Reencarnação, Reforma íntima

Por que reencarnamos

jogo de xadrez

Morel Felipe Wilkon

Artigo publicado originalmente em 16/07/2012

Ouça este artigo na voz do autor

Por que será que reencarnamos tantas vezes? Pela dificuldade que temos em obter o controle sobre nós mesmos, sobre nossa mente, sobre nossas ideias.

Você acredita que é bom o suficiente para fazer o que você faz? Você acredita que pode fazer mais do que você está fazendo? Nós sempre podemos fazer mais e melhor do que estamos fazendo. Todos nós. Eu, você, todo mundo.

Tome posse do seu poder!

Por que não fazemos? Por causa das limitações que nos impomos. Desde crianças construímos algumas imagens distorcidas da realidade, em que dizemos a nós mesmos que não somos bons o suficiente. Eu disse desde crianças, né? Mas há quantos milênios estamos alimentando essa crença na limitação de nosso poder? Há quantas reencarnações trazemos conosco o conceito errôneo de que não somos capazes de realizar determinadas coisas?

Pelo ângulo do espírito imortal que somos, não sabemos exatamente o que é o melhor para nós. Não temos conhecimento e experiência suficientes para calcular os prós e contras de cada oportunidade que nos aparece, de cada situação com que nos deparamos. Mas temos em nossa natureza a noção do que é o melhor. Tudo o que fazemos pensamos ser o melhor. Mesmo quando agimos mal, mesmo quando cometemos erros brutais, sempre o fazemos pensando ser o melhor para a ocasião.

É preciso muito tempo e experiência para aprendermos a calcular os resultados de nossas ações, para elaborarmos uma noção mais desenvolvida do que é o melhor. Por que será que temos que reencarnar tantas vezes? Justamente pela dificuldade que temos em obter o controle sobre nós mesmos, sobre nossa mente, sobre nossas ideias. Nosso aprendizado é lento, mas sólido. Depois que apreendemos conceitos morais importantes, não voltamos atrás. A reforma íntima alcançada é patrimônio seu. A elevação moral é um caminho sem volta.

Mas o fato é que sempre queremos o melhor. Sempre queremos ser melhores, sempre queremos fazer melhor do que estamos fazendo. Você não? Espere um pouco. Seja sincero com você mesmo. Não tem ninguém observando, é só você e sua consciência: Você acha que o que você faz é o seu melhor? Em todas as áreas de sua vida: pessoal, familiar, profissional, enfim; você dá o melhor de si?

Se você lembrar que você é imagem e semelhança de Deus, portanto perfectível, é claro que tem muito o que melhorar, em todos os setores da sua vida. Mas é preciso ter cuidado para não confundir essa cobrança interna com sentimento de culpa. Tudo o que você faz é tentativa de acerto. Não deixe de tentar. Não desista nunca. Mas aceite a verdade: você é imagem e semelhança de Deus, e tudo o que você faz de errado, são tentativas frustradas de assumir sua perfeição.

Você tende à perfeição, você será perfeito um dia, a perfeição existe dentro de você. É isso mesmo. Toda a perfeição já está dentro de você, e tudo o que você pensa, fala e faz são tentativas de assumir, de tomar posse dessa perfeição que já é sua, que já lhe pertence.

Pense melhor de você! Queira melhorar, sim. Mas, antes de mais nada, queira melhor a você mesmo! Aceite a ideia de que você pode muito, muito mais. Você tem o poder infinito de Deus dentro de você. Assuma o seu cargo de filho de Deus, tome posse do seu poder. Ele é seu.

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

17 Comentários

  1. Georgiana, evito analisar outras correntes de pensamento de forma superficial, por isso não me pronunciei sobre o Vale do Amanhecer. Mas é uma doutrina digna, não tenho dúvida. São cristãos, reencarnacionistas e valorizam o amor e a humildade.

