Pensamento e disciplina

Não nos deixeis cair em tentação

criança no abismo

Morel Felipe Wilkon

Ouça este artigo na voz do autor

Na oração que Jesus nos ensinou, o penúltimo pedido diz assim: “Não nos deixeis cair em tentação”.

Ninguém gosta de problemas. Ou quase ninguém. Já ouvi falar de grandes empresários que gostam de problemas, pois são os problemas que lhes possibilitam inovações e provocam mudanças estruturais. Mas são exceções.

O fato de não gostarmos de problemas não quer dizer que não possamos reconhecer os seus benefícios. Quando escrevi o artigo Problemas são oportunidades de crescimento algumas pessoas não gostaram, do tipo que argumenta que “é fácil falar assim quando não se tem problemas”. Como não escrevo pra tratar dos meus problemas, nem costumo falar sobre eles, a maioria pensa que não os tenho.

não nos deixes cair
Quando estivermos em tentação…

Mas o fato é que os problemas são necessários e, muitas vezes, úteis. Pelo nosso estado de imperfeição, precisamos dos problemas.

Há os problemas que derivam de erros que cometemos no passado. Sabemos que toda ação gera uma reação. Se nossas ações não são muito acertadas, invariavelmente elas repercutem, lá na frente, em forma de problema.

Se quiser ler mais sobre ação e reação, clique aqui.

Mas independentemente da Lei de causa e efeito aplicada aos nossos atos, neste planeta estamos sujeitos aos problemas. A própria Natureza nos oferece alguns, de tempos em tempos. Se estamos neste planeta, é porque ele é o mais adequado para a nossa evolução. E se ele nos proporciona, regularmente, problemas a resolver, é porque precisamos destes problemas para exercitarmos nossa inteligência e desenvolvermos nossas capacidades.

Na oração que Jesus nos ensinou, o penúltimo pedido diz assim: “Não nos deixeis cair em tentação”. As tentações são as provas a que estamos submetidos. Somos constantemente submetidos a provações de toda espécie. É por meio delas que forjamos o nosso caráter, é superando as provas que nos fortalecemos.

“Não nos deixeis cair em tentação”, ou seja, que não caiamos quando estivermos sendo submetidos a provas, que aguentemos firme as provas da vida, que saibamos usar de nossas forças para superarmos os períodos de provações mais duras. Sabendo que as provas são inevitáveis, que os problemas fazem parte do cotidiano dos habitantes deste planeta, Jesus nos ensinou a pedir especialmente isso; que nossas forças internas sejam suficientemente mobilizadas a ponto de nos sustentarmos de pé durante as provações, de não cairmos, de superarmos os momentos de adversidades sem nos rebaixarmos.

Não é preciso chagar ao fundo do poço para usar a sua força.

Esse pedido é, ao mesmo tempo, implicitamente, uma súplica a Deus para que não nos mande provas muito duras, difíceis demais de suportar. Que os problemas, que são inevitáveis e fazem parte da estrutura da Vida na Terra, não sejam esmagadores, que não venham todos de uma vez só, para que tenhamos condições físicas, morais e intelectuais para solucioná-los.

Alternamos, em nossa vida, períodos de reflexão e de execução. De tempos em tempos somos confrontados com problemas exigindo solução. São os problemas que nos fazem pensar em novas possibilidades, que fazem com que nos questionemos, que nos levam à reflexão e à análise. Nos intervalos entre os problemas consideráveis, temos os períodos de execução, em que as coisas andam livremente e temos condições de colocar em prática os aprendizados adquiridos na resolução dos problemas.

Vivemos ciclos, assim como a Natureza. A Natureza também tem esses ciclos de problemas e calmaria, de enchentes periódicas, de ventanias cíclicas, de temperaturas previsíveis como as estações do ano.

