Temas abordados

Mediunidade não é dom

mediunidade

Morel Felipe Wilkon

Ouça este artigo na voz do autor

Você pensa que mediunidade é dom? É comum pessoas se referirem à mediunidade como um dom, como uma qualidade distintiva. Mediunidade não quer dizer evolução, de jeito nenhum.

Tomos somos médiuns em potencial, mas nem todos desenvolvem essa potencialidade. O médium é alguém que tem uma sensibilidade a mais, uma capacidade de percepção maior do que a maioria. Essas características são decorrência de inúmeras reencarnações, em que o espírito vai adquirindo conhecimentos e experiências de acordo com a sua interação com os seus irmãos de caminhada.

A quase totalidade dos médiuns que conhecemos foi preparada para o exercício da faculdade mediúnica antes de reencarnar. Eles trazem consigo a tarefa de mediar o intercâmbio entre os espíritos encarnados e desencarnados.

Mediunidade não quer dizer evolução
Você acha que mediunidade é dom?

Muitos, talvez a maioria, dos que são tidos como desequilibrados mentais, são médiuns que não estudaram, não desenvolveram, não exercitaram conscientemente a sua mediunidade. Não exercitaram conscientemente, porque inconscientemente sofrem a influência incessante do plano espiritual. Essa influência é quase sempre negativa, pois o médium não educado para a sua tarefa e moralmente frágil, como a maior parte de nós é, não tem meios de se proteger do assédio de espíritos atrasados, mal intencionados ou não.

O que liberta é o conhecimento, sabemos disso. Quando o assunto é mediunidade, esta máxima tem seu valor potencializado, pois é imprescindível que o médium se evangelize e eduque sua faculdade mediúnica se quiser ter uma vida normal, equilibrada e útil. Um médium que não zela pela capacidade que recebeu ao reencarnar funciona como uma vela acesa numa sala escura, atraindo insetos à sua volta. Atrai tudo o que se afiniza com seus pensamentos, palavras e ações. Conquista companhias das quais é difícil se livrar.

Não há meio de fugir à responsabilidade do desenvolvimento mediúnico. Quem reencarna com essa tarefa implorou para isso, pediu insistentemente para receber essa chance de trabalhar em benefício do próximo. Chegando aqui, se perde em meio aos prazeres, distrações e preconceitos, e não presta atenção aos apelos que a vida faz para que ele se dê conta das suas características, a fim de que cumpra com o que foi combinado. Não faltam avisos. Durante a vida, muitos avisos, diretos ou indiretos, muitas sugestões e “coincidências” ocorrem para ajudá-lo a lembrar do seu dever.

Muitos não estudam a mediunidade por preconceito religioso ou social. Em vez de aproveitar a oportunidade, se apegam a aparências. Em vez de darem graças a Deus por terem reencarnado no Brasil, onde estes fenômenos são bem aceitos, queixam-se dos sintomas, desistem, dão pra trás. Suas desculpas seriam mais aceitáveis se tivessem nascido num país Europeu; Alemanha, Áustria, Suíça, onde as relações são frias e não há espaço para o diferente. No Brasil não deveria haver espaço para preconceitos, já que abrigamos todas as etnias e tradições culturais as mais diversas.

Muitos médiuns não se sujeitam ao estudo sério, metódico, em grupo, e desenvolvem suas faculdades sozinhos. Dificilmente terão uma proteção eficaz, dificilmente interagirão com espíritos minimamente elevados ou ao menos bem intencionados.

De vez em quando me deparo com um desses “seres especiais” que se acham suficientemente entendidos e poderosos para prescindir de um centro espírita, de uma orientação segura, da participação em algum grupo. Preferem acreditar no que os espíritos comunicantes lhes dizem para enaltecer seus egos. Tornam-se instrumentos dóceis nas mãos de espíritos vampirizadores ou francamente perversos.

Já conheci médiuns que afirmam que destroem cidades inteiras no astral sozinhos, que prendem milhares de espíritos de organizações umbralinas numa tacada só, que recebem Moisés ou Napoleão, que foram reis ou grandes magos de Atlântida. Dia desses tive a honra de conhecer a reencarnação do Rei Ricardo Coração de Leão…

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

153 Comentários

  1. Eu tenho 14 anos de idade na minha familiar ar vario midium .quando pequena costumava nunca erar jogos de sorte minha familia usava esse meu dom pra ganhar dinheiro , mais depois de um tenpo ele sumiu .com 9 anos eu e minha mãe e meu Irmão se mudamos pra uma casa ,nessa casa eu recebia carinho de uma mulher que cuidava de mim durante a noite , ela me tratava com se fosse filha fela ,como eu era nova achava que era amiga de minha mãe ,nesse periodo eu comecei a ter vizoes de coisa ruim acontecendo ,de depois de dias acontecia e eu me culpava por essas coisas acontecerem depois de um tempo minha avo que e medium falou pra minha mãe que a mulher que eu via tinha morido e ela me confudia com a filha dela e que me queria .ai ajente saiu da casa e tudo parou .
    obs; isso siguinifica que tenho aulguma facudade mediunica ?

  2. Boa tarde. Pesquisando umas coisas sobre mediunidade entrei neste site sem querer e achei que seria um sinal. A minha mãe há cerca de 1 ano foi internada pois começou a ter comportamentos delirantes de um dia para o outro. Esta desde aí a fazer tratamento com antipsicóticos, pois apesar de estar bem agora, queixa.se sempre de uma dor por baixo do peito que quase não a deixa andar. Indo a uma consulta de mesas radionicas aconselhada por uma amiga disseram.lhe que ela tem mediunidade e que atrai muitas coisas más E que lhe faria bem frequentar um grupo de pessoas. Estou muito preocupada com ela, pois ela diz que assim não vai conseguir viver muito mais tempo, que sente que o coração não vai aguentar. Queria ajuda.la e não sei como. Pode.me dar uma opiniao? Obrigada

  3. Tenho 16 anos desde pequena ja dava sinais de ser medium,minha tinha e minha vó também são médiuns e como não sabia do assunto e pelo fato de não aceitarem que também sou medium descobri através de uma amiga minha que e médium através do tarô que sou medium e ha um espírito ruim que percegue minha família a gerações e agora está me perseguindo.
    Obs:ela falou para mim ter muito cuidado com este espírito.
    Então queria saber, o q eu faço ?

  4. Olá! Estava aqui desanimada da vida pensando o que fazer com a minha vida e vi este post, eu sou Médium de incorporação faz 15 anos, fui iniciada no Vale do Amanhecer. Passado um tempo eu sai da doutrina e procurei outros segmentos dentro da espiritualidade, eu nunca gostei de ser médium, esta é a grande realidade, mas eu sinto de forma latente está energia que me consome, muitos vezes vem como uma grande fúria contra tudo e todos, uma impaciência sem limites. A minha vida parou, como se o ciclo não mudasse por muito tempo. Preciso de um caminho para conseguir reverter está situação, não sei mais como mudar.

  5. Olá, desde pequena alguns médiuns me diziam me ver de branco, quando eu tinha dois meses de vida eu estava no colo de minha mãe e um amigo da família me pegou no colo e disse me ver de branco, logo depois eu já com 7 anos eu me lembro que em um mercadinho eu corria e brincava até que a dona do mercadinho ajoelhou e começou a orar por mim, e me disse a mesma coisa! A vejo de branco! E por aí vai, até uma amiga de minha mãe que era da umbanda se eu não me engano falou isso. Eu queria saber o que isso quer dizer? E por que hoje em dia, com 18 anos eu sinto uma vontade extrema de não trabalhar por mim mas pelos outros, eu me sinto extremamente mal com o fracasso alheio, às vezes a história de vida de uma pessoa me deixa tão atordoada que posso ficar sem dormir pensando nela, acabo sempre orando por essas pessoas. O que isso significa? Esses sentimentos tem algo em comum com o que ouvia dessas pessoas?

  6. Boa tarde Morel, minha sogra já tem uma certa idade e é muito religiosa, católica, mas desde a sua juventude lhe disseram que ela possuía mediunidade, só que ela nunca aceitou esse fato e sempre foi uma pessoa que sofreu alguns problemas leves de saúde. Hoje aos 83 anos, possui uma saúde hígida, mas sofre com uma hipertensão muito resistente a medicamentos, apesar de exames normais, o que me chama atenção é que ela está bem durante o dia e quando vai à missa a pressão sobe muito, será que tem alguma relação?

  7. Fernando, você sabe o que fazer, sim. Talvez você não queira fazer o que sabe que deve ser feito – mas saber, você sabe. Estude sobre a mediunidade e procure um centro espírita. Talvez você não precise “desenvolver”, mas precisa estudar para aprender a controlar a sua mediunidade. Procure atendimento num centro espírita.

  8. Bom dia. Ja me falaram que sou médium mas não desenvolvi. Ocorreu há pouco um episódio muito ruim para mim, eu comecei a beber e não conseguia parar até que certa hora eu comecei a chorar sem saber o motivo e depois uma raiva me tomou conta, não sabia porque, mas só queria continuar bebendo e com muita vontade de fumar. E antes disso falta de sono, medo de andar no escuro em casa e muita dor em partes do corpo que eu já machuquei antes como nos pulsos e costas. Não sei o que faço.

  9. Edilene, você deve estudar para construir seu próprio conhecimento sobre o assunto. Sugiro O Livro dos Médiuns, de Allan Kardec; Mediunidade, de Edgard Armond; Mediunismo, de Ramatis; Estudando a Mediunidade, de Martins Peralva; e Nos Domínios da Mediunidade, de André Luiz. Bom estudo!

  10. Olá senhor Felipe.

    Gostaria de saber se tem como um médium ter capacidade diversas, pois não sei qual o meu tipo de mediunidade. Li alguns artigos que falavam sobre os tipos de médiuns e fiquei confusa. Quando deito, às vezes nem preciso adormecer totalmente vejo espíritos. Já escutei chamando meu nome, e até respondi, depois me dei conta que estava sozinha (audientes). Já senti a cama baixando do meu lado (impressionáveis). Já sonhei com coisas que iriam aconteceram posteriormente, ou pessoas que só conheci depois, dentre outras experiências que são comuns a diferentes tipos de médiuns. Pretendo ir em um centro espírita, mas gostaria muito de uma opinião sua.

  11. Fabrício, mediunidade não tem nada a ver com elevação moral. Aliás, a maioria dos médiuns são espíritos comprometidos com erros graves. Esses espíritos não são seus mentores – aliás, só tem mentores os médiuns envolvidos em trabalhos sérios e importantes. Procure estudar sobre a mediunidade para aprender a lidar com isso. Se for num centro espírita, melhor.

  12. Morel, eu ouço espíritos (raramente entendo o que é dito) e vejo vultos, isso quer dizer necessariamente que sou médium? Sou alvo frequente de encostos e sempre sei quando eu tenho um, se eles estão próximos e etc. É possível não ser médium e ouvir, ver vultos e sentir as presenças deles?
    Obs: Duvido muito que eu seja médium porque sou pouquíssimo evoluído e, segundo me disseram há um tempo atrás, não seria capaz de me comunicar com os meus mentores por esse motivo.

  13. Morel mas essa energia se for maligna pode ficar com o médium durante um tempo ou até um dia ? Ou até atrair espíritos ? Lembro uma vez q vi um vídeo no YouTube ,no mesmo momento q estava vendo me senti mal como se estivesse algo perto de mim me deixando com uma energia muito ruim , naquele dia fiquei com medo de tudo qualquer barulho eu já ficava com medo ( e eu n sou assim até já me acostumei com algumas coisas q me acontecem ) tive q rezar muito e no dia seguinte senti como se a energia se afastasse e fiquei com uma sensação boa ( mas foi estranho pois isso nunca tinha me acontecido ) .

  14. Oi Morel, gostaria de saber pelo seu conhecimento se você acha que pode ser possível uma médium sensitiva conseguir sentir a energia de algo apenas por vídeos? Isso pode acontecer?

