Colaboradores

Sede perfeitos, assim como vosso Pai celeste é perfeito

por do sol
Sede perfeitos como vosso pai celestial

“Portanto, sede perfeitos, assim como vosso Pai celeste é perfeito.” Mateus 5:48

ARTIGO DE AUTORIA DE ANA BLUME

Por mais que a vontade de servir a Deus seja grande, e por mais importante que seja seguirmos os seus princípios, não nos esqueçamos que, enquanto encarnados, fazemos também parte do mundo físico.  

Não precisamos – e nem devemos – nos entregar a uma espécie de vida mística, isolada da vida em sociedade, como tantos o fizeram, buscando agradar a Deus. Não se agrada a Deus através da fuga. 
Nossa existência temporária na Terra é uma condição imprescindível para nossa evolução, exatamente pelas inúmeras dificuldades que temos de atravessar. Ao nos isolarmos, nada mais fazemos do que estacionar: não aprendemos nada, não nos movemos, não evoluímos; pelo contrário, nos tornamos água parada, inútil e malsã. 
 
Já que estamos aqui, aproveitemos as oportunidades que nos caem nas mãos diariamente. Temos de viver “com os homens de nosso tempo”, ou seja, nos interessando às questões da vida social, econômica, política, e até mesmo às questões banais de cada dia – porém, como bem nos diz o Evangelho, cada uma de nossas ações deve ser feita com um “sentimento de pureza que as possa santificar”. 
 
Tal mensagem cai bem num momento como o que vivemos há pouco em nosso país, onde fervilharam os protestos e manifestações em muitas cidades: são vozes que reivindicam, que expressam, que criticam, mas que acima de tudo pedem para ser ouvidas – e é importante ouvi-las: são estas as vozes que perfuram as paredes que separam as questões públicas das questões privadas, pedindo espaço para a interferência do povo em áreas praticamente impenetráveis e que são do interesse de todos. 
 
Devemos tomar tais questões e situações como as ferramentas necessárias para nosso aprendizado.  Não aprende nada aquele que, sentado à janela, exclui-se da vida comum, parabenizando-se pelo mal não feito ou por sua posição “acima” de tudo aquilo. Estamos aqui; fazemos parte; devemos lidar com a realidade que nos rodeia, ou “perderemos” esta encarnação, estagnados. 
 
A pessoa virtuosa é alegre, consciente, ativa; ao entregar-se a qualquer ato, volta seu pensamento ao Criador, com pedidos de proteção e apoio, tendo sempre confiança de que Sua vontade será feita, resultando no melhor possível para todos os envolvidos. A perfeição e a virtude não estão na inação, na renúncia, no isolamento: como poderíamos, por exemplo, ser caridosos, se nos isolamos? 
 
Ana Blume é estudante de Sociologia e espírita desde os 7 anos – Idealizadora do blog “O Evangelho Segundo o Espiritismo Simplificado”

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.