Colaboradores

Há muitas moradas na casa de meu pai

moradas na casa do pai
Há muitas moradas…

ARTIGO DE AUTORIA DE ANA BLUME

Neste período de transição, espíritos inferiores serão redirecionados para outros planetas. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.”
João 14:2

Uma rápida observação da sociedade global, nos dias de hoje, pode-nos deixar com amargas dúvidas sobre a veracidade de um progresso moral em nosso planeta. 

A Era da Informação nos traz quase que exclusivamente, e em ritmo constante, as notas da podridão atual. Se é mesmo verdade que progredimos, por que a violência parece cada vez mais sádica, a corrupção (em todos os sentidos da palavra) mais presente, a intolerância mais radical? Por que a desigualdade cava, ainda, poços profundos entre as classes sociais e os indivíduos? Por que desaparecem os ideais comuns, dando lugar ao individualismo patológico? 
 
O progresso, porém, é uma das leis naturais. Podemos não percebê-lo diretamente – e isso se dá mais por conta de nossa incapacidade de ver “o quadro todo” do que por uma ausência de progresso. Mas ele está lá. 
 
Somente, o progresso não se dá de forma idealizada, ele não se comporta como um conceito e, por isso mesmo, não é tão facilmente reconhecível. Ele se comporta como um organismo que se cura contínua, mas lentamente – com pequenas recaídas que não comprometem o processo de cura. 
 
De acordo com Santo Agostinho, se pudéssemos acompanhar todas as fases do mundo, perceberíamos sua evolução progressiva. Contudo, para nós, principalmente enquanto encarnados, essa evolução é praticamente imperceptível. 
 
A sensação de estagnação (ou mesmo de regressão) que experimentamos atualmente se dá porque atravessamos um momento particularmente crítico da evolução do planeta, que sai de sua condição de mundo de provas e expiações para se tornar mundo de regeneração. Por essa razão, a humanidade parece estar mostrando sua pior face nas últimas décadas – é o momento de agonia antes da melhora definitiva, com uma concentração de espíritos inferiores que encontram suas últimas oportunidades de reencarnar na Terra. Caso não aproveitem essas últimas encarnações para evoluir de maneira significativa, esses espíritos serão redirecionados para outros planetas (as “outras moradas” às quais se referiu Jesus), para darem continuidade à sua caminhada evolutiva. Simultaneamente, levas de espíritos já um pouco mais evoluídos principiam a encarnar em nosso planeta.
 
É essa reconfiguração e o trânsito intenso de espíritos de graus bastantes diferentes de evolução que causam o “transtorno” que presenciamos hoje. Porém, trata-se de uma etapa imprescindível para o progresso moral da Terra. 

Ana Blume é estudante de Sociologia e espírita desde os 7 anos – Idealizadora do blog “O Evangelho Segundo o Espiritismo Simplificado”

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

6 Comentários

  1. “Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.” João 14:2.

    Essa afirmativa que fora expressa por Jesus:

    Faz-me acreditar numa vida encasulada num corpo vivo, quando perdemos vida biológica, votamos a viver, dimensionamento fora do corpo físico: isso me alimenta a viver plenamente, por acreditar nesse circulo (…). Hoje estou aqui, amanhã poderei estar vivendo em outro plano, esperando a oportunidade de voltar para esse, ou outro plano…, para continuar o meu processo de evolução. Essa é a lei da vida…, gerenciado pelo nosso sábio criador.

    Horrível é pensar na morte que acaba tudo e que destrói a nossa esperança.

  2. Essa informação de Jesus, em que há muitas moradas na casa de meu pai, foi ao meu ver um mar de esperança, para nós que aqui nos encontramos vendo a Terra ser transformada e destruída aos poucos, vendo a natureza mostrar a todos quem está no comando dessa Terra e a lei de causa e efeito, a esperança de que há mundos melhores, com seres mais evoluídos e que um dia poderemos viver a felicidade de conquistar um cantinho em um mundo onde a lei é do amor, Jesus disse que ele iria preparar moradas, ele veio e preparou essa morada aqui na Terra, e agora deve estar preparando moradas em outros planetas, menos evoluídos como a Terra, ele preparou, semeou, plantou a verdade, a fé e o amor, que estamos com sacrifício tentando cultivar, mas a esperança de ir para uma morada mais feliz é que move a persistência na fé e na caridade, quando olhamos para o céu estrelado, a grandiosidade do universo, nos faz refletir sobre tantas moradas, graças a DEUS!

  3. Venho acompanhando esta página, amigo Morel. Gosto da maneira que você recebe os comentários do público, respeitando suas opiniões e não impondo as suas. O Espiritismo vê com bons olhos isto: Respeitar o livre arbítrio e a maneira de pensar dos outros. Afinal estamos todos em processo de aprendizagem. Gosto desse teu jeito educado e sr. Abraço!

  4. Eu já tenho 62 anos, e posso te garantir que dá pra perceber o progresso moral, comparando-se a minha juventude e a juventude atual. Se hoje temos muitos escândalos, é porque temos mais informações.

  5. Gosto muito dessas matérias lançadas no Espírito Imortal. Nos ajuda a tirar dúvidas e a aprender cada vez mais. Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.