  15. Keti, mediunidade é, antes de mais nada, uma maior sensibilidade, uma capacidade natural de receber influências espirituais. Uma pessoa muito boa e equilibrada tira proveito disso, recebendo só boas e elevadas influências. Uma pessoa que não se cuida, que não dá importância aos aspectos espirituais da vida, vai sempre experimentar desequilíbrio e tropeços. Nem sempre a mediunidade é um compromisso; o ideal é que ele procure atendimento espiritual num centro espírita. Melhor, ainda, se ele estudar a respeito. Mas, se ele não se ajudar, também não será ajudado.

  16. Boa tarde Morel,

    Gostaria de fazer uma pergunta. O meu marido tem mediunidade de incorporação, porém resiste muito a aceitar, acredito que por medo ou talvez preconceito. Se ele não desenvolver, pode sofrer pelo resto da encarnação? Gostaria de um conselho pois nossa vida anda dez passos e volta cem, não aguento mais. Obrigada! Aguardo ansiosamente sua resposta.

  17. Olá!
    Descobri que tenho mediunidade há pouco tempo e não tenho aceitado muito bem, apesar de já ter conversado com pessoas entendidas sobre o assunto. Tem dias que me sinto bem, mas na maioria das vezes, não consigo dormir (ou durmo bem mal) e tenho crises de choro sem motivo aparente, além de sentir sensação de peso na cabeça quase todos os dias. Minha pergunta é: esses sintomas vão passar algum dia?

    Muito obrigada!

  18. Erika, há exageros no que lhe disseram. O que há, em algumas pessoas, é um excesso de energia, uma captação de energia fora do comum. Isso deve, sim, ser externado – mas não façamos disso uma coisa assim tão drástica.
    Podemos fazer o bem em qualquer lugar. Se você se sentir bem na igreja, se houver possibilidade de algum trabalho voluntário, não há dúvida de que você poderá ser muito útil.
    Se você tem a chamada mediunidade de cura, e não quiser causar impacto, não quiser “assustar”ninguém com isso, você pode aprender algum tipo de massagem ou técnica que seja mais bem aceita e inserir o seu poder de cura através dessa prática. O efeito será o mesmo.
    Quanto ao estudo, você pode estudar sozinha. Depois que estiver trabalhando, se estiver trabalhando de boa vontade e com prazer, certamente aparecerão oportunidades de estudar com mais alguém formando um pequeno grupo de estudos. Mas é preciso fazer uma coisa de cada vez, dar um passo depois do outro. O primeiro passo é começar a trabalhar – o resto irá acontecendo naturalmente, acompanhando o seu crescimento na tarefa a que se propor.

  19. Maicom, existem milhões de pessoas sensíveis como você. Essa característica só é benéfica se você agir de acordo. Revoltar-se contra as injustiças do mundo não leva a lugar nenhum se não houver ação de sua parte – lembrando que, se não podemos mudar o mundo todo, podemos mudar o nosso mundo; e isso nós só conseguimos agindo, trabalhando em benefício do próximo. Faça trabalho voluntário, coloque-se à disposição de quem precisa de você: o medo desaparecerá.

  20. Ola Morel! Tudo bem?

    Eu moro em Seattle e não encontro nenhum centro espírita por aqui, leio seus artigos que me proporcionam muita tranquilidade, porém sei que precisaria estudar mais, desenvolver, fazer mais o bem. Será que se eu recorrer aos trabalhos na igreja, que não é espírita, eu alcançaria o mesmo “efeito”? No Brasil me falavam que eu tenho o poder da cura e que deveria desenvolver isso,pois quando não desenvolvemos, ficamos com a energia somente para nós e que isso pode nos adoecer a até mesmo matar. Fico muito assustada com as coisas que escuto e sei, dentro de mim, que preciso trabalhar mais para ajudar o próximo… tenho medo de morar em um lugar que não posso estudar em grupo o espiritismo, ou praticar, e acabar adoecendo ou até pior por causa disso… pode ser uma bobagem, mas às vezes não sei mais no que acreditar quando as pessoas falam coisas assim tão impactantes. Fique com Deus e parabéns pelo seu trabalho maravilhoso! Todos os dias aprendo algo novo contigo.

  21. Eu não sei, mas eu nunca me senti como os outros, eu sempre me perguntei por que o mundo é assim, isso não é normal, por que ninguém ajuda, ninguém faz nada, então eu me digo que eu devo fazer isso, eu me revolto com a injustiça, eu admiro muito as pessoas que morreram tentando lutar pela justiça, tipo o Malcom X, Tupac Shakur, Gandhi, mas eu não sei por que sou assim, eu estou sempre triste, sempre assustado, sempre com impressão de ser seguido, eu tenho uma grande inspiração com tudo, eu não sei por que sou assim, eu não sei por que mesmo e não e só isso, me ajuda, cara, você não tem como me dizer algo?

  22. Marlon, O Livro dos Espíritos trata desse tema nas questões 400 e seguintes, no capítulo intitulado “da emancipação da alma”. Você pode ler O Livro dos Espíritos em PDF neste site, na aba LIVROS no menu.

  23. Olá, desde pequeno eu adivinho as coisas e tenho sonhos que às vezes se realizam. A minha pergunta é: isso pode ser um sinal de mediunidade ou não???

  24. Obrigado, Morel. Na verdade já estou estudando algumas obras de Kardec, mas comecei há pouco tempo, por isso não sei de muita coisa… Vou começar a tirar um tempo maior pra isso…

  25. Leticia, Só deve desenvolver a mediunidade quem é médium. Algumas pessoas reencarnam com alguma tarefa ligada à mediunidade, e devem desenvolver a mediunidade para viverem uma vida mais equilibrada em todos os sentidos. Quanto à questão da idade, não há como generalizar. Isso só pode ser respondido com certeza pelos trabalhadores do centro que você frequenta, depois que lhe conhecerem bem. O melhor caminho, sempre, é o estudo. Estude bastante, comece pelas obras de Allan Kardec. Sem esclarecimento você sempre dependerá da opinião dos outros.

  26. Pode um adolescente com 15 anos começar a desenvolver sua mediunidade ou tem que ser mais velho? Tem uma idade precisa pra isso? Como que vou saber se devo desenvolver, frequento um centro espírita, eles podem me chamar ou eu vou saber sozinha? Tem algum “risco” em desenvolver? Sei que fiz muitas perguntas, mas se puder me responder, ficarei grata…

  27. Desde pequena venho tendo manifestações de espíritos. Eu vejo, ouço e sonho algumas vezes quando algo ruim está prestes a acontecer. Eu queria saber se eu tenho mediunidade. Eu já frequento o centro espírita e por que os mentores não me chamam para desenvolver a minha mediunidade?

  28. Renata, você diz que quer uma resposta “correta”. A impressão que tenho é que você quer uma resposta que lhe agrade. Não é assim.
    Um médium dizer que não quer ser médium é o mesmo que uma pessoa com visão normal dizer que não quer enxergar; ou uma pessoa com audição normal dizer que não quer escutar.
    Você está contrariada porque nos centros espíritas que você foi disseram a você que você tem que ser espírita, e isso, pelo jeito, para você, torna esses centros espíritas “não-sérios”.
    Sr médium é uma coisa, ser espírita é outra coisa. Há médiuns que não são espíritas e espíritas que não são médiuns. Mas o melhor lugar para você aprender sobre mediunidade é no centro espírita.

    Neste site, no menu, há a aba LIVROS. Clique sobre ela e encontrará as obras de Allan Kardec e André Luiz. Com a leitura já á possível compreender bastante coisa. Mas para vocÊ aprender a lidar com a sua mediunidade, é preciso frequentar o centro espírita.

    Procure um centro espírita kardecista que você considere “sério” e estude. Se achar difícil, continue como está. Você quer paz e tranquilidade. Todos querem. Mas essa é uma condição que temos que construir e merecer.

    Sugiro que leia estes artigos, os comentários dos leitores e minhas respostas a eles: http://www.espiritoimortal.com.br/mediuns-e-transtornos-mentais/ http://www.espiritoimortal.com.br/sera-que-sou-medium/ http://www.espiritoimortal.com.br/para-que-servem-as-praticas-mediunicas-no-centro-espirita/

  29. Boa tarde. Desde criança ouço vozes e tenho visão de pessoas caídas no chão e quando eu chegava perto desaparecia. Com o tempo já vi espíritos de frente a mim vestidos de capa com cartola na cabeça. Irmão, não quero ser médium. Se isso é mediunidade também?! Só quero minha vida normal. Cada dia que passa as vozes ficam mais altas. Não consigo me concentrar em nada. Está me atrapalhando. Vou no catolicismo mas não melhoro, faço minhas orações, converso com Deus, não consigo me sentir em paz. Vejo minha vida se atrasando, eu correndo atrás e nada conseguindo. Isso já faz alguns anos. Desde 09 anos e hoje tenho 33 anos. Gostaria ajuda de uma resposta correta. Se eu não quero ser espírita, tenho livre arbítrio para escolher aonde quero ir? Porque nos centro espíritas que eu fui, me falam que não tenho escolha!
    É ser espírita e pronto! Eu não me aceito porque até hoje nunca encontrei um centro espírita sério. Vejo muitas coisas que contradizem muito. Só quero paz e tranquilidade.

    Desde já agradeço sua resposta.

  30. Gabriel, sugiro que leia estes artigos: http://www.espiritoimortal.com.br/mediuns-e-transtornos-mentais/ http://www.espiritoimortal.com.br/sera-que-sou-medium/ http://www.espiritoimortal.com.br/para-que-servem-as-praticas-mediunicas-no-centro-espirita/
    Leia também os comentários dos leitores e minhas respostas a eles.
    Quanto ao que disseram pra você, pergunte a eles.
    Sobre o que diz a Bíblia a respeito da comunicação com os espíritos dos “mortos”, só entende quem estuda: https://www.youtube.com/watch?v=-fGjdBbjA30&lc=z13hsdyiul3uyvpj304cdxiifqzwgfxqoqo0k

  31. Então antes de vir pra terra eu escolhi ser médium ?

    Na minha vida só entra pessoal nessa área. Namorada, amigos.

    Esse mundo me persegue desde pequeno quando eu conversava com pessoas no meu quarto. Em sonhos, eu já sou acostumado. Já me visitaram em sonho pra falar comigo. Exus, pomba gira, vovó, Cosme e Damião. Entre outras pessoas que não conheço.

    A pergunta é: Na bíblia fala que é errado.

    Porque eles me escolheram. Por que eu escolhi isso?

    Obs: minha avo é médium, conversando com médium eles dizem que minha raiz é direta da África sem modificação. O que isso quer dizer?

  32. Oi Morel, eu percebo sinais de mediunidade há um ano, já tive visões (às vezes), sinto presença de espíritos, tenho uma boa intuição, gostaria de saber se devo desenvolver ou não, mas tem um porém: minha família não aceita, diz que é coisa da minha cabeça, falam que é mentira minha. Você acha que tem como desenvolver em casa? Sinto que preciso desenvolver isso, mas como eu faço isso se minha família não acredita?

  33. Lucas, como diria Chico Xavier, o telefone só toca de lá pra cá… não há como saber notícias de desencarnados, a não ser que, por algum motivo, eles tenham permissão e/ou muita facilidade para se comunicar.
    Sentir falta é normal, sofrer não. O sofrimento, quase sempre, é egoísmo. Quem fica tem que reaprender a viver, continuar a vida, parar de se focar no próprio sofrimento, respeitar as pessoas com quem convive dando o melhor de si. Para quem partiu, a saudade exagerada de quem é prejudicial, pois dificulta a sua readaptação ao plano astral.
    O esclarecimento acerca da continuidade da vida quase sempre produz bons resultados. Você não pode fazer nada se ela não quiser ajudar-se. Mas, se ela estiver disposta, leve-a a um centro espírita que você conheça e goste. A maior parte dos centros espíritas tem um serviço chamado atendimento fraterno, em que acolhem e orientam os recém chegados.
    Não desista; ela vai ficar bem. Estarei orando por vocês.

