Mídia e sociedade

Raul Seixas e o espiritismo

Raul Seixas e o espiritismo
Raul Seixas e o espiritismo

Ouça este artigo na voz do autor

Raul Seixas foi uma das minhas maiores influências para o espiritismo. Mas Raul Seixas era espírita? Não, longe disso. Que eu saiba, seu único contato com o espiritismo se deu por intermédio do Maestro Miguel Cidras, que fez os arranjos de músicas como “Gita”, de 1974.

 

Na adolescência percebi que as músicas de Raul não diziam o que pareciam dizer. Havia uma mensagem por trás da aparência de simples irreverência. Assim tomei contato com esoterismo, astrologia, ufologia, magia. Descobri outras grandes religiões, como o hinduísmo retratado em Gita, uma adaptação de um trecho do livro sagrado Bhagavad Gita.

A essas alturas eu já conhecia espiritismo, umbanda, batuque, seicho-no-ie e outras coisas. Mas achei interessante o estudo da magia propagada por Raul. “Sociedade Alternativa”, pra quem não sabe, é uma apologia a um novo modelo de sociedade, um outro tipo de pensamento, totalmente avesso ao cristianismo, formulado por Aleister Crowley, autodenominado “A besta 666”. “Faze o que tu queres, há de ser tudo da lei”, “A lei do forte, essa é a nossa lei e alegria do mundo”. São frases cantadas por Raul Seixas retiradas do “Livro da Lei”, de Aleister Crowlei, de 1910.

Raul Seixas tem lindas músicas de cunho espírita, embora ele não fosse espírita. “Tente outra vez” é a música mais espírita que eu conheço.

“Por quem os sinos dobram” é uma síntese perfeita de otimismo e verdade. Mas há músicas de uma inegável rebeldia anticristã.

 

Não sou inquisidor (pelo menos não nesta reencarnação). Não acho que a verdade tenha dono, ou que é preciso ser cristão para ser salvo. Mas sei que, como eu, milhares de jovens foram e ainda são influenciados pela rebeldia anticristã e antissistema de Raul Seixas. Muitos aprendem com isso, e fazem de seus estudos e de suas descobertas trampolim para seu crescimento espiritual. Mas muitos outros entram em contato com baixa magia e satanismo numa ilusão de busca de poder.

Jovens, em geral, querem poder. E jovens têm pressa. Querem tudo pra ontem. Não querem se dar ao trabalho de estudar a mediunidade, de se cristianizarem para saberem lidar com o poder mental que irão adquirir através do estudo metódico.

Talvez por influência de falsos cristãos midiáticos, de alguns pastores fiasquentos e de padres enfeitados demais e de espíritas que oram com voz de enterro, grande parte dos jovens acham o cristianismo careta, fraco, engraçado. Não sabem que Jesus é a vanguarda em termos de poder e conhecimento.

Raul Seixas fez algumas músicas bonitas se referindo a Deus, como “Eh meu pai”. Mas também algum deboche, algum escracho, o que contribuiu para que seus admiradores achassem Jesus um fraco

Somos ensinados a não julgar, e peço perdão aos fãs de Raul Seixas. Acreditem, ainda admiro e muito o trabalho dele. Talvez mais do que alguns fãs apressados. E se me expresso assim é por ver nele o exemplo do erro. O exemplo da ilusão com o atalho, com o caminho mais curto. O caminho da magia de Aleister Crowley, que ficou conhecido como “o mago do século XX”. O caminho da experimentação do proibido, da experimentação do caminho alternativo.

Não tem caminho alternativo! O caminho que leva à felicidade é o caminho reto das Leis de Deus. O caminho que leva à vitória sobre si mesmo é o caminho da porta estreita. Os que têm preguiça de caminhar, os que acham tudo difícil, esses procuram atalhos, procuram caminhos alternativos, “sociedades alternativas”. Tem que ter muita coragem e determinação para seguir pelo caminho reto.

