Colaboradores

Espiritismo e a candeia debaixo do alqueire

candeia velador
O Espiritismo deve estar à vista de todos

A candeia não pode ficar debaixo do alqueire. O Espiritismo é uma luz que deve brilhar para quem quiser ver.

ARTIGO DE AUTORIA DE ANA BLUME

Mesmo que bastante difundida no Brasil, a Doutrina Espírita sofre, ainda hoje, certos preconceitos. São muitos os que acreditam tratar-se de charlatanismo o trabalho dos médiuns, ou que, por ignorância, temem os frequentes contatos com os desencarnados. Soma-se a tais equívocos o desprezo generalizante de outros acerca de quaisquer doutrinas teístas (ou seja, que admitem a existência de Deus), e podemos compreender o porquê da hesitação de muitos a admitirem que são espíritas.

Afirmar-se espírita é, como o ato de emitir qualquer opinião, engajar-se. E engajar-se significa defender um ponto de vista, ainda que face a opiniões contrárias.

Dependendo de nosso contexto familiar ou social, não é uma tarefa fácil e, por medo de prejudicar nossas relações com pessoas que amamos e respeitamos, podemos acabar escolhendo esconder aquilo que realmente pensamos. Mas isso é um erro.

Ao divulgar a Doutrina Espírita, podemos ajudar pessoas que encontram-se diante de problemas aparentemente sem solução, de grande sofrimento ou de uma necessidade de mudança. Quando guardamos tais conhecimentos apenas para nós mesmos, estamos colocando a candeia debaixo do alqueire. De que adianta a candeia iluminada, se nós a escondemos? Para que serve a luz que não tem a chance de iluminar?

Tente se lembrar de como o Espiritismo surgiu em sua vida, e como você se sentiu ao receber suas respostas tranquilizadoras sobre a continuidade da vida e a reencarnação; ao perceber as infinitas lições que podemos aprender ao curso da vida se estivermos realmente dispostos; ao encontrar consolo e esperança na certeza de um Deus justo, que não julga, que não pune, mas que ama e ensina pacientemente.

Não são poucos aqueles que têm necessidade de tal alívio. Não há porque temer o julgamento alheio – aquele que hoje zomba pode ser o mesmo que amanhã encontrará uma nova alegria nas palavras de Jesus.

É claro que não nos cabe querer converter ninguém ao Espiritismo, e nem pregá-lo como uma doutrina superior às outras. Existem centenas de fontes de luz, milhares de caminhos diferentes que levam a Deus – o Espiritismo é apenas um deles.

O mais importante é saber respeitar a opinião de outro, ao mesmo tempo que se lhe permite conhecer a Doutrina Espírita e, sobretudo, o bem que ela nos trouxe, o bem que ela nos incita a fazer pelos outros – através da caridade – e por nós mesmos – através da análise de nossas dificuldades e vontade de melhora.

Não sejamos egoístas em nossa fé. Retiremos o alqueire de cima da candeia e deixemos que ela brilhe, iluminando o nosso caminho e de todos aqueles em necessidade da luz divina.

Não colocar a candeia debaixo do alqueire

Ana Blume é estudante de Sociologia e espírita desde os 7 anos – Idealizadora do blog “O Evangelho Segundo o Espiritismo Simplificado”

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

15 Comentários

  1. Ninguém enfia o evangelho de Jesus, “goela abaixo” de ninguém. O Senhor não se agrada de ninguém que tenha que aceitar o mesmo forçosamente. O evangelho de Cristo é poderoso o suficiente para converter o cidadão com amor.

  2. POR ISSO QUE VEIO O ESPIRITISMO, “O CONSOLADOR” PROMETIDO POR JESUS, PARA MOSTRAR AOS CEGOS E FANÁTICOS A VERDADEIRA ESSÊNCIA DE DEUS. AS RELIGIÕES FORAM CRIADAS PELOS HOMENS, NÃO POR DEUS, COMO PENSA ESSA FANÁTICA. E SE VOCÊ QUISER CONHECER O DEMÔNIO É SIMPLES. OLHE NO ESPELHO, VOCÊ ESTARÁ DIANTE DELE.

