Reforma íntima

O Espiritismo e a reforma íntima

O espiritismo e a reforma íntima

Ouça este artigo na voz do autor

Você pratica a reforma íntima? Você se esforça para progredir espiritualmente? O espiritismo fala tanto em reforma íntima que não há como fugir a essa pergunta. Você é espírito imortal, e tudo o que você planta, colhe. A colheita pode ser rápida, quase imediata, mas também pode se estender por várias reencarnações… Você tem a eternidade à sua frente. Só que a eternidade não vai começar quando você desencarnar. A eternidade já está acontecendo, ela é o agora, a eternidade é o tempo todo.

Se você fosse comodista (você não é, né?) poderia pensar que não tem pressa em se melhorar, em promover a reforma íntima, já que tem todo o tempo do mundo pela frente… Mas como você é dinâmico e prático, sabe que quanto antes você superar suas imperfeições aparentes, mais cedo você experimentará uma paz mais elevada, um amor mais puro, uma felicidade mais constante.

Um dos pontos mais importantes da reforma íntima é fazer o bem sem ostentação. É a prática do ensinamento do Mestre que diz que quando você der esmola, não saiba a sua mão esquerda o que faz a sua mão direita, para que a esmola fique em segredo, e o Pai, que vê o que se passa em segredo, lhe recompensará.

Todos nós gostamos de ser reconhecidos pelas coisas boas que fazemos. Gostamos de ver nossos esforços valorizados, gostamos de perceber no outro a confirmação de nossa satisfação íntima. Sim, pois nem sempre é por ostentação que queremos ser reconhecidos. Nem sempre é pra aparecer, pra se mostrar, pra se fazer de bonzinho. Muitas vezes fazemos o bem pelo bem. Nosso primeiro impulso é fazer o que deve ser feito, sem cálculo, sem esperar recompensa.

Mas nosso primarismo não resiste. Ficamos tão satisfeitos com nossos atos meritórios, que gostamos de ver nossa satisfação espelhada naqueles que nos rodeiam. Isso é grave? Depende do ponto de vista. É indiscutivelmente melhor fazer o bem e querer ser reconhecido do que não fazer o bem. Estou errado? Se você acha que estou errado, por favor, me corrija. O espaço para comentários é logo ali embaixo, e ele é todo seu. Mas acho que não estou errado, não.

Mesmo que você espere reconhecimento e gratidão pelo bem que você faz, isso já é um grande começo, um passo importantíssimo. Mas não podemos nos acomodar nessa situação. Temos que aprender a não esperar nada em troca. Nem gratidão, nem reconhecimento, nem elogio, nem nada.

Recentemente me deparei com uma situação que ilustra bem o assunto. Uma pessoa solícita, prestativa, de boa vontade, com tanta disposição em auxiliar a quem precise, que muitas vezes me cobrei por não fazer o mesmo. Mas, num momento de crise, usou como argumento o fato de “ajudar todo mundo”.

É digna de todos os méritos a atitude de boa vontade, a atitude de iniciativa em auxiliar a quem precisa ou aparenta precisar de ajuda. Mas a recompensa tem que ser natural, interna. Lembra do ensinamento do Mestre que mencionei há pouco? No finalzinho diz que “…o Pai, que vê o que se passa em segredo, lhe recompensará.” Quem é o Pai que vê o que se passa em segredo? Deus? Sim, mas não Deus como algo exterior a nós, como se costuma imaginar. Deus que vê o que se passa em segredo é o nosso olho interno, é a nossa consciência, é a partícula divina que somos nós, cada um de nós.

Deus nos fez à sua imagem e semelhança. Somos dotados de qualidades divinas. Nossa consciência é a parte de Deus que nos cabe, é Deus em nós, é a manifestação de Deus em cada criatura. Então a recompensa que o Pai dá é a satisfação íntima, a inigualável sensação do dever cumprido, e isso é parte importante da reforma íntima.

Isso tudo deve ser um exercício diário, sem tréguas e sem desânimo. Não se iluda, você não vai reformar-se da noite para o dia. É necessário persistir, tentar sempre mais. Sem tentativa, nada acontece.