Sei que Raul Seixas era um homem sensível, que buscava a verdade, que procurou divulgar suas descobertas através de suas músicas. Acredito de verdade que sua intenção fosse boa. Mas se perdeu no meio do caminho. Como milhões de outros, procurou uma maneira mais fácil de resolver seus problemas. É que eles acham a reforma íntima muito trabalhosa… 

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

36 Comentários

  1. Li alguns comentários e a maioria tem um pouco a ver com o jeito qe eu enxergo Raul Seixas. Falando de qe ele fazia parte de um culto satânico, não quer dizer qe ele fosse o mesmo ! Minha opinião, depois de pesquisar, e ler e ver os vídeos de Raul, como ele era, sobre oqe ele pensava .. É qe ele se juntou a esse culto em busca de respostas, pqe ele queria saber a verdade sobre tudo, e como ainda não tinha encontrado, foi tentar achar no satanismo, tudo é aprendizado, sendo bom ou ruim, mas oqe é realmente ‘bom’ e ‘ruim’ ? Esse era o pensamento de Raul. Não creio qe ele fosse satânico ou qe ligava pro satanismo, pqe se ele se importasse, não teria rasgado uma Folha de uma escritura do culto pra enrolar um baseado ! Minha opinião é qe ele não encontrou oqe procurava, então começou e se importar menos. Logo depois disso ele foi expulso do culto. Outro motivo pelo qual também creio qe ele não era satânico é pqe em algumas músicas ele pronuncia o nome de Deus, falando bem dele,por esse motivo não acho qe ele fosse satânico. Raul é meu ídolo pqe ele corria atrás do qe queria, não se deixava levar pelo sistema, e não agia como ele dizia serem as pessoas “android” ele tinha seu próprio estilo, um estilo único, em busca da verdade. Mas infelizmente ele não conseguiu descobrir essa verdade, pelo menos não vivo ! Ele se pronunciava a morte como se ela fosse a porta pela qual dentro dela, estava a verdade. Como se a morte fosse o segredo da vida, então, lógico, no meu ponto de vista, Raul descobriu a verdade, quando ele morreu. Pqe a ciência pode tentar descobri qualquer coisa ( tentar ) mas a morte, ta além da compreensão !
    Bom, eu tava lendo e ia só dizer qe sou fã do Raul, acabou qe comecei e não parei de escrever kkkkk VIVA RAUL !!! 🙂

  2. Raul foi não somente um cantor ou compositor, mas ele viveu em um tempo futuro, prova disso suas músicas que foram feitas há anos atrás e ainda hoje embalam e conseguem falar com a juventude mostrando-lhes a verdade sobre a vida nos dias de hoje.

  3. O Raul talvez seja o unico artista sobre o qual eu possa dizer que sou fã. Gosto muito de política e detesto ditaduras, tanto as de direita quanto as de esquerda. Também tenho uma orientação Espírita muito forte e gostaria de dar uma palhinha nessa conversa. Raul era uma pessoa desencontrada em nosso e, na minha opinião estava cagando-e-andando com política. O lance dele era fazer o que quisesse fazer. Além disso, pego das letras dele e dos parceiros a interpretação que me interessa e que faça mais forte na minha crença na Vida e em Deus. Viva a Sociedade Alternativa, independente do Crowley, é uma música atemporal. Ou seja, será cantada daqui a duzentos anos e terá a mesma força que teve à época. Viva a sociedade alternativa! E que Deus nos ilumine os caminhos que nos levem à estreita porta do desenvolvimento espiritual! Um grande abraço a todos!

  4. Josiane, comparar Raul Seixas com funk é quase um sacrilégio…
    Sei o que você quer dizer, e você tem toda razão.
    É que Raul faz pensar, e muitos jovens, influenciados por ele, se confundem…

  5. Acho sua reflexão válida, apesar de também admirar o trabalho do Raul. No entanto, quem dera que tivéssemos 1 Raul ao invés de 10 cantores de funk que nada agregam em suas músicas e parecem ter virado febre em meio À sociedade, é terrível. Atualmente no Brasil, não se valoriza música de verdade, que tenha algum conteúdo produtivo, os jovens não apreciam esse tipo de arte. Segundo um crítico, a melodia é o corpo e a letra é a alma, ou seja o corpo anda sem alma e eu concordo totalmente com essa colocação!

