se tem resultados negativos. E isso é muito difícil de especificar. Deus age com sabedoria e se Ele proporciona todas essas formas de manifestações sexuais, alguma coisa de bom resulta de tudo isso, mesmo que antes a pessoa tenha que passar por algo não muito agradável. Vejo que as pessoas vão continuar com suas experiências sexuais com afeto, sem afeto, pouco afeto ou muito afeto e vão se preocupar um pouco mais se houver alguma lei humana “regulando” alguma coisa, como existe pra pedofilia ou estupro. Nem mesmo as doenças estão sendo freio para as práticas sexuais, imagine coisas espirituais que não são vistas e que a maioria sequer acredita que existe. A atração para o prazer sexual é muito forte e as pessoas querem esse prazer, até como forma de se sentirem vivas, queridas, satisfeitas, amadas, desejadas, valorizadas, sabe Deus mais o quê. Se a espiritualidade realmente deseja influenciar os encarnados nisso, precisa ser mais clara em relação aos resultados negativos que acontecem nas relações “desequilibradas”. A única coisa que vi de forma clara sobre a conduta das pessoas, é que “sexo saudável pressupõe afeto”. Isso é vago. Alguém que sai com 20 prostitutas e trata elas com afeto, ou tem 10 parceiros e que trata-os com afeto, pode se justificar de que está tendo sexo saudável. Penso que a humanidade se equilibrar sexualmente não é algo pra agora, mas pra daqui a algumas centenas de anos, até que as consequências ruins do “sexo desequilibrado” sejam colhidas ao longo das reencarnações. Como o progresso é individual, muitos conseguirão entender o que é o sexo equilibrado e saudável ainda nos dias de hoje, mas a humanidade como um todo ainda tem um longo caminho a percorrer.

  80. Pedro, eu compreendi a sua intenção. Admito que você tem razão. No entanto, acredito que tudo o que expressamos parte de nossos próprios conhecimentos e experiências. Se você e eu comentarmos um fato ou um capítulo de livro, o faremos a partir de nossas perspectivas. Não posso fazer ressalvas e contextualizações a cada opinião que emito. Na tentativa de fazer transparecer que tudo o que falo ou escrevo passou antes pelo amálgama da minha vivência, me tornaria pedante. O politicamente correto é pedante, e nem sempre honesto.
    Fique com Deus.

  81. Resolvi comentar seu texto pelo fato de que, a partir do momento que você se propõe a escrever em um site, torna-se um formador de opinião. E com isso vem as responsabilidades; se o que você escreveu foi a partir de sua experiência pessoal, deixe isso claro no decorrer do texto, para que as pessoas não generalizem e interpretem errado. Você pode estar pensando: as pessoas devem ter senso crítico e filtrar as informações lidas. Seria ótimo se isso ocorresse, mas a verdade é que uma minoria consegue fazer isso.
    Só estou lhe dando uma dica! Que os bondosos espíritos continuem te guiando nesse teu trabalho, e que eles protejam a todos nós. Abraço.

  82. Pedro, agradeço o seu elogio. Preconceito é um conceito, uma opinião definida a priori, antes do conhecimento, um pré-conceito. O que refiro advém da minha observação e de inúmeros casos de que tomo conhecimento através de pedidos de ajuda ou conselho. A palavra “preconceito” está se banalizando, Pedro. Pontos de vista diferentes, experiências diferentes, não podem ser considerados preconceito.
    Obrigado pela colaboração.

  83. Seus textos são muito bem escritos, mas percebo nesse texto um preconceito velado. Quando você escreve “Mas a experiência por curiosidade ou por modismo ou por pressão do grupo é um mergulho no desconhecido. Estão lidando com sentimentos, emoções e sensações energeticamente poderosas, que mais cedo ou mais tarde exigem o reajuste. Aí a dor é inevitável…”, tem preconceito embutido! As práticas homossexuais estão longe de virar modismo, seja entre meninas quanto meninos. O que pode ocorrer é o que a psicanálise chama de curiosidade sexual, onde a criança/adolescente curiosa do papel sexual que assumirá, pode se relacionar com pessoa do mesmo sexo. Mas isso é uma prática normal (que cessa rapidamente, sem deixar nenhum problema), e de forma alguma tem se tornado um modismo e nem é vivenciado de forma inconsequente. Acredito que qualquer forma de prática sexual, seja ela homo ou heterossexual, quando acontece por pressão do grupo em que se está inserido, não é benéfica para a pessoa, causando (não se sabe quando) dor, como você mesmo sugere. Mas que fique claro que isso não está restrito às práticas homoafetivas.
    Abraço.

