Comportamento, Mídia e sociedade

O Estatuto da Criança e do Adolescente numa visão espírita

adolescente espírita

Morel Felipe Wilkon

Ouça este artigo na voz do autor

Há alguns assuntos sobre os quais eu vivo mudando de opinião. A questão das cotas nas universidades é um desses assuntos. Há argumentos bons dos dois lados, que sempre tento analisar sob uma visão espírita. Mas não é sobre cotas que eu quero falar. Usei este exemplo pra dizer que faz algum tempo que mudei de ideia em relação a outro tema. O Estatuto da Criança e do Adolescente.

Durante anos fui totalmente favorável ao ECA. Diziam que era uma lei avançada demais para o Brasil, que isso servia para a Suécia e a Dinamarca, não para o Brasil. Eu discordava. Reconhecia que a lei era temporã, mas achava que espiritualmente era um grande avanço, pois a tônica do Estatuto é o respeito às crianças,  e o respeito é o embrião do amor. Não fui tão longe quanto alguns confrades espíritas, que imaginaram batalhões de crianças índigo reencarnantes no Coração do Mundo.

Os alunos mandam e desmandam nas escolas
Os alunos mandam e desmandam nas escolas

Embora concordasse que o Estatuto estava além do nosso preparo social, achava, ingenuamente, que a população ia se adequar à lei, ia alcançá-la na corrida. Afinal, aconteceu assim com o cigarro. A lei foi alertando, advertindo, coibindo e por fim proibindo. Hoje é proibido fumar em locais fechados, em ambientes públicos, e o ato de fumar passou a ser mal visto. Exemplo de lei que forçou a população a adequar-se.

Esqueci de um ponto fundamental: Disciplina. A proibição ao cigarro obrigou o fumante a disciplinar-se, e muitos pararam de fumar por conta disso. Com o ECA deu-se o oposto. Não proibição, mas permissão. Ou melhor, permissividade. Acabaram com a disciplina.

Tantas discrepâncias, tantos absurdos e resultados extremamente negativos. Pais agricultores não podem levar o filho à lavoura, pois caracteriza trabalho. Uma mãe não pode atribuir tarefas domésticas, como lavar a louça, aos filhos, porque caracteriza trabalho. Liberdade pra tudo, direito pra tudo, deveres poucos e não cobrados.

O aluno tem direito de contestar o método de ensino e os critérios de avaliação. Tudo pode. Onde ficou a disciplina? Não existe aprendizado sem disciplina. Todos sabemos que a educação deve começar em casa, que o lar é a célula-mater da sociedade. Também sabemos que não vivemos num mundo ideal. Os pais em geral não sabem educar, orientar, ensinar. E em suas fracas tentativas, veem-se sem meios de impor-se. Sei de casos, e não são um ou dois, de mães que são ameaçadas por filhas ou filhos adolescentes.

Os alunos mandam e desmandam nas escolas, professores não têm autoridade e o nível de aprendizado está cada vez pior. O ensino no Brasil é uma vergonha. Terrível, deprimente. Professores eram tidos como figuras importantes na formação de crianças e jovens. Eram respeitados e muitas vezes queridos. Hoje passam por figuras decorativas, motivo de chacota e escárnio ou são abnegados sem respaldo algum.

O ECA acabou com a disciplina. Na tentativa, válida e meritória, de coibir abusos, que sabemos que havia, acabou com a disciplina. Tudo no Universo é disciplina. As órbitas dos planetas, as estações do ano, os dias e as noites. As Leis de Deus são disciplina. A reforma íntima, as questões morais, o autoconhecimento, tudo isso é questão de disciplina. As grandes conquistas da Humanidade, as grandes invenções, os maiores feitos no esporte, nas artes, na guerra, nas conquistas de povos, no desenvolvimento mediúnico, tudo se deve à disciplina.

A disciplina é sempre necessária. André Luiz nos relata em suas obras o funcionamento harmônico e disciplinado das colônias ou cidades astrais. 