  6. Anônimo, Concordo com você que como artista Raul Seixas é um dos melhores do Brasil. Continuo admirando sua arte e muito do seu pensamento. Não pretendo provar nada pra ninguém, ofereço apenas uma reflexão, com a qual você pode concordar ou não. Por outro lado, o “tempo de opressão” em que ele viveu não justifica, de modo algum, os seus erros e o péssimo que ele deixa para quem não sabe avaliar os aspectos positivos do seu pensamento.

  7. O essencial é que ele soube ser artista e você Wikon parece ser o dono da razão, porque se falamos em arte criamos interpretações polivalentes, concondo com a opinião da Ellen. Estou certo de que ele não era um filósofo, mas filosofava, nem na ciência conseguimos resoluções conclusivas e um caminho definitivo com respostas, mas a sua arte como cantor é uma das melhores do Brasil, a respeito da sociedade alternativa estou do lado da Ellen, e mesmo que ele tenha sido satânico, ele lutou num tempo de opressão, é fácil criticar para quem não viveu na época, escreva um livro contundente e prove para o Brasil inteiro seu pensamento, faça isso, talvez você convença a maioria, mas não eu.

  8. Renato, acho que Raul se perdeu no meio do caminho. Conheceu muita coisa através de Paulo Coelho e não soube discernir. Raul foi um artista inigualável, mas não era o intelectual ou filósofo que muitos imaginam. Quem acompanhar várias entrevistas dele percebe que ele não tinha conceitos definidos. Tinha ideias vagas que expressou em suas músicas, tinha ideais que não soube seguir. Talvez não soubesse como seguir.

  9. Oi Morel, também curto muito Raulzito. O que mais me assombra em Raul é que me parece que ele sabia o caminho que estava trilhando, ele se entregou aos vícios e às paixões religiosamente. O negócio de Aleister Crowley é complicado. Alguém que seguir o caminho da lei de thelema tem que entender que procurar atalho é ser fraco e aí se percebe todo o paradoxo da questão. Vejo Crowley como um iluminado às avessas, um mago negro, sei lá. Agora, não vejo nada de maldito nele. Ele abriu um caminho. Enquanto Jesus ensina pelo amor, Crowley ensina pela dor. Entre os dois, prefiro o amor, né? Mas respeito os thelemitas. Cada um em seu quadrado.

  10. Ellen, antes de mais nada obrigado por contribuir com a sua opinião. Não tenho a pretensão de ser o dono da verdade. Mas é evidente que o que escrevo é o meu entendimento.
    Respeito sua interpretação acerca da música citada e do trabalho de Raul. Continuo admirando muito a obra inigualável de Raul Seixas. Não faço questão de convencê-la de nada, mas a internet está aí, aberta a pesquisas. Há muito material sobre Raul Seixas na rede. Se você procurar por entrevistas dele deverá encontrar seus depoimentos sobre o tema. A música é toda baseada no Livro da Lei, de Aleister Crowley (se você ler o livro, reconhecerá frases inteiras). O “poder” a que Raul se refere é bem outro.
    Raul Seixas não era politizado, não tinha essa consciência toda. Era aberto a outras esferas de conhecimento – muito por influência de Paulo Coelho.
    Cada um tem a sua opinião; ainda bem. Mas o conhecimento do tema fortalece a opinião…
    Parabéns pelo gosto cultural.

