Comportamento

Agressividade – um olhar espírita

mao fechada

Morel Felipe Wilkon

Ouça este artigo na voz do autor

A agressividade traz implícito um pedido de ajuda. Um ponto de vista espírita sobre a agressividade.

Você é uma pessoa agressiva? Tomara que não. Mas é provável que você conviva com alguém agressivo, e também é provável que você já tenha cometido atos de agressividade na vida.

Lembre-se, por um instante, de um momento em que você foi agressivo. Por acaso você não estava se sentindo encurralado, sem saída? Analisando hoje, você não acha que naquele momento você estava precisando de ajuda? Cada agressão é um pedido de ajuda. Sempre que uma pessoa é agressiva, ela está vivendo um péssimo momento, está necessitando de apoio e compreensão.

touro matando o toureiro
Cada agressão é um pedido de ajuda

Sei que há pessoas que são assim quase o tempo inteiro, são animalizadas, não inspiram confiança ou compaixão. Mas, por isso mesmo, demonstram estarem necessitadas de auxílio. Nem sempre nos sentimos capazes de socorrer alguém. Dependendo de quem está precisando de ajuda, preferimos ignorar. Seja por não saber o que fazer, seja por achar que a ajuda seria inútil ou até prejudicial.

Então talvez seja melhor deixar de lado os casos extremos. Fiquemos com as pessoas do nosso círculo de convívio. Familiares, parentes, colegas. Ou você mesmo. Você consegue perceber o que se passa com quem tem uma atitude agressiva? Um marido que esquece as noções de delicadeza, um colega que fala desaforos, um filho que se revolta sem uma causa aparente.

Todos estão pedindo ajuda. Talvez nem eles saibam que estão precisando ser ajudados, mas o sintoma é claro. Um animal é agressivo quando se sente ameaçado ou quando precisa desesperadamente de algo. Acha que não podemos nos comparar aos animais? Mas agressividade é instinto animal, é resquício de animalidade que ainda temos…

Não acho que devamos ser condescendentes com quem é agressivo. A vida em sociedade tem regras que devem ser respeitadas, e a disciplina exige hierarquia e respeito. Mas isso não impede que analisemos com cuidado essas pessoas e as situações que estão vivendo. A empatia e a compreensão de seus dramas íntimos nos ajuda a lidar com a situação de maneira racional, sem revides impensados, sem exigências de reparação do orgulho ferido.

Ninguém tem atitudes agressivas por nada. Tanto encarnados quanto desencarnados que mantêm posturas agressivas estão precisando de compreensão e amor. Quem é plenamente amado não é agressivo. Quem ama e valoriza a vida também não é agressivo.

É fácil fazermos julgamentos precipitados por causa da impressão negativa que a agressão transmite. É fácil acusar e julgar.

Com a medida que medirdes, sereis medidos

Mas se olharmos pra nós mesmos e analisarmos os motivos que nos levaram à agressividade em algum momento menos feliz, verificaremos que isso ocorreu num momento de fragilidade, num momento em que seria difícil expor o problema que vivíamos.

Devemos atentar sobretudo a quem normalmente não tem esse comportamento. A agressividade pode ser indício de algum problema sério ou que pareça sério a quem o vive. 

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

21 Comentários

  1. Marcela, sua boa vontade é louvável, mas não é muito simples ajudar quem não quer ser ajudado. É importante que você não abra mão dos seus pontos de vista e não se deixe atingir pela descrença e má vontade dele. Ao falar sobre espiritualidade com pessoas descrentes é melhor fazermos uma abordagem científica, evitando falar em termos religiosos. Essas pessoas se acham muito racionais. Nossos argumentos, então, devem ser racionais e lógicos. Não force a barra, não crie expectativas. É comum que pessoas assim não se convençam por nada durante muito tempo. A ajuda efetiva que você presta a ele é através do seu exemplo de vida.

  2. Oi morel!
    Eu sou a MARCELA e cheguei ao teu site através de uma pesquisa que estava fazendo sobre os sonhos, pois estou estudando O Livro dos Espíritos. Casualmente cheguei ao artigo da agressividade, que esclareceu e me ajudou bastante. Mas para resumir, venho te pedir auxílio, claro caso esteja ao teu alcance. Meu namorado é uma boa pessoa, mas passou por muita coisa já nesta jornada. Inclusive entendo o fato dele ser um tanto agressivo em atitudes e às vezes palavras. Ele nunca me agrediu fisicamente, mas é bastante complicado lidar com a situação entre outras. Quero ajudar ele. Tento pouco a pouco ir contando o que estou aprendendo com a doutrina, mas vejo que ele não aceita muito bem. E sinto que o X de todos os problemas é a falta de fé. Acho que a fé seria a metade do caminho andado. Sei sobre o livre arbítrio, e jamais cogitei forçar ou induzir algo. Mas gostaria de ajudá-lo nessa existência. Tentar mostrar que existe algo que pode amenizar a dor e a superar as provações pelas quais ele já passou e outras que ainda passa. Como posso ajudá-lo? Sinto que não sou totalmente preparada, e que essa situação me afeta também, mas minha fé é a base, então acredito me sair bem, mas só assistir a situação me deixa frustrada. O que posso fazer? Tem algo que esteja ao meu alcance e não estou vendo? Como mostro pra ele que existe algo de bom em que confiarmos?
    Desde já sou grata.