  34. Olá, Morel… Deixei um comentário aqui há algum tempo, mas você não respondeu, vou tentar novamente. Tenho uma namorada e a mãe dela desencarnou há cerca de 3 anos, minha namorada sente muita falta dela. Isso traz alguma consequência para o espírito? Como eu posso ajudá-la a lidar com isso? O que você me recomenta fazer em um centro espírita? Existe alguma maneira de eu saber qual a situação desse espírito? E se puder, acrescente mais alguma coisa que eu preciso saber/fazer. Quero que minha namorada se sinta feliz e confortada e acredito que o espiritismo irá acolhê-la muito bem. Obrigado desde já. Grande abraço.

  35. Aurélio, a busca é incessante. Não posso opinar sobre um sentimento ou sensação que desconheço. Eu cada vez mais percebo que nada sei e cada vez mais descubro coisas novas. A melhor resposta, sempre, é a própria vida. Nossa vida é nossa experiência individual, única, nossa própria interpretação do Universo.

  36. Olá Morel.
    Meu pai era médium e quando tinha meus 15 a 18 anos, muitas vezes conversava com os espíritos que incorporava.
    Nessas conversas fazia muitas perguntas e certa noite ao fazer uma pergunta que não me lembro, mas recebi a mão espalmada em meu peito e o dedo indicador em riste assinalando o sinal de “não” e desde essa noite não tive mais nenhum contato e não conseguia respostas às muitas questões espirituais que tenho procurado em meus estudos – tudo me parece repetitivo, num círculo vicioso sem que eu consiga evoluir no tema. Hoje tenho 65 anos, frequento um centro espírita Kardecista, já expus este assunto e continuo procurando uma resposta plausível.
    Você tem alguma opinião sobre isto?
    Grato e que Deus o abençoe.

  37. Olá.
    Quando tinha 14 anos aconteceram fenômenos onde objetos se mexiam a minha frente, e quem estivesse junto presenciava também.
    Foi na mesma época em que meu pai faliu e separou de minha mãe. Passamos muitas dificuldades e mudança de cidade.
    Aos 17 anos fui acometido por síndrome do pânico.
    Desde então tenho muita ansiedade, e frequentemente acontecem eventos de premonições, inclusive todos os relógios de pulso acabam parando comigo.
    Acabei entrando de uma forma inesperada em uma religião muito boa por sinal que pratica o johrei, messiânica.
    Gostaria de saber pelo seu conhecimento o que acha disso.

  38. Olá!! É… Já tenho dias que sinto a presença de espíritos, e ando com muito medo até para dormir, já mandaram eu ir ao centro desenvolver, só que eu quero desenvolver mas tenho medo, o que devo fazer?

  39. Cristiane, o ideal é que você participe de um grupo de estudos num centro espírita em que se sinta bem. O estudo e a leitura são fundamentais. Leia minha resposta ao leitor Julio Cesar, ela vale para você

  40. Olá, tenho mediunidade, gostaria de saber por onde começar para poder aprende a conviver e seguir minha missão?

  41. Alessandra, espíritos esclarecidos e bem intencionados jamais fazem ameaças. Não acredite nessas palavras. Há pessoas que reencarnam com tarefa mediúnica, e, embora não lembrem, foram elas mesmas que escolheram. Mas, para estas pessoas, a vida se encarrega de mostrar que elas devem trabalhar com a sua mediunidade.

  42. Oi, minha mãe era médium, recebia espíritos, sempre peeguntei se eu ia receber e os espíritos de luz dela falavam que eu não era médium… algum tempo fui em centro de umbanda, nas duas vezes que eu fui tomei um passe e fui de novo, só que comecei a tremer até cair no chão, e eles falaram que sou médium, que tenho que desenvolver, mas não quero isso pra mim. Eles me assustaram falando que se eu não desenvolver vão tirar tudo, minha casa, emprego… tenho meu direito de escolher, não quero isso, não sou feliz sendo médium.

  43. André, é apenas a sua mediunidade se tornando perceptível. Seu caminho, agora, é esclarecer-se a respeito da mediunidade. O ideal, sempre, é participar de um grupo de estudos no centro espírita. Se achar inviável, por algum motivo, recorra aos livros, a começar pela obra de Allan Kardec.
    Aqui estão outros artigos em que falo brevemente sobre a mediunidade: http://www.espiritoimortal.com.br/mediuns-e-transtornos-mentais/
    http://www.espiritoimortal.com.br/sera-que-sou-medium/
    http://www.espiritoimortal.com.br/para-que-servem-as-praticas-mediunicas-no-centro-espirita/

  44. Caro Morel, eu preciso de respostas, desde que a minha avó médium morreu, tenho tido visões, sentido presenças, minha intuição aumentou muito, vejo vultos e quando olho para as pessoas bem, consigo ver uma camada branca parecendo uma alma envolta dela, minha tia é sensitiva e minha mãe é médium e minha bisavó também era, mas a minha família é toda católica, gostaria que você respondesse o que está acontecendo comigo.

  45. Sonia, não há uma resposta definitiva para isso. Há espíritos que reencarnam com a tarefa mediúnica. Comprometeram-se com isso na colônia astral em que estavam antes de reencarnar. Certamente é doloroso retornar ao plano astral, recuperando a memória anterior ao reencarne e perceber que não se cumpriu com o acordo. Além disso, há que considerar que a capacidade mediúnica pode ter sido despertada a partir do mau uso dos poderes psíquicos em existências anteriores, muitas vezes através da magia. Nestes casos o não desenvolvimento mediúnico pode acarretar em desequilíbrios psíquicos, já que o médium não controla seu próprio psiquismo, recebendo influências indiscriminadas.
    O livro Os mensageiros, de André Luiz, retrata casos de espíritos que falharam em suas tarefas no plano físico.

  46. Eu compartilhei sua mensagem “Mediunidade não é um dom” na minha página do Facebook e uma amiga deseja saber: “a pessoa que tem e já é comprovado pode não aceitar se desenvolver e seguir caminhos diferentes mas fazendo a parte dela que é ajudar os outros?”
    Se desejar pode responder na minha página. Nós somos amigos no Facebook e irmãos em Cristo. Desde já agradeço.

  47. Marcelly, o que você precisa saber está escrito no próprio artigo ou nos comentários dos leitores e em minhas respostas a eles. Você não precisa de uma orientação especial. Nem este é o papel a que me proponho. Por que você precisaria de uma orientação de alguém que você não conhece? Não posso tomar uma decisão por você, e não tenho a pretensão de convencer ou converter ninguém. É você mesma quem deve analisar-se, questionar-se e concluir a respeito do que lhe convém ou não convém.

  48. Olá! Na sexta-feira passada comecei a sentir sensações diferentes, como se tivesse um imã puxando a minha pele, e na sexta senti como se meu espírito estivesse saindo do meu corpo e logo após um arrepio junto com uma dormência dos pês até parar nas minhas mãos, senti angústia e muito medo, meu irmão é médium e me levou no centro espírita na segunda. Até tomei o passe, me senti leve e uma sensação muito boa, mas estou muito confusa, ao mesmo tempo que quero aceitar tenho minhas dúvidas e não quero aceitar. Preciso muito de orientação. Obrigada.

  49. Yokana, os hospícios sempre estiveram cheios de médiuns que não estudaram a respeito da mediunidade, perderam o controle sobre suas mentes e foram tidos como loucos. Você é médium, e deve estudar sobre a mediunidade para entender o que se passa com você. Comece o estudo do Espiritismo pelas obras de Allan Kardec, depois leia a série A vida no mundo espiritual, de André Luiz, composta de 13 livros. Procure um centro espírita e participe de um grupo de estudos mediúnicos. Certamente você aprenderá a obter controle sobre as suas faculdades e poderá ser útil a muitas pessoas. Não se deixe dominar pelo medo ou pela preguiça. Faça o que deve ser feito. Não há nada a temer, mas há uma vida de estudo e trabalho útil esperando por você.

  50. Ana, você sabe o que precisa fazer. Você quer que eu lhe diga para impulsioná-la, mas você já tem as respostas. Você sofre por orgulho. Pare de se preocupar com a opinião deste homem ou de quem quer que seja e faça o que deve ser feito. Sua vida está desequilibrada porque você está desequilibrada. Nossa vida é o reflexo de nosso íntimo. Falta a você a dedicação à espiritualização. Médiuns são mais sensíveis, sofrem mais influências. Volte a frequentar o centro espírita, este que você conhece ou outro, estude sobre o Espiritismo, procure participar de um grupo de estudos. Cuide bem do aspecto espiritual e todo o resto vai se equilibrando aos poucos.

  51. Há muito venho tentando controlar a minha ansiedade sobre o assunto, o medo, e a sensação de não estar sozinha. Sempre vendo vultos ou pessoas que agora eu tenho dúvidas se estão de fato vivas. Eu não sei como proceder nessas horas, eu tenho medo de estar louca, este é um sentimento que me incomoda bastante.

    Antes de adormecer eu escuto frases sem sentido ou risadas, sonhos conflitantes que se passam toda uma história apenas para falarem “Não beba água da garrafa hoje”… Essas coisas me deixam aflitas. O que eu gostaria de saber é: Como controlar e saber que estou em plenas faculdades mentais? E as informações que recebo, se é que são informações, o que me aconselha a fazer? e como diminuir o medo?

    Agradeço imensamente pela atenção. O texto me foi de imensa ajuda. Mas me restaram estas dúvidas.

  52. Olá!

    Desde pequena costumo ter sonhos que me revelam o que eu peço, ou me mostram mais ou menos o que está acontecendo ou aconteceu, penso que em outras reencarnações.
    Sempre fui uma curiosa pelo espiritismo, pois nele encontrei muitas respostas para que o procurava.
    Há mais ou menos três anos minha vida tem se tornado uma verdadeira bagunça, meu equilíbrio não existe mais.
    Começou quando eu conheci um cara, mas não consegui ter um relacionamento com ele. Com o segundo foi a mesma coisa, nos apaixonamos, mas também não ficamos juntos. Percebi que era uma espécie de sequência, eles ficavam comigo, mas a próxima era que eles ficavam para namorar. Não sou uma menina que sai com qualquer um, pelo contrário, então não entendia bem o porquê disso acontecer comigo.
    Este foi foi o que eu achei que seria a mesma coisa, ficaria comigo, me deixaria, arrumaria outra, eu iria chorar, mas iria passar. Só que isso não aconteceu bem assim.
    Tenho tido muitas decepções na minha vida, entre amigos que me trouxeram uma palavra desconhecida como: Injustiça. E fracassos quase sempre ocasionados por mim. Tenho consciência disso.
    Mas essas últimas dores me devastaram, me arruinaram o espírito de uma forma horrorosa. Não saio mais, não ligo mais para os amigos que gosto, não consigo entrar em uma Faculdade, não consigo mais sair de casa.
    Não sinto nada além de medo e angústia.
    Depois desse homem minha vida acabou, pois sofri muito com os outros. Quando saía sempre encontrava ele com as namoradas, e isso me machucava demais.
    Agora me tranco em casa por medo de sair e encontrá-lo.
    Rezo com verdadeiro desespero. E sempre me vem algum tipo de resposta pelos meus amigos de luz. Até os meus avós já me ajudaram, isso sempre quando sonho. Mas não consigo sair deste lugar escuro em que me encontro, por mais que meus protetores tentem me ajudar.
    Tenho vergonha de que ele (o rapaz) me veja, pois me sinto fracassada.
    Há tempos ia a um centro espírita, e foi lá que me falaram que era médium, mas não voltei mais.
    E agora não sei de verdade mais o que fazer.
    Gostaria que me desse alguma luz, caro amigo.

  53. Julio Cesar, em qualquer área é preciso preparação e estudo. Um calouro de Engenharia não pode projetar uma ponte, um calouro de Medicina não pode fazer uma cirurgia. Você precisa participar de um grupo de estudos no centro espírita. Se o seu centro não tem, procure um centro espírita “kardecista” e estude. Depois de ter estudado a doutrina você terá um melhor preparo para começar a prática. Recomendo sempre as obras básicas de Allan Kardec, a série A Vida no Mundo Espiritual, composta de 13 livros, de André Luiz, Mediunidade, de Edgard Armond, Mediunismo, de Ramatis e Estudando a Mediunidade, de Martins Peralva.

