Tragédia de Santa Maria

Sai a tragédia de Santa Maria, entra o Carnaval

Sai a tragédia de Santa Maria, entra o Carnaval
Sai a tragédia de Santa Maria, entra o Carnaval

Alguns municípios do Rio Grande do Sul cancelaram o carnaval em respeito à tragédia de Santa Maria. Acho que o país inteiro deveria cancelar. Verdade que a tragédia não diz respeito a todos, e que os mais próximos é que sentem mais. Mesmo assim, acho que o carnaval devia ser cancelado. Pra sempre.

Uma data que pára o país, uma data que merece um feriadão todos os anos, uma data em que tantos acidentes e bebedeiras e crimes passionais e abusos sexuais e gravidezes indesejadas e relacionamentos rompidos e desperdício de dinheiro público e fixação nos meios de comunicação de um assunto que não acrescenta nada, uma data que impõe tudo isso ao país, é uma data que deveria ser abolida para sempre. Não se zangue se você gosta de carnaval. Não estou tentando fazer você deixar de gostar de carnaval. Não quero que você mude de ideia. Não queira que eu mude a minha.

Depois que mais esse carnaval passar, os jornais divulgarão os acidentes nas estradas, as mortes no trânsito, as brigas e crimes por causa do excesso de álcool, os estupros. Todos os anos os jornais noticiam isso depois do carnaval. 

Talvez não receba o mesmo espaço nos jornais o enorme gasto de dinheiro público que é consumido nesses dias de festerê umbralino. 

O que jornal nenhum mostra é que depois de nove meses nasce um monte de crianças que não terão base familiar, que não foram e talvez não sejam desejadas. Ou que famílias são desestruturadas pelos excessos cometidos por um ou pelos dois parceiros. Pacientes não encontrarão leito nos hospitais públicos, pois estes estarão lotados de bêbados e acidentados  carnavalescos de todo tipo. O policiamento será precário, pois o maior contingente será deslocado para os desfiles.

Mas isso não tem nada a ver com espiritismo. Ou tem? Você sabe que estamos rodeados de espíritos desencarnados, sabe que eles nos acompanham. Será que eles também não participam do carnaval? Você acha que os milhões de espíritos extremamente apegados à matéria iriam perder uma oportunidade como essa? Uma oportunidade que se apresenta uma vez por ano! É um momento privilegiado para espíritos viciados influenciarem fortemente os encarnados imprevidentes. Nenhuma outra ocasião é tão propícia para a sua influência nefasta quanto o carnaval.

 A tragédia de Santa Maria conquistou o triste e indesejado título de a segunda maior tragédia do país. Pessoas do país inteiro, e de outros países também, oraram pelas vítimas e pelos demais envolvidos. Muitas pessoas ficaram sensibilizadas, sentiram uma necessidade interna de melhorarem a si mesmas, de crescerem espiritualmente, pois esses momentos de grande dor têm o poder de nos tocar nas fibras mais íntimas do coração. Será que todos se lembrarão do que aconteceu quando o carnaval tiver passado?

Para saber sobre A tragédia de Santa Maria sob a ótica do Espiritismo, clique aqui.

Você pode ter outra visão do carnaval. Cada um observa de acordo com os seus conhecimentos e experiências. Mas eu não consigo ver nada, absolutamente nada de útil, de aproveitável numa festa que nos remete à mais atrasada barbárie. Uma festa onde instintos primitivos e desejos recalcados vêm à tona. Um monte de gente estourando os tímpanos com o barulho, se roçando e se pisando movidos a álcool e mulheres-embalagem-sem-conteúdo. 

Quanta energia para os espíritos viciados e mal-intencionados! Isso é um convite à obsessão. Isso nem deveria ser considerado obsessão. Na verdade, é uma parceria. Quantas pessoas irão praticar coisas que normalmente acham errado? Quantas se arrependerão de suas atitudes equivocadas?  Quantos casais irão se separar por ciúme ou coisa pior? Quantos adultérios? Quantos erros que serão carregados nas consciências por muito, muito tempo?

Se você não concorda com a minha opinião, tem todo o direito de se manifestar. Mas antes, saiba que carnaval há muito tempo deixou de ser manifestação de cultura popular. Esse argumento não vale. Carnaval é negócio. E negócio envolvendo dinheiro público. 

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

34 Comentários

  1. Fá, concordo em parte. A violência gerada pelo futebol é proporcionalmente muito menor. Pelo número de pessoas envolvidas e por durar, como você lembrou, o ano inteiro, a proporção de crimes ligados ao futebol é bem menor. Além disso, a carnaval tem forte conotação sexual. Seu apelo instintivo é mais poderoso. Obrigado por expressar a sua opinião.