  3. Olá Morel.
    Eu e minha mãe passamos medo há 10 anos, desde que minha mãe se casou com meu padastro.
    Ele costuma dar ordens em casa, e é muito agressivo. Ele já bateu na minha mãe muitas vezes, e me educou assim também. Nos últimos anos evitamos brigas, mas se deixarmos de fazer algo ele pode ficar agressivo de uma hora pra outra. Ele não é uma pessoa de conversas, ele é muito materialista e não tem muita paciencia. Eu e minha mãe estamos cada ano mais sufocados com esse estilo de vida.

  4. Boa tarde, Morel Felipe, meu nome é Claudia, tenho 39 anos e 2 filhos lindos, um de 16 e outra de 23 anos, ando passando por maus momentos com o meu filho de 16 anos, ele está muito agressivo comigo, gostaria de uma ajuda espiritual.

  5. Gratidão pelos ensinamentos, me foram muito esclarecedores.
    Trabalho em um centro espírita, com crianças de uma comunidade carente, carentes não só do material, mas carentes de amor. Sábado iremos conversar sobre agressividade, vou usar este material!! Grata.

  6. Por maior que seja o seu sentimento por ele, ou a vontade de ajudá-lo permitindo a sua volta, não acredito que seja benéfico arriscar-se sabendo da sua violência. Casamento pressupõe, no mínimo, respeito. Onde há violência não há respeito. Há outras formas de você ajudá-lo, se quiser. Melhor evitar uma situação perigosa antes que ela se instale.

  7. Bom dia! Meu ex marido quer voltar a morar comigo, mas ele é agressivo física e verbalmente falando, tenho medo dele me matar ou se matar na minha frente! Mas o que devo fazer, além das orações? Morel me ajude!

  8. Valeria, não acompanho o noticiário e evito este tipo de matéria. Se estiver incomodada, ore por ela e pelas pessoas envolvidas. Só isso.

  9. MOREL , BOM DIA .
    TUDO BEM.
    SEMANA PASSADA HOUVE ESSE LINCHAMENTO A UMA MULHER , NA CIDADE DO GUARUJÁ .
    FIQUEI HORRORIZADA. SENTI UMA DOR MUITO GRANDE POR TUDO QUE VI . TIVE A INFELIZ IDEIA DE VER O VÍDEO QUE FOI POSTADO POR PESSOAS QUE FILMAVAM ENQUANTO A MULHER AGONIZAVA … ELA SÓ HAVIA OFERECIDO UMA FRUTA A UMA CRIANÇA QUANDO SAIA DO MERCADO E A MÃE DA CRIANÇA GRITOU E A ACUSOU DE SER UMA MULHER QUE ESTAVA PRATICANDO MAGIA NEGRA E MATANDO CRIANÇAS NA REGIÃO DETALHE A HISTORIA ERA UM BOATO E NEM SEQUER EXISTIU. E ESSA TURBA FOI SE FORMANDO DIZEM QUE CHEGOU GENTE ATÉ DE TAXI PARA PARTICIPAR DO LINCHAMENTO. SENTI UMA GRANDE REVOLTA POR TUDO ISSO CHOREI MUITO . PEDI A DEUS QUE TIRASSE ESSE SENTIMENTO DE MIM. REZEI PELA SUA ALMA E PELA PAZ DE SUA FAMÍLIA. GOSTARIA DA SUA VISÃO A RESPEITO DESSE CASO.

  10. Olá Morel!
    Sinto uma emoção grande ao ler esse texto sobre agressividade, e de quanto somos ignorantes perante a vida. E que pouco a pouco vou descobrindo fatos e revelações e me sinto cada vez mais surpreendida com a espiritualidade… Preciso apenas saber lidar melhor com as situações que me são impostas, preciso encontrar o equilíbrio da situação, saber ponderar…

  11. Eu não sabia o porquê eu era agressivo, tive que perder e muito, principalmente quem eu amo, hoje de certa forma eu sabia que tudo tem um motivo, e sei o porquê era agressivo.

  12. Concordo com Josiane, também não tinha visto a agressividade por este ângulo.
    Como é bom aprender…
    Obrigada.

  13. Olá Morel, muita paz.
    A questão da agressividade exteriorizada em atitudes em prejuízo de outrem ou em prejuízo de si mesmo, causa-nos variados sentimentos e confesso nunca ter olhado sob esse ângulo, questão tão presente no ninho familiar. Confesso que já tive meus momentos de agressividade, mas a maturidade e a experiência de vida nos favorece com a calma e o ato de refletir bem sobre a essência de nossos sentimentos, e talvez por isso hoje já tenhamos alcançado certo controle de nós mesmos, o que não descarta a possibilidade de vez ou outra nos desequilibrarmos. Fato é que o desafio da calma, contrária à agressividade, é presente para quase todos que estão nesse planeta, afinal estamos todos em plena caminhada evolutiva, uns ensaiando os primeiros passos, outros já um pouco à frente e todos caminhando para o mesmo fim, equilíbrio pleno de suas emoções. Até lá tudo é aprendizado e busca.

  14. Olá Morel, confesso que nunca havia pensado dessa forma, sempre achei que a agressividade era sinônimo de desequilíbrio. Uma bela reflexão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.