  11. A letra da música “Sociedade Alternativa” não significa unicamente o seu entendimento, pois seu significado se encontra nas entrelinhas. E também cada um tem uma conclusão diferente e não vou trocar a minha pela sua pois seus argumentos não me convencerão e além disso me pareceu que você só pensou e compreendeu de sua maneira.
    Eu antes de ler o que você escreveu já tinha pensado nisso tudo de uma forma idêntica a sua mas buscando mais sobre isso fortaleci mais ainda o meu primeiro compreendimento.
    Admiro o trabalho de Raul Seixas, sei que ele se baseou na Sociedade de Crowley quando escreveu aquela música.
    Raul Seixas viveu na época da Ditadura, onde tudo era vigiado, onde o livre-arbítrio era desrespeitado.
    Será que esta música significa realmente o que você entendeu sobre ela?
    Pois meu entendimento sobre essa música sempre foi o mesmo, contrário ao seu.
    Entendo que nós vivemos nessa “Sociedade Alternativa” e que quando ele diz “Viva Sociedade Alternativa” seria de um tom de ironia à Sociedade atual. Pois quem tem o poder faz tudo que quer, da forma que quer, quando quer.
    Também o “Alternativo” seria o modo de vida alternativo, com os transportes alternativos e tantas outras coisas (melhorias dos transportes alternativos, as melhorias nas estruturas das cidades, enfim, o desenvolvimento que só atinge o “cara do bolso cheio”, como dizia meu avô).
    Hoje em dia é mais fácil sair de casa de carro ou moto do que de bicicleta, a pé ou de ônibus. Além dos transportes alternativos só nos darem aborrecimento nos dias atuais. Seria ótimo poder acordar e ir para qualquer lugar de bicicleta sem ter nenhum problema no caminho com o despreparo de nossas cidades brasileiras.
    Eu já estou quase saindo de onde eu quero chegar com isso tudo.
    Então voltando ao que eu quero dizer.
    Eu entendo sobre a música que esse modelo de sociedade criada por Crowley já existe (essa sociedade existe mas não por influência de Crowley, mas sim por influencia da ignorância, do capitalismo, do egoísmo, do querer ter e nada mais do que isso).
    Entendo que o “VIVA!” significa que todos se contentam com essa sociedade por acreditarem que tudo melhorou, pois hoje (e nunca) o povo não cria suas opiniões, o que alguém diz é o que todos acreditam sem se importarem com o quem disse e de onde ele tirou isso e assim por aí vai, e no que acreditam simplesmente jogam fora por outro alguém saber manipular por ter argumentos melhores.
    Entendo também que quando ele diz que “Faça o que tu queres, pois é tudo da lei” ele fala sobre a impunidade, quer dizer que a lei do homem abre portas a tudo, torna-se tudo mais fácil pra quem tem dinheiro pois o capitalismo só se importa com o dinheiro, ele diz que as autoridades podem tudo pois são donos da lei e para eles tudo que fazem está de acordo com a lei, então concluo que “tudo é da lei”.
    Sou uma adolescente de 14 anos que entende que ele critica e não venera a tal “Sociedade Alternativa”.

  12. Marjorie, desperdicei algum tempo pensando, como você diz, ser “muito pequeno” para me dizer espírita e agir de acordo. É tudo questão de ação. Havendo vontade e determinação,o “tamanho espiritual” não importa. Raul Seixas não tinha noção de Espiritismo, Marjorie. Apenas suspeitava de algo mais. Mas não estudou a respeito. Aliás, percebo hoje que o conhecimento de Raul era muito superficial. Nota-se isso em suas entrevistas. Seu brilhantismo se deve à sua grande sensibilidade, infelizmente mal utilizada.

  13. Amei ter encontrado tudo que pude ler, foi mesmo um presente. Minha mãe era espírita, e assim eu conheci o espiritismo. Fico fascinada até hoje, no entanto me vejo muito pequena para grandes atos, atitudes dos que verdadeiramente são espíritas, e fico desanimada com minha conduta tão errada, falha, e estou então sempre muito afastada, mas sempre buscando alguma coisa que possa me fortalecer, e sempre encontro quando me deparo com fatos assim, encontrar pessoas evoluídas falando, narrando suas histórias e opinando com clara certeza. Sei que todos buscam progresso, estamos tentando, uns na frente, outros bem atrás, mas buscando! E falando do Seixas, eu simplesmente não poderia deixar de dizer que ele fica como um grande exemplo para os espíritas, uma alma boa, mas completamente soterrado, vivendo sua vida em caminhos que a cada dia só o reduziam ao que ele não era, mas se entregava, por quê? Doente? Vícios? Eu não sei, ninguém ao certo sabe, mas alguém que deixou muito para que possamos refletir, e era sim um ser que partilhava do espiritismo de forma não consciente, mas trazia tudo à tona de forma limpa e vindo sempre da alma de um ser que muito contribuiu na música, nas mensagens, na vida, um exemplo para não ser seguido, mas para ser reverenciado e muito analisado. Complexo, o que digo. Mas assim era o Seixas, eu tenho todas as músicas dele, me impressiono com a que ele fez para a própria morte, confesso que me abala sempre quando estou ouvindo, alguém com sentido correto no que estava ao seu redor acontecendo e tinha dimensão de tudo, da vida e da morte com muita clareza. Seixas, muita luz, meu irmão.