  54. Morel Felipe, sou um espírita, só que tem um porém. Queria desenvolver para ajudar o próximo, só que acho que não estou pronto. Como sei se devo ou não deixarem me desenvolver? A família da minha espossa ambém é, só que eles não me explicam muito e não sei muita coisa ainda como faço e eles falam que eu que tenho que correr atrás, só que ainda tenho medo se vou ser um bom espírita e se vou desenvolver bem. Você poderia me dizer alguma coisa? O que devo fazer ou o que devo estudar ou como ser um bom espírita da Umbanda?

  55. Bom, sobre mim, quando era pequeno eu via coisas querendo me acertar, e outra é que eu rezava em minha mãe doente e ela ficava boa, após um tempo meu pai chamou um rezadeiro e rezou em mim. Depois daí vejo coisas que acontecem sem eu estar lá pra ver, teve uma tragédia aqui em meu Estado sobre um náufrago, e sonhei que havia alagado tudo e vi cheio de polícia no meu bairro e acordei, quando soube notícia do acontecimento. Fiquei traumatizado, mas não disse pra ninguém, pois podiam dizer que estava mentindo. E às vezes vejo as coisas acontecerem, tipo uma imagem rápida sobre o que acontece no lugar que vou. É isso, também sinto presenças de espíritos.

  56. Fernanda, você é médium e deve trabalhar com a sua mediunidade em benefício do próximo. A sua sensação em relação ao tempo é a sua cobrança interna por não estar cumprindo com um compromisso assumido antes de reencarnar. Embora não nos recordemos conscientemente, sabemos, dentro de nós, o que devemos fazer. Procure um centro espírita que dê importância ao estudo, seja de Umbanda ou Espiritismo, estude, participe de um grupo de estudos e disponha-se a trabalhar. Sua vida certamente será muito mais equilibrada e você terá a sensação de dever cumprido, que não tem preço.

  57. Olá , bom diaa!!!
    Desde quando eu era adolescente eu sempre tinha sonhos de premonições, tudo o que eu sonhava acontecia, mas nem sempre me lembrava dos meus sonhos. Eu sabia quando os meus ex-namorados terminavam comigo, sentia que era a última vez que estaria com cada um deles, ficava angustiada. Já frequentei centros de umbanda porque sempre me interessei pelo assunto, e toda vez que ia sempre me falavam que eu tenho essa mediunidade. Mas enfim hoje tenho umas sensações estranhas, parece que minha vida não anda e ao mesmo tempo parece que tudo está passando muito rápido, às vezes parece que estou sonhando, não parece que eu estou aqui no meu corpo, tenho muito medo, os sonhos continuam mais esquisitos, já estou procurando ajuda mas gostaria da sua opinião. Obrigada!!!

  58. Rodrigo, vivemos imersos num oceano de energias que desconhecemos. Influenciamos e somos influenciados permanentemente. A primeira característica da mediunidade é justamente a maior sensibilidade a essas energias; o médium é mais influenciável pelas energias que o atingem. Nosso pensamento, sobre o qual exercemos pouco ou nenhum controle, sintoniza imediatamente com pensamentos semelhantes de espíritos encarnados e desencarnados. O estudo e o exercício da mediunidade em benefício do próximo nos proporciona o equilíbrio necessário para desempenharmos satisfatoriamente o nosso papel nesta existência. Todos os campos da vida se tornam mais equilibrados, pois nós estamos mais equilibrados.
    Quase todos os que reencarnam com faculdades mediúnicas razoavelmente desenvolvidas são espíritos comprometidos com o uso dos poderes psíquicos. Abusamos desses poderes no passado e agora temos a oportunidade de nos rearmonizarmos sendo úteis ao próximo. Neste período de transição planetária em que vivemos, em que muitos espíritos têm a chance de se libertarem do sofrimento em que estão aprisionados há séculos ou milênios, o médium criterioso, estudioso e comprometido com os aspectos morais elevados tem um papel muito importante a cumprir. Assim como há espírito encarnados com tarefas mediúnicas a cumprir, no outro plano há espíritos desencarnados igualmente comprometidos com essas tarefas, esperando que nos lembremos dos nossos compromissos para que o executemos em conjunto. Sendo assim, quando levamos a sério nossa tarefa, contamos com a companhia e o auxílio dos nossos parceiros do outro plano, o que é uma poderosa ajuda para o equilíbrio que buscamos em nossas vidas. Por outro lado, o não desempenho da nossa tarefa tende a nos tornar cada vez mais desequilibrados, pois somos dotados de capacidades que nós mesmos desenvolvemos em outras existências, que, se não utilizadas com objetivo deliberado e bem direcionado, nos ligam a espíritos tão ou mais perturbados quanto nós mesmos.

  59. Oi. Há algum tempo tive TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo). Nessa época, durante um tratamento com remédios controlados, descobri que sou médium. Frequento um centro espírita (kardecista) e, desde então, melhorei bastante. Mas nunca pude exercer a minha mediunidade. Minha vida parece que “não anda”. Venci vários problemas emocionais e de saúde com a ajuda da minha mãe e amigos, porém sinto que falta alguma coisa. Estou andando em círculos. Não consigo estudar direito (passei por várias faculdades, mas nunca consegui me formar). Será por causa do “não uso” da mediunidade? Obrigado pela atenção.

  60. Luciana, não há motivo nenhum para ter medo. Costumamos temer o desconhecido, por isso é importante o estudo, o esclarecimento, para que possamos dominar esses temores infundados.
    Você é médium, só isso. Algumas pessoas (muitas) reencarnam dotadas dessa capacidade. A mediunidade é apenas mais uma característica do ser humano, assim como a inteligência, a força a vontade, a saúde. O que diferencia a mediunidade é que, pelo fato de a mediunidade nos proporcionar o contato com os habitantes do plano astral (que é para onde vamos quando desencarnamos e quando dormimos), a nossa responsabilidade é muito grande. Não recebemos essa característica por acaso. Deus nos concede a mediunidade como uma oportunidade de sermos úteis ao nossa próximo. Jesus disse: “a cada um segundo as suas obras” – em existências anteriores prejudicamos algumas pessoas, conscientemente ou não. A mediunidade é uma chance que temos de quitarmos os nossos débitos com a Vida.
    A principal característica da mediunidade é a maior sensibilidade que temos. Sentimos o que os outros não sentem, e, se não soubermos dominar isso, ficamos sempre desequilibrados. Você deve procurar um centro espírita (kardecista) e participar de um grupo de estudos mediúnicos. Você vai aprender sobre a própria mediunidade, vai aprender com as experiências dos outros e vai aprender sobre si mesma. Só o estudo, o esclarecimento e o trabalho em benefício do próximo com a mediunidade é que nos proporciona o equilíbrio necessário para termos uma vida útil e produtiva.
    Não se assuste, estude, reflita, ore e siga em frente com Jesus. Se fizer isso, certamente terá uma vida muito produtiva e plena.
    Fique com Deus.

  61. Olá. Tenho pesquisado o assunto mediunidade por causa de fatos que têm ocorrido em minha vida.
    Durante 11anos fui membro ativa de uma igreja Batista, e durante esse tempo, fui sempre muito interessada em conhecer o evangelho de Jesus, sempre que estava livre orava a Deus e pedia para que Ele trouxesse esclarecimento a minha alma. Bem, com o passar dos anos comecei a ter algumas visões, isso muito me assustava. Depois desse tempo me afastei da igreja, já tem 7 anos que estou afastada. Há aproximadamente 1 ano comecei a ter vários problemas, estou sofrendo de depressão, ansiedade e síndrome do pânico. Tudo isso começou do nada, e sem motivo aparente. Passei a ter problemas com meus familiares mais próximos, não consigo dormir às vezes por duas noites seguidas. Tenho dores que não têm explicações médicas, chego a passar por taquicardia e falta de ar, dores musculares pela manhã, como se tivesse travado uma luta corporal durante toda a noite.

    Há alguns meses tem ocorrido fatos estranhos encaminhados. Já vi luzes que brilhavam e piscavam no telhado do meu quarto. Já fui acordada por uma voz que me dizia para observar o sonho do meu marido, sendo que ele estava tendo um sonho de possessão, e a voz me dizia para orar por ele, e enquanto eu orava, conseguia ver o que acontecia no sonho dele, e quando eu clamava o nome e a graça de Jesus sobre a vida dele, ele acordou gritando, SIM. Depois me relatou o sonho, exatamente como eu havia visto enquanto orava. Isso aconteceu mais uma noite, desta vez a voz me disse a pena que colocasse a mão sobre ele e o chamasse suavemente. Depois me ordenou que o convidasse a orar e a ler o Salmo 91.

    O mais estranho aconteceu na noite passada, quando depois de tomar meu remédio para dormir e demorar 4 horas para dormir. logo que peguei no sono sonhei com a falecida mãe do meu marido, quero deixar claro que ela faleceu há 22 anos, e eu vivo com ele há 4. Bem, no sonho ela mandava um recado para ele, e depois me mostrava um papel, que eu não pude visualizar muito bem. Durante o sonho, eu estive em vários lugares da minha infância e adolescência, lugares aos quais meu marido nada tem a ver, mas ele estava presente nesses lugares, isso se mesclada com a figura da mãe dele, que eu não via nitidamente, mas sabia com certeza de quem se tratava. Acordei gritando, como em chamamento, segundo ele me contou, era a mesma forma como sua mãe o chamava. Hoje estou com medo de dormir.

  62. Rodrigo, O Livro dos Espíritos não é um livro de análise, é um livro de síntese. Quando se refere ao “dom” da mediunidade, é como nos referirmos ao “dom” da visão, da audição, do raciocínio etc. Neste sentido, sim, é um dom. Mas não é dom no sentido de privilégio. Médiuns não são privilegiados.

  63. Olá Morel, porque diz isso no Livro dos Espíritos, página 254, terão, por isso mesmo, de dar contas do uso que hajam feito de um dom que lhes foi concedido para o bem de seus semelhantes. Fala em dom da mediunidade, se não é dom porque que chamam os espíritos de DOM?

  64. Olá. Por vezes vejo olhares, sorrisos, vejo pessoas na lama. O quer dizer com isto? E também quando fecho os olhos vejo muitas cores, é lindo. Às vezes também aparece uma nuvem cinzenta à volta da vista. Pode dar uma resposta a esta situação minha?

  65. Olá, sou médium de incorporação e no centro onde vou me disseram que também sou médium vidente. Às vezes sonho com igrejas. Igrejas diferentes como igrejas de pedras, igrejas simples ou cheias de imagens angelicais. E quando eu saio da igreja elas desmoronam e às vezes tem pessoas que eu não conheço, ficam conversando comigo, no sonho eu abro os olhos, falo alguma coisa e volto pro sonho e tenho a sensação de que meu corpo está flutuando, e quando alguém fala meu nome tenho a sensação de que eu pulei e caí na cama.

  66. Olá, sou a Hellen, tenho 22 anos, estou tendo sonhos com pessoas próximas a mim, mas no sonho vejo tudo muito embaçado o local parece triste. O que pode ser?

  67. Olá, eu tenho 35 anos.
    Desde que me conheço por gente eu sonho com as coisas antes de acontecerem e sinto o espírito da morte uns dias antes da pessoa morrer. Eu sinto uma grande tristeza, eu fico chorando sem saber o porquê, logo fico sabendo que alguém morreu ou sinto um grande arrepio e um frio muito estranho, quando eu sinto esse frio eu já sei que é da morte, mas quando choro muito eu não sei o porquê até descobrir que um ente querido ou vizinho morreu. Eu gostaria de poder usar melhor esse dom, uma vez eu acordei com uma velhinha falando em outra língua, ela era como uma índia e tinha o cabelo todo branco, eu vi ela do lado da minha cabeceira da cama, fiquei com medo, pois vi ela no meio da noite no meu quarto, do nada, fiquei muito assustada, quero ajuda para melhorar esse dom.