O ECA assegura à criança direito à opinião e à expressão. E se a sua opinião for frontalmente oposta à dos pais e manifestamente prejudicial? Os pais têm o dever de extirpar os vícios e más tendências que o espírito recém encarnado traz do seu passado milenar. E se o caráter da criança for propício a manifestações moralmente baixas e violentas? Os pais têm o dever moral de coibir essas manifestações. E se o adolescente erotizado precocemente resolver exercer o seu direito à expressão? Ainda pode procurar refúgio ou auxílio, se sentir-se incomodado ou tolhido pelos pais. Estes não poderão sequer acenar com preceitos morais religiosos, já que o ECA garante direito à liberdade religiosa à criança…

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

27 Comentários

  1. Morel, é a primeira vez que leio a sua coluna, e concordo em parte com o que você escreve, porém há uma chance de concordar com 100%, caso o seu título seja alterado para “O Estatuto da Criança e do Adolescente na minha visão sobre o Espiritismo”

    Talvez você não tenha tido a pretensão de definir a sua opinião sobre um assunto que é tão específico, transitório e imperfeito como a base da Doutrina Espírita, bem como sabemos que poucas pessoas se atentarão às suas frases iniciais considerando sua opinião pessoal, pois o título da forma que está pode induzir pessoas erroneamente a validar esse artigo como um esclarecimento da visão geral do espiritismo sobre o assunto.
    Certamente com esse título há uma visualização maior por ser mais atraente mas pode induzir a erros de interpretação.
    Agradeço a atenção.

  2. Bom dia… somente hoje li esta matéria e achei prudencial e verdadeira. Sou espírita, praticamos o culto do evangelho no lar desde 2007. Tenho uma filha com 14 anos e tenho vivido um calvário. Há dois anos afastou-se do espiritismo. Não estuda. Reprovou no ano passado e neste ano já está devendo 4 disciplinas. Não importa como falo com ela, ela sempre grita, me humilha, se faz de vítima, e no fim, tudo sai como ela quer. Agora resolvi que vamos acabar com essa desavença. Já estamos indo a psicólogos, conselho tutelar e até regressão eu quero fazer. Preciso saber de onde vem tanto ódio. E mais, ela sempre usa o ECA para me afrontar. Mas eu não posso me melindrar. Preciso tirá-la desse buraco negro de impaciência e hostilidade. E certamente não será seguindo o ECA que vou conseguir.
    Paz para todos.

  3. Olá bom diaaa, também concordo que a disciplina não pode voltar, porém seguida de exemplos. Percebo na minha filha que sou um espelho, uma referência e isso às vezes me assusta. Pois sou devedor da lei divina e ainda irei errar nesta existência, espero que consiga passar pra ela o máximo de valores possível. Ela me acompanha na casa espírita (união social espírita as samaritanas) e nos seus oito anos de existência nesta reencarnação, aprendi que não podia deixar de levá-la para vacinar apesar da dor momentânea, então espero que possa ter pulso no momento certo. Adorei esta matéria e as opiniões dos colegas me serão de grande valia.
    Um abraço a todos e fiquem com DEUS.

  4. Somente para terminar a minha visão espírita em uma mensagem maravilhosa de Meimei / Psicografado por Chico Xavier.

    MENSAGEM DA CRIANÇA

    Dizes que sou o futuro,
    Não me desampares no presente.
    Dizes que sou a esperança da paz,
    Não me induzas à guerra.
    Dizes que sou a promessa do bem,
    Não me confies ao mal.
    Dizes que sou a luz dos teus olhos,
    Não me abandones ás trevas.
    Não espero somente o teu pão,
    Dá-me luz e entendimento.
    Não desejo tão só a festa do teu carinho,
    Suplico-te amor com que me eduques.
    Não te rogo apenas brinquedos,
    Peço-te bons exemplos e boas palavras.
    Não sou simples ornamento de teu carinho,
    Sou alguém que te bate à porta em nome de Deus.
    Ensina-me o trabalho e a humildade, o devotamento e o perdão.
    Compadece-te de mim e orienta-me para o que seja bom e justo.
    Corrija-me enquanto é tempo, ainda que eu sofra…
    Ajude-me hoje para que amanhã eu não te faça chorar.