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

10 Comentários

  1. A Reforma Moral

    1)O Espirito humano se reencarna no plano terreno é para crescer moralmente e espiritualmente, pela pratica sincera do Bem e das Virtudes, estamos no plano da Matéria é para VENCER as influencias negativas da matéria e edificar valores morais superiores, como, a Caridade, a Honestidade, a Fraternidade, o Respeito, a Educação, o Amor, a Elevação dos pensamentos e a purificação dos sentimentos, o nosso Dever é buscar a Luz e repudiar a escuridão.
    Nenhum Espirito se reencarna no mundo terra, para praticar o mal, não existe predestinação para o crime, para o fracasso, para a derrota, para os vícios, para a imoralidade, para a hipocrisia, o mal não é obra do Destino e nem obra de Deus, o mal é obra das nossas imperfeições morais é por isso que devemos combater gradativamente as nossas imperfeições morais, para podermos Evoluir e crescer espiritualmente, ninguém conseguira evoluir enquanto não travar uma LUTA seria contra as suas impurezas morais, cada sujeira moral é uma trava para nossa Evolução.
    As impurezas morais ou imperfeições morais não estão na matéria corporal e sim em nosso Espírito que é o ser pensante, portanto, a nossa Luta é espiritual, cada vitoria sobre os maus pensamentos, sobre os maus sentimentos, sobre os vícios, sobre os maus hábitos, é uma LIBERTAÇÃO espiritual e um impulso para nossa Evolução.
    Estamos no plano terreno é para VENCER e não ser vencidos pelas nossas imperfeições morais e pelas influencias negativas e degradantes da matéria, nó somos filhos de Deus o Grande Foco de Luz, e o Criador não cria nenhum Espírito para ser fraco, derrotado, mimado, malandro, picareta, viciado, fracassado, não existe fatalidades morais na vida do Espírito, somos nós mesmos que criamos nosso Céu ou inferno, pelo uso do livre arbítrio.
    Se nós somos filhos da Grande Luz, nós temos a luz dentro de nós, nós somos Luz, estamos na Luz e vivemos na Luz e buscamos a Luz, portanto, ninguém se reencarna no plano material para viver na escuridão ou para praticar a escuridão.
    Cada imperfeição moral que eu procuro Vencer é um impulso para nosso crescimento espiritual, estamos em processo evolutivo e nós somos filhos de Deus, portanto, nós podemos e devemos lutar contra essas imperfeições morais e espirituais.

    Nenhum espírito é levado fatalmente para o bem ou para o mal, somos LIVRES moralmente para praticar o Bem ou o mal, nós temos o Livre arbítrio que é a liberdade que eu tenho para pensar, sentir e agir, eu posso pelo uso do Livre arbítrio escolher os caminhos da minha Evolução, ser fraco, derrotado, mimado, maldoso, desonesto, fracassado, picareta, viciado quem escolhe sou eu, isso não é obra do Destino e nem vontade de Deus, isso é obra das minhas imperfeições morais e das minhas fraquezas espirituais. Se eu procuro ser bom, correto, honesto, cordial, educado, trabalhador, digno, sem vícios e sem maus desejos é por que eu ESCOLHI esse caminho, eu edifiquei essa Luz em minha vida.
    Portanto, somos nós que criamos nosso Céu ou inferno, conforme, o uso do Livre arbítrio.
    A Reforma intima ou Reforma Moral é um processo de LUTA espiritual que devemos desenvolver gradativamente, não podemos criar desculpas ou criar justificativas para nossas imperfeições morais, por que, elas não foram criadas por Deus e sim por nós mesmos, se nós criamos esse LIXO quem deve LIMPAR esse lixo é nós e não Deus.
    Deus nos deu o Livre arbítrio para nós mesmos edificar nossa Evolução, nós somos filhos das nossas Obras, cada pensamento no Bem, cada sentimento nobre, cada atitude de amor e caridade é um avanço espiritual para o Cristo ( as Virtudes Superiores)