  84. Muito obrigada pelas suas palavras, é muito difícil passar por isso, me sinto quase exausta, sempre de alguma forma mesmo antes quando achava que ele queria me matar o meu subconsciente sempre me dizia que era alguém, o problema é não saber quem e o que queria de mim até agora… algo que não quero, me sinto estuprada em minha própria casa e se eu falar isso para alguém vão dizer que sou louca ou que estou possuída, na verdade o que ele sempre quis era a mim… Vou orar muito e pedir que Deus o afaste. Obrigada, é muito difícil não ter para quem falar.

  85. Ju, o que ocorre com você é semelhante ao relatado no comentário anterior, pela leitora Júlia. Todos nós, enquanto o nosso corpo físico repousa, ficamos parcialmente livres e nos desdobramos, ou seja, “saímos do corpo”. Nesse período temos atividades diversas, e nos relacionamos com aqueles com quem temos afinidade, seja espíritos desencarnados, seja encarnados desdobrados como nós. Algum espírito está mantendo relações com você para tomar a sua energia. É comum. Tão comum quanto as relações terrenas. Entenda que, quando dormimos, assumimos parcialmente outro níveis de consciência, não somos exatamente como quando estamos acordados. Quando acordados, temos padrões de comportamento impostos pelo meio em que vivemos, seguimos regras de conduta que julgamos corretas. É provável que este espírito e você sejam velhos conhecidos de outras vidas, e ele quer continuar – e continua – se relacionando com você. Talvez você também queira, embora no estado de vigília não saiba isso. Dificilmente – embora possa acontecer – isso ocorre sem o nosso consentimento.
    Todos temos um espírito protetor designado para nos auxiliar. Peça ardentemente a Deus e ao seu espírito protetor para que este espírito não tenha mais acesso a você. Ore por ele, peça perdão por qualquer coisa que tenha feito para o prejudicar. Faça isso sempre, antes de adormecer
    Estude sobre o assunto. Sem esclarecimento é mais difícil lidar com qualquer situação.
    Fique com Deus.

  86. Olá!
    Antes de eu começar a relatar o que está me acontecendo, quero que saiba que desde pequena via vultos e tinha problemas, vamos chamar, com a “coisa” que sempre me sufocava e me prendia à cama me mantendo imóvel. Sempre achei que era o demônio querendo me matar, nunca contei a ninguém pois fui criada na igreja, mas minha mãe que é evangélica, ao contrário de mim ela consegue ver e até falar com
    espíritos, mas é algo que ela mantém em segredo de família por causa da igreja. Enfim essa “coisa” vai e volta na minha vida, sempre faço orações… mas ele só vem pela manhã, depois que meu marido foi trabalhar. Tento falar mas não consigo, fico presa à cama e quase não consigo respirar e agora ele só me solta depois que me possui a ponto de eu ter orgasmo (desculpem mas preciso ser clara), já tentei deitar em posição fetal para ver se isso impediria mas não adiantou nada, me sinto humilhada, assustada, não sei o que fazer para a coisa parar e ir embora, não sei porque eu, sou casada, tenho filhos, tenho uma família abençoada e sou uma pessoa abençoada. E outra coisa, nunca vi um rosto, nada, apenas sinto a presença e sei que estou acordada. Me ajudem, não quero sei lá o que se apossando do meu corpo… Já cheguei a me perguntar se é a mesma “coisa” que me persegue por anos e o porquê.

  87. Júlia, não entendi a quem você se refere como “não éticos”. Seria este seu amigo? Não há, no Espiritismo, nada semelhante a isso que ele chama de “tratamento”. Aliás, esse fenômeno, do modo como você o descreve, é muito raro. Se você o percebe estando acordada, ou ele se materializa ou você é vidente. Mas não atribua a falta de ética de alguém que talvez se diga espírita ou que apenas seja portador de alguma faculdade mediúnica ao Espiritismo. Nem todo médium é espírita… Você, muito provavelmente, é médium.
    Fique com Deus, Júlia.