  3. Realmente…, fiquei tão indignada com as colocações da irmã que não prestei atenção que é Católica. Morel, podemos ser fundamentalistas em qualquer assunto, mas nada justifica a agressão e a ofensa por meio de palavras, também existe uma grande diferença em pensar e falar. Eu penso muitas coisas, mas não posso sair por aí falando tudo que penso, porque devo respeitar o meu próximo e o que eu penso é a MINHA verdade, portanto seria muita arrogância eu achar que ela é a única verdade. Sou capaz de respeitar qualquer opinião, desde que a pessoa demonstre o mínimo de conhecimento sobre o assunto em questão, o que não é o caso. Mas tudo bem, a compreensão é uma qualidade que devemos pôr em prática! Abraços!

  4. Josiane, ela não é evangélica, é católica. Existem fundamentalistas em todas as correntes de pensamento, até entre espíritas…

  5. Nossa…, é muita ignorância para um só ser! Fico indignada com esses evangélicos que se acham melhores do que os outros, querendo tocar a “goela abaixo” suas ideias. Se a irmã tivesse tanta certeza das suas convicções não teria perdido seu precioso tempo lendo coisas de “demônios”…rs…rs… Porque não faz algo de útil?

  6. Será que o Ghandi visto não ser cristão ou católico, mas tendo feito grandes diferenças neste mundo também foi arder no inferno… Não quero provocar ninguém, apenas gostaria que raciocinassem no lógico.

  7. Estava cá pensando com os meus botões, algo que foi dito… Se Jesus morreu na cruz, quem apareceu depois aos apóstolos, após desaparecimento do corpo, após os três dias? Se somos todos criados à semelhança de Deus, e possivelmente Jesus sendo também espírito, seremos também nós espíritos? Será que as pessoas não pensam nisso? Porque a possibilidade de reencarnação é para alguns uma blasfêmia?

  8. Não quero reforçar maledicências, nem “pôr lenha na fogueira” como se costuma dizer… Acho que devemos ser tolerantes uns com os outros, pois creio que somos filhos de Deus… Todos! Sem exceção á regra. Sempre respeitei ideais diferentes dos meus, pois todos somos diferentes, temos experiências diferentes. Deus esteja consigo Giulia, sempre! Estudei várias religiões ao longo da minha curta existência e creio que até mesmo o hinduísmo prega o Amor Universal pelos seres vivos e pelo equilíbrio universal… Todas pregam uma “coisa” … Amor! Amar o próximo, como nós amamos a Deus, e por vezes, mais difícil, amarmos nós a nós mesmos. Se a Giulia entrou neste site e ” deu se ao trabalho de ler este ou mais artigos de autoria de Morel e seus colaboradores ( que obviamente não precisam de que os defenda) , então é porque algo lhe chamou a atenção, algo a prendeu!? Eu, por meu caso, há uns meses atrás, poderia estar interessada numa filosofia budista, jamais me daria ao trabalho de entrar neste site, quanto mais comentar… Por um lado, ainda bem que defende fortemente as suas convicções… Agora eu me apresento, acima de tudo sou mãe. Logo ao ler, me interessar por que aqui vem sido escrito, Giulia, está me a dizer que eu de certa forma incito meus filhos a alguma forma de satanismo? A mim, não me ofende, porque eu sempre fui uma pessoa que se rege pela lógica, tenho a bíblia na minha cabeceira que vou lendo e relendo desde os cinco anos de idade. E por vezes, também me revolto com algumas situações no dia a dia, porque crio empatia com os outros, e vejo que o que me revolta nos outros, seus defeitos, no fundo são um reflexo de mim, dos meus defeitos ou aspetos que não quero reconhecer em mim ( isso não é espiritismo, é psicologia mesmo!). Não posso dizer que você está errada ou certa, porque eu não estava lá quando Jesus foi crucificado, nem acompanhei os apóstolos, nem acompanhei a tradução da bíblia do aramaico para várias línguas (porque Jesus e os apóstolos não falavam português na altura), nem os os possíveis erros de dismistificacao das várias simbologias que a bíblia carrega. Acredito que Inferno, a gente vive enquanto ” vivos”, encarnados, nas nossas provações e acções diárias, purgatório, eu encaro como uma salsinha onde a gente tem senha e aguarda escrever no livro de reclamações sobre os serviços que nos são prestados, Céu? Acredito que existe dentro de nós, equilíbrio, amar e ser amado… Amém! Não falo do que desconheço… Mas sou tolerante com as pessoas de outras religiões, e mesmo abrindo a porta a Testemunhas de Jeová, gosto que me leam algumas passagens da bíblia, gosto de entrar numa igreja católica e visitar, falar com o padre… Nada me impede de conviver com outros irmãos. Bem haja!