  68. Por que acordei vendo uma camada cinza escura envolvendo todo meu corpo e que seguia todo movimento do meu corpo, se levantasse a mão essa camada acompanhava meu corpo como uma imã e quando isso acontece, vejo na minha casa cheia de luz piscando, a primeira vez que isso aconteceu pensei que tivesse morrido.

  69. Luisa, quanto mais acentuada a mediunidade, mais abertos somos às influências espirituais. O primeiro sintoma da mediunidade é justamente uma maior sensibilidade às influências. O médium capta todo pensamento que estiver na sua sintonia. Considerando que quase todos nós ainda temos muitos compromissos a ajustar com espíritos pouco evoluídos, e que não vigiamos os nossos pensamentos como Jesus aconselhou que vigiássemos, é natural que sintonizemos com os pensamentos emitidos por espíritos ainda inferiores.

  70. Morel,

    Por que as pessoas que possuem faculdade mediúnica desenvolvida, estão mais suscetíveis às investidas de espíritos inferiores?

  71. Vânia, existem milhões de pessoas como você. A mediunidade é natural, faz parte do ser humano, assim como os sentidos físicos. Apenas uns a têm mais intensificada e outros menos. Você deve se esclarecer sobre o tema. Recomendo sempre as obras de Allan Kardec e André Luiz. O Livro dos Espíritos em primeiro lugar.
    O ideal é que você frequentasse um centro espírita – não sei se tem na sua região.
    O estudo em grupo, a compreensão da Doutrina Espírita, a conscientização da importância que a mediunidade tem em nossa vida, é o que você precisaria agora.
    Quem reencarna com mediunidade quase sempre tem uma tarefa a cumprir. Você pode ser muito útil a muitas pessoas se se dispuser a servir ao próximo por amor. O exercício da mediunidade para o bem torna a nossa vida mais equilibrada e ajuda muitas pessoas.

  72. Bom dia Morel, como vai?
    Achei muito interessante as respostas que tem dado às pessoas que frequentam esse site e por isso gostaria de contar dois sonhos que tive e que me pareceram muito reais.

    Um deles diz respeito a um animal de estimação que morreu, um cachorro. Eu era muito apegado a esse animal e todos em casa, inclusive eu, sofremos muito com sua partida mesmo sabendo que ele já estava em idade bem avançada.
    Certa noite, alguns meses após esse cachorro ter partido, sonhei com ele. No sonho, eu me vi na sala de minha casa com as luzes acessas e lá estava esse meu cachorro, aos meus pés como se estivesse pedindo carinho (da mesma forma que ele fazia quando estava vivo). Eu via o meu cachorro claramente, mas no ambiente havia mais alguém que eu não conseguia enxergar, mas sentia a presença. No sonho era como se essa pessoa fosse um guia que levou meu cachorro até em casa novamente para um último contato. Não houve diálogo da forma como conhecemos, mas o tempo todo era como se meu cachorro me falasse que estava tudo bem com ele, que ele estava curado, jovem novamente, que agradecia por tudo que fizemos por ele em vida e que aquele seria nosso último contato, pois o mesmo iria agora para outro lugar.

    Sei que pode ser estranho sonhar com isso (um animal) e ainda por cima haver certa comunicação, mas o sonho foi muito real, todo o ambiente parecia real e a presença do “guia” dele também era forte. No dia seguinte, ao acordar, me senti reconfortado e a saudade que apertava, aliviou muito!

    No outro sonho, eu estava caminhando com meu pai em uma espécie de trilha. Na trilha havia um capim baixo, típico dos campos de altitude.
    Nessa caminhada, pequenas cobrinhas picavam a perna do meu pai mas não era nada grave pois no sonho, essas picadas assemelhavam-se a picadas de mosquito, inclusive seus efeitos.
    Porém, como eram muitas picadas as mesmas começavam a incomodar. Foi então que durante essa trilha lembrei-me em sonho que havia uma casa onde morava uma senhora. Ela cultivava uma espécie de remédio para aliviar o incômodo causado por essas picadas.
    Desviamos um pouco da trilha e encontramos a tal casa. Batemos à frente do portão e no mesmo havia uma placa onde estava escrito “Água Aura”. No sonho, eu já conhecia essa casa, a senhora e já havia tomado desse “remédio”.
    A senhora, bem simpática, nos atendeu e pediu para que entrássemos. Logo ela percebeu o motivo de estarmos lá e pediu para que nos sentássemos em um sofá enquanto ela pegava o tal remédio. O sofá ficava em uma sala arejada e clara, bem iluminada pela luz do dia. Nesse intervalo, sua filha passou por nós, nos cumprimentou e seguiu caminho.
    Poucos minutos após, a senhora trouxe um copo d’água e era essa água que continha o remédio (a tal água aura) para as picadas daquelas cobras de que falei acima. Meu pai bebeu tudo, nos levantamos, agradecemos à senhora e fomos embora.
    Não houve muito diálogo, foi apenas uma passagem rápida pela casa dessa senhora.

    No dia seguinte, ao acordar, fui pesquisar sobre essa Água Aura pois sinceramente, não me lembrava de já ter ouvido falar esse nome antes. Para minha surpresa o nome existe, mas é Aqua Aura. É um cristal que, pelo que entendi, auxilia na elevação espiritual.

    Já tive outros sonhos realistas, mas não me chamaram tanto a atenção como esses dois últimos.

    Morel, o que você poderia comentar sobre esses dois sonhos que tive? Há alguma mensagem neles, especialmente no último?

    Agradeço tua atenção.

    Att,

  73. Oi. Não sei o que tenho realmente, mas já me disseram (pessoas com mediunidade) que eu tenho uma sensibilidade que ninguém à minha volta tem… porque eu consigo ouvir pessoas no meu sono. E tenho sempre mensagens pra dar. Ontem o avô do meu namorado tentou comunicar comigo através do sono, senti que me estava a tocar no ombro direito com três dedos… mas como já estou tão habituada a este tipo de sonhos… embora já não tenha tido há algum tempo… eu não respondi. Depois ouvi buns de portas, portas a bater com muita força, aí respondi porque as minhas amigas imunes disseram pra quando eu sentir que estão a ser um bocadinho rudes comigo pra eu não me acanhar. Disse: “Anda, eu não tenho medo de ti”, queria que ele dissesse o que queria. Ele respondeu o mesmo: “anda, eu não tenho medo de ti”! Eu mudei-me pra casa do meu namorado desde o mês de fevereiro deste ano. Fiquei muito assustada… tive que ligar pra minha amiga imune e ela me perguntou se cá viveu o avô do meu namorado que já tinha falecido… eu disse que sim… até chorei, confesso. Foi a primeira vez. Talvez porque pensei que isto passasse e que ao sair de minha casa (dos pais) tudo parasse. Ele queria que eu dissesse à minha sogra que lamentava tudo do passado e que lhe queria pedir perdão. Tive que passar a mensagem da melhor maneira. Eu não sei como devo fazer daqui pra frente. Necessito de ajuda, de guia. Não sei. Pode ajudar-me?

  74. O seu sonho é reminiscência de outra existência. Já tivemos muitas existências, e algumas delas nos deixaram imagens de situações muito marcantes que nos acompanham e influenciam durante séculos. Você é médium. Você tem um contato mais direto com o plano astral, que é o plano dos desencarnados – é pra onde vamos quendo morremos e quando sonhamos.
    Quem reencarna com mediunidade tem uma tarefa a cumprir. Não é um favor nem um castigo que recebemos. É uma tarefa que temos que cumprir como modo de compensar o mal causado por nós em outras existências, quase sempre como abuso de nossas capacidades psíquicas ou mediúnicas.
    Procure estudar, se esclarecer sobre a mediunidade. Frequente um centro espírita. O médium, por ter um contato maior com a espiritualidade, é muito influenciável. Se não soubermos controlar esas influências, elas podem ser negativas. Por outro lado, a mediunidade desenvolvida e trabalhada para o bem, em benefício do próximo, nos proporciona uma vida mais equilibrada e feliz.

  75. Queria entender o que se passa comigo. Sempre sonhei em outra época eu sendo uma camponesa e dois homens duelando por mim, no final um matava o outro. Também tenho sonhos, premonições que acabam acontecendo, sinto também vibrações, arrepios quando estou perto de pessoas que passam energias negativas e já tive algumas visões. O que está acontecendo comigo?

  76. Roberta, agradeça a Deus e a Jesus sempre em sua orações. Seja correta, faça o que você sabe que é certo e não faça o que você sabe que é errado. Quando for o momento de seus pais acreditarem, eles irão acreditar. Se você for sempre correta eles logo não terão motivos para duvidarem de você. Eles se darão conta de que isso não é imaginação sua. É importante que você valorize a sua mediunidade, que agradeça a Deus por isso, e que você siga os ensinamentos de Jesus. Se você fizer isso, certamente terá uma vida muito feliz e útil ao próximo.
    Não se preocupe, dê tempo ao tempo. Tudo irá se ajeitar. Ore sempre antes de dormir e ao despertar. Fique com Deus.

  77. Eu tenho apenas 12 anos e acho que tenho mediunidade, meu irmão que já conviveu com essas pessoas também acha porque ele disse que à noite quando estou dormindo fico falando palavras que ele não consegue entender e que às vezes parecem feitiços mas eu não me lembro de nada disso, já cheguei a ficar sentada falando sozinha e já abri o olho e falei normalmente e tudo isso quando estava dormindo, mas eu não me lembro e às vezes escuto vozes e vejo “pessoas”. Meus pais não acreditam nisso, então por favor me ajudem…