  88. Caro amigo,
    Mesmo estando acordada ele vem, sabe? Estou tentando interagir com ele para ver se me entende e me deixe em paz, mas segundo ele, está fazendo um tratamento comigo. Não creio nesse tipo de tratamento e também não sou simpatizante. Essa pessoa é um amigo que se acha no direito de me fazer amante dele, se é que me entende.
    Obrigado por responder. Sou cristã, protestante e pentecostal, porém não espírita e nem pretendo ser. Daí dá para você perceber a guerra em que estou. Pensei que fossem mais éticos, não generalizando, claro.
    Abraços,
    Júlia

  89. Júlia, se você percebe isso é porque tem mediunidade ou também se desdobra mantendo a consciência. Você deve se dedicar ao estudo a fim de compreender o que ocorre com você e aprender a obter controle. Você pode conhecer mais sobre projeção consciente no site do IIPC. Ore com concentração antes de dormir, peça ao seu espírito protetor que guarde você de qualquer tentativa de aproximação inoportuna. Não sei qual é o seu grau de consciência quando isso ocorre, mas é preciso dizer que é comum que haja consentimento de nossa parte num nível de consciência que normalmente não acessamos. Não somos sempre o que parecemos ser no estado de vigília. Quando o nosso corpo físico repousa, nos libertamos parcialmente e acessamos outros níveis de consciências, pensamos e fazemos coisas que normalmente não faríamos. Não sei se é o seu caso. De qualquer modo, para haver essa facilidade de aproximação é provável que vocês tenham uma ligação anterior.
    A oração, quando sentida, costuma dar resultado. Mas você deve estudar. O mais indicado é que você procure um centro espírita, exponha a sua situação e participe de um grupo de estudos. Vou mandar um link para o seu e-mail.
    Fique com Deus.

  90. Estou passando por um problema muito sério. Todas as noites ou quase todos os dias, uma pessoa que faz projeção astral, ou seja sai do corpo, vem me bolinar sem minha autorização. Não quero e não gosto, mas não sei como fazê-lo parar. Não entendo nada disso e quero ficar livre dessa pertubação. O que faço para evitá-lo? Como evitá-lo? Pelo que eu li sobre vocês, são sérios e éticos. Me ajudem, por favor.
    Júlia

    p.s. Preciso de uma resposta urgente.

  91. Amante seria como sexo casual; é imoral, é traição, promiscuidade, irresponsabilidade de ambas as partes e mais outras coisas. Ser amante e fazer sexo casual pra mim não tem muita diferença.

  92. Sexo casual é banal, não é aconselhável, é modismo, descartável, promíscuo, sexo sem afeto é animalidade, certo? E quem está na situação de amante? Pode? É válido? Tem explicação? Por favor, que fique bem claro que não desempenho nenhum dos dois papéis.

  93. Maravilhoso e verdadeiro texto, Morel. Repassei para minha lista de contatos, é claro que indicando a autoria.
    Muita luz em sua vida e que Jesus inspire, cada vez mais, seus sentimentos e pensamentos.
    Abraços fraternos.

  94. Excelente artigo, a sexualidade diz respeito ao nosso segundo chacra e fonte da libido, um poderoso polo energético que não pode ser desperdiçado aleatoriamente, porém direcionado para alvos positivos sob a égide do afeto e amor verdadeiro, senão poderá provocar grandes rombos e vazios em nossa alma. Quem já sofreu isso na pele como eu, pode testemunhar.

  95. Flavia, espíritos que desencarnam apegados à matéria (a maioria) continuam sentindo necessidade dos prazeres proporcionados pela matéria. Não tendo mais acesso direto à matéria, ligam-se mentalmente aos encarnados que nutrem os mesmos desejos e comungam dos mesmos pensamentos que eles. “Absorvem” a energia ligando o seu perispírito ao perispírito do encarnado. A literatura espírita é abundante em explicações e exemplos. A obra de André Luiz trata disso com frequência. Livros mais técnicos, como Fisiologia da Alma, de Ramatis, e o capítulo VIII do livro Mediunidade, de J. Herculano Pires, abordam o assunto expressamente.

