Sexualidade

Cristianismo, sexo e pecado

sexo-pecado

Artigo publicado originalmente em 24/10/2012

Ouça este artigo na voz do autor

Você provavelmente conhece alguém que acha que sexo é pecado. Muitas pessoas, dentro e fora do Cristianismo, têm essa ideia e sofrem com isso, vivem cheias de conflitos. Uma das grandes causas de desajuste do espírito imortal é justamente o mau uso do sexo e o sentimento de culpa gerado por esse mau uso.

A ideia do sexo como pecado tem sua origem com Santo Agostinho, que escreveu suas “Confissões” ali pelo ano 400. Faz tempo, portanto. Fora Paulo, que foi contemporâneo de Jesus, ninguém teve tanta influência sobre o Cristianismo quanto Santo Agostinho. Quando falo em Cristianismo, aqui, estou me referindo a todo o mundo ocidental. Mesmo sem ser cristão ou religioso, todo o mundo ocidental é influenciado pelo pensamento cristão.

Durante esse período que vai de Paulo até Agostinho, uns trezentos e poucos anos, o mundo era dominado pelo Império romano. Uma das características da decadência romana era a banalização do sexo. Calígula, um dos imperadores de Roma, ficou mais famoso por suas façanhas sexuais do que por seu Governo. Foi um tempo em que reinou a luxúria, a depravação e os abusos de todo tipo.

Jesus não nos deixou nada escrito. O principal organizador do Cristianismo, em seus primórdios, foi Paulo. Paulo aconselhava aos homens que se mantivessem castos, ou seja, que vivessem sem sexo. Aqueles que não conseguissem conter seus desejos, deveriam se casar. Nas cartas que escreveu aos cristãos de Roma, Paulo condena os costumes sexuais da época. Mas eu acho que a intenção de Paulo era que a ausência de atividade sexual elevasse o espírito. Que o espírito vencesse o corpo. A sublimação do sexo.

a cobra e a maçã
Sexo é pecado?

Com Agostinho o sexo se torna pecado. A ideia de que o pecado original é o sexo foi criada por Agostinho. Agostinho foi o maior intelectual do Cristianismo por uns mil anos. Até hoje sua obra é autoridade. Agostinho, antes de se converter ao Cristianismo, deve ter aprontado muito. Ele não deixa claro o que fez e o que não fez, mas pelo tom de arrependimento profundo com que ele se refere ao seu passado, não deve ter sido pouca coisa. Ou ele era realmente muito puro e sofria por pouco.

Santo Agostinho traz a ideia de que o sexo é coisa do mal, é perdição, depravação, sujeira. Para ele, sexo só para procriação, e entre casados. Depois de Agostinho, o pensamento em relação a sexo nunca mais foi o mesmo. Pelo menos para os cristãos. Não há como saber o que seria da cristandade sem a influência de Agostinho. Não teríamos a noção de sexo como algo impuro, errado, proibido. Para se ter uma ideia de como o assunto sexo atormentou o mundo cristão, basta lembrar que na Idade Média as mulheres tinham que usar o cinto de castidade. (!) Mas quem sabe se isso tudo não foi um mal necessário? Não sei.

Como espíritos imortais, a maioria de nós vem de muitas reencarnações marcadas por preconceitos e conceitos deturpados. Até hoje é difícil para os pais falarem de sexo aos filhos com naturalidade.

O Espiritismo se caracteriza por não ditar o certo e o errado, deixando por nossa conta a escolha com suas possibilidades de erro ou acerto. Livre arbítrio e consciência. O espírito não tem sexo, isso é sabido por todos. Mas estamos num corpo físico, e o corpo físico tem sexo. Chegará, certamente, o dia em que a energia sexual será canalizada para fins mais nobres. Mas hoje, o que buscamos, é o equilíbrio. Nem vestígios de cultura repressora, nem liberalidade irresponsável.

Se deixarmos de lado a hipocrisia, veremos que a maioria das uniões começa pela atração sexual. Veremos que a vida sexual saudável mantém os casais unidos e mentalmente sadios. Que o entrosamento sexual do casal evolui para o entrosamento em outras áreas do relacionamento. Que o sexo, se não é “combustível” do amor (e não é), é responsável por uma aproximação e intimidade que de outra forma seria impossível em nosso estágio evolutivo moral. E essa aproximação é, provavelmente, o modo mais eficaz de desenvolver um amor incipiente ou de cultivar um amor estabelecido já de muitas vidas. 