    (Meimei/ Psicografado por Chico Xavier)

  5. Obrigado, Sérgio. Sua participação é sempre bem vinda, concordando ou não com o meu ponto de vista.

  6. Obrigado por me responder, mas com todo respeito, as crianças antes não tinha quase proteção alguma, era o juizado de menores através do juiz da infância que olhava esta parte do menor, descobri vários casos de rapto de crianças recém nacidas no hospital feitas pelo próprio juizado de menores, tenho 52 anos, trabalhei no conselho de 1993 a 1999, e te falo, mudou muito, o que acontece é que os Conselhos Tutelares hoje estão abandonados pelos governantes, hoje ganham na sua grande parte um salário ou um pouco mais, na maior parte sem infraestrutura mínima, claro que concordo que tem que mudar alguns artigos, pois o tempo passa e temos que adequar as leis. Concordo que temos de viver dentro da disciplina, mas se não houver amor ao próximo e o senso de dever, tudo cai por terra, temos que colocar em ações nossos pensamentos, como disse o apóstolo Tiago “A fé sem obras é morta” hoje muitos como parte da polícia, igrejas, educadores, médicos, políticos, pais, não tem disciplina, a criança vai pelo exemplo. Abraços e aqui você já tem um amigo, gostei muito da sua matéria sobre os animais.

  7. Tiago, agradeço muito a colaboração. Entendo posicionamentos contrários por saber que eles derivam de experiências pessoais, cotidianas. Quem lida diariamente com a realidade de crianças e jovens em situações críticas tende a ver tudo sob outro ângulo. Força e paz!

  8. Barbaridade Morel! Você teve trabalho em se defender desse artigo. Eu concordo com você. Há algum tempo venho amadurecendo a ideia que determinadas pautas, ditas conservadoras e antiquadas, na realidade são progressistas. E o pior é que governos e partidos que se dizem progressistas ou populares não conseguem abraçar determinadas causas, haja vista a contaminação ideológica que eles mesmos criaram. Exemplo de pautas importantes, na minha opinião, para a sociedade evoluir: redução da maioridade penal, sistema criminal mais rígido, disciplina na educação, legitimação da autoridade dos pais e professores em relação a crianças e jovens, dentre outras. Num determinado momento histórico, recente inclusive, se imaginou que o excesso de disciplina e de conteúdos na escola estava impedindo o desenvolvimento do conhecimento, assim como se pensou que o problema da violência e da criminalidade tinha fundamento econômico e social. Essas teses são falácias. O país cresceu e gerou emprego, porém a violência aumentou, pode até ser que os crimes diminuíram, mas a brutalidade aumentou, hoje jovens infratores ateiam fogo em uma pessoa por causa de 30 reais. A vida perdeu o sentido. O próprio Papa Francisco declarou que o fundamento das pessoas viverem em sociedade não são os bens materiais, mas os bens imateriais. Se todos tivéssemos todos os bens materiais disponíveis, mas não compartilhássemos de valores imateriais, mesmo assim viveríamos na barbárie, como de fato ocorre em sociedades mais abastadas como os EUA, onde o crescimento material não acompanhou a evolução moral. Na educação é a mesma coisa, se imaginou que cobrar conteúdo e disciplina iria podar a inteligência dos jovens, esse pensamento ajudou a destruir ainda mais a escola pública, hoje pais mais preocupados estão dispostos a educar seus filhos em casa, pois a escola falha sistematicamente na sua função.
    Lendo os comentários percebi que lhe acusam de incentivar o autoritarismo. Sabe o que eu penso? O que existe é uma crise de autoridade. Os pais não sabem como justificar aos filhos o porquê da disciplina, pois eles mesmos não são disciplinados. No social também é assim. O exemplo dos jovens que ocuparam e ficaram pelados na Câmara de Vereadores de POA, mesmo setores mais conservadores da mídia e da política não sabiam exatamente como condenar o ato, pois não tinham argumentos para dizer que aquilo era absurdo. O fato é que é difícil cobrar disciplina, ser autoridade, exigir o certo, isso pressupõe muita evolução moral. Não devemos temer os valores fundamentais, se a vida, o trabalho, os deveres e obrigações são importantes não devemos temer construir uma sociedade assim.
    Com relação ao ECA. É uma lei boa, foi um avanço, institui DIREITOS, preservou a vida dos mais fracos, as crianças. Isso não significa que não possa haver leis posteriores que instituam DEVERES. Agora chegou o momento da contrapartida, a quem foi dada liberdade que agora se exija responsabilidade.
    Fique com Deus.

