Reforma íntima

Espiritismo e inteligência

tecnologia

Morel Felipe Wilkon

Ouça este artigo na voz do autor

O Espiritismo diz que a inteligência é um atributo essencial do espírito. Por que não acabamos com o sofrimento através da inteligência?

Se nos compararmos com um século ou dois atrás, não é preciso muito esforço para perceber o quanto evoluímos em conhecimentos. Nossa inteligência está muito mais desenvolvida do que estava num passado nem tão distante. Qualquer universitário meia-boca sabe mais que muito sábio da Idade Média.

O sofrimento é mais antigo que a inteligência
O sofrimento é mais antigo que a inteligência

Não podemos dizer a mesma coisa em relação ao aspecto moral. É inegável que melhoramos. Não há mais lugar para aberrações como a escravidão, o domínio da mulher pelo homem, perseguições religiosas. Mas a inteligência avançou bem mais que a moral. Alguns avanços morais são apenas aparentes. São controles impostos pela legislação, pelos novos hábitos da sociedade.

Algumas décadas atrás os avanços tecnológicos de hoje eram inimagináveis. A internet não estava nas cogitações nem dos mais visionários. Temos acesso, hoje, a praticamente toda informação de que precisamos. Se a solução de nossos problemas estivesse diretamente ligada ao nível de informação, estaríamos prestes a resolver as questões mais aflitivas.

Por que não acabamos com o sofrimento através da inteligência? Simples. O sofrimento é mais antigo. Bem mais antigo. Não vai desaparecer de uma hora pra outra. Nossa inteligência vem se aprimorando agora, não faz muito. Há alguns séculos era privilégio de uns poucos. A grande maioria dos espíritos vinculados à Terra não havia desenvolvido a inteligência como se desenvolve hoje, por meio do estudo metódico e do trabalho organizado.

O sofrimento, por outro lado, é muito antigo. Sentimentos como raiva, inveja, ciúme, acompanham o homem desde a pré-História. Em algum momento no Paleolítico, que vai de dois milhões de anos até dez mil anos atrás, os espíritos aqui encarnados começaram a formar agrupamentos familiares mais definidos, e um dia certamente homens e mulheres foram preteridos por outros e inauguraram o ciúme. E o despeito, e a traição, e a vingança. Claro que eram sentimentos primitivos, pouco mais que instintivos, mas essas coisas que sentimos hoje não são ainda instintivas?

O sofrimento é muito mais antigo que o desenvolvimento da inteligência. É impossível que de um momento pro outro passemos a racionalizar tudo e consigamos superar tantos milênios de sofrimento.

Foi preciso desenvolvermos a inteligência para compreendermos a importância do amor. Não fomos capazes de contrapor o amor à brutalidade dos nossos sentimentos primitivos. Podíamos ter descoberto e experimentado o amor há muito tempo. Há milênios que nos reunimos em grupos para nos proteger, há milênios precisamos uns dos outros para sobreviver, há milênios existem mães que amamentam e cuidam, há milênios homens e mulheres precisam uns dos outros para terem, no mínimo, aconchego,  conforto físico, prazer. E a partir de um certo ponto da História, carinho, bem-estar, talvez amor.

Hoje temos a inteligência razoavelmente desenvolvida a nosso favor. Evoluir moralmente, hoje, já é uma questão de escolha bem definida. Não quer evoluir quem é burro. Pois sabemos que o Mal é fruto da ignorância, e não há mais desculpa para a ignorância hoje. 

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

9 Comentários

  1. Luana, as oportunidades são iguais para todos. As aparentes injustiças só são válidas se desconsiderarmos a reencarnação. Quem reencarna em condições materiais precárias está tendo uma experiência como qualquer outra. O progresso moral, nosso maior objetivo, independe de condições materiais.

  2. Olá, Morel. Fiquei em dúvida em relação às pessoas que têm precárias condições de vida. Aquelas mais pobres, principalmente, que vivem em meio a desgraças, drogas, etc… Estas pessoas também precisam evoluir, mas como elas podem chegar neste caminho? Também é uma questão de escolha para elas, mesmo as oportunidades não sendo iguais? Obrigada!

  3. Sissi, no estágio evolutivo em que estamos, não há mérito algum em ser espírita. Não acho que seja sinal de adiantamento, é só uma particularidade do espírito, é um modo de ver que combina com a sua formação milenar. Mas há que se considerar que muitos de nós nos comprometemos como o espiritismo antes de reencarnarmos, por isso temos como que uma lembrança da realidade espiritual.

  4. Ola Morel, excelente texto,uma realidade que estamos vivendo, um avanço intelectual que revela dois caminhos, o caminho do bem e do mal, enquanto que o avanço moral sempre nos levará para o caminho do bem, e por isso é um caminho mais longo. Tenho uma dúvida, porque muitas pessoas já nascem crendo no espiritismo, outras com alguma busca passam a crer, e outras apesar de serem cultas, formadas, pós-graduadas não conseguem crer? E muitas que conheço que pouca instrução têm, conseguem crer com muita facilidade? Seria por mérito? Dom? Aguardo sua reposta, e já agradeço a atenção. Muita paz a todos.

  5. É, duas vertentes de águas cristalinas excelentes para o crescimento espiritual são o avanço intelectual e o avanço moral, lembrem-se que eles estavam no Éden representados nas árvores do conhecimento do bem e mal e na árvore da vida, e esta última é a moral. A preferência do ente é sempre pelo conhecimento adiando o crescimento moral, por isso Adão e Eva, em representação da raça humana, foi aguçada primeiramente pelo fruto do conhecimento e não o da árvore da vida que simboliza o crescimento moral, e isso vemos em nós até hoje, já que preferimos comprovar a nossa razão e opinião a todo custo em vez de calar e compreender a opinião e razão alheias. Paz a todos.

  6. Olá Morel, maravilhoso esse texto! Uma vez eu assisti a uma palestra no Centro Espírita sobre a inveja, o irmão falou que é o sentimento mais primitivo do ser humano, pois dependendo do caso o leva a outros mais degradantes, mas o que mais me chamou a atenção foi quando ele disse que esse sentimento geralmente nasce entre pessoas próximas, como os “amigos” e no próprio convívio familiar, pois é mais fácil sentir inveja do irmão que está ali ao seu lado do que aquele que está longe, fiquei perplexa, é triste, mas infelizmente é verdade!

  7. Bom dia Morel! É estranho ver como para as coisas materiais somos tão inteligentes e para a moral nos fazemos de ignorantes. Fiquemos em paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.