Tenhamos ânimo nas fases problemáticas. A função dos problemas é nos oferecer oportunidades de aprendizado. Temos que prestar atenção a eles, às suas causas, às suas peculiaridades e às nossas reações sobre eles. Sabendo, sempre, que os problemas, como tudo na vida, são passageiros.

E, quando estivermos numa fase de calmaria, que saibamos aproveitá-la, com a experiência adquirida com as provações da vida, sabendo que até isso é passageiro, e, por isso mesmo, deve ser saboreado e valorizado.

Isso também passa…

Conheça meu canal no Youtube!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

15 Comentários

  1. Morel! Gosto muito dos teus videos e áudios. Não tenho nenhuma religião, não acredito em vidas passadas, portanto nem em reencarnações e dívidas acumuladas de outras vidas. Penso que somos passageiros na terra e devemos evoluir enquanto estamos aqui e deixar um legado para as gerações futuras… filhos e netos. Mas acredito, e já comprovei em minha vida, a existência das energias, da força do pensamento, na lei de causa e efeito, que funciona mesmo para quem se esforça em evoluir conscientemente, ou através de religiões, ou seja, nas crenças. Porém quero te parabenizar pelas lindas palavras traduzidas, digamos assim, para que possamos entender o significado de algumas passagens da Bíblia, à qual eu sempre tive aversão, por não entender. Apesar de não concordar com tudo, não levo ao pé da letra todas as interpretações, tem muitos ensinamentos bons para se refletir. Simpatizo com a forma natural que você expõe o pensamento!
    Gostaria aqui apenas deixar duas perguntas: 1ª como o espiritismo pode comprovar que existem outros planetas, ou lugares para onde os seres vão para evoluir em outra existência?
    2ª Em relação às tentações, como posso pedir para que não me deixe cair em tentação, ou, não me envie provas muito grandes, se fui eu que criei as causas? Penso que seria mais conveniente nos preocuparmos em vencer a ignorância com o saber ao invés da crença, pois temos uma mente, inteligência, a sensibilidade que nos acusa quando estamos agindo de forma errada, assim evitaríamos os erros e consequentemente as conseqüências.
    Grata pela atenção, e um forte e afetuoso abraço!

  2. Obrigada pelas suas palavras Georgiana! Obrigada Morel pelo seu conselho.
    Ambos ajudam a refletir. Como o Morel referiu num comentário anterior, não é tarefa muito fácil manter casamento, filhos e tudo o que daí advém. Ontem eu estava num momento de reflexão sobre a tudo o que me rodeia. As minhas relações com os outros e sobretudo o modo como venho me relacionando comigo mesma. É justo dizer que se estou nesta situação, a responsabilidade é minha, pois sou eu que tomo as minhas decisões, crio as situações. Realmente, quando engravidei, não imaginei estar nesta situação, ficar com a sensação de estar estagnada. Ter filhos é ótimo, é o melhor do mundo.mas verdade que eles também vieram testar fortemente a relação com o meu marido, pois já vi casamentos acabarem por muito menos, e isso está a acontecer com casais, nossos amigos. Sou uma pessoa muito forte, e raramente dou a entender aos outros que estou mal, tento sempre ver o lado positivo das situações, por isso que quando eu choro e abalo me na frente de um amigo ou do marido, a expressão que oiço é ” mas eu pensava que estava tudo bem contigo?!” . Esta existência tem me ensinado isso… Fui obrigada desde muito cedo, para não ficar abalada emocionalmente em situações de crise, a manter frieza de pensamentos. Abstraia me dos meus problemas ajudando os outros. Ás vezes dou por mim a ser mãe dos amigos, do marido, dos filhos e até da minha mãe. E foi aí, que descambou tudo Georgiana. De tanto cuidar dos outros, por vezes também sinto falta de colo, de que alguém cuide de mim também. Sei que essa parte deveria passar por mim, eu cuidar de mim e depois poder cuidar dos outros, mas a prática não se alia ao cansaço. Eu tenho ideia de cuidar dos filhos, mas eles para mim, no futuro serão como navios. Terão suas experiências, suas aprendizagens mais ou menos dolorosas mas eu serei como um porto de abrigo para eles, embora não queira interferir muito no seu caminho, mostrando lhes as bases da vida ( Amor, Fé, tolerância e respeito por si mesmos) . Mas tudo isso, sei que será através do meu exemplo. O que ontem se passou comigo, foi um pico, talvez uma crise. Pode achar absurdo, mas eu sendo uma pessoa que gosta da simplicidade, tive muitas oportunidades para ter uma vida mais materialista, podia ter optado por uma carreira de modelo ( tive muitas propostas) e os filhos ficariam para triségimo plano… Mas sei que essa não seria eu mais feliz, não seria isso que iria contribuir minha evolução. Mas tudo o que disse aqui, faz parte de mim, da minha evolução enquanto ser humano. Também sou formada em vendas! É essa a minha profissão e a minha especialidade é gestão de reclamações ( pois meus chefes devido a minha aparente calma, viram me ter muita paciência com os clientes) . Mas vou pensar nas suas palavras e tudo se há de compor. Para tudo é necessário paciência connosco mesmos e fase de adaptação ás situações! Paz na mente e luz nos nossos espíritos!