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

9 Comentários

  1. Nina, cada pessoa amadurece psicologicamente em idades diferentes. Quanto mais conhecimento temos, mais responsáveis somos. Sexo envolve emoções e energias, e quanto mais adiantada espiritualmente, mais sensível a essas emoções e energias é a pessoa. O ideal é que o sexo seja praticado com amor, com alguém que amamos.

  2. Olá Morel, tenho 16 anos e tenho muitas dúvidas a respeito disso, apesar da minha família sempre ter conversado comigo sobre esse assunto. Tem idade certa para fazer sexo? A idade é algo que está totalmente ligado a responsabilidade?

  3. Anônimo, seja racional. É bom que você perceba a necessidade de mudar. Mas o que você, a sua filha ou o seu marido ganhariam com a verdade? Entendo que você queira ficar de bem com a sua consciência, mas isso, neste momento, não resolveria nada. Pelo contrário, isso poderia arruinar a vida de vocês três. É melhor, portanto, guardar esse segredo com você.
    Na realidade, não é contando a verdade que você iria aliviar a sua consciência. O problema da sua consciência é com você mesma, é um processo interno, que só você pode resolver, sem interferir negativamente na vida dos outros.
    A solução é a mudança de comportamento, interno e externo. Mude seus pensamentos, mude suas atitudes. Dê o melhor de si para o seu marido e a sua filha. Construa laços de amor. Espiritualize-se, deixe para trás a vida de mentiras. Pode parecer difícil no começo, mas quse tudo é difícil no começo. E os resultados farão valer a pena o seu esforço. Frequente um bom centro espírita, assista as palestras, tome passes, leia livros espíritas ou espiritualistas. Procure estudar, esclarecer-se, ocupar-se com coisas úteis. Se puder ser útil aos outros, melhor ainda. Assim que você passar a ocupar a sua mente com coisas mais úteis e construtivas, o seu passado vai ficando para trás.
    Não se culpe, isso não adianta nada. Todos cometemos erros, e a disposição para repará-los é o melhor começo para a nossa cura espiritual.
    Recomece, com amor e com Deus.

  4. Oi Morel, eu sou ex-prostituta, me casei e não sinto prazer com meu marido e tenho 2 amantes, um jovem que me dá muito prazer e outro mais velho que me dá prazer e dinheiro. Tenho uma filha especial que não é filha do meu esposo e ele não sabe. Vivo triste porque acho que não tem solução, minha vida é muitas mentiras, tenho medo de contar para meu esposo que nossa filha é só minha e ele me largar, já os meus amantes já não estou mais querendo eles. Me ajuda, preciso concertar isso, antes que não tenho mas tempo.

  5. Mariana, se existe alguma obra na literatura espírita que aborde essas questões conjugais, eu desconheço. Não me parece que seu problema seja questão passível de ser resolvida através do conhecimento. Livros oferecem isso, conhecimento. Acho que seja o caso de uma maior compreensão e harmonia de parte a parte. Sabemos que isso pode não ser muito fácil, mas o diálogo aberto ajudaria muito. Admiro sua postura frente à responsabilidade que assumiu.

  6. Bom dia Morel, gostaria de uma indicação de livro, caso tenha, claro, que fale sobre sexo. Estou relendo “Sexo e Destino” do Chico. Mais ainda não consegui me esclarecer.
    Eu e meu esposo temos uma família ‘moderna’, 2 filhos do meu primeiro casamento e 3 filhos do casamento dele. Ao longo dos 6 anos que estamos juntos houve muitos problemas, traição por parte dele etc. Ele não é uma pessoa muito espiritualizada, o fato é que fomos no afastando cada vez mais. Eu já quis desesperadamente me separar, mas quanto mais estudo a doutrina mais vejo que não posso fazer isso, os filhos dele vêm de uma história de muito sofrimento e não posso deixá-los desamparados. Lá atrás eu assumi essa responsabilidade e agora não posso simplesmente bater a porta e ir embora. Eu o amo, mas é um amor fraternal, não sei explicar, mas o sexo com ele é horrível, eu fico orando pra acabar logo, ele não é uma pessoa ruim (apesar de já ter me feito sofrer muito) é uma pessoa até carinhosa, mas eu simplesmente não consigo gostar do sexo (já foi bom), é um grande tormento pra mim. Tenho orado bastante porque não quero me separar, o marido não vai querer abrir mão de sexo, então tenho que aprender a lidar com isso. Por isso quero a indicação do(s) livro.
    Obrigada. Que Deus nos abençoe e nos ilumine.

  7. Concordo e também me esclareceu muito. Nos dias de hoje o que mais me assusta é o sexo casual. Aquele tipo de relação em que se vai pra cama no mesmo dia em que conhece, sem ter necessariamente uma intimidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.