  96. Porque é que se formam laços psíquicos; como você respondeu ao Jorge Luis Rodrigues? Porque é que os desencarnados precisam desta energia, como se dá este mecanismo?

  97. João Luiz, entre os jovens, principalmente as meninas, há, sim, uma certa imposição do meio para que elas experimentem a homossexualidade. Isso, pra mim, é modismo. O processo ao qual você se refere é genuíno, íntimo, e merece o respeito de todos. Obrigado pela participação.

  98. Ótimo texto, só acho que ninguém se torna homoafetivo por modismo ou curiosidade. Para se tornar homoafetivo, o indivíduo passa por um longo processo de auto-aceitação, afinal ninguém quer ser algo, ainda, tão mal visto na sociedade.

  99. Silvia, é como disse o Mauro Bellini. Vivemos um período de transição em que há muita experimentação, e toda experimentação começa pelos extremos até alcançar o equilíbrio. Obrigado pela colaboração.

  100. Felipe, maravilhoso seu texto e todos os comentários. Também me preocupo muito com o comportamento casual entre as pessoas, pois vejo como o resultado da inversão de valores que a sociedade está vivendo. Peço a Deus que desperte nas famílias o sentimento puro do Amor, para que o objetivo primordial das nossas vidas seja realizado. Muita paz a todos.

  101. Fabiane querida, é muito bom receber a tua colaboração. Esse primeiro passo que tu citaste talvez seja o mais urgente. Nada substitui a orientação familiar, mas sabendo que nem todos os núcleos familiares têm esse preparo e conhecendo o grau de influência decisiva que a grande mídia exerce nas pessoas desde a infância, “fechar a casa” pra ela é medida urgente. Obrigado pela participação neste espaço, Fabiane!

  102. Parabéns Morel, muito bom o texto, também concordo com o teu posicionamento em relação ao sexo e entendo que a modificação que deve ser feita é no sentido de acabar com a banalização e começar um movimento de construção de uma nova visão de sexo ligado ao afeto, ao companheirismo. Essa mudança é algo que deve ocorrer dentro do lar, no seio da família, buscando a conscientização dos pais para que possam passar isso aos seus filhos, e um primeiro passo que entendo útil é fechar a casa para toda essa propaganda apelativa dos meios de comunicação.
    O sexo deve ser visto como algo natural, mas que requer muito respeito da nossa parte, pois como nos diz André Luiz no livro Evolução em Dois Mundos, o sexo ainda faz parte da nossa realidade espiritual e material e, portanto, devemos trabalhar no sentido de seu aprimoramento. Forte Abraço!

  103. Ou venho de outras vidas com muitas informações (mas não consigo acreditar em reencarnação) ou recebo muitas informações de guias espirituais ou ambas as situações. Fico feliz em saber que as minhas conclusões são compartilhadas com pessoas com tamanho desenvolvimento espiritual, pudera que a humanidade assimilasse a importância das suas informações, mas como dizem, se não for por amor será pela dor…

  104. Priscila, muitos ainda relacionam homossexualidade a promiscuidade. Devemos entender que o preconceito, tempos atrás, era muito maior, o que fez com que só assumissem sua orientação homossexual os que não se importavam (pelo menos aparentemente) com a opinião da sociedade. É claro que, entre estes, eram comuns os profissionais do sexo ou viciados em sexo. Hoje não há mais espaço pra este tipo de confusão. Todos têm o seu espaço e devem ser respeitados igualmente. Só não acho que a homoafetividade deva ser vista como um modismo, como uma aventura inconsequente.

  105. Morel, parabéns pelo artigo! Me chamou atenção a parte em que você fala “Acho que a homoafetividade deve ser respeitada como manifestação autêntica da personalidade humana”. Há alguns dias me assustei com a forma com que um trabalhador falou a respeito da posição do espiritismo em relação ao homossexualismo, comparando a um drogado. Não sei se foi a intenção dele, mas me senti incomodada com a afirmação, pois conheço pessoas homossexuais que nunca caíram na promiscuidade e inclusive formaram famílias, ótimos exemplos. Eu entendo o que a doutrina nos diz, que o espírito deveria agir com a personalidade relacionada ao corpo em que veio, enfim, mas ainda acho que algumas posições de alguns espíritas são exageradas. Abraço!