  14. Sou espírita e fã de Raul Seixas, na verdade eu não sei o que me atingiu primeiro se foi Raul ou o Espiritismo…

    “Todos nós temos momentos de fraqueza e de maus exemplos, desde sempre.”…Alguém disse por aí nos comentários.

    Raul deve ter tido desvios em sua obra, mas eu enxergo muito mais coisas elevadas e positivas… Falar de Deus, de pluralidade dos mundos, de Espírito e de vida após a morte… Ele sim, o fez. Como um verdadeiro Espírita, embora não o fosse nessa vida. Pra quem não ouviu a música ‘Diamante de Mendigo’, escutem a mensagem profunda de amor à família que ele nos deixa. Abraço FRATERNO!

  15. Conrado, concordo contigo. E se falei de magia, é por já tê-la estudado. Mas a magia pregada e praticada por Aleister Crowley não era apenas “manipulação de energias”. Ele lidava com a mais baixa magia sexual. Quanto a Atlântida, por que você acha que ela teve fim? O caminho reto é andar conforme às Leis de Deus. O respeito ao livre-arbítrio é uma delas. E a baixa magia, tanto a praticada por Crowley como a que era praticada no declínio de Atlântida, interfere no livre-arbítrio do próximo.
    Obrigado pela participação, Conrado.

  16. Muito bom o texto. Sou fã de Raul Seixas desde minha adolescência. Não vi em momento nenhum uma ofensa, ou coisa do tipo à Obra do Raul. Como ele já se encontra no mundo espiritual e já tem consciência da sua realidade, creio que não queira “se defender” e que ninguém o faça por ele.
    Mas caro amigo Morel, às vezes a gente acha que somente os valores Espíritas é que são “bons”. Magia nada mais é do que ter conhecimento de determinadas Leis Universais. Manipular determinados fluidos, energias. Assim como faziam os habitantes de Atlântida livremente.
    Caminho Reto? Qual é o caminho reto? Olha que isso é muito subjetivo…
    Abraço Fraterno!

  17. Pensamos de maneira parecida, Elenice. Só precisamos entender que cada pessoa tem uma visão e uma necessidade diferentes, e há excelentes pessoas em todas as religiões, tanto pragando e liderando quanto frequentando e praticando. Um abraço carinhoso, Elenice!

  18. Eu fui criada dentro da religião católica, indo às missas aos domingos e ‘idolatrando’ os padres… Com o amadurecimento fui percebendo que este não era meu caminho… que a igreja católica é afetada, cheia de preconceitos e os padres não mais representavam um modelo de cristão a ser seguido e respeitado.
    Foi estudando a doutrina espírita que realmente me encontrei. Tenho 2 filhos casados e cada um tem a fé que escolheu… o mais velho é evangélico e o caçula segue a doutrina espírita e lendo este artigo sobre o Raul Seixas, concordo com você, Morel, pois há muito tempo eu já pensava assim, suas músicas têm um cunho espiritualista e quando cantava EU NASCI HÁ DEZ MIL ANOS ATRÁS, ele deixava claro, evidente… abraços!

