Mensagens de Emmanuel

Mensagem de Emmanuel – De alma desperta

 Mensagem em áudio

Mensagem de Emmanuel no livro Vinha de Luz, psicografado por Chico Xavier: DE ALMA DESPERTA

“Por isso te lembro despertes o dom de Deus que existe em ti.” – Paulo. (II Timóteo, 1:6.)

É indispensável muito esforço de vontade para não nos perdermos indefinidamente na sombra dos impulsos primitivistas.

À frente dos milênios passados, em nosso campo evolutivo, somos suscetíveis de longa permanência nos resvaladouros do erro, cristalizando atitudes em desacordo com as Leis Eternas.

Para que não nos demoremos no fundo dos precipícios, temos ao nosso dispor a luz da Revelação Divina, dádiva do Alto, que, em hipótese alguma, devemos permitir se extinga em nós.

Em face da extensa e pesada bagagem de nossas necessidades de regeneração e aperfeiçoamento, as tentações para o desvio surgem com esmagadora percentagem sobre as sugestões de prosseguimento no caminho reto, dentro da ascensão espiritual.

Nas menores atividades da luta humana, o aprendiz é influenciado a permanecer às escuras.

Nas palestras comuns, cercam-no insinuações caluniosas e descabidas. Nos pensamentos habituais, recebe mil e um convites desordenados das zonas inferiores. Nas aplicações da justiça, é compelido a difíceis recapitulações, em virtude do demasiado individualismo do pretérito que procura perpetuar-se. Nas ações de trabalho, em obediência às determinações da vida, é, muita vez, levado a buscar descanso indevido. Até mesmo na alimentação do corpo é conduzido a perigosas convocações ao desequilíbrio.

Por essa razão, Paulo aconselhava ao companheiro não olvidasse a necessidade de acordar o “dom de Deus”, no altar do coração.

Que o homem sofrerá tentações, que cairá muitas vezes, que se afligirá com decepções e desânimos, na estrada iluminativa, não padece dúvida para nenhum de nós, irmãos mais velhos em experiência maior; entretanto, é imprescindível marcharmos de alma desperta, na posição de reerguimento e reedificação, sempre que necessário.

Que as sombras do passado nos fustiguem, mas jamais que nos esqueçamos de reacender a própria luz.

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

3 Comentários

  1. Geraldo, você está mudando hábitos que lhe acompanham há muito tempo, provavelmente há séculos. É natural que sofra as consequências dessa troca de atitudes, de energias e influências. É um período de transição que todos os que se reformam experimentam. Todos os grandes líderes espirituais (claro que numa escala maior do que a nossa) passam por um período de recolhimento e meditação quando tomam a decisão de reformar a mente. Foi assim com Saulo de Tarso, com Buda, com Agostinho, O próprio Jesus, antes de começar a sua vida pública, esteve quarenta dias no deserto em recolhimento. E as “tentações do diabo” que Jesus sofreu foram exatamente isso: os questionamentos íntimos acerca do orgulho, do egoísmo e da vaidade. A palavra “diabo” vem do grego “diábolos” e quer dizer adversário. É o nosso adversário interno, é o nosso apego à matéria, às sensações físicas, às emoções fortes, aos prazeres materiais. O diabo, como um ser, não existe; mas existe o seu simbolismo, que é o que você está abandonando.
    Isso passa; fique tranquilo e siga em frente. Sua necessidade de satisfazer desejos vão pouco a pouco desaparecendo, e você obtém o domínio sobre si mesmo.
    Fique com Deus.

  2. Bom dia Morel. Excelente comentário acerca do despertamento divino. Morel, eu tinha uma vida tranquila nas coisas mundanas. Bens materiais em dia, vida sexual ativa, valores familiares superficiais, trabalho, não usuário de drogas e tabagismo, vida social legal e bebia socialmente. Logo que passei a frequentar uma casa espírita de minha cidade, percebi que ali era o meu lugar. Comecei lendo muito as obras básicas, filmes, livros indicados pela casa, revistas, sites de comentários edificantes e logo, logo, passei a mudar vários conceitos de minha vida e assumi serviços na casa e hoje me sinto muito bem com a minha sequência de vida e sei que estou no caminho certo, mas em contrapartida, passei a ter certas angústias e algumas tristezas. Não são constantes, mas elas vêm do nada. Coisas que antes para mim pareciam saudáveis, hoje não têm valores nenhum, mas quando o assunto são palestras edificantes e assuntos voltados à moral, não tenho tempo ruim. Por que será que sinto essa angústia com certas situações que vivo? Sinto que são de ordens espirituais e morais e não orgânicas. De todas reformas, a sexual está sendo a mais intensa e ainda muito penosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.