  106. A Anete Guimarães comenta muito bem este assunto. Ela usa a uma expressão para estas situações: “Posso te usar e descartar?”. Isto é ético? Se não é bom para mim, não será para o outro…

  107. Querido Mauro, é um privilégio contar com a tua participação enriquecedora. “Toda a experimentação inicia pelos extremos até que, com o passar do tempo, tendamos ao equilíbrio, e isso leva tempo.” Pensamos de modo muito parecido; tratei sobre essa tua afirmação neste artigo: http://www.espiritoimortal.com.br/espiritismo-e-as-relacoes-amorosas
    Tua opinião sobre a educação sexual é irretocável, pena que esteja longe da realidade da quase totalidade dos lares e escolas.
    Muito obrigado pela contribuição; um abraço!

  108. Acho o texto correto ao chamado para a banalização do sexo que ocorre pela internet ou mídia atuais. A educação sexual dos jovens ocorre dentro de casa e a partir do exemplo dado pelos pais na sua relação, que com certeza moldará a personalidade dos filhos… respeito, afeto, espaços, como trata o outro. Assistência psicológica e pedagógica no âmbito da escola; uma educação religiosa consciente sem imposições, pois aí reside o livre-arbítrio de quem está em amadurecimento. Não vamos esquecer que, no núcleo familiar, estão possíveis desafetos, e que não é com confronto e proibições que nos ajudaremos mutuamente na evolução espiritual, moral e física pelas quais vivenciamos em conjunto. Como julgar o comportamento de filhos e de outros perante nossas próprias incongruências? A homoafetividade é um momento desta coletividade onde estamos inseridos. Toda a experimentação inicia pelos extremos até que, com o passar do tempo, tendamos ao equilíbrio, e isso leva tempo. Amor com os desiguais e respeito aos diferentes. Sexo com responsabilidade é maravilhoso, mas o adolescente passa por uma fase de experimentação que é inerente e necessária ao seu progresso, sob olhar atento da família, sobre as relações com os amigos e amigas etc…
    Abraços.

  109. Conrado, se tratarmos tudo como certo ou errado voltaremos à dogmatização. Concordo com você que não somos Chico Xavier e devemos nos inspirarmos em suas virtudes, não necessariamente em seu comportamento.
    Você tocou num ponto importante ao se referir ao pensamento. É através do pensamento que nos conectamos uns aos outros, encarnados e desencarnados. E o pensamento obcecado por sexo atrai companhias afins. Por outro lado, dificilmente duas pessoas que se encontram sexualmente têm exatamente a mesma ideia, o mesmo “desligamento” em relação a qualquer vínculo emocional. Sabemos que existe algo que chamam de linguagem corporal, que pode falar muito mais sobre a pessoa do que a própria linguagem articulada. Que dizer do ato sexual e toda a intimidade que isso acarreta? É uma troca de segredos, de intimidades emocionais e recalques afetivos. É impossível que não haja uma troca de energias maior e mais poderosa do que simples fluidos corporais.
    Acho que o sexo pelo sexo, unicamente pelo prazer carnal, é, sim, animalidade. É atender aos instintos. Se almejamos elevação espiritual, os prazeres que nos prendem à matéria devem ser espiritualizados. Isso se alcança, no caso do sexo, numa relação que envolva afeto, não necessariamente entre casados e não para fins de reprodução. Um abraço e obrigado pela colaboração.

  110. Permita-me elogiar o ótimo texto, como sempre.
    Eu acho que o Sexo pode ser prejudicial quando aliado ao desregramento. O abuso. O excesso. Mas se for praticado, mesmo que sem Amor, mesmo que por prazer… não é natural? Lógico, se eu passar o dia inteiro pensando somente em sexo, se a minha vida for completamente e unicamente os prazeres sexuais evidente que não será saudável. Se eu tratar o sexo oposto como “objeto” de satisfação dos instintos com certeza não colherei bons frutos.
    Sexo por sexo… na minha opinião não é animalidade, é humanidade. Assim como a masturbação é natural. E a pessoa se masturba por prazer somente. Por que negar isso? E não venham me dizer que masturbação atrai obsessor!
    Não é a sua opinião meu caro Morel, acho muito bom o seu site. Mas é uma visão que existe no espiritismo de que todo mundo tem que ser Chico Xavier.
    Creio que sexo saudável pode acontecer mesmo sem amor, mesmo sem objetivo de reprodução.
    Abraço!