  19. Em 1º lugar, muito bacana ter encontrado um site como este. Parabéns pelo trabalho, Morel. Você é de fato um cara muito abençoado, sabe se expor naquilo que escreve. Enfim, tem uma notável sensibilidade. Em 2º lugar, coloco aqui um pouco a minha maneira de pensar, conforme o que li e minha pequena experiência de vida.
    É muito triste ver pessoas públicas de quem você gosta e por algum motivo se tornou “fã”, tomarem outros caminhos. Pessoas que no início se comportavam de uma maneira e com o tempo, por conta de facilidades, aplausos, fama e dinheiro passam a agir de maneira diferente: da maneira que mais “dá ibope”. Ainda tenho vivido essa experiência na pele. Uma experiência em que sinto que sofro mas creio que não posso fazer muito, diante de algo chamado “Livre-arbítrio” . Alguns famosos deveriam utilizar a imagem que possuem para serem mais úteis na sociedade em que vivem, em vez de ficarem influenciando direta e indiretamente jovens para outros caminhos.

  20. Fernanda, é fácil observar que a influência exercida por Raul Seixas acontece na juventude, na fase em que o jovem está consolidando sua personalidade. É evidente que há influências incomparavelmente piores atualmente. Mas quem é capaz de perceber que há alguma coisa por trás das musicas de Raul também é capaz de compreender aspectos importantes da espiritualidade, da verdadeira Vida. E essas pessoas correm o risco de serem iludidas com um caminho egocêntrico de consequências muito dolorosas.

  21. Morel, eu concordo plenamente com você. Raul seixas era uma pessoa pública e causou influência sobre muitas pessoas e ainda causa, com toda sua filosofia de vida e seus pensamentos revolucionários. Engraçado você escrever sobre o Raul, estava pensando nesse mesmo assunto esses dias. Raul seixas foi um grande artista e, assim como todos nós, estava em busca de suas verdades, porém muitas vezes querendo acertar acabamos falhando, foi o que aconteceu com Raul, era um grande cara que morreu de forma triste, infelizmente.
    Maria, esse post, com toda certeza, não foi feito com intenção de denegrir a imagem do Raul Seixas, pelo contrário. Antes de ser artista ele era um ser humano, com defeitos como todos nós, não dá pra fingir que ele era santo só porque morreu, afinal, a história dele e suas músicas continuam influenciando muitas pessoas. O ponto é: temos que saber discernir as coisas, Raul foi e continua sendo um grande artista, porém há coisas que foram ditas por ele que devem ser consideradas e analisadas, muitas pessoas sem conhecimento nenhum muitas vezes cantam sua música e repetem suas frases sem nem ao menos entender do que se trata. Eu entendi o seu ponto de vista com seu comentário, eu também admiro o Raul seixas e ouço suas musicas, mas isso não significa que tudo na sua história era bom, talvez ao ler o que o Morel escreveu você não tenha compreendido a intenção com que ele escreveu.
    Beijos e fique com Deus.

  22. Maria, entendo o seu descontentamento e peço desculpas por isso. Você não precisaria digitar as letras de Raul, pelo menos não para mim, pois conheço todas, a aprecio quase todas. Você tem razão quando diz que o que ele fez ou deixou de fazer em sua vida pessoal não nos diz respeito. Só que a vida pessoal de uma pessoa pública muitas vezes se confunde com sua vida pública. Compreendo o posicionamento de um fã. Mas não me referi a ele como artista, mas como um espírito com um grande potencial que se perdeu no caminho. “Faze o que tu queres, essa é a lei” diria Aleister Crowley, a maior influência de Raul Seixas. Não haveria grande mal nisso se essa ideia não exercesse influência sobre milhares de pessoas. Muitos se espelharam e se espelham nele até hoje. E não foi Deus que o chamou de volta, foi o álcool.