  3. Ana e Morel boa tarde!

    Em especial a você Ana, antes de começar a escrever pedi orientações aos anjos de luz que iluminassem meus dedinhos e que minha mente pudesse produzir pensamentos uteis, capazes de tocar seu coração e de alguma maneira poder contribuir com seu momento. Longe de mim a pretensão de ser a “salvadora da pátria” mas meu intuito é poder sim contribuir principalmente pela experiência.
    Sei que há pouco nos conhecemos, trocamos histórias e ainda assim é muito pouco para que eu possa manifestar uma força capaz de ser útil para a sua vida. No entanto tentarei!
    Como você sabe sou mãe adotiva e recente. Moro na cidade, nunca tirei licença, pois nosso bebê nasceu em nossas vidas em um período financeiro delicado e como trabalho com vendas estávamos entrando no período de alta demanda e boas comissões seriam muito bem vindas! Não é fácil tomar certas decisões, quando estas são diretamente responsáveis pela vida de outro ser, e quando este ser é um filho??? Nossa!!! nem me fale!!!
    Conseguimos uma babá que fica em casa com sob os cuidados e observações da avó de nosso filho enquanto trabalhamos.
    Diversas vezes senti um enorme aperto no peito, sinto muito por estar perdendo algumas horas do dia e longe das coisinhas que os bebês aprendem. Mas me dediquei e me concentrei e consegui, pois além das duas horas de almoço livre eu ainda saio cedo, moro próximo ao trabalho e assim tenho muitas disponíveis para estar com ele. E sinto que ele entende. (DETALHE: MESMO RELATANDO NA PRIMEIRA PESSOA, PODE CONSIDERAR NA PRIMEIRA DO PLURAL, POIS DE FATO NÓS, OU SEJA, EU E A MINHA COMPANHEIRA COMPARTILHAMOS OS MESMOS SENTIMENTOS COM RELAÇÃO AO NOSSO FILHO).
    Por muitas vezes quase desisti do trabalho para me dedicar somente a ele, no entanto sempre encontro uma maneira de conciliar. Creio que inteligente e dedicada como você é, logo você encontrará algo que sacie e a preencha de maneira a lhe proporcionar realizações de ser útil.
    Ana, em casa podemos ser útil e muito!!! veja só por exemplo, mesmo em casa e morando em outro país nos conhecemos mesmo sem sabermos como somos fisicamente.
    Creio que talvez você possa assim como Morel construir um blog ou um site, no qual você pudesse manifestar sua contribuição sobre assuntos relacionados a maternidade, ou outros assuntos peculiares até mesmo a doutrina.
    Você é jovem ainda, seus filhos são sua inspiração!
    Semana passada senti um enorme aperto e ao mesmo tempo uma inexplicável emoção, nosso bebê começou a estudar (claro que ainda são mais brincadeiras), ele tem 1 ano e 8 meses, passo todo o período em que ele está lá na escolinha pensando em como tudo está ocorrendo, mesmo ele estando sendo supervisionado pela a babá temporariamente, tudo é evolução e em breve ele mesmo pequenino estará só com os coleguinhas e as tias. É o início de um novo mundo pra ele, muitos acham cedo, mas é normal iniciar a partir de 1 ano e meio. Quando você estiver preparada e se sentir segura, será uma incrível oportunidade para seus filhos e para seus bebês.
    Fica em paz!
    E vamos trocar mais ideias e experiências.