  2. Creio que se for pra abolir o carnaval por exemplo por causa da violência, por casais que separam etc, deveríamos repensar também o futebol, que é uma coisa que dura o ano inteiro, as pessoas são tão fanáticas que já saem de casa armados de tudo quanto é tipo de arma pra matar o rival; esquecem que tem mulher, mãe, filhos; quando o time perde saem quebrando tudo; e por aí vai… e fale em acabar com o dito cujo, pra ver uma guerra começar. Tenho até medo de pensar.

  3. Tá perfeito, Morel. Concordo com tudo, há um provérbio bíblico que diz ser melhor comparecer à casa do luto do que à casa em que há festa, pois ali se vê o fim do nosso corpo, o que é muito mais útil que a festa onde vários excessos são praticados.

  4. Concordo com tudo que você escreveu, e sabe, não gosto de carnaval. Se os espíritos menos adiantados já nos rodeiam quando estamos estudando ou trabalhando no computador (por exemplo), incutindo-nos ideias errôneas, imagina na situação do carnaval com bebidas, promiscuidade etc.
    Orai e vigiai se aplica nas primeiras situações, agora, no carnaval, complica. Rsrsrs!
    Fiquei pensando que, após a tragédia de SM todo mundo passou por cima do acontecido e esqueceram do horror que foi para o país. Essa memória curta da maioria do povo me impressiona.

  5. Concordo plenamente com o que você escreveu, há muitos anos o carnaval não é mais para animar as pessoas e sim é um uso do Governo e da mídia, porque se você não tem uma TV paga, tem somente a TV aberta, você é obrigado a assistir o que eles passam, ou senão não olhar nada, tenho como exemplo vários amigos que namoram e já desfizeram seus relacionamentos na época do carnaval, as pessoas parece que esquecem que têm uma família, e a mídia transfere para as crianças o sexualismo precoce. Eu concordo que o carnaval não deveria mais ser data comemorativa no nosso calendário!
    Abraços.

  6. Eu que agradeço pela sua atenção, Giovani. Há espaço pra todos, desde que um respeite o outro. Acho muito importante o papel exercido pelos espíritas ortodoxos, pois sem eles o Pensamento Espírita correria o risco de se expandir demais, fugindo aos preceitos básicos. Por outro lado, é claro que não podemos parar no tempo. Devemos seguir a orientação do próprio Allan Kardec e caminharmos lado a lado com a Ciência.

  7. Suas observações vão AO encontro de tudo que penso… eu encontrava dificuldade em unir o ensinamento de Kardec a minhas convicções sobre diversos assuntos, como o poder da mente, resgates coletivos, etc… o Movimento Espírita precisa de pessoas como você, com a mente aberta e com o poder de expressar verdades eternas de modo compreensível e ao mesmo tempo profundo. Posso dizer que sinto que me encontrei após ler seus artigos. MUITO OBRIGADO!!!!!!

  8. Confesso que nem tinha me lembrado dessas outras manifestações culturais legítimas que você citou. Muito enriquecedor o seu comentário. Um abraço.

  9. Concordo plenamente com tudo o que li na matéria. Há muito o carnaval deixou de ser manifestação popular pra ser promiscuidade e gasto de dinheiro público (nosso). Também já gostei muito do carnaval até me adentrar de verdade na doutrina espírita e tomar consciência de como os espirítos menos esclarecidos se aproveitam do período pra entrar em parceria com os desavisados. É uma pena mesmo, que algo que tem o frevo, o samba, o maracatu e tantas outras manifestações culturais tão lindas estejam sendo usadas de forma distorcida pra ajudar a proliferar todos os tipos de viciações. Uma vergonha pros governos e entidades afins. Nas circustâncias que se encontra hoje o carnaval deveria ser abolido. Um abraço

  10. Acho que você está certo, mas acabar com Carnaval não! Acho que deveria estabelecer limites… pra comecar, bebida alcoólica na rua não! Um abraço! Jacqueline

  11. O espírita deve afastar-se de festas lamentáveis, como aquelas que assinalam a passagem do carnaval, inclusive as que se destaquem pelos excessos de gulas, desregramento ou manifestações exteriores espetaculares. (André Luiz)

  12. Caro Morel, parabéns mais uma vez pelo artigo, disse tudo que eu sempre pensei e mais um pouco, nunca gostei de carnaval e agora tenho ainda mais motivos para não gostar, o link dessa página precisa ser amplamente divulgado, além de orar e vigiar nessa época turbulenta é só o que podemos fazer, o pouco depois de um tempo pode se transformar em muito.