  23. DEIXE O RAUL EM PAZ! ELE VEIO CUMPRIR SUA MISSÃO AQUI NA TERRA E FOI QUANDO DEUS O CHAMOU DE VOLTA! VÁ OUVIR E TENTAR ENTENDER SUA OBRA E PARE DE VER MALDADE EM TUDO! ELE ERA SÓ AMOR E PERDIDO É QUEM FALA DELE, ELE NÃO ESTÁ MAIS AQUI PRA SE DEFENDER MAS EU ESTOU E TODOS SEUS FÃS! QUE VERGONHA, VCS NÃO PRECISAM FALAR DE RAUL PARA SE APARECER, POR FAVOR…
    ISSO E UM JULGAMENTO RIDÍCULO DE UM GÊNIO QUE AQUI ESTEVE E O EXEMPLO SÃO SUAS OBRAS E O QUE ELE FEZ OU DEIXOU DE FAZER NA SUA VIDA PESSOAL NÃO NOS DIZ RESPEITO NEM CABE A NÓS JULGAR, CADA UM AGUENTA O TRANCO COMO PODE…ERA OUTRA ÉPOCA, OUTROS VALORES, MEIO ARTÍSTICO ROLA TUDO ISSO MESMO… E ELE ERA MUITO SENSÍVEL, UM ANJO EMPRESTADO POR DEUS, COMO TANTOS OUTROS ARTISTAS QUE SE FORAM CEDO DEMAIS MAS DEIXARAM SUAS OBRAS PRA REFLETIRMOS. EU PODERIA FICAR AQUI A NOITE TODA DIGITANDO MÚSICAS COM LETRAS MAIS DO QUE SUBLIMES E PROFUNDAS DO RAUL, MAS VÃO OUVIR VCS E TENTEM ENTENDER ALGO… BOA SORTE
    ESPIRITISMO NÃO É ISSO!

  24. É uma pena que ele teve esse tipo de influência na sua grande obra. Podemos tentar extrair o melhor dela.

  25. João, longe de mim transformar Raul numa criatura maldita (embora ele gostasse desses rótulos). Aleister Crowley foi uma das personalidades mais influentes de sua época. Na Inglaterra, seu país de origem, é assunto até hoje. Sua influência sobre a obra, o pensamento e a vida de Raul Seixas é muito grande. Na verdade, foi sua maior influência. Sei disso desde 1992, quando não se tinha acesso à internet. Hoje isso pode ser comprovado com uma pesquisa na rede. Gosto muito de Raul, João. Não o acho maldito. Mas que ele se perdeu, se perdeu.

  26. Considero muito bom o seu comentário sobre Raul Seixas. Discordo apenas da influência de A. Crowley, que não escreveu algo que pudesse influenciar a humanidade. Considero a pouca influência de A.C. na sua obra como algo normal e não pode transformar RS numa criatura maldita. Todos nós temos momentos de fraqueza e de maus exemplos, desde sempre.

  27. Bom dia, sou jovem, 21 anos, espírita nascido de família protestante. Nos meus círculos de amizade, encontram-se protestantes, católicos, muçulmanos, espíritas, “espirituais-livres”, ateus, agnósticos, e agradeço a Deus poder ouvir cada um defender suas crenças, explicar seus motivos pra se crer nisso e não naquilo. Não vou falar dos motivos de crenças dos primeiros cinco grupos, mas dos dois últimos, ateus e agnósticos; entre eles, vejo que predomina uma, por falta de palavra melhor, “ignorância”, eles, por tudo que ouviram durante a vida, não separam os ensinamentos de Cristo e os dogmas da Igreja (que dizem conter os ensinamentos de Cristo), a obrigação de que para se ser cristão é necessário estar ligado a essa ou aquela igreja, estar presente incondicionalmente nos cultos, realizar os ritos vazios e visivelmente sem fé e a forma óbvia que esses ensinamentos contradizem a liberdade e o amor pregado por Jesus (Vide a Parábola do Bom Samaritano), levam esses jovens a simplesmente negar a existência da Divindade, negar a excelência do Cristo. Quando converso mais profundamente com eles, vejo que eles acreditam, no fundo (o que é bem explicado por Kardec), o que falta é educação, ou ainda melhor, a cristianização das religiões. E, neste contexto, vejo jovens dentro das igrejas cristãs com a ideia de novidade, de “natal”, nesses jovens, às vezes, mais que nos jovens espíritas que já tem a consciência universal (pelo menos deviam ter), a construção do Mundo de Regeneração que se fala dentro dos Centros através da renovação da arcaica estrutura religiosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.