    2) Deus não criou as nossas imperfeições morais e os nossos vícios
    Deus não criou o sofrimento, nem o crime e nem as guerras
    Deus não criou a miséria, as favelas e a má distribuição de renda
    Deus não criou a imoralidade, a corrupção, o egoísmo
    Deus não criou o racismo, a maldade contra os animais e as injustiças
    Deus não criou o ódio, nem a raiva, nem a ira, nem a cólera
    Deus não criou a escuridão moral
    Essa sujeira não é de Deus essa sujeira é minha, somente minha, toda minha.
    Deus criou a VIRTUDE e o homem criou o vicio
    Pense nisso, mais cuidado não fique só pensando, devemos antes de tudo PRATICAR as Virtudes de Deus.
    Se eu sou filho de Deus, Deus me criou para que?
    Para ser fraco, derrotado, fracassado, viciado, imoral, delinqüente, bandido, claro que NÃO.
    Deus te criou para ser VITORIOSO pleno de Luz e Virtudes
    E o nosso Dever é glorificar as Virtudes de Deus dentro de nós, praticando, praticando, praticando e praticando.
    A Reforma Intima ou a Reforma moral se processa de forma gradativa, no qual vamos lentamente combatendo as nossas imperfeições morais, exemplos, vencer o vicio do cigarro é uma libertação espiritual, vencer o vicio da bebida, vencer o vicio da gula, vencer o vicio do jogo, são conquistas morais para nosso crescimento espiritual, outro exemplo, vencer os sentimentos negativos de ódio, raiva, inveja, egoísmo, falsidade, desonestidade, racismo, ciúmes, são conquistas muito importantes para nossa Evolução.
    O Espirito se reencarna no plano terreno é para VENCER as suas imperfeições morais e evoluir, ninguém esta predestinado a ser fraco, derrotado, leviano, fracassado, viciado, malandro, picareta, nada disso existe como fatalidade cega do Destino, temos o Livre arbítrio para escolher o Bem ou o mal, a Virtude ou o vicio, a Luz ou a escuridão.
    Nós construímos o nosso Destino.

    3) Deus não criou as minhas imperfeições morais e são elas que estão travando a minha Evolução espiritual, portanto, cabe a mim somente a mim combater essas imperfeições morais.
    Deus não criou nenhum espírito para o fracasso moral, nós temos o Livre arbítrio que é a LIBERDADE de pensar, sentir e agir, para eu mesmo construir a minha derrota ou a minha Vitoria.
    O céu ou o inferno é uma questão de escolha ou direção.
    Isso tudo se resume em nossa reforma intima ou reforma moral.
    Perguntamos, a minha Reforma Moral é obra do Destino é obra de Deus ou é obra do meu LIVRE ARBÍTRIO.

    4) Na Obsessão se aplica o mesmo raciocínio.
    Perguntamos, a Obsessão é obra do Destino é uma fatalidade, ou é obra das minhas imperfeições morais? Se são as minhas imperfeições morais que atraem pela sintonia vibratória os maus espíritos, a cura esta na minha Reforma Moral.
    Reformando moralmente meus pensamentos, sentimentos e atitudes eu vou elevar o meu Padrão Vibratorio e atrair a assistência dos Espiritos Elevados e Superiores.
    Quem cria a Obsessão não são os espíritos obsessores é a nossa imprudência moral e mental que vai criar um campo de abertura para os espíritos inferiores, perturbadores e obsessores do plano astral se aproximarem.
    Eles se aproveitam das nossas imperfeições morais
    Repetimos, a Obsessão não é obra dos maus espíritos, ela é obra dos nossos pensamentos negativos, sentimentos impuros, vícios, imprudências, maldades, por que, cada um vai receber o Bem ou o mal, conforme as suas OBRAS.

    Morel caso você ache esse artigo certo, você poderia se possível divulgar ele, se possível, se não for possível tudo certo, eu gostaria de intercambiar idéias e raciocínios com outras pessoas.
    Um abraço meu amigão.

  2. É assim que penso, Fabíola. É melhor fazer um bem com uma intenção qualquer que não seja a caridade pela caridade do que não fazer. Aos poucos vamos internalizando esse hábito, até que ele se torne espontâneo. Obrigado, Fabíola!