  13. Bebel, acho que já estamos melhorando muito. A grande mídia não nos mostra a nossa realidade. Mas já estamos bem melhores do que já fomos. 500 anos é muito tempo, Bebel. Acho que nas próximas décadas vamos experimentar grandes avanços. Mas essas distorções de valores ainda vão longe…

  14. Concordo com você.
    Eu sei que a gente não nasce no país errado, mas às vezes eu acho que nasci rs… Não me encaixo com samba, pagode e carnaval, aliás sempre odiei as 3 coisas.
    Acho o carnaval um desperdício de tempo, dinheiro e inteligência, em um país onde se morre de fome, onde o salário mínimo é uma vergonha e onde a maior parte da população nao lê um livro sequer por ano. Só jesus pra nos salvar! Morei na europa por um tempo, nada se compara ao meu país que realmente amo, mas hoje eu compreendo o quanto falta para nós chegarmos ao primeiro mundo. Enquanto o brasileiro não mudar os seus conceitos e dar prioridades pra coisas mais importantes do que um desfile de 40 minutos que gasta milhões de dólares, por exemplo. Tudo vai continuar a mesma coisa, pobre brasil, mais 500 anos no terceiro mundo.

  15. A consciência muda sim, Priscila. Mesmo que isso não signifique uma mudança interior radical, nós passamos a nos vigiar com mais cuidado. Esse é um caminho sem volta. Obrigado, Priscila.

  16. Esse texto vai exaltar muitos ânimos que defendem sua “liberdade” e que se deve “curtir a vida” agora. Há pouco tempo estou começando a pensar assim também, devido ao tempo de estudo da Doutrina, nossa consciência começa a mudar. Estou pensando bem mais na importância da energia, sabe? E que muitos desencarnados esperam uma oportunidade da nossa falha para se satisfazerem. Bem no fim, cada vez mais me convenço de que é um grande vazio mesmo, mas lembrando sempre que existem vários meios de diversão saudável, já que é fato de que é um feriado! Um abraço e parabéns pelos esclarecimentos.

  17. Felipe… transmissão de pensamento, eu estava para te perguntar sobre o que você acha da psicosfera dominante nestes dias de carnaval. Nossa, hoje pela manhã me deparo com seu comentário no twitter. Sei que muitos vão nos considerar exagerados, mas concordo que sem saber ou sentir, ao estarmos nestes locais, totalmente relaxados, acabamos sendo envolvidos por energias nada boas. Ao passo que vamos tendo mais conhecimento sobre o mundo espiritual, passamos a ter mais consciÊncia e, acredito eu, também mais responsalidades sobre nossas atitudes. O fato é que se torna muito difícil se proteger das intenções de espíritos mal intencionados estando em uma festa onde tudo parece ser liberado. Antes mesmo de me envolver no espiritismo, eu que ainda sou jovem, e tenho consciência que poderia por forma físíca ocupar qualquer lugar de destaque nestas escolas de samba, já tinha essa visão, de que são dias em que corre uma energia de desvairio. Já desfilei, já gostei de assistir, mas em pouco tempo tudo me pareceu de um vazio imenso. Sei que gera muita renda aos carnavalescos envolvidos, aos cartolas,d onos de escolas, às mulheres que depois de um desfile tendem a ter mais chances de sair em revistas, mas mesmo antes de conhecer o espiritismo isso já não me atraía. É uma pena que a cada dia o corpo passa a ser grande fonte de renda, em tudo está tão exaltado. Mulheres passam o ano todo investindo tempo, dinheiro em tratamentos para os corpos se tornarem algo além da realidade. Correm riscos em cirurgias desnecessárias, tomam bombas anabolizantes, enfim, tudo em nome de saciar a sede de promiscuidade vivida com grande intensidade nestes dias. Não sou pudica, retrógrada, nada disso, é que realmente tenho muita pena em ver que estamos jogando pelo ralo todos nossos preciosos valores, e em tempos de carnaval, esses valores distorcidos são cada vez mais enaltecidos. Desculpas aos grandes festeiros, não quero ofender a ninguém, é só minha opinião, que talvez mereça alguma reflexão à respeito. Eu que adoro os sambas de Cartola, e outros mais, há muito tempo vejo o carnaval como uma disputa tremenda, rola um terrível estresse, brigas por postos, por reconhecimento, fantasias vendidas caríssimas,o nde pessoas com menor renda não podem participar. Vale pensar um pouco, por que se bebe tanto, pra fazer loucuras e colocar na conta da bebida? E as consequências como você cita, filhos não planejados, que nascem sem pai, às vezes serão até criados pela vó materna porque as próprias mães não tem condições até psicológicas, tudo isso não tem como se voltar atrás ou colocar na conta das drogas, bebidas, samba, nada disso.