  9. Sérgio, conheço a realidade. De perto. Alguns fatos que você cita continuam a acontecer. Independentemente do Estatuto, tudo isso que você referiu já era proibido antes. Já havia leis prevendo esses crimes relatados por você. Não vejo, hoje (já pensei diferente) necessidade de um Estatuto para tratar especificamente das crianças e adolescentes. Pode haver exagero na maneira como tratei o tema. Isso depende do ponto de vista de cada um. Eu vejo exagero no modo permissivo como as crianças e adolescentes são tratados – quando sabemos que as barbaridades que você relatou continuam ocorrendo, pois grande parte da população vive à margem da Lei.
    As campanhas e eleições para conselheiros tutelares de que participei eram apenas politicagem. Política partidária travestida de interesse pelos menores. É a experiência que tive; não acho, de modo algum, que isso seja a regra.
    A disciplina deve ser cobrada de todos. Sei de pessoas que vivem uma realidade muito difícil, como os casos que você citou. Isso não lhes dá o direito de transgredirem leis e normas de conduta em sociedade.
    Concordo que nosso país não está preparado para muita coisa.
    Obrigado por enriquecer o tema com a sua opinião.

  10. Boa Tarde Morel, trabalhei como Conselheiro Tutelar 6 anos, conheço muito bem a lei do ECA, na minha opinião na sua matéria há exageros, o ECA veio para proteger as crianças de absurdos que aconteciam, como crianças trabalharem em carvoaria o dia inteiro, em canaviais chegando a esfolar suas digitais, sem direito a ir estudar, para ajudar no sustento da família. Acontecia crianças cheias de marcas de vara nas costas, crianças molestadas pelo próprio pai e a mãe sabia e se calava, você já foi em uma favela? Muitas casas têm um cômodo ou dois, crianças presenciando sexo dos pais, crianças e jovens que convivem com pais alcoólatras, ou a mãe é prostituta, e a criança deparando com todos estes problemas, como cobrar disciplina destes pequenos, sem falar dos pais sem compromisso nenhum, deixam de levar o pão, pois eles têm que tomar a sua cachaça. Como cobrar disciplina destes jovens? Te passo um caso verídico que acompanhei na minha cidade, um jovem, exemplo na escola e na comunidade, notas excelentes, um dia ele foi para o seu quarto e ficou chorando por dois dias sem sair ou comer, saiu, foi para a rua, largou a escola e começou a usar cocaína, porque ele agiu assim, era um jovem exemplar, sabe o que aconteceu para sua mudança brusca? Uma noite ele levantou de madrugada para ir ao banheiro e deparou ao passar no quarto de sua irmãzinha de 5 anos o pai molestando ela. Cobrar disciplina deste jovem? Coloque no lugar dele. Muitas crianças são recrutadas por traficantes, porque a princípio na grande maioria falta comida em casa e convive com pai alcoólatra, com violência em casa, não há ambiente de convívio e aí saem de casa revoltados e vão para a escola com problemas na cabeça.
    Os Conselhos Tutelares na sua grande maioria estão desestruturados pelo governo, te pergunto, você já votou nas eleições do Conselho Tutelar? Quase ninguém liga, o CMDCA, (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente) você já participou alguma vez? Pois é ele que busca estrutura mediante ao prefeito para que o ECA funcione na sua plenitude. Hoje muitos pais têm preguiça de educar os filhos aí vem com a desculpa do ECA, educar é dar exemplos, exemplos arrastam. Por isso tem casais que preferem ter um cachorro, pois como disse na sua matéria anterior é só instinto, educar dá trabalho, mas todos nós temos uma sementinha de Deus dentro de cada um de nós, é só regar e cuidar amando. Quanto a alunos rebeldes temos que ver o histórico de vida deles. Assista um filme que é verídico “ESCRITORES DA LIBERDADE”. Agora falar que nosso país não está preparado para o ECA, na verdade não estamos preparados para muitas coisas, para votar, para política etc…