  3. Olá, Felipe. Gostei muito das suas colocações. Creio também ser raro “fazer o bem” sem querer nada em troca. Da mesma forma, somos seres complexos, então também existem vários sentimentos agindo em conjunto por trás de uma ação. Acredito também que é melhor fazer algo, mesmo motivado por vaidade, do que não fazer. Até porque muitas coisas boas no mundo nasceram daí e também acredito que quem recebe não se importa tanto com as questões emocionais do outro. Nisso já está uma fagulha do bem e com o tempo se “educa” a não esperar nada. Então que sejamos exemplo, naturalmente, pros outros, mas comecemos sendo para nós mesmos.

  4. Thamar, quase sempre é nos momentos de crise ou de maior dificuldade que descobrimos forças em nós mesmos que até então nos eram desconhecidas.

  5. Sabe Morel, com minha vinda pra esta cidade, onde não tenho parentes e nem amigos, tive minha “ascensão” se posso assim dizer quanto à reforma íntima. Passei por provas e não tive a quem recorrer, fui aos livros, choros e súplicas aos anjos guardiães que me deram a força e coragem pra “me” enfrentar e confesso (após 13 anos) consegui, saí muito mais forte e incrível mais doce. Fiquei feliz por não desperdiçar a minha oportunidade de progresso, sabe lá quantos séculos no mesmo erro não? Abraços

  6. Terezinha, que bom ler seu comentário. Entendo que essa parábola de Jesus esteja mais relacionada ao conhecimento, à luz do conhecimento que não deve permanecer oculta, que deve ser propagada, vista por todos. Quanto às nossas ações, Terezinha, são raras as pessoas que já conseguem agir para o bem com espontaneidade, sem esperar nada em troca. Por isso defendo que se deve fazer o bem mesmo que se saiba que no íntimo se espera recompensa. O hábito e a experiência é que podem fazer as boas ações acontecerem naturalmente. Obrigado, amiga.

  7. Olá Felipe, estamos aqui de novo pra mais uma reflexão de uma verdade. Como você colocou …pra quem se beneficia do auxílio… pouco importa se foi com intenção de vaidade ou caridade… simplesmente ele é atendido em sua necessidade. Agora lógico que nossas ações tem que ser unicamente para nossa reforma íntima ser exercitada, e isso diz respeito só a nós e Deus… que tudo vê em segredo do nosso coração. Agora também fica aqui um questionamento meu quando Jesus diz: não se acende uma luz pra se colocar embaixo de uma mesa… que vossa luz brilhe… Claro que não se deve fazer alarde da nossa atitude.. mas muitas vezes essas atitudes irão também servir de exemplo a outros.. não esquecendo sempre nossa mais íntima intenção…que só Deus poderá saber… Creio que tudo se encontra é na intenção que colocamos em nossas atitudes. Livres de egoísmo ou vaidade…. Um grande abraço!

  8. Muito respeitável seu argumento, ainda mais por ser embasado no Livro dos Espíritos. Mas onde começa o egoísmo? Onde é a linha divisória entre um ato não egoísta e um ato egoísta? A prática da reforma íntima requer desprendimento. Caridade no lugar que era ocupado pelo egoísmo. Mas começamos a reforma porque NÓS precisamos dela. Isso não parte de um princípio “egoísta”?
    Mas deixemos de lado a conceitualização de egoísmo. Digamos que um ato (fazer o bem) seja feito unicamente em busca do reconhecimento. Quem é beneficiado pelo ato não quer saber se ele foi feito por egoísmo ou por caridade. Um exemplo banal: Um homem faminto recebe um pão. A ele pouco importa com que intenção foi dado o pão.
    Acho que toda virtude começa de um esforço, de uma “forçação de barra”. Só com muito tempo e persistência ela se torna natural.
    Como vê, discordamos nesse ponto…
    Um grande abraço, amigo.

  9. Emi, é claro que isso não acontece de uma hora pra outra. PRECISAMOS DISSO QUE VOCÊ FALOU: ESFORÇO. Obrigado pelo comentário.

  10. É… a reforma íntima é diária… Me esforço para pensar e agir de maneira a não esperar recompensa sobre minhas ações para com as pessoas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.