Reencarnação, Vídeo

Relacionamento de vidas passadas

relacionamento de vidas passadas

Você acredita que o seu relacionamento pode ser de vidas passadas? Você sente que já conhecia o seu parceiro (a) antes da existência atual?
 
Grande parte dos brasileiros acredita em reencarnação. De acordo com uma pesquisa do Datafolha, 37% dos brasileiros acredita totalmente em reencarnação. Somando os que têm certeza e os que apenas admitem a hipótese da reencarnação, esse número ultrapassa os 50%.
 
Isso é muita gente. A maior parte não tem ideia de como se processa a reencarnação. São pessoas que sentem que tiveram outras vidas e que vão continuar a ter outras vidas depois dessa. Mas nunca pararam para se questionar como isso acontece, o que exatamente determina o meio em que nós reencarnamos, as pessoas no meio das quais nós nos desenvolvemos e com quem, possivelmente, podemos nos relacionar.
 
Existe uma farta literatura espiritualista que trabalha com essa ideia de reencarnação de uma maneira mais popular, mais romântica.
 
O maior exemplo, provavelmente, é a Zíbia Gasparetto. O trabalho da Dona Zíbia merece todo o respeito. Tem espírita que execra os livros dela – não sei porque, já o que o seu trabalho não é espírita, é espiritualista.
 
Os livros da Zíbia são importantes porque dão uma ideia, mesmo que superficial, de alguns princípios básicos como a reencarnação, a comunicação e influenciação entre os encarnados e os desencarnados e a Lei de causa e efeito.
 
Mas esses romances água com açúcar dão margem a muita fantasia. Temos que considerar que a maior parte dos leitores desses livros são pessoas que não estudam a Doutrina – são simpatizantes do Espiritismo, católicos, evangélicos, umbandistas, não são pessoas versadas na Doutrina Espírita.
 
E, principalmente entre os mais jovens, forma-se uma tendência de acreditar em almas gêmeas, ou de achar que a pessoa com quem se está relacionando é um amor de outras vidas, ou que é um carma, um relacionamento de resgate.
 
Muitas pessoas já me escreveram dizendo-se muito temerosas de terminar um relacionamento com medo de que terão que voltar de novo com essa mesma pessoa, porque isso é um carma que elas têm que resgatar.
 
E muitas pessoas, inclusive no meio espírita, acham que, se agora é difícil conviver com essa pessoa, na próxima vida iria ser mais difícil ainda.
É verdade que nós reencarnamos próximo daqueles com quem nós temos afinidade. Quem são as pessoas com quem nós temos afinidade? São aquelas pessoas com quem nós temos vínculos de amor ou de ódio – ou um pouco dos dois.
 
Então acontece de nós reencontrarmos alguém com quem nós já convivemos em outra existência, alguém por quem nós nutrimos afeto ou desafeto.
 
Mas isso não é uma regra. A vida é movimento, nós estamos sempre diante de situações novas, de novos aprendizados e de novos seres em nossa vida.
 
Nem faria muito sentido nós circunscrevermos o nosso círculo de convívio e influência aos mesmos seres de sempre. Nós convivemos com alguns seres que são velhos conhecidos de outras existências, mas também estamos sempre entrando em contato com outros seres pela primeira vez.
 
Hoje nós vivemos um fenômeno nunca antes experimentado na História da humanidade: Nós temos a possibilidade de nos relacionar com várias pessoas. É verdade que isso nem sempre é conveniente – mas não estamos aqui para dar lição de moral.
O fato é que nós experimentamos muito. E é um equívoco acreditar que todas essas experimentações são repetições de relacionamentos anteriores.
 
Algumas pessoas têm uma sensibilidade especial para reconhecer, até certo ponto, seres com quem conviveu em outras existências. Mas, de um modo geral, não há como saber.
 
E muitas pessoas (principalmente mulheres) têm uma enorme curiosidade de saber se a pessoa com quem estão se relacionando é um amor de outras vidas ou não.
 
Não tem como saber isso. A pessoa pode especular, pode fazer regressão para tentar lembrar. Mas temos que respeitar a Lei que rege o nosso plano. Se nós não sabemos, e se não há motivo para saber, por que se incomodar com isso?
 
Não há motivo nenhum apara sabermos se um relacionamento começou nessa existência ou se ele já existia antes. De que nos serviria isso? Será que iríamos mudar nossas atitudes por causa disso?
 
Temos que agir do modo como sabemos ser o certo, sempre. Se fizermos isso, não há com que se preocupar. Conhecer alguém é uma oportunidade de aprendizado com esse alguém e de acrescentar algo na vida desse alguém. Se não está bom, a decisão de continuar a relação ou terminar a relação vai ter que ser tomada de qualquer jeito.
 
Esse medo de que o relacionamento pode ser um carma não ajuda em nada. A nossa responsabilidade é a mesma, sempre.
 
Tem pessoas que transformam a sua própria vida ou a vida do seu cônjuge num verdadeiro inferno. E sentem um ódio e uma aversão tão grandes que acham que isso deve ser de “outras vidas”. Por que teria que ser de outras existências? Todo ódio, toda aversão começa um dia, não importa em que existência.
 
Grande parte dos relacionamentos, talvez a maioria, começa por atração sexual. Simples desejo. Não tem nada unindo o casal além do desejo. Não tem afinidade de gostos, de ideais, de pensamentos. Não tem nada a ver com carma.
Às vezes pode haver um planejamento pré-reencarnatório, pode haver alguém no nosso caminho com quem nós temos muita afinidade – mas nós nos perdemos no meio do caminho por causa de tesão.
 
A verdade é que, se sempre formos corretos, respeitarmos e ajudarmos a pessoa com quem nos relacionamos, não há o que temer; nós só temos a ganhar – independentemente de sermos reconhecidos ou correspondidos. O bem que fazemos estamos fazendo, em primeiro lugar, a nós mesmos.

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

3 Comentários

  1. Obrigado pelas palavras, realmente muito do que pensamos foi exatamente o que escreveu. E Lisa, faço das suas as minhas palavras. Espero que você alcance a paz que almeja sobre seus sentimentos, que ficaram feridos, mas creio que isso passa, não só com o tempo, mas com sua permissão.

  2. Bom dia, antes de tudo quero lhe parabenizar pelos seus artigos. Passei por momentos difíceis e o seu trabalho me trouxe muita paz.
    Me relacionei com uma pessoa e só fui descobrir sua face verdadeira após o fim da relação. Isso me trouxe um sentimento de culpa enorme e principalmente de muito ódio. Hoje posso dizer que ele é passado, mas o medo de uma nova relação me acompanha. Oro muito a Deus quando sinto esse e outros sentimentos.
    Espero de coração que Deus sempre lhe traga inspiração para seguir ajudando através de suas palavras.
    Um forte abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.