  11. Obrigada pelo retorno, Morel. O título ficou melhor dessa forma. O ECA e o espiritismo fica mais subjetivo, é apenas minha opinião. Assim como em outros títulos, fica parecendo que é da forma como o espiritismo trata determinado assunto. Muitas vezes realmente é, mas em outras consta muito da nossa interpretação, opinião, e temos muita responsabilidade nisso.
    Concordo com você e isso é muito importante, a dificuldade e a importância da educação e dos limites. Através dos limites ensinamos nossos filhos o certo, o errado, até onde vai o nosso direito.
    Só não acho que isso tudo seja culpa das leis, elas podem contribuir em alguns casos para essa erraticidade, mas ainda não é o principal problema.
    Abraço!

  12. TENHO DOIS FILHOS, UM DE 5 ANOS E UM DE 4 MESES,TENHO CERTEZA QUE SEM DISCIPLINA SERIA MUITO DIFÍCIL EDUCÁ-LO, POIS ELE QUESTIONA TUDO, TUDO TEM QUE TER UM PORQUÊ, MAS ESPERO TER SABEDORIA PRA EDUCÁ-LOS E SUPRIR SEMPRE ESTA NECESSIDADE DE SABER. SEMPRE COLOCANDO OS LIMITES DEVIDOS, POR ISSO CONCORDO COM SUA OPINIÃO, PORQUE SÓ OS PAIS QUE FORAM DIRECIONADOS A EDUCAR ESTE ESPÍRITO PODEM SABER QUAIS SÃO OS LIMITES E OS MOLDES PARA ESTE SER, POIS ESTA É A MISSÃO QUE FOI CONFIADA AOS PAIS. CADA ESPÍRITO É UM SER DIFERENTE, SENDO CRIANÇA OU NÃO, TRAZEM CICATRIZES E VONTADES DE OUTRAS ÉPOCAS. DEVEMOS ENSINÁ-LOS A SEGUIR O CAMINHO PARA SUA EVOLUÇÃO. TE ADMIRO MUITO, MOREL.

  13. Fernanda, as primeiras linhas do artigo deixam claro que se trata de minha opinião. O título menciona “uma visão espírita” porque não dissocio a análise terrena da análise espiritual. Você tem razão em afirmar que “os problemas de educação e disciplina são muito mais complexos e com causa muito mais na educação e no meio em que as crianças são inseridas do que com o que o ECA prevê”. Mas em nosso estágio evolutivo precisamos de freios, e as leis têm essa função. Não discuto a questão da menoridade penal. O que percebo é que desde cedo a criança toma conhecimento de que está inserida num meio permissivo. Os pais têm por dever coibir e eliminar as más tendências inatas que acompanham o ser reencarnante às vezes há muitos séculos. Sabemos como é raro encontrarmos pais preparados para o cumprimento da sua tarefa. Quando, além das suas dificuldades naturais, ainda são ameaçados por conta de leis permissivas, sua missão é praticamente impossível. Nas escolas a situação é semelhante. Professores são desafiados constantemente e veem-se obrigados a curvar-se perante a possível interpretação que se faça da lei, que pode tratar como abuso ou excesso qualquer tentativa de disciplina em sala de aula.
    Obrigado por contribuir com este espaço.
    Força e paz.

  14. Bom Dia! Concordo muito com o Duergnes. Também concordo quando você fala em disciplina Morel, mas culpar o ECA por isso? As leis humanas são falhas e precisam de adaptações, mas os problemas de educação e disciplina são muito mais complexos e com causa muito mais na educação e no meio em que as crianças são inseridas do que com o que o ECA prevê. A problemática maior esta na questão da menoridade penal, muito discutível. Pois temos exemplos de países que isso não impede ou diminui a violência e falta de educação e disciplina.
    Temos também que cuidar para que as pessoas que aqui entram, saibam que o que colocamos são nossas opniões e não da Doutrina Espírita. O seu título da a entender que é o que esta na Doutrina Espírita, mas na verdade é a sua opinião sobre o assunto. Obrigada e fica com Deus.