  2. Obrigada Morel!!!
    Entendi e absorvi perfeitamente.
    Principalmente quanto ao relato sobre fé.
    entendo sim que o que meu pai está passando, e não só ele, nós da família, eu em especial que sou sua principal cuidadora, todos precisamos desse momento, pois foi na dor que descobri que amava meu pai!
    Isso é uma longa história…

    Mudando de assunto, hoje recebi um convite para ser madrinha de batismo de uma criança (ainda nem decidi batizar meu filho, pois se o fizer será por consideração à família, uma vez que somos espíritas), mas os pais dessa criança são do VALE DO AMANHECER.
    Já li por aqui alguém te perguntando sobre sua opinião do VALE, assim que possível tira um tempinho e estuda sobre essa espiritualidade e nos responde.
    Pois para uns é uma seita, para outros é uma “religião” aonde todos os tipos de linhas espirituais frequentam. Tudo isso me confunde muito.

    Obrigada !

  3. Georgiana, aparições de espíritos acontecem todos os dias, nos mais diversos locais do mundo. Cada pessoa as interpreta de acordo com a sua crença. As aparições atribuídas à mãe de Jesus não são, necessariamente, dela. São aparições de espíritos iluminados que têm afinidade com ela, com a ideia que se faz dela, e que trabalham em benefício do próximo de acordo com as crenças deles. Há vários relatos, na literatura espírita, de espíritos com aparência feminina, que têm fortes ligações afetivas com as pessoas a quem aparecem, e que, devido à crença dessas pessoas, são tidas como se fossem a mãe de Jesus ou a santa de sua preferência. Isso não quer dizer que a própria mãe de Jesus ou qualquer santo não possa se manifestar. O que quero dizer é que todos são espíritos, eles são espíritos como nós, apenas mais adiantados. E para os espíritos mais adiantados não há mais esse personalismo, essa necessidade de se apresentar com determinado nome. Aceitam a denominação que nós dermos a eles, pois o que importa, para eles, é a sua mensagem de fé, de esperança, de caridade, e não o nome que tiveram na Terra.
    Em relação à fé e Lei de causa e efeito, não há conflito nenhum entre os dois. Você sabe o que o seu pai terá que passar? Alguém sabe até onde vai a prova dele? Muitas pessoas precisam passar por um momento de doença para desenvolver e fortalecer a sua fé, para perceber coisas que de outro modo não perceberiam. A ação da fé em relação à saúde é inegável. Fé não é apenas crença, fé é fidelidade, lealdade, obediência, sintonia, harmonia. Se estamos em harmonia com as Leis de Deus, estamos em harmonia com nós mesmos, e, consequentemente, nosso corpo físico há de refletir essa harmonia interna.
    Jesus disse que tudo é possível para quem tem fé. Temos que entender que o que realmente importa é o espírito. Nem sempre o que pensamos ser o melhor é o que Deus sabe ser o melhor.

  4. Oi Morel, boa tarde!
    Volto a esse espaço com enorme sede de uma resposta, de um apoio, de tirar dúvidas com alguém de tamanha luz e conhecimento, você!
    Já relatei aqui sobre o momento atual vivenciado por meu pai, que sofreu um acidente em casa com queimaduras há 1 ano e 4 meses. Atualmente encontra-se hospitalizado, já faz 4 meses. Tratando das infecções. Neste período obtivemos a surpresa de um diagnóstico que pouco ainda sabemos de como iremos conviver, mas tudo é causa e efeito, né???
    Ele está acometido pelo mal de Parkinson, e um dos piores tipos, é atípico e degenerativo.
    Hoje fui chamada a uma entrevista pela nova equipe médica e me surpreendi com o emocionante relato de uma jovem médica católica, ela disse ao meu pai que conheceu o monte de Medugorje, segundo relatam, local de aparições de Nossa Senhora. Ela disse que apesar de médica não descarta jamais a força da fé e sabendo o quanto ele é católico lhe dará de presente uma pedrinha trazida desse monte.
    Perguntas:
    * Há explicações ou algum ponto de vista sobre essas aparições dentro da doutrina espírita? Como olhar e analisar sob uma visão espírita tais relatos?
    * Se para a medicina meu pai não tem cura, por que ela diz que para a fé nada é impossível? Se eu creio na causa e efeito, como consigo fé o suficiente para vê-lo levantar daquela cama, andar, falar…???