    Deus te abençõe!

  4. Ana, talvez você deva reconsiderar sobre colocar os seus filhos numa creche. É bom para as crianças conviver com outras crianças e é bom que você tenha algum tempo seu, longe deles.
    Todos precisamos de alguma atividades que nos preencha, que seja útil a mais alguém além de nós mesmos. Aliás, a vida passa rápido, e temos que aproveitar o tempo disponível da melhor forma possível. A reencarnação é uma oportunidade que não devemos desperdiçar.

  5. Bom dia, Morel. Meu momento atual reflete as palavras do seu texto. Peço a Deus coragem, paciência, amparo para mim e para os meus. Mas ultimamente tenho sentido que falta algo em mim, mesmo praticando o Estudo e cuidando dos meus filhos. Peço a Deus que não me deixe cair em tentação de fazer asneira, magoar os outros… Mas vejo me neste momento, como se tivesse estagnada, tivesse parada. Atualmente, vivo na cidade, mas sinto um desejo enorme de voltar ao campo (onde fui criada) e não é possível devido ao trabalho do meu marido. Minha tarefa atual é cuidar dos meus filhos, mas embora muito os ame e goste de cuidar deles, mas também sinto vontade de ser criativa, criar algo através de trabalho manual ou escrita. Passo muitos dias seguidos em casa, não convivo com os amigos, familiares e dá me a sensação de me estar a tornar uma ermita. Estou em casa com os meus filhotes há dois anos e meio, e sinto que um dia não vou conseguir voltar a trabalhar fora de casa. Ao início foi difícil, mas acabei por me habituar a estar em casa com os meus filhos, e agora parece que não sei fazer outra coisa senão, ser mãe!? Até porque a minha sensibilidade aumentou, não consigo estar num shopping muito tempo que começo a sentir me cansada, e ir ao cinema, então, nem pensar, venho de lá muito irritada. Não sei se colocar meus filhos na creche será muito egoísmo da minha parte, até porque depois eles vão adoecer constantemente e sei que mesmo tendo mais tempo para mim, ainda vou demorar até me “encontrar”. E minha sensibilidade mediunica, não estou conseguido lidar com ela como devia. Tem dias como este em que não queria ser como sou, sensível demais, instável nos pensamentos. Queria ser “normal”, não ter estas sensações, insônias constantes (porque ser mãe de gémeos é dose). Não encare este meu comentário com pessimismo, apenas é um desabafo. Por isso, peço lhe uma luz, um conselho baseado no conhecimento espiritual.
    Agradeço os seus textos! Muita luz!