  15. Como sempre seus textos são ótimos Morel, obrigada! Eu tenho duas meninas, 9 e 4 anos, e muita dificuldade em educá-las. São índigos e muito indagadoras e eu muitas vezes, sinceramente, não sei o que fazer nem como lidar com tantos argumentos. Recorro aos Amigos de Luz, ajuda e proteção, para errar o mínimo possível. Imagino que muitos outros pais passem pelas mesmas dificuldades que eu. Que recebam ajuda de Deus, pois dos homens, está bem difícil.

  16. A maldade está nos olhos de quem vê. Eu não vi preconceito algum. Não será preconceito estereotipar trajes de “meninos da periferia”?

  17. OBS: A ilustração do texto é demasiadamente preconceituosa,porque sabemos bem que meninos da periferia usam este tipo de traje daí vem uma sequencia de associação de idéia muito perigosa e contraditória com a idéia do Espiritismo

  18. Duérgnes, agradeço a sua atenção a este espaço, que reflete apenas a minha opinião, que, como fiz questão de salientar, muda sempre que minha percepção das coisas muda. Por que você acusa minha leitura de superficial? Não será porque você não concorda comigo? Respeito a sua opinião. Mais que isso. Respeito a sua experiência de vida que formou a sua opinião. Certamente você não acordou um belo dia apaixonado pelo ECA. Você deve ter suas motivações, suas observações, sua vocação, profissão, ocupação, de algum modo ligadas à defesa do Estatuto e do que ele representa. Não acompanho a grande mídia, não sei de noticiários televisivos nem desse “movimento político” de que você me acusa de participar. Não acompanho política. Não participo de política. Não tenho nada a ver com rede Globo, rede Record, Silas Malafaia, isso tudo é experiência sua. Um dos motivos que me levaram a não acompanhar a grande mídia foi justamente o maniqueísmo opinativo. Não tenho inimigos contra quem lutar, não vejo chifre em cabeça de cavalo. O que opino é baseado em minhas experiências e observações pessoais.
    Acredito que você participe de um cotidiano em que este assunto tenha importância, e a sua experiência no dia a dia talvez lhe proporcione uma visão completamente diferente da minha. Não quero que você mude de opinião. Não queira que eu mude a minha. Não vou responder às críticas que você dirigiu a mim; sei que não é nada pessoal.
    Livre-arbítrio requer responsabilidade. Enquanto o ser reencarnante não bastar-se a si mesmo, enquanto for dependente dos pais ou responsáveis, deve submeter-se à disciplina imposta pelos mesmos. É a minha opinião.
    Fique com Deus.