    Tô tão confusa…
    Obrigada pela atenção que a mim será dispensada.

    Abraços fraternos.

  5. Lovekit, me surpreende saber que um espírita tenha falado sobre isso, já que este tema não costuma ser abordado no meio espírita. Quem trata disso rotineiramente é a Conscienciologia.
    Dizem que as ondas eletromagnéticas geradas pelos computadores podem afetar o desprendimento do corpo astral. Nunca vi nada conclusivo a respeito. Particularmente, quando quero me projetar com consciência, evito qualquer ruído e equipamentos ligados.

  6. Me tira uma curiosidade que me encabulou na minha cabeça quando escutei um espírita falando sobre isso mas não liguei muito… eu quero saber se faz mal dormir com o computador ligado no quarto fazendo download enquanto dorme, tipo, se isso atrapalha na viagem astral ou se quando o espírito está saindo do corpo ele acaba tendo algum problema devido a isso.

  7. Morel, você já ouviu falar no Vale do amanhecer? A esposa de um amigo trabalha na casa, já ouvi falar por cima, até tenho vontade de conhecer mas tenho medo. Gostaria de pedir orientação para minha vida mas não sei se estou preparada para o que posso ouvir.

  8. Ótimo texto. Realmente, como saber se estamos dando nosso melhor? Se estamos correndo atrás de vaga-lumes ou da própria luz divina? Ou se esses vaga-lumes não são os instrumentos que a divina providência encontrou pra que nos interessássemos e prosseguíssemos? Sabe, Morel, a sabedoria oriental (sua filosofia, sua religião) costuma indicar que o caminho para atingir o perfeito está mais para um estado de espírito, do que pelas edificação de obras. O templo estaria em nossos corações. Assim como o espiritismo, a ordem do dia é aquietar e ordenar pensamentos, para um bem-viver mais harmônico. A única diferença estaria no foco oriental ao sentimento, ao abstrato. Hoje, nosso mundo está excessivamente concreto. Fico abismado como as exigências do cotidiano, a solicitar que entreguemos 10, 100, 1000 a cada esquina, a cada encontro, a cada texto. Hoje, dar o melhor pode se confundir com estar ativo, atuante, presente, atento o tempo todo. Como se tivéssemos que rebater todas as bolas que arremessamos contra a parede, num jogo de squash alucinante. Sinto que a grande mudança de paradigma está caminhando para a percepção de que fazemos o nosso melhor, quando fazemos, seja lá o que for, com o coração pleno de amor. Seja regando uma planta, lecionando piano, digitando memorandos ou dando sal pros cavalos. Aquele momento, aquele atimo, tem de ser pleno, conectado, realizado. Dar o melhor, é dar o melhor do seu amor. Não se confunde com realizações de ordem material, intelectual, que por vezes são apenas realizações do próprio ego. Da própria vaidade. E ao invés de neutralizar nosso jugo, apenas incrementa de lustro a nossa mesquinhez afetiva. Como já dizia o poeta, é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã… Obrigado pela oportunidade (de me fazer refletir, sempre) e grande abraço. Léo.

  9. É verdade, eu sou muito cômodo e pouco evoluo por essa questão, mas me sinto às vezes como se estivesse preso, sei que não há impossíveis mais minha mente teima em dizer que há.

  10. Concordo com você, Tatiany. O comodismo, em muitas situações, pode ser visto como algo mais grave que ações negativas. Pois a ação negativa está mal dirigida, mas é uma busca. Há movimento, há intenção. É mais fácil redirecionar uma linha de ação, ou seja, fazer com as ações deixem de ser mal orientadas. Sair do comodismo requer uma vontade férrea, que a maioria ainda não tem. Obrigado, Tatiany!

  11. Para darmos o nosso melhor, temos que antes, passar por cima do comodismo. Defeito, que creio eu ainda é muito presente no ser humano.
    Lindos artigos, acompanho sempre. Parabéns!
    Boa semana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.