  78. João, é preciso esclarecer que qualquer doença não identificada ou diagnosticada pelos médicos não quer dizer que se trate de mediunidade. De jeito nenhum!
    A medicina é um exercício tão falho quanto qualquer outro. O espírito é complexo demais para ser pensado como uma máquina.
    Não sei onde você foi e com quem você falou. Acredito que esse “diagnóstico espiritual” tenha sido muito apressado. E, de qualquer modo, não se deve expor a situação da maneira como ela foi exposta a você.
    É bom que você estude, que se esclareça por sua própria vontade. Isso o ajudará a discernir o que merece e o que não merece credibilidade. Espíritas são pessoas, e pessoas são falíveis.
    Quando se sentir disposto, procure atendimento em outro centro espírita, em que você se sinta bem, e relate novamente sobre este seu problema, sem mencionar que já recebeu opinião a respeito.
    Muitas vezes ocorre que um espírito reencarne com alguma doença ou com uma característica qualquer que tenha a finalidade de chamar a sua atenção para o fenômeno mediúnico. Não podemos misturar Deus com nossos pequenos problemas pessoais. Deus não cuida de nós individualmente, nos recompensando ou castigando de acordo com o nosso merecimento. Deus se manifesta através das suas Leis, e essas Leis são perfeitas. A Lei de causa e efeito é Lei de Deus. Somos o resultado de nós mesmos. Todos cometemos inúmeros erros no passado. Basta observar a História e constatar as barbaridades que foram cometidas ao longo de milênios de civilização. A História foi escrita por nós. Nós, espíritos imortais que somos, já animamos muitos corpos, muitas personalidades, já vivenciamos diversos períodos da humanidade, e todos os erros cometidos pela humanidade são erros nossos.
    Alguns de nós recebem a oportunidade de trabalhar a favor do próximo através da mediunidade. Existem incontáveis maneiras de sermos úteis ao próximo; a mediunidade é apenas uma delas. Mas é importante perceber que não recebemos determinadas chances aleatoriamente. Nossas oportunidades obedecem às nossas próprias características. Um espírito que foi poeta ou artista em várias reencarnações não irá reencarnar com a tarefa de fazer uma revolução na base da força. Um espírito que se notabilizou em várias existências como comerciante, industrial ou grande empreendedor, não irá reencarnar com a tarefa de criar um novo método de ensino. As tarefas que nos são atribuídas estão de acordo com os conhecimentos e experiências que adquirimos ao longo de inúmeras existências, estão de acordo com as facilidades que adquirimos pela assimilação de determinadas práticas.
    Ninguém reencarna com a tarefa da mediunidade por acaso. Aliás, acaso não existe. A mediunidade é desenvolvida através de várias existências, em que lidamos, conscientemente ou não, com nossos poderes psíquicos e com as relações entre os dois planos, físico e astral. Os grandes médiuns são espíritos que há muito tempo se ocupam com as possibilidades psíquicas e mediúnicas. Mesmos os que voltam ao plano físico preparados tecnicamente pelos espíritos trabalhadores para desempenharem uma tarefa mediúnica, embora recebam este preparo como um favor, como um empréstimo de recursos, já têm uma bagagem de experiências psíquicas e mediúnicas em seu currículo.
    Assim, se alguém reencarna com o compromisso da tarefa mediúnica, não é a Deus que deve culpar, mas é em si mesmo e em seus compromissos pretéritos que deve buscar explicações. Como não lembramos do compromisso firmados no plano astral antes de reencarnarmos, o acreditar ou não na realidade destes compromisso fica por conta de cada um.
    Repito que o seu diagnóstico me parece apressado e que você deve buscar uma informação mais segura, baseada principalmente em seus próprios estudos e conclusões. As respostas de que precisamos sempre estão dentro de nós. O que outros podem fazer é facilitar o acesso a essas respostas.
    Mas se há compromisso é de esperar-se que ele seja cumprido. Se ele não for cumprido, não é Deus que irá fazer você “cair no buraco”. Somos nós mesmos que, relutando em não levar adiante os compromissos assumidos para esta existência, nos desequilibramos, ou, mais comumente, nunca alcançamos o equilíbrio desejado. E isso porque o médium não é um benfeitos da humanidade, o médium não um missionário, o médium não é uma pessoa mais importante que as outras, o médium não é sinônimo de pessoa caridosa. A caridade que o médium faz, em primeiro lugar, é a ele mesmo. É ele próprio quem necessita de equilíbrio e proteção espiritual. E isso ele conquista ajudando o próximo.
    Deus não nos tira nada, porque, na verdade, nada é nosso, tudo é de Deus. Deus nos concede empréstimos, Deus permite que usufruamos de bens terrenos, mas nada disso nos pertence. Nem nossos conhecimentos, nem nossa pretensa sabedoria, nem nossas aquisições morais, nem as poucas coisas boas que conseguimos fazer, nada disso nos pertence. O que fazemos de bom é apenas manifestação de Deus, porque Deus é todo o Bem. E o que conquistamos intelectual e moralmente é apenas a assimilação de uma ínfima parte da natureza divina, que está à disposição de todos nós, como o oxigênio ou a água do mar. Podemos respirar o quanto quisermos, mas o ar continuará sendo de Deus. Podemos pegar a água do mar com um copo ou com um balde, de acordo com a nossa capacidade, mas a água continuará sendo de Deus.
    Sei de casos de pessoas que foram prematuramente diagnosticadas como médiuns, e que talvez o fossem realmente, mas que naquele momento estavam precisando apenas de um longo tratamento e de um cuidadoso processo de conscientização e mudança. Mas também conheço casos de pessoas que teimaram a vida inteira em não desenvolverem, estudarem e trabalharem com a mediunidade e que não encontraram paz. Em nenhum dos casos se pode culpar Deus. Os que aceitaram o diagnóstico apressado de que eram médiuns deveriam ter estudado mais e concluído por si mesmas; os que não atenderam aos seus compromissos mediúnicos não o fizeram porque não quiseram.

  79. Tenho um “problema” que começou aos meus 15 anos de idade, da a espécie de um apagão na minha vista , cerca de segundos e depois volta ao normal, fui no médico e não acho nada, então conversei com um médium pela internet e ele me disse que tenho mediunidade, ok.
    Fui a um centro espírita e perguntei, falei sobre eu não querer ajudar dessa forma, sempre gostei de ajudar, mas hoje não me vejo com vontade de estar em um centro. Então ela me disse resumidamente que ou eu ajudo lá ou minha vida cai em um buraco.
    Só fui ouvindo e pensei comigo, todo o meu trabalho justo, tudo que fiz de bom, que suei pra ter, Deus vai me tirar porque não fui em um centro espírita. Gosto muito do espiritismo, mas do jeito que a mulher falou achei muito injusto e não concordei, Deus não é cruel dessa forma. Estou lendo livros pra aprender mais sobre o espiritismo e tentando melhorar como pessoa dia após dia. Se puder, dê sua opinião, muito obrigado.

  80. Tiago, trate de se evangelizar, de estudar e apreender o ensinamento de Jesus. Participe de um grupo de estudos num centro espírita, aprenda a controlar seus pensamento e direcioná-los ao bem. Não comente sobre essas coisas. Tenha responsabilidade com forças que não são suas, são concedidas por Deus.

  81. Tenho ficado mais perplexo com o passar do tempo, por vezes entendo o que se passa, mas por vezes quero não acreditar e que seja todo este mundo imaginário. O último acontecimento causou mais impacto porque envolvia morte. Na data dum trauma psicológico, basicamente concentrei-me a pensar “Estes sofrerão mais do que sofri”, ao mesmo tempo falava de forma esquisita, continuando com o pensamento da mãe dessa pessoa a enforcar-se por causa dele, assim ele iria sofrer. Passado 3 ou 4 semanas aconteceu. Este foi o acontecimento mais complexo, eu fi-lo porque de certa forma acredito em qualquer tipo de energia, mas das outras vezes envolvia só curamento de pessoas. Por vezes acredito que sejam só coincidências, mas começam a ser demasiadas.

  82. Alessandra, você está se desdobrando durante o sono com consciência; isso é relativamente comum. Isso de não conseguir se mexer a medicina chama de catalepsia do sono. Quando dormimos, nos libertamos parcialmente do corpo físico e mantemos atividade com o corpo astral – ou perispírito. Isso acontece com quase todo mundo, mas a maioria não tem consciência. Você viu mais embaçado porque você estava no plano astral, que é para onde vamos quando dormimos e é onde vivem os espíritos desencarnados. A luz que você viu é de um chacra ou centro energético. O chacra sexual, próximo aos órgãos sexuais, tem geralmente a cor vermelha.
    Existe sexo no astral, assim como aqui. Ninguém muda porque morre. Continuamos as mesmas pessoas, como os mesmos vícios e desejos. Espíritos muito ligados a sexo aproximam-se dos encarnados para praticar sexo. Eles precisam da energia dos encarnados para saciar os seus desejos.
    Procure atendimento num centro espírita, esclareça-se, estude. O seu grau de consciência demonstra que você tem mediunidade, e o ideal é que se estude e se desenvolva a respeito.
    Leia O Livro dos Espíritos, pesquise sobre projeção consciente.

  83. Bom dia, li algumas coisas aqui e achei que preciso de ajuda, essa noite meu corpo ficou preso e eu estava sonhando com alguma coisa e o sonho mudou, não consegui me mexer e vi um quarto meio esverdeado, mas tudo embaçado, senti alguém tocando meu corpo e ao mesmo tempo eu ouvia muitas vozes de homens, uma voz estava bem próxima a mim e dizia o nome Suzana e eu senti como se ele estivesse fazendo sexo comigo, me desesperei e demorou, mas consegui mover-me e acordei. O que está acontecendo? Era pesadelo? Eu senti perfeitamente alguém me tocar, eu não via, mas ouvia muitas, muitas vozes, apelando coisas sexuais, e vi uma luz perto das minhas coxas, não consegui me mexer, estou com medo de dormir, o que pode ser?

  84. Sabrina, este espírito é alguém, com quem você conviveu em uma ou mais existências anteriores. Não se conformou em desencarnar e está obsediando você. Você é médium, ou seja, você tem a capacidade de se comunicar com espíritos, de servir de intermediária entre desencarnados e encarnados. É bom que você procure um centro espírita kardecista e busque atendimento, provavelmente lhe indicarão um tratamento de desobsessão. É bom deixar claro que, embora possamos considerá-lo um obsessor, é possível que você mantenha-se tão ligada a ele quanto ele a você. Durante o período de sono físico, enquanto o nosso corpo físico repousa, nós nos libertamos parcialmente da matéria e mantemos um maior ou menor contato com os espíritos.
    Você precisa esclarecer-se a respeito da espiritualidade. O tratamento desobsessivo costuma ser eficaz, mas para resolver a situação em definitivo somente através do esclarecimento e do autoconhecimento. Leia, para começar, O Livro dos Espíritos e O Livro dos Médiuns. Você pode ler os dois na internet. No menu deste site, na aba LIVROS você tem acesso a eles. Nada acontece por acaso. Talvez esta experiência seja o modo de lembrá-la de alguma compromisso firmado na espiritualidade, antes de você reencarnar, ligado à atividade mediúnica.
    Instrua-se e ajude-se.
    Fique com Deus.

  85. Oi, PRECISO DE UM ESCLARECIMENTO!
    Eu desde pequena, mais ou menos uns 4 anos de idade, eu conversava com alguém que não era visível para outros, apenas pra mim, ele pedia pra eu me esconder pra conversar com ele, não era uma criança e sim um homem adulto, passei minha infância conversando com ele, como um pai conversa com um filho, minha avó um dia me ouviu falando com alguém e ouviu alguém falar comigo, mas depois desse dia ela nunca mais tocou nesse assunto, meus pais são vivos, então esse espírito não poderia ser meu pai e na época poderia ser um amigo imaginário, mas eu entrei na fase adolescente e continuava falando com ele, até que ele começou a insinuar coisas sexuais pra mim, eu digo que descobri o que era sexo porque ele me explicou, eu desenhava ele do jeito que eu via, um homem fardado de roupa camuflada, branco dos olhos muito azuis ( um azul escuro forte,) cabelos pretos e arrepiados com uma cicatriz em um dos olhos, ele era assim, eu sempre o via, até mesmo na minha adolescência, como eu disse, achei que isso fosse passar, mas não passou, estou prestes a fazer 28 anos e ele continua ao meu redor, ouço ele falar comigo toda hora, todos os dias, e ultimamente ele lamenta muito, diz que gostaria de estar vivo! Eu estou noiva e quando ele ficou sabendo ele começou a lamentar e a fazer piadas sobre meu noivo, não consigo me livrar dele, não sei o que pode ser, preciso de ajuda!

  86. Aline, suas dúvidas são todas respondidas na obra de Allan Kardec. A única maneira de evoluir é através do esclarecimento; a única maneira de obter esclarecimento é por meio do esforço próprio. No menu deste site há o item “livros”; nele você encontra as obras de Allan Kardec. Se quiser comprar, O Livro dos Espíritos, por onde deve começar o estudo, custa uns dez reais.
    Bom estudo.

  87. Oi, quando eu era criança vi uma capa preta passando então depois de grande comecei a ver de novo raramente, tenho arrepios do nada tenho sonhos que acontece algo comigo e depois a mesma coisa que sonhei acontece com outras pessoas ao meu redor, às vezes tenho pressentimentos de algo bom ou ruim, mas sempre acontece algo quando pressinto, um ano atrás minha tia ficou possessa e minha prima tava muito assustada e chamou todo mundo então eu fui lá tentar ajudar então peguei a bíblia e comecei a ler e tentar expulsar o que tinha nela e consegui. Uns dias depois minha prima me disse que a mãe dela falou que só conseguiu voltar em si quando eu comecei a cantar mas eu não tinha cantado, isso me assusta, não entendo, muitas vezes sinto presenças, vejo sombras, capas, hoje mesmo vi uma sombra passando na frente da minha porta e quando fui dormir senti presença e sempre alguém me para na rua e me fala Deus tem um grande propósito pra você, fico assustada, até queria entender, preciso entender, preciso não ter medo.

  88. Comecei indo ao centro espírita mas gostei mesmo da umbanda, lá eu me sinto em casa, na verdade não sei o motivo mas gosto D+. O preconceito na família é grande e não sei como continuar, uma vez me falaram que eu tinha dom mediúnico. No centro sinto arrepios e em casa presença, ou em sonhos, que me avisa alguma coisa. Lá no centro nunca me disseram nada a respeito. Mas acho que sei por que, talvez não esteja preparada. MUITO OBRIGADA.