  19. Tudo pode. Onde ficou a disciplina? Não existe aprendizado sem disciplina
    Onde e em que lugar do ECRIAD (Estatuto da Criança e adolescente) está dito isto? Resp: Em nenhum lugar ou melhor em nenhum artigo! Você fez uma leitura demasiadamente superficial e e fez com um movimento político que faz um discurso reducionista da causalidade da violência a um único fator: o envolvimento de adolescentes em atos infracionais! Desta forma este movimento político lança como uma medida mágica a alteração do ECRIAD como solucionador da violência no país. Cabe ressaltar que o envolvimento de adolescentes em assaltos seguidos de homicídos representam 01 % no país!
    Como você fez eco a este tipo de discurso, logo você legitimou a individualização do problema a lei e a criança e adolescente. Caríssimo vivemos numa coletividade de espíritos encarnantes muito grande! Tais espíritos ainda com uma trajetória de evolução para a luz com muitos degraus a serem vencidos pois o orgulho e a vaidade representam ainda um grande obstáculo para o reencontro com o Divino. Como disse estes espíritos encarnantes estão no plano da matéria e trazem consigo uma bagagem histórica de encarnações infelizmente de muitas infelicidades, tragicamente amarradas no egoísmo e por consequência nos débitos de outras vidas. Esses espíritos acabam infelizmente repetindo suas atuações egoístas, se beneficiando e esquecendo que a responsabilidade com o outro se inicia com ele, seus familiares, seus amigos e a toda sociedade que ele convive. Ao se renegar a esta dimensão maior de convivência acaba construindo a cada encarnação uma verdadeira egrégora de espíritos afins que colocam em pratica uma verdadeira “máquina de benefícios próprios” cheio de “engrenagens’ e “burocracias” para alimentar cada vez mais o orgulho e a vaidade desta coletividade encarnante. Essa coletividade atua hoje nas administrações municipais, estaduais e federais e estão numa verdadeira guerra com os iluminados que habitam também estes lugares.
    O ECRIAD é claro que a responsabilidade por ações são de âmbito municipal, estadual e Federal, logo, as ausências que você coloca não são do ECRIAD porém do contexto espiritual que nós vivemos. Percebo que você é um desconhecedor da política pública que nós lutamos na área da criança e adolescente onde o ECRIAD é nosso símbolo de luta maior. Você conhece o discurso conservador e autoritário que objetiva o massacre da população da periferia! A nós você não conhece ou não quer conhecer!
    Os alunos mandam e desmandam nas escolas, professores não têm autoridade e o nível de aprendizado está cada vez pior
    Você é pedagogo? Somente essa classe de profissional defende este modelo de escola arcaico que está vigente até hoje. Você assumiu um discurso fora do cotidiano nosso na escola, a situação não é simplista. Para sua evolução espiritual peço que amplie seu nível de discussão e reflexão!
    O ECA acabou com a disciplina. Na tentativa, válida e meritória, de coibir abusos, que sabemos que havia, acabou com a disciplina
    Percebo que você trabalha com argumentos muito senso comum. Como você se propõem a divulgar uma visão espírita kardecista da atualidade, seu dever é de se apropriar de argumentações mais aprimoradas para elevar o senso de julgamento das pessoas.
    O ECRIAD acabou com a palmatória, com o se ajoelhar no milho, com a exposição humilhante e outras violências? Resp: não….ele é uma lei para proibir ações violentas contra crianças e adolescente até porque a noção de proteção um ser em desenvolvimento é algo que você dentro de sua noção espírita deveria também defender, ao invés de difundir um autoritarismo que ouvir por aí …talvez na mídia corporativa (rede globo…record e outras coisas).
    A disciplina seja lá o que você quer dizer com isso até porque existem conceitos diversos de disciplina, está em crise não por causa da lei, porém por motivo da nossa contemporaneidade e o nível alto de acesso a informação das pessoas. Porém ela existe e na escola tomou outros requintes como: transferência escolar, controle de bullyng, vídeomonitoramento, etc… Até agora nada haver com o ECRIAD que acredito eu você não leu ou faz uma leitura sem reflexão aprofundada.
    Por fim vc fala em leis de Deus. Sou um defensor das Leis Divinas até porque sou religioso. Agora existe um princípio dentro do Kardecismo que você conhece mais que eu que se chama o LIVRE ARBÍTRIO. Viver no plano da matéria significa necessariamente você aprender a conviver com uma gama infinita de forças, ou seja, viver na diversidade dos espíritos encarnantes. Para viver aqui não vejo lei mais adequada que não seja a do LIVRE ARBÍTRIO que daí penso na necessidade de um estado LAICO. Cuidado quando quer comparar leis a partir da interpretação de sua religião e transpor para a vivência em nossa sociedade. Existe uma pessoa que faz isso muito bem e o nome dele é SILAS MALAFAIA.

  20. Concordo 100% com tudo que você escreveu. Eu sempre ajudei minha mãe em casa e comecei a trabalhar com 14 anos e não acho que isso tenha me prejudicado, pelo contrário. Parabéns pelas colocações!

  21. Reamente estão é desconstruindo a educação no Brasil, eu crio os meus filhos sob disciplina e lá em casa quem exerce autoridade é eu e minha esposa e não quero nem saber o que o Estado acha sobre isso, mas é horrível mesmo esse estatuto, o Brasil não está preparado para isso. Outro dia ouvi a filha de um vizinho ameaçando o pai de processo, imagine. Daí é óbvio que o banditismo vai aumentar, se não corrigirmos os nossos filhos, será o Estado que terá essa tarefa futuramente, e o Estado estará preparado pra isso? Admito que existem alguns pais que exageram na correção e na verdade acabam espancando seus filhos, mas pra espancamento já existia lei. Muita paz a todos.

  22. Bom dia Morel!
    Perfeito como sempre, não tenho filhos mas minha esposa é professora em escola pública e é exatamente o que está descrito acima que ela relata quando chega da escola.
    Peço autorização para publicar.
    Fiquemos em paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.