  18. Priscilla, os benefícios econômicos gerados pelo carnaval são insignificantes quando comparados com o gasto de dinheiro público. Os abusos sempre são escolhas individuais, não há nada que obrigue ninguém a se exceder. Você está certa. Acontece que somos influenciados pelo ambiente. Somos espíritos permanentemente sintonizados uns com os outros. Num meio em que há a uma grande concentração de espíritos encarnados e desencarnados “extrapolando”, como você diz, a possibilidade de se deixar influenciar é altamente potencializada. Sei que há pessoas que conseguem se imunizar a isso. Também reconheço que “acabar com tudo” é um exagero de minha parte. Obrigado por manifestar a sua opinião, Priscilla.

  19. Não podemos nos esquecer que o carnaval também traz emprego e renda para muitas pessoas. E os abusos do carnaval, na minha opinião, são escolhas de cada um. Concordo que o Carnaval vem extrapolando, mas acabar com tudo talvez não seja solução.

  20. Não foi radical, não, Lana. Seu comentário está muito coerente e sensato. Concordo com você em relação aos bailes familiares. Quanto à tragédia, me refiro mais à grande mídia, à troca de assuntos que prendam a atenção do público. Exploraram a tragédia o quanto foi possível; agora “pulam para o carnaval com todas as suas forças. Muita luz pra todos nós, Lana!

  21. Concordo em parte com o que disse Morel e respeito sua opinião como a dos demais leitores. Claro que para muitos, o Carnaval não passa de uma festa onde aproveitam para dar vazão aos seus instintos animalescos e é justamente daí que surgem as grandes tragédias. Mas existem aquelas festas ou bailes de carnaval que não compactuam com isso, por exemplo, festas elaboradas em família, com as crianças fantasiadas, se divertindo apenas por se divertir, com músicas agradáveis, marchinhas dos antigos carnavais. Nesse tipo de festa, não vejo problema algum e acredito que para a espiritualidade também não. O pecado do Carnaval está no abuso que se faz dele, individualmente ou coletivamente. Drogas, bebidas, sexo desvairado, sensualismo exagerado, tudo isso é realmente pernicioso, porém devemos lembrar que nem todos se afinam com isso e topam participar. Muitos vão somente para espiar as escolas de samba desfilar ou blocos de rua, sem maldade alguma. Não vejo mal nisso. Cada um deve ser responsável por si e se ligar à Espiritualidade Maior nesses dias, a fim de obter a proteção necessária onde quer que esteja. É claro que a tragédia de Santa Maria não será esquecida, porém é vida que segue e não podemos parar a vida em função dessa e de tantas outras tragédias que acontecem diariamente no Mundo todo. Desculpe se fui radical em meus comentários, mas essa é minha opinião. Um abraço fraternal para você. Muita Luz!

  22. Carnaval só da lucro pra hoteleiro, pra proprietário de trio elétrico e pra Cantores e Artistas famosos lá em Salvador, Fortaleza Recife e todas aquelas redondezas. É um absurdo dobrar o número de policiamento nos lugares onde se comemora o carnaval, enquanto uma família menos favorecida é assaltada e perde o pouco que tem em casa pois não tem um guarda noturno pra amparar. Enquanto um pai de família espera por meses na fila do sus por uma cirurgia, são feitas inúmeras operações emergenciais no carnaval, podem me chamar de ignorante, o que for, eu não suporto essa batucada carnavalesca, axé e tudo que se origina disso, e que algumas músicas tem até duplo sentido adorando orixás e tantos outros que não a Deus.

  23. É como você disse, depois de uma certa idade, de maturidade, começamos a enxergar o carnaval com outros olhos e concordo com você quando diz que o carnaval deixou de ser uma festa cultural há décadas. Acho que a única coisa boa são os dias que proporciona de descanso. Saudades do verdadeiro carnaval, das marchinhas e dos bailes de “fantasias verdadeiras”, porque não podemos chamar os tapa-sexos de fantasias… Lamentável!

  24. Concordo em grande parte, mas acho que existem também pessoas que vão sim se divertir. O país já é uma bagunça, o Senado pior ainda. Apesar de tudo é um momento que muitos descansam e se divertem. Há abusos sim de todo lado com certeza infelizmente, mas acredito que existe uma minoria que desopila e relaxa nessa época. Tudo no brasil é comercial, até Criança Esperança.Há uma minoria que respeita aos outros e a si mesmo. Minha opinião. Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.