  111. Obrigado pelo seu depoimento, Patricia. Mas dificilmente alguém muda de ideia pela simples leitura… A experiência própria é quase sempre necessária.

  112. Me entristece muito ver que não só o sexo como o “amor”, os relacionamentos são banalizados e descartáveis. Eu tenho 29 anos e sou vista pelos meus amigos como uma pessoa que “se importa demais” e sou constantemente criticada por levar as coisas a sério, às vezes tenho a sensação de ter nascido numa época errada, onde não há mais respeito e romantismo, isso me deprime deveras… Enfim, gostaria que tdas as pessoas pudessem ler esse texto e realmente absorvê-lo. Excelente elucidação, Morel. Desculpe pelo desabafo mas isso realmente me revolta.
    Bom dia e muita paz.

  113. Creio que para os casados, namorados e noivos é muito mais fácil praticar o sexo tendo como mote o afeto e o carinho, porém pessoas solitárias que são rejeitadas pelo sexo oposto, que sofrem de carência sentimental, têm mais dificuldade em se abster da prática sexual casual, até mesmo recorrendo a profissionais… enfim… acho que cada caso é um caso, a motivação a meu ver é o grande divisor de águas.
    Abraços.

  114. Obrigado por contribuir com com a tua abalizada opinião e por tornar este espaço ainda mais qualificado. Retribuo o abraço, amigo e irmão Mauro Pilla.

  115. Estimado amigo e irmão de jornada evolutiva espiritual!
    Quero manifestar minha plena concordância com a excelente matéria sobre assunto tão relevante e certamente a causa prioritária dos desajustes psíquicos que nos impelem a reencarnar nesta dimensão! Agradeço o claro esclarecimento e parabenizo-o por sua nobre missão de nos recordar e nos despertar para os verdadeiros valores! Receba meu afetuoso abraço e até o próximo encontro!

  116. Jorge, “afinidade entre os consortes e mútuo consentimento” é tesão, apenas isso. A energia movimentada pelo sexo não se resume a um simples encontro. Laços psíquicos de consequências imprevisíveis são formados.

  117. Olá bom dia, obrigado por ter me tirado as dúvidas acerca dos dois textos de ontem, foi de grande valia para mim… nesse assunto que voce abordou agora esses alertas servem para os que tem o sexo como um ídolo e não são moderados com ele? Eu, apesar de não praticar sexo, entendo que para uma grande parte das pessoas o sexo é uma atividade como ir ao cinema, por exemplo, ou seja, não é algo que sentem necessidade premente de fazer e sim algo até esporádico que uma vez existindo afinidade entre os consortes e mútuo consentimento acontece. Essas digressões que você fez também se aplicam nesses casos?
    Obrigado.

  118. Excelente!
    Triste é saber que só se reconhece nessas situações muito tarde, depois de sofrer muito. Como disseste, a pessoa não admite. Se justifica como “está aproveitando a vida”, mera ilusão. Depois vem o vazio.
    Parabéns pela colocação.
    Abraço

  119. Muito boa a abordagem do tema. O livre-arbítrio deixa somente conosco a responsabilidade de nossos atos.O modismo de nossa juventude com relação a sexo casual e homoafetividade me preocupam bastante. Os meios de comunicação, como as novelas, incentivam estas práticas. Espero que um dia a filosofia espírita seja mais difundida para esclarecer mais pessoas. Você está fazendo e muito bem a sua parte. Receba um grande abraço.

  120. Aline, poucas pessoas param pra pensar a respeito. Rotular as pessoas é uma atitude comodista e superficial. Obrigado pelo comentário.

  121. Ótimo texto.
    Eu sou contemporânea, mas por pensar desta forma acabam me achando machista.
    O corpo é (deveria ser) sagrado. Não é um objeto que lavou passou.

  122. Ótimo texto, estamos vivendo em uma época de banalização total das relações humanas, sendo elas com sexo ou não, é triste!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.