  89. Obrigada por me esclarecer.
    Mas gostaria de seguir algum caminho,visto que,se isso que sempre tive, se trate de mediunidade e tdo em nossa vida tenha um proposito de acontecer, esse dom deve ter sido me dado por algum motivo, como posso desenvolver isto, sinto um vazio mto grande em minha vida…. acredito profundamente que a espiritualidade em minha vida viria a somar, mas não sei como prosseguir.Preciso de orientação!

  90. Sim, Carline, isso é mediunidade. Mediunidade não tem nada a ver com religião. Para que se “eduque” a mediunidade pode ser preciso o envolvimento com o aspecto religioso. Para que você compreenda melhor o assunto e suas consequências é preciso estudo. Só com o esclarecimento temos condições de conhecer melhor a nós mesmos e saber o que acontece conosco.
    O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec; O Livro dos Médiuns, de Allan Kardec; Mediunidade, de Edgard Armond; Mediunismo, de Ramatis; Estudando a Mediunidade, de Martins Peralva; são alguns livros que tratam do tema.

  91. Olá, bom dia, sempre tive muito interesse sobre esse assunto e muitas dúvidas.
    Há algum tempo atrás tinha muitos sonhos que aconteciam, coisas do dia a dia, mas acontecia pouco tempo depois com alguém próximo. O mais rápido foi aos 10 anos, sonhei com uma tia, sonhei que ela estava grávida e fazia muitos anos que não a via, acordei chamando a porta e era ela grávida! Há pouco tempo atrás vi numa rua próximo à minha casa, era quase uma da manhã, estava eu dirigindo e logo à frente tinha 3 meninos andando na rua fechando a rua, quando me aproximei, um deles olhou para trás, era muito real, logo os outros dois viraram também assustados e tudo sumiu na minha frente como um risco preto, parei o carro e tentei entender, segue o risco mas não vi mais nada.
    Já frequentei um centro por um tempo, lia livros, aí comecei a sonhar com um rapaz chamado Fernando, sentia no sonho que tinha algum laço forte entre nós, mas não sabia qual, até que um dia sonhei que flutuava, e ele me levava para um lugar onde trabalhava, uma sala toda azul, parei de frequentar, por medo de desenvolver algum tipo de mediunidade… isso seria algum sinal de mediunidade? PS. até hoje não consegui me manter em nenhuma religião.

  92. Renato, a manutenção ou conquista do equilíbrio emocional é dificultada principalmente pela preguiça. Falta esclarecimento por parte de inúmeros médiuns que nem sequer sabem que o são.

  93. Excepcional esse texto. Como médium, concordo com você. O maior inimigo do médium é o próprio ego. E é verdade que tem muita gente desequilibrada nesse meio. Minha mediunidade surgiu de repente e bem forte. Na época eu era ateu e comecei a ter desdobramentos com frequência. E se não fosse por isso eu seria ateu até hoje. Então para mim é evidente que mediunidade não implica em evolução espiritual, para mim ao menos implica em oportunidade de aprendizado. Se eu não visse e sentisse o mundo espiritual eu jamais acreditaria em vida após a morte. Sobre como o médium pode manter o equilíbrio emocional, não acho que é difícil não, ao menos pra mim. É só frequentar um centro sério, ser sincero com os próprios sentimentos e experiências e saber calar. Fofocar e se vangloriar é caminho certo para adoecer. Essa coisa de tentar saber quem fomos em outras vidas, acho o maior despropósito além de nada saudável. Somos o que somos hoje no aqui e agora. E com certeza somos melhores do que fomos ontem. Então pra que lembrar do que não importa? Acho que o grande problema da mediunidade surge quando a pessoa procura reconhecimento pela mediunidade. Mediunidade é um exercício de desapego.
    Até.

  94. Willian, em primeiro lugar é preciso esclarecimento. É preciso saber, por exemplo, que demônios não existem, o que existem são espíritos, como nós, que, eventualmente, podem se apresentar como se fossem demônios. Só através do estudo você terá condições de compreender e controlar isso.
    Sugiro a leitura de Allan Kardec, a começar pelo O Livro dos Espíritos – http://www.espiritoimortal.com.br/espirito_imortal/o-livro-dos-espiritos.pdf e O lLivro dos Médiuns – http://www.espiritoimortal.com.br/espirito_imortal/o-livro-dos-mediun.pdf, nesta ordem.
    Bons estudos.

  95. Olha, meu nome e Wilian, eu não sei nada sobre isso, mas esses dias está acontecendo muitas coisas comigo, eu consigo dizer todos os nomes dos demônios e as suas funções, porque diz minha avó que eu herdei isso de minha bisavó, ela era vidente e médium como eu. Que eu faço para desenvolver essa habilidade, se realmente eu tenho como minha avó fala que eu tenho?

  96. Obrigado pelo carinho e atenção, Daniela. Faça bom uso. E que possamos aprender juntos por muito tempo.

  97. Olá Morel, navegando entre sites de estudos, tive a felicidade de “ser encaminhada” para o seu, que está me ajudando muito, pela sua linguagem “moderna” e abrangente de vários assuntos. Sou médium desde muito novinha, o que “forçou” minha mãe a procurar “ajuda” em casas espíritas onde foi acolhida com carinho e, desde então, nos tornamos seguidores da doutrina. Hoje tenho muita alegria em poder participar e estudar em uma casa espírita em SP. Peço sua permissão para enviar seus textos para meus amigos de grupo para podermos trocar idéias em nossas reuniões. Obviamente, mencionarei seu site e autores. Obrigada. Que os irmãos de Luz continuem te abençoando para que você mantenha este site sempre no ar, ajudando muitas pessoas, pois esta também é uma forma de caridade. Fique em paz.

  98. Stéfani, tudo o que escrevo e as respostas que dou estão de acordo com os meus conhecimentos e experiências. Neste caso específico, seria leviandade de minha parte dar palpites sobre um assunto que não domino. Qualquer coisa que eu dissesse seria apenas isso, palpite. E mediunidade é algo sério demais para se prestar a isso. Apenas te aconselho a não dar importância ao que pensem ou deixem de pensar. Todo mundo é assombrado, em algum momento, pelo fantasma do animismo. Animismo não é fingimento, é manifestação autêntica do próprio médium, e nem sempre é possível ou mesmo interessante distinguir ou delimitar onde termina o animismo e onde começa a manifestação mediúnica.
    Fique com Deus.

  99. Boa Noite,
    Achei seu site há alguns dias por acaso, os seus textos e os depoimentos estão me ajudando muito. Você diz tudo o que eu já sei de uma maneira tão clara e lógica que parece que é a primeira vez que estou lendo sobre determinado assunto. Parabéns e obrigada.
    Mas enfim, estou passando por uma situação que por mais que eu quebre a cabeça pensando não consigo entender. Tomei coragem e decidi te perguntar kk.
    Tenho 18 anos, aos 15 comecei a me interessar pelo espiritismo e frequento um centro espírita desde os 16. Nunca tive sinais de mediunidade ostensiva. Quando pisei no centro pela primeira vez estava péssima, depressiva, quase louca. Pensava em diversas formas de suicídio embora ninguém soubesse. Após um tempo frequentando tudo passou. Sempre participei dos trabalhos mediúnicos e o máximo que eu sentia era alguém encostando ou um “pressão” na cabeça, às vezes sono, mas apenas isso. Há uns seis meses atrás, comecei a sentir coisas que até então eu e os doutrinadores imaginávamos ser manifestações psicofônicas. Meu coração disparava com muita força, me dava falta de ar, o corpo inteiro formigava, os braços, as pernas e me davam crises de choradeira (tudo junto), mas NUNCA consegui dizer UMA palavra, e nada me vinha na cabeça também, ou eu ficava muito deprimida ou revoltada, tinha vontade de bater, empurrar o doutrinador, mas me segurava. Na primeira vez morri de medo que acontecesse de novo, mas depois fiquei muito feliz. Ajudar era (ainda é) tudo o que eu queria, me dedico demais a tudo isso e amo aquele lugar. Enfim, há uns dois meses tudo parou. Não importa o quanto eu me concentre, não acontece NADA. Só sinto o que eu disse no começo que sentia, às vezes sinto tristeza, choro, mas aquilo não me acontece mais. Fico perdida e confesso que desanimada também. A primeira coisa que pensei foi: perdi minha mediunidade? Mas sei que isso não tem muito fundamento. Depois pensei, será que aquilo tudo era animismo? Mas tudo o que eu sentia era MUITO forte. Nunca em situação nenhuma da minha vida senti meu corpo todo formigando com tanta força, eu não conseguia nem ficar parada na cadeira. Me sinto muito culpada e envergonhada quando penso na teoria do animismo. Tenho medo que as pessoas pensem que eu estava fingindo. Mas tudo sumiu, não consigo mais sentir tudo isso. Bom, ficou enorme, desculpa. Sei que cada caso é um caso, mas o que você dentro do seu conhecimento acha que pode ter acontecido?
    Obrigada!
    Que Deus te abençoe!

  100. Ercília, passado um século e meio da codificação kardekiana, mais esclarecidos e livres de preconceitos religiosos e espirituais, podemos pensar livremente. No Livro dos Médiuns a faculdade mediúnica é tratada como dom assim como todas as faculdades de que dispomos, como a fala, a audição, a locomoção, o raciocínio etc. A mediunidade, isoladamente, não é dom, é instrumento de trabalho e reajuste. Tenho como um dos meus maiores princípios, expresso em vários artigos publicados neste site, a gratidão a Deus. Devemos ser gratos por todas as dádivas que Ele nos concede. Sob este aspecto, considero tudo o que nos foi ofertado pela Vida como dom de Deus. Mas isto não se aplica a uma característica analisada isoladamente. Concordo plenamente com você que é questão de linguagem. Mas é justamente a linguagem que norteia nossos pensamentos. Falar em punição, por exemplo, como na questão citada por você, é algo que não condiz com o grau de esclarecimento que conquistamos. Deus não pune, Deus educa.
    Fique com Deus.

  101. Amigos, sou trabalhadora em um centro cujo mentor é Ramatis, foi onde me encontrei espiritualmente. Somos universalistas, e o que seria isso!?
    Do meu modo simples de explicar, nós entendemos que somos Um, independente de sua religião ou crença, os ensinamentos de Jesus é Um, se tivermos amor sincero, vontade, estudo etc, o resto a espiritualidade toma conta.
    Deixo uma dica de um livro de fácil entendimento, Segurança Mediúnica, pelo espírito Miramez.

  102. Morel,
    Em primeiro lugar peço desculpas pela referência do livro. Na verdade o texto que coloquei está no Livro Dos Médiuns, Cap.XX, item 226.
    Finalmente, esse tema já esteve em discussão no centro que eu frequentava. Pesquisamos (eu pertencia ao grupo de pesquisas) e chegamos à conclusão exposta por mim.
    Sei que sua ideia é em relação aos maus médiuns, aos que se acham seres privilegiados e que até mistificam para serem aplaudidos, mas, como diz na 3a questão do capítulo XX_ 226, “se delas fizerem mau uso serão punidos duplamente,etc.etc.”, mas continua sendo dom. Desculpe-me a insistência. Sei que o conceito continuará sendo esse que você expôs… mas, como disseram os Espíritos no Livro dos Espíritos “compete-vos a vós formular a vossa linguagem (…). “, eu digo: numa linguagem polissêmica difícil definir exatamente.
    Abraços!

  103. Jorge, se você se referiu ao livro Mediunismo, que citei hoje, ele trata praticamente de uma análise do Livro dos Médiuns de Kardec. Quando disse que Ramatis, em determinada época, vendeu mais que Kardec, quis dizer que ele contrariou interesses e o status quo das federações. Vender mais que Kardec, fazendo muito sucesso, era uma espécie de pecado. A Zíbia é outro exemplo de execração por parte das federações. Só era boa enquanto perfilava-se nos quadros federativos. Onde há homens, há disputas de poder. O mesmo Herculano que chamou André Luiz de neófito entusiasmado foi quem batizou Ramatis de pseudossábio.
    Reitero que não sou defensor de Ramatis. É que cada um conta a história a seu modo… Criticam Ramatis por sua descrição do planeta Marte, mas esquecem que Emmanuel fez muito parecido.
    É isso. Pra quem não ia defender Ramatis, já fui longe.
    Um abraço!