  9. Giulia, sua ignorância a respeito do Espiritismo é visível, por isso permito o seu comentário.
    Você tem uma desvantagem em relação a mim. Conheço a Bíblia e o Espiritismo. Você, no máximo, conhece um pouco da Bíblia. Se você tivesse coragem de pensar por si mesma, deixando de lado por um momento o que você aprendeu, poderia, pelo menos, ser menos agressiva.
    Nem todos pensam e sentem da mesma forma. Você, se estudasse pelo menos dez por cento do que eu estudei, poderia não se convencer, e não haveria mal algum nisso. Mas não cometeria erros grosseiros como dizer que o Espiritismo é “satanismo” ou que “o deus dos espíritas é Lúcifer”…
    Fique com Deus.

    – Demônio, do grego “daimon” quer dizer espírito. Sócrates, entre outros sábios da Antiguidade, dizia que era inspirado por um demônio.
    – O Espiritismo não permite “comunicações frívolas”, pelo contrário. O Espiritismo surgiu como doutrina justamente para combater a superstição e as comunicações espúrias.
    – A idade de uma instituição não é prova de sua idoneidade. Reconheço o papel importantíssimo representado pela Igreja Católica, mas todos conhecem a História das Cruzadas e da Inquisição, entre outras mais recentes.
    – A sua verdade absoluta pode estar na Bíblia, a minha não. Se tudo o que está na Bíblia fosse verdade, Deus seria um assassino ciumento e vingativo.
    – A reencarnação está exposta em diversas passagens da Bíblia; não vê quem não quer ou não consegue.
    – Jesus não deu a vida por ninguém. Veio ao mundo para nos ensinar o caminho da nossa autossalvação, pois nos salvamos através de nossos atos.
    – O Deus dos espíritas é a Inteligência Suprema, Causa Primária de todas as coisas.

  10. Fora da Igreja não há salvação. Difundir mentiras não é virtude. O Espiritismo é SATANISMO. Não é com espíritos de antepassados que os “medium” conversam, mas com demônios, pq a ninguém foi dado sair de onde está (Inferno, Paraíso ou Purgatório) para atender a necessidades frívolas. A ninguém a não ser em especialíssimas situações e visando o BEM COMUM. Parem, enquanto é tempo. Convertam-se, enquanto é tempo. Uma doutrina recentíssima na História Humana não é a Verdade. A Verdade é a que Deus deu aos homens através da Bíblia, da Tradição, do Magistério da Igreja Católica. Isso é Verdade há 2000 anos e continuará sendo depois que essa “moda” passar e todos os espíritas virarem nada mais do que pó. Sem conversão e batismo, não há Paraíso. Deus não tem duas palavras: uma para os católicos (REDENÇÃO) e outra para os espíritas (REENCARNAÇÃO)! Se é verdade uma, NÃO PODE ser verdade a outra. Se é verdade a reencarnação, Cristo morreu à toa. Está disposto a crer que Cristo – que deu a vida inocente dEle por ti – perdeu Seu tempo à toa? Deus não tem duas palavras! Não é o mesmo Deus. O deus dos espíritas é Lúcifer.

  11. Josiane, entendo perfeitamente o que você quer dizer ao se referir à cobrança que exercemos sobre nós mesmos. Tenho experiências religiosas e filosóficas desde a infância, é o que mais custei a assumir foi o Espiritismo. Não me achava digno de me declarar espírita…
    Um abraço.

  12. Bela reflexão, porém afirmar-se como espírita e mais ainda seguir fielmente o que aprendemos não é tarefa fácil, não é só o fator preconceito, mas sim a cobrança que exercemos sobre nós mesmos. Algumas pessoas julgam esse cuidado como arrogância, mas ao meu ver é apenas cultivo de valores, coisas que muitos não fazem gosto. Não podemos ser coniventes e coerentes com certas atitudes, podemos sim ser compreensivos e se nos for permitido ou aceito pelo próximo, tentar mostrar esses valores, que nada mais são que os mandamentos do nosso mestre Jesus, como por exemplo, não revidar uma ofensa, não cultivar mágoas, não vingar-se e por aí vai, mas nem todos estão prontos para isso, nesses casos não nos resta muito a fazer se não o afastamento. Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.