  6. Clara, o importante não é dar nome ao que está acontecendo, mas compreender o que se passa. Pode ser, sim, um prova que você deva enfrentar. É possível que tenha cometido um erro com ele numa existência passada e agora tenha a oportunidade de resistir, de manter-se no caminho reto. Mas isso é apenas uma hipótese.
    O que realmente importa é que você perceba que, depois de casados, com filhos e cheios de responsabilidades, qualquer possibilidade gera fantasias no coração. Não é tarefa muito simples manter casamento, filhos e tudo o que isso comporta. Muitos dos encantos do parceiro ficam abafados na rotina e nas obrigações cotidianas. Uma outra pessoa, com quem já há uma ligação, parece se sobrepor aos problemas da vida, parece a solução. Pura ilusão. É apenas aparência, apenas fuga da realidade. A realidade são nossos deveres, e isso inclui – para os casados, é claro – cônjuge e filhos.
    Não alimente ilusões. Se a situação fosse inversa, ou seja, se você tivesse casado com esse ex-namorado e quem reaparecesse depois de trinta anos fosse o seu marido, é muito provável que você sentisse a mesma coisa. São emoções que estavam adormecidas e despertaram. Mas essas emoções não são provocadas pela outra pessoa. Elas são suas. Você as dirige a quem quiser, basta vontade e dedicação.
    Controle seus pensamentos, dê mais atenção ao seu marido, se houver condições, fale a respeito com ele. Você é responsável pelos seus pensamentos, palavras e ações.

  7. Meu primeiro namorado apareceu 30 anos depois! Hoje ambos estamos casados e com os filhos criados, mas creio que nos amamos muito. Para mim tem sido um grande sofrimento ficar sem ele. Isso é uma provação? ou obsessão? ou seria uma tentação? Por favor de traga uma luz!

  8. Oi, Morel tudo bem? Então eu tenho ciência de que não cai uma folha sem a permissão de Deus, tudo que acontece conosco é para nossa evolução espiritual. Eu gostaria que você falasse sobre as redes sociais ex: Facebook. Qual o grau de interferência que isso tem em nossas vidas, e como podemos continuar possuindo a rede sem haver interferência em nossas vida? Paz e luz…

  9. Georgiana, a expiação é o resultado de nossas ações passadas que contrariaram as leis de Deus. São reajustes, são maneiras de nos rearmonizarmos com o Universo. Mesmo que já tenhamos nos conscientizado de nossos erros, nós mesmos pedimos, ou aceitamos, sentir em nós mesmos o que fizemos alguém sentir no passado. Todos temos provas e expiações. A expiação pode ser o familiar difícil, que exigirá de nós um permanente cuidado; pode ser a dificuldade física ou mental, a saúde frágil…

  10. Quando conseguirmos de fato parar de culpar o “outro”, o mundo, as coisas pelas nossas imperfeições e por nossos fracassos, quando encontrarmos em nós a razão pelas dores e a solução dos problemas, aí sim estaremos fielmente sendo sinceros com nós mesmos e com a natureza.
    A vida não joga para perder, sempre arruma um jeito de nos ensinar algo, nos mostrando meios de reconhecermos que CHEGA! JÁ É HORA DE MUDAR! de encontrar nossa verdadeira razão de existir, somos seres imortais criados para evolução, sim, sei que somos, mas muitas dores e problemas da vida de fato nos “derrubam nas tentações” e superar e entender demora…
    Como entender e ajudar uma mãe que teve uma filha de 9 anos, linda, inteligente, destaque na escola, menina de ouro, educada, digna de vários conceitos de bondade… que em meio a uma inocente brincadeira com mais 3 coleguinhas dentro de casa, teve seu corpo coberto por chamas, sofreu dias até sua morte. Esse acidente fez 1 ano e até hoje sua mãe (MINHA VIZINHA) vive como um zumbi, sob efeito de calmantes, tem mais um lindo filho, mas não consegue se reerguer dessa dor…
    Não consigo entender a diferença de prova de expiação, quem passou (ou passa) pela prova, quem passou (ou passa) pela expiação???

  11. Olá Morel, é bem verdade que só conseguimos “crescer” por meio dessas provas, isso é fato. Embora muitas pessoas não reconheçam, podemos nos certificar com pessoas do nosso meio, ou seja, aquelas que não tiveram uma vida tão fácil, são mais maduras, conseguem lidar melhor com os problemas, já outras parecem que precisam sempre de uma “bengala” e isso é reflexo da nossa superação ou não dos nossos problemas! Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.