  104. Conheço sim algumas Obras de Ramatis, mas infelizmente muito do que ele fala a meu ver não se coaduna com a doutrina espírita, ele tem uma vertente mais esotérica e oriental, completamente destoante do caráter científico e filosófico de kardec, não acho recomendável para principiantes na mediunidade, existem outras obras que sabemos provir de médiuns alinhados com a doutrina, dentre eles Divaldo e Chico. Hercílio Maes (médium de Ramatis) recebeu os livros em sua casa sem ser assessorado em um centro espírita que poderia fazer o controle universal e todos sabemos como devemos agir quando a fonte do ensinamento é única, mas se o estudante for bastante maduro para separar o joio do trigo não vejo motivos para não usar o livro de Ramatis, alguma coisa sempre se aproveita, quanto a ele vender mais livros do que kardec creio que isso não quer dizer muita coisa pois Paulo Coelho vende mais do que Kardec, Chico Xavier vende mais do que Kardec, ZÍbia Gasparetto vende mais do que kardec, a bíblia vende mais do que kardec, Divaldo franco vende mais do que kardec, enfim… acho que a questão comercial é o de menos, lembro de haver lido algo escrito por Herculano Pires onde ele critica André Luiz e chega a chamÁ-lo de neófito entusiasmado, com relação a algumas coisas que ele fala em seus livros que não se alinham com Kardec, o zelo doutrinário não deve ser fanatizado tampouco descartado, os livros de André Luiz e Emmanuel bem como de Divaldo são o que existem de melhor como complementares à doutrina, e se kardec vende menos do que esses isso é culpa dos próprios espíritas que relegam as obras básicas a segundo plano, soube de um caso onde até mesmo os livros do espirito Patricia eram usados como fontes de estudo… não sou um fanático por kardec nem acho que ele disse a última palavra, mas acho bom sim termos prudência com essas obras que provém de uma única fonte, não rejeitar nem aceitar de plano mas sim buscar sua confirmação pela lógica e pelos fatos, como fazia kardec
    Abraços e adoro seu site entro todos os dias continue com o belo trabalho.

  105. Se eu pedi, não sei, sei que sinto o mundo espiritual, como vejo uma janela embaçada com vidros trancados, mesmo percebendo que do outro lado tem quem me veja, de certa forma sinto que Deus está no controle de tudo e que a mediunidade é apenas mais um sentido desconhecido, já tentei frequentar cursos mas não foi possível, muita pressão, desisti, acredito que na misericórdia divina tudo evolui com ou sem ajuda de terceiros, se eu cometi faltas no passado, no presente já mudei e tudo agora está renovado, tudo evolui naturalmente, se melhorei, tudo também deve ter avançado até aqueles a quem um dia fiz mal, não vou contra o que estudo na doutrina mas Deus nos deu a capacidade de pensar, e a liberdade de ser, acho que existem fatos que se renovam com o estudo e aprendizado. Acredito na doutrina espírita, mas também gosto de ser sincera.

  106. Boa noite, não sou médium mas frequento um grupo espírita aqui em Sete Lagoas MG e procuro sempre aprender com os ensinamentos da doutrina como a reforma íntima, a conduta em diversas situações da vida no dia a dia. Só isso já vale muito para mim, mas a doutrina nos proporciona muito mais, basta um pouco de estudo e veremos a luz Divina que transmite o espiritismo de acordo com o Evangelho de Nosso Mestre Maior JESUS CRISTO. Um abraço, que Deus continue sempre a te iluminar.

  107. Jorge, conheço pouco da obra de Ramatis, que é muito vasta. O que eu li não tem nada que contrarie a doutrina. Não sei o que seria um “espírito comprovadamente psudossábio”. Jorge, não estou defendendo Ramatis, não tenho nenhuma admiração especial por ele. Defenderia André Luiz, se fosse o caso. Mas você afirma isso por você mesmo ou você ouviu falar? Você sabia que nos anos 50 Ramatis vendia mais que Allan Kardec e representou uma séria ameaça à FEB? A árvore se conhece pelos seus frutos. Só vi, até hoje, bons frutos advindos das obras de Ramatis. Se um dia perceber que estou enganado, mudarei de ideia. Entendo o seu cuidado, Jorge. Mas acho que a sua preocupação não se aplica a este caso.

  108. Oi Morel. Li acima que você recomendou o Livro de Ramatis, mas Ramatis não é alinhado com os princípios da Doutrina Espírita, nunca vi nenhum centro espírita que adote o espiritismo “kardeciano” (para me fazer entender) usar seus livros, com todo respeito ao seu conhecimento que é bem maior que o meu sobre o assunto, não seria temeroso ler um livro de um espírito comprovadamente pseudo-sábio??

  109. Ercilia, parabéns por seu comentário muito bem fundamentado. Se considerarmos dom como aptidão, qualidade, sim, a mediunidade é um dom. Com uma boa voz, braços fortes para o trabalho, visão perfeita, e por aí vai. Pode ser um dom considerando a Humanidade, não as pessoas individualmente. O portador de mediunidade não é um privilegiado, não é um merecedor de uma dádiva de Deus. Mediunidade é instrumento de trabalho e aperfeiçoamento moral.
    Fique com Deus.

  110. Morel, a mediunidade é um DOM, sim.
    É preciso ampliar o conceito da palavra!
    Dicionário AULETE
    FACULDADE – Aptidão, capacidade, possibilidade (inatos, naturais ou adquiridos) de fazer algo:

    DOM – Qualidade inata
    Vamos à conceituada Dra. Marlene Nobre: “– A mediunidade é um dom concedido por Deus a todas as criaturas humanas, como o dom ou a faculdade de respirar. Conforme instrução do mentor Alexandre, no livro de André LuizMissionários da Luz, pela psicografia de Chico Xavier, esse dom significa um sentido novo da criatura humana, expresso através da atividade da glândula pineal. Por sua vez, esse sentido novo, que é a mediunidade, dá um novo significado à existência humana, uma nova perspectiva de evolução para a humanidade.”
    Agora , vamos dar uma lida no ESE!
    – “ Sempre se há dito que a mediunidade é um dom de Deus, uma graça, um favor. Por que, então, não constitui privilégio dos homens de bem e por que se vêem pessoas indignas que a possuem no mais alto grau e que dela usam mal?
    – Todas as faculdades são favores pelos quais deve a criatura render graças a Deus, pois que homens há privados delas. Poderias igualmente perguntar por que concede Deus vista magnífica a malfeitores, destreza a gatunos, eloquência aos que dela se servem para dizer coisas nocivas. O mesmo se dá com a mediunidade. Se há pessoas indignas que a possuem, é que disso precisam mais do que as outras, para se melhorarem. Pensas que Deus recusa meios de salvação aos culpados? Ao contrário, multiplica-os no caminho que eles percorrem; põe-nos nas mãos deles. Cabe-lhes aproveitá-los. Judas, o traidor, não fez milagres e não curou doentes, como apóstolo? Deus permitiu que ele tivesse esse dom, para mais odiosa tornar aos seus próprios olhos a traição que praticou.”
    O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec – cap. XXIV – item 12

    Bem, Morel, a prepotência das pessoas, o mal uso da faculdade, do dom, não anula sua existência.
    Abraços !

  111. Quanto mais tenho estudado sobre a mediunidade, maior tem sido o peso da responsabilidade, de cobranças, de se vigiar mais nos pensamentos, sentimentos, atos e atitudes. Por se tratar de uma ferramenta, requer um bom manuseio para que a mesma não me fira ou venha a ferir alguém. Mas por outro lado tenho experimentado como retorno uma sensação de paz e equilíbrio como nunca havia sido antes. É muito bom trabalhar e ter bons resultados, é muito grande a misericórdia de Deus por nós, por tantas oportunidades de nos melhorarmos. Conheço médiuns que têm ferramentas tão fortes como uma britadeira, e outros se assemelham a um pincel, mas o mais importante é que no final a obra fica completa. Muita paz e trabalho a todos…

  112. Muito bom texto.
    Podemos verificar, infelizmente, que o egocentrismo ainda impera entre nós.
    Saudações.

  113. Carlos, não podemos interferir no livre-arbítrio de ninguém. É importante que ela se sinta bem no centro espírita que vocês frequentam. Seria muito bom que ela aceitasse participar do Evangelho no Lar. Seja paciente, ore muito. O resto deve partir dela…
    Poucas pessoas entendem o grau de influência que sofrem, e o quanto suas vidas e as vidas das pessoas próximas mudam ao trabalharmos o lado espiritual. Mas o modo mais eficaz de convencermos alguém ainda é pelo próprio exemplo; palavras nem sempre são suficientes.
    Fique com Deus.

  114. Meu caro Morel, sou casado há 12 anos. Somente há pouco tempo começamos a frequentar um centro espírita. A minha esposa é médium. Pelo pouco que conheço a doutrina, ela no momento não quer se envolver muito. Mas direto observo que ela sofre certas influências espirituais. No serviço que ela trabalha tem contato com muitas pessoas, infelizmente, muita gente boa mas também muita gente ruim. Tem dias que ela chega em casa com uma vibração tão negativa que acaba interferindo em nosso relacionamento. Me oriente, o devo fazer? Faço evangelho no lar um vez por semana mas ela não participa. Diz que não está preparada ainda. Meu amigo, o que devo fazer ?

  115. Obrigado pelo depoimento, Denise. Exemplos pessoais sempre são úteis a quem passa por situações semelhantes.

  116. Bom dia Morel
    Muito bom esse tema. Minha mediunidade aflorou com 14 anos e na adolescência queria diversão como todas as jovens. Passei por vários problemas pessoais, me revoltei porque não queria ter… Mas frequentando um centro espírita me ajudou um pouco, mas como você diz, é necessário uma reforma íntima e vigilância, pois existem muitos espíritos zombeteiros e inteligentes que transmitem mensagens bem contrárias ao cristianismo, que usam os nossos pontos fracos como orgulho, vaidade… O estudo ajuda sim e muito, o que me ajudou foi o trabalho no bem! Caridade, trabalho com criança, idosos… sempre bom! Que Deus te proteja sempre e que você continue sempre com lindas inspirações. Espero melhorar e assim como você ter inspirações dos bons espíritos!
    Abraço.
    Denise

  117. A espiritualidade é a mesma em todos os tempos. A obra de Kardec é atual e permanece sendo a fundamentação do Espiritismo. Isso não quer dizer que outros livros não sejam valorosos por se reportarem mais diretamente à forma como a mediunidade é exercida hoje, principalmente no Brasil. Acho benéfico e mesmo necessário que se consultem outras obras. Mas creio que o estudo deve começar por Allan Kardec.

  118. Mas o livro de Allan Kardec já foi escrito há tanto tempo, em relação a ele como fica a espiritualidade da nova era?

  119. Maria Jose, cada um reencarna onde houver maior possibilidade de aproveitamento na oportunidade. Como temos comprometimento com muitos espíritos, reencarnamos próximos uns dos outros, pra facilitar o reencontro…

  120. Quem me dera ter nascido no Brasil!!!! Minha vida seria outra!!! Quem sabe numa próxima reencarnação eu mereça… Parabéns a todos os brasileiros pelo alto astral, pela simpatia e pela sorte que tiveram!

  121. Há livros muito bons que tratam do tema. O Livro dos Médiuns, de Allan Kardec; Mediunismo, de Ramatis; Estudando a Mediunidade, de Martins Peralva; Mediunidade, de Edgard Armond e outros. Alguns são encontrados em PDF na internet.

  122. Estou muito feliz nesse momento em que perdi o sono, liguei o computador na procura de qualquer coisa pra passar o tempo, encontrei uma oportunidade de obter mais informação sobre um assunto que gosto muito mas vivo cheia de dúvidas por